ALZHEIMER DIGITAL: Reflexões sobre o paradigma de um universo digital
Teder Muniz Morás1
Solange Wajnman2
Resumo: Este art...
O mercado é movido por interesses financeiros, traduzidos em vantagens, agilidade no
processo produtivo e finalmente econo...
São visíveis os benefícios da era digital em relação ao acesso a informação, que bem utilizado
gera conhecimento. A intern...
à questão da memória e dos registros gerados nesses dois cenários, principalmente no quesito
audiovisual (imagens em movim...
O Desafio da Memória e seu Registro
Preservar a memória e seu registro é nossa preocupação e combustível desse exercício d...
cotidiano da sociedade da época que fora materializada em fotos, cartas e em películas
fílmicas sem nenhuma intenção de pr...
Somos contemporâneos da tirania digital e de um mercado – movido por interesses
financeiros – que simplesmente ignora esse...
Digitalização do acervo audiovisual da FPA5
A Fundação Padre Anchieta (FPA), é a mantenedora da TV Cultura de São Paulo. T...
Naquele ano (2005), como ainda não havia referência no mercado que balizasse a escolha de
qual melhor solução adquirir, a ...
mantendo-a atualizada conforme evolução tecnológica, assim como, procedimentos internos
para criação de cópias de seguranç...
mercados, as políticas culturais) e a nova fase de germinação, relativamente autônoma, da
TV”.
Ao lado da Internet e com a...
Não é nossa pretensão criar um cenário escuro e de incertezas, tampouco questionar se a
tecnologia digital é menos ou mais...
CARDOSO, João Batista Freitas. Cenário Televisivo, Linguagens Múltiplas Fragmentadas. São
Paulo : Annablume; Fapesp, 2009....
SANTOS, Roberto Elísio dos. Mutações da cultura midiática / Roberto Elísio dos Santos, Herom
Vargas, João Batista F. Cardo...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ALZHEIMER DIGITAL: Reflexões sobre o paradigma de um universo digital

622 visualizações

Publicada em

Resumo: Este artigo exercita uma reflexão sobre as inovações tecnológicas oferecidas pelos dispositivos móveis, gerenciamento e armazenamento de dados, e analisa como essas facilidades implicam mudanças dos suportes materiais e da sociedade. Pretendemos tecer um paralelo entre o mundo analógico e o digital quanto a questão da memória e dos registros gerados nesses dois cenários, principalmente no audiovisual. Neste contexto buscamos evidenciar as mudanças ocorridas em face da adoção da tecnologia digital na TV Cultura de SP, o impacto nas atividades diárias e de seus profissionais. Palavras-Chave: Inovação. Comportamento. Preservação. Memória.

Abstract: This paper Proposes a reflection on the technological innovations Offered by mobile devices, data management and storage, and how analyzes these features imply changes in the material supports and at our society. We Intend to weave a parallel between the analogical and digital world faces to memory and records generated in These two scenarios , Especially in the audiovisual . In this context we exploit the changes in the digital technology adoption at TV Cultura network and its impact on the daily TV Activities and also on Their professionals . Keywords: Innovation. Behaviour. Preservation . Memory .

Resumen: Este documento propone una reflexión sobre las innovaciones tecnológicas ofrecidas por los dispositivos móviles, la gestión y el almacenamiento de datos, y analiza cómo estas características implican cambios de soportes materiales y la sociedad. Tenemos la intención de tejer un paralelismo entre el mundo analógico y el digital y la cuestión de la memoria y los registros generados en estos dos escenarios, especialmente en el audiovisual. En este contexto, se busca demostrar los cambios en faz de la adopción de la tecnología digital en la TV Cultura de SP, el impacto en las actividades diarias y en sus profesionales. Palabras clave: Innovación. Comportamiento. Preservación. Memoria.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
622
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ALZHEIMER DIGITAL: Reflexões sobre o paradigma de um universo digital

  1. 1. ALZHEIMER DIGITAL: Reflexões sobre o paradigma de um universo digital Teder Muniz Morás1 Solange Wajnman2 Resumo: Este artigo exercita uma reflexão sobre as inovações tecnológicas oferecidas pelos dispositivos móveis, gerenciamento e armazenamento de dados, e analisa como essas facilidades implicam mudanças dos suportes materiais e da sociedade. Pretendemos tecer um paralelo entre o mundo analógico e o digital quanto a questão da memória e dos registros gerados nesses dois cenários, principalmente no audiovisual. Neste contexto buscamos evidenciar as mudanças ocorridas em face da adoção da tecnologia digital na TV Cultura de SP, o impacto nas atividades diárias e de seus profissionais. Palavras-Chave: Inovação. Comportamento. Preservação. Memória. Abstract: This paper Proposes a reflection on the technological innovations Offered by mobile devices, data management and storage, and how analyzes these features imply changes in the material supports and at our society. We