SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Your Logo
CUIDADOS DE SAÚDE
DO IDOSO
Prof. Pablo Padilha
ASSISTÊNCIA NA SAÚDE DO
ADULTO E IDOSO
Here comes your footer  Page 2
Características:
- baixo nível de escolaridade e alto índice de analfabetismo, em especial entre
mulheres (40% analfabetas);
- pouca participação atual no mercado de trabalho:
- baixos rendimentos (35,4% recebendo menos de um salário mínimo);
- 50% de aposentados entre as pessoas com mais de 60 anos;
- utilização mais freqüente, em relação aos outros grupos etários da população,
dos serviços de saúde (maior número de internações e maior tempo de
permanência).
REVISÃO DO ENVELHECIMENTO
População Idosa em São Paulo:
Here comes your footer  Page 3
REVISÃO DO ENVELHECIMENTO
O estado não possui mecanismos suficientes e adequados para atender a
população idosa, transferindo para a família o apoio e a assistência ao ancião,
especialmente àquele que tem limitações de ordem física e econômica.
CARACTERÍSTICAS DA FAMÍLIA DO IDOSO
Como se dá a integração do idoso à família?
A) Aspectos culturais:
- respeito por parte dos filhos;
- contribuição do idoso à criação dos netos e outras tarefas domésticas;
B) Aspectos econômicos:
- necessidade de compartilhar a moradia.
Como o idoso é visto pela família e como são as suas relações com a mesma?
- encargo/fardo(?): quando doente, incapazes e sem recursos financeiros.
- patrimônio/apoio (?): quando sadio e com recursos financeiros próprios.
Here comes your footer  Page 4
REVISÃO DO ENVELHECIMENTO
RELAÇÕES DE APOIO/AMPARO DA FAMÍLIA PARA COM O IDOSO:
- Sobrecarga de um único membro da família (em geral, filha solteira ou
filha casada, genro e netos) , dependência física e financeira.
- Responsabilidade moral: direito do idoso a ser cuidado pelos filhos;
Frustração do idoso em relação aos filhos, devido a:
a) visitas escassas: solidão e abandono.
b) exploração: cuidar dos netos, tarefas domésticas;
c) pouco auxílio como atividades: ir ao médico, ao banco, templo
religioso, fazer visitas, outros.
- idealizador de um “ CUIDADOR”, de preferência uma filha solteira;
- restrição da amplitude das relações sociais do idoso, pela família;
Here comes your footer  Page 5
O ADULTO QUE ENVELHECE = IDOSO...
Conjunto de modificações morfológicas que aparecem como conseqüência
da ação do tempo sobre seres vivos;
Processo seqüencial acumulativo, irreversível, universal, não patológico de
deterioração de um organismo maduro, próprio a todos os membros de uma
espécie, de maneira que com o tempo, torna-se incapaz de fazer frente ao
stress do meio ambiente e, portanto, aumenta a possibilidade de morrer.
* Acima de 60 anos: jovem-Idoso (terceira idade)
* Acima de 80 anos: idoso-Idoso (quarta idade)
* País idoso: quando a população de idosos atinge 7 % da população total do país.
GERONTOLOGIA: Ciência que estuda os problemas biológicos, sociais e
econômicos de pessoas idosas.
GERIATRIA: Parte da medicina que se ocupa com a doença dos idosos.
ENVELHECER
Here comes your footer  Page 6
ENFERMAGEM GERONTOLÓGICA OU GERIÁTRICA: é o campo da
enfermagem que se especializa no cuidado dos idosos.
Os Padrões e o Âmbito da Prática de Enfermagem Gerontológica foram
originalmente desenvolvidos em 1969 pela American Nurses Association.
A enfermagem gerontológica é fornecida nos ambientes de cuidados agudos,
de cuidados habilitados e de vida assistida, comunitários e domiciliários.
Suas metas englobam a promoção e manutenção do estado funcional e o
auxílio para que os idosos identifiquem seus potenciais para atingir a
independência. O enfermeiro ajuda a pessoa idosa a manter a dignidade e a
autonomia máxima, apesar das perdas físicas, social e psicológica.
ENFERMAGEM ...
O ADULTO QUE ENVELHECE = IDOSO...
Here comes your footer  Page 7
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
A CARDIOPATIA é a principal causa morte no idoso:
 válvas cardíacas tornam-se mais espessas e mais rigidas;
 Depósitos de gordura e de cálcio acumulam-se dentro das paredes arteriais e
as veias tornan-se cada vez mais tortuosas;
 Débito cardíaco máximo diminuído em aproximadamente 25% desde 20 anos
até 80 anos de idade;
 Menor capacidade para responder à situações estressoras;
 Sob condições de estresse, o débito cardíaco máximo e a freqüência cardíaca
(FC) máxima diminuem gradativamente.
SISTEMA CARDIOVASCULAR
Here comes your footer  Page 8
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
Demonstrou-se que a hipertensão é um fator de risco grave, em todas as
idades, para a doença cardiovascular e acidente vascular cerebral.
Nas pessoas idosas a hpertensão é classificada da seguinte maneira:
 Hipertensão Sistólica Isolada: a leitura sistólica excede a 140 mmHg, e a
medição diastólica é normal ou quase normal (menor que 90 mmHg).
 Hipertensão Primária: a pressão diastólica é superior ou igual a 90 mmHg,
independente da pressão sistólica.
 Hipertensão Secundária: hipertensão que pode ser atribuída a uma causa
sujacente.
SISTEMA CARDIOVASCULAR
Here comes your footer  Page 9
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
A disfunção cardiovascular pode manifestar-se como Insuficiência Cardíaca Congestiva
(ICC), Doença da Artéria Coronária (DAC), arteriosclerose, hipertensão, claudicação
intermitente, doença vascular periférica, hipotensão ortostática, disritmias, Acidentes
Vasculares Encefálicos (AVE), ou Infarto do Miocárdio (IM).
A insuficiência cardíaca (IC) representa a causa número um de hospitalizações,
sendo uma etiologia importante da morbidade e mortalidade entre os idosos.
Com freqüência, os pacientes idosos apresentam sintomas diferentes dos pacientes jovens:
JOVEM IDOSO
• DISPNÉIA AOS ESFORÇOS
• ORTOPNÉIA
• EDEMA PERIFÉRICO
• FADIGA
• NÁUSEAS
• DESCONFORTO ABDOMINAL
O atual padrão para o tratamento da IC compreende
diuréticos, inibidores da enzima conversora de
angiotensina (ECA) e digoxina.
Here comes your footer  Page 10
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Prática de exercícios físicos regulares;
