O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Fisiologia celular

2.589 visualizações

Publicada em

Fisiologia

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Fisiologia celular

  1. 1. FISIOLOGIA CELULAR Lisandra Delfino de A. Soares lisandra.delfino@gmail.com
  2. 2. FISIOLOGIA  É o estudo das funções dos organismos vivos  Procura explicar os fatores físicos e químicos responsáveis pela origem, desenvolvimento e continuação da vida.  Características funcionais
  3. 3. CÉLULA  75 trilhões  Órgãos  funções específicas Características básicas em comum: • nutrição para manutenção da vida • oxigênio para produção de energia • produtos finais lançados nos líquidos que a circundam • capacidade de reprodução (maioria)
  4. 4. LÍQUIDO CORPORAL  57 % do peso corporal  Indivíduo de 70 kg  40 litros de água  Varia em função da idade, peso (obesidade) Ingestão de 1400 a 2400 ml Temperatura corporal Tempo quente Exercício pesado prolongado Perda insensível: pele pulmões 350 350 350 250 350 650 urina 1400 1200 500 transpiração 100 1400 5000 fezes 200 200 200 TOTAL 2400 3400 6700
  5. 5. COMPARTIMENTOS LÍQUIDOS Intracelular 25 litros Extracelular  15 litros Líquido intersticial Plasma Líquido cerobroespinhal Líquido intra-ocular Líquido gastrointestinal Líquido dos espaços potenciais Constante movimentação (íons e nutrientes) Composição influenciadas pela circulação sanguínea e pela difusão
  6. 6. AS CÉLULAS VIVEM, CRESCEM, DESENVOLVEM E DESEMPENHAM SUAS FUNÇÕES SE NO MEIO INTERNO ESTIVER DISPONÍVEL: HOMEOSTASIA OU HOMEOSTASE ?  manutenção das condições ideais e constantes do meio interno • oxigênio • íons • nutrientes = glicídios, lipídios e protídios
  7. 7. MEMBRANA PLASMÁTICA  A membrana é constituída de quantidades aproximadamente iguais de proteínas e lipídios por peso.  A bicamada lipídica forma uma barreira contra a passagem de materiais polares.  Essas substâncias vão depender de proteínas de transporte especializadas para entrar e sair da célula.
  8. 8. MEMBRANA PLASMÁTICA
  9. 9. MEMBRANA PLASMÁTICA
  10. 10. NÚCLEO  É limitado pela membrana nuclear, atravessada por poros nucleares que propiciam a passagem de proteínas e RNA entre o núcleo e o citoplasma.  O núcleo contém o DNA da célula, que se associa a histonas, formando fibras de cromatinas: Heterocromatina Eucromatina
  11. 11. NÚCLEO  O nucléolo é o local de organização dos ribossomas, que migram para o citoplasma, onde desempenham papel essencial na síntese de proteínas.
  12. 12. MITOCÔNDRIA:  Cristas Mitocondriais  grânulos = ribossomos e anéis de DNA  síntese protéica = AUTODUPLICAÇÃO  Bateria Enzimática: • MATRIZ  enzimas fosforilativas • MEMBRANA  enzimas do ciclo de Krebs e síntese de proteínas, lipídios e ATP
  13. 13. MITOCÔNDRIA:
  14. 14. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO OU GRANULAR: PRESENÇA DE RIBOSSOMOS  SÍNTESE PROTÉICA RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO ou AGRANULAR: músculo esquelético  armazenamento de cálcio hepatócito  síntese de lipídios e fosfolipídios
  15. 15. RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO
  16. 16. APARELHO DE GOLGI:  Concentrar, armazenar substâncias sintetizadas  Conjugação de glicoproteínas  Formação de vesículas secretoras.
  17. 17. TRANSPORTE PELAS MEMBRANAS  Endocitose  Fagocitose (captação de partículas)  Pinocitose (captação de moléculas solúveis) As regiões revestidas por clatrina são denominadas de depressões revestidas e a ocorrência da endocitose neste local origina as vesículas revestidas.
  18. 18. TRANSPORTE PELAS MEMBRANAS  Exocitose  Liberação de neurotransmissores pelas terminações nervosas pré-sinápticas  Liberação de enzimas por ex. pancréaticas.
  19. 19. TRANSPORTE DE MOLÉCULAS ATRAVÉS DAS MEMBRANAS  Difusão  A difusão ocorre por causa do movimento térmico aleatório, movimento browniano, de átomos ou moléculas.