Intend to weave a parallel between the analogical and digital world faces to memory and records generated in These two scenarios , Especially in the audiovisual . In this context we exploit the changes in the digital technology adoption at TV Cultura network and its impact on the daily TV Activities and also on Their professionals . Keywords: Innovation. Behaviour. Preservation . Memory . Resumen: Este documento propone una reflexión sobre las innovaciones tecnológicas ofrecidas por los dispositivos móviles, la gestión y el almacenamiento de datos, y analiza cómo estas características implican cambios de soportes materiales y la sociedad. Tenemos la intención de tejer un paralelismo entre el mundo analógico y el digital y la cuestión de la memoria y los registros generados en estos dos escenarios, especialmente en el audiovisual. En este contexto, se busca demostrar los cambios en faz de la adopción de la tecnología digital en la TV Cultura de SP, el impacto en las actividades diarias y en sus profesionales. Palabras clave: Innovación. Comportamiento. Preservación. Memoria. Introdução O título Alzheimer Digital, faz referência ao Mal de Alzheimer, uma patologia neurológica degenerativa, descrita em 1906, caracterizada por perda da memória de curto prazo, ou memória recente. A analogia aqui se deve em virtude do armazenamento da memória social humana na atualidade, através de processos digitais e em suportes instáveis. Isso tem gerado a insegurança com relação à segurança dos dados armazenados e, caso elas venham a se perder por não serem concretizadas em meios estáveis, resultará em uma perda irreversível das informações que constituem conhecimento adquirido. 1 Doutorando e mestre em Comunicação pela Universidade Paulista – UNIP. tedermoras@gmail.com. 2 Doutora em Sciences Sociales - Universite Rene Descartes, Sorbonne (1994). Realizou pesquisa de Pós-doutorado na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa -ESTC (2009). Líder do grupo de pesquisa Moda, Comunicação e Cultura junto ao CNPq, membro do Centro de Estudos de Telenovela da USP (CETVN/USP) e integrante do projeto OBITEL (observatório de ficção televisiva ibero-americana). Membro do comitê científico do Colóquio de Moda. Atualmente é professor titular da Universidade Paulista (UNIP) do mestrado em Comunicação. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Teoria da Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação visual, moda, estilo, consumo e novas tecnologias e epistemologia. solwajnman@gmail.com.
  2. 2. O mercado é movido por interesses financeiros, traduzidos em vantagens, agilidade no processo produtivo e finalmente economia monetária utilizando-se da tecnologia digital, ainda mais se comparada ao paradigma analógico. Somos contemporâneos de uma nova revolução, a chamada era digital. Ao longo da história há relatos de descobertas e inovações que mudaram o mundo. O salto tecnológico promovido pela Revolução Industrial baseou-se no uso metal forjado em máquinas e equipamentos. Foram introduzidos novos materiais, processos e consequente novos fazeres. Toda essa mudança alterou também a forma como viviam e se relacionavam as comunidades humanas. Os artesãos – mestres que dominavam a arte do fazer – passaram a trabalhar nas novas fabricas e não mais em suas residências. Isso gerou uma produção em larga escala, ou seja, a primeira produção em massa. Esta condição também exigia melhores trabalhadores com conhecimento para operar as novas máquinas. Em 1913, Henry Ford inovou ao criar a linha de montagem para produção do modelo Ford T. Ao invés de um item único e artesanal obtinha-se a produção de vários carros por dia a um custo reduzido e acessível à população. Isto seria o início de uma nova era. Toda essa revolução mudou também a forma de viver, redefiniu novas classes sociais. Observou-se um novo padrão tecnológico concomitante à reorganização do consumo e à relação tempo-espaço: Sociedade da Informação, Sociedade pós-industrial, Sociedade do Conhecimento ou Sociedade da Aprendizagem Permanente, são formas de designar um modo de desenvolvimento social e econômico em que a aquisição, armazenamento, processamento, valorização, transmissão, distribuição e disseminação de informação conducente à criação de conhecimento e à satisfação das necessidades dos cidadãos e das empresas, desempenham um papel central na atividade econômica, na criação de riqueza, na definição da qualidade de vida dos cidadãos e das suas práticas culturais. Enganam-se, pois alguns ingênuos, quando pensam que: "são coisas lá da malta dos computadores...". Livro Verde para a Sociedade da Informação em Portugal, 1997. O século XX foi marcado por grandes feitos. Credita-se seu ápice à popularização da internet - meados dos anos 1990, 3décadas após a sua criação, no auge da Guerra Fria. Até então as guerras foram molas propulsoras dos saltos tecnológicos. E apesar do dilema, trouxeram à humanidade grandes avanços nas áreas da medicina, pesquisa aeroespacial, farmacêutica e das relações humanas, dentre outras.
