SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
CINÉTICA




• Estudo da forças que produzem, param ou modificam o
movimento dos corpos (SMITH; WEISS; LEHMKUHL, 1997)
•Efeito das forças e massas no movimento-> causas do
movimento
CINÉTICA

• Qual a força necessária para produzir
  movimento?
• Que movimento resulta de um
  determinado arranjo de forças?
Direção

 Força       Intensidade

            Sentido


esforço para produzir um movimento ou
  para manter um objeto em repouso
 impulso ou tração agindo sobre um corpo.
Força
Intensidade          quanto > a contração
  muscular > a força
Direção        linha de ação da força – direção
  das fibras musculares (p/cima, p/baixo)
Sentido         empurrando ou puxando o
  objeto
Lei de Hooke
“A intensidade da força de compressão ou
de tração é proporcional à deformação”
Força
Instrumento para medir a intensidade da
 força -> mola. A contração ou distensão dessa
 é     proporcional     à    força    aplicada.
DINAMOMETRIA



Duas pessoas puxam as cordas de um dinamômetro na mesma
direção e sentidos opostos, com forças de mesma intensidade
Dinamômetros Analógicos
Dinamômetros Digitais
Dinamômetro Isocinético
Cabo de Guerra




Quando ambas as equipes puxam a corda com a
mesma força -> não ocorre movimento (sistema
balanceado, em equilíbrio)
Se uma das equipes puxa com mais força
desequilíbrio-> movimento.
Força
    Terapeuticamente, interessam 4 principais
    fontes de força:
•   Gravidade
•   Músculos
•   Resistências externas
•   Atrito

    Compressão articular   Tração articular   Pressão sobre os tecidos
Força Gravitacional
  -> Resultado da interação (atração) de corpos que têm massa
   como o ser humano e o planeta terra.
 Submete todo o corpo
 Modula a sustentação e o movimento corporal
-> Forma como nos equilibramos em bipedestação e da marcha ->
   adaptação do corpo à ação da gravidade (CARVALHO E
   TANAKA,2008)
 Massa: é a quantidade de matéria de um corpo.
                                Unidade: kg
 Peso: é o efeito da força gravitacional que a terra exerce
  sobre os corpos.
                                       Unidade: kg
Massa e Peso são a mesma coisa?



 Massa não se altera;

 Peso sofre pequenas variações de acordo
 com sua distância do centro da terra e do
 meio onde o corpo se encontra
Centro de Gravidade
• A localização do CG corresponde ao centro de massa do
  corpo, sobre o qual e ao redor do qual, todas as atividades
  estáticas e dinâmicas, todos os movimentos acontecem
• É o ponto em torno do qual a massa está uniformemente
  distribuída (ponto de equilíbrio do corpo).

                O centro de gravidade de um objeto
                simétrico é onde a massa fica distribuida
                - metade do lado D e metade do lado E.
                No ser humano também depende da
                posição dos membros em relação ao
                tronco.
A POSIÇÃO DO CG VARIA COM A IDADE
O CG É BASTANTE MÓVEL
FORÇA E LEIS DE
          NEWTON
PRIMEIRA LEI (Inércia): "Todo corpo
continua no estado de repouso ou de
movimento retilíneo uniforme, a menos que
seja obrigado a mudá-lo por forças a ele
aplicadas.“
1ª Lei
Quando a força resultante em um corpo for nula
I. Se o corpo estiver em repouso, assim
    permanecerá
II. Se em movimento – continuará em linha
    reta, com velocidade constante.
    O movimento do corpo permanece
    inalterado se nenhuma força agir sobre ele
2ª Lei de Newton:
       massa e aceleração
  SEGUNDA LEI (aceleração): A força que atua
  sobre um corpo produzirá uma aceleração
  proporcional à força e inversamente
  proporcional a sua massa.
• Força > pára ou move massa grande
• Força< pára ou move massa pequena
Quanto + massa, + força para movê-la
TERCEIRA LEI (ação e
             reação)
À toda ação de uma força corresponde uma reação
de outra força, de mesma natureza, mesma direção,
mesma intensidade e sentidos opostos
                            A          B
CINÉTICA LINEAR
Tipos de Forças:
• Forças de Contato:
   - Força de reação do solo;
   - Força de reação articular;
   - Força de atrito;
   - Força de inércia;
   - Força muscular;
   - Força Elástica;
   - Força de resistência dos
   fluidos.
• Forças de Não-Contato:
GRAVIDADE
Momento de força ou
          torque
Torque é definido como sendo a tendência de
uma força causar rotação em torno de um
eixo específico      A intensidade e a posição em que a
                        força é aplicada influem no seu ″Poder
                         de rotação” ou seja, no seu momento
                                       ou torque:

