A autonomia da política

5.687 visualizações

Publicada em

Grandes teóricos da Filosofia Política.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

A autonomia da política

  1. 1. Diretrizes Políticas da Modernidade Maquiavel Locke Rousseau AAUTONOMIA DA POLÍTICA
  2. 2. AUTONOMIA DA POLÍTICA Maquiavel era maquiavélico?
  3. 3. MAQUIAVEL OBRAS DE MAQUIAVEL • O PRÍNCIPE • COMENTÁRIOS SOBRE A PRIMEIRA DÉCADA DE TITO LÍVIO
  4. 4. MAQUIAVEL VIRTÙ • No sentido grego de força, valor, qualidade de lutador e guerreiro civil, que tem a capacidade de perceber o jogo de forças da política.
  5. 5. MAQUIAVEL FORTUNA • Para agir bem o príncipe não deve deixar escapar a ocasião oportuna, ser astuto, aproveitando-se das circunstâncias.
  6. 6. A POLÍTICA COMO CATEGORIA AUTÔNOMA MAQUIAVEL • A política de Maquiavel é realista, ao se basear em “como o homem age de fato”.
  7. 7. A POLÍTICA COMO CATEGORIA AUTÔNOMA MAQUIAVEL • A moral política distingui-se da moral privada, pois a ação política deve ser julgada a partir das circunstâncias vividas.
  8. 8. MAQUIAVEL REPUBLICANO Analisa os riscos da corrupção, que faz prevalecer os interesses particulares sobre os coletivos.
  9. 9. SOBERANIA E ESTADO MODERNO É a soberania que mantém a unidade de todos os membros e partes que formam o corpo da república. JEAN BODIN 1530-1596
  10. 10. SOBERANIA E ESTADO MODERNO O soberano é “absolvido do poder das leis”, e cabe a ele o poder de “dar e anular a lei”JEAN BODINJEAN BODIN 1530-1596
  11. 11. AS TEORIAS CONTRATUALISTAS O poder absoluto dos reis foi sustentado pela teoria do direito divino dos reis foram defendidas na França e na Inglaterra. Robert Filmer Jacques-Bénigne Boussuet
  12. 12. AS TEORIAS CONTRATUALISTAS A secularização do pensamento político a legitimidade do poder passou a ser compreendida através do contrato social de Thomas Hobbes, John Locke e Jean-Jaques Rousseau.
  13. 13. AS TEORIAS CONTRATUALISTAS A legitimidade do poder não se funda mais no divino, mas na representatividade e no consenso.
  14. 14. HOBBES E O PODER ABSOLUTO DO ESTADO Obras • DE CIVE • LEVIATÃ
  15. 15. HOBBES E O PODER ABSOLUTO DO ESTADO O sentimento de independência em relação ao papado e a crítica á teoria do direito divino dos reis revelavam a tendência à laicização do pensamento.
  16. 16. HOBBES E O PODER ABSOLUTO DO ESTADO A TEORIA HOBBESIANA • ESTADO DE NATUREZA • O CONTRATO SOCIAL • A SOBERANIA
  17. 17. A TEORIA POLÍTICA DE LOCKE OBRAS • Ensaio sobre o entendimento humano • Dois tratados sobre o governo civil
  18. 18. A TEORIA POLÍTICA DE LOCKE Estado de natureza e contrato Os indivíduos isolados no estado de natureza unem-se mediante o contrato social para constituir a sociedade civil.
  19. 19. A TEORIA POLÍTICA DE LOCKE A institucionalização do poder Estabelece a distinção entre o público e o privado, âmbitos que devem ser regidos por leis diferentes.
  20. 20. A TEORIA POLÍTICA DE LOCKE O conceito de propriedade Num sentido amplo, é “tudo o que pertence” a cada indivíduo: sua vida, sua liberdade e seus bens.
  21. 21. A TEORIA POLÍTICA DE LOCKE Todos são proprietários: Mesmo quem não possui bens é proprietário de sua vida, seu corpo, seu trabalho, dos frutos do seu trabalho. O conceito de propriedade
  22. 22. A TEORIA POLÍTICA DE LOCKE Possuindo bens ou não, todos são considerados membros da sociedade civil, mas apenas os que tem fortuna podem ter plena cidadania. O conceito de propriedade
  23. 23. O LIBERALISMO CLÁSSICO Conjunto de idéias éticas, políticas e econômicas da burguesia, em oposição à visão de mundo da nobreza feudal. Conceito de Liberalismo
  24. 24. O LIBERALISMO CLÁSSICO À burguesia interessava separar Estado e sociedade, entendendo nesta última o conjunto das atividades particulares do indivíduo, sobretudo as de natureza econômica. Conceito de Liberalismo
  25. 25. O LIBERALISMO DO SÉCULO XVIII As esperanças depositadas na ciência e na técnica, instrumentos capazes de dominar a natureza, com a idéia de que a razão é fonte de progresso material, intelectual e moral levam à crença e à confiança na perfectibilidade.
  26. 26. MONTESQUIEU Desenvolve a teoria do governo que alimenta as idéias fecundas do constitucionalismo, onde a autoridade é distribuída por meios legais, de modo a evitar o arbítrio e a violência. Autonomia dos poderes
  27. 27. MONTESQUIEU Conclui que “só o poder freia o poder”, daí a necessidade de cada poder: executivo, legislativo e judiciário manter-se autônomo e constituído por pessoas diferentes. Autonomia dos poderes
  28. 28. MONTESQUIEU Critica toda forma de despotismo, mas prefere a monarquia moderada e não aprecia a idéia de ver o povo assumindo o poder. Autonomia dos poderes
  29. 29. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA Os indivíduos viviam em estado de natureza, até que surgiu a propriedade e uns passaram a trabalhar para outros, gerando escravidão e miséria. O estado de natureza e o contrato social
  30. 30. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA O indivíduo que surge da desigualdade é corrompido pela sociedade e esmagado pela violência. O estado de natureza e o contrato social
  31. 31. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA Cada associado se aliena totalmente, abdica sem reserva de todos os seus direitos em favor da comunidade. O estado de natureza e o contrato social
  32. 32. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA O indivíduo é parte integrante e ativa do todo social, ao obedecer à lei, obedece a si mesmo e portanto, é livre. Soberano e governo
  33. 33. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA Preconiza a democracia direta ou participativa, mantida por meio de assembléias frequentes de todos os cidadãos. Soberano e governo
  34. 34. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA Cada indivíduo particular também pertence ao espaço público, faz parte de um corpo coletivo, com interesses comuns. A vontade geral
  35. 35. ROUSSEAU E A DEMOCRACIA DIRETA A pessoa é livre na medida em que dá o livre consentimento à lei, e consente por considerá-la válida e necessária. A vontade geral

×