  3. 3. São visíveis os benefícios da era digital em relação ao acesso a informação, que bem utilizado gera conhecimento. A internet encurtou distancias, aperfeiçoou processos e trouxe ao homem inúmeras facilidades de comunicação. Segundo Fredric Jameson (1996), a ruptura tecnológica determinou mudanças fundamentais no comportamento da sociedade. Diante de interesses econômicos característicos da pós- modernidade, impulsionados pelas inovações tecnológicas, é possível constatar mudanças nas estruturas das empresas. O embate entre o mundo analógico e digital resulta em alterações no fazer midiático, no comportamento humano e sua adaptação aos novos equipamentos eletroeletrônicos e aos conteúdos resultantes do novo fazer: as imagens técnicas. Neste contexto há impacto social com a mudança de paradigma. Como mostra Marcos Palacios (2005), as tecnologias, incluindo naturalmente as digitais, não são unidirecionais, nem têm uma dinâmica própria e predeterminada de desenvolvimento. Ainda de acordo com Laurentiz (1991),” A matéria é a preocupação mecânica com o suporte material, ao passo que a materialidade abrange o potencial expressivo e a carga informacional destes suportes, englobando também a extramaterialidade dos meios de informação.” (Laurentiz, 1991. p.102). Nosso objetivo é avaliar como ocorre essa mudança nos fazeres diários, como também verificar como a sociedade lida com esse novo cenário. Citando Flusser (1985) com o fato de somos operadores de tecnologia, não seus realizadores. Não se trata apenas de nos colocarmos como meros expectadores da história, mas questionar e buscar um melhor entendimento dessa mudança de hábitos, fazeres e consequentemente comportamento. Os mais atentos irão notar alterações em nossa percepção, como nos adaptamos ao meio e nesse caso específico às novas tecnológicas e seus aparatos. Diante de uma produção virtual cada vez maior e a sua imaterialidade colocam-se questões decorrentes desse cenário digital: o descarte, a falta de registro, e principalmente a ausência efetiva de guarda. Pretendemos tecer um paralelo entre o mundo analógico e o digital quanto
  4. 4. à questão da memória e dos registros gerados nesses dois cenários, principalmente no quesito audiovisual (imagens em movimento, fotos e texto), conteúdo produzido em larga escala pela maioria das pessoas, que em face das facilidades e aparatos tecnológicos, inundam nosso cotidiano. Citando Flusser, permanecermos incapazes de saber o que se passa no interior da caixa preta, "somos, por enquanto, analfabetos em relação às imagens técnicas. Não sabemos como decifrá-las”. 3 (Flusser, 1985b, p. 21). Um dos autores trabalhou na Fundação Padre Anchieta, mantenedora das Rádios e Televisão Cultura de São Paulo, de 1991, como estagiário a 2013, como gerente do Centro de Documentação. Esse convívio de mais de duas décadas propiciou um rico cenário de experimentação onde fora possível visualizar as transformações em toda cadeia produtiva considerando o modelo analógico – uma forma quase artesanal do fazer televisivo – e todas as facilidades - e riscos - do mundo digital. Dentro deste contexto este estudo busca exercitar uma reflexão sobre as inovações tecnológicas oferecidas pelos dispositivos móveis, sistemas de comunicação, gerenciamento e armazenamento de dados, e analisa como essas facilidades implicam mudanças não somente dos suportes materiais, mas da própria sociedade que é obrigada a interagir com essas transformações. Diante de uma produção virtual cada vez maior e a sua imaterialidade colocam-se questões decorrentes desse cenário digital: o descarte, a falta de registro, e principalmente a ausência efetiva de guarda. Pretendemos tecer um paralelo entre o mundo analógico e o digital quanto à questão da memória e dos registros gerados nesses dois cenários, principalmente no quesito audiovisual (imagens em movimento, fotos e texto), conteúdo produzido em larga escala pela maioria das pessoas, que em face das facilidades e aparatos tecnológicos, inundam nosso cotidiano. Dentro deste contexto este estudo busca evidenciar através de uma pesquisa exploratória e descritiva na TV Cultura de São Paulo, as mudanças ocorridas em face da adoção da tecnologia digital, nos ambientes de Produção, Jornalismo, Engenharia e Gestão da Informação, e seu impacto nas atividades diárias de seus profissionais. 3 Flusser, Vilém. Filosofia da Caixa Preta. Ed. Hucitec: São Paulo, 1985.