                       • Quanto > a força = > o momento que
                       ela produz.
                       • Quanto > a distância da força
                       aplicada ao eixo de rotação = > maior o
                       momento que ela produz.
ALGUNS FATORES RELACIONADOS AO EFEITO DO TORQUE




   A intensidade e a posição em que a força é
 aplicada influem no seu ″Poder de rotação” ou
        seja, no seu momento ou torque:

• Quanto   > a força = > o momento que ela produz.
• Quanto > a distância da força aplicada ao eixo
de rotação = > maior o momento que ela produz.



                        2m               2m


                               20 Kg            10 Kg
ALAVANCAS
Haste rígida que é rodada sobre um ponto fixo ou eixo chamado de fulcro. Ela consiste
de uma força de resistência, uma força de esforço, uma estrutura semelhante a uma
barra e um fulcro.
Ponto de apoio ou eixo ao redor do qual uma alavanca pode ser rodada. No corpo
humano é representado pela articulação. É o ponto onde se apóia a alavanca para
realizar um trabalho
 Força de Resistência (R) É o peso da carga. Quase sempre é representado pelo peso
do segmento ou carga externa. O Segmento corporal representa uma resistência
natural à alavanca.
 Força de Esforço ou Potência (F) a força que aplicamos à alavanca, para mover ou
equilibrar os sistemas. No corpo humano é representada quase sempre pela ação dos
músculos. Pode ser chamada também de força motriz.
ALAVANCAS
Força




                Resistência




        Apoio
ALAVANCAS E BIOALAVANCAS




Barra Rígida                     Ossos

Ponto de apoio (Eixo – fulcro)   Articulações

Força Motora (FM)                Músculos – Força – “Potência ”

Resistência (R) ou (FR )             Externa ( Gravidade , peso dos segmentos ,
                                 oposição)
                                     Interna ( Músculos , tendões , ligamentos .....)

Braço de força motora (BF)       Distância entre o eixo e o ponto de aplicação de
                                 (FM)

Braço de resistência (BR)        Distância entre o eixo e ponto de aplicação de (FR)


                            BF              BR


                    FM           PA                       FR
IDENTIFICAÇÃO DAS ALAVANCAS


1- Localizar o eixo de rotação ou fulcro;


2-Identificar a Localização ou Ponto de aplicação da força Motora (FM);


3- Identificar a localização ou ponto de aplicação da forças Resistente (FR);


4- Estudar a posição relativa entre os três elementos :
           Eixo de rotação ou fulcro (Articulação)
           Força motora (Fm) (Músculo)
           Força resistência (FR) (Forças internas e externas)


5- Classificar a alavanca
CLASSIFICAÇÃO DAS
                 ALAVANCAS
• Alavanca de Primeira Classe
  (Interfixa): a força de esforço
  (FE) e a força de resistência
  (FR) estão em lados opostos do
  fulcro (E). Esse sistema é
  frequentemente usado para
  manter posturas ou equilíbrio.
  A articulação atlantoccipital
  (eixo), onde a cabeça (peso) é
  equilibrada pela força dos
  músculos extensores.
Tipos de Alavancas
 Interfixa   (extensão do cotovelo)




                           BF




                          F
Tipos de Alavancas

   Inter-resistente (2o gênero)

                BF                     BF




                     F             F
CLASSIFICAÇÃO DAS
                   ALAVANCAS
• Alavanca de segunda classe: O
   fator principal é a economia de
   força. Esse sistema faz com que
   grandes     pesos   possam   ser
   suportados ou movidos por uma
   força menor
• A resistência se encontra entre o ponto de
  apoio e a força.
• O braço de força é maior que o braço de
  resistência
• (Bf > Br), sendo portanto, apropriada aos
  movimentos de força. (ALENCAR,2002)
Tipos de Alavancas
 Inter-resistente (2o gênero)




