Manejo do ecossistema intestinal
no controle da enterite necrótica

Fabiano Fabri - MV.
Coordenador Técnico
Laboratório Il...
Ecossistema
É o conjunto dos relacionamentos que a fauna, flora,
microorganismos (fatores bióticos) e
o
ambiente,
composto...
O Ecossistema entérico

3
O Ecossistema entérico
• Consome ~20% da energia proveniente de da
dieta
• taxa de substituição proteica de 70% por dia
(A...
Em um intestino saudável deve
manter um equilíbrio entre
Função imunológica
(Relação com agentes externos)
e
Função digest...
FATOR DE EQUILIBRIO

Microbiot
a
Intestinal

6
Altricial
Nidífugos
Coprófagos
Simon & Schuster, 1988.
7
Interação amigável com a microbiota
MICROBIOTA EQUILIBRADA
Ajuda a eliminar fatores
antidigestivos e tóxinas
•

Menor comp...
QUORUM SENSUM

• É a forma como os microrganismos
conseguem identificar sua densidade
populacional;
• Liberam moléculas qu...
“Quorum Sensum”

10
Secreção de Muco

Defensa Contra a Colonização de Patôgenos

Bifidobactérias e lactobacilos
Adjacente às células calicifor...
Ferramentas usadas para manter o
equilíbrio intestinal
•
•
•
•
•
•
•

ABIÓTICOS
ACIDIFICANTES
EXCLUSÃO COMPETIVA
ENZIMAS
P...
Fatores que interferem no
ecossistema intestinal

13
QUALIDADE DA ÁGUA

•Bacteriológia
•Fisico Química

14
15
16
17
18
19
Fabrica de Rações

20
21
MANEJO DOS SILOS

22
23
24
25
26
COMPOSIÇÃO DA CAMA

27
28
29
30
31
32
33
34
35
36
Mucosa intestinal em bom
estado
Intestino com lesões

38
Fatores que afetam o desenvolvimento
da mucosa intestinal
• Manejo pós eclosão;
•
Coccidiose;
•
Micotoxinas;
•
Gordura ...
40
Uso de Probióticos via spray
Pintos de 1° dia – incubatório

41
Enterite necrótica
• O C. perfringens é um patógeno oportunista
(FIORENTIN, 2006) presente no intestino das aves e no
ambi...
O que não devemos ver
STEPHEN R. COLLETT
BSc(Agric), BVSc (Hon. Poultry), MRCVS, Dip. ACPV
45
46
Hepatites bacterianas : particularmente
Clostridium perfringen

47
Características- Clostridium
• Bacilo Gram positivo, anaeróbico
• Encontrada no solo,
• Faz parte da microbiota normal

48
Enterite Necrótica
• 106 UFC/gramas de fezes do dudoeno é
considerado risco (Kaldhusdal et al., 1999)

49
Enterite Necrótica
• Alterações nutricionais (com incremento de
dietas ricas em fibras (trigo, triticale, etc) ou com
subp...
Patogenia/Sinais clínicos
• Patogenia:
dieta grãos abrasivos : baixa
digestão

Clostridium flora intestinal =

coccidios
e...
Enterite Necrótica

52
FICHA DE MONITORIA SANITÁRIA
ATRAVÉS DE NECRÓPSIA
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

GRAN
JA:
 

 

 

 

GRA...
• O intestino é o órgão mais ativo do
organismo e abriga um ecossistema que em
harmonia, resulta em um processo chave
para...
Considerações finais
•Estando o ecossistema intestinal em equilíbrio e
sem desafios, a ave poderá retirar dos alimentos
to...
Manejo do Ecossistema Intestinal no Controle da Enterite Necrótica  - Fabiano Fabri
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manejo do Ecossistema Intestinal no Controle da Enterite Necrótica - Fabiano Fabri

