SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Gás NaturalDefinição, Regulamentação, Obtenção, Utilização, Ocorrências no Brasil e no Mundo, e Impactos Ambientais
Introdução
Definição
É um combustível
fóssil formado
quando camadas de
animais e vegetais
soterrados ficam
expostos a intenso
calor e pressão.
Definição
Também definido como a mistura
de hidrocarbonetos leves
encontrada no subsolo, na qual o
metano tem uma participação
superior a 70 % em volume.
Metano (CH4)
Regulamentação
• Definida pela ANP através da lei número 9.478/97
(Lei do Petróleo);
• “O gás natural se trata da porção do petróleo que
existe na fase gasosa ou em solução no óleo, nas
condições originais de reservatório, e que
permanece no estado gasoso em CNTP.”
Obtenção
• Gás associado: é aquele que, no reservatório, está
dissolvido no óleo ou sob a forma de capa de gás;
• Gás não-associado: é aquele que, no reservatório,
está livre ou em presença de quantidades muito
pequenas de óleo.
Obtenção
• Extração;
• Produção;
• Condicionamento;
• Processamento;
• Transporte;
• Comercialização;
• Distribuição.
Utilização
Utilização
• É empregue diretamente como combustível, tanto
em indústrias, quanto em casas e automóveis;
• Alguns dos gases de sua composição são eliminados
porque não possuem capacidade energética
(nitrogênio ou CO2) ou porque podem deixar
resíduos nos condutores (butano).
Utilização
• Combustível: é mais limpa fonte de combustão e
prolonga a vida útil dos equipamentos que o utilizam;
• Automóveis: utilizado principalmente para motores
de ônibus e caminhões.
• Indústrias: utilizado para a produção de metanol,
amônia e ureia.
Brasil
Utilização no Brasil
• Se inicia em meados do século XX, quando se
encontra óleo e gás no recôncavo baiano;
• Por volta de 1970, descobre-se a bacia de Campos,
a qual dá um forte impulso à economia brasileira, já
que o Oriente Médio passava por uma crise.
Utilização no Brasil
• No final do século XX o Brasil fechou um acordo com
a Bolívia referente à construção de um gasoduto
que ligava esses dois países;
• Essa ideia surgiu através da tentativa do governo de
estabilizar uma crise energética crescente no país.
Utilização no Brasil
Nos últimos anos, com
a descoberta das
bacias de Santos, do
Espírito Santo e com o
início da exploração
do Pré-Sal, as reservas
brasileiras tiveram um
aumento significativo.
Utilização no Brasil
Mundo
Utilização no Mundo
• Um dos primeiros registros históricos de uso
aproveitável do gás natural aparece na China, nos
séculos XVIII e XIX (alto-fornos);
• Já, no século XIX, o gás natural foi normalmente
obtido como subproduto da produção do petróleo;
Utilização no Mundo
O gás natural passou a ser
utilizado em maior escala na
Europa no final do século XVIII,
com a invenção do
queimador Bunsen e com a
construção de um gasoduto à
prova de vazamentos, em 1890.
Utilização no Mundo
• Entre 1927 e 1931 já existiam mais de 10 linhas de
transmissão de porte nos Estados Unidos, mas sem
alcance interestadual;
• O grande crescimento das construções pós-guerra
(até 1960) foi responsável pela instalação de
milhares de quilômetros de gasodutos pelo mundo.
Utilização no Mundo
M³ por ano
Impactos Ambientais
Prós
• Baixa presença de contaminantes;
• Combustão mais limpa, contribuindo para a
diminuição da poluição urbana;
• Menor contribuição de emissões de CO2;
• Pequena exigência de tratamento dos gases;
• Maior facilidade de transporte e manuseio;
• Não requer estocagem, gerando maior segurança;
Contras
• Combustível fóssil não-
renovável;
• Necessidade de um
sistema de resfriamento,
cujo fluido refrigerante
é normalmente a água;
• Emissões atmosféricas;
Integrantes
Alexandre de Araújo Barreto Filho
Daruick Fagundes da Silva Cunha
Gabriel Resende Miranda
Pedro Henrique Chagas Alves
Thales Divino Vilela da Silva Lemes
3° Ano – Informática (IFTM – Campus Ituiutaba)
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Gá
s_natural
• http://www.brasilescola.com/g
eografia/fontes-gas-
natural.htm
• http://www.mma.gov.br/.../gas
-natural
Referências

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Carvão
CarvãoCarvão
Carvão
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Carvão mineral
Carvão mineralCarvão mineral
Carvão mineral
 
05 aula gás natural
05 aula gás natural05 aula gás natural
05 aula gás natural
 
Trabalho de Geografia
Trabalho de GeografiaTrabalho de Geografia
Trabalho de Geografia
 
Hidrogêni.o
 Hidrogêni.o Hidrogêni.o
Hidrogêni.o
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Petróleo e gás natural - 10º D
Petróleo  e gás natural - 10º DPetróleo  e gás natural - 10º D
Petróleo e gás natural - 10º D
 
Petroleo aula ppt.
Petroleo   aula ppt.Petroleo   aula ppt.
Petroleo aula ppt.
 
