SlideShare uma empresa Scribd logo

Melhoramento genético de gatos

Introdução ao Melhoramento genético de gatos

1 de 19
Baixar para ler offline
Melhoramento Genético de
Gatos
Melhoramento Genético Animal
Tássia Souza Bertipaglia
Fabio José Gomes
Universidade Estadual Paulista – “Júlio de Mesquita Filho”
Campus de Jaboticabal/UNESP FCAV
07/10/2014
1
SUMÁRIO
• Origem e domesticação;
• Raças;
• Introdução;
• Melhoramento genético;
• Pelagem;
Tássia Souza Bertipaglia 2
ORIGEM E DOMESTICAÇÃO
• Origem
De acordo com um estudo genético realizado e posteriormente publicado na revista Science, o
gato doméstico é descendente do Felis Silvestris Lybica, o qual nasceu do cruzamento entre cinco
espécies selvagens distintas, ocorrido há mais de 130-160 mil anos, por meio do estudo do DNA
mitocondrial.
• Domesticação
A domesticação do gato pelos humanos apenas começou há cerca de 10 a 12 mil anos atrás no
Oriente Médio, mais precisamente quando os agricultores começaram a cultivar as primeiras
variedades de cereais.
Fonte: http://www.estadao.com.br/
Tássia Souza Bertipaglia 3
INTRODUÇÃO
• Nome científico: Felis catus
• Cromossomos: X e Y
• Genoma: 38 cromossomos (19 pares), mas um poderá diferir levemente
(determina o sexo do indivíduo)
Tássia Souza Bertipaglia 4
RAÇAS
Abissínio Sagrado birmanês
(Birmânia)
Angorá
Brazilian
shorthair
American
shorthair
Persa
Siamês
Tássia Souza Bertipaglia 5
Exotic shorthair
RAÇAS
BengalCornish rex
Devon rex
Javanese
Oriental shorthair Russian blue Siberian
Sphynx
6
Anúncio

Recomendados

Interpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaInterpretacao leucograma
Interpretacao leucogramaReginaReiniger
 
Citocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquiridaCitocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquiridaLABIMUNO UFBA
 
Melhoramento genético de cães
Melhoramento genético de cãesMelhoramento genético de cães
Melhoramento genético de cãesTassiaBertipaglia
 
Receptores linfócitos
Receptores linfócitosReceptores linfócitos
Receptores linfócitosLABIMUNO UFBA
 
Lista exercicios sistema cardiovascular
Lista exercicios sistema cardiovascularLista exercicios sistema cardiovascular
Lista exercicios sistema cardiovasculareducafro
 
Aula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínicoAula inicial de laboratorio clínico
Aula inicial de laboratorio clínicoReginaReiniger
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eutanásia animais laboratório
Eutanásia animais laboratórioEutanásia animais laboratório
Eutanásia animais laboratórioEric Liberato
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos TICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos TRicardo Portela
 
Fisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaFisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaPatrícia Oliver
 
Aula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema HemolinfáticoAula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema HemolinfáticoRaimundo Tostes
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celularBeatriz Ramalho
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015ReginaReiniger
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasIsabel Lopes
 
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquiridaICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquiridaRicardo Portela
 
Aula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativaAula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativaGlaucia Moraes
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesMarília Gomes
 
Cardio 1
Cardio 1Cardio 1
Cardio 1UFPEL
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015resenfe2013
 
Embriologia - Ovogênese
Embriologia - OvogêneseEmbriologia - Ovogênese
Embriologia - OvogêneseJulia Berardo
 
Sistema sensorial - anatomia animal
Sistema sensorial - anatomia animalSistema sensorial - anatomia animal
Sistema sensorial - anatomia animalMarília Gomes
 
Leucograma - Anclivepa 2011
Leucograma - Anclivepa 2011Leucograma - Anclivepa 2011
Leucograma - Anclivepa 2011Ricardo Duarte
 

Mais procurados (20)

Eutanásia animais laboratório
Eutanásia animais laboratórioEutanásia animais laboratório
Eutanásia animais laboratório
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos TICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Fisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal VeterináriaFisiologia renal Veterinária
Fisiologia renal Veterinária
 
Citocinas
CitocinasCitocinas
Citocinas
 
Aula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema HemolinfáticoAula de Patologia do Sistema Hemolinfático
Aula de Patologia do Sistema Hemolinfático
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celular
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
Aula 1 clinica de pequenos 2 2015
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
 
Vitaminas.pptx
Vitaminas.pptxVitaminas.pptx
Vitaminas.pptx
 
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquiridaICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
 
Aula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativaAula 1 fosforilação oxidativa
Aula 1 fosforilação oxidativa
 
Pigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentaçõesPigmentos e pigmentações
Pigmentos e pigmentações
 
