SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Professora de Pós Graduação, Advogada
Tributarista, Previdenciária e Contadora.
É sócia da TAF Consultoria Empresarial e
Membro do Conselho da ABAT e ABDT,
Membro do Conselho Consultivo da APET,
Coordenadora da Comissão de SPED e Nfe da
OAB/SP.
Experiência de 31 anos em empresas
nacionais e internacionais nas áreas de
Controladoria e Tributária. Publicações de
vários artigos em Jornal e Revistas sobre a
indústria da construção civil, tributos e SPED
(Sistema Publico de Escrituração Digital),
bem como autora do livro: “eSocial você e
sua empresa estão preparados?” e coautora
do livro: “SPED e sistemas de informação”.
Palestrante em diversas associações e
entidades tais como: CRC, OAB/SP,CONFEB,
CISPED, FIESP, IBC BRASIL, ANAMACO,
ACOMAC,
SINICESP,
ABRAPE,
CÂMERA
AMERICANA,
PETROBRAS,
JOHNSONDIVERSEY, IQPC - INTERNATIONAL
QUALITY & PRODUCTIVITY CENTER, EVENTO
CITYSCAPE
LATIN
AMERICA,
EVENTO
ENERGY TAX FORUM, INFORMA GROUP LATIN
AMERICA, IBGI INSTITUTO BRASILEIRO DE
GERENCIAMENTO DA INFORMAÇÃO dentre
outras instituições e in company.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

@taniagurgel
tania@taf.com.br
Fone:11 5524-3015

1
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

eSocial – Uma viagem sem Volta!
Como percorrê-la sem
tropeços, nem quedas e,
ainda tirar proveito da
paisagem?

Fonte da imagem Sr. Sergio Tosta

FONTE da imagem: http://blog.antinovaordemmundial.com/2010/11/fim-da-internet-livre-senado-americano-aprova-lei-da-lista-negra-coica/

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

2
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Premissas dos órgãos no
projeto

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

3
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Objeto do eSocial
• O
eSocial
tem
por
objeto,
informações
trabalhistas,
previdenciárias,
tributárias
e
fiscais relativas à contratação e
utilização de mão de obra
onerosa, com ou sem vínculo
empregatício e também de outras
informações previdenciárias e
fiscais previstas na lei n° 8.212,
de 1991.

Identificadores
Se pessoa jurídica
será identificado
pelo CNPJ
Os trabalhadores terão
como identificadores o
CPF e o NIS, que
deverão estar
consistentes com o CNIS
(cadastro nacional de
informações sociais)

Para as obras de construção
civil em substituição a CEI
foi criado o CNO (Cadastro
Nacional de Obras), que será
sempre acoplado a um CPF
ou CNPJ

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

Se pessoa física será
identificado pelo CPF

No lugar da matrícula CEI,
para as pessoas físicas foi
criado o CAEPF – Cadastro
de Atividades da Pessoa
Física, que será um número
sequencial, acoplado ao
número de CPF

4
TANIA GURGEL - ESOCIAL

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

28/02/2014

5
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Empregadores abrangidos!

Arquivos que serão enviados
na eSocial

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

6
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Arquivos que serão enviados
na eSocial
Código
S-2100
S-2200
S-2220
S-2240
S-2260
S-2280
S-2320
S-2325
S-2330
S-2340
S-2345
S-2360
S-2365
S-2400
S-2405
S-2600
S-2620
S-2680
S-2800
S-2820
S-2900

Tabela 9 – Tipos de Arquivo da eSocial
Descrição
Cadastramento Inicial do Vínculo
Admissão de Trabalhador
Alteração de Dados Cadastrais do Trabalhador
Alteração de Contrato de Trabalho
Comunicação de Acidente de Trabalho
Atestado de Saúde Ocupacional
Afastamento Temporário
Alteração de Motivo de Afastamento
Retorno de Afastamento Temporário
Estabilidade – Início
Estabilidade – Término
Condição Diferenciada de Trabalho - Início
Condição Diferenciada de Trabalho - Término
Aviso Prévio
Cancelamento de Aviso Prévio
Trabalhador Sem Vínculo de Emprego - Início
Trabalhador Sem Vínculo de Emprego - Alt. Contratual
Trabalhador Sem Vínculo de Emprego – Término
Desligamento
Reintegração
Exclusão de Evento

Premissas
Uma única folha de pagamento

Folha de empregados, folha da
diretoria, folha de terceiros

Parte dos eventos deverão ser
informados na data de sua
ocorrência
Importante revisar os processos
relacionados

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

7
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Interface previdenciária
Empregados

Esocial
Contrato com
Terceiros

Documentos
fiscais

Documentos
Previdenciários

As principais diretrizes legais que
regem a Previdência Social estão assim
distribuídas:
• Constituição Federal
• Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a
organização da Seguridade Social e institui seu Plano de
Custeio;
• Lei 8.213, também de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre
o Plano de Benefícios da Previdência Social;
• Decreto Nº 3.048, de 06 de Maio 1999, que regulamenta o
disposto nas Leis 8212/91 e 8213/91;
• IN 971, de 13 de Novembro de 2009, que dispõe sobre
normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação
das contribuições sociais destinadas à Previdência Social e as
destinadas a outras entidades ou fundos, administradas pela
Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB).

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

8
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

FORMAS DE CONTRATAÇÃO

EMPREGADO
(S-2200)

TIPOS DA
CONTRATAÇÃO

CONTRIBUINTE
INDIVIDUAL
(S-2600)
COOPERATIVA
DE TRABALHO
(S-1340)
CESSÃO DE MÃO
DE OBRA
(S-1310)

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

9
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Retenção de INSS sobre Nota Fiscal de Serviço
Contratação de Serviços Diversos, englobando
construção civil e as Normas de Preenchimento da
Nota Fiscal de Serviços

Contratação de MEI

 Considera-se Microempreendedor Individual (MEI) o
empresário individual a que se refere o art. 966 da
Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código
Civil, que tenha auferido receita bruta, no ano
calendário anterior, de até R$ 60.000,00 (sessenta
mil reais), optante pelo Simples Nacional e que não
esteja impedido de optar pela sistemática aqui
tratada.
 Fundamentação:
art.
18-A,
§1º
da
Lei
Complementar nº 123/2006; art. 91 da Resolução
CGSN nº 94 de 2011.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

10
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Cabe retenção sobre
pagto a MEI?

CESSÃO DE MÃO DE OBRA
Conceito extraído das seguintes legislações:
* Lei 8.212/91, art. 31, §3º;
* IN RFB nº 971/09, art. 115;
* Decreto 3.048/99, art. 219, §1º.
Cessão de mão de obra é a
colocação à disposição da
empresa contratante, em
suas dependências ou nas de
terceiros, de trabalhadores que
realizem serviços contínuos,
relacionados ou não com sua
atividade fim, quaisquer que
sejam a natureza e a forma de
contratação, inclusive por meio
de trabalho temporário.
Leiaute S-1310 e S-1320

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

11
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

DEFINIÇÕES
Art. 115, §§1º ao 3º IN nº 971/2009

Dependências de
terceiros são aquelas
indicadas pela
empresa contratante,
que não sejam as suas
próprias e que não
pertençam à empresa
prestadora dos
serviços.