 Dieta adequada para idade e doenças;
 Refeições mais constantes e com menor
quantidade;
 Controle do peso;
 Uso das medicações diárias corretamente;
 Gerenciamento do estresse;
 Cessação do tabagismo;
 Evitar fazer força ao defecar;
 Evitar exposição aos extremos de temperatura;
 Levantar-se lentamente para evitar hipotensão
ortostática
PROMOÇÃO À SAÚDE CARDIOVASCULAR
Here comes your footer  Page 11
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
As ALTERAÇÕES relacionadas a idade afetam:
 Capacidade e função pulmonares diminuídas e compreendem o diâmetro
torácico ântero-posterior aumentado;
 Colapso osteoporótico das vértebras resultando em cifose (curvatura convexa
aumentada da coluna vertebral);
 Calcificação das cartilagens costais e mobilidade reduzida das costelas;
 Eficiência diminuída dos músculos ventilatórios;
 Rigidez pulmonar aumentada e área de superfície alveolar diminuída
maior volume residual pulmonar e capacidade vital diminuída.
 Troca gasosa e capacidade de difusão diminuída;
 Menor eficiência da tosse, atividade ciliar reduzida e espaço morto ventilatório
aumentado – tornando a pessoa idosa mais vulnerável às infecções respiratórias.
SISTEMA VENTILATÓRIO
Here comes your footer  Page 12
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Exercícios regulares;
 Ingesta hídrica apropriada;
 Vacinação pneumocócica, imunização
contra a gripe e prevenção de contato com
doentes;
 Cessação do tabagismo;
 Tossir e realizar ventilações profundas.
PROMOÇÃO À SAÚDE VENTILATÓRIA
Here comes your footer  Page 13
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
Com o envelhecimento, ocorrem alterações que afetam a função e aparência da pele.
A epiderme e a derme tornam-se mais finas. As fibras elásticas sofrem uma redução
em seu número e o colágeno torna-se mais rígido. O tecido adiposo subcutâneo
diminui, principalmente nos membros. Quantidades diminuídas de capilares na pele
resultam em aporte sangüíneo diminuído. Sendo assim:
 Perda da elasticidade, enrugamento e arqueamento da pele;
 Pigmentação dos pêlos diminui, resultando em aspecto grisalho gradual;
 Pele seca e suscetível a irritações = atividade diminuída das glândulas cebáceas
e sudoríparas;
 Tegumento reduzem a tolerância aos extremos de temperatura e à exposição ao
sol.
Prevenir contra exposição ao sol, uso de creme cutâneo lubrificante, prevenção
de longas imersões na banheira e manutenção da ingesta de água adequada (8 a
10 copos de 240 ml por dia).
SISTEMA TEGUMENTAR
PROMOÇÃO À SAÚDE TEGUMENTAR:
Here comes your footer  Page 14
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
FEMININO
 Adelgaçamento da parede vaginal,
juntamente com o estreitamento no
tamanho e a perda da elasticidade;
 Redução das secreções vaginais
resultam em ressecamento vaginal,
prurido e acidez diminuída;
 Involução (atrofia) do útero e dos
ovários;
 Tônus diminuído da musculatura
pupococcígea, resultando em uma
vagina e períneo relaxados;
 Sangramento vaginal e relação
sexual dolorosa.
SISTEMA REPRODUTOR
MASCULINO
 Pênis e testículos diminuem de
tamanho, ocorrendo redução nos
níveis de androgênios;
 Ereção e obtenção de orgasmo
tardias;
 A disfunção erétil pode desenvolver-
se com a doença cardiovascular
concomitante, distúrbios
neurológicos, diabetes ou, até
mesmo com a doença respiratória, o
que limita a tolerância ao exercício.
Here comes your footer  Page 15
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 O desejo e a atividade sexuais diminuem,
mas não desaparecem;
 Utilização de lubrificantes hidrossolúveis
pode ajudar a evitar a relação sexual
dolorosa;
 A reposição local de estrogênio intravaginal
estimula o tecido vaginal sem os riscos e
efeitos do estrogênio oral;
 Emprego de bombas penianas à vácuo,
injeção local ou aplicação de medicamento
vasoestimulador dentro da abertura uretral e
uso de medicamento oral, mostram-se
efetivos
Obs.: o uso de medicação oral
(Viagra) é contra-indicado para homens que
fazem uso de nitratos.
PROMOÇÃO À SAÚDE DO SISTEMA REPRODUTOR
Here comes your footer  Page 16
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
O sistema geniturinário continua a funcionar adequadamente nas pessoas
idosas, embora uma diminuição na massa renal, principalmente por causa
de uma perda de néfrons.
 Redução na taxa de filtração glomerular, função tubular diminuída com menor
eficiência na reabsorção e concentração de urina, e uma restauração mais lenta
do equilíbrio ácido-básico em resposta ao estresse;
 Mulheres sofrem de incontinência por estresse e/ou de urgência;
 Hiperplasia benigna da próstata, provocando aumento gradual na retenção
urinária e incontinência por hirperfluxo;
 Câncer de próstata é mais freqüente em homens com mais de 70 anos. Câncer
de rim e bexiga são percebidos com maior freqüência após os 50 anos de idade;
O fumo é um agente etiológico primário para esses carcinomas
SISTEMA GENITURINÁRIO
Here comes your footer  Page 17
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Consumo adequado de líquidos é importante
para reduzir o risco de infecções vesicais e de
incontinência urinária;
 Realizar micções a cada 2 a 3 horas enquanto
acordado;
 Evitar substâncias irritantes para a bexiga, como
cafeína, carbonato, ácido e álcool, reduzirá muito
a urgência e a freqüência urinária;
 Ingesta hídrica aumentada para evitar a urina
concentrada, o que provoca a urgência urinária;
 Realização de exercícios do assoalho pélvico são
extremamente úteis na redução dos sintomas de
incontinência por estresse e urgência;
PROMOÇÃO À SAÚDE GENITURINÁRIA
Here comes your footer  Page 18
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Doença periodontal, levando a deterioração e queda da dentição;
 Fluxo salivar diminui, a pessoa idosa pode experimentar um ressecamento da boca – uma
preferência por alimentos doces e salgados resulta de uma diminuição dos receptores
gustativos;
 Sensação de plenitude, pirose e indigestão;
 Motilidade gástrica diminui resultando em um esvaziamento retardado do conteúdo