2.177 visualizações

Publicada em

Palestra realizada no IV Encontro Técnico Empresarial Tecalvet 2013

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • número é maior que o número de células do corpo
  • Altricial = são aquelas cujos recém-nascidos ou eclodidos são incapazes de se movimentar, alimentar e termorregular sozinhos, e cuja visão muitas vezes não está ainda completamente desenvolvida
    Nidífugos = Que abandona o ninho logo depois de nascer.
    Coprófagos = prática de ingestão de fezes.
  • Cual es la flora bacteriana normal de un ave?
    Se ha estimado que la flora gastriintestinal de un ave contiene 1 x 10(11) UFC por gramo
    Un pollo con un contenido de intestinal de 100 gramos tendria en promedio 100.000.000.000.000 (cien millones de milllones de UFC)
    Salintro et al, encontraron que entre el 33 y el 58% de las bacterias del duodeno de politos de 14 días de edad (con dieta base en maiz) edad eran lactobaccilli, el resto esta compuestopor Streptococcus, E. coli, eubacterias y clostridiums
    En el Illeum hay una mezcla de lactobacilos y clostridiums
    La mayoria de las bacterias en el ciego de un pollo son anaerobias obligadas. Se han aislado mas de 38 tipos diferentes de bacterias anaerobicas, con mas de 200 cepas identicadas del contenido cecal de pollos.
    Sin embargo debemos reconocer que nuestros conocimientos al respecto son muy limitados, porque la mayor parte de las bacterias posiblemente no crecen puras en los medios de laboratorio
  • A Farinha de Vísceras de Aves é utilizada como ingrediente na fabricação balanceada de rações para animais não ruminantes, sendo comercializada em Embalagens de 50 kg ou à granel.
    Especificações Técnicas
    Umidade (máximo)____________________________________________________________ 8,00%Proteína Bruta (mínimo) _______________________________________________________ 50,00%Extrato Etéreo (mínimo) _______________________________________________________ 10,00%Matéria Mineral (máximo) ______________________________________________________ 13,00%Acidez expressa em meq de NaOH 0,1 N/100g (máximo)___________________________6,00 meqDigestibilidade em Pepsina 1:10000 a 0,2 em HCl 0,075 N (mínimo) ___________________ 75,00%
  • Manejo do Ecossistema Intestinal no Controle da Enterite Necrótica - Fabiano Fabri