  20. 20.  A membrana plasmática apresenta uma relativa impermeabilidade à maioria das substâncias hidrossolúveis e isso se deve a sua natureza lipóide.  As vitaminas hidrossolúveis não se difundem aprecivelmente através das membranas biológicas, necessitando de proteínas especiais de transporte.
  21. 21. GRADIENTE DE CONCENTRAÇÃO  Quanto maior for a diferença de concentração do soluto entre as soluções A e B, maior a força impulsora e maior a difusão efetiva.
  22. 22. COEFICIENTE DE PARTIÇÃO (K)  É a solubilidade de um soluto em óleo em relação à sua solubilidade em água.  Quanto maior a solubilidade em óleo, maior o K e mais facilmente o soluto pode se dissolver na bicamada lipídica das membranas celulares.  Solutos apolares – solúveis em óleo  Solutos polares – insolúveis em óleo K = Concentração no azeite Concentração na água
  23. 23. COEFICIENTE DE DIFUSÃO Equação de Stokes-Einstein D = KT/ 6πrη Pequenos solutos em soluções não- viscosas têm maiores coeficientes de difusão e se difundem mais prontamente.
  24. 24. LEI DE FICK J = DA ΔC ΔX J = Velocidade da difusão D = Coeficiente de difusão A = Área da membrana ΔC = Diferença da concentração através da membrana ΔX = espessura da membrana
  25. 25. DIFUSÃO FACILITADA  Ocorre a favor do gradiente de potencial eletroquímico – não necessitando do aporte de energia metabólica.  Utiliza um carreador de membrana e apresenta as características de um transporte mediado: saturação, esteroespecificidade e competição.
  26. 26. VELOCIDADE DA DIFUSÃO Difusão Simples Difusão Facilitada Baixa concentração do soluto Concentração elevada do soluto
  27. 27.  Transporte da D-glicose no músculo esquelético e nas células hepáticas pelo transportador GLUT4.  O transporte ocorre enquanto a concentração de glicose sanguínea for maior do que a sua concentração intracelular e enquanto os carreadores não estiverem saturados.  Outros monossacarídeos inibem de modo competitivo este transporte por se ligarem aos locais de transporte no carreador.
  28. 28. OSMOSE  Fluxo de água que ocorre através da membrana semipermeável, do compartimento onde a concentração de soluto é menor para o compartimento onde a concentração do soluto é maior.  A osmose acontece porque a presença do soluto diminui o potencial químico de água.
  29. 29. OSMOSE
  30. 30. PRESSÃO OSMÓTICA
  31. 31. TRANSPORTE ATIVO PRIMÁRIO  Um ou mais solutos se movem contra o gradiente eletroquímico;  Necessita de ATP;  O ATP é hidrolisado em difosfato de adenosina (ADP) e fosfato inorgânico (Pi), liberando energia.  Quando o fosfato terminal é liberado , ele se transfere para a proteína transportador, iniciando o ciclo de fosforilação e desfosforilação.  Quando a fonte de energia do ATP é acoplada diretamente ao processo de transporte, ela é chamada de transporte ativo primário.
  32. 32. BOMBA DE NA+ K+  Está presente nas membranas de todas as células.  Bombeia Na+ do líquido intracelular (LIC) para o líquido extracelular (LEC) e K+ do LEC para o LIC.
  33. 33. BOMBA DE NA+ K+  O ciclo se inicia com a enzima no estado E1 , que se liga ao ATP, neste estado, os locais de ligação do íon estão voltados para o LIC e a enzima tem alta afinidade por Na+.  3 íons Na+ se ligam ao ATP que é hidrolisado, e o fosfato terminal é transferido para a enzima, gerando uma forma de alta energia.  Alteração conformacional a enzima se transfere para E2.  Os três íons de Na+ são liberados para o LEC e dois íons de K+ se ligam e o fosfato inorgânico é liberado.  A enzima se liga ao ATP, no LIC e passa por outra alteração conformacional, retornando a sua forma original.
  34. 34. JACOB, Stanley W. Anatomia e Fisiologia Humana.São Paulo: Ed. Guanabara, 5. Ed.2006 AIRES, Margarida Mello. Fisiologia. Rio de Janeiro: Ed. Koogan, 3. Ed.2008. GUYTON, ARTHUR,C Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier Editora Ltda.11 ed.2006 GANONG, William F. Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: McGraw-Hill Companies.22 ed. 2005.
  35. 35. ESTUDO DIRIGIDO  1.Qual a diferença da difusão simples para a difusão facilitada?  2. Fale sobre os tipos de endocitose.

×