Clonagem animal
Clonagem animalClonagem animal
Clonagem animal
 
Cardio 1
Cardio 1Cardio 1
Cardio 1
 
Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015Fisiologia cardiaca 2015
Fisiologia cardiaca 2015
 
Embriologia - Ovogênese
Embriologia - OvogêneseEmbriologia - Ovogênese
Embriologia - Ovogênese
 
Sistema sensorial - anatomia animal
Sistema sensorial - anatomia animalSistema sensorial - anatomia animal
Sistema sensorial - anatomia animal
 
Leucograma - Anclivepa 2011
Leucograma - Anclivepa 2011Leucograma - Anclivepa 2011
Leucograma - Anclivepa 2011
 

Destaque

Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...
Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...
Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...TassiaBertipaglia
 
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e LucratividadeAgentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e LucratividadeANCP Ribeirão Preto
 
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...alcscens
 
Introdução genética 2013
Introdução   genética  2013Introdução   genética  2013
Introdução genética 2013Simone Maia
 
Hereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhosHereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhosisabelourenco
 

Destaque (9)

Resumo Codornas de Corte
Resumo Codornas de CorteResumo Codornas de Corte
Resumo Codornas de Corte
 
Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...
Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...
Estabilidade e adaptabilidade de touros Tabapuã para característica de desemp...
 
Dissertação de Mestrado
Dissertação de MestradoDissertação de Mestrado
Dissertação de Mestrado
 
Artigo Brahman
Artigo BrahmanArtigo Brahman
Artigo Brahman
 
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e LucratividadeAgentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
Agentes de Melhoramento Genético e Lucratividade
 
Disolventes de cálculos biliares
Disolventes de cálculos biliaresDisolventes de cálculos biliares
Disolventes de cálculos biliares
 
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
O melhoramento genético de cana-de-açúcar no Brasil e o Desafio das Mudanças ...
 
Introdução genética 2013
Introdução   genética  2013Introdução   genética  2013
Introdução genética 2013
 
Hereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhosHereditariedade da cor dos olhos
Hereditariedade da cor dos olhos
 

Último

Rochas e minerais. ( conceito, classificação)pptx
Rochas  e minerais. ( conceito, classificação)pptxRochas  e minerais. ( conceito, classificação)pptx
Rochas e minerais. ( conceito, classificação)pptxrickriordan
 
Instrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdf
Instrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdfInstrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdf
Instrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdfalexmeloliveira
 
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.pptOrigens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.pptcleisonpereirapsi
 
Matemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdf
Matemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdfMatemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdf
Matemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdfcarlos204935
 
quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...
quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...
quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...cancela
 
Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...
Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...
Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...cancela
 

Último (6)

Rochas e minerais. ( conceito, classificação)pptx
Rochas  e minerais. ( conceito, classificação)pptxRochas  e minerais. ( conceito, classificação)pptx
Rochas e minerais. ( conceito, classificação)pptx
 
Instrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdf
Instrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdfInstrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdf
Instrucoes-de-Instalacao-Software-de-Selecao-VRF-Midea.pdf
 
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.pptOrigens Historicas da psicologia experimental.ppt
Origens Historicas da psicologia experimental.ppt
 
Matemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdf
Matemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdfMatemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdf
Matemática 10 ano apresentação Funções PPT.pdf
 
quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...
quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...
quem sou eu_minerais, cartões de pesquisa sobre minerais, 11º ano de escolari...
 
Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...
Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...
Identificação de minerais e suas propriedades, 11º ano de escolaridade de bio...
 

