O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

A bola de cristal dos gerentes

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 3 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Semelhante a A bola de cristal dos gerentes (20)

Anúncio

A bola de cristal dos gerentes

  1. 1. ANUALPEC 2007 A bola de cristal dos gerentes O planejamento de pastagens permite antever condições adversas e realizar em tempo ações necessárias para contorná-las Quase metade dos 45 a 50 milhões de hectares de revisados para garantir o sucesso do planejamento, ou seja, pastagens cultivadas no cerrado apresenta algum grau a concretização das metas e dos objetivos. de degradação, resultado do manejo inadequado da Fatores incontroláveis como clima, custo de insumos, pastagem. As tecnologias para reversão desse quadro preço de venda e políticas envolvendo o setor precisam são muitas, geradas por diversas instituições de ser considerados. Os fatores controláveis, geralmente pesquisa, mas, para mostrar resultado, todas requerem ligados ao sistema de produção, são acompanhados o um bom planejamento. tempo todo, pois o monitoramento permite aferir os O planejamento é a função básica da gestão. A falta resultados do plano e identificar prontamente a de um plano que mantenha em equilíbrio a oferta e a necessidade de uma eventual intervenção. demanda de forrageira é a causa da degradação das Existem metodologias específicas para o pastagens. Não raro, proprietários e gerentes planejamento de pastagens, dentre as quais se destaca a desenvolvem planos com objetivos, metas e linhas de existente no “Comunicado técnico n.º 100”, da Embrapa ação, mas os mantêm apenas na cabeça. Isso reduz sua Cerrados, de Planaltina (DF). A publicação é de autoria abrangência e dificulta a avaliação e comparação de dos pesquisadores Luís Gustavo Barioni e Geraldo Bueno estratégias, bem como a comunicação com os demais Martha Júnior e intitula-se “Manejo para estimar o envolvidos na produção e na administração. Sem contar tamponamento nutricional para vacas de corte em que tais planos geralmente não contemplam a previsão sistemas pastoris”. de ações. Em geral, o planejamento informal consiste Elaboração do planejamento forrageiro. − O no “plano do ocorrido”: serve para conhecer o passado, primeiro passo para a execução do planejamento das mas não tem a visão do futuro. pastagens é a quantificação do estoque de forragem. Há O planejamento formal, em contrapartida, tem as vários modos de se estimar esse valor, seja por métodos seguintes vantagens: diretos ou indiretos. O método direto é mais trabalhoso, • Capacidade de utilização de medidas objetivas e porém mais confiável. Tais métodos, contudo, não são de manipulação de maior quantidade de dados; o objetivo deste artigo. • Possibilidade de verificação dos dados, erros de Os efeitos da sazonalidade na produção de pastagens estimativa e falhas lógicas, e aprendizado do sistema são amplamente conhecidos. Segundo vários de produção; pesquisadores, os capins tropicais concentram 80% de sua produção no período das águas, restando apenas 20% • Documentação do histórico técnico-administrativo para o período sem chuvas. O ajuste do planejamento que auxilia na avaliação de erros e acertos ocorridos exige a estimativa do comportamento da produção desses no passado; períodos, efeito conhecido como variação estacional. • Promoção de um foco mais nítido para as decisões, Também é necessário projetar a dinâmica do estoque evitando exageros na atenção a aspectos e problemas animal. As reses se desenvolvem, mudam de categoria, isolados, que nem sempre são relevantes. aumentam o consumo e vão para abate. As metas de O objetivo do planejamento é definir as ações que desempenho do rebanho, bem como os abates e conduzam o empreendimento a um estado desejado. descartes, compõem a dinâmica do estoque animal, que Definem-se as metas, que representam o caminho a ser precisa ser conhecida para que se possa estimar a percorrido para a concretização dos objetivos. demanda de forragem. A gestão do planejamento compõe-se de análise, Dinâmica do estoque animal. − É necessário opção e decisão. Tais itens dependem da execução e do conhecer o peso médio das categorias existentes, bem acompanhamento do plano proposto. São fatores como suas metas de desempenho e evolução do ganho relacionados com a qualificação e motivação da mão-de- de peso. Pode-se assim presumir também os abates e obra, e com o comprometimento da gerência. Execução e descartes. Tome-se como exemplo uma propriedade com monitoramento são interdependentes e são continuamente 380 cabeças de recria e as seguintes metas: idade de 1