Aulas 03 e 04 fontes de hidrocarbonetos e combustão - pré
Aulas 03 e 04   fontes de hidrocarbonetos e combustão - préAulas 03 e 04   fontes de hidrocarbonetos e combustão - pré
Aulas 03 e 04 fontes de hidrocarbonetos e combustão - pré
 
O petróleo
O petróleoO petróleo
O petróleo
 
Gás natural
Gás naturalGás natural
Gás natural
 
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
Gás Natural (Natural Gas, Gas Natural)
 
Trabalho petróleo
Trabalho petróleoTrabalho petróleo
Trabalho petróleo
 
Carvão vegetal
Carvão vegetalCarvão vegetal
Carvão vegetal
 
Aquecimento global
Aquecimento globalAquecimento global
Aquecimento global
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Petroleo e gas natural
Petroleo e gas naturalPetroleo e gas natural
Petroleo e gas natural
 
A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1A historia do petroleo e do gas natural 1
A historia do petroleo e do gas natural 1
 

Semelhante a Gás Natural

Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco AurélioHidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco AurélioTurma Olímpica
 
Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3
Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3
Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3Victor Cals
 
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdftrabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdfAntonioMarcos839221
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásAnderson Pontes
 
Cartilha gas
Cartilha gasCartilha gas
Cartilha gas57417991
 
Slides final 7
Slides   final 7Slides   final 7
Slides final 7Tuan Pedro
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem Joelson Barral
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1takahico
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1takahico
 
Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...
Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...
Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...Cléber Figueiredo Beda de Ávila
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAmnmaill
 

Semelhante a Gás Natural (20)

Gás natural PR
Gás natural PRGás natural PR
Gás natural PR
 
Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco AurélioHidrocarbonetos - Marco Aurélio
Hidrocarbonetos - Marco Aurélio
 
Petróleo e gasolina
Petróleo e gasolinaPetróleo e gasolina
Petróleo e gasolina
 
Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3
Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3
Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdftrabalho-120613201048-phpapp02.pdf
trabalho-120613201048-phpapp02.pdf
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
 
PETROLEO.pptx
PETROLEO.pptxPETROLEO.pptx
PETROLEO.pptx
 
aula de geografia petróleo o ouro negro
aula de geografia petróleo o ouro negroaula de geografia petróleo o ouro negro
aula de geografia petróleo o ouro negro
 
Cartilha gas
Cartilha gasCartilha gas
Cartilha gas
 
1º Ma Grupo 06
1º Ma   Grupo 061º Ma   Grupo 06
1º Ma Grupo 06
 
Slides final 7
Slides   final 7Slides   final 7
Slides final 7
 
Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem  Energia Química no Cotidiano - Enem
Energia Química no Cotidiano - Enem
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1
 
Geografia pga1
Geografia pga1Geografia pga1
Geografia pga1
 
Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...
Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...
Petróleo no Brasil - Do inicio da exploração até o novo marco regulatório do ...
 
Gás natural
Gás naturalGás natural
Gás natural
 
Brasil energia
Brasil energiaBrasil energia
Brasil energia
 
Brasil energia
Brasil energiaBrasil energia
Brasil energia
 
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIAHIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
HIDROCARBONETOS COMO FONTE DE ENERGIA
 

Mais de Gabriel Resende

Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do CapitalStephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do CapitalGabriel Resende
 
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do CapitalStephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do CapitalGabriel Resende
 
Keynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaKeynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaGabriel Resende
 
Keynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaKeynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaGabriel Resende
 
O Narcotráfico na América Latina
O Narcotráfico na América LatinaO Narcotráfico na América Latina
O Narcotráfico na América LatinaGabriel Resende
 
Independência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueIndependência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueGabriel Resende
 
Independência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueIndependência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueGabriel Resende
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoGabriel Resende
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoGabriel Resende
 
Seções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - HipérboleSeções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - HipérboleGabriel Resende
 
Seções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - HipérboleSeções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - HipérboleGabriel Resende
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Gabriel Resende
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Gabriel Resende
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoGabriel Resende
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoGabriel Resende
 

Mais de Gabriel Resende (20)

Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do CapitalStephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
 
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do CapitalStephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
Stephen Gill - Hegemonia Global e o Poder Estrutural do Capital
 
Keynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaKeynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova Economia
 
Keynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova EconomiaKeynes e a Nova Economia
Keynes e a Nova Economia
 
O Narcotráfico na América Latina
O Narcotráfico na América LatinaO Narcotráfico na América Latina
O Narcotráfico na América Latina
 
Mountain Bike
Mountain BikeMountain Bike
Mountain Bike
 
Mountain Bike
Mountain BikeMountain Bike
Mountain Bike
 
Independência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueIndependência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e Moçambique
 
Independência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e MoçambiqueIndependência - Angola e Moçambique
Independência - Angola e Moçambique
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 
Congado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e OrganizaçãoCongado - Origens, Características e Organização
Congado - Origens, Características e Organização
 