  5. 5. O Desafio da Memória e seu Registro Preservar a memória e seu registro é nossa preocupação e combustível desse exercício de reflexão. Sabe-se que hoje, a memória é registrada em larga escala em formatos audiovisuais (imagens em movimento, fotos e texto). Evidencia-se um excesso de conteúdo produzido pela maioria das pessoas que se beneficiam de facilidades e aparatos tecnológicos. Em “História e Memória”, Jacques Le Goff (1990), relata que as sociedades históricas apesar de não dimensionarem, tampouco compreenderem as mudanças que ocasionadas com o “moderno” faziam uso dessas experimentações. De fato, as sociedades históricas, mesmo que não se tenham apercebido da amplitude das mutações que viviam, experimentaram o sentimento de moderno e forjaram o vocabulário da modernidade nas grandes viragens da sua história. (Le Goff, 1990, p. 161). Vale ressaltar ao leitor as diferenças entre História, Memória e Registro. Compartilhamos do pensamento de Le Goff (1990), que observa que “a história é uma narração, verdadeira ou falsa”, e foi meio de transmissão, num primeiro momento através da oralidade e posteriormente através da escrita. Ressaltamos não ser essa reflexão um contraponto à adoção de novas tecnologias, tampouco empecilho para o egresso a um cenário virtual, no entanto como alerta Zielinski (2006), o conceito da evolução propiciada pelas novas tecnologias da mídia deve ser cuidadosamente analisada: A passagem dos séculos apenas aprimora e aperfeiçoa as grandes ideias arcaicas. Esse ponto de vista constitui pedagogia primitiva, que é maçante, e suga a energia do trabalho relativo às mudanças tão desesperadamente necessárias. Então, se deliberadamente alterarmos a ênfase, virarmos de ponta-cabeça e experimentarmos, o resultado vale a pena: não procuremos o velho no novo, mas encontraremos algo de novo no velho. (Zielinski, 2006, p.19). Os Desafios da Memória Digitalizada Objetivamos com esse exercício avaliar as práticas atuais no tocante ao registro daquilo que no passado era materializado no suporte físico, e em consequência se tornou documentação histórica. Hoje, aquilo que caracterizamos como documentos históricos, é um registro do
  6. 6. cotidiano da sociedade da época que fora materializada em fotos, cartas e em películas fílmicas sem nenhuma intenção de preservação. Pela natureza do suporte físico material esse registro se perpetuou pelas décadas. Em face das novas tecnologias essa prática permanece, e em uma escala jamais vista. Daí, a necessidade de encontrarmos uma equação entre produção, presença, memória, história e identidade. Nas sociedades desenvolvidas, os novos arquivos (arquivos orais e audiovisuais) não escaparam à vigilância dos governantes, mesmo que possam controlar esta memória tão estreitamente como os novos utensílios de produção desta memória, nomeadamente a do rádio e a da televisão. (Le Goff, 1990, p.436). A história nos legou elementos físicos de sua memória através da arte, ciência, e literatura, materializados na arquitetura, esculturas, artes plásticas, textos, música, cinema, fotografia e outros. Esse rico e tangível acervo nos dá referência do que fomos e fizemos, e ainda parâmetros de aonde queremos chegar. Desde os primórdios, através da oralidade, havia a preocupação em preservar esses ensinamentos. Posteriormente a consciência preservacionista fora reconhecida como ação fundamental na definição da identidade, desde que superados os obstáculos orçamentários e de capacitação técnica para o restauro, preservação e guarda desse legado. Agora, diante de uma produção cada vez mais imaterial o descarte, a falta de registro, e principalmente uma falsa sensação de guarda já é um conjunto de problemas decorrente desse cenário digital. Se antes, uma foto produzida através de filme fotográfico precisava ser revelada e materializada, essa por si só, e principalmente com o passar dos anos, tornar-se-ia um objeto histórico, representativo de uma época, comportamento ou simples registro visual. O mesmo para uma simples carta, ou um documento manuscrito. Hoje, disparamos câmeras digitais, celulares e tablets a uma velocidade comparada à força de um tsunami, e da mesma forma apagamos esses registros com um simples apertar de botão. O ato de escrever no papel migrou para o texto digital. As emoções – acreditamos – ainda são as mesmas: dramas, criticas, amores, ou mesmo um registro trivial são representados por bits, e da mesma forma os “apagarmos” como um apagar de luzes. Esse gesto apaga também a memória do que fora produzido, assim como a sua feitura. A produção cinematográfica e televisiva, até então analógica, tinha no suporte midiático físico o registro material e histórico desse fazer.