Serviços contínuos são
aqueles que constituem
necessidade permanente
da contratante, que se
repetem periódica ou
sistematicamente, ligados
ou não a sua atividade fim,
ainda que sua execução
seja realizada de forma
intermitente ou por
diferentes trabalhadores.

Por colocação à
disposição da
empresa contratante,
entende-se a cessão
do trabalhador, em
caráter não eventual,
respeitados os limites
do contrato.

EMPREITADA
Art. 116 da IN
RFB nº 971/09
É a execução, contratualmente
estabelecida, de tarefa, de obra
ou de serviço, por preço
ajustado, com ou sem
fornecimento de material ou uso
de equipamentos, que podem ou
não ser utilizados, realizada nas
dependências da empresa
contratante, nas de terceiros ou
nas da empresa contratada,
tendo como objeto um resultado
pretendido.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

12
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Rol de atividades sujeitas a
retenção
Dispõe na IN 971/2009
Art. 117. Estarão sujeitos à retenção, se contratados mediante
cessão de mão-de-obra ou empreitada, observado o disposto
no art. 149
•

I – Limpeza, Conservação ou Zeladoria, que se constituam em
varrição, lavagem, enceramento ou em outros serviços destinados a
manter a higiene, o asseio ou a conservação de praias, jardins,
rodovias, monumentos, edificações, instalações, dependências,
logradouros, vias públicas, pátios ou áreas de uso comum;

•

II – Vigilância ou Segurança, que tenham por finalidade a garantia da
integridade física de pessoas ou a preservação de bens patrimoniais;

•

Os Serviços de Vigilância ou Segurança prestados por meio de
monitoramento eletrônico não estão sujeitos a retenção.

•

(...)
mais incisos acessar
http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/ins/2009/in9712009.ht
m

(...) há

Rol de atividades
sujeitas a retenção
Art. 118 - Estarão sujeitos a retenção, se contratados
mediante Cessão de Mão-De-Obra, observado o disposto no
art. 149, os serviços de:
I – Acabamento, que envolvam a conclusão, o preparo final ou a
incorporação das últimas partes ou dos componentes de
produtos, para o fim de colocá-los em condição de uso;
II – Embalagem, relacionados com o preparo de produtos ou de
mercadorias visando a preservação ou a conservação de suas
características para transporte ou guarda;
III – Acondicionamento, compreendendo os serviços envolvidos
no processo de colocação ordenada dos produtos quando do seu
armazenamento ou transporte, a exemplo de sua colocação em
palets, empilhamento, amarração, dentre outros;
(...) há mais incisos acessar
http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/ins/2009/in9712009.htm

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

13
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Rol de atividades sujeitas
a retenção
XXIII – Saúde, quando prestados por empresas da área
saúde e direcionados ao atendimento de pacientes,
tendo em vista avaliar, recuperar, manter ou melhorar o
estado físico, mental ou emocional desses pacientes;
XXIV – Telefonia ou de Telemarketing, que envolvam a
operação de centrais ou de aparelhos telefônicos ou de
tele-atendimento;
• Art. 119 - A Relação dos serviços sujeitos à
retenção é exaustiva. A Pormenorização das
tarefas compreendidas em cada um dos serviços é
exemplificativa.

COOPERATIVA DE TRABALHO (Lei
nº 12.690/2012)
Art. 1o A Cooperativa de Trabalho é regulada por esta Lei e, no que
com ela não colidir, pelas Leis nos 5.764, de 16 de dezembro de
1971, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil.
Parágrafo único. Estão excluídas do âmbito desta Lei:
I - as cooperativas de assistência à saúde na forma da legislação de
saúde suplementar;
II - as cooperativas que atuam no setor de transporte
regulamentado pelo poder público e que detenham, por si ou por
seus sócios, a qualquer título, os meios de trabalho;
III - as cooperativas de profissionais liberais cujos sócios exerçam as
atividades em seus próprios estabelecimentos; e
IV - as cooperativas de médicos cujos honorários sejam pagos por
procedimento.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

14
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

COOPERATIVA DE TRABALHO (Lei
nº 12.690/2012)
Cooperativa de trabalho: espécie do gênero cooperativa,
também denominada cooperativa de mão de obra, é a sociedade
constituída por trabalhadores para o exercício de suas atividades
laborativas ou profissionais com proveito comum, autonomia e
autogestão para obterem melhor qualificação, renda, situação
socioeconômica e condições gerais de trabalho nos termos da Lei
nº 12.690/12, art. 2º.
A empresa contratante deve recolher, juntamente com as
demais contribuições previdenciárias devidas, a custo
patronal a importância de 15% sobre o valor bruto da
nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de
serviços em relação aos serviços que lhe são prestados
por cooperados por intermédio de cooperativa de
trabalho e informar tal pagamento na GFIP.

Dispensa de retenção

– I – 11% INFERIOR AO LIMITE MÍNIMO PARA RECOLHIMENTO;
– II - CONTRATADA NÃO POSSUI EMPREGADOS + SERVIÇO
PRESTADO PESSOALMENTE PELO TITULAR OU SÓCIO + SEU
FATURAMENTO DO MÊS ANTERIOR IGUAL OU INFERIOR A 2
VEZES O LIMITE MÁXIMO DO SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CUMULATIVAMENTE
(DECLARAÇÃO)
– III – CONTRATAÇÃO ENVOLVER SOMENTE SERVIÇOS
PROFISSIONAIS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE PROFISSÃO
REGULAMENTADA POR LEGISLAÇÃO FEDERAL OU SERVIÇOS
DE TREINAMENTO E ENSINO, DESDE QUE PRESTADOS
PESSOALMENTE PELOS SÓCIOS, SEM O CONCURSO DE
EMPREGADOS OU OUTROS CONTRIBUINTES INDIVIDUAIS
(DECLARAÇÃO OU CONSIGNAÇÃO NA NOTA FISCAL)

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

15
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Cruzamento das Informações

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

16
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Da retenção na prestação de
serviços em condições especiais
• IN 971 - Art. 145. Quando a atividade dos segurados na
empresa contratante for exercida em condições especiais que
prejudiquem a saúde ou a integridade física destes, de forma
a possibilitar a concessão de aposentadoria especial após 15
(quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos de trabalho, o
percentual da retenção aplicado sobre o valor dos serviços
prestados por estes segurados, a partir de 1º de abril de
2003, deve ser acrescido de 4% (quatro por cento), 3% (três
por cento) ou 2% (dois por cento), respectivamente,
perfazendo o total de 15% (quinze por cento), 14% (quatorze
por cento) ou 13% (treze por cento).
• Parágrafo único. Para fins do disposto no caput, a empresa
contratada deverá emitir nota fiscal, fatura ou recibo de
prestação de serviços específica para os serviços prestados
em condições especiais pelos segurados ou discriminar o
valor desses na nota fiscal, na fatura ou no recibo de
prestação de serviços.

