H yde Flávia Lobato Marinh o D ias
e
Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias
MÓD ULO SERVIÇO
APO STILA I
2ª Edição
Copyrigh t© 2008 by H yde Flávia Lobato Marinh o D ias e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias
Capa e Arte
Mac D onald Fe ...
RENO VAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA - BRASIL
MINISTÉRIO PARA CRIANÇAS
“Ensina a criança o cam inh o q ue e la de ve se guir e ...
ÍND ICE
Página
APRESENTAÇÃO
H yde Flávia Lobato Marinh o
INTRO D UÇÃO
H yde Flávia Lobato Marinh o
CAPÍTULO I - O Ministér...
APRESENTAÇÃO D O ED ITO R
1 CNBB. D ocum e nto de Apare cida, 226c
A Com issão de Form ação é um órgão de
asse ssoria e co...
6
7
A infância, h oje e m dia, de ve se r de stinatária de
um a ação prioritária da Igre ja, da fam ília e das
instituiçõe s...
8
9
“D e ixai vir a m im as criancinh as e não as
im pe çais’’ (Mt 19 ,14), disse Je sus aos se us discípulos. E
h oje , a q...
10
11
O bje tivo
O Ministério para Crianças visa de se nvolve r
condiçõe s ide ais de e vange lização conform e a re alidade
...
12
m inh a dor e de m inh a aflição que m e fe z falar até aqui."
H e li re sponde u: "Vai e m paz, e o D e us de Israe lt...
13
do pe cado, pois não h á autêntica ve rdade e libe rdade
que não ve nh a de D e us.
“A libe rdade é no h om e m um a fo...
14
“Ensina à criança o cam inh o q ue e la de ve se guir;m e sm o
q uando e nve lh e ce r, de le não se h á de afastar” (P...
15
e spécie s de re je ição de sde a indife re nça na fam ília, na
e scola, nas igre jas e nos grupos de oração (ch e gam
...
16
autêntica quanto m ais e quilibrada, profunda e re alfor a
e xpe riência de am or vivida já de sde a infância.
E pre ci...
17
O Ministério para Crianças de ve e struturar açõe s
e vange lizadoras a partir do Cate cism o da Igre ja
Católica, que ...
18
e vange lizadore s a re spe ito de sua fundam e ntação,
obje tivos e m étodos.
Prim e iram e nte te m os que te r claro...
19
siste m ático da Pe ssoa e da m e nsage m de Nosso Se nh or
Je sus Cristo. Na prática, porém , a cate q ue se , m ante ...
20
inte rpre tada na igre ja e ce le brada na com unidade , para
q ue , ao e sq uadrinh ar o m istério de Cristo, ajude a
...
21
Trade ndae –9 ).
Evange lizar é a m issão de todos os batizados.
Fre nte a isso, volte m os o olh ar para o nosso próxi...
22
e te m sua conclusão na ade são ao plano salvífico de
D e us. Só e m D e us e la pode se dar. Ne ste se ntido a
oração,...
23
condiçõe s de cam inh ar por si e se r capaz de dar
continuidade à vida num a condição ple na. O s fracassos
ne ste tra...
24
•Com re lação à e vange lização inse rida no
conte xto das crianças e dos adole sce nte s
Cate ch e se Trade ndae : “A ...
25
form adore s incluindo os m e ios de com unicação,
principalm e nte a TV, que fale m um a linguage m
com pre e nsíve là...
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Ministerio para crianças - apostila RCC
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ministerio para crianças - apostila RCC

3.608 visualizações

Publicada em

No plano de Deus a infância é um momento único no qual se dará a formação do carácter e da personalidade que acompanhará a criança por toda vida. A proposta do Ministério para as Crianças é implantar uma evangelização que vê a criança como capaz de dar o perfeito louvor a Deus. (Sal 8,3 e Mt 21,16), de ser modelo para jovens e adultos (Mt 18,3) e ser agentes anunciadores dignos de confiança.

Publicada em: Espiritual

Ministerio para crianças - apostila RCC

  1. 1. H yde Flávia Lobato Marinh o D ias e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias MÓD ULO SERVIÇO APO STILA I 2ª Edição
  2. 2. Copyrigh t© 2008 by H yde Flávia Lobato Marinh o D ias e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias Capa e Arte Mac D onald Fe rnande s Be rnal CIP.Brasil. Catalogação na Fonte BIBLIO TECA NACIO NAL- FUND AÇ ÃO MIGUELD E CERVANTES Flávia Lovato Marinh o D ias, H yde Ale xande r de Alm e ida Elias, Myle s Ministério para as Crianças RCC Brasil 56p. 2ª e dição. GS1 789 89 2788503 Re ligião IMPRESSO NO BRASIL Printe d in Brazil2008. Caro le itor, pe ssoas cristãs, ou sim ple sm e nte h one stas, não ne ce ssitam do jugo da le i para faze re m o que é ce rto. Pe nsando nisso, a RCC Brasile stá lh e dando cinco bons m otivos para não copiar o m ate rialcontido ne sta publicação (fotocopiar, re im prim ir, e tc), se m pe rm issão dos possuidore s dos dire itos autorais. Ei-los: 1) A RCC pre cisa do dinh e iro obtido com a sua ve nda para m ante r as obras de e vange lização que o Se nh or a te m ch am ado a assum ir e m nosso País; 2)É de sone sto com a RCC que inve stiu grande s re cursos para viabilizar e sta publicação; 3) É de sone sto com re lação aos autore s que inve stiram te m po e dinh e iro para colocar o fruto do se u trabalh o à sua disposição; 4) É um furto de nom inado juridicam e nte de plágio com punição pre vista no artigo 184 do Código Pe nalBrasile iro, por constituir violação de dire itos autorais (Le i 9 610/9 8); 5)Não copiar m ate riallite rário publicado é prova de m aturidade cristã e oportunidade de e xe rce r a santidade . D iagram ação Mac D onald Fe rnande s Be rnal Fabrizio Z andonadi Cate nassi
  3. 3. RENO VAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA - BRASIL MINISTÉRIO PARA CRIANÇAS “Ensina a criança o cam inh o q ue e la de ve se guir e m e sm o q uando for ve lh a, jam ais se de sviará de le " Pv22,6 H yde Flávia Lobato Marinh o D ias e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias "É m ais fácilde ixar-se pre gar com Cristo na cruz, do q ue tornar-se , com Ele , um a criancinh a balbuciante " Edith Ste in Contatos H yde Flávia Lobato Marinh o D ias Coorde nadora Nacionaldo Ministério para Criança da RCC Te l: (31)3247-349 7 e -m ail: h yde flavia@ h otm ail.com talitacum i@ ig.com .br Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias Te ls: (31)3462-2461 /9 183-629 1 e -m ail: m yle se lias@ yah oo.com .br “O nde não h á criança não h á Re ino de De us” Pe W illam y
  4. 4. ÍND ICE Página APRESENTAÇÃO H yde Flávia Lobato Marinh o INTRO D UÇÃO H yde Flávia Lobato Marinh o CAPÍTULO I - O Ministério para Crianças H yde Flávia Lobato Marinh o e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias CAPÍTULO II - D e se nvolvim e nto das Açõe s do Ministério para Crianças H yde Flávia Lobato Marinh o e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias CAPÍTULO III - O D e se nvolvim e nto Em ocionale Espiritualda Criança H yde Flávia Lobato Marinh o e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias CAPÍTULO IV- A Cura Inte rior da Criança H yde Flávia Lobato Marinh o e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias CAPÍTULO V- As Virtude s e o D e se nvolvim e nto Espiritualda Criança Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias CAPÍTULO VI - Brincando, Form ando e Evange lizando as Crianças Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias APÊND ICES 1. Mode lo de Proje to de Estruturação do Ministério para Crianças na Com unidade 2. A Estruturação de um Grupo de O ração para Crianças 3. A O ração com a Criança 4. Suge stõe s para a Pre gação Q ue rigm ática Adaptada à Linguage m da Criança 5. A Criança e a Palavra de D e us 6. Ce le bração D urante a Gravide z 7. Ce le bração Pre parando para o Parto 6 7 9 17 29 31 33 39 41 41 45 47 49 53 55 57
