Antidepressivos

1.220 visualizações

Publicada em

Antidepressivos

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.220
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antidepressivos

  1. 1. Antidepressivos Mestrado em Psicologia Clínica e Aconselhamento João Martins Telma Paz Teorias Biológicas e Psicofarmacologia
  2. 2.  Depressão  Neurotransmissores  Tipo de Antidepressivos  Principais contra-indicações  Conclusão  Artigos / Bibliografia Índice
  3. 3. Depressão O conceito de depressão engloba uma variedade de distúrbios psicopatológicos que diferem consideralvelmente quanto à sintomatologia, gravidade, curso e prognóstico.
  4. 4. Depressão Não é precedida cronologicamente por quaisquer distúrbios psiquiátricos, com excessão do episódio maníaco. Quando precedida por outros distúrbios psiquiátricos (ex. esquizofrenia, fobias, etc.) ou quando acompanhada por doença física (ex. AVC, tumor).
  5. 5. Tipos de Depressão Endógena • Varia de grave a mais leve (sendo a depressão grave (maior) a que tem maior incidência) Distimia • Depressão Neurótica Reactiva • Excessiva (como reacção a insultos psíquicos ou doenças somáticas)
  6. 6. Depressão (sintomas) Humor deprimido a maior parte do dia e quase todos os dias. Perda de interesse ou satisfação em relação à maior parte das actividades Perda ou aumento de peso significativos Insónia ou hipersónia Agitação ou lentificação psicomotora Ψ Ψ Ψ Ψ Sintoma transversal aos vários tipos de depressão Sintomas variáveis/ podem coexistir ou não Ψ
  7. 7. Depressão (sintomas) Falta de auto-estima; sentimentos de inadequação e culpabilidade Capacidade intelectual ou de concentração diminuída, Ruminações sobre morte (não apenas medo de morrer), ideação suicida ou tentativa de suicídio. Ψ Ψ Ψ Fadiga ou perda de energiaΨ
  8. 8. Fatores Desencadeadores Biológicos: Genéticos; Alterações hormonais e Anatómicas Psicológicos: Personalidade; Temperamento; Aprendizagem Sociais: Problemas familiares, no trabalho; crise financeira, etc..
  9. 9. A Tomografia Computadorizada (TC), a Ressonância Magnética (RM) e a Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET) deram grande impulso ao estudo das doenças neuropsiquiátricas. Hoje muito se sabe sobre a função cerebral através destes exames funcionais computadorizados. Avanço para o Diagnóstico
  10. 10. Foram avaliados pacientes com depressão grave e voluntários normais durante um estado de tristeza induzido por filme de forte conteúdo emocional em comparação com filmes sem conotação emotiva. Estudo Realizado Durante o filme indutor de tristeza, áreas cerebrais previsivelmente envolvidas na mediação de afetos foram ativadas tanto em voluntários normais como pacientes com Depressão Maior. Essas áreas são os gânglios da base e as áreas pré-frontais, consideradas áreas para-límbicas, incluindo córtex pré-frontal inferior e medial, cíngulo e córtex temporal medial.
  11. 11. O córtex pré-frontal, possui conexões com outras estruturas igualmente participantes do comportamento emocional. Neuroanatomia Pensando no modelo neuroanatómico da depressão, que considera as estruturas cerebrais envolvidas na depressão, temos a amígdala como uma das regiões primárias para avaliação e processamento do estímulo emocional. Essas estruturas incluem a amígdala, hipotálamo, núcleo accumbens, e núcleos serotoninérgicos, noradrenérgicos e dopaminérgicos do tronco cerebral.
  12. 12. Quimicamente, os neurotransmissores são moléculas relativamente pequenas e simples. Neurotransmissores e Depressão Diferentes tipos de células secretam diferentes neurotransmissores. Cada substância química, funciona em várias áreas mas muito específicas do cérebro e podem ter efeitos diferentes dependendo do local de ativação.