                                       Braquiorradial
                        F                    =
                                 F   Vantagem Mecânica
CLASSIFICAÇÃO DAS
                  ALAVANCAS
• Alavanca de terceira classe:
• Ganho em velocidade em detrimento da
  força.
• O ponto de aplicação da força se
  encontra entre o ponto de apoio e a
  resistência. O braço de resistência é
  sempre mais longo que o braço de força
  (Br > Bf). É o tipo de alavanca mais
  comum do corpo humano; Movimento
  de cadeia cinética aberta nas
  extremidades;

• Bíceps   Braquial   na   flexão    do
   cotovelo.
Tipos de Alavancas

 Interpotente (3o gênero)


                              Força




                                            BF




                   Desvantagem Mecânica (BR > BF)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicosDesenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicosCassio Meira Jr.
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscularlcinfo
 
Distribuição da Prática I - Prática Maciça e Distribuída
Distribuição da Prática I - Prática Maciça e DistribuídaDistribuição da Prática I - Prática Maciça e Distribuída
Distribuição da Prática I - Prática Maciça e DistribuídaCassio Meira Jr.
 
Biomecânica - Músculos
Biomecânica - Músculos Biomecânica - Músculos
Biomecânica - Músculos Claudio Pereira
 
Prescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de forçaPrescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de forçaDom Fisiologia
 
alavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteoalavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteoBruno Mendes
 
Qualidades físicas básicas
Qualidades físicas básicasQualidades físicas básicas
Qualidades físicas básicasLuciane Veras
 

Mais procurados (20)

Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicosDesenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
Desenvolvimento Motor - Introdução e conceitos básicos
 
Biomecânica - Aula 10 cinetica
Biomecânica - Aula 10   cineticaBiomecânica - Aula 10   cinetica
Biomecânica - Aula 10 cinetica
 
Testes anaerobios
Testes anaerobiosTestes anaerobios
Testes anaerobios
 
Alongamento muscular
Alongamento  muscularAlongamento  muscular
Alongamento muscular
 
Aula 6 Cinética Linear
Aula 6   Cinética LinearAula 6   Cinética Linear
Aula 6 Cinética Linear
 
Biomecanica....
Biomecanica....Biomecanica....
Biomecanica....
 
Distribuição da Prática I - Prática Maciça e Distribuída
Distribuição da Prática I - Prática Maciça e DistribuídaDistribuição da Prática I - Prática Maciça e Distribuída
Distribuição da Prática I - Prática Maciça e Distribuída
 
Biomecânica - Músculos
Biomecânica - Músculos Biomecânica - Músculos
Biomecânica - Músculos
 
Prescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de forçaPrescrição em treinamento de força
Prescrição em treinamento de força
 
Biomecânica - Aula 8 cinematica angular ef
Biomecânica - Aula 8   cinematica angular efBiomecânica - Aula 8   cinematica angular ef
Biomecânica - Aula 8 cinematica angular ef
 
alavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteoalavanca e sistemas osteo
alavanca e sistemas osteo
 
Biomecânica Básica
Biomecânica BásicaBiomecânica Básica
Biomecânica Básica
 
Atividades fisicas em academias
Atividades fisicas em academiasAtividades fisicas em academias
Atividades fisicas em academias
 
Biomecânica - Aula 7 cinematica linear
Biomecânica - Aula 7   cinematica linearBiomecânica - Aula 7   cinematica linear
Biomecânica - Aula 7 cinematica linear
 
Qualidades físicas básicas
Qualidades físicas básicasQualidades físicas básicas
Qualidades físicas básicas
 
Treinamento de Força
Treinamento de ForçaTreinamento de Força
Treinamento de Força
 
Curso Musculacao Total
Curso Musculacao TotalCurso Musculacao Total
Curso Musculacao Total
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
 
Biomecanica da marcha
Biomecanica da marchaBiomecanica da marcha
Biomecanica da marcha
 
Plano de aula
Plano de aula Plano de aula
Plano de aula
 

Destaque

Cinesiologia alavancas
Cinesiologia   alavancasCinesiologia   alavancas
Cinesiologia alavancasWando Pagani
 