    1. 1. Manejo do ecossistema intestinal no controle da enterite necrótica Fabiano Fabri - MV. Coordenador Técnico Laboratório Ilender Brasil fabianofabri@ilender.com.br
    2. 2. Ecossistema É o conjunto dos relacionamentos que a fauna, flora, microorganismos (fatores bióticos) e o ambiente, composto pelos elementos solo, água e atmosfera (fatores abióticos) mantém entre si. Todos os elementos que compõem o ecossistema se relacionam com equilíbrio e harmonia e estão ligados entre si. 2
    3. 3. O Ecossistema entérico 3
    4. 4. O Ecossistema entérico • Consome ~20% da energia proveniente de da dieta • taxa de substituição proteica de 70% por dia (Attaix et al, 1988) • Contem mais de 70% das células imunológicas do corpo (kagnoff, 1993) • Tem 10 vezes mais células bacterianas no intestino que o número de células do corpo. 4 Source: www.nationalgeographic.com
    5. 5. Em um intestino saudável deve manter um equilíbrio entre Função imunológica (Relação com agentes externos) e Função digestiva (Processamento e absorção de nutrientes) 5
    6. 6. FATOR DE EQUILIBRIO Microbiot a Intestinal 6
    7. 7. Altricial Nidífugos Coprófagos Simon & Schuster, 1988. 7
    8. 8. Interação amigável com a microbiota MICROBIOTA EQUILIBRADA Ajuda a eliminar fatores antidigestivos e tóxinas • Menor competição por nutrientes •Ativa o sistema imune digestivo sem inflamação • Excluí patógenos • 8
    9. 9. QUORUM SENSUM • É a forma como os microrganismos conseguem identificar sua densidade populacional; • Liberam moléculas que são percebidas por outras bactérias da mesma intraespecífica/interespecífico • Quanto mais bactérias, mais moléculas estão presentes no meio e, consequentemente, elas percebem se estão em grande ou em pequena quantidade. 9
    10. 10. “Quorum Sensum” 10
    11. 11. Secreção de Muco Defensa Contra a Colonização de Patôgenos Bifidobactérias e lactobacilos Adjacente às células caliciformes Muco patógenos preso Chichlowski et al. 2006 11
    12. 12. Ferramentas usadas para manter o equilíbrio intestinal • • • • • • • ABIÓTICOS ACIDIFICANTES EXCLUSÃO COMPETIVA ENZIMAS PREBIÓTICOS PROBIÓTICOS ANTIMICROBIANOS 12
    13. 13. Fatores que interferem no ecossistema intestinal 13
    14. 14. QUALIDADE DA ÁGUA •Bacteriológia •Fisico Química 14
    15. 15. 15
    16. 16. 16
    17. 17. 17
    18. 18. 18
    19. 19. 19
    20. 20. Fabrica de Rações 20
    21. 21. 21
    22. 22. MANEJO DOS SILOS 22
    23. 23. 23
    24. 24. 24
    25. 25. 25
    26. 26. 26
    27. 27. COMPOSIÇÃO DA CAMA 27
    28. 28. 28
    29. 29. 29
    30. 30. 30
    31. 31. 31
    32. 32. 32
    33. 33. 33
    34. 34. 34
    35. 35. 35
    36. 36. 36
    37. 37. Mucosa intestinal em bom estado
    38. 38. Intestino com lesões 38
    39. 39. Fatores que afetam o desenvolvimento da mucosa intestinal • Manejo pós eclosão; • Coccidiose; • Micotoxinas; • Gordura oxidada; • Fatores antinutricionais • (Taninos, Fitato, inibidores de proteases); • Bacterioses • (Salmonellas, Clostridium, etc.); 39
    40. 40. 40
    41. 41. Uso de Probióticos via spray Pintos de 1° dia – incubatório 41
    42. 42. Enterite necrótica • O C. perfringens é um patógeno oportunista (FIORENTIN, 2006) presente no intestino das aves e no ambiente, inclusive na água (SARTORI et al., 2006). • VITTORI et al. (2007) isolaram C. perfringens de 100% de 40 amostras de besouros adultos Alphitobius diaperinus ("Cascudinho") capturados em granjas avícolas industriais de Descalvado e Sertãozinho, SP, Brasil, 42
    43. 43. O que não devemos ver
    44. 44. STEPHEN R. COLLETT BSc(Agric), BVSc (Hon. Poultry), MRCVS, Dip. ACPV
    45. 45. 45
    46. 46. 46
    47. 47. Hepatites bacterianas : particularmente Clostridium perfringen 47
    48. 48. Características- Clostridium • Bacilo Gram positivo, anaeróbico • Encontrada no solo, • Faz parte da microbiota normal 48
    49. 49. Enterite Necrótica • 106 UFC/gramas de fezes do dudoeno é considerado risco (Kaldhusdal et al., 1999) 49
    50. 50. Enterite Necrótica • Alterações nutricionais (com incremento de dietas ricas em fibras (trigo, triticale, etc) ou com subprodutos animal (farinha de carne, peixe, etc) aumentam a incidência de Enterite necrótica; • Lesões na mucosa intestinal provocados por coccidioses, micotoxinas, salmoneloses também são predisponentes; • Associada a retirada de promotores de crescimento da dieta; 50
    51. 51. Patogenia/Sinais clínicos • Patogenia: dieta grãos abrasivos : baixa digestão Clostridium flora intestinal = coccidios e • Depressão, apatia • Diarréia coloração escura e fétida imunossupressão alteração flora e multiplicação. Produção toxinas Necrose/Doença 51
    52. 52. Enterite Necrótica 52
    53. 53. FICHA DE MONITORIA SANITÁRIA ATRAVÉS DE NECRÓPSIA                                 GRAN JA:         GRAN JA:         GRAN JA:         IDADE DAS  AVES:                 IDADE DAS  AVES:                 IDADE DAS  AVES:               1   Lesões do Coxim (0-3) Lesões Orais Hemorragia muscular (0-2) Gumboro Ativa Tamanho da Bursa (1-4) Retenção de Gema Ingestão de Cama Erosão da Moela (0-4) Enterite (0-3) Tônus intestinal (0-2) Ração não digerida E. acervulina (0-4) E. maxima (0-4) Presença de pigmentos E. tenella (0-4)     2 3 4 5     1 2 3 4 5     1 2 3 4 5                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 COMENTÁRIOS:________________________________________________________________________________________________________________________________                               53                                          
    54. 54. • O intestino é o órgão mais ativo do organismo e abriga um ecossistema que em harmonia, resulta em um processo chave para se manter o equilíbrio entre saúde e doença. 54
    55. 55. Considerações finais •Estando o ecossistema intestinal em equilíbrio e sem desafios, a ave poderá retirar dos alimentos todo seu potencial nutritivo e assim poderá expressar todo seu potencial produtivo. 55

    ×