Melhoramento genético de gatos

  • 1. Melhoramento Genético de Gatos Melhoramento Genético Animal Tássia Souza Bertipaglia Fabio José Gomes Universidade Estadual Paulista – “Júlio de Mesquita Filho” Campus de Jaboticabal/UNESP FCAV 07/10/2014 1
  • 2. SUMÁRIO • Origem e domesticação; • Raças; • Introdução; • Melhoramento genético; • Pelagem; Tássia Souza Bertipaglia 2
  • 3. ORIGEM E DOMESTICAÇÃO • Origem De acordo com um estudo genético realizado e posteriormente publicado na revista Science, o gato doméstico é descendente do Felis Silvestris Lybica, o qual nasceu do cruzamento entre cinco espécies selvagens distintas, ocorrido há mais de 130-160 mil anos, por meio do estudo do DNA mitocondrial. • Domesticação A domesticação do gato pelos humanos apenas começou há cerca de 10 a 12 mil anos atrás no Oriente Médio, mais precisamente quando os agricultores começaram a cultivar as primeiras variedades de cereais. Fonte: http://www.estadao.com.br/ Tássia Souza Bertipaglia 3
  • 4. INTRODUÇÃO • Nome científico: Felis catus • Cromossomos: X e Y • Genoma: 38 cromossomos (19 pares), mas um poderá diferir levemente (determina o sexo do indivíduo) Tássia Souza Bertipaglia 4
  • 6. RAÇAS BengalCornish rex Devon rex Javanese Oriental shorthair Russian blue Siberian Sphynx 6
  • 7. MELHORAMENTO GENÉTICO • Há 250 raças de gatos registradas • As raças de gatos apresentam uma grande variedade de cores e padrões e podem ser divididas em 3 categorias distintas: - pelagem longa - pelo curto - pelagem rala. A cor dos olhos também pode estar relacionada a certas raças. • Melhoramento: vendas de animal em gatil Tássia Souza Bertipaglia 7
  • 8. PELAGEM Melanina: eumelanina (preto e marrom) e feomelanina (amarelo e vermelho) LOCO C = Determina pigmentação - C_ = pigmentação - cch = chinchila ou prateado (persa) - ch = chinchila claro (birmanês) - cS = acromelanizado, extremidades escuras, corpo claro e olhos azuis (siamês) - cc = albinos Tássia Souza Bertipaglia 8
  • 10. PELAGEM LOCO B = Concentração de eumelanina - B_= pigmento preto - bb = pigmento marrom Tássia Souza Bertipaglia 10
  • 11. PELAGEM LOCO A = Quantidade e localização de eumelanina e feomelanina - A_ = aguti (selvagem) - aa = não aguti Tássia Souza Bertipaglia 11
  • 12. PELAGEM LOCO D = Intensidade de eumelanina - D_ = coloração intensa (preto ou creme) - dd = coloração diluída (“azul inglês”, “azul russo” com olhos verdes) Tássia Souza Bertipaglia 12
  • 13. PELAGEM LOCO S = Determina os desenhos das manchas brancas pelo corpo - S_ = manchas brancas irregulares - ss = sem manchas brancas Tássia Souza Bertipaglia 13
  • 14. PELAGEM LOCO T = “tabby” : Linha ou manchas mais escuras transversais (tigrado, listrado ou rajado) - TaTa = linha escura no dorso sem outras marcas - TaT = listras escuras nas patas - tbtb = manchas de pelos escuros nos flancos Tássia Souza Bertipaglia 14
  • 15. PELAGEM LOCO W = confere pelagem branca - W_ = branco com olhos amarelos ou azuis - ww = normal Tássia Souza Bertipaglia 15
  • 16. LOCO O = Ligado ao cromossomo X - Machos: pelagem laranjada ou amarela - Fêmeas: “tortoise-shell” ou salpicada Heterozigotas: as cores não misturam Homozigotas: amarela ou laranjada (como nos machos) Machos: Oy = coloração amarela-laranja oy = preta ou marrom Fêmeas: OO = coloração amarela-laranja Oo = coloração amarela e marrom ou preta oo = preta ou marrom PELAGEM Tássia Souza Bertipaglia 16
  • 17. Série Ação C C_ = pigmento cch = chinchila ou prateado ch = chinchila claro (birmanês) cS = acromelanizado, extremidades escuras, corpo claro e olhos azuis (siamês) cc = albinos B B_ = pigmento preto bb = marrom A A_ = aguti (selvagem) aa = não aguti D D_ = coloração intensa (maltês: preto ou creme) dd = coloração diluída (“azul-inglês”, “azul russo” com olhos verdes) S S_= manchas brancas irregulares ss = sem manchas brancas T TaTa = linha escura no dorso sem outras marcas TaT = listras escuras nas patas tbtb = manchas de pelos escuros nos flancos W W_ = branco com olhos amarelos ou azuis ww = normal O Machos: Oy = coloração amarela/laranja oy = preta ou marrom Fêmeas: OO = coloração amarela/laranja/vermelha Oo = coloração amarela/laranja e não-amarelas oo = preta ou marrom 17
  • 18. Gatos tricolores • Característica presente no cromossomo X; • Para um gato ter três cores ele precisa possuir um cromossomo X com o gene amarelo e o outro X com o gene branco dominante; • Gato macho tem pelagem tricolor? Cerca de 1% dos gatos tricolores são machos http://mundoestranho.abril.com.br Tássia Souza Bertipaglia 18 PELAGEM
  • 19. BIBLIOGRAFIA Livro: Genética básica para Veterinária http://origemdascoisas.com/a-origem-dos-gatos/ http://www.estadao.com.br/ http://ocientista.com/o-genoma-gato-domestico-foi-sequenciado-e-e-fascinante/ http://www.guiaderacas.com.br/gatos/racas/ http://www.pawnation.com/2013/06/05/10-hypoallergenic-cat-breeds/5 http://messybeast.com/spotted-cats.html http://mundoestranho.abril.com.br Tássia Souza Bertipaglia 19