  13. 13. Cerca de 60 neurotransmissores foram identificados e podem ser classificados, em geral em uma das quatro categorias: Neurotransmissores e Depressão Colinas (acetilcolina - controla atividades de áreas cerebrais relacionadas com a atenção, aprendizagem e memória) Monoaminas (histamina, adrenalina, serotonina, noradrenalina, dopamina e DOPA) Aminoácidos (glutamato e o aspartato são os transmissores excitatórios mais conhecidos, enquanto que o GABA, a glicina e a taurina são neurotransmissores inibidores) Neuropeptídeos (cadeias mais longas de aminoácidos - como uma pequena molécula de proteína. Muitos deles têm sido implicados na modulação ou na transmissão de informação neural)
  14. 14. Curiosidade!
  15. 15. • Serotonina • Noradrenalina • Dopamina NT mais relacionados com a Depressão
  16. 16. A hipótese de hipofuncionamento dos sistemas de neurotransmissores ganhou mais credibilidade depois que alguns antidepressivos agiam aumentando esses neurotransmissores e, consequentemente, melhorando os sintomas da depressão. NT vs. Antidepressivos
  17. 17. esta hipótese não explicava a falta de eficácia imediata dos tratamentos antidepressivos, apesar desses medicamentos aumentarem as concentrações sinápticas de serotonina e de noradrenalina quase imediatamente. NT vs. Antidepressivos Mas…
  18. 18. Outra ideia é a de que os neuroreceptores, por serem proteínas, têm sua quantidade aumentada ou diminuída apenas por síntese ou degradação e, ao tratar-se de um processo que consome tempo, este poderia ser a causa da lenta ação terapêutica dos antidepressivos. NT vs. Antidepressivos Surgiu então uma nova hipótese que sugere que a depressão pode estar relacionada mais com a: Desregulação da sensibilidade do neuroreceptor do que com deficiências do neurotransmissor
  19. 19. Neurobiologia da Depressão
  20. 20. Antidepressivos Tricíclicos (ADT) Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina (ISRS) Antidepressivos Atípicos Antidepressivos IMAOs Tipos de Antidepressivos
  21. 21. Vídeo
  22. 22. Para tratamento de depressões de causa variada: Antidepressivos Tricíclicos (ADT) O local de ação dos ADT é no Sistema Límbico aumentando a NA e a 5HT na fenda sináptica. Este aumento dos neurotransmissores na fenda sináptica é conseguido através da inibição na recaptação destas aminas pelos receptores pré-sinápticos. Esquizofrenia; distúrbios de personalidade; distimia; reativa, neurótica ou psicopática,.
  23. 23. A Amitriptilina (Tryptanol®, Amytril®) está mais indicada também para os casos de ansiedade associados há depressão, depressão com sinais vegetativos. Antidepressivos Tricíclicos (ADT) A Maprotilina (Ludiomil®), tem melhor indicação na depressão de início tardio, depressão na menopausa e na depressão por exaustão (esgotamento). Sobredosagem: confusão, mania; disritmias cardíacas.
  24. 24. A Nortriptilina (Norterol®, Pamerol®) é habitualmente mais indicada nas síndromes depressivas de diversas etiologias; a depressão endógena parece responder melhor que outros estados depressivos. Depressão reativa, neurose reativa, neurose depressiva, coadjuvante da terapêutica hormonal na síndrome do climatério, arritmia ventricular, incontinência urinária. Antidepressivos Tricíclicos (ADT)
  25. 25. Hipotensão postural Boca seca Visão Turva Constipação Mania e convulsões - ocasionalmente Efeitos Colaterais Bloqueio muscarínico Antidepressivos Tricíclicos (ADT)
  26. 26. O efeito antidepressivo dos ISRS parece ser consequência do bloqueio seletivo da recaptação da serotonina (5-HT). Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina (ISRS) São os antidepressivos mais prescritos. Efeitos colaterais: náusea, insônia e disfunção sexual. A fluoxetina foi o primeiro representante desta classe de antidepressivos. O ISRS elimina-se mais lentamente do organismo.