  5. 5. APRESENTAÇÃO D O ED ITO R 1 CNBB. D ocum e nto de Apare cida, 226c A Com issão de Form ação é um órgão de asse ssoria e consultoria do Conse lh o Nacionale te m a finalidade de articular e re alizar as atividade s de form ação de toda RCC do Brasile ve m dar suporte a todos m inistérios para que re alize m suas form açõe s e spe cíficas e que possam ate nde r com qualidade os grupos de oração. “Junto a um a forte e xpe riência re ligiosa e um a de stacada convivência com unitária, nossos fiéis pre cisam aprofundar o conh e cim e nto da Palavra de De us e os conte údos da fé, visto q ue e sta é a única m ane ira de am adure ce r sua e xpe riência re ligiosa”. A busca de sabe doria e do conh e cim e nto de D e us é um a constante na vida do se r h um ano. O h om e m é um se r re ligioso e na sua cam inh ada busca faze r da re ligião um e ncontro com D e us, conh e ce r D e us. A partir do e ncontro pe ssoal com Cristo e xpe rim e ntado ao re ce be r o anúncio que rigm ático, o cristão fica e ntusiasm ado e cada ve z m ais que r cre sce r no aprofundam e nto doutrinal, m oral e e spiritual. Buscando vive r a e xpe riência pe ssoaldo Batism o no Espírito Santo (ide ntidade de nosso m ovim e nto), se ntim os a ne ce ssidade de um a form ação m adura e doutrinária para não andarm os ao sopro de qualque r vã doutrina. D ando se qüência ao m ódulo básico de form ação Paulo Apóstolo, am pliado com os três e ncontros de form ação h um ana, cada m inistério na RCC te m a re sponsabilidade de aplicar sua form ação e spe cífica, naquilo que é im portante para o funcionam e nto do m e sm o. E e sta de ve se r siste m ática, adaptada à capacidade dos se us m e m bros para que todos possam re sponde r cada ve z m ais a razão de sua fé. Um a boa form ação é a garantia da vida e da força de cada m inistério se ndo, portanto, a guardiã dos carism as. A falta de com pre e nssão e conse qüe nte m e nte não assum ir o cam inh o da form ação com e m pe nh o e de dicação têm causado de svios, apatias e até m e sm o abandono da RCC e da Igre ja. H á, portanto, um a ne ce ssidade inconte stáve lde que as lide ranças e os m e m bros da RCC não re sistam à form ação, m as a busque m ince ssante m e nte , para pe rm ane ce re m no cam inh o de santidade e se rviço. Re ssaltam os, ainda, que os m inistérios são instâncias de se rviço do grupo de oração, da dioce se , do e stado, e tc. Cabe a e le s e stim ular e ince ntivar a form ação, porém não têm e le s autonom ia de de cisõe s, de ve ndo se re portar para orie ntaçõe s e de cisõe s se m pre ao coorde nador do grupo de oração/dioce sano/e stado, de pe nde ndo da e sfe ra. O s m inistérios não pode m criar coorde naçõe s parale las, pois cabe ao coorde nador do GO , da dioce se ou do e stado o disce rnim e nto e pastore io dire to dos se rvos. Aos re sponsáve is pe los m inistérios e m qualque r e sfe ra cabe a form ação e spe cífica do m e sm o. Conscie nte s da im portância da form ação e que e sta não pode e star se parada de um a vida de oração, pe rm ane çam e m Ce náculo para um pe re ne Pe nte coste s. Nossa Se nh ora se de da Sabe doria, rogai por nós Com issão Nacionalde Form ação
  6. 6. 6
  7. 7. 7 A infância, h oje e m dia, de ve se r de stinatária de um a ação prioritária da Igre ja, da fam ília e das instituiçõe s do Estado, tanto pe las possibilidade s que ofe re ce com o pe la vulne rabilidade a que se e ncontra e xposta. A crianças são dons e sinalda pre se nça de D e us e m nosso m undo por sua capacidade de ace itar com sim plicidade a m e nsage m e vangélica. Je sus as e scolh e u com e spe cial te rnura (cf Mt19 ,14), e apre se ntou a capacidade que e las têm para acolh e r o Evange lh o com o m ode los para e ntrar no Re ino de D e us (cfMt18,3)(D ocum e nto de Apare cida 438). Nos dire itos m undiais da Criança e ncontram os: Em caso de e m e rgência prim e iro salve m as crianças. E quando nossa Igre ja diz se r a criança PRIO RID AD E talve z se ja para nós um a ale rta de que o m undo e ste ja e m situação de e m e rgência. No te m po de D om Bosco a e vange lização de criança e ra pre ve ntiva, h oje e stam os trabalh ando no re sgate , pre cisam os re sgatar a criança e sua infância para não corre rm os o grande risco de pe rde r nosso MO D ELO PARA ENTRAR NO REINO D E D EUS. Entre a criança “se r de scartáve l” e m laboratórios de pe squisa ge nética e a criança D O M E SINAL D A PRESENÇ A D E D EUS EM NO SSO MUND O h á um longo cam inh o de e vange lização. Louvado se ja D e us pe la CAPACID AD E da criança D E ACO LH ER O EVANGELH O CO M SIMPLICID AD E. A e xe m plo de São D om ingos Sávio, santa Inês, santa Be rnade te e tantos outros santos crianças, o m e nino e a m e nina de h oje são capaze s de anunciar o Re ino e de nunciar o pe cado. O m undo já de scobriu o pode r de pe rsuasão da criança se ndo sua pre se nça obrigatória nos program as de TV, nas cam panh as publicitárias com o age nte s transform adore s e anunciadore s e nós Igre ja tam bém : Valorizar a capacidade m issionária dos m e ninos e m e ninas que não só e vange lizam se us próprios com panh e iros, m as que tam bém pode m se r e vange lizadore s de se us próprios pais. D A441,g APRESENTAÇÃO H yde Flávia Coorde nadora Nacionaldo Ministério para Crianças
  8. 8. 8
  9. 9. 9 “D e ixai vir a m im as criancinh as e não as im pe çais’’ (Mt 19 ,14), disse Je sus aos se us discípulos. E h oje , a que m Ele diria isto? Talve z aos pais e padrinh os que prom e te m num a pia batism al dar um a form ação católica para suas crianças e não cum pre m . Talve z aos form adore s e re sponsáve is pe la e vange lização nas paróquias que não prom ove m a ade são a Je sus afastando a criança da vida sacram e ntal. Talve z às e scolas católicas quando não transm ite m a fé e os valore s cristãos. Talve z àque le s que não pe rce be m a criança nas com unidade s, nos e ncontros e nos grupos de oração e de ixam de inve stir na sua e vange lização. Talve z aos que dize m “criança é o futuro” e se ach am no dire ito de ignorar a criança e suas obrigaçõe s para com e la. Talve z quando a fam ília, a e scola e a igre ja transfe re m e ntre si a re sponsabilidade de form ar a criança na fé cristã. O que pe nsa da criança Je sus e Maria? Je sus nos m ostra o cam inh o inve rso, e m ve z de dize r a criança: “você é o futuro”, Ele diz aos adultos: “Torna-te um a criança para e ntrare s no re ino dos céus’’ (Mc 10,15). No plano de D e us a infância é um m om e nto único onde se dará a form ação do caráte r e da pe rsonalidade que irá acom panh ar toda um a vida e a Palavra de D e us prom e te : "Ensina a criança o cam inh o q ue e la de ve se guir e m e sm o q uando ve lh a jam ais se de sviará de le "(Pv22,6). O Cate cism o da Igre ja Católica diz: "A e ducação da consciência é um a tare fa de toda a vida. De sde os prim e iros anos, ale rta a criança para o conh e cim e nto e a prática da le i inte rior re conh e cida pe la consciência m oral. Um a e ducação prude nte e nsina a virtude , pre se rva ou cura do m e do, do e goísm o e do orgulh o, dos se ntim e ntos de culpabilidade e dos m ovim e ntos de com placência, nascidos da fraq ue za e das faltas h um anas. A e ducação da consciência garante a libe rdade e ge ra a paz no coração” (CIC 1784). Este é o grande salto que o Ministério para Criança ve m im plantar. A e vange lização que vê a criança capaz de dar o pe rfe ito louvor a D e us (Sal8,3 e Mt 21,16), m ode lo para jove ns e adultos (Mt 18,3) e age nte s anunciadore s dignos de toda confiança com o nos e nsinou Maria e m Lourde s e Fátim a e nos e nsina o Papa ao confiar à criança a salvação de suas fam ílias e de todas as fam ílias do m undo (Carta do Papa às Crianças) e nós dize m os: Am ém ! INTRO D UÇÃO H yde Flávia A paz do Me nininh o Je sus!