Da retenção na prestação de
serviços em condições especiais
•

•

•

Art. 146. Caso haja previsão contratual de utilização de trabalhadores na
execução de atividades na forma do art. 145, e a nota fiscal, fatura ou recibo de
prestação de serviços não tenha sido emitida na forma prevista no parágrafo
único do art. 145, a base de cálculo para incidência do acréscimo de retenção
será proporcional ao número de trabalhadores envolvidos nas atividades
exercidas em condições especiais, se houver a possibilidade de identificação dos
trabalhadores envolvidos e dos não envolvidos nessas atividades.
§ 1º Na hipótese do caput, não havendo possibilidade de identificação do
número de trabalhadores envolvidos e não envolvidos com as atividades
exercidas em condições especiais, o acréscimo da retenção incidirá sobre o valor
total dos serviços contido na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de
serviços, no percentual correspondente à atividade especial.
§ 2º Quando a empresa contratante desenvolver atividades em condições
especiais e não houver previsão contratual da utilização ou não dos
trabalhadores contratados nessas atividades, incidirá, sobre o valor total dos
serviços contido na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços, o
percentual adicional de retenção correspondente às atividades em condições
especiais desenvolvidas pela empresa ou, não sendo possível identificar as

atividades, o percentual mínimo de 2% (dois por cento).

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

17
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

OBRA E SERVIÇOS DE
CONSTRUÇÃO CIVIL

Conceito de Obra de
Construção Civil
•

Obra de construção civil
– A construção, a demolição, a reforma,
a ampliação de edificação ou qualquer
outra benfeitoria agregada ao solo ou
ao
subsolo,
vide
referencia
do
tratamento do que é obra no anexo
vii da in 971/2009

•

Empresa construtora
 Pessoa
jurídica
legalmente
constituída cujo objeto social seja
a indústria de construção civil com
registro no CREA, na forma do art.
59 da lei n. 5.194, de 1966.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

18
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Por que diferenciar
obra ou serviço?
•

Efeitos práticos
– Obra: matrícula na receita federal do
brasil. Recebe CEI utilizado em
recolhimentos e informações.
– Serviço: não sujeito á matrícula
CEI. Utiliza-se CNPJ prestador e/ou
tomador
em
recolhimentos
e
informações.
• Geralmente há retenção dos
11% de INSS na prestação de
serviço!!!

Da Base de Cálculo da
Retenção
•

EXEMPLOS DE APURAÇÃO DA BASE DE CÁLCULOS DA
RETENÇÃO
– 1- VALORES DE MATERIAIS OU DE EQUIPAMENTOS, EXCETO OS
MANUAIS, DISCRIMINADOS NO CONTRATO E NA NOTA
FISCAL NÃO INTEGRAM A BASE DE CÁLCULO DA RETENÇÃO,
DESDE QUE COMPROVADOS
– EXEMPLO 1 - NOTA FISCAL SUBEMPR./PRESTAD.
Quant. Unid. Discriminação dos Serviços
Preço Total
Material
Equipamentos
Mão de Obra

1.500,00
2.000,00
1.500,00

Retenção para a Previdência
Social : 11% de R$ 1.500,00=165,00
5.000,00

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

19
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Da Base de Cálculo da
Retenção
– 2- SEM PREVISÃO CONTRATUAL DE
FORNECIMENTO DE MATERIAL OU UTILIZAÇÃO
DE EQUIPAMENTO ( ESTE NÃO É INERENTE AO
SERVIÇO) + DISCRIMINAÇÃO NA NOTA = BASE DE
CÁLCULO VALOR BRUTO DA NOTA FISCAL


Material
Equipamento
Mão de Obra

2.000,00
4.500,00
800,00

Retenção para a Previdência
Social :
7.300,00 x 11% = 803,00

7.300,00

Do preenchimento da
Nota Fiscal
• EMISSÃO DE NOTA FISCAL DE SERVIÇO
– DESTACAR VALOR DA RETENÇÃO COM O TÍTULO DE
“RETENÇÃO PARA A PREVIDÊNCIA SOCIAL”
– NÃO ALTERAR VALOR BRUTO DA NOTA FISCAL
– OBRA: DEVE CONSTAR CEI, ENDEREÇO E NÚMERO DO
CONTRATO
– FALTA DE
INFRAÇÃO

DESTAQUE

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

DA

RETENÇÃO

CONSTITUI

20
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Registro S-1310: cessão de
mão de obra –
serviços tomados

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

21
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Registro S-1310: cessão de
mão de obra –
serviços tomados

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

22
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

eSocial - Validação Eventos na Recepção
Banco de Dados

Eventos Folha

Evento N

Sistema
Interno

Informação
Complementar

Remuneração
WS

Validar XML

Protocolo de Entrega N

Grava no BD

Usuários

REC
Contribuinte
Empregador

Totalizador
FOLHA

Rubrica
WS

Aplicativo Web

Arquivos
Originais
Cargo

-V1
- V2
- ...
-N

Função

RET
Trabalhador
Lotação

Fonte receita federal

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

23
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

eSocial - Arquitetura

Fonte receita federal

O QUE DEVO ME
PREOCUPAR ???

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

24
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Fonte receita federal

Fonte receita federal

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

25
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Fonte receita federal

 A RESPONSABILIDADE DOS ADMINISTRADORES,
CONTADORES E PREPOSTOS

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

26
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

 Capítulo III
Dos Prepostos
 Seção III
Do Contabilista e Outros Auxiliares
 "Art. 1177 - Os assentos lançados nos livros ou
fichas do preponente, por qualquer dos
prepostos encarregados de sua escrituração,
produzem, salvo de houver procedido de má-fé,
os mesmos efeitos como se o fossem por
aquele.
 Parágrafo Único - No exercício de suas funções,
os prepostos são pessoalmente responsáveis
perante os preponentes, pelos atos culposos; e,
perante
terceiros,
solidariamente
com
o
preponente, pelos atos dolosos.

 Sonegação de contribuição previdenciária:
 "Art. 337-A - Suprimir ou reduzir contribuição social
previdenciária e qualquer acessório, mediante as
seguintes condutas:
 I - omitir de folha de pagamento da empresa ou
de documento de informações previsto pela
legislação previdenciária segurados empregado,
empresário, trabalhador avulso ou trabalhador
autônomo ou a este equiparado que lhe prestem
serviços;
 II - deixar de lançar mensalmente nos títulos próprios
da contabilidade da empresa as quantias descontadas
dos segurados ou as devidas pelo empregador ou pelo
tomador de serviços;
 III - omitir, total ou parcialmente, receitas ou lucros
auferidos, remunerações pagas ou creditadas e demais
fatos
geradores
de
contribuições
sociais
previdenciárias.”

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

27
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

 Lei nº 4.729, de 14 de julho de 1965
 Define o crime
providências

de

sonegação

fiscal

e

dá

outras

 Art. 1º Constitui crime de sonegação fiscal:
 I - prestar declaração falsa ou omitir, total ou
parcialmente, informação que deva ser produzida a
agentes das pessoas jurídicas de direito público interno,
com a intenção de eximir-se, total ou parcialmente, do
pagamento de tributos, taxas e quaisquer adicionais
devidos por lei;
 II
- inserir
elementos
inexatos
ou
omitir,
rendimentos ou operações de qualquer natureza em
documentos ou livros exigidos pelas leis fiscais, com
a intenção de exonerar-se do pagamento de tributos
devidos à Fazenda Pública;
 III - alterar faturas e quaisquer documentos relativos a
operações mercantis com o propósito de fraudar a Fazenda
Pública;
 IV - fornecer ou emitir documentos graciosos ou alterar
despesas, majorando-as, com o objetivo de obter dedução
de tributos devidos à Fazenda Pública, sem prejuízo das
sanções administrativas cabíveis;

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

28
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

“As soluções para problemas
complexos só aparecem quando
múltiplos atores trabalham
juntos, unindo participação e
eficiência.”