  27. 27. Inibidores Seletivos de Recaptação da Serotonina (ISRS) - Cont. recomendam a substância para o tratamento das depressões e do abuso do álcool. Nome Químico Nome Comercial Fluoxetina Prozac, Daforim, Deprax, Fluxene, Nortec, Verotina Paroxetina Aropax, Cebrilim, Pondera, Benepax Sertralina Zoloft, Tolrest, Novativ, Assert Indicado para: Transtornos depressivos Nefazodona Serzone Citalopram Cipramil, Procimax, Cittá Não recomendado para depressão grave com sintomas psicóticos
  28. 28. Antidepressivos IMAO Os chamados antidepressivos Inibidores da Monoamina Oxidase (IMAO) promovem o aumento da disponibilidade da serotonina através da inibição dessa enzima responsável pela degradação desse neurotransmissor intracelular. Nome Químico Nome Comercial Tranilcipromina Parnate, Stelapar Moclobemida Aurorix Selegilina Elepril, Jumexil Os IMAO inibem uma ou ambas as formas de MAO no cérebro, aumentando, assim as reservas de NA, e 5HT Sobredosagem: convulsões
  29. 29. hipotensão postural aumento do peso corporal estimulação do SNC inquetação insónia Antidepressivos IMAO Efeitos colaterais
  30. 30. Antidepressivos Atípicos Resposta terapêutica demorada como os antidepressivos triciclicos e IMAO Efeitos colaterais: variáveis, mas mais fracos que dos antidepressivos tricíclicos A atividade antagonista nos receptores histaminérgicos H1 da Mirtazapina é responsável por seus efeitos tranquilizantes.
  31. 31. Alguns deles aumentam a transmissão noradrenérgica através do antagonismo de receptores a2 (pré-sinápticos) no Sistema Nervoso Central, ao mesmo tempo em que modulam a função central da serotonina por interação com os receptores 5-HT2 e 5-HT3, como é o caso da Mirtazapina. Antidepressivos Atípicos Fluvoxamina Luvox Mianserina Tolvon Mirtazapina Remeron Reboxetina Prolift Tialeptina Stablon Trazodona Donarem Venlafaxina Efexor Duloxetina Cymbalta Bupropiona Welbutrin, Zetron, Bup Ecitalopram Lexapro Nome Químico Nome Comercial
  32. 32. Conclusão As causas da depressão são variadas (biológicas, sociais ou psicológicas) assim como a gravidade. É fundamental o equilíbrio nos principais NT (serotonina; noradrenalina; dopamina) que tem influencia direta sobre a depressão. Existência de vários tipos de antidepressivos com atuações diferentes. Com incidência NA, 5HT e MAO.
  33. 33. Artigos e Bibliografia Jones, (2006) Distúrbios psiquiátricos. • Breves Resumos de dois Casos Clínicos: Depressão Major e Distimia • Caracterização e descrição da Depressão e Distimia em termos genéricos • Referência a indicações de tratamento com antidepressivos conjugado com psicoterapia
  34. 34. Artigos e Bibliografia Pliska, S. (2004) Neurotransmissores • Noções gerais sobre Neurotransmissores • Respectivas rotas no circuito neurológico • Funções
  35. 35. Artigos e Bibliografia Marangell, et al (2004) Citocromo P450 • Interacções de psicofármacos • Caracterização da influência das enzimas no processo de metabolização dos psicofármacos • Relevância da alteração, potenciação e anulação dos efeitos na interacção dos psicofármacos
  36. 36. Artigos e Bibliografia Lüllman, (2008) Fármacos • Descrição dos principais tipos de depressão • Noções gerais da actuação dos antidepressivos no SNC e efeitos correspondentes • Tipos de antidepressivos • Efeitos adversos
  37. 37. Artigos e Bibliografia Yudofsky, S. (2006) Psicofarmacologia • Etiologia comum entre a depressão e outras patologias • Estudos, pesquisas e observações de efeitos dos antidepressivos no SNC • Anatomia e neuroquímica • Tratamento - noções e critérios relativos à escolha do(s) antidepressivo(s)
  38. 38. Obrigado! “O que importa não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós fazemos do que os outros fizeram de nós.” Jean Paul Satre

×