gástrico;
 Há uma secreção diminuída de ácido e pepsina reduz a absorção de ferro, cálcio e
vitamina B12;
 A absorção de nutrientes no intestino delgado também parece diminuir no idoso;
 Absorção e tolerância à gordura pode diminuir;
 A incidência de cálculos biliares e no ducto biliar comum aumenta progressivamente com a
idade;
 A disfagia afeta 1 em 17 pessoas acima de 60 anos;
 A constipação quando branda envolve o desconforto abdominal e a flatulência, onde as
conseqüências mais graves incluem a impactação fecal, que contribui para a diarréia em
torno da ipactação, incontinência fecal e obstrução.
SISTEMA GASTRINTESTINAL
Here comes your footer  Page 19
 Realização de cuidados dentários regulares;
 Ingestão de refeições pequenas e
freqüentes;
 Prevenção de atividades intensas após a
alimentação;
 Ingestão de dieta rica em fibras e pobre em
gordura e ingestão adequada de líquidos;
 Estabelecimento de hábitos intestinais
regulares, prevenindo o uso de laxativos e
antiácidos;
PROMOÇÃO À SAÚDE GASTRINTESTINAL
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
Here comes your footer  Page 20
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Diminuição gradual e progressiva da massa óssea começa antes de 40 anos
de idade. Perda excessiva da densidade óssea resultando em osteoporose,
sendo mais prevalentes em mulheres pós-menopausa.
 Risco de uma fratura em conseqüência da reabsorção óssea é
particularmente alto para a porção dorsal das vértebras, úmero, rádio, fêmur e
tíbia;
 Perda da altura decorrente a alterações osteoporóticas da coluna vertebral,
cifose e flexão dos quadris e joelhos – essas alterações afetam negativamente
a mobilidade, o equilíbrio e a função dos órgãos internos;
SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO
Os músculos diminuem de tamanho e perdem a força, flexibilidade e
resistência com a atividade diminuída e idade avançada;
Deterioração da progressiva da cartilagem articular a partir da meia-
idade;
Embora o processo da osteoporose não pode ser revertido, o pode ser
lentificado através do uso de suplementos de cálcio, ferro, vitamina D,
flúor, estrogênio e exercícios de sustentação de peso.
Here comes your footer  Page 21
SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
Here comes your footer  Page 22
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Ingesta rica em cálcio, 1.500 mg/dia: produtos
lácteos e vegetais folhosos;
 Evitar carnes vermelhas, refrigerantes e
alimentos industrializados que sejam pobre em
cálcio e rico em fósforo;
Redução de cafeína e álcool, auxiliando na
paralisação da desmineralização adicional e
excreção renal de cálcio;
Exercícios de sustentação de peso
regularmente;
 Cessação do tabagismo;
 Exposição ao sol pela manhã (7h – 10h)
PROMOÇÃO À SAÚDE MUSCULOESQUELÉTICA
Here comes your footer  Page 23
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
 Estrutura e função do sistema nervoso modificam-se com o avançar da idade e
uma redução no fluxo sangüíneo cerebral acompanha as alterações no sistema
nervoso;
 Há uma perda de células nervosas que contribuem para um perda da massa
cerebral, e também estão reduzidos a síntese e o metabolismo dos principais
neurotransmissores;
 Respostas e reações mais lentas decorrentes aos impulsos nervosos serem
conduzidos de forma lentificada;
 O SNA age de maneira menos eficiente, podendo ocorrer a hipotensão postural,
que faz com que o idoso perca a consciência ou sinta tonteira ao se levantar com
rapidez;
 Mobilidade e segurança abalada;
 A função emocional é abalada pelos estresses físicos e emocionais.
SISTEMA NERVOSO
Here comes your footer  Page 24
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
VISÃO:
 O cristalino torna-se menos flexível, o ponto próximo do foco fica mais distante;
PRESBIOPIA – inicia-se geralmente na quinta década de vida e exige o
uso de óculos para ampliar os objetos.
 Cristalino amarelo e turvo faz com a luz se espalhe e torna a pessoa idosa
sensível ao ofuscamento;
 diminuição na capacidade de discernir as cores;
 As pupilas dilatam-se mais lentamente e de forma menos completa, por causa da
rigidez aumentada dos músculos da íris, tendo o idoso dificuldade para se ajustar
quando entra em ambientes iluminados e escuros e deles sai.
SISTEMA SENSORIAL
Here comes your footer  Page 25
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
AUDIÇÃO:
 Na meia-idade ocorre a PRESBIACUSIA (capacidade de ouvir tons de alta
freqüência atribuída a alterações irreversíveis no ouvido interno.
 Incapacidade de acompanhar conversações, devido todas as consoantes de alta
freqüência ( letras f, s, ch, b, t, p) soam semelhantes;
 Respostas inadequadas, impróprias, compreensão errônea, evitando a interação
social gerando uma forma de ostracismo;
 Percepção errônea pelos outros como um quadro de confusão.
PALADAR E OLFATO:
 Dos quatro sabores básicos (doce, azedo, salgado e amargo), os sabores doces
ficam particularmente ofuscados nas pessoas idosas. O sabor bloqueado pode
contribuir para a preferência por alimentos salgados, muito temperados, mas
ervas, cebolas, alho e limão devem se encorajados como substitutos para o sal.
SISTEMA SENSORIAL
Here comes your footer  Page 26
ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
PRÓXIMA AULA:
 ASPECTOS FARMACOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO
Farmacocinética alterada e implicações de enfermagem
 PROBLEMAS COMUNS DE SAÚDE MENTAL NAS POPULAÇÕES
IDOSAS
Delírio, depressão, doença de Alzheimer e de Parkinson
FIM
Prof. Pablo Padilha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeGreicy Kapisch
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia Stefane Rayane
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaAula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaProqualis
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicosagemais
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoCíntia Monique
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Ana Hollanders
 