  7. 7. Somos contemporâneos da tirania digital e de um mercado – movido por interesses financeiros – que simplesmente ignora esses acervos, descontinuando esses suportes e meios de reprodução, caracterizando-os como obsoletos. O Advento da digitalização se traduz na transição dos suportes materiais para suportes intangíveis. A virtualização de ambientes, processos, e quem sabe dos atores humanos ratifica o cenário de desnaturalização. A digitalização trouxe ao fazer televisivo inúmeros benefícios, reduzindo custos, tornando processos mais eficazes e eficientes, propiciando acesso em larga escala além de uma maior integração das áreas e capacitação de seus profissionais, no entanto, no caso da imagem magnética, a digitalização rouba a aura do original. O vídeo é transformado em dado, e mesmo com toda observância na gestão dessa informação lançando mão dos recursos disponíveis esse conteúdo imaterial se tornou mais do que nunca refém da tecnologia voltada aos interesses do mercado. Como defende Flusser (1985), em “Filosofia da Caixa Preta” não dominamos o conhecimento sobre como fazer a tecnologia que nos serve, somos apenas usuários. Assim, cabe ao gestor de um acervo audiovisual, mesmo contrário às práticas de mercado, buscar na tecnologia disponível meios de preservar a memória, caso não o faça, terá em poucas décadas uma enorme “caixa de pandora”4 , cujo conteúdo somente será lembrado por àqueles que tiveram a contato com a experimentação, e a partir daí, somente através dos contos. Como expusemos um dos autores trabalhou na Fundação Padre Anchieta, mantenedora das Rádios e Televisão Cultura de São Paulo, de 1991 a 2013. Durante esse período conviveu com inúmeros profissionais e pode conhecer um pouco do universo televisivo e seus fazeres. Bastidores, fluxos, processos, o segredo por detrás da tal “caixa mágica”. Relatamos a seguir a chegada da tecnologia digital e seus impactos nos ambientes de Produção, Jornalismo, Engenharia, principalmente na Gestão da Informação, e seu impacto nas atividades diárias de seus profissionais. 4 Caixa de Pandora é um artefato da mitologia grega, tirada do mito da criação de Pandora, que foi a primeira mulher criada por Zeus. A "caixa" era na verdade um grande jarro dado a Pandora, que continha todos os males do mundo. Nossa analogia é possuirmos um artefato cujo conteúdo não pode ser acessado.
  8. 8. Digitalização do acervo audiovisual da FPA5 A Fundação Padre Anchieta (FPA), é a mantenedora da TV Cultura de São Paulo. Tivemos acesso ao plano de ação, implantado em 2005, voltado à migração de acervo em película magnética (videoteipe) em bitolas com maior risco de obsolescência para mídias digitais. Deliberar sobre qual mídia depositar nossa história audiovisual era, e ainda é um dilema ao gestor daquele acervo audiovisual. Nenhum suporte digital hoje é definitivo, e esse é o maior problema considerando a necessidade de guardarmos os registros gerados pela enorme produção televisiva. Essa dúvida sobre a melhor escolha nos motiva a constantes atualizações em uma ação sem fim. Com isso, o risco de dano ou mesmo a perda dessa memória são fantasmas que assombram àqueles que lutam pela preservação da memória audiovisual. A tecnologia que gerencia (dados e informações) migrou da indústria da tecnologia da informação (TI). Todo o fazer está sub judice de servidores. Seguindo as diretrizes do plano de ação, todo acervo audiovisual foi inventariado. Foram adotados os seguintes critérios para priorização: mídias com maior risco de obsolescência, na sequência, produção própria, co-produção e terceiros. Em face do alto custo de migração do acervo, o conteúdo audiovisual cujos critérios de direito autoral (patrimonial e imagem) estejam regularizados, serão migrados primeiro. Suportes magnéticos com algum tipo de restrição de uso, como por exemplo, programas e séries produzidos por terceiros, será proposto ao produtor termo de parceria para recuperação desse material. Como toda informação catalográfica estava em base de dados organizada a estruturação desse inventário fora relativamente simples, cabendo apenas à direção da Fundação Padre Anchieta validar o conteúdo selecionado para migração. A obsolescência das fitas de vídeo, como também dos equipamentos reprodutores era fato. Tínhamos então que achar a melhor alternativa para salvar os registros audiovisuais reunidos em quase 40 anos de história. 5 O autor Teder Morás foi gerente do Centro de Documentação e Memória da TV Cultura no período de 1991 a 2013.
