SlideShare uma empresa Scribd logo

Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018

Texiglass
Texiglass
TexiglassTexiglass

Qual a utilização dos compósitos e suas vantagens? Veja nossa apresentação no Seminário Ampera Racing sobre compósitos, realizada em Abril de 2018 na UFSC - Florianópolis.

Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018

1 de 25
Baixar para ler offline
A utilização dos compósitos e suas vantagens
Luís Fernando T. Barbi
Coord. de Vendas
TEXIGLASS
PRIMEIRO COMPÓSITO = MADEIRA
RESULTANTE DE FIBRA DE CELULOSE + RESINA NATURAL
O que é plástico reforçado?
Matriz polimérica Reforço Plástico Reforçado
(Compósito)
Termo utilizado mundialmente é Composite, na tradução: Compósito
Significado: Compósitos são aqueles que possuem pelo menos dois componentes, com propriedades físicas e químicas nitidamente
distintas em sua composição. Separadamente, os constituintes do compósito mantém suas características porém, quando
misturados, formam um composto com propriedades impossíveis de se obter com apenas um deles. (Fonte: Wikipedia)
INÍCIO DO USO DE
COMPÓSITOS
• Início do uso de compósitos no Brasil em
meados da década de 70;
Reforço de caixas d’agua, orelhões, piscinas, etc.;
• Havia pouco conhecimento da indústria;
Na época utilizavam fio de fibra picada e mantas (fibra de
vidro);
• Primeiras aplicações de tecidos em discos de
abrasivos e pranchas de surf;
• Indústria iniciou a utilização em escala na
década de 80.
Aeronáutico, náutico, elétrico, etc.
EUA década de 1950
O que são os reforços?
Ponto de vista em compósitos
• Materiais leves;
• Altas propriedades mecânicas;
Módulo de elasticidade, resistência à tração, flexão, compressão, impacto, etc.
• Utilizados em forma de fios contínuos (roving ou torcidos), fibra picada, mantas,
TECIDOS, etc.;
• Absorve impacto e dissipa energia;
• Fios recebem o “Sizing”* específico para melhor molhagem da resina.
* Sizing = Acabamento que a fibra recebe na fabricação para melhorar a interface entre matriz e reforço (Adesão).
PRINCIPAIS APLICAÇÕES
(COMPOSITES AVANÇADOS)

Recomendados

Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenariaPatologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenariaRicardo Lopes
 
Propriedades e microestrutura das fnls
Propriedades e microestrutura das fnlsPropriedades e microestrutura das fnls
Propriedades e microestrutura das fnlsGéssica Nicolau
 
Fiber reinforced composite materials
Fiber reinforced composite materialsFiber reinforced composite materials
Fiber reinforced composite materialsSabbir_Akand
 
Clase 23 Composites
Clase 23   CompositesClase 23   Composites
Clase 23 Compositeslucas crotti
 
Carbon Fiber - FRP
Carbon Fiber - FRPCarbon Fiber - FRP
Carbon Fiber - FRPdewcraig
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com FibrasAspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com FibrasGéssica Nicolau
 
Conservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEX
Conservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEXConservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEX
Conservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEXTexiglass
 
Natural fibres composites
Natural fibres compositesNatural fibres composites
Natural fibres compositesNazmul Jony
 
Fibre reinforced concrete
Fibre reinforced concreteFibre reinforced concrete
Fibre reinforced concreteshaile93sh
 
Recycled aggregate concrete
Recycled aggregate concreteRecycled aggregate concrete
Recycled aggregate concreteAhmad Shah Kakar
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoBorrachas
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)tcredu
 
Materiales compuestos
Materiales compuestosMateriales compuestos
Materiales compuestosandi1718
 
Conservação do solo
Conservação do soloConservação do solo
Conservação do soloaloisiobie
 
Vivek,carbon fiber composite
Vivek,carbon fiber compositeVivek,carbon fiber composite
Vivek,carbon fiber compositeABHISHEK KUMAR
 
Polyester recyling
Polyester recylingPolyester recyling
Polyester recylingAshish Dua
 
Utilization of polymer fiber reinforced concrete pavement
Utilization of polymer fiber reinforced concrete pavementUtilization of polymer fiber reinforced concrete pavement
Utilization of polymer fiber reinforced concrete pavementHARSHIL PATEL
 
Effect of Polypropylene Fiber In Concrete
Effect of Polypropylene Fiber In ConcreteEffect of Polypropylene Fiber In Concrete
Effect of Polypropylene Fiber In ConcreteCharanjiv Singh
 
As diferentes fibras naturais lignocelulosicas
As diferentes fibras naturais lignocelulosicasAs diferentes fibras naturais lignocelulosicas
As diferentes fibras naturais lignocelulosicasGéssica Nicolau
 