Higiene Pessoal Do Idoso
Higiene Pessoal Do IdosoHigiene Pessoal Do Idoso
Higiene Pessoal Do Idosoguest5629953
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosJessica Monteiro
 
Conceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaConceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaMadaisa Sousa
 
Depressão na terceira idade
Depressão na terceira idadeDepressão na terceira idade
Depressão na terceira idadeMax Suell Vitor
 
O envelhecimento saudável
O envelhecimento saudávelO envelhecimento saudável
O envelhecimento saudávelRubens Junior
 

Mais procurados (20)

Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEMSAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
SAÚDE DO IDOSO: ENFERMAGEM
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Cuidador de Idoso
Cuidador de Idoso Cuidador de Idoso
Cuidador de Idoso
 
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosaAula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
Aula sobre segurança do paciente no cuidado da pessoa idosa
 
Conceitos Básicos
Conceitos BásicosConceitos Básicos
Conceitos Básicos
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idoso
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 
Higiene Pessoal Do Idoso
Higiene Pessoal Do IdosoHigiene Pessoal Do Idoso
Higiene Pessoal Do Idoso
 
Cuidador idoso
Cuidador idosoCuidador idoso
Cuidador idoso
 
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhosDesenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
Desenvolvimento do ciclo de vida - Idosos: perdas de ganhos
 
Conceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatriaConceitos++básico geriatria
Conceitos++básico geriatria
 
Depressão na terceira idade
Depressão na terceira idadeDepressão na terceira idade
Depressão na terceira idade
 
O envelhecimento saudável
O envelhecimento saudávelO envelhecimento saudável
O envelhecimento saudável
 

Destaque

Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceLigia Coppetti
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidAna Paula Oliveira
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadelucia_nunes
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoAndré Fidelis
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososgcmrs
 
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012Ismael Costa
 
Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marceloSione Leiras
 
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSAENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSAenfermagemnaveia
 
49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagem49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagemjaquelinefragoso
 

Destaque (16)

Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
Fisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimentoFisiologia do envelhecimento
Fisiologia do envelhecimento
 
Manual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idososManual para cuidadores de idosos
Manual para cuidadores de idosos
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
Saúde do idoso -Intensivo MS 2012
 
Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marcelo
 
Saude do idoso
Saude do idosoSaude do idoso
Saude do idoso
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
 
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSAENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
ENVELHECIMENTO E SAÚDE DA PESSOA IDOSA
 
49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagem49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagem
 

Semelhante a Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)

