O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiência e genética - Marcus Brigano

4.909 visualizações

Publicada em

Palestra realizada no IV Encontro Técnico Empresarial Tecalvet 2013

Publicada em: Estilo de vida
  • Seja o primeiro a comentar

A melhora do desempenho do frango de corte, com as novas tecnologias de ambiência e genética - Marcus Brigano

  1. 1. A melhora do desempenho do frango de corte com as novas tecnologias de ambiência e genética Marcus Briganó 25/10/2013
  2. 2. TECNOLOGIA???
  3. 3. Evolução!!!!
  4. 4. Evolução na Avicultura
  5. 5. Evolução!!!! YEAR 1980 1990 2000 2010 2020 FCR 2,40 2,22 2,02 1,82 1,62
  6. 6. Evolução!!!! 1957 1991 Adaptado de Break ,2005 e Freitas, 2010 2001 2010
  7. 7. Como chegamos nesse ponto??
  8. 8. Melhoramento Genético • • • • • • • Pernas e esqueleto Empenamento Viabilidade Resistência a Ascite Ganho de peso Conversão Alimentar Uniformidade • • • • • • Conformação do peito Rendimento eviscerado Rendimentos de partes Qualidade da carne Gordura na carcaça Coloração das penas e pele
  9. 9. Equilíbrio Robustes da estrutura Viabilidade Produção Ovos Eclodibilidade Conv.Alimentar Rendimento de carne Peso Corporal
  10. 10. Como é feito o trabalho de seleção?
  11. 11. Famílias
  12. 12. Ninhos com fechamento por Contato
  13. 13. Nascimento por família
  14. 14. Tecnologias utilizadas na seleção Conversão Alimentar Lixiscópio Gait scoring Genoma Touch Screens CA - população
  15. 15. Tecnologias utilizadas na seleção Oxímetro
  16. 16. Onde vamos parar???
  17. 17. Até que ponto estamos envolvidos??
  18. 18. Tecnologia x Resultados CONTROLE
  19. 19. O quanto é melhor? Mortalidade Idade Pressão Positiva Dark House (Parede) Pressão Negativa (cortinas) 2.93 b 45.18 2.61 ab 45.15 2.49 a 45.05 a a a PM GPD CA IEP CAC Lotes 2674.56 c 59.20 c 1.830 b 314.27 c 1.751 c 365 2880.62 a 63.76 a 1.743 a 356.61 a 1.607 a 32 2760.75 b 61.23 b 1.755 a 341.41 b 1.652 b 106
  20. 20. Controle?? • • • • • • • • • Temperatura; Umidade; Qualidade do ar; Consumo de água; Qualidade da água; Velocidade de Vento; Densidade; Pesos semanais Consumo de ração; TUDO QUE PODE SER MEDIDO, PODE SER MELHORADO!!!!!!!!
  21. 21. Aferições/Controle
  22. 22. NOVAS TECNOLOGIAS DEVEM SER ACOMPANHADAS DE TREINAMENTOS E CAPACITAÇÕES Deixa que eu Resolvo!
  23. 23. Tecnologias voltadas a Ambiência/Bem-estar
  24. 24. PRESSÃO NEGATIVA • Controle da Velocidade através de exaustores; • Controle de pressão de entrada; • Melhor conforto... ...principalmente nas fases finais do lote; ?
  25. 25. PRESSÃO DE ENTRADA PRESSÃO DE ENTRADA
  26. 26. TABELA DE SENSAÇÃO TÉRMICA POR UMIDADE E VELOCIDADE DO VENTO TEMP.REAL ºC 35,0 UMIDADE RELATIVA 30% 32,2 32,2 29,4 26,6 * 26,6 * 26,6 23,9 * * 23,9 * 23,9 * 23,9 21,1 21,1 21,1 21,1 * * * * 30,0 27,2 25,5 35,0 30,0 27,7 27,2 26,1 29,4 35,5 23,8 22,7 21,1 32,7 28,8 27,2 25,5 23,3 37,2 35,0 30,0 27,7 27,7 27,2 26,1 23,8 22,2 20,5 19,4 26.6 24,4 22,8 21,1 20,0 30,0 27,2 25,5 24,4 23,3 33,3 31,6 28,8 26,6 35,5 23,8 23,8 21,6 20,5 17,7 17,7 24,4 22,2 21,1 18,9 18,3 26,1 24,4 23,3 20,5 19,4 29,4 27,2 25,5 23,8 21,1 20,5 22,2 20,5 19,4 16,6 16,6 22,8 21,1 20,0 17,7 16,6 24,4 23,3 22,2 20,0 18,8 26,1 25,0 23,8 22,7 20,5 20,0 18,9 18,3 17,7 16,6 16,1 18,9 18,3 17,7 16,6 16,1 23,3 * 26,6 31,6 21,1 * 37,2 25,5 * 29,4 40,0 21,1 29,4 24,4 23,9 * 26,1 23,8 * 29,4 28,8 28,3 * 30,5 26,6 * 32,2 35,5 26,6 * 32,2 22,2 31,6 * 22,2 23,3 29,4 * 22,7 24,4 29,4 * 35,0 23,8 26,6 35,5 * 35,0 26,1 32,2 32,2 * 35,0 31,6 37,2 * 492 2,5 38,3 80% VELOCIDADE DO AR 197 295 394 1,0 1,5 2,0 35+ 70% 98,5 0,5 35,0 50% 0 0,0 20,5 19,4 18,8 18,3 17,2 24,4 21,6 20,0 18,8 18,8 18,8 FPM M/S
  27. 27. PRESSÃO NEGATIVA INLETS • Ferramenta fundamental para a renovação de ar; • Devemos ter atenção redobrada no manejo de pintinhos com relação à renovação de ar; • Quando temos que escolher entre aquecimento e renovação o pintinho já perdeu! • Excessos de velocidade de vento são prejudiciais;
  28. 28. Entrada de ar Muito Frio 21,2 C Exaustores ligados Frio Quente 26,5 C Quente e carregado 28,7 C
  29. 29. 5C 100% 10 C 75% 15 C 50% 25 C 25%
  30. 30. Uniformidade de vento O ar dentro do galpão funciona como a água dentro de um cano! Construção e conservação são fundamentais!!!!
  31. 31. PLACAS EVAPORATIVAS • Equipamento muito importante para controle de temperatura; • Evolução do “vão livre”; • Necessário correto dimensionamento de acordo com entrada de ar e velocidade de vento desejada; • “Tijolinho”.
  32. 32. • Material mais restritivo à entrada de ar; • Necessário de uma maior área de entrada; • Injeção de muita umidade dentro do galpão;
  33. 33. • Durabilidade; • Injeção mais controlada da umidade; • Necessário menor área de entrada.
  34. 34. Controle de entrada de ar
  35. 35. Sem Tunnel Door
  36. 36. Com Tunnel Door
  37. 37. DARK HOUSES • Último estágio do controle ambiental; • Temperatura, umidade... Quantidade de luz e intensidade de luz; • Por que foi desenvolvido? • Quais são as vantagens?
  38. 38. Conclusões • Estamos em constante evolução e temos que estar sempre dispostos a mudar nossa maneira de ver o nosso trabalho no campo; • As novas tecnologias devem sempre ser vistas como facilitadores do nosso trabalho de conseguir bons índices zootécnicos; • O ser humano sempre foi e sempre será peça chave de todo o processo.
  39. 39. Muito Obrigado pela Atenção!!!

×