  10. 10. 10
  11. 11. 11 O bje tivo O Ministério para Crianças visa de se nvolve r condiçõe s ide ais de e vange lização conform e a re alidade da infância. Pre cisam os com pre e nde r a criança com o pe ssoa e m form ação, com capacidade s que pre cisam se r de se nvolvidas, e stim uladas, organizadas e e struturadas e m todos níve is, a sabe r: físico, m e ntal, e m ocionale e spiritual. Este s níve is são inte rligados e re pre se ntam os pilare s sobre os quais o h om e m se apóia da infância ao fim de sua vida. O Ministério para Crianças busca ate nde r o ch am ado para a construção da e vange lização que conduzam a infância e m dire ção à ple nitude anunciada por Cristo. Evange lizando crianças, e ste m inistério priorizará proje tos que vise m : · Re sgatar a de sce ndência e le ita: form ar a consciência da com unidade cristã a re spe ito da infância, quanto às suas ne ce ssidade s sociais, e m ocionais e e spirituais; · Faze r com que a criança se ja ouvida: e stabe le ce r critérios de e vange lização ade quados para o ace sso da criança à m e nsage m anunciada por Cristo; · Ach ar o lugar da criança: orie ntar e asse ssorar açõe s de e vange lização e spe cíficas para as crianças que re staure m a sua ide ntidade cristã. Me tas · Evange lizadora: ade quar o anúncio que rigm ático à re alidade e condição da criança. · Missionária: ir onde a criança e stive r. · Form adora: dar form ação à criança e a que m a e vange liza. Justificativa A re alidade da infância pre cisa se r clara para pais, casais ge stante s, doce nte s, cate quistas, m onitore s, m inistérios, pastorais, de ntre outros, pois o alice rce e struturado ne sta fase acom panh a a vida cristã e m toda um a a e xistência. Nos pre ocupam os com as se qüe las, os “e spinh os na carne ”, que flage lam e m dive rsos níve is da vida cristã, as quais te m sua orige m , e m quase toda sua totalidade , na infância à idade adulta e que pe rm ane ce m sob dive rsas form as de sofrim e nto de sde a falta de e ntre ga, com o e xpre ssão de um a fé bloque ada e e spe rança lim itada, se m com pre e nde r a razão de ssa de ficiência. A infância re le gada conduz às lim itaçõe s do adulto no re lacionam e nto com os irm ãos, com a com unidade e com D e us. O Ministério para Crianças te m por m issão ge rar a consciência de toda com unidade a re spe ito da infância. Ge rar é form ar, de se nvolve r, se nsibilizar, conscie ntizar e cuidar. Visa ofe re ce r subsídios re alm e nte ade quados às suas ne ce ssidade s e capacidade de com pre e nsão, para darm os às crianças as condiçõe s para construir, de sde ce do, um re lacionam e nto íntim o com D e us. Um a consciência ple na sobre a infância é a condição para o de se nvolvim e nto dos m e ios de e vange lização. Se m consciência não h á com pre e nsão e se m se r com pre e ndida, não h á m étodo que le ve a criança à fé. A criança foi flage lada durante m ilênios por se r conside rada um adulto e m m iniatura, até na arte e ra re tratada de ssa form a. O s e fe itos a h um anidade de m onstra e m vários tipos de intole rância. Atitude s dos que não conse gue m com pre e nde r a si, ao outro e a D e us e se tornam incapaze s de am ar e pre se rvar a criança. Se m a e vange lização, nas dim e nsõe s que rigm ática e cate quética, não aconte ce o e ncontro pe ssoalcom D e us Pai, Filh o e Espírito Santo, e conse qüe nte m e nte a cura, a libe rtação e o cre scim e nto da fé não ocorre m dificultando assim o am ar e o se r um com Cristo, e m ais, im pe de que se re alize na vida de cada um a Sua proposta de Salvação. O ch am ado do Ministério para Crianças é e vange lizar. É le var o anúncio e vangélico sobre a criança aos pais, cate quistas e m inistérios, aprofundando na com pre e nsão de suas ne ce ssidade s e capacidade s, cognitivas, e m ocionais e e spirituais, para suscitarm os as e xpe riências de am or e vida no se u cam inh o rum o ao Pai. H istória de Sam ue l Elcana e ra casado com Ana que e ra e stéril(I Sm 1,5). Um dia no Te m plo Ana ch orava suplicando a D e us o dom da m ate rnidade . O sace rdote H e li ach ou que Ana e stava bêbada e foi ch am ar sua ate nção. "Não é assim , m e u se nh or, re sponde u Ana, e u sou um a m ulh e r aflita;não be bi ne m vinh o, ne m álcool, m as de rram o a m inh a alm a na pre se nça do Se nh or. Não tom e s a tua e scrava por um a pe ssoa frívola, porque é a grande za de O MINISTÉRIO PARA CRIANÇAS Capítulo I H yde Flávia Lobato Marinh o e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias
  12. 12. 12 m inh a dor e de m inh a aflição que m e fe z falar até aqui." H e li re sponde u: "Vai e m paz, e o D e us de Israe lte conce da o que lh e pe de s." Não é e sta a m issão dos e vange lizadore s de criança transform ar afliçõe s e m e spe rança? Ana consagra se u filh o a D e us, na ve rdade a vocação de Sam ue lcom e ça com a vocação de sua m ãe á m ate rnidade . Assim de pois de um ano Ana se apre se nta no te m plo com se u filh o no colo. Q uando é de sm am ado Ana le va Sam ue lpara m orar com H e li, que e scolh e o lugar m ais sagrado do Te m plo para Sam ue l dorm ir e lh e dá um a m issão, a de m ante r ace sa a ch am a do fogo que h avia caído do céu. Não é e sta a m issão de cada criança m ante r ace ssa a ch am a do am or e m se us lare s? Não é e sta a m issão dos e ducadore s re se rvar o lugar m ais sagrado para a criança? Um a ve z por ano Ana te cia um a túnica e le vava para Sam ue l. A túnica se m pre ficava pe que na. O s pais nunca ach am que se us filh os cre sce ram . Não se ria o pape ldo e vange lizador ale rtá-los? A voz de D e us h á m uito te m po não e ra ouvida. "O s filh os de H e li e ram m aus;não conh e ciam o Se nh or" (I Sm 2,12) dife re nte do m e nino Sam ue lque “cre scia na com panh ia do Se nh or", (I Sm 2,21b). Je sus tam bém cre scia e m sabe doria e graça diante de De us e dos h om e ns. Um dia e stava Sam ue ldorm indo quando e scutou ch am ar se u nom e . Corre u até H e li pe nsando que e le o ch am ava. H e li pe diu a Sam ue lque voltasse a se de itar. "Pe la te rce ira ve z o Se nh or ch am ou Sam ue l, que se le vantou e foi te r com H e li: Eis m e aqui, tu m e ch am aste . Com pre e nde u e ntão H e li que e ra o Se nh or que m ch am ava o m e nino e disse : Vai e torna a de itar-te disse -lh e e le , e se ouvire s que te ch am a de novo, re sponde : Falai, Se nh or que vosso se rvo e scuta!” (I Sm 3,10). E assim fe z o m e nino. D e sde e ntão a voz de D e us passou a se r ouvida e anunciada pe lo Profe ta Sam ue l. Não se ria o pape ldo e vange lizador de Criança e nsinar a distinguir a voz de De us da voz dos h om e ns? A Consciência Cristã A consciência cristã de se nvolve -se . Me sm o se m o ple no conh e cim e nto de D e us e se u proje to de salvação vam os aos poucos rom pe ndo as se qüe las do pe cado originale firm ando no cam inh o dado pe lo Se nh or Je sus. Se h á um de se nvolvim e nto, te m os que pe nsar nas condiçõe s que pre cisam e xistir para que e le ocorra. Isso nos ch am a a ate nção de que tais condiçõe s proporcionarão níve is de de se nvolvim e nto, ou profundidade , conform e a sua qualidade , inte nsidade e de vido acom panh am e nto. “D e sde a prim e ira infância até ao lim iar da m aturidade , a cate que se torna-se pois um a e scola pe rm ane nte de fé e se gue as grande s linh as da vida, à m ane ira de um farolque ilum ina o cam inh o da criança, do adole sce nte e do jove m ” (Exortação apostólica Cate ch e si Trade ndae , 37). O Cate cism o da Igre ja Católica, no título “A Form ação da Consciência” (CIC 1784), nos traz o se guinte : “A e ducação da consciência é um a tare fa de toda a vida. De sde os prim e iros anos ale rta a criança para o conh e cim e nto e a prática da le i inte rior re conh e cida pe la consciência m oral. Um a e ducação prude nte e nsina a virtude , pre se rva ou cura do m e do, do e goísm o e do orgulh o, dos se ntim e ntos de culpabilidade e dos m ovim e ntos de com placência, nascidos da fraq ue za e das faltas h um anas. A e ducação da consciência garante a libe rdade e ge ra paz no coração”. Pre cisam os com pre e nde r a nossa re sponsabilidade no cuidado com o próxim o de sde a form ação da fam ília, na conce pção dos filh os, no acom panh am e nto de se u cre scim e nto até sua m aturidade . Som os ch am ados a e vange lizar, a form ar a consciência da de sce ndência, a apre se ntar o am or últim o do nosso Pai, que nos ch am a a form ar com Ele a aliança e te rna. Na Carta e ncíclica Fide s e t Ratio (Fé e Razão), o Papa João Paulo II apre se nta tais dim e nsõe s da e xistência h um ana dize ndo que “constitue m com o q ue as duas asas pe las q uais o e