  9. 9. Naquele ano (2005), como ainda não havia referência no mercado que balizasse a escolha de qual melhor solução adquirir, a direção da TV Cultura optou por um sistema idealizado pela Sony, grande fabricante de equipamentos e fitas para o mercado televisivo. Logo os profissionais envolvidos das áreas de Engenharia, TI e Ciência da Informação identificaram grande restrição e dificuldade na customização do sistema, além é claro, de ser uma solução proprietária. Em resumo, estavam 100% a mercê daquela empresa, seja na questão na imaterialidade, o vídeo transformado em dado era então armazenado em outro tipo de mídia digital, e também a gestão dessa informação, algo que primamos e sempre fomos desenvolvedores. Em 2007, a direção da TV Cultura mudou radicalmente a estratégia de digitalização do acervo. Deixaram a proposta da Sony, e partiram para outra solução. Escolhemos a mídia: LTO - Linear Tape-on, tecnologia desenvolvida pelas empresas HP e IBM, além de um conjunto de fornecedores para hardwares (robótica) e softwares (sistema de gerenciamento). O parceiro escolhido para o desenvolvimento conjunto de um sistema de gerenciamento da informação fora a Media Portal, uma empresa nacional. Tal decisão pautou-se na questão estratégica de que juntos (FPA e Media Portal) poderiam desenvolver um sistema customizado e que atendesse aos interesses e premissas da FPA na gestão da informação e na preservação de seu valioso acervo. Além das vantagens de co-desenvolvedor, o custo da mídia e sua capacidade de armazenamento foram determinantes. Para citar alguns exemplos com parecemos o quadro abaixo, além do custo de manutenção e espaço físico: Superadas as dificuldades de implantação, treinamento e mudança de paradigma, surge outro – e certamente o maior desafio – que consistia no monitoramento constante da mídia, Mídia Ano Capacidade Custo' Betacam equivalente Custo LTO3 2005 500GB 400,00$ 30 4.500,00R$ LTO4 2007 800GB 250,00$ 40 6.000,00R$ LTO5 2009 1,6TB 150,00$ 80 12.000,00R$ LTO6 2012 2,5TB 240,00$ 160 24.000,00R$ ¹ valor médio lançamento Fonte: Cedoc FPA Quadro comparativo custo/capacidade de armazenamento LTO/Betacam
  10. 10. mantendo-a atualizada conforme evolução tecnológica, assim como, procedimentos internos para criação de cópias de segurança, sistemas redundantes, e plano de contingência. O profissional de gestão de acervos audiovisuais, responsável pelas atividades da preservação documental, se depara a cada dia, com uma quantidade crescente de informação que precisa ser tornada acessível e disseminada com rapidez, de forma eficaz e eficiente através de sistemas informatizados de gestão. O momento atual é de cooperação e convergência de tecnologias, sem negligenciar o legado tradicional, priorizando investimentos na digitalização de acervos em detrimento da conversação física dos suportes originais. Preservação Documental [...] inclui todos os aspectos gerenciais, financeiros e humanos, para prover acondicionamento e guarda adequadas, além de políticas, atividades técnicas e procedimentos envolvidos na preservação, não apenas nos próprios documentos, mas também nas informações contidas neles. (IFLA, 1998). Segundo McGarry (1999), a informação dever ser ordenada, estruturada ou contida de alguma forma, senão permanecerá amorfa e inutilizável, daí a importância na gestão da informação e garantir seu tratamento bibliográfico, guarda e recuperação. Qualquer que seja a sua forma externa, a essência de um arquivo é uma coleção de materiais organizados para uso. As formas externas desses materiais têm mudado a cada inovação da tecnologia da comunicação, das tabulas de argila ao computador. A organização para uso define sua função como recipiente ou depósito para a memória externa da humanidade; mas armazenamento implica recuperação e recuperação implica acesso, ou a oportunidade de tirar proveito disso na condição de usuário. Considerações finais Os autores são de uma geração analógica, aficionada por televisão. Uma caixa mágica que nos acompanha desde o desenvolvimento da oralidade até a evocação de sentimentos mais complexos, quando nos emocionamos com determinado conteúdo exibido. A televisão durante décadas foi o principal instrumento de mobilização social, político e comportamental, afirmação atestada por (Abruzzese, 2006), em constatar que o impacto da televisão sobre a sociedade não poderia ser teorizado considerando uma fusão do cinema com a pequena tela “[...] mas sim como impacto crítico entre a fase avançada de institucionalização do pensamento e da práxis audiovisuais (as especificidades cinematográficas, as produtoras, os