Alterações fisiologicas do idoso.pptx
Alterações fisiologicas do idoso.pptxAlterações fisiologicas do idoso.pptx
Alterações fisiologicas do idoso.pptxnagelasouza1
 
Introdução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxIntrodução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxLarissaCampos96
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaMarina Sousa
 
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismoTony
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4Gustavo Henrique
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdfFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdfCludiaSofiaCarvalho1
 
Educação para a saúde
Educação para a saúdeEducação para a saúde
Educação para a saúdeblog9e
 
Educação para a saúde
Educação para a saúdeEducação para a saúde
Educação para a saúdeblog9e
 
Biologia Do Envelhecimento
Biologia Do EnvelhecimentoBiologia Do Envelhecimento
Biologia Do EnvelhecimentoMárcio Borges
 
Artigo revisado ultima vez
Artigo revisado ultima vezArtigo revisado ultima vez
Artigo revisado ultima vezromulochf
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesDoenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesMarisa Almeida
 
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças CardiovascularesE-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças CardiovascularesEuSaúde
 

Semelhante a Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2) (20)

Alterações Envelhecimento
Alterações EnvelhecimentoAlterações Envelhecimento
Alterações Envelhecimento
 
Alterações fisiologicas do idoso.pptx
Alterações fisiologicas do idoso.pptxAlterações fisiologicas do idoso.pptx
Alterações fisiologicas do idoso.pptx
 
aulas
 aulas aulas
aulas
 
Introdução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptxIntrodução à gerontologia.pptx
Introdução à gerontologia.pptx
 
Saúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A QuedaSaúde do Idoso - A Queda
Saúde do Idoso - A Queda
 
A arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúdeA arte de envelhecer com saúde
A arte de envelhecer com saúde
 
Epidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimentoEpidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimento
 
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
3º ano idade como fator de risco e sedentarismo
 
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
O cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PR
O cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PRO cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PR
O cuidado na Rede de Atenção à Saúde do idoso em Munhoz de Melo/PR
 
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdfFISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
FISIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO (1).pdf
 
Açucar veneno
Açucar venenoAçucar veneno
Açucar veneno
 
Educação para a saúde
Educação para a saúdeEducação para a saúde
Educação para a saúde
 
Educação para a saúde
Educação para a saúdeEducação para a saúde
Educação para a saúde
 
Biologia Do Envelhecimento
Biologia Do EnvelhecimentoBiologia Do Envelhecimento
Biologia Do Envelhecimento
 
Artigo revisado ultima vez
Artigo revisado ultima vezArtigo revisado ultima vez
Artigo revisado ultima vez
 
Doenças Cardiovasculares
Doenças CardiovascularesDoenças Cardiovasculares
Doenças Cardiovasculares
 
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças CardiovascularesE-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
E-book EuSaúde - Doenças Cardiovasculares
 
Cartilha apoios TEMÁTICA CRIANÇA
Cartilha apoios TEMÁTICA CRIANÇACartilha apoios TEMÁTICA CRIANÇA
Cartilha apoios TEMÁTICA CRIANÇA
 
Tabagismo cartilha crianca
Tabagismo cartilha criancaTabagismo cartilha crianca
Tabagismo cartilha crianca
 

Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)