spírito h um ano se e le va para a conte m plação da ve rdade . Foi De us q ue m colocou no coração do h om e m o de se jo de conh e ce r a ve rdade e , e m últim a análise , de conh e ce r a e le , para q ue , conh e ce ndo-o e am ando-o, possa ch e gar tam bém à ve rdade ple na sobre si próprio” (Ex. 33,8;Sl27/26, 8-9 ;63/62, 2-3;Jo 14,8;IJo 3,2). “Conh e ce re is a ve rdade e a ve rdade vos libe rtará” (Jo 8, 32) “Eu sou a luz do m undo;aq ue le q ue m e se gue não andará e m tre vas, m as te rá a luz da vida” (Jo 8, 12) E ainda o Papa cita a inscrição “Conh e ce -te a Ti Me sm o”, nos dize ndo que ”tanto no O rie nte com o no O cide nte , é possíve le ntre ve r um cam inh o q ue , ao longo dos séculos, le vou a h um anidade a e ncontrar-se progre ssivam e nte com a ve rdade e a confrontar-se com e la. É um cam inh o q ue se re alizou –ne m podia se r de outro m odo –no âm bito da autoconsciência pe ssoal: q uanto m ais o h om e m conh e ce a re alidade e o m undo, tanto m ais conh e ce a si m e sm o na sua unicidade , ao m e sm o te m po e m q ue ne le se torna cada ve z m ais pre m e nte a q ue stão do se ntido das coisas e da sua própria e xistência. O q ue ch e ga a se r obje to do nosso conh e cim e nto torna-se por isso m e sm o parte da nossa vida” (Carta e ncíclica Fide s e tRatio 1). Ve m os aqui o ch am ado a cuidar e form ar com o a e xpre ssão de am or na vida cristã, te ndo com o m e ta ajudar o irm ão a conh e ce r a ve rdade ace rca de si próprio e do Se nh or da Vida, para a libe rtação do jugo
  13. 13. 13 do pe cado, pois não h á autêntica ve rdade e libe rdade que não ve nh a de D e us. “A libe rdade é no h om e m um a força de cre scim e nto e am adure cim e nto na ve rdade e na bondade . A libe rdade alcança sua pe rfe ição q uando e stá orde nada para De us, nossa be m -ave nturança” (CIC 1731) Som e nte pe lo cam inh o nos dado por Je sus Cristo pode m os se r livre s. Ple nitude da im age m e se m e lh ança com o Pai, e is o obje tivo que de ve m os buscar alcançar pe lo Se nh or na cam inh ada de nossas vidas. Nossas vidas são ch e ias de e xpe riências do Re ino e do m undo, da graça e do pe cado, e no cam inh ar pre cisam os a cada m om e nto faze r e scolh as. D e cidir com sabe doria re que r alice rce s firm e s, calcados no am or ve rdade iro pe la vida nos dada pe la graça do Se nh or. São ne sse s m om e ntos que nos de param os com as ince rte zas, dúvidas, m e dos e te rrore s, que se re avivam de e xpe riências sote rradas de de sam or, do de sam or sob as m ais dive rsas form as de apre se ntação das se qüe las do pe cado. “A libe rdade se e xe rce no re lacionam e nto e ntre os se re s h um anos. Toda pe ssoa h um ana, criada à im age m de De us, te m o dire ito naturalde se r re conh e cida com o se r livre e re sponsáve l” (CIC 1738) Jam ais duvide , a criança é capaz de com pre e nde r o anúncio e vangélico. A e fusão do Espírito Santo de ve aconte ce r de sde a prim e ira infância. A e xpe riência do am or incondicionalde D e us faz a criança se ntir-se am ada, ace ita e com pre e ndida ve nce ndo o m e do e a culpa. A criança pre cisa conh e ce r o am or ilim itado de D e us. “Eu sou o cam inh o, a ve rdade e a vida, ninguém ve m ao Pai se não por m im ” (Jo 14,6). O am or só é ple no e m Cristo. D aí o de sam or pode se r conside rado toda form a de bilitada de cuidar, e nsinar, ate nde r, e scutar ou falar. A proposta que o Se nh or nosso D e us faz é de um a vida de graça, da ve rdade e do am or re ve lado a nós pe la e ncarnação, paixão e m orte de se u Filh o. Absolutam e nte ninguém pode ir além , am ar com m aior profundidade e propor um a ple nitude m ais abrange nte e ve rdade ira. Em virtude de sua alm a e de se us pode re s e spirituais de inte ligência e vontade , o h om e m é dotado de libe rdade , “sinale m ine nte da im age m de De us” (CIC 1705 –GS17) Cre sce r e m um am bie nte totalm e nte prote gido nos alie na, a de sprote ção nos de sum aniza. Na libe rdade se form a cristãos pe nsante s de consciência crítica, capaz de m udar a socie dade e a re alidade com os valore s cristãos. O s santos tinh am consciência do m undo a sua volta, e ram cie nte s do be m e do m ale sabiam avaliar be m as conse qüências de suas atitude s e de cisõe s. Je sus e ra tão livre que podia dize r não a sua própria vontade . Com o a criança pe rce be D e us?Q uais os sinais do am or de D e us para a criança?A idéia de D e us é passada para a criança pe que na por aquilo que é re ale se nsíve la e la. O prim e iro sinalde D e us são os pais. Ela conce be a idéia de D e us pai, D e us m ãe , pe la e xpe riência que vive com o filh o. Se os pais são tiranos, D e us se rá h ostil. Se os pais não pe rm itire m a libe rdade , D e us é opre ssor. Se os pais fore m fe ch ados, D e us é inace ssíve l. Se os pais fore m se ve ros, D e us é vingador. Um D e us apagado é h e rde iro de pais se m autonom ia. "O pape ldos pais na e ducação é tão im portante q ue é q uase im possíve lsubstituí-los. O dire ito e o de ve r de e ducação são prim ordiais e inalie náve is para os pais” (CIC 2221) O se gundo sinalsão os laços afe tivos. A criança de ve e star unida aos outros por um a re lação de am or. A idéia de D e us é m arcada na criança m uito m ais pe lo afe to, do que pe lo inte le cto, m ais pe la e m oção (do re lacionam e nto), do que pe la noção do e nsinam e nto, m ais pe lo que a asse m e lh a a D e us do que pe lo que de form a e sta se m e lh ança. "O progre sso e spiritualte nde à união se m pre m ais íntim a com Cristo” (CIC 2014) O te rce iro sinalé o clim a fam iliar. A fé da criança se de se nvolve num clim a de paz, que não ignora os conflitos; num clim a de se gurança porque não de scarta o m e do;num clim a e m que a e xigência que conduz aos ge stos de pe rdão, e disciplina te m se u e spaço porque é condição para libe rdade . Nisso a criança pode e ntre ve r um pouco a m ane ira de se r de D e us. “A e xpe riência da vida e m fam ília pode alim e ntar as disposiçõe s afe tivas q ue por toda a vida constituirão autênticos pre âm bulos e apoios de um a fé viva” (CIC - 2225) Sobre a cate que se na prim e ira infância: “Mom e nto m uitas ve ze s de cisivo é aq ue le e m q ue as criancinh as re ce be m dos pais e do m e io am bie nte fam iliar os prim e iros e le m e ntos da cate q ue se ... m ais do q ue um a sim ple s re ve lação do Pai ce le ste ... para o q ualas criancinh as h ão de apre nde r logo a voltar o coração. Bre víssim as oraçõe s, q ue e las h ão de apre nde r a balbuciar, constituirão o início de um diálogo am oroso com e sse De us e scondido cuja Palavra vão com e çar e m bre ve a ouvir. Nunca é de m ais insistir com os pais cristãos para q ue façam e ssa iniciação pre coce das crianças. É por e la q ue as suas faculdade s h ão de se r inte gradas num a re ve lação vitalcom De us. Tare fa fundam e ntal, e xige grande am or e profundo re spe ito para com as crianças, as q uais, têm dire ito a um a apre se ntação sim ple s e ve rdade ira da fé cristã” (Exortação apostólica Cate ch e se Trade ndae ,36). O quarto sinal é a conte m plação da nature za. A nature za te m o pode r de e vocar e xpe riência de êxtase , e le vação, re ve rência, m agnitude e silêncio que são atitude s dos m ísticos. D e us se e sque ce u na nature za. Conte m plar é usar a nature za para e ncontrar-se com se u Criador.
  14. 14. 