OS PASSOS A SEREM SEGUIDOS:

“Mapeamento
atual e
proposta de
melhorias”
“Capacitação”
“Treinamento”
“Grupo de
debates”
“Workshop”

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

29
TANIA GURGEL - ESOCIAL

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

28/02/2014

30
TANIA GURGEL - ESOCIAL

28/02/2014

Da Problemática Fiscal, só enxergamos o topo , mas temos a certeza que existe
muito mais a conhecer e explorar , seus reflexos estão cada vez mais presentes nas
empresas

Os comentários e opiniões manifestados neste material, inclusive nestas lâminas, são de autoria
de Tânia Gurgel, bem como, há autorização dos autores de algumas lâminas para divulgação das
mesmas.
As aludidas manifestações têm natureza meramente informativa e educacional, ou seja, não se
referem a caso(s) concreto(s) de pessoa(s) física(s) e/ou jurídica(s) presente(s) ou ausente(s) da
palestrante. A utilização de tais manifestações, por qualquer pessoa, será feita sob sua exclusiva
responsabilidade e risco.
Dra. Tânia Gurgel não garante que autoridades em matéria contábil e/ou tributária não venham
a adotar posicionamentos diferentes dos manifestados/debatidos ao longo deste curso,
inclusive nestas lâminas.
Aos interessados em adotar procedimentos/estratégias relacionadas a um ou mais temas
debatidos neste módulo, ou mesmo fundamentá-los, recomenda-se orientação profissional
criteriosa, precedida de análise do(s) caso(s) concretos(s).
O conteúdo desta apresentação é protegido pelos direitos autorais até os limites da autoria e
criação intelectual de sua autora, sendo vedada a reprodução sem suas expressas autorizações.

PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL
SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA

31

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDO
LEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDOLEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDO
LEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDOALEXANDRE PANTOJA
 
Domm -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiários
Domm  -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiáriosDomm  -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiários
Domm -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiáriosRosemary Batista
 
Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15
Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15
Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15Claudio Figueiredo
 
Publicação diario oficial
Publicação diario oficialPublicação diario oficial
Publicação diario oficialFelpsnet
 
Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...
Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...
Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...Tania Gurgel
 
Plc 004 2015 inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002
Plc 004 2015   inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002Plc 004 2015   inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002
Plc 004 2015 inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002Claudio Figueiredo
 
E book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalE book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalmaurocesarpaesalmeid
 
Lei nº 470
Lei nº 470Lei nº 470
Lei nº 470ceceu132
 

Mais procurados (11)

LEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDO
LEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDOLEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDO
LEI 13.670/18. 'DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS'. MEMORANDO
 
Domm -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiários
Domm  -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiáriosDomm  -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiários
Domm -1539_-_15_09_15_classificação_dos_estagiários
 
Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15
Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15
Mensagem veto 029_2015 autógrafo 3.447_15
 
Publicação diario oficial
Publicação diario oficialPublicação diario oficial
Publicação diario oficial
 
Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...
Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...
Optantes simples retenção de 11% empresas de serviços de construção civil, an...
 
Plc 004 2015 inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002
Plc 004 2015   inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002Plc 004 2015   inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002
Plc 004 2015 inclui o art. 72-a na lei complementar n.º 006-2002
 
E book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacionalE book benefícios fiscais simples nacional
E book benefícios fiscais simples nacional
 
Edital FIOL preg0032017
Edital FIOL preg0032017Edital FIOL preg0032017
Edital FIOL preg0032017
 
Protocolo E - 2014-00178 - oficio - 0001-2014
Protocolo    E - 2014-00178 - oficio - 0001-2014Protocolo    E - 2014-00178 - oficio - 0001-2014
Protocolo E - 2014-00178 - oficio - 0001-2014
 
Recomendação ligações de água e luz em imóveis irregulares
Recomendação ligações de água e luz em imóveis irregularesRecomendação ligações de água e luz em imóveis irregulares
Recomendação ligações de água e luz em imóveis irregulares
 
Lei nº 470
Lei nº 470Lei nº 470
Lei nº 470
 

Semelhante a Tania gurgel e social teresina 21 2-2014-2

Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...
Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...
Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...decision-it
 
Resumo da palestra de esocial outubro_2013 1ª semana
Resumo da palestra de esocial   outubro_2013 1ª semana Resumo da palestra de esocial   outubro_2013 1ª semana
Resumo da palestra de esocial outubro_2013 1ª semana Tania Gurgel
 
Palestra e social piaui 10-2013
Palestra e social piaui 10-2013Palestra e social piaui 10-2013
Palestra e social piaui 10-2013Tania Gurgel
 
A ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasil
A ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasilA ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasil
A ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasilguest6f3978
 
LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...
LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...
LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...ALEXANDRE PANTOJA
 
EFD REINF Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia Gurgel
EFD REINF  Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia GurgelEFD REINF  Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia Gurgel
EFD REINF Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia GurgelTania Gurgel
 
Diário Oficial do Dia - 12/11/2013
Diário Oficial do Dia - 12/11/2013Diário Oficial do Dia - 12/11/2013
Diário Oficial do Dia - 12/11/2013prefeituraguaruja
 
Pinga fogo 23.02.2011 homolognet
Pinga fogo 23.02.2011   homolognetPinga fogo 23.02.2011   homolognet
Pinga fogo 23.02.2011 homolognetFeconMG
 
Contribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e CofinsContribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e CofinsTacio Lacerda Gama
 
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...FecomercioSP
 
e-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Company
e-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Companye-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Company
e-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In CompanyProf Hamilton Marin
 
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...Fabio Rodrigues de Oliveira
 
retencao previdenciaria servicos prestados por empresa - roteiro
retencao previdenciaria   servicos prestados por empresa - roteiroretencao previdenciaria   servicos prestados por empresa - roteiro
retencao previdenciaria servicos prestados por empresa - roteiroLeandro Campelo
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2Ink_conteudos
 
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015Renato Lopes da Rocha
 
04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal
04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal
04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de PessoalDebora Miceli
 

Semelhante a Tania gurgel e social teresina 21 2-2014-2 (20)

Fundamentação legal
Fundamentação legalFundamentação legal
Fundamentação legal
 
Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...
Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...
Fórum SPED Porto Alegre 2014: eSocial - enfoque na contratação de terceiros” ...
 
Resumo da palestra de esocial outubro_2013 1ª semana
Resumo da palestra de esocial   outubro_2013 1ª semana Resumo da palestra de esocial   outubro_2013 1ª semana
Resumo da palestra de esocial outubro_2013 1ª semana
 
Palestra e social piaui 10-2013
Palestra e social piaui 10-2013Palestra e social piaui 10-2013
Palestra e social piaui 10-2013
 
A ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasil
A ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasilA ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasil
A ppp como alternativa para a universalização do saneamento básico no brasil
 
LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...
LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...
LEI 13.161/2015. CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. 'DESONERA...
 