  11. 11. mercados, as políticas culturais) e a nova fase de germinação, relativamente autônoma, da TV”. Ao lado da Internet e com a mobilidade que a convergência tecnológica proporcionou, a televisão divide esse papel e mesma responsabilidade com outros veículos de comunicação. Como a televisão, o cinema, a literatura e outras formas de arte contribuíram para a formação da sociedade e nos legaram registros fundamentais para compreensão da história e de nossa identidade. No meio audiovisual, em face das novas tecnologias esses registros, em sua maioria, estão sob a égide da imaterialidade, um cenário que gerações - como a nossa - ainda não dominam completamente, no entanto, está sob nossa responsabilidade a busca de um novo modelo paradigmático que mantenha esses registros intactos e acessíveis às próximas gerações. Em relação à tecnologia digital, todo o parque de captação, edição, exibição e arquivo está modernizado, habilitando a Fundação Padre Anchieta enfrentar o paradigma da TV digital, e assim trabalhar pela preservação de seu acervo. A digitalização está presente em nosso dia a dia, seja na virtualização de ações e processos a um simples clicar fotográfico ou mesmo uma mensagem eletrônica (e-mail). As facilidades técnicas deram ao homem a capacidade de produzir registros em escala épica. “Paramos o tempo” em fotos digitais, publicações em redes sociais como Facebook e/ou Twitter, ou torpedos pelos telefones móveis, memórias que geram um arquivo universal, imaterial e ao alcance de qualquer pessoa. Se por um lado isso nos aproxima considerando a velocidade que a informação é propagada e está disponível nessa grande rodovia chamada internet, a gestão dessa história, e consequentemente a preservação dessa memória grita aos ouvidos dos mais atentos. Há uma convergência natural para que cada vez mais as publicações, originalmente materializadas em livros, estejam em ambientes virtuais (servidores, discos rígidos etc.). Cada vez mais raras são cartas escritas à mão, tampouco fotos relevadas, tudo está à mão do homem nessa nuvem digital. Alguns mais cuidadosos replicam essa informação para servidores ou dispositivos de armazenamento, o que não torna essa memória material. A imaterialidade é um fato e ao mesmo tempo um risco. O conteúdo audiovisual dos acervos, principalmente películas magnéticas (vídeo) e fílmicas, obrigatoriamente será digitalizado, cedo ou tarde, isso em face da obsolescência tecnológica, seja do suporte ou do equipamento de reprodução. Cabe-nos, decidir a melhor forma de preservar essa informação.
  12. 12. Não é nossa pretensão criar um cenário escuro e de incertezas, tampouco questionar se a tecnologia digital é menos ou mais benéfica. Como pudemos constatar e de acordo com Fredric Jameson (1996), a cada mudança de paradigma se faz também necessária à adaptação comportamental. Somos agentes ativos na construção e manutenção de nossa história. Tínhamos relativo conforto na gestão da informação tangível, isto é, ao alcance de nossas mãos. Seja nas ações de preservação e gestão. O palco que se descortina nos apresenta uma nova realidade, novos procedimentos, outros aprendizados. Talvez, a necessidade de esvaziarmos nossos copos, principalmente para a geração analógica, seja crítica para que possamos absorver novos conceitos, principalmente para aqueles que atuam no restauro preservação e gestão da informação. Os avanços tecnológicos seguirão seu curso. Trata-se de “tsunami cibernético” movido por interesses econômicos, busca por novas linguagens, facilidades e, mesmo de forma maquiada, a sonhada interação realmente participativa. Imagens ainda mais definidas, convergência para artefatos portáteis e conectados com as necessidades do dia a dia, ditarão o comportamento das próximas gerações. “[...] qualquer contato humano com as coisas do mundo contém um componente de sentido e um componente de presença, e que a situação da experiência estética é específica na medida em que nos permite viver esses dois componentes em sua tensão”. (Gumbrecht, 2010, p.138-139). Além disso, somos essencialmente presença, mesmo que na representação nosso eu, e felizmente não somos virtuais, no entanto, caso não observado critérios de produção e principalmente registro dos conteúdos produzidos, iremos padecer de um Alzheimer Digital. Referencias a) – Livros ABRUZZESE, Alberto. O Esplendor da TV – origens e destino da linguagem audiovisual. Tradução Roberta Barni. Ed. Studio Nobel. São Paulo : 2006. BERGSON, Henri. Matéria e Memória. Trad. Paulo Neves, 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. __________. Memória e Vida. Textos escolhidos por Gilles Deleuze. Trad. Claudia Berliner, 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006. CARDOSO, João Batista Freitas. A semiótica do cenário televisivo. São Paulo : Annablume; Fapesp, USCS – Universidade de São Caetano do Sul,2008.