Síndrome diarreico en power pòint
Síndrome diarreico en power pòintSíndrome diarreico en power pòint
Síndrome diarreico en power pòintzoccatelli
 
Apostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânicaApostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânicaMarcus Prof
 
Vibrações e acelerômetros
Vibrações e acelerômetrosVibrações e acelerômetros
Vibrações e acelerômetrosJim Naturesa
 
biomecânica110407181655-phpapp01
biomecânica110407181655-phpapp01biomecânica110407181655-phpapp01
biomecânica110407181655-phpapp01Kaio Silva
 
Reabilitação e Traumato
Reabilitação e TraumatoReabilitação e Traumato
Reabilitação e Traumatoposaleixo
 
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitaçõesOclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitaçõesFabio Robles
 
Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.
Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.
Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.JORGE LUÍS MARTINS DA COSTA
 
Fisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado IIFisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado IICaio Maximino
 

Destaque (18)

Cinesiologia alavancas
Cinesiologia   alavancasCinesiologia   alavancas
Cinesiologia alavancas
 
Musculação e alavancas
Musculação e  alavancasMusculação e  alavancas
Musculação e alavancas
 
Biomecanica equilibrio & alavanca
Biomecanica equilibrio & alavancaBiomecanica equilibrio & alavanca
Biomecanica equilibrio & alavanca
 
Síndrome diarreico en power pòint
Síndrome diarreico en power pòintSíndrome diarreico en power pòint
Síndrome diarreico en power pòint
 
Alavancas01
Alavancas01Alavancas01
Alavancas01
 
Apostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânicaApostila cinesiologia e biomecânica
Apostila cinesiologia e biomecânica
 
Alavancas
AlavancasAlavancas
Alavancas
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Apostila cinesiologia
Apostila   cinesiologiaApostila   cinesiologia
Apostila cinesiologia
 
Vibrações e acelerômetros
Vibrações e acelerômetrosVibrações e acelerômetros
Vibrações e acelerômetros
 
biomecânica110407181655-phpapp01
biomecânica110407181655-phpapp01biomecânica110407181655-phpapp01
biomecânica110407181655-phpapp01
 
Reabilitação e Traumato
Reabilitação e TraumatoReabilitação e Traumato
Reabilitação e Traumato
 
Alavancas
AlavancasAlavancas
Alavancas
 
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitaçõesOclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
Oclusão FOUFF/NF - Guias Anteriores e considerações natureza e reabilitações
 
Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.
Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.
Bases biomecânicas e cinesiológicas do movimento humano aula01.
 
Fisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado IIFisiologia do músculo estriado II
Fisiologia do músculo estriado II
 
Maquinas simples - Plano Alavancas
Maquinas simples - Plano AlavancasMaquinas simples - Plano Alavancas
Maquinas simples - Plano Alavancas
 
Biomecânica - Aula 5 cg e estabilidade
Biomecânica - Aula 5   cg e estabilidadeBiomecânica - Aula 5   cg e estabilidade
Biomecânica - Aula 5 cg e estabilidade
 

Semelhante a Cinética

Estatica corpo-extenso-fisica-2-e.m
Estatica corpo-extenso-fisica-2-e.mEstatica corpo-extenso-fisica-2-e.m
Estatica corpo-extenso-fisica-2-e.mWilsonPassos6
 
Aula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de Newton
Aula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de NewtonAula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de Newton
Aula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de NewtonCarlos Priante
 
2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf
2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf
2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdfbiancadossantos321
 
Forca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atritoForca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atritoKayck L Brito
 
Aula05 forças
Aula05 forçasAula05 forças
Aula05 forçascristbarb
 
7 rotacao dos_corpos_2
7 rotacao dos_corpos_27 rotacao dos_corpos_2
7 rotacao dos_corpos_2esp
 
Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01
Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01
Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01DENIS SILVA
 
Força e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalForça e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalLuise Moura
 
Seminário de mecânica
Seminário de mecânicaSeminário de mecânica
Seminário de mecânicaEsfihas
 

Semelhante a Cinética (20)