  • 1. Your Logo CUIDADOS DE SAÚDE DO IDOSO Prof. Pablo Padilha ASSISTÊNCIA NA SAÚDE DO ADULTO E IDOSO
  • 2. Here comes your footer  Page 2 Características: - baixo nível de escolaridade e alto índice de analfabetismo, em especial entre mulheres (40% analfabetas); - pouca participação atual no mercado de trabalho: - baixos rendimentos (35,4% recebendo menos de um salário mínimo); - 50% de aposentados entre as pessoas com mais de 60 anos; - utilização mais freqüente, em relação aos outros grupos etários da população, dos serviços de saúde (maior número de internações e maior tempo de permanência). REVISÃO DO ENVELHECIMENTO População Idosa em São Paulo:
  • 3. Here comes your footer  Page 3 REVISÃO DO ENVELHECIMENTO O estado não possui mecanismos suficientes e adequados para atender a população idosa, transferindo para a família o apoio e a assistência ao ancião, especialmente àquele que tem limitações de ordem física e econômica. CARACTERÍSTICAS DA FAMÍLIA DO IDOSO Como se dá a integração do idoso à família? A) Aspectos culturais: - respeito por parte dos filhos; - contribuição do idoso à criação dos netos e outras tarefas domésticas; B) Aspectos econômicos: - necessidade de compartilhar a moradia. Como o idoso é visto pela família e como são as suas relações com a mesma? - encargo/fardo(?): quando doente, incapazes e sem recursos financeiros. - patrimônio/apoio (?): quando sadio e com recursos financeiros próprios.
  • 4. Here comes your footer  Page 4 REVISÃO DO ENVELHECIMENTO RELAÇÕES DE APOIO/AMPARO DA FAMÍLIA PARA COM O IDOSO: - Sobrecarga de um único membro da família (em geral, filha solteira ou filha casada, genro e netos) , dependência física e financeira. - Responsabilidade moral: direito do idoso a ser cuidado pelos filhos; Frustração do idoso em relação aos filhos, devido a: a) visitas escassas: solidão e abandono. b) exploração: cuidar dos netos, tarefas domésticas; c) pouco auxílio como atividades: ir ao médico, ao banco, templo religioso, fazer visitas, outros. - idealizador de um “ CUIDADOR”, de preferência uma filha solteira; - restrição da amplitude das relações sociais do idoso, pela família;
  • 5. Here comes your footer  Page 5 O ADULTO QUE ENVELHECE = IDOSO... Conjunto de modificações morfológicas que aparecem como conseqüência da ação do tempo sobre seres vivos; Processo seqüencial acumulativo, irreversível, universal, não patológico de deterioração de um organismo maduro, próprio a todos os membros de uma espécie, de maneira que com o tempo, torna-se incapaz de fazer frente ao stress do meio ambiente e, portanto, aumenta a possibilidade de morrer. * Acima de 60 anos: jovem-Idoso (terceira idade) * Acima de 80 anos: idoso-Idoso (quarta idade) * País idoso: quando a população de idosos atinge 7 % da população total do país. GERONTOLOGIA: Ciência que estuda os problemas biológicos, sociais e econômicos de pessoas idosas. GERIATRIA: Parte da medicina que se ocupa com a doença dos idosos. ENVELHECER
  • 6. Here comes your footer  Page 6 ENFERMAGEM GERONTOLÓGICA OU GERIÁTRICA: é o campo da enfermagem que se especializa no cuidado dos idosos. Os Padrões e o Âmbito da Prática de Enfermagem Gerontológica foram originalmente desenvolvidos em 1969 pela American Nurses Association. A enfermagem gerontológica é fornecida nos ambientes de cuidados agudos, de cuidados habilitados e de vida assistida, comunitários e domiciliários. Suas metas englobam a promoção e manutenção do estado funcional e o auxílio para que os idosos identifiquem seus potenciais para atingir a independência. O enfermeiro ajuda a pessoa idosa a manter a dignidade e a autonomia máxima, apesar das perdas físicas, social e psicológica. ENFERMAGEM ... O ADULTO QUE ENVELHECE = IDOSO...
  • 7. Here comes your footer  Page 7 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO A CARDIOPATIA é a principal causa morte no idoso:  válvas cardíacas tornam-se mais espessas e mais rigidas;  Depósitos de gordura e de cálcio acumulam-se dentro das paredes arteriais e as veias tornan-se cada vez mais tortuosas;  Débito cardíaco máximo diminuído em aproximadamente 25% desde 20 anos até 80 anos de idade;  Menor capacidade para responder à situações estressoras;  Sob condições de estresse, o débito cardíaco máximo e a freqüência cardíaca (FC) máxima diminuem gradativamente. SISTEMA CARDIOVASCULAR
  • 8. Here comes your footer  Page 8 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO Demonstrou-se que a hipertensão é um fator de risco grave, em todas as idades, para a doença cardiovascular e acidente vascular cerebral. Nas pessoas idosas a hpertensão é classificada da seguinte maneira:  Hipertensão Sistólica Isolada: a leitura sistólica excede a 140 mmHg, e a medição diastólica é normal ou quase normal (menor que 90 mmHg).  Hipertensão Primária: a pressão diastólica é superior ou igual a 90 mmHg, independente da pressão sistólica.  Hipertensão Secundária: hipertensão que pode ser atribuída a uma causa sujacente. SISTEMA CARDIOVASCULAR
  • 9. Here comes your footer  Page 9 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO A disfunção cardiovascular pode manifestar-se como Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC), Doença da Artéria Coronária (DAC), arteriosclerose, hipertensão, claudicação intermitente, doença vascular periférica, hipotensão ortostática, disritmias, Acidentes Vasculares Encefálicos (AVE), ou Infarto do Miocárdio (IM). A insuficiência cardíaca (IC) representa a causa número um de hospitalizações, sendo uma etiologia importante da morbidade e mortalidade entre os idosos. Com freqüência, os pacientes idosos apresentam sintomas diferentes dos pacientes jovens: JOVEM IDOSO • DISPNÉIA AOS ESFORÇOS • ORTOPNÉIA • EDEMA PERIFÉRICO • FADIGA • NÁUSEAS • DESCONFORTO ABDOMINAL O atual padrão para o tratamento da IC compreende diuréticos, inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA) e digoxina.