14 “Ensina à criança o cam inh o q ue e la de ve se guir;m e sm o q uando e nve lh e ce r, de le não se h á de afastar” (Pv22, 6) O quinto sinalé o e spírito de oração, não é a form ula da oração, m as a form a com que é fe ita, e voca significado, unção, re spe ito e o silêncio com o sinalde D e us. “Q uanto m ais praticar o be m , m ais a pe ssoa se torna livre ” (CIC 1733) Esse s sinais são um cam inh o na graça e para a graça no qualpais, fam ília e e vange lizadore s de ve m se e m pe nh ar, e m ofe rta ao Se nh or pe lo dom re ce bido. A graça ve m e xclusivam e nte de D e us e se m e la não h á e vange lização. O Cate cism o faz a se guinte re fe rência: “A graça de Cristo é o dom gratuito q ue De us nos faz de sua vida infundida pe lo Espírito Santo e m nossa alm a, para curá-la do pe cado e santificá-la; trata-se da graça santificante ou de ificante , re ce bida no Batism o. Em nós e la é a fonte da obra santificadora”, e ainda “A pre paração do h om e m para acolh e r a graça é já um a obra da graça. Esta é ne ce ssária para suscitar e m ante r nossa colaboração na justificação pe la fé e na santificação pe la caridade . De us acaba e m nós aq uilo q ue Ele m e sm o com e çou, pois com e ça, com a sua inte rve nção, faze ndo com q ue nós q ue iram os e acaba coope rando com as m oçõe s da nossa vontade conve rtida” (CIC 2001). D e us dispõe sua graça de sde a conce pção, portanto, é possíve lque a criança te nh a a vida na graça, h aja vista que “A vocação para a vida e te rna é sobre natural. De pe nde inte gralm e nte da iniciativa gratuita de De us, pois ape nas Ele pode se re ve lar e dar-se a si m e sm o. Ultrapassa as capacidade s da inte ligência e as forças da vontade do h om e m , com o tam bém de q ualq ue r criatura” (CIC 19 9 8), à m e dida que D e us a re ve la, a criança se torna capacitada por Ele a faze r sua opção de sde a infância. O Se nh or que r que cam inh e m os num a com unh ão profunda. É na com unidade que se re aliza o Re ino, a graça, a virtude , o fruto do Espírito. O Se nh or que r que apre se nte m os a sua face , e não h á com o faze r isto a não se r que se jam os a sua Sagrada Face . O m e u irm ão pre cisa ve r e m m im re fle tida a face do Se nh or, a nossa Be m -Ave nturança. Este é o te ste m unh o que conve rte , cura e libe rta. Porém o dam os à m e dida tam bém daquilo que é a ve rdade do Se nh or e m nós. “O fe rro com o fe rro se aguça, e o h om e m afina-se ao contato com os outros” (Pr 27, 17) “Assim com o o rosto se re fle te na água, assim o coração do h om e m re sponde ao h om e m ” (Pr 27, 19 ) As notas e m dive rsas ve rsõe s sobre os ve rsículos acim a apontam para o conh e cim e nto autêntico de si com o base para conh e cim e nto do outro, e com o e ste se m pre traz, m e sm o que às ve ze s quase im pe rce ptíve l, um re fle xo de nós próprios. Som os ch am ados, m e u irm ão e m inh a irm ã, a se rm os um re fle xo vivo do Se nh or para cada um de nossas fam ílias e com unidade s, e m uito m ais para as crianças, pois e ste é não só o prim e iro, m as o constante sinalna form ação da sua auto-im age m e do se u auto- conce ito, caso contrário e stare m os indo contra o que o Se nh or nos orde na: “De ixai vir a m im as criancinh as, não as afaste is, pois a e las pe rte nce o Re ino de De us” (Mc 10, 14) Pre cisam os re sgatar a criança, pe rm itir que se ja de sbloque ado o cam inh o, ajudá-la a conh e ce r e dize r SIM ao Se nh or e NÃO ao pe cado e sua se qüe las. Cre ia! As crianças que você e vange liza pode m e scolh e r! Na Constituição D ogm ática De i Ve rbum e stá e scrito: “o h om e m , por sua nature za e vocação é 'capaz de D e us', quando ouve a m e nsage m das criaturas, pode atingir a ce rte za da e xistência de D e us com o causa e fim de tudo e que Ele pode se re ve lar ao h om e m (D V 3)”. Não e stá e scrito que “o adulto” é capaz de D e us, m as sim que “o h om e m ” e m toda a sua e xistência! Se assim não fosse Sam ue lnão ouviria a voz de D e us e João Batista não saltaria no se io e m júbilo por re conh e ce r o Se nh or! A criança é capaz de D e us, é apontada por Je sus com o m ode lo para se ch e gar ao céu e e scolh ida por Maria e m Lourde s e Fátim a com o m e nsage ira. "O pe rfe ito louvor vos é dado pe las crianças m ais pe q ue ninas"(Sl8,3) Crianças age nte s transform adore s de sua re alidade . Cre ia nisto e ve rá o que o Se nh or te m fe ito para as crianças e por m e io de las, e nós e stam os aqui para te ste m unh ar. O Conte xto Atual Vive m os na atualidade um a crise que apre se nta o de se spe ro do h om e m afastado de D e us. A alie nação de si, do outro e de D e us é a orige m da violência de todas as e spécie s. O h om e m te m re corrido às suas próprias forças para supe rar ge rando um ciclo que se re troalim e nta e gradativam e nte continua a afastá-lo de D e us. As políticas ve rsam cada ve z m ais sobre o m ode los que inte gram inúm e ras soluçõe s h um anas, fe ch adas e m si, do h om e m pe lo h om e m , ne gando o anúncio de Cristo. E pe nsar que som os te m plo onde o Espírito de D e us h abita. Ve m os as e scolas prom ove ndo a asce nsão de políticas pe dagógicas de dicadas a um a form ação e m contrária ação ao cristianism o, ao e cum e nism o, ao diálogo inte r-re ligioso, num a clara ace pção ate ísta, de valoração da capacidade pe ssoalcom o fim últim o do h om e m . Política é o be m com um e e ducar é "tirar de de ntro"a ple nitude do se r criado por D e us, pre cisam os re sgatar para D e us a política e o e ducar. Je sus ale rtou aos se us se guidore s: Se vocês se calare m as pe dras clam arão. Na socie dade as crianças têm sido obje to de agre ssõe s caracte rizadas pe la ne gação de suas ne ce ssidade s básicas, pe las várias
  15. 15. 15 e spécie s de re je ição de sde a indife re nça na fam ília, na e scola, nas igre jas e nos grupos de oração (ch e gam pe dir que tire m as crianças porque e las "atrapalh am ") até o abandono de re cém -nascidos, e xploração se xual, tráfico de órgãos e m orte . Nossas crianças e stão suje itas a sutis ou claras açõe s anticristãs, m as o re sgate autêntico da não violência pe rpassa pe los valore s cristãos. O re sultado e stá tam bém e vide nte na asce nsão de todos os m ale s. O h om e m vive sob um conjunto de condiçõe s e xtre m am e nte opre ssivas á sua cam inh ada para a ple nitude . A vida por si só não alcança se u se ntido últim o. O h om e m se m a consciência de D e us se nte que suas forças se e svae m , torna-se im pote nte . O cristão e stá suje ito a tudo isto não pe la ausência de fé, m as pe los lim ite s que e sta fé alcança. Minh a distância de Cristo é a distância que te nh o do irm ão, quando torno-m e se guidam e nte age nte prom otor do am or ao irm ão, e sta é a dim e nsão da vida nova que h abita e m m im . Só Je sus libe rta e som e nte pe la fé n’Ele o cristão pode atingir o níve lm ais profundo da sua e xistência, o níve lque ultrapassa a e le m e sm o na com unh ão ve rdade ira com D e us. Supe rar conflitos pe ssoais, os quais se m anife stam física, m oral, afe tiva, socialou e spiritualm e nte , com o o e fe ito de um de se nvolvim e nto ade quado. Talm udança se inse re e m nossas re laçõe s, e m ais forte m e nte nas fam iliare s, passando a influe nciar no re lacionam e nto com os filh os. E de ge ração e m ge ração, passa-se a re produzir todo e fe ito de vida e m abundância. Só e m Je sus nos tornam os um com o Pai. Evange lizar a criança re que r consciência e com prom isso. Um Cam inh o a Se guir Conform e o Cate cism o da Igre ja Católica: “A libe rdade é no h om e m um a força de cre scim e nto e am adure cim e nto na ve rdade e na bondade . A libe rdade alcança sua pe rfe ição q uando e stá orde nada para De us, nossa be m -ave nturança” (CIC 1731) A e vange lização ne ce ssita da fé e a fé é um a ade são livre . Se m a fé não h á e spe rança, se m e spe rança não h á se ntido para a vida. O e vange lizador pre cisa e ntão e star pronto e ir às últim as conse qüências para que o e vange lizado te nh a condiçõe s de e scolh e r e ade rir ve rdade iram e nte . A libe rdade últim a é se r um com D e us. Um com o Pai, um com o Filh o, um com o Espírito Santo. Só ne sse cam inh o posso se r um com m e u próxim o. O Ministério para Crianças busca atingir e sta re alidade , utilizando m e ios ade quados à condição de assim ilação da criança: “51. A idade e o de se nvolvim e nto inte le ctualdos cristãos, be m com o o se u grau de m aturidade e cle siale e spirituale m uitas outras circunstâncias pe ssoais e xige m que a cate que se adapte m étodos m uito dive rsos, para pode r alcançar a sua finalidade e spe cífica: a e ducação para a fé” (Cate q ue se Trade ndae re f. "D ive rsidade dos Métodos"). D e stacam os os se guinte s: •grupos de oração com crianças; •e studo bíblico para criança; •form ação de pre gadore s, inte rce ssore s e m úsicos infantis; •dia de louvor com criança; •re tiro com crianças; •liturgia para criança; •m úsica, te atro e dança para e vange lizar criança; •livros, h istórias, fantoch e s brinque dos, dinâm icas que rigm áticos; •arte e arte sanato para e vange lizar criança; e sporte para e vange lizar criança; •acam pam e nto e colônia de férias para criança; •e vange lização e m fe stas infantis; •e vange lização e m cre ch e s h ospitais, e scolas, de ntre outros. Com o apre se ntar a re alidade de D e us para crianças?O fe re ce ndo aos e vange lizadore s: •curso de form ação de e vange lizadore s de criança; •re cursos didáticos de e vange lização que ate nde m as e tapas e idade s da criança; •grupo de e studo sobre o de se nvolvim e nto da fé, se xualidade , afe tividade , virtude s, e tc; •orie ntação de pais, de casais grávidos, de e vange lizadore s; •curso de cura inte rior para form ar e quipe s de se rviços; •im plantação e acom panh am e nto de proje tos de e vange lização conform e a re alidade local. H á de se conside rar que a re sposta da criança e stá condicionada à sua e xpe riência vivida. Enquanto e vange lizadore s, pre cisam os am pliar a consciência de que a criança de ve se r conduzida à um a e xpe riência pe ssoalcom D e us, e ste é o fundam e nto do anúncio, da dim e nsão que rigm ática da e vange lização. Para que e sta dim e nsão possa se r concre tizada, faz-se ne ce ssário um m ode lo de e vange lização que conte m ple m e ios para a criança e xpre ssar se us se ntim e ntos e e xpe riências de ale gria, triste za, júbilo, se us m e dos, anse ios, indignação ou que a faça cair na gargalh ada na pre se nça de D e us. A e vange lização que te m os tido notícia, infe lizm e nte , na sua grande m aioria, não te m assistido as crianças ne sta dim e nsão. Então com o pode m os que stionar a baixa ade são das crianças, jove ns ou adultos se para e le s, e star na Igre ja nunca se torna SER IGREJA? Se r discípulo é um a conse qüência, é sobre tudo um a re sposta a um ch am ado, re sposta tão m ais