Slideharedinamica
SlideharedinamicaSlideharedinamica
Slideharedinamica
 
Estatica corpo-extenso-fisica-2-e.m
Estatica corpo-extenso-fisica-2-e.mEstatica corpo-extenso-fisica-2-e.m
Estatica corpo-extenso-fisica-2-e.m
 
Cinésiologia parte 5
Cinésiologia parte 5Cinésiologia parte 5
Cinésiologia parte 5
 
Aula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de Newton
Aula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de NewtonAula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de Newton
Aula de Física: Conceitos, Grandezas, Força, Cinemática, Leis de Newton
 
Inérciaforçadeatrito
InérciaforçadeatritoInérciaforçadeatrito
Inérciaforçadeatrito
 
2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf
2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf
2_cinesiologia_forca_torque_alavancas.pdf
 
Estruturas 02
Estruturas 02Estruturas 02
Estruturas 02
 
Forca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atritoForca elástica e força de atrito
Forca elástica e força de atrito
 
Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2Leis de newton 1 e 2
Leis de newton 1 e 2
 
Aula05 forças
Aula05 forçasAula05 forças
Aula05 forças
 
7 rotacao dos_corpos_2
7 rotacao dos_corpos_27 rotacao dos_corpos_2
7 rotacao dos_corpos_2
 
Equilibrio e alavancas
Equilibrio e alavancasEquilibrio e alavancas
Equilibrio e alavancas
 
Apostila cinesiologia
Apostila cinesiologiaApostila cinesiologia
Apostila cinesiologia
 
Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01
Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01
Apostila cinesiologia-130113200529-phpapp01
 
Força e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacionalForça e movimento e força gravitacional
Força e movimento e força gravitacional
 
8a série as leis de newton
8a série   as leis de newton8a série   as leis de newton
8a série as leis de newton
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Musculos
MusculosMusculos
Musculos
 
13 forças da mecânica
13   forças da mecânica13   forças da mecânica
13 forças da mecânica
 
Seminário de mecânica
Seminário de mecânicaSeminário de mecânica
Seminário de mecânica
 

Mais de Thais Benicio

Diabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacionalDiabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacionalThais Benicio
 
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...Thais Benicio
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da águaThais Benicio
 
Neuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoNeuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoThais Benicio
 
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...Thais Benicio
 
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteSinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteThais Benicio
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoThais Benicio
 
Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose  Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose Thais Benicio
 
Introdução á genética
Introdução á genéticaIntrodução á genética
Introdução á genéticaThais Benicio
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia Thais Benicio
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoThais Benicio
 

Mais de Thais Benicio (19)

Diabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacionalDiabetes mellitus gestacional
Diabetes mellitus gestacional
 
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...Slide  síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
Slide síndrome de burnout e suas influências na vida pessoal desses profissi...
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
Hidrostática
HidrostáticaHidrostática
Hidrostática
 
Princípios físicos da água
Princípios físicos da águaPrincípios físicos da água
Princípios físicos da água
 
Neuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do TrigêmeoNeuralgia do Trigêmeo
Neuralgia do Trigêmeo
 
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
Reabilitação através da Hidroterapia em paciente com AVE Isquêmico: Relato de...
 
Sinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetiteSinalizacoes cerebrais: apetite
Sinalizacoes cerebrais: apetite
 
Febre reumática
Febre reumáticaFebre reumática
Febre reumática
 
Enfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelhoEnfermidades específicas do joelho
Enfermidades específicas do joelho
 
Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose  Ciclo celular mitose e meiose
Ciclo celular mitose e meiose
 
Introdução á genética
Introdução á genéticaIntrodução á genética
Introdução á genética
 
Ciclos da marcha
Ciclos da marchaCiclos da marcha
Ciclos da marcha
 
Reflexos
ReflexosReflexos
Reflexos
 
Bobath
BobathBobath
Bobath
 
Anos escolares
Anos escolaresAnos escolares
Anos escolares
 
Histologia
HistologiaHistologia
Histologia
 
Introducao histologia
Introducao histologia Introducao histologia
Introducao histologia
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 