EFD REINF Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia Gurgel
EFD REINF  Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia GurgelEFD REINF  Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia Gurgel
EFD REINF Insalubridade e Periculosidade na prestação de serviço_ Tânia Gurgel
 
Diário Oficial do Dia - 12/11/2013
Diário Oficial do Dia - 12/11/2013Diário Oficial do Dia - 12/11/2013
Diário Oficial do Dia - 12/11/2013
 
Pinga fogo 23.02.2011 homolognet
Pinga fogo 23.02.2011   homolognetPinga fogo 23.02.2011   homolognet
Pinga fogo 23.02.2011 homolognet
 
Inspeção UE Brasil - Janeiro 2019
Inspeção UE Brasil - Janeiro 2019Inspeção UE Brasil - Janeiro 2019
Inspeção UE Brasil - Janeiro 2019
 
Painel | eSocial
Painel | eSocial Painel | eSocial
Painel | eSocial
 
Contribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e CofinsContribuição ao Pis e Cofins
Contribuição ao Pis e Cofins
 
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
Seminário terceirização e o STF: o que esperar? - 01092014 – Apresentação de ...
 
e-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Company
e-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Companye-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Company
e-Social - Mapeamento, Implantação, Validação - Cursos In Company
 
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
Alcance da não cumulatividade das contribuições sociais e a definição de insu...
 
retencao previdenciaria servicos prestados por empresa - roteiro
retencao previdenciaria   servicos prestados por empresa - roteiroretencao previdenciaria   servicos prestados por empresa - roteiro
retencao previdenciaria servicos prestados por empresa - roteiro
 
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
(Transformar) Aspectos Jurídicos 2
 
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
Informativo Tributário Mensal - Dezembro 2015
 
Nr – 28
Nr – 28Nr – 28
Nr – 28
 
04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal
04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal
04. Debora Miceli: DRH - Sistema de Informção e Controle de Pessoal
 

Mais de Tania Gurgel

Programa Emergencial 01_04_2020 #taniagurgel
Programa Emergencial 01_04_2020 #taniagurgelPrograma Emergencial 01_04_2020 #taniagurgel
Programa Emergencial 01_04_2020 #taniagurgelTania Gurgel
 
Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...
Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...
Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...Tania Gurgel
 
Plano de fiscalizacao 2019 #taniagurgel
Plano de fiscalizacao 2019 #taniagurgelPlano de fiscalizacao 2019 #taniagurgel
Plano de fiscalizacao 2019 #taniagurgelTania Gurgel
 
Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...
Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...
Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...Tania Gurgel
 
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...Tania Gurgel
 
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...Tania Gurgel
 
Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018
Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018
Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018Tania Gurgel
 
Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...
Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...
Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...Tania Gurgel
 
Manual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEB
Manual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEBManual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEB
Manual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEBTania Gurgel
 
Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...
Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...
Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...Tania Gurgel
 
Apresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgel
Apresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgelApresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgel
Apresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgelTania Gurgel
 
eSocial faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos #taniagurgel
eSocial    faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos  #taniagurgeleSocial    faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos  #taniagurgel
eSocial faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos #taniagurgelTania Gurgel
 
Compliance Tributário no Mundo Digital do SPED
Compliance Tributário no Mundo Digital do SPEDCompliance Tributário no Mundo Digital do SPED
Compliance Tributário no Mundo Digital do SPEDTania Gurgel
 
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpuCartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpuTania Gurgel
 
Julgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania Gurgel
Julgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania GurgelJulgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania Gurgel
Julgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania GurgelTania Gurgel
 
EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...
EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...
EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...Tania Gurgel
 
Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016
Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016
Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016Tania Gurgel
 
Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.
Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.
Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.Tania Gurgel
 
Exposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgtsExposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgtsTania Gurgel
 
Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e
Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e
Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e Tania Gurgel
 

Mais de Tania Gurgel (20)

Programa Emergencial 01_04_2020 #taniagurgel
Programa Emergencial 01_04_2020 #taniagurgelPrograma Emergencial 01_04_2020 #taniagurgel
Programa Emergencial 01_04_2020 #taniagurgel
 
Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...
Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...
Medidas do grupo de monitoramento dos impactos econômicos da pandemia do COVI...
 
Plano de fiscalizacao 2019 #taniagurgel
Plano de fiscalizacao 2019 #taniagurgelPlano de fiscalizacao 2019 #taniagurgel
Plano de fiscalizacao 2019 #taniagurgel
 
Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...
Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...
Refeições em forma de ticket incidência de INSS Resposta Cosit nº 288 de 26 d...
 
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
Ferramentas Digitais da Receita Federal 2018 e o compliance das informações #...
 
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
 
Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018
Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018
Reforma trabalhista e e social 5 principais desafios do dp em 2018
 
Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...
Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...
Plano anual de Fiscalização da Receita Federal 2018 e resultados 2017 #taniag...
 
Manual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEB
Manual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEBManual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEB
Manual DCTFWEB 2018 #TANIAGURGEL #DCTF #DARF #DCTFWEB
 
Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...
Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...
Perguntas e respostas sobre a contribuição de autonomo inss valores lançado n...
 
Apresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgel
Apresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgelApresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgel
Apresentação do Simples Nacional alterações para 2018 #taniagurgel
 
eSocial faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos #taniagurgel
eSocial    faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos  #taniagurgeleSocial    faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos  #taniagurgel
eSocial faseamento,tabelas, cronograma, eventos extemporâneos #taniagurgel
 
Compliance Tributário no Mundo Digital do SPED
Compliance Tributário no Mundo Digital do SPEDCompliance Tributário no Mundo Digital do SPED
Compliance Tributário no Mundo Digital do SPED
 
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpuCartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
Cartilha fraudes-titulos-rfb-pgfn-stn-mpu
 
Julgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania Gurgel
Julgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania GurgelJulgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania Gurgel
Julgamento pelo Carf direito de imagem Neymar por Tania Gurgel
 
EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...
EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...
EFD REINF E OS REFLEXOS NA CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS, BY TANIA GURGEL - VOCE E...
 
Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016
Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016
Tânia Gurgel e o Plano anual-de-fiscalizacao-2017-e-resultados-2016
 
Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.
Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.
Seguro responsabilidade civil, posição do STJ para os atos de administração.
 
Exposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgtsExposição de motivo mp 763 fgts
Exposição de motivo mp 763 fgts
 
Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e
Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e
Documentos Fiscais Eletrônicos para o Varejo Paulista SAT-CF-e e NFC-e
 

Tania gurgel e social teresina 21 2-2014-2

  • 1. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Professora de Pós Graduação, Advogada Tributarista, Previdenciária e Contadora. É sócia da TAF Consultoria Empresarial e Membro do Conselho da ABAT e ABDT, Membro do Conselho Consultivo da APET, Coordenadora da Comissão de SPED e Nfe da OAB/SP. Experiência de 31 anos em empresas nacionais e internacionais nas áreas de Controladoria e Tributária. Publicações de vários artigos em Jornal e Revistas sobre a indústria da construção civil, tributos e SPED (Sistema Publico de Escrituração Digital), bem como autora do livro: “eSocial você e sua empresa estão preparados?” e coautora do livro: “SPED e sistemas de informação”. Palestrante em diversas associações e entidades tais como: CRC, OAB/SP,CONFEB, CISPED, FIESP, IBC BRASIL, ANAMACO, ACOMAC, SINICESP, ABRAPE, CÂMERA AMERICANA, PETROBRAS, JOHNSONDIVERSEY, IQPC - INTERNATIONAL QUALITY & PRODUCTIVITY CENTER, EVENTO CITYSCAPE LATIN AMERICA, EVENTO ENERGY TAX FORUM, INFORMA GROUP LATIN AMERICA, IBGI INSTITUTO BRASILEIRO DE GERENCIAMENTO DA INFORMAÇÃO dentre outras instituições e in company. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA @taniagurgel tania@taf.com.br Fone:11 5524-3015 1
  • 2. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 eSocial – Uma viagem sem Volta! Como percorrê-la sem tropeços, nem quedas e, ainda tirar proveito da paisagem? Fonte da imagem Sr. Sergio Tosta FONTE da imagem: http://blog.antinovaordemmundial.com/2010/11/fim-da-internet-livre-senado-americano-aprova-lei-da-lista-negra-coica/ PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 2
  • 3. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Premissas dos órgãos no projeto PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 3
  • 4. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Objeto do eSocial • O eSocial tem por objeto, informações trabalhistas, previdenciárias, tributárias e fiscais relativas à contratação e utilização de mão de obra onerosa, com ou sem vínculo empregatício e também de outras informações previdenciárias e fiscais previstas na lei n° 8.212, de 1991. Identificadores Se pessoa jurídica será identificado pelo CNPJ Os trabalhadores terão como identificadores o CPF e o NIS, que deverão estar consistentes com o CNIS (cadastro nacional de informações sociais) Para as obras de construção civil em substituição a CEI foi criado o CNO (Cadastro Nacional de Obras), que será sempre acoplado a um CPF ou CNPJ PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA Se pessoa física será identificado pelo CPF No lugar da matrícula CEI, para as pessoas físicas foi criado o CAEPF – Cadastro de Atividades da Pessoa Física, que será um número sequencial, acoplado ao número de CPF 4
  • 5. TANIA GURGEL - ESOCIAL PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 28/02/2014 5
  • 6. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Empregadores abrangidos! Arquivos que serão enviados na eSocial PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 6
  • 7. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Arquivos que serão enviados na eSocial Código S-2100 S-2200 S-2220 S-2240 S-2260 S-2280 S-2320 S-2325 S-2330 S-2340 S-2345 S-2360 S-2365 S-2400 S-2405 S-2600 S-2620 S-2680 S-2800 S-2820 S-2900 Tabela 9 – Tipos de Arquivo da eSocial Descrição Cadastramento Inicial do Vínculo Admissão de Trabalhador Alteração de Dados Cadastrais do Trabalhador Alteração de Contrato de Trabalho Comunicação de Acidente de Trabalho Atestado de Saúde Ocupacional Afastamento Temporário Alteração de Motivo de Afastamento Retorno de Afastamento Temporário Estabilidade – Início Estabilidade – Término Condição Diferenciada de Trabalho - Início Condição Diferenciada de Trabalho - Término Aviso Prévio Cancelamento de Aviso Prévio Trabalhador Sem Vínculo de Emprego - Início Trabalhador Sem Vínculo de Emprego - Alt. Contratual Trabalhador Sem Vínculo de Emprego – Término Desligamento Reintegração Exclusão de Evento Premissas Uma única folha de pagamento Folha de empregados, folha da diretoria, folha de terceiros Parte dos eventos deverão ser informados na data de sua ocorrência Importante revisar os processos relacionados PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 7
  • 8. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Interface previdenciária Empregados Esocial Contrato com Terceiros Documentos fiscais Documentos Previdenciários As principais diretrizes legais que regem a Previdência Social estão assim distribuídas: • Constituição Federal • Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a organização da Seguridade Social e institui seu Plano de Custeio; • Lei 8.213, também de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre o Plano de Benefícios da Previdência Social; • Decreto Nº 3.048, de 06 de Maio 1999, que regulamenta o disposto nas Leis 8212/91 e 8213/91; • IN 971, de 13 de Novembro de 2009, que dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais destinadas à Previdência Social e as destinadas a outras entidades ou fundos, administradas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 8
  • 9. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 FORMAS DE CONTRATAÇÃO EMPREGADO (S-2200) TIPOS DA CONTRATAÇÃO CONTRIBUINTE INDIVIDUAL (S-2600) COOPERATIVA DE TRABALHO (S-1340) CESSÃO DE MÃO DE OBRA (S-1310) PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 9
  • 10. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Retenção de INSS sobre Nota Fiscal de Serviço Contratação de Serviços Diversos, englobando construção civil e as Normas de Preenchimento da Nota Fiscal de Serviços Contratação de MEI  Considera-se Microempreendedor Individual (MEI) o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, que tenha auferido receita bruta, no ano calendário anterior, de até R$ 60.000,00 (sessenta mil reais), optante pelo Simples Nacional e que não esteja impedido de optar pela sistemática aqui tratada.  Fundamentação: art. 18-A, §1º da Lei Complementar nº 123/2006; art. 91 da Resolução CGSN nº 94 de 2011. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 10
  • 11. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Cabe retenção sobre pagto a MEI? CESSÃO DE MÃO DE OBRA Conceito extraído das seguintes legislações: * Lei 8.212/91, art. 31, §3º; * IN RFB nº 971/09, art. 115; * Decreto 3.048/99, art. 219, §1º. Cessão de mão de obra é a colocação à disposição da empresa contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de trabalhadores que realizem serviços contínuos, relacionados ou não com sua atividade fim, quaisquer que sejam a natureza e a forma de contratação, inclusive por meio de trabalho temporário. Leiaute S-1310 e S-1320 PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 11
  • 12. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 DEFINIÇÕES Art. 115, §§1º ao 3º IN nº 971/2009 Dependências de terceiros são aquelas indicadas pela empresa contratante, que não sejam as suas próprias e que não pertençam à empresa prestadora dos serviços. Serviços contínuos são aqueles que constituem necessidade permanente da contratante, que se repetem periódica ou sistematicamente, ligados ou não a sua atividade fim, ainda que sua execução seja realizada de forma intermitente ou por diferentes trabalhadores. Por colocação à disposição da empresa contratante, entende-se a cessão do trabalhador, em caráter não eventual, respeitados os limites do contrato. EMPREITADA Art. 116 da IN RFB nº 971/09 É a execução, contratualmente estabelecida, de tarefa, de obra ou de serviço, por preço ajustado, com ou sem fornecimento de material ou uso de equipamentos, que podem ou não ser utilizados, realizada nas dependências da empresa contratante, nas de terceiros ou nas da empresa contratada, tendo como objeto um resultado pretendido. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 12