  • 10. Here comes your footer  Page 10 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Prática de exercícios físicos regulares;  Dieta adequada para idade e doenças;  Refeições mais constantes e com menor quantidade;  Controle do peso;  Uso das medicações diárias corretamente;  Gerenciamento do estresse;  Cessação do tabagismo;  Evitar fazer força ao defecar;  Evitar exposição aos extremos de temperatura;  Levantar-se lentamente para evitar hipotensão ortostática PROMOÇÃO À SAÚDE CARDIOVASCULAR
  • 11. Here comes your footer  Page 11 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO As ALTERAÇÕES relacionadas a idade afetam:  Capacidade e função pulmonares diminuídas e compreendem o diâmetro torácico ântero-posterior aumentado;  Colapso osteoporótico das vértebras resultando em cifose (curvatura convexa aumentada da coluna vertebral);  Calcificação das cartilagens costais e mobilidade reduzida das costelas;  Eficiência diminuída dos músculos ventilatórios;  Rigidez pulmonar aumentada e área de superfície alveolar diminuída maior volume residual pulmonar e capacidade vital diminuída.  Troca gasosa e capacidade de difusão diminuída;  Menor eficiência da tosse, atividade ciliar reduzida e espaço morto ventilatório aumentado – tornando a pessoa idosa mais vulnerável às infecções respiratórias. SISTEMA VENTILATÓRIO
  • 12. Here comes your footer  Page 12 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Exercícios regulares;  Ingesta hídrica apropriada;  Vacinação pneumocócica, imunização contra a gripe e prevenção de contato com doentes;  Cessação do tabagismo;  Tossir e realizar ventilações profundas. PROMOÇÃO À SAÚDE VENTILATÓRIA
  • 13. Here comes your footer  Page 13 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO Com o envelhecimento, ocorrem alterações que afetam a função e aparência da pele. A epiderme e a derme tornam-se mais finas. As fibras elásticas sofrem uma redução em seu número e o colágeno torna-se mais rígido. O tecido adiposo subcutâneo diminui, principalmente nos membros. Quantidades diminuídas de capilares na pele resultam em aporte sangüíneo diminuído. Sendo assim:  Perda da elasticidade, enrugamento e arqueamento da pele;  Pigmentação dos pêlos diminui, resultando em aspecto grisalho gradual;  Pele seca e suscetível a irritações = atividade diminuída das glândulas cebáceas e sudoríparas;  Tegumento reduzem a tolerância aos extremos de temperatura e à exposição ao sol. Prevenir contra exposição ao sol, uso de creme cutâneo lubrificante, prevenção de longas imersões na banheira e manutenção da ingesta de água adequada (8 a 10 copos de 240 ml por dia). SISTEMA TEGUMENTAR PROMOÇÃO À SAÚDE TEGUMENTAR:
  • 14. Here comes your footer  Page 14 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO FEMININO  Adelgaçamento da parede vaginal, juntamente com o estreitamento no tamanho e a perda da elasticidade;  Redução das secreções vaginais resultam em ressecamento vaginal, prurido e acidez diminuída;  Involução (atrofia) do útero e dos ovários;  Tônus diminuído da musculatura pupococcígea, resultando em uma vagina e períneo relaxados;  Sangramento vaginal e relação sexual dolorosa. SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO  Pênis e testículos diminuem de tamanho, ocorrendo redução nos níveis de androgênios;  Ereção e obtenção de orgasmo tardias;  A disfunção erétil pode desenvolver- se com a doença cardiovascular concomitante, distúrbios neurológicos, diabetes ou, até mesmo com a doença respiratória, o que limita a tolerância ao exercício.
  • 15. Here comes your footer  Page 15 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  O desejo e a atividade sexuais diminuem, mas não desaparecem;  Utilização de lubrificantes hidrossolúveis pode ajudar a evitar a relação sexual dolorosa;  A reposição local de estrogênio intravaginal estimula o tecido vaginal sem os riscos e efeitos do estrogênio oral;  Emprego de bombas penianas à vácuo, injeção local ou aplicação de medicamento vasoestimulador dentro da abertura uretral e uso de medicamento oral, mostram-se efetivos Obs.: o uso de medicação oral (Viagra) é contra-indicado para homens que fazem uso de nitratos. PROMOÇÃO À SAÚDE DO SISTEMA REPRODUTOR
  • 16. Here comes your footer  Page 16 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO O sistema geniturinário continua a funcionar adequadamente nas pessoas idosas, embora uma diminuição na massa renal, principalmente por causa de uma perda de néfrons.  Redução na taxa de filtração glomerular, função tubular diminuída com menor eficiência na reabsorção e concentração de urina, e uma restauração mais lenta do equilíbrio ácido-básico em resposta ao estresse;  Mulheres sofrem de incontinência por estresse e/ou de urgência;  Hiperplasia benigna da próstata, provocando aumento gradual na retenção urinária e incontinência por hirperfluxo;  Câncer de próstata é mais freqüente em homens com mais de 70 anos. Câncer de rim e bexiga são percebidos com maior freqüência após os 50 anos de idade; O fumo é um agente etiológico primário para esses carcinomas SISTEMA GENITURINÁRIO
  • 17. Here comes your footer  Page 17 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Consumo adequado de líquidos é importante para reduzir o risco de infecções vesicais e de incontinência urinária;  Realizar micções a cada 2 a 3 horas enquanto acordado;  Evitar substâncias irritantes para a bexiga, como cafeína, carbonato, ácido e álcool, reduzirá muito a urgência e a freqüência urinária;  Ingesta hídrica aumentada para evitar a urina concentrada, o que provoca a urgência urinária;  Realização de exercícios do assoalho pélvico são extremamente úteis na redução dos sintomas de incontinência por estresse e urgência; PROMOÇÃO À SAÚDE GENITURINÁRIA