  16. 16. 16 autêntica quanto m ais e quilibrada, profunda e re alfor a e xpe riência de am or vivida já de sde a infância. E pre cisam os te r h um ildade , a qualé fruto da ce rte za do am or incondicional de D e us, para re conh e ce rm os constante m e nte , o quanto pre cisam os cre sce r, lutar, trabalh ar para se rm os se nsíve is à ação de D e us que nos acolh e na sua graça, para conduzirm os as crianças à m e sm a e xpe riência. Som os instruídos pe las palavras do Papa João Paulo II na Exortação Apostólica Cate ch e se Trade ndae , o qualjá vislum bra aque le s que vão construir a civilização do futuro: “Por isso, com solicitude pastoral, te m os de pôr- nos a pe rgunta: com o apre se ntar a tantos jove ns e crianças Je sus Cristo, De us fe ito h om e m ?E apre se ntar-lh 'O não sim ple sm e nte num m om e nto de e xaltação dum prim e iro e ncontro fugidio, m as m e diante um conh e cim e nto cada ve z m ais aprofundado e lum inoso da sua Pe ssoa, da sua m e nsage m , do de sígnio de De us q ue Ele q uis re ve lar, do ch am am e nto q ue Ele dirige a cada um , do Re ino q ue Ele q ue r inaugurar ne ste m undo com o «pe q ue no re banh o»(Lc. 12,32) daq ue le s q ue acre ditam n'Ele , o q ualnão ficará com ple to se não na e te rnidade ” (35). O Ministério para Criança é um a ação, um m ovim e nto suscitado de ntro da Igre ja, que acum ula h om e ns e m ulh e re s, cate quistas, le igos e re ligiosos, todos unidos e m torno de um só obje tivo: tornar Je sus Cristo re conh e cido e am ado, re sgatando a criança para a vida na graça de D e us. É por isso que o fundam e nto de toda e qualque r ação é conse qüência de um m ovim e nto ante rior, o m ovim e nto do Espírito Santo de D e us: “Ao te rm inar e sta Exortação Apostólica, o olh ar do coração volta-se para Aq ue le q ue é o princípio inspirador de todas as atividade s cate q uéticas e daq ue le s q ue as re alizam : o Espírito do Pai e do Filh o — o Espírito Santo... 'Ele e nsinar-vos-á todas as coisas e vos re cordará tudo o q ue e u vos disse ' (Jo 14,26). E acre sce nta: 'Q uando vie r o Espírito da Ve rdade , e le guiar-vos-á por toda a ve rdade ..., e anunciar-vos-á as coisas vindouras' (Jo 16,13). O Espírito Santo, por conse guinte , é prom e tido à Igre ja e a cada um dos fiéis com o Me stre inte rior, q ue no se gre do da consciência e do coração faz com pre e nde r aq uilo q ue se tinh a ouvido, se m se e star ainda e m condiçõe s de o captar. 'O Espírito Santo instrui doravante os fiéis— dizia a e ste propósito Santo Agostinh o— se gundo a capacidade e spiritualde cada um . E ace nde nos se us coraçõe s um de se jo cada ve z m ais vivo, à m e dida q ue cada um vai progre dindo ne sta caridade , q ue o le va a am ar aq uilo q ue já conh e ce e a de se jar o q ue ainda não conh e ce '(In loannis Evange lium Tractatus, 9 7 PL35,1877). A cate q ue se , q ue é cre scim e nto na fé e am adure cim e nto da vida cristã e m orde m à sua ple nitude é, por conse q üência, obra do Espírito Santo, obra q ue só Ele pode suscitar e m ante r na Igre ja” (72). Pode m os concluir que e star à se rviço de D e us no m inistério, é ate nde r a um ch am ado de am or e com prom isso, de h um ildade e subm issão, de e ntre ga e e sforço, para que Ele próprio possa se r corre spondido e a criança re sgatada.
  17. 17. 17 O Ministério para Crianças de ve e struturar açõe s e vange lizadoras a partir do Cate cism o da Igre ja Católica, que é a re fe rência concre ta para nossa dire ção. A partir de le é prim ordialo conh e cim e nto e a de dicação para form ular açõe s base adas nas dire trize s do Dire tório Ge ralde Cate q ue se –D GC, do Dire tório Nacionalde Cate q ue se –D NC, do Proje to Nacionalde Evange lização - PNE 2004-2007 - “Q ue re m os Ve r Je sus – Cam inh o, Ve rdade e Vida”, da Exortação Apostólica “Cate ch e si Trade ndae ”, sobre a cate que se no nosso te m po, visto que e ste s docum e ntos conte m plam a am plitude do anúncio e form ação da cam inh ada cristã. O Cate cism o da Igre ja Católica (CIC) é de scrito no D GC com o “um instrum e nto m e todológico para a sua aplicação concre ta” (120). O Ministério para Crianças de ve buscar subsídios para agre gar valor às dim e nsõe s do prim e iro anúncio e da cate que se , aplicáve is às idade s próprias da infância, buscando a iniciação e o aprove itam e nto ade quado à condição da criança e m toda a pe culiaridade própria de cada fase . Para conh e ce rm os um pouco m ais o D GC, citam os os principais pontos que o com põe : a nature za da cate que se ;norm as e critérios para a apre se ntação da m e nsage m e vangélica na cate que se ;o Cate cism o da Igre ja Católica com o te xto de re fe rência para a transm issão da fé na cate que se e para a re dação dos Cate cism os locais;as linh as e sse nciais de um a pe dagogia da fé, inspirada à pe dagogia divina; os dife re nte s conte xtos das pe ssoas às quais é dirigida a cate que se ;a ne ce ssidade e os cuidados na inculturação;e ainda e xorta à confiança na ação do Espírito Santo e na e ficácia da palavra de D e us se m e ada pe la e vange lização. Toda a e strutura da e vange lização apóia-se nas açõe s que apre se ntam e suste ntam a cam inh ada do h om e m ce ntrada e m Cristo. Q ualque r cam inh o fora de ste conduz ao se cularism o, re lativism o, sincre tism o e ate ísm o e prom ove m um a ruptura ao e ncontro com o Se nh or da Vida e im pulsiona o h om e m às dive rsas form as de autonom ia de D e us. A Igre ja, inve stida da m issão de conduzir o h om e m a D e us, te m , principalm e nte de sde o Vaticano II, ofe re cido m uitos subsídios para orie ntação e fom e nto da form ação do h om e m e das açõe s que pre cisam se r tom adas para le var o h om e m a um e ncontro profundo consigo, com o irm ão e com D e us. Para cam inh ar e m consonância com o CIC, as açõe s ce ntrais do Ministério para Crianças ve rsam nos se guinte s pontos-ch ave : •A Evange lização; •O Evange lizador; •A Criança;e •O Mate rialde Apoio para Evange lização de Crianças. I - A Evange lização H istória "O Te m plo" Três ope rários trabalh avam na construção de um Te m plo fe ito de pe dras. Um a criança curiosa ch e gou e pe rguntou ao prim e iro ope rário o que e le e stava faze ndo. "Carre gando pe dras, não e stá ve ndo? Re sponde u im pacie nte . A criança fe z a m e sm a pe rgunta ao se gundo ope rário que re sponde u: "Estou ganh ando o pão de cada dia. Trabalh o m uito, m as no finaldo m ês não falta alim e nto e m m inh a casa."Mas o te rce iro te ve com o re sposta: "Estou construindo um Te m plo onde m uitas pe ssoas virão e m busca de D e us e O e ncontrarão”. Evange lizar te m sido carre gar pe dras para m uitos, para outros te m sido "ganh ar o céu de cada dia", m as a ve rdade ira e vange lização é sabe r que se e stá construindo Te m plos. "Não sabe is que sois o te m plo de D e us e que o Espírito de D e us h abita e m vós?"(I Cor 3,16). Evange lizar crianças h oje é um a prioridade porque é ao h om e m inte grale e m toda a sua e xistência que D e us que r se faze r ple no. Evange lizar crianças não se ria um a ne ce ssidade se o h om e m tive sse a consciência ple na de si, do irm ão e de D e us e abom inasse o pe cado. Porém é o pe cado que busca a cada instante fe ch ar o h om e m e m si e apartá-lo da ve rdade . "Ide por todo o m undo, proclam ai o Evange lh o a toda criatura"(Mc 16,15) "Ide , portanto, e faze i q ue todas as naçõe s se torne m discípulos, batizando-as e m nom e do Pai, do Filh o e do Espírito Santo e e nsinando-as a obse rvar tudo q uanto vos orde ne i"(Mt28,19 -20) "Re ce be re is um a força, a do Espírito Santo q ue de sce rá sobre vós, e se re is m inh as te ste m unh as... até os confins da te rra"(At1,8) O D GC cita os pontos im portante s para os quais a e vange lização de ve se voltar a fim de que se jam claros os princípios que a de ve m norte ar. Citare m os uns poucos para que o pre se nte proje to possa apre se ntar- se e ge rar um a prim e ira consciência nos D ESENVO LVIMENTO D AS AÇÕES D O MINISTÉRIO PARA CRIANÇAS Capítulo II H yde Flávia Lobato Marinh o e Myle s Ale xande r de Alm e ida Elias