  • 13. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Rol de atividades sujeitas a retenção Dispõe na IN 971/2009 Art. 117. Estarão sujeitos à retenção, se contratados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, observado o disposto no art. 149 • I – Limpeza, Conservação ou Zeladoria, que se constituam em varrição, lavagem, enceramento ou em outros serviços destinados a manter a higiene, o asseio ou a conservação de praias, jardins, rodovias, monumentos, edificações, instalações, dependências, logradouros, vias públicas, pátios ou áreas de uso comum; • II – Vigilância ou Segurança, que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de bens patrimoniais; • Os Serviços de Vigilância ou Segurança prestados por meio de monitoramento eletrônico não estão sujeitos a retenção. • (...) mais incisos acessar http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/ins/2009/in9712009.ht m (...) há Rol de atividades sujeitas a retenção Art. 118 - Estarão sujeitos a retenção, se contratados mediante Cessão de Mão-De-Obra, observado o disposto no art. 149, os serviços de: I – Acabamento, que envolvam a conclusão, o preparo final ou a incorporação das últimas partes ou dos componentes de produtos, para o fim de colocá-los em condição de uso; II – Embalagem, relacionados com o preparo de produtos ou de mercadorias visando a preservação ou a conservação de suas características para transporte ou guarda; III – Acondicionamento, compreendendo os serviços envolvidos no processo de colocação ordenada dos produtos quando do seu armazenamento ou transporte, a exemplo de sua colocação em palets, empilhamento, amarração, dentre outros; (...) há mais incisos acessar http://www.receita.fazenda.gov.br/Legislacao/ins/2009/in9712009.htm PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 13
  • 14. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Rol de atividades sujeitas a retenção XXIII – Saúde, quando prestados por empresas da área saúde e direcionados ao atendimento de pacientes, tendo em vista avaliar, recuperar, manter ou melhorar o estado físico, mental ou emocional desses pacientes; XXIV – Telefonia ou de Telemarketing, que envolvam a operação de centrais ou de aparelhos telefônicos ou de tele-atendimento; • Art. 119 - A Relação dos serviços sujeitos à retenção é exaustiva. A Pormenorização das tarefas compreendidas em cada um dos serviços é exemplificativa. COOPERATIVA DE TRABALHO (Lei nº 12.690/2012) Art. 1o A Cooperativa de Trabalho é regulada por esta Lei e, no que com ela não colidir, pelas Leis nos 5.764, de 16 de dezembro de 1971, e 10.406, de 10 de janeiro de 2002 -Código Civil. Parágrafo único. Estão excluídas do âmbito desta Lei: I - as cooperativas de assistência à saúde na forma da legislação de saúde suplementar; II - as cooperativas que atuam no setor de transporte regulamentado pelo poder público e que detenham, por si ou por seus sócios, a qualquer título, os meios de trabalho; III - as cooperativas de profissionais liberais cujos sócios exerçam as atividades em seus próprios estabelecimentos; e IV - as cooperativas de médicos cujos honorários sejam pagos por procedimento. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 14
  • 15. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 COOPERATIVA DE TRABALHO (Lei nº 12.690/2012) Cooperativa de trabalho: espécie do gênero cooperativa, também denominada cooperativa de mão de obra, é a sociedade constituída por trabalhadores para o exercício de suas atividades laborativas ou profissionais com proveito comum, autonomia e autogestão para obterem melhor qualificação, renda, situação socioeconômica e condições gerais de trabalho nos termos da Lei nº 12.690/12, art. 2º. A empresa contratante deve recolher, juntamente com as demais contribuições previdenciárias devidas, a custo patronal a importância de 15% sobre o valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços em relação aos serviços que lhe são prestados por cooperados por intermédio de cooperativa de trabalho e informar tal pagamento na GFIP. Dispensa de retenção – I – 11% INFERIOR AO LIMITE MÍNIMO PARA RECOLHIMENTO; – II - CONTRATADA NÃO POSSUI EMPREGADOS + SERVIÇO PRESTADO PESSOALMENTE PELO TITULAR OU SÓCIO + SEU FATURAMENTO DO MÊS ANTERIOR IGUAL OU INFERIOR A 2 VEZES O LIMITE MÁXIMO DO SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CUMULATIVAMENTE (DECLARAÇÃO) – III – CONTRATAÇÃO ENVOLVER SOMENTE SERVIÇOS PROFISSIONAIS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE PROFISSÃO REGULAMENTADA POR LEGISLAÇÃO FEDERAL OU SERVIÇOS DE TREINAMENTO E ENSINO, DESDE QUE PRESTADOS PESSOALMENTE PELOS SÓCIOS, SEM O CONCURSO DE EMPREGADOS OU OUTROS CONTRIBUINTES INDIVIDUAIS (DECLARAÇÃO OU CONSIGNAÇÃO NA NOTA FISCAL) PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 15
  • 16. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Cruzamento das Informações PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 16
  • 17. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Da retenção na prestação de serviços em condições especiais • IN 971 - Art. 145. Quando a atividade dos segurados na empresa contratante for exercida em condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física destes, de forma a possibilitar a concessão de aposentadoria especial após 15 (quinze), 20 (vinte) ou 25 (vinte e cinco) anos de trabalho, o percentual da retenção aplicado sobre o valor dos serviços prestados por estes segurados, a partir de 1º de abril de 2003, deve ser acrescido de 4% (quatro por cento), 3% (três por cento) ou 2% (dois por cento), respectivamente, perfazendo o total de 15% (quinze por cento), 14% (quatorze por cento) ou 13% (treze por cento). • Parágrafo único. Para fins do disposto no caput, a empresa contratada deverá emitir nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços específica para os serviços prestados em condições especiais pelos segurados ou discriminar o valor desses na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços. Da retenção na prestação de serviços em condições especiais • • • Art. 146. Caso haja previsão contratual de utilização de trabalhadores na execução de atividades na forma do art. 145, e a nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços não tenha sido emitida na forma prevista no parágrafo único do art. 145, a base de cálculo para incidência do acréscimo de retenção será proporcional ao número de trabalhadores envolvidos nas atividades exercidas em condições especiais, se houver a possibilidade de identificação dos trabalhadores envolvidos e dos não envolvidos nessas atividades. § 1º Na hipótese do caput, não havendo possibilidade de identificação do número de trabalhadores envolvidos e não envolvidos com as atividades exercidas em condições especiais, o acréscimo da retenção incidirá sobre o valor total dos serviços contido na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços, no percentual correspondente à atividade especial. § 2º Quando a empresa contratante desenvolver atividades em condições especiais e não houver previsão contratual da utilização ou não dos trabalhadores contratados nessas atividades, incidirá, sobre o valor total dos serviços contido na nota fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços, o percentual adicional de retenção correspondente às atividades em condições especiais desenvolvidas pela empresa ou, não sendo possível identificar as atividades, o percentual mínimo de 2% (dois por cento). PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 17