Seções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - HipérboleSeções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - Hipérbole
 
Seções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - HipérboleSeções Cônicas - Hipérbole
Seções Cônicas - Hipérbole
 
Energia Eólica
Energia EólicaEnergia Eólica
Energia Eólica
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
Martins Pena
Martins PenaMartins Pena
Martins Pena
 
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
Industrialização Brasileira - 1° Período (1500 - 1808)
 
Sistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor FemininoSistema Reprodutor Feminino
Sistema Reprodutor Feminino
 
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e BarrocoMúsica, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
Música, Artes Visuais, Dança e Teatro - Idade Média, Renascimento e Barroco
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 

Último

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 

Último (20)

Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 

Gás Natural

  • 1. Gás NaturalDefinição, Regulamentação, Obtenção, Utilização, Ocorrências no Brasil e no Mundo, e Impactos Ambientais
  • 3. Definição É um combustível fóssil formado quando camadas de animais e vegetais soterrados ficam expostos a intenso calor e pressão.
  • 4. Definição Também definido como a mistura de hidrocarbonetos leves encontrada no subsolo, na qual o metano tem uma participação superior a 70 % em volume. Metano (CH4)
  • 5. Regulamentação • Definida pela ANP através da lei número 9.478/97 (Lei do Petróleo); • “O gás natural se trata da porção do petróleo que existe na fase gasosa ou em solução no óleo, nas condições originais de reservatório, e que permanece no estado gasoso em CNTP.”
  • 6. Obtenção • Gás associado: é aquele que, no reservatório, está dissolvido no óleo ou sob a forma de capa de gás; • Gás não-associado: é aquele que, no reservatório, está livre ou em presença de quantidades muito pequenas de óleo.
  • 7. Obtenção • Extração; • Produção; • Condicionamento; • Processamento; • Transporte; • Comercialização; • Distribuição.
  • 9. Utilização • É empregue diretamente como combustível, tanto em indústrias, quanto em casas e automóveis; • Alguns dos gases de sua composição são eliminados porque não possuem capacidade energética (nitrogênio ou CO2) ou porque podem deixar resíduos nos condutores (butano).
  • 10. Utilização • Combustível: é mais limpa fonte de combustão e prolonga a vida útil dos equipamentos que o utilizam; • Automóveis: utilizado principalmente para motores de ônibus e caminhões. • Indústrias: utilizado para a produção de metanol, amônia e ureia.
  • 12. Utilização no Brasil • Se inicia em meados do século XX, quando se encontra óleo e gás no recôncavo baiano; • Por volta de 1970, descobre-se a bacia de Campos, a qual dá um forte impulso à economia brasileira, já que o Oriente Médio passava por uma crise.
  • 13. Utilização no Brasil • No final do século XX o Brasil fechou um acordo com a Bolívia referente à construção de um gasoduto que ligava esses dois países; • Essa ideia surgiu através da tentativa do governo de estabilizar uma crise energética crescente no país.
  • 14. Utilização no Brasil Nos últimos anos, com a descoberta das bacias de Santos, do Espírito Santo e com o início da exploração do Pré-Sal, as reservas brasileiras tiveram um aumento significativo.
  • 16. Mundo
  • 17. Utilização no Mundo • Um dos primeiros registros históricos de uso aproveitável do gás natural aparece na China, nos séculos XVIII e XIX (alto-fornos); • Já, no século XIX, o gás natural foi normalmente obtido como subproduto da produção do petróleo;
  • 18. Utilização no Mundo O gás natural passou a ser utilizado em maior escala na Europa no final do século XVIII, com a invenção do queimador Bunsen e com a construção de um gasoduto à prova de vazamentos, em 1890.
  • 19. Utilização no Mundo • Entre 1927 e 1931 já existiam mais de 10 linhas de transmissão de porte nos Estados Unidos, mas sem alcance interestadual; • O grande crescimento das construções pós-guerra (até 1960) foi responsável pela instalação de milhares de quilômetros de gasodutos pelo mundo.
  • 22. Prós • Baixa presença de contaminantes; • Combustão mais limpa, contribuindo para a diminuição da poluição urbana; • Menor contribuição de emissões de CO2; • Pequena exigência de tratamento dos gases; • Maior facilidade de transporte e manuseio; • Não requer estocagem, gerando maior segurança;
  • 23. Contras • Combustível fóssil não- renovável; • Necessidade de um sistema de resfriamento, cujo fluido refrigerante é normalmente a água; • Emissões atmosféricas;
  • 24. Integrantes Alexandre de Araújo Barreto Filho Daruick Fagundes da Silva Cunha Gabriel Resende Miranda Pedro Henrique Chagas Alves Thales Divino Vilela da Silva Lemes 3° Ano – Informática (IFTM – Campus Ituiutaba) • http://pt.wikipedia.org/wiki/Gá s_natural • http://www.brasilescola.com/g eografia/fontes-gas- natural.htm • http://www.mma.gov.br/.../gas -natural Referências