Cinética

  • 1. CINÉTICA • Estudo da forças que produzem, param ou modificam o movimento dos corpos (SMITH; WEISS; LEHMKUHL, 1997) •Efeito das forças e massas no movimento-> causas do movimento
  • 2. CINÉTICA • Qual a força necessária para produzir movimento? • Que movimento resulta de um determinado arranjo de forças?
  • 3. Direção Força Intensidade Sentido esforço para produzir um movimento ou para manter um objeto em repouso impulso ou tração agindo sobre um corpo.
  • 4. Força Intensidade quanto > a contração muscular > a força Direção linha de ação da força – direção das fibras musculares (p/cima, p/baixo) Sentido empurrando ou puxando o objeto
  • 5. Lei de Hooke “A intensidade da força de compressão ou de tração é proporcional à deformação”
  • 6. Força Instrumento para medir a intensidade da força -> mola. A contração ou distensão dessa é proporcional à força aplicada. DINAMOMETRIA Duas pessoas puxam as cordas de um dinamômetro na mesma direção e sentidos opostos, com forças de mesma intensidade
  • 10. Cabo de Guerra Quando ambas as equipes puxam a corda com a mesma força -> não ocorre movimento (sistema balanceado, em equilíbrio) Se uma das equipes puxa com mais força desequilíbrio-> movimento.
  • 11. Força Terapeuticamente, interessam 4 principais fontes de força: • Gravidade • Músculos • Resistências externas • Atrito Compressão articular Tração articular Pressão sobre os tecidos
  • 12. Força Gravitacional -> Resultado da interação (atração) de corpos que têm massa como o ser humano e o planeta terra.  Submete todo o corpo  Modula a sustentação e o movimento corporal -> Forma como nos equilibramos em bipedestação e da marcha -> adaptação do corpo à ação da gravidade (CARVALHO E TANAKA,2008)  Massa: é a quantidade de matéria de um corpo. Unidade: kg  Peso: é o efeito da força gravitacional que a terra exerce sobre os corpos. Unidade: kg
  • 13. Massa e Peso são a mesma coisa?  Massa não se altera;  Peso sofre pequenas variações de acordo com sua distância do centro da terra e do meio onde o corpo se encontra
  • 14. Centro de Gravidade • A localização do CG corresponde ao centro de massa do corpo, sobre o qual e ao redor do qual, todas as atividades estáticas e dinâmicas, todos os movimentos acontecem • É o ponto em torno do qual a massa está uniformemente distribuída (ponto de equilíbrio do corpo). O centro de gravidade de um objeto simétrico é onde a massa fica distribuida - metade do lado D e metade do lado E. No ser humano também depende da posição dos membros em relação ao tronco.
  • 15. A POSIÇÃO DO CG VARIA COM A IDADE
  • 16. O CG É BASTANTE MÓVEL
  • 17. FORÇA E LEIS DE NEWTON PRIMEIRA LEI (Inércia): "Todo corpo continua no estado de repouso ou de movimento retilíneo uniforme, a menos que seja obrigado a mudá-lo por forças a ele aplicadas.“
  • 18. 1ª Lei Quando a força resultante em um corpo for nula I. Se o corpo estiver em repouso, assim permanecerá II. Se em movimento – continuará em linha reta, com velocidade constante. O movimento do corpo permanece inalterado se nenhuma força agir sobre ele
  • 19. 2ª Lei de Newton: massa e aceleração SEGUNDA LEI (aceleração): A força que atua sobre um corpo produzirá uma aceleração proporcional à força e inversamente proporcional a sua massa. • Força > pára ou move massa grande • Força< pára ou move massa pequena Quanto + massa, + força para movê-la
  • 20. TERCEIRA LEI (ação e reação) À toda ação de uma força corresponde uma reação de outra força, de mesma natureza, mesma direção, mesma intensidade e sentidos opostos A B
  • 21. CINÉTICA LINEAR Tipos de Forças: • Forças de Contato: - Força de reação do solo; - Força de reação articular; - Força de atrito; - Força de inércia; - Força muscular; - Força Elástica; - Força de resistência dos fluidos. • Forças de Não-Contato: GRAVIDADE