  2. 2. ANUALPEC 2007 abate de 31 meses, peso de desmame de 180 kg, peso ETM é menor que 0,5, como mostra a Equação 2, na de abate de 480 kg, e ganho de peso por animal de 0,6 qual o valor de FH serve como fator de correção para a kg/dia nas águas e 0,3 kg/dia na seca (desempenho produção projetada de forragem. médio anual de 0,423 kg/dia por animal). A demanda de forragem é dimensionada para a idade de 1 a 2 anos da categoria, iniciando em janeiro, com 209 kg de peso FH: (ETR / ETM > 0,5) = 1 Equação 2 vivo, e terminando o ano com peso estimado de 363 kg. Observa-se no Quadro 1 a variação na demanda de A magnitude de produção tem relação com o pastagem ao longo dos 12 meses. potencial produtivo, o manejo e a fertilidade do capim. Essa estimativa ressalta a importância do manejo do Quadro 1 − Demanda de forragem* pastejo. Sua execução e monitoramento propiciarão em kg/MS/dia nos 12 meses do ano maior eficiência fotossintética, resultando em maior produtividade. Para o cálculo, pode-se utilizar o valor Categoria animal Novilhos 1 a 2 anos de produtividade de referência (M), que se refere ao Janeiro 3.303 potencial produtivo na temperatura ótima, sem Fevereiro 3.569 deficiência hídrica e com fertilidade do solo típica do Março 3.863 sistema, conformo se expõe no Quadro 2. Abril 4.148 Maio 3.436 Junho 3.550 Quadro 2 − Produtividade de referência (M) Julho 3.668 para diferentes tipos de pastagens tropicais no Brasil Central Agosto 3.782 Setembro 3.900 Condição da pastagem M - Produtividade referência Outubro 5.160 Extensiva 30 – 80 Extensiva de 1.° ano 80 – 150 Novembro 5.455 Consorciada com leguminosas 80 – 150 Dezembro 5.740 1.° ano em sucessão a cultivos adubados 150 – 250 * Considerando o consumo médio de 2,5% do peso vivo nas águas 2.° ano em sucessão a cultivos e adubação intensiva 100 – 180 (período de janeiro a abril e de outubro a dezembro) e de 2% do peso vivo na seca (de maio a setembro). A produtividade (Pi) será estimada pela Equação 3. * Eficiência de pastejo: 60% (exigência diária de matéria seca [MS], considerando 40% como perda de pastagem). Pi: M x PPRi x FH Equação 3 Variação estacional − O efeito da sazonalidade na produção das pastagens pode ser estimado por meio da temperatura e umidade do solo, fatores que estão Elaboração do orçamento forrageiro − O Quadro 3 relacionados com a quantidade e a distribuição das chuvas. mostra um exemplo de orçamento forrageiro. Nesse exemplo considera-se uma área de 120 hectares O efeito temperatura é estimado por intermédio da destinada à categoria animal do Quadro 1. A pastagem soma térmica do período. É preciso conhecer a é formada com Braquiária brizanta cultivar Marandu, temperatura-base (Tb) do capim (temperatura abaixo da de condição extensiva e de primeiro ano. qual a produtividade tende a zero), além de sua temperatura ótima (Tótima – aquela em que a produção Como mostra o orçamento, a massa de forragem tende a ser máxima) e a temperatura média (T) no disponível declina a partir de agosto, tornando-se período. Esse valores são aplicados na Equação 1. negativa nos meses seguintes. O fato decorre da menor produtividade de forragem nesse período e do aumento da demanda de capim, em razão do maior peso vivo (projetado) dos animais. As condições desfavoráveis da T − Tb PPR = , se T < Tótima * Equação 1 massa de forragem não permitirão o ganho nem a Tótima − Tb produtividade desejados. Com o orçamento nas mãos, o gerente pode optar * Quando a temperatura média mensal for superior a temperatura ótima, pela ação que julgar mais adequada, seja a adubação da considera-se PPR = 1. pastagem, a venda de animais, a suplementação com ração de alto consumo ou a divisão dos lotes. Como se O efeito umidade do solo pode ser previsto pelo vê, o planejamento é a função básica da gestão, pois balanço hídrico. Este depende da evapotranspiração real permite ao administrador antecipar-se ao fato e ter tempo (ETR) e da evapotranspiração máxima (ETM). A produção para analisar as tecnologias disponíveis e aplicar as que de capim se reduz linearmente quando a razão ETR / julgar mais adequadas às condições da propriedade. 2
  3. 3. ANUALPEC 2007 Quadro 3 − Exemplo de orçamento forrageiro Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Temperatura média (°C) 26 24 23 22 21 20 18 20 23 24 24 25 PPR 0,71 0,61 0,50 0,44 0,35 0,28 0,14 0,28 0,55 0,57 0,57 0,64 ETR/ETM (mm) 0,89 0,97 0,93 0,93 0,61 0,05 0,00 0,00 0,00 0,57 0,95 0,97 FH 1 1 1 1 1 0 0 0 0 1 1 1 Pi (kg/MS/ha/dia) 57 49 40 35 29 0 0 0 0 46 46 51 Taxa de desaparecimento (kg/MS/ha/dia) 28 30 32 35 29 30 31 32 33 43 45 48 Massa de forragem (kg/MS/ha) 2.096 2.682 2.919 2.932 2.943 2.044 1.114 156 (832) (741) (724) (628) Dados: Estimativa inicial de massa de forragem: 1200 kg/MS/ha; temperatura base 16 °C; temperatura ótima 30 °C; produtividade de referência (M) 80 kg/MS/ha/dia. Josmar Almeida Junior, zootecnista MSc., tecnopasto@tecnopasto.com, tecnopasto@hotmail.com, www.tecnopasto.com 3

×