Mais procurados (20)

Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com FibrasAspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
Aspectos gerais de Compósitos Reforçados com Fibras
 
Conservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEX
Conservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEXConservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEX
Conservação de rodovias com Grelhas de Fibra de Vidro CIDEX
 
Composites
CompositesComposites
Composites
 
Natural fibres composites
Natural fibres compositesNatural fibres composites
Natural fibres composites
 
Fibre reinforced concrete
Fibre reinforced concreteFibre reinforced concrete
Fibre reinforced concrete
 
Recycled aggregate concrete
Recycled aggregate concreteRecycled aggregate concrete
Recycled aggregate concrete
 
Eficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silanoEficiencia acoplamento silano
Eficiencia acoplamento silano
 
Aula 06 cimento
Aula 06  cimentoAula 06  cimento
Aula 06 cimento
 
Composite materials lecture
Composite materials lectureComposite materials lecture
Composite materials lecture
 
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
O nãotecido e a tecnologia dos nãotecidos (tnt)
 
Materiales compuestos
Materiales compuestosMateriales compuestos
Materiales compuestos
 
Conservação do solo
Conservação do soloConservação do solo
Conservação do solo
 
Vivek,carbon fiber composite
Vivek,carbon fiber compositeVivek,carbon fiber composite
Vivek,carbon fiber composite
 
Polyester recyling
Polyester recylingPolyester recyling
Polyester recyling
 
Utilization of polymer fiber reinforced concrete pavement
Utilization of polymer fiber reinforced concrete pavementUtilization of polymer fiber reinforced concrete pavement
Utilization of polymer fiber reinforced concrete pavement
 
Effect of Polypropylene Fiber In Concrete
Effect of Polypropylene Fiber In ConcreteEffect of Polypropylene Fiber In Concrete
Effect of Polypropylene Fiber In Concrete
 
Argamassas
ArgamassasArgamassas
Argamassas
 
Fibras de carbono
Fibras de carbonoFibras de carbono
Fibras de carbono
 
As diferentes fibras naturais lignocelulosicas
As diferentes fibras naturais lignocelulosicasAs diferentes fibras naturais lignocelulosicas
As diferentes fibras naturais lignocelulosicas
 
Natural fibre-composites
Natural fibre-compositesNatural fibre-composites
Natural fibre-composites
 

Semelhante a Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018

Bruno guedes _aula_comp_sito___nassau
Bruno guedes _aula_comp_sito___nassauBruno guedes _aula_comp_sito___nassau
Bruno guedes _aula_comp_sito___nassauBruno Guedes
 
Outros processamentos 2015
Outros processamentos 2015Outros processamentos 2015
Outros processamentos 2015edsonfran
 
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdfFt 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdfAndre Quendera
 
Fibra de carbono
Fibra de carbonoFibra de carbono
Fibra de carbonokarinatude
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwarawsilveirasouza
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosBruno Pinto
 
Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1criscarioca
 
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)Antonio Bacelar
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba maisCENNE
 
Relatorio ufcd 41 trabalho livre
Relatorio ufcd 41 trabalho livreRelatorio ufcd 41 trabalho livre
Relatorio ufcd 41 trabalho livreAndre Quendera
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usosfelins
 
Apresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímicaApresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímicaHULLES
 

Semelhante a Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018 (20)

Webinar LATAM FEIPLAR
Webinar LATAM FEIPLARWebinar LATAM FEIPLAR
Webinar LATAM FEIPLAR
 
Aula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e TitulaçãoAula teórica fiação e Titulação
Aula teórica fiação e Titulação
 
Apostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropilenoApostila:Fibra de polipropileno
Apostila:Fibra de polipropileno
 
03 entelagem
03   entelagem03   entelagem
03 entelagem
 
Bruno guedes _aula_comp_sito___nassau
Bruno guedes _aula_comp_sito___nassauBruno guedes _aula_comp_sito___nassau
Bruno guedes _aula_comp_sito___nassau
 
Outros processamentos 2015
Outros processamentos 2015Outros processamentos 2015
Outros processamentos 2015
 
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdfFt 24 25 relatorio andre quendera pdf
Ft 24 25 relatorio andre quendera pdf
 
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)Aula teórica Fibras têxteis (rm)
Aula teórica Fibras têxteis (rm)
 
Fibra de carbono
Fibra de carbonoFibra de carbono
Fibra de carbono
 
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwaraApostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
Apostila de cálculo técnico têxtil escrita por marco fuziwara
 
Polímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos OrgânicosPolímeros - Compósitos Orgânicos
Polímeros - Compósitos Orgânicos
 