  • 22. Momento de força ou torque Torque é definido como sendo a tendência de uma força causar rotação em torno de um eixo específico A intensidade e a posição em que a força é aplicada influem no seu ″Poder de rotação” ou seja, no seu momento ou torque: • Quanto > a força = > o momento que ela produz. • Quanto > a distância da força aplicada ao eixo de rotação = > maior o momento que ela produz.
  • 23. ALGUNS FATORES RELACIONADOS AO EFEITO DO TORQUE A intensidade e a posição em que a força é aplicada influem no seu ″Poder de rotação” ou seja, no seu momento ou torque: • Quanto > a força = > o momento que ela produz. • Quanto > a distância da força aplicada ao eixo de rotação = > maior o momento que ela produz. 2m 2m 20 Kg 10 Kg
  • 24. ALAVANCAS Haste rígida que é rodada sobre um ponto fixo ou eixo chamado de fulcro. Ela consiste de uma força de resistência, uma força de esforço, uma estrutura semelhante a uma barra e um fulcro. Ponto de apoio ou eixo ao redor do qual uma alavanca pode ser rodada. No corpo humano é representado pela articulação. É o ponto onde se apóia a alavanca para realizar um trabalho Força de Resistência (R) É o peso da carga. Quase sempre é representado pelo peso do segmento ou carga externa. O Segmento corporal representa uma resistência natural à alavanca. Força de Esforço ou Potência (F) a força que aplicamos à alavanca, para mover ou equilibrar os sistemas. No corpo humano é representada quase sempre pela ação dos músculos. Pode ser chamada também de força motriz.
  • 26. Força Resistência Apoio
  • 27. ALAVANCAS E BIOALAVANCAS Barra Rígida Ossos Ponto de apoio (Eixo – fulcro) Articulações Força Motora (FM) Músculos – Força – “Potência ” Resistência (R) ou (FR ) Externa ( Gravidade , peso dos segmentos , oposição) Interna ( Músculos , tendões , ligamentos .....) Braço de força motora (BF) Distância entre o eixo e o ponto de aplicação de (FM) Braço de resistência (BR) Distância entre o eixo e ponto de aplicação de (FR) BF BR FM PA FR
  • 28. IDENTIFICAÇÃO DAS ALAVANCAS 1- Localizar o eixo de rotação ou fulcro; 2-Identificar a Localização ou Ponto de aplicação da força Motora (FM); 3- Identificar a localização ou ponto de aplicação da forças Resistente (FR); 4- Estudar a posição relativa entre os três elementos : Eixo de rotação ou fulcro (Articulação) Força motora (Fm) (Músculo) Força resistência (FR) (Forças internas e externas) 5- Classificar a alavanca
  • 29.
  • 30. CLASSIFICAÇÃO DAS ALAVANCAS • Alavanca de Primeira Classe (Interfixa): a força de esforço (FE) e a força de resistência (FR) estão em lados opostos do fulcro (E). Esse sistema é frequentemente usado para manter posturas ou equilíbrio. A articulação atlantoccipital (eixo), onde a cabeça (peso) é equilibrada pela força dos músculos extensores.
  • 31.
  • 32. Tipos de Alavancas  Interfixa (extensão do cotovelo) BF F
  • 33. Tipos de Alavancas  Inter-resistente (2o gênero) BF BF F F
  • 34. CLASSIFICAÇÃO DAS ALAVANCAS • Alavanca de segunda classe: O fator principal é a economia de força. Esse sistema faz com que grandes pesos possam ser suportados ou movidos por uma força menor • A resistência se encontra entre o ponto de apoio e a força. • O braço de força é maior que o braço de resistência • (Bf > Br), sendo portanto, apropriada aos movimentos de força. (ALENCAR,2002)
  • 35. Tipos de Alavancas  Inter-resistente (2o gênero) Braquiorradial F = F Vantagem Mecânica
  • 36. CLASSIFICAÇÃO DAS ALAVANCAS • Alavanca de terceira classe: • Ganho em velocidade em detrimento da força. • O ponto de aplicação da força se encontra entre o ponto de apoio e a resistência. O braço de resistência é sempre mais longo que o braço de força (Br > Bf). É o tipo de alavanca mais comum do corpo humano; Movimento de cadeia cinética aberta nas extremidades; • Bíceps Braquial na flexão do cotovelo.
  • 37. Tipos de Alavancas  Interpotente (3o gênero) Força BF Desvantagem Mecânica (BR > BF)