  18. 18. 18 e vange lizadore s a re spe ito de sua fundam e ntação, obje tivos e m étodos. Prim e iram e nte te m os que te r claro: “q ue o h om e m , por sua nature za e vocação é capaz de D e us, q uando ouve a m e nsage m das criaturas, pode atingir a ce rte za da e xistência de De us com o causa e fim de tudo e q ue Ele pode se re ve lar ao h om e m "(D V3). O s te rm os “quando ouve ” e “pode te r a ce rte za” m ostra duas possibilidade s, duas dire çõe s opostas: o h om e m pode ouvir ou não, pode te r a ce rte za ou não. A e vange lização se re fe re a toda atividade que le va o h om e m a profe ssar a sua fé, caracte rizada: “ante s de m ais nada, conve rsão a Je sus Cristo, ade são ple na e since ra à sua pe ssoa, e de cisão de cam inh ar na sua se q üe la” (53). Apre se nta os e le m e ntos e sse nciais da e vange lização: “O m andato m issionário de Je sus com porta vários aspe ctos intim am e nte cone xos e ntre si: 'proclam ai' (Mc 16,15), 'faze i discípulos e e nsinai', (Mt 28, 19 -20) 'se re is m inh as te ste m unh as', (At 1,8) 'batizai', (Mt 28,19 ) 'faze i isto e m m inh a m e m ória' (Lc 22,19 ), 'am ai-vos uns aos outros' (Jo 15,12). Anúncio, te ste m unh o, e nsinam e nto, sacram e ntos, am or ao próxim o, faze r discípulos: todos e ste s aspe ctos são via e m e ios para a transm issão do único Evange lh o, e constitue m os e le m e ntos da e vange lização” (D GC –19 71 - 6). Ve m os que a e vange lização abrange aspe ctos dive rsificados. Com pre e ndê-la com o proce sso nos le va a pe nsar que aconte ce gradativam e nte . Je sus é O Cam inh o, onde o h om e m e ncontra A Ve rdade e aí pode de clarar A Vida na ple nitude . Se ndo cam inh o, a e vange lização é a construção de um e ncontro com Cristo cada ve z m ais profundo, cada ve z m ais apartado do pe cado. O e vange lizador, portanto, é aque le que se dispõe a cam inh ar junto do irm ão, e na com unh ão frate rna, trilh ar ne sta dire ção. Pode m os e nte nde r a partir disso que a e vange lização: •É um proce sso de am adure cim e nto que conte m pla a individualidade h um ana, com suas possibilidade s e ne ce ssidade s; •É o proce sso de assunção da ade são e de cisão de Cristo, com o re sposta livre , conscie nte e últim a;e •É o proce sso de ade são a tudo que e m ana d’Ele . O D GC se apre se nta com o a dire triz que nos de ve le var a concre tizar o Cate cism o da Igre ja Católica –CIC. Assim se ndo, aborda de form a clara a re pe ito do uso das ciências h um anas, à luz do e vange lh o. A ciência constrói suas te orias a partir da obse rvação de um obje to, se ja o h om e m , a te rra ou qualque r outro. É daí que nasce e cre sce o conh e cim e nto, e talde ve se r utilizado e m favor da e vange lização, de sde que obse rvados alguns critérios na sua adoção, de ntre os quais o D GC de staca: 243. a) O re spe ito pe la autonom ia das ciências: "(a Igre ja) afirm a a le gítim a autonom ia da cultura h um ana e particularm e nte das ciências". b) O disce rnim e nto e vangélico das dife re nte s te ndências ou e scolas psicológicas, sociológicas e pe dagógicas: os se us valore s e os se us lim ite s. c) O e studo das ciências h um anas, na form ação do cate q uista, não é um a finalidade e m si própria. A tom ada de consciência da situação e xiste ncial, psicológica, cultural e socialdo h om e m , se obtém com os olh os voltados para a fé na q ualse de ve e ducá-lo. d) A te ologia e as ciências h um anas, na form ação dos cate q uistas, de ve m se fe cundar re ciprocam e nte . Por conse guinte , é pre ciso e vitar q ue e stas ciências se conve rtam na única norm a para a pe dagogia da fé, pre scindindo dos critérios te ológicos q ue de rivam da própria pe dagogia da fé. São disciplinas fundam e ntais e ne ce ssárias, todavia, se m pre a se rviço de um a ação e vange lizadora q ue não é ape nas h um ana. Aqui e stam os convocando as com unidade s a faze re m uso de se us tale ntos. O dom e a graça vêm de D e us, Ele nos ch am a e capacita, quando nos dispom os a orar e ouvi-lo, e é assim que vam os cre sce ndo no se u conh e cim e nto. A ciência á luz da fé não é dife re nte e é um instrum e nto m uito útil. Pre cisam os faze r uso de toda capacitação que a te ologia, pe dagogia, psicologia, sociologia, filosofia, possam nos ofe re ce r e auxiliar a trilh ar O Cam inh o de Cristo. A ve rdade da ciência jam ais ultrapassará a ve rdade de D e us. Q uando a colocam os à fre nte do e vange lh o, de spre zam os a ação do Pai, rom pe m os com Ele . Mas quando a ciência e a fé cam inh am juntas, tornam -se te ste m unh o da onisciência de D e us. Ele é a raiz de todo conh e cim e nto. Na Encíclica Fide s e t Ratio, te m os tam bém outros subsídios para o uso das ciências á luz da fé cristã. A D im e nsão Q ue rigm ática no Ministério de Crianças A e vange lização é constituída e m duas dim e nsõe s e sse nciais: a cate que se e o que rigm a, a re spe ito dos quais pre cisam os buscar conh e ce r be m . A cate que se é um a pastoralcom te m as próprios, os trabalh os do Ministério para Criança nunca pode rão se r substitutivos da cate que se e sim com ple m e ntare s. A criança que participar do m inistério de ve se r a prim e ira a buscar a Eucaristia, e todos os outros sacram e ntos alice rçados pe la cate que se , por isto pre cisam os te r claro as dim e nsõe s do que rigm a e da cate que se . Ve jam os o que diz a Exortação Apostólica Cate ch e si Trade ndae – “A e spe cificidade da cate q ue se , distinta do prim e iro anúncio do Evange lh o q ue suscita conve rsão, visa o duplo obje tivo de faze r am adure ce r a fé inicial e de e ducar o ve rdade iro discípulo de Cristo, m e diante um conh e cim e nto m ais aprofundado e
  19. 19. 19 siste m ático da Pe ssoa e da m e nsage m de Nosso Se nh or Je sus Cristo. Na prática, porém , a cate q ue se , m ante ndo e m bora e sta orde m norm al, de ve te r e m conta q ue m uitas ve ze s não se ve rificou a prim e ira e vange lização. Ce rto núm e ro de crianças batizadas na prim e ira infância ch e gam à cate q ue se paroq uial se m te re m re ce bido q ualq ue r outra iniciação na fé, e se m te re m ainda um a ade são e xplícita e pe ssoala Je sus Cristo;têm som e nte a capacidade para acre ditar q ue lh e s foi confe rida pe lo Batism o e pe la pre se nça do Espírito Santo. A «cate q ue se » m uitas ve ze s h á de te r a pre ocupação, não só de alim e ntar e e sclare ce r a fé, m as tam bém de a avivar ince ssante m e nte com a ajuda da graça, de lh e abrir os coraçõe s, de conve rte r e pre parar aq ue le s q ue ainda e stão no lim iar da fé para um a ade são globala Je sus Cristo. Tal cuidado ditará, pe lo m e nos e m parte , o tom , a linguage m e o m étodo da cate q ue se ” (19 ). Pode m os pe rce be r que a distinção de ssas dim e nsõe s não as se para, m as sim m ostram com o e stão inte rligadas e o quão se faz ne ce ssário que coe xistam e m h arm onia, se m a qualé im possíve laconte ce r um aa e vange lização siste m ática e profunda. Q ue rigm a e Cate que se Evange lizar é um a orde m de Je sus: “Ide por todo o m undo e pre gai o Evange lh o a toda criatura” (Mc 16,15). “A fé provém da pre gação e a pre gão se e xe rce e m razão da palavra de Cristo” (Rm 10,14-15.17) A palavra proclam ada é, portanto, o m e io indispe nsáve l para a e vange lização e inse re -se junto da cate que se no im pulsionar o e vange lizando ao e ncontro com O Cristo. Evange lizar é e stabe le ce r um vínculo conscie nte com Aque le que e stá na orige m da própria vida, com o tam bém dire cionar e acom panh ar o e vange lizando à cam inh o da casa do Pai, sob a ação do Espírito Santo por m e io da ve rdade anunciada pe lo Filh o e de ntro de ssa dinâm ica pode m os pe rce be r o aconte cim e nto de fase s distintas e com ple m e ntare s na fundação de alice rce s sólidos: “Se é ve rdade , portanto, q ue se r cristão significa dize r 'sim ' a Je sus Cristo, convém re cordar q ue tal 'sim ' se situa a dois níve is: consiste , ante s de m ais, e m abandonar-se à Palavra de De us e apoiar-se ne la;m as com porta tam bém , num se gundo m om e nto, o e sforçar-se por conh e ce r cada ve z m e lh or o se ntido profundo de ssa Palavra” (Cate ch e si Trade ndae –20). Aprofundar no te m a da e vange lização focalizando