Borrach2
Borrach2Borrach2
Borrach2
 
Borrach2
Borrach2Borrach2
Borrach2
 
Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1Fibra de vidro cris1
Fibra de vidro cris1
 
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
TECNOLOGIA TÊXTIL (Antonio Bacelar)
 
PET - Saiba mais
PET - Saiba maisPET - Saiba mais
PET - Saiba mais
 
Relatorio ufcd 41 trabalho livre
Relatorio ufcd 41 trabalho livreRelatorio ufcd 41 trabalho livre
Relatorio ufcd 41 trabalho livre
 
Fibras Naturais
Fibras NaturaisFibras Naturais
Fibras Naturais
 
Fibras relação estrutura - props - usos
Fibras   relação estrutura - props - usosFibras   relação estrutura - props - usos
Fibras relação estrutura - props - usos
 
Apresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímicaApresentação solda bioquímica
Apresentação solda bioquímica
 

Compósitos - Seminário Ampera Racing, UFSC 2018

  • 1. A utilização dos compósitos e suas vantagens Luís Fernando T. Barbi Coord. de Vendas TEXIGLASS
  • 2. PRIMEIRO COMPÓSITO = MADEIRA RESULTANTE DE FIBRA DE CELULOSE + RESINA NATURAL
  • 3. O que é plástico reforçado? Matriz polimérica Reforço Plástico Reforçado (Compósito) Termo utilizado mundialmente é Composite, na tradução: Compósito Significado: Compósitos são aqueles que possuem pelo menos dois componentes, com propriedades físicas e químicas nitidamente distintas em sua composição. Separadamente, os constituintes do compósito mantém suas características porém, quando misturados, formam um composto com propriedades impossíveis de se obter com apenas um deles. (Fonte: Wikipedia)
  • 4. INÍCIO DO USO DE COMPÓSITOS • Início do uso de compósitos no Brasil em meados da década de 70; Reforço de caixas d’agua, orelhões, piscinas, etc.; • Havia pouco conhecimento da indústria; Na época utilizavam fio de fibra picada e mantas (fibra de vidro); • Primeiras aplicações de tecidos em discos de abrasivos e pranchas de surf; • Indústria iniciou a utilização em escala na década de 80. Aeronáutico, náutico, elétrico, etc. EUA década de 1950
  • 5. O que são os reforços? Ponto de vista em compósitos • Materiais leves; • Altas propriedades mecânicas; Módulo de elasticidade, resistência à tração, flexão, compressão, impacto, etc. • Utilizados em forma de fios contínuos (roving ou torcidos), fibra picada, mantas, TECIDOS, etc.; • Absorve impacto e dissipa energia; • Fios recebem o “Sizing”* específico para melhor molhagem da resina. * Sizing = Acabamento que a fibra recebe na fabricação para melhorar a interface entre matriz e reforço (Adesão).
  • 7. TIPOS DE FIBRAS Fibra de vidro Fibra de carbono Fibra de aramida ... e/ou híbridos (mescla de fibras), fibras naturais (boro, cisal, etc.)
  • 8. O que são tecidos de reforços? • São fibras entrelaçadas, tecido propriamente dito; • Resistência do tecido varia de acordo com a densidade dele (medido por gramatura = g/m²); • Quanto mais pesado o tecido, maiores são as cargas; • Tem baixa deformação (máximo 3%); • Podem ser híbridos e mesclarem até três fibras diferentes (V + C + A); • Os fios que compõem os tecidos são chamados de trama e urdume; • Urdume: Fios no sentido do comprimento (longitudinal); • Trama: Fios no sentido da transversal; • Ourela: Beirada do tecido (amarração).
  • 9. FIBRA DE CARBONO • Fibra sintética multifilamento, derivado do polímero (PAN – Poliacrilonitrila); • Baixo peso e alta resistência; • Propriedades bem superiores ao aço; • Leve como madeira e plástico; • Ruptura brusca. Principais aplicações: • Aeronaves e foguetes; • Peças hospitalares e ortopédicas; • Moldes; • Carros e bicicletas de corrida; • Reforço estrutural em vigas e colunas;
  • 10. Então, porque tecidos de fibra de carbono? • Altas propriedades mecânicas; • Baixo peso; • Rigidez; • Apelo estético; • Estabilidade dimensional; • Garantia de uniformidade de espessura; • Cálculos precisos de resistência; • Direcionamento preciso de esforços;