  13. 13. CARDOSO, João Batista Freitas. Cenário Televisivo, Linguagens Múltiplas Fragmentadas. São Paulo : Annablume; Fapesp, 2009. FELINTO, Erick. Materialidades da Comunicação: Por um Novo Lugar da Matéria na Teoria da Comunicação. Ciberlegenda, Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal Fluminense, UFF, nº 5. Rio de Janeiro, 2001. FLUSSER, Vilém. Filosofia da Caixa Preta. Ed. Hucitec. São Paulo, 1985. _______________. Filosofiá del diseño – la forma de las cosas. Tradução Pablo Marinas. Editora Sintesis. Madrid, 2002. GORZ, André. O imaterial: conhecimento, valor e capital. Tradução de Celso Azzan Júnior / André Gorz – São Paulo : Annablume, 2005. GUMBRECHT, Hans Ulrich. Org.: João Cesar de Castro Rocha. Corpo e forma: ensaios para uma crítica não hermenêutica. Rio de Janeiro : EdUERJ, 1998. ________________________ Produção de Presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro : Contra Ponto – PUC Rio, 2010. JAMESON, Fredric. A lógica cultura do capitalismo tardio. In: ___. Pós-modernismo. A lógica cultura do capitalismo tardio (trad. Maria Elisa Velasco), São Paulo: Ática, 1996. p.61. JENKIS, Henry. Cultura da convergência / Henry Jenkins; tradução Susana Alexandria, 2.ed., São Paulo : Aleph, 2009. LAURENTIZ, Paulo (1991). A Holarquia do pensamento artístico. Campinas : Edunicamp LE GOOF, Jacques. História e memória; tradução Bernardo leitão... [et al.] – Campinas, SP. Editora da UNICAMP, 1990. (Coleção Repertórios). LEVY, Pierre. O que é virtual? Tradução de Paulo Neves. São Paulo : Editora 34, 2007. MACHADO, Elias & PALACIOS, Marcos. Modelos de jornalismo digital. Salvador : Calandra, 2003. McGARRY, Kevin. O contexto dinâmico da informação: uma análise introdutória. Brasília; Briquet de Lemos, 1999. MCLUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1974. MORAS, Teder M. RESENDE, Fernanda Elisa C.P. Território Audiovisual: imagens e sons como estratégia metodológica de pesquisa. Reflexão de questões levantadas no Simpósio 23, intitulado Território Audiovisual – Imagens e Sons como Estratégia Metodológica de Pesquisa, coordenado pelos autores durante o IV TAAS – Reunión de Teoría Arqueológica de América Del Sur, realizado em setembro de 2012, na cidade de Goiânia, GO, Brasil. PALACIOS, Marcos. Mundo Digital. In: RUBIM, Antonio Albino Canelas (org.). “Cultura e Atualidade”. Salvador: EDUFBA, 2005.
  14. 14. SANTOS, Roberto Elísio dos. Mutações da cultura midiática / Roberto Elísio dos Santos, Herom Vargas, João Batista F. Cardoso. – 1. Ed. – São Paulo : Paulinas, 2009. (Coleção comunicação & cultura). SANTOS, Silvio de Oliveira. O escolar e a televisão. SP: Do autor, 1977 (monografia). WAJNMAN, Solange. JARDIM, Silvia Cristina. Configurações da percepção contemporânea e metaformas na televisão: estudo de formas visuais da MTV Brasil. Revista FAMECOS • Porto Alegre • nº 34 • dezembro de 2007. ZIELINSKI, S. Arqueologia da mídia- em busca do tempo remoto das técnicas do ver e do ouvir. São Paulo : Ed. Annablume, 2006. b) – Textos da internet <http://blogs.cultura.gov.br/culturaepensamento/files/2010/02/const-comum_Rodrigo-GUERON.pdf>, acesso em: 04 nov. 2014. <http://www.ford.pt/ExperienciaFord/SobreFord/InformacaoSobreEmpresa/Heritage/TheEvolutionof MassProduction>, acesso em: 04 nov. 2014 04/11/2014. <http://www.missao-si.mct.pt>, na secção dedicada ao Livro Verde, acesso em: 04 nov. 2014. IFLA - The International Federation of Library Associations and Institutions. Disponível em <http://www.ifla.org/>, acesso em: 20 set. 2009. c) – Trabalhos apresentados em eventos MORAS, Teder M. ALZHEIMER DIGITAL: Reflexões sobre o paradigma de um universo digital. Trabalho apresentado no I Simpósio Internacional de Imagem e Inserção Social, na Faculdade Cásper Líbero. São Paulo, SP, de 05 a 07 de novembro de 2013. MORAS, Teder M. Digitalização, a mudança de paradigma no processo de produção de cenários televisivos na TV Cultura. Dissertação apresentada ao Programa de Mestrado em Comunicação da Universidade Paulista. São Paulo, 2012.

×