  • 18. Here comes your footer  Page 18 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Doença periodontal, levando a deterioração e queda da dentição;  Fluxo salivar diminui, a pessoa idosa pode experimentar um ressecamento da boca – uma preferência por alimentos doces e salgados resulta de uma diminuição dos receptores gustativos;  Sensação de plenitude, pirose e indigestão;  Motilidade gástrica diminui resultando em um esvaziamento retardado do conteúdo gástrico;  Há uma secreção diminuída de ácido e pepsina reduz a absorção de ferro, cálcio e vitamina B12;  A absorção de nutrientes no intestino delgado também parece diminuir no idoso;  Absorção e tolerância à gordura pode diminuir;  A incidência de cálculos biliares e no ducto biliar comum aumenta progressivamente com a idade;  A disfagia afeta 1 em 17 pessoas acima de 60 anos;  A constipação quando branda envolve o desconforto abdominal e a flatulência, onde as conseqüências mais graves incluem a impactação fecal, que contribui para a diarréia em torno da ipactação, incontinência fecal e obstrução. SISTEMA GASTRINTESTINAL
  • 19. Here comes your footer  Page 19  Realização de cuidados dentários regulares;  Ingestão de refeições pequenas e freqüentes;  Prevenção de atividades intensas após a alimentação;  Ingestão de dieta rica em fibras e pobre em gordura e ingestão adequada de líquidos;  Estabelecimento de hábitos intestinais regulares, prevenindo o uso de laxativos e antiácidos; PROMOÇÃO À SAÚDE GASTRINTESTINAL ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
  • 20. Here comes your footer  Page 20 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Diminuição gradual e progressiva da massa óssea começa antes de 40 anos de idade. Perda excessiva da densidade óssea resultando em osteoporose, sendo mais prevalentes em mulheres pós-menopausa.  Risco de uma fratura em conseqüência da reabsorção óssea é particularmente alto para a porção dorsal das vértebras, úmero, rádio, fêmur e tíbia;  Perda da altura decorrente a alterações osteoporóticas da coluna vertebral, cifose e flexão dos quadris e joelhos – essas alterações afetam negativamente a mobilidade, o equilíbrio e a função dos órgãos internos; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO
  • 21. Os músculos diminuem de tamanho e perdem a força, flexibilidade e resistência com a atividade diminuída e idade avançada; Deterioração da progressiva da cartilagem articular a partir da meia- idade; Embora o processo da osteoporose não pode ser revertido, o pode ser lentificado através do uso de suplementos de cálcio, ferro, vitamina D, flúor, estrogênio e exercícios de sustentação de peso. Here comes your footer  Page 21 SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO
  • 22. Here comes your footer  Page 22 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Ingesta rica em cálcio, 1.500 mg/dia: produtos lácteos e vegetais folhosos;  Evitar carnes vermelhas, refrigerantes e alimentos industrializados que sejam pobre em cálcio e rico em fósforo; Redução de cafeína e álcool, auxiliando na paralisação da desmineralização adicional e excreção renal de cálcio; Exercícios de sustentação de peso regularmente;  Cessação do tabagismo;  Exposição ao sol pela manhã (7h – 10h) PROMOÇÃO À SAÚDE MUSCULOESQUELÉTICA
  • 23. Here comes your footer  Page 23 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO  Estrutura e função do sistema nervoso modificam-se com o avançar da idade e uma redução no fluxo sangüíneo cerebral acompanha as alterações no sistema nervoso;  Há uma perda de células nervosas que contribuem para um perda da massa cerebral, e também estão reduzidos a síntese e o metabolismo dos principais neurotransmissores;  Respostas e reações mais lentas decorrentes aos impulsos nervosos serem conduzidos de forma lentificada;  O SNA age de maneira menos eficiente, podendo ocorrer a hipotensão postural, que faz com que o idoso perca a consciência ou sinta tonteira ao se levantar com rapidez;  Mobilidade e segurança abalada;  A função emocional é abalada pelos estresses físicos e emocionais. SISTEMA NERVOSO
  • 24. Here comes your footer  Page 24 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO VISÃO:  O cristalino torna-se menos flexível, o ponto próximo do foco fica mais distante; PRESBIOPIA – inicia-se geralmente na quinta década de vida e exige o uso de óculos para ampliar os objetos.  Cristalino amarelo e turvo faz com a luz se espalhe e torna a pessoa idosa sensível ao ofuscamento;  diminuição na capacidade de discernir as cores;  As pupilas dilatam-se mais lentamente e de forma menos completa, por causa da rigidez aumentada dos músculos da íris, tendo o idoso dificuldade para se ajustar quando entra em ambientes iluminados e escuros e deles sai. SISTEMA SENSORIAL
  • 25. Here comes your footer  Page 25 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO AUDIÇÃO:  Na meia-idade ocorre a PRESBIACUSIA (capacidade de ouvir tons de alta freqüência atribuída a alterações irreversíveis no ouvido interno.  Incapacidade de acompanhar conversações, devido todas as consoantes de alta freqüência ( letras f, s, ch, b, t, p) soam semelhantes;  Respostas inadequadas, impróprias, compreensão errônea, evitando a interação social gerando uma forma de ostracismo;  Percepção errônea pelos outros como um quadro de confusão. PALADAR E OLFATO:  Dos quatro sabores básicos (doce, azedo, salgado e amargo), os sabores doces ficam particularmente ofuscados nas pessoas idosas. O sabor bloqueado pode contribuir para a preferência por alimentos salgados, muito temperados, mas ervas, cebolas, alho e limão devem se encorajados como substitutos para o sal. SISTEMA SENSORIAL
  • 26. Here comes your footer  Page 26 ASPECTOS FÍSICOS DO ENVELHECIMENTO PRÓXIMA AULA:  ASPECTOS FARMACOLÓGICOS DO ENVELHECIMENTO Farmacocinética alterada e implicações de enfermagem  PROBLEMAS COMUNS DE SAÚDE MENTAL NAS POPULAÇÕES IDOSAS Delírio, depressão, doença de Alzheimer e de Parkinson FIM Prof. Pablo Padilha