  • 18. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 OBRA E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Conceito de Obra de Construção Civil • Obra de construção civil – A construção, a demolição, a reforma, a ampliação de edificação ou qualquer outra benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo, vide referencia do tratamento do que é obra no anexo vii da in 971/2009 • Empresa construtora  Pessoa jurídica legalmente constituída cujo objeto social seja a indústria de construção civil com registro no CREA, na forma do art. 59 da lei n. 5.194, de 1966. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 18
  • 19. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Por que diferenciar obra ou serviço? • Efeitos práticos – Obra: matrícula na receita federal do brasil. Recebe CEI utilizado em recolhimentos e informações. – Serviço: não sujeito á matrícula CEI. Utiliza-se CNPJ prestador e/ou tomador em recolhimentos e informações. • Geralmente há retenção dos 11% de INSS na prestação de serviço!!! Da Base de Cálculo da Retenção • EXEMPLOS DE APURAÇÃO DA BASE DE CÁLCULOS DA RETENÇÃO – 1- VALORES DE MATERIAIS OU DE EQUIPAMENTOS, EXCETO OS MANUAIS, DISCRIMINADOS NO CONTRATO E NA NOTA FISCAL NÃO INTEGRAM A BASE DE CÁLCULO DA RETENÇÃO, DESDE QUE COMPROVADOS – EXEMPLO 1 - NOTA FISCAL SUBEMPR./PRESTAD. Quant. Unid. Discriminação dos Serviços Preço Total Material Equipamentos Mão de Obra 1.500,00 2.000,00 1.500,00 Retenção para a Previdência Social : 11% de R$ 1.500,00=165,00 5.000,00 PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 19
  • 20. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Da Base de Cálculo da Retenção – 2- SEM PREVISÃO CONTRATUAL DE FORNECIMENTO DE MATERIAL OU UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTO ( ESTE NÃO É INERENTE AO SERVIÇO) + DISCRIMINAÇÃO NA NOTA = BASE DE CÁLCULO VALOR BRUTO DA NOTA FISCAL  Material Equipamento Mão de Obra 2.000,00 4.500,00 800,00 Retenção para a Previdência Social : 7.300,00 x 11% = 803,00 7.300,00 Do preenchimento da Nota Fiscal • EMISSÃO DE NOTA FISCAL DE SERVIÇO – DESTACAR VALOR DA RETENÇÃO COM O TÍTULO DE “RETENÇÃO PARA A PREVIDÊNCIA SOCIAL” – NÃO ALTERAR VALOR BRUTO DA NOTA FISCAL – OBRA: DEVE CONSTAR CEI, ENDEREÇO E NÚMERO DO CONTRATO – FALTA DE INFRAÇÃO DESTAQUE PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA DA RETENÇÃO CONSTITUI 20
  • 21. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Registro S-1310: cessão de mão de obra – serviços tomados PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 21
  • 22. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Registro S-1310: cessão de mão de obra – serviços tomados PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 22
  • 23. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 eSocial - Validação Eventos na Recepção Banco de Dados Eventos Folha Evento N Sistema Interno Informação Complementar Remuneração WS Validar XML Protocolo de Entrega N Grava no BD Usuários REC Contribuinte Empregador Totalizador FOLHA Rubrica WS Aplicativo Web Arquivos Originais Cargo -V1 - V2 - ... -N Função RET Trabalhador Lotação Fonte receita federal PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 23
  • 24. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 eSocial - Arquitetura Fonte receita federal O QUE DEVO ME PREOCUPAR ??? PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 24
  • 25. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Fonte receita federal Fonte receita federal PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 25
  • 26. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Fonte receita federal  A RESPONSABILIDADE DOS ADMINISTRADORES, CONTADORES E PREPOSTOS PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 26
  • 27. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014  Capítulo III Dos Prepostos  Seção III Do Contabilista e Outros Auxiliares  "Art. 1177 - Os assentos lançados nos livros ou fichas do preponente, por qualquer dos prepostos encarregados de sua escrituração, produzem, salvo de houver procedido de má-fé, os mesmos efeitos como se o fossem por aquele.  Parágrafo Único - No exercício de suas funções, os prepostos são pessoalmente responsáveis perante os preponentes, pelos atos culposos; e, perante terceiros, solidariamente com o preponente, pelos atos dolosos.  Sonegação de contribuição previdenciária:  "Art. 337-A - Suprimir ou reduzir contribuição social previdenciária e qualquer acessório, mediante as seguintes condutas:  I - omitir de folha de pagamento da empresa ou de documento de informações previsto pela legislação previdenciária segurados empregado, empresário, trabalhador avulso ou trabalhador autônomo ou a este equiparado que lhe prestem serviços;  II - deixar de lançar mensalmente nos títulos próprios da contabilidade da empresa as quantias descontadas dos segurados ou as devidas pelo empregador ou pelo tomador de serviços;  III - omitir, total ou parcialmente, receitas ou lucros auferidos, remunerações pagas ou creditadas e demais fatos geradores de contribuições sociais previdenciárias.” PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 27
  • 28. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014  Lei nº 4.729, de 14 de julho de 1965  Define o crime providências de sonegação fiscal e dá outras  Art. 1º Constitui crime de sonegação fiscal:  I - prestar declaração falsa ou omitir, total ou parcialmente, informação que deva ser produzida a agentes das pessoas jurídicas de direito público interno, com a intenção de eximir-se, total ou parcialmente, do pagamento de tributos, taxas e quaisquer adicionais devidos por lei;  II - inserir elementos inexatos ou omitir, rendimentos ou operações de qualquer natureza em documentos ou livros exigidos pelas leis fiscais, com a intenção de exonerar-se do pagamento de tributos devidos à Fazenda Pública;  III - alterar faturas e quaisquer documentos relativos a operações mercantis com o propósito de fraudar a Fazenda Pública;  IV - fornecer ou emitir documentos graciosos ou alterar despesas, majorando-as, com o objetivo de obter dedução de tributos devidos à Fazenda Pública, sem prejuízo das sanções administrativas cabíveis; PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 28
  • 29. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 “As soluções para problemas complexos só aparecem quando múltiplos atores trabalham juntos, unindo participação e eficiência.” OS PASSOS A SEREM SEGUIDOS: “Mapeamento atual e proposta de melhorias” “Capacitação” “Treinamento” “Grupo de debates” “Workshop” PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 29
  • 30. TANIA GURGEL - ESOCIAL PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 28/02/2014 30
  • 31. TANIA GURGEL - ESOCIAL 28/02/2014 Da Problemática Fiscal, só enxergamos o topo , mas temos a certeza que existe muito mais a conhecer e explorar , seus reflexos estão cada vez mais presentes nas empresas Os comentários e opiniões manifestados neste material, inclusive nestas lâminas, são de autoria de Tânia Gurgel, bem como, há autorização dos autores de algumas lâminas para divulgação das mesmas. As aludidas manifestações têm natureza meramente informativa e educacional, ou seja, não se referem a caso(s) concreto(s) de pessoa(s) física(s) e/ou jurídica(s) presente(s) ou ausente(s) da palestrante. A utilização de tais manifestações, por qualquer pessoa, será feita sob sua exclusiva responsabilidade e risco. Dra. Tânia Gurgel não garante que autoridades em matéria contábil e/ou tributária não venham a adotar posicionamentos diferentes dos manifestados/debatidos ao longo deste curso, inclusive nestas lâminas. Aos interessados em adotar procedimentos/estratégias relacionadas a um ou mais temas debatidos neste módulo, ou mesmo fundamentá-los, recomenda-se orientação profissional criteriosa, precedida de análise do(s) caso(s) concretos(s). O conteúdo desta apresentação é protegido pelos direitos autorais até os limites da autoria e criação intelectual de sua autora, sendo vedada a reprodução sem suas expressas autorizações. PROIBIDA A REPRODUÇÃO TOTAL OU PARCIAL SEM AUTORIZAÇÃO DA AUTORA 31