  • 11. TECELAGENS • TELA “plain”: É a tecelagem mais conhecida (1x1), ou seja, um fio por cima e outro por baixo Vantagens: • Fios mais amarrados; • Fibras mais próximas; • Estáveis; Desvantagem: • Pouco maleável; TECIDOS DE FIBRA DE CARBONO • BID 200g/m² • BID 400g/m²
  • 12. • SARJA “twill”*: Pode ser feita de diversas maneiras (2x2*, 3x1, 3x2) ou seja, dois fios passando por cima e dois por baixo, três por um, etc... Vantagens: • Conformam bem peças e moldes curvos; • Maleável; • Fibras mais soltas; • Boa fluidez. Desvantagens: • Tramas pouco estáveis; • Baixo atrito das fibras. TECELAGENS TECIDOS DE FIBRA DE CARBONO • BID 200g/m² • BID 320g/m² • BID 480 g/m² • BID 640 g/m²
  • 13. • CETIM: Tecelagem onde se consegue agrupar o maior número de fios em um centímetro, ou seja, passam-se de 4 a 8 fios por cima e apenas um por baixo • Utilização em geometria complexas; • Extremamente maleável; • Fios finos • Boa molhagem • Custo mais elevado; TECELAGENS TECIDO DE FIBRA DE CARBONO • BID 400g/m²
  • 14. • UNIDIRECIONAL: Maior quantidade de fios/cm no Urdume do que na Trama, ou vice-versa. • Direcionamento do esforço adequado; • Custo; • Pode ser de trama para adequar ao processo; • Baixa resistência no sentido que tem pouca fibra. TECELAGENS TECIDOS DE FIBRA DE CARBONO • UD 330 g/m² • UD 600 g/m² • UD 810 g/m² • UD 900 g/m²
  • 15. Gráfico de tensão e deformação Relação Fibra x Resina INFUSÃO À VACUO HAND LAY UP HAND LAY UP HAND LAY UP Este gráfico demonstra bem que quanto mais rica em reforço for a relação “fibra x resina” maior é a tensão (resistência).
  • 16. INFUSÃO À VACUO HAND LAY UP PREPREGS Performances X Processos A chave do sucesso está na análise prévia do processo a ser utilizado na laminação da fibra de carbono. Pontos cruciais: • Produtividade • Peso x Resistência • Vida útil
  • 17. Performances X Processos Em todos estes métodos Adiciona-se a resina sobre uma fibra seca Spray up Infusão
  • 18. Termofixas (poliéster, epóxi, fenólica e vinil éster) Termoplásticas (poliamida, PET, PEEK, PPS, etc.) MATRIZES PRE PREGS Trata-se um tecido de reforço previamente impregnado com resina.
  • 19. • (TERMOFIXO): Polímero de cura irreversível. PRE PREGS • Epóxi e fenólica; • Frete e armazenamento refrigerado; • Cura por ciclo de temperatura (horas); • Pode-se aplicar vácuo • Etilizar estufa para cura e/ou autoclave; • Não reciclável (pode ser feito reuso); • Média de temperaturas de trabalho 130º / 155º / 190º / 240º.
  • 20. • (TERMOPLÁSTICO): Polímero de cura por termoformagem PRE PREGS • PA, PP, PEEK, PEK, PPS, etc; • Características diversas de dureza; • Fornecidos em tecidos e lâmina pré formadas; • Rápida conformação (2 min); • Prensagem a quente; • Reutilizável; • Reciclável • Média de temperaturas de trabalho: 150º / 190º / 240º / 270º / 350º.
  • 21. COMPARATIVO ENTRE AS FIBRAS: PROPRIEDADES MECÂNICAS Propriedade Unidade Fibra de Vidro Fibra Aramida Fibra de Carbono Densidade g/cm³ 2,66 1,44 1,76 Resistência à tração MPa 2000 2950 4500 Nota: Pode-se dizer que um tecido de fibra de vidro de 500g/m², pode ser substituído por um tecido de aramida de 200g/m² ou um tecido de fibra de carbono 150g/m² Elongação % 3,0 2,7 1,9 Módulo de Elasticidade GPa 82 107 240
  • 22. Material Densidade (g/cm³) Mód. de Elast. (GPa) Resist. à Tração (MPa) Aço 1010 7,87 207 365 Alumínio 6061 2,70 69 310 Compósito Carbono+Epóxi 1,55 138 1550 Compósito Aramida+Epóxi 1,38 76 1378 Compósito Vidro E+Epóxi 1,85 39 965 FERROSOS X COMPÓSITOS
  • 23. DIFERENÇA DE PRODUTIVIDADE PRE PREGS Grosso modo, pode-se dizer que enquanto que com o pre- preg feito a partir de resinas termofixas pode-se fabricar uma peça por dia, com o pre-preg termoplástico pode-se fabricar uma peça menos de uma hora. Dependendo do processamento, podem-se obter até várias peças por hora. Produção com prepreg termofixo Produção com prepreg termoplástico