as dim e nsõe s que rigm ática e cate quética, torna-se e xtre m am e nte ne ce ssário se quise rm os fom e ntar junto aos age nte s e vange lizadore s de criança, um a atualização de toda ação do e vange lh o sobre a vida, que de ve se r anunciada e acom panh ada para que possa cre sce r, pe ne trar e m todas as áre as da vida e frutificar, ve rdade s da quala Igre ja é m e stra e a partir da qualde se ja im pulsionar a e vange lização. Conte m plando tais dim e nsõe s pode m os ve r que : “Graças, pois, à cate q ue se , é q ue o q ue rigm a e vangélico — aq ue le prim e iro anúncio ch e io de ardor q ue a dada altura transform a um a pe ssoa e a le va à de cisão de se e ntre gar a Je sus Cristo pe la fé — se rá pouco a pouco aprofundado, de se nvolvido nos se us corolários im plícitos, e xplicado m e diante e xplanação q ue ape le tam bém à razão e orie nte à prática cristã na Igre ja e no m undo. E tudo isto não é m e nos e vangélico do q ue o q ue rigm a, e m bora não falte q ue m diga q ue a cate q ue se te nde forçosam e nte a racionalizar, re sse q uir e até a m atar o q ue h á de vivo, e spontâne o e vibrante no q ue rigm a. As ve rdade s q ue se aprofundam na cate q ue se são as m e sm as q ue tocaram o coração do h om e m , q uando e ste as ouviu pe la prim e ira ve z. O fato de as conh e ce r m e lh or, longe de as e m botar ou de as faze r re sse q uir, torna-as ainda m ais e stim ulante s e de cisivas para a vida” . Pode m os pe rce be r assim que anunciar, acom panh ar, aprofundar, com pre e nde r são m ovim e ntos constante s na e spiral de cre scim e nto e am adure cim e nto da fé e da re lação com D e us. Em toda e vange lização pre cisam os de stacar a função fundam e ntal da palavra, que pode se r conside rada e m três aspe ctos: Profética –palavra proclam ada: o anúncio ve rbale te ste m unh o da Boa Nova. Sace rdotal–Palavra ce le brada: a Liturgia que é a ce le bração da obra salvífica. Régia –Palavra vivida: instauração do Re ino de D e us no m undo. Na e vange lização profética, por sua ve z, a palavra pode se r conte m plada e m dois m om e ntos suce ssivos e com ple m e ntare s: A) Q UERIGMA –“A partir da situação ge ne ralizada de m uitos batizados na Am érica Latina, q ue não de ram sua ade são pe ssoala Je sus Cristo pe la conve rsão prim e ira, im põe -se , no Ministério profético da Igre ja, de m odo prioritário e fundam e ntal, a proclam ação vigorosa do anúncio de Je sus m orto e re ssuscitado” (Q ue rigm a, in: Re de m ptoris Missio, 44), que e stá na: “raiz de toda e vange lização, fundam e nto de toda prom oção h um ana e princípio de toda autêntica cultura cristã” (João Paulo II, Discurso Inaugural- 25). Significado: grita, proclam a. O bje tivo: Nasce r de novo. Te r vida e m Je sus. Método: Proclam ar Je sus com o a Boa Nova. Le va ao te ste m unh o pe ssoal. O Evange lizador: Te ste m unh a ch e ia do Espírito Santo. Me ta: Encontro Pe ssoalcom Je sus pe la fé e pe la conve rsão e proclam ação de Je sus com o Salvador e Se nh or. Te m po: H oje . B) CATEQ UESE –Este m istério da igre ja com pre e nde tam bém a cate que se que , “atualizando ince ssante m e nte a re ve lação am orosa de De us m anife sta e m Je sus Cristo, le va a fé inicialà sua m aturidade e e duca o ve rdade iro discípulo de Je sus Cristo” (Cate ch e se Trade ndae - 19 ) e ainda, “Ela de ve nutrir-se da Palavra de De us, lida e
  20. 20. 20 inte rpre tada na igre ja e ce le brada na com unidade , para q ue , ao e sq uadrinh ar o m istério de Cristo, ajude a apre se ntá-lo com o Boa Nova nas situaçõe s h istóricas de nossos povos” (Santo Dom ingo - 33). Significado: Ensinar, re te r. O bje tivo: Cre sce r e m Cristo. Te r vida e m abundância. Método: Ensina-se orde nada e progre ssivam e nte . Fé de toda a igre ja. O Cate quista: Me stre ch e io do Espírito Santo. Me tas: e ncontro com o Corpo de Cristo: a com unidade e santidade do povo de D e us. Te m po: é a partir de h oje . “O obje to e sse nciale prim ordialda cate q ue se ... é 'o Mistério de Cristo'. Cate q uizar é, de ce rta m ane ira, le var alguém a pe rscrutar e ste Mistério e m todas as suas dim e nsõe s: 'e xpor à luz, diante de todos, q ualse ja a disposição divina, o Mistério ... Com pre e nde r, com todos os santos, q ualse ja a largura, o com prim e nto, a altura e a profundidade ... conh e ce r a caridade de Cristo, q ue ultrapassa q ualq ue r conh e cim e nto... (e e ntrar e m ) toda a ple nitude de De us' (Ef. 3,9 . 18 s)... a finalidade de finitiva da cate q ue se é a de faze r q ue alguém se ponh a, não ape nas e m contato, m as e m com unh ão, e m intim idade com Je sus Cristo: som e nte Ele pode le var ao am or do Pai no Espírito e faze r-nos participar na vida da Santíssim a Trindade ” (Cate ch e si Trade ndae –5). “Pre cisa a cate q ue se de um a re novação contínua, m e sm o e m ce rto alargam e nto do se u próprio conce ito, nos se us m étodos, na busca de um a linguage m adaptada e na técnica dos novos m e ios para a transm issão da m e nsage m ... A re pe tição rotine ira le va à e stagnação, à le targia e , por fim , à paralisia” (Cate ch e si Trade ndae –17). II - O Evange lizador H istória "O Me nino de Rua" Um cristão e stava no ponto do ônibus, quando ch e gou um m e nino de rua e com e çou a m e xe r no lixo ao se u lado. Me xe u, re m e xe u e quando e ncontrou com ida, m e sm o e stando com m au ch e iro, colocou-a na boca e com e u. O cristão se ntiu nojo e indignado gritou para D e us: "D e us, faça algum a coisa! E D e us na sua m ise ricórdia re sponde u: "Já fiz, crie i você!" "Para a glória de De us, o Pai, toda língua confe sse : Je sus Cristo é o Se nh or"(Fl2,11) Em Mate us 18,1-14 e ncontram os que os pe que ninos são os pre fe ridos de Je sus. Q ue não se pe rca um só de ste s pe que ninos por falta de que m os acolh a! Estam os nos pre ocupando e m form ar pastore s que irão atrás de ste s pe que ninos para lh e s dar o pão da Palavra? Assim , pe rguntam os: Q ual o pe rfil do e vange lizador?Pe squise m os os re quisitos na Bíblia e docum e ntos de nossa Igre ja: Re quisitos de O rde m H um ana •que se ja se nsato, e quilibrado e m ocio-nalm e nte , de vida re gular; •que se ja prude nte AA29 ; •que não se ja alie nado da re alidade PUEBLA 35 ao 50 (Re alidade da Am érica Latina); •que te nh a bom se nso e se ja pe rse ve rante Mt 10,20; •pacie nte I Cor 12,11-13 a paciência é o distintivo do Form ador e onde falta •aciência é porque não e stá h ave ndo am or. Re quisitos de O rde m Espiritual •am or I Jo 3,16 ;EN 79 ;I Co 13; •intim idade com D e us - oração pe ssoal, conh e cim e nto de D e us; •ancião - que se ja m aduro na fé - que não se ja ne o- conve rtido; •de spre ndido de be ns m ate riais Mc 10,17,27; •não busca se us próprios inte re sse s CT 6;EN 32;I Co 10,24; •que usa de ve rdade EN 78; •que busca e star ch e io do Espírito Santo Ef5,18ss;· •que busca e star ch e io do Espírito Santo Ef 5,18ss;· •que te m visão e re sponsabilidade II Tm 2,1ss; •que não se ja dado as im provisaçõe s CT17; •que se ja conve rtido ve rdade iram e nte PUEBLA 437; •que te nh a e spírito de se rvo com o André e Ananias - Jo 1,40ss e Atos 9 ; •que te nh a vida e xe m plar AG 11 e II Co3,1-3; •vida fam iliar saudáve le e vange lizadora I Tm 5,8; •ale gre Nm 8,9 -10 e Jo 16,24; •que te nh a unção e fe rvor EN 80 e Jo 2,16-24; •que se ja inte grado à com unidade At3,14-20; •re to, justo Mt5,20; •que sinta ch am ado; •obe die nte Fl2,5ss; •que pe rdoa e não discrim ina; Eclo 28,1-6 e PUEBLA 205;E •que dá te ste m unh o, que é te ste m unh a EN 76. Re quisitos para Ministério •que e ste ja vive ndo o que e stá pre gando EN 26 EN 39 ; •fé contagiosa e não ape nas cre nça Tg 2,19 ; •de dicado CT62; •que e studa aprofunda e lê CT49 ; •criativo;e •que goste de crianças. "A Maje stade de Cristo q uando e nsinava, a coe rência e a força pe rsuasiva únicas do se u e nsino, não se conse gue m e xplicar se não porq ue as suas palavras, parábolas e raciocínios nunca são se paráve is da sua vida e do se u próprio se r. É som e nte e m profunda com unh ão com Ele q ue os cate q uistas e ncontrarão luz e força para um a de se jáve lre novação autêntica da cate q ue se "(Cate ch e si
  21. 21. 21 Trade ndae –9 ). Evange lizar é a m issão de todos os batizados. Fre nte a isso, volte m os o olh ar para o nosso próxim o e ve jam os e m que níve la m issão e stá se ndo cum prida. O e vange lizador só é capaz de ve r, disce rnir e agir ne sse cam inh o, som e nte se cam inh ar sob a ação do Espírito Santo. Q uais ide ologias e stão por trás de tudo que é dirigido à criança nos m e ios de com unicação? Nas e scolas as dire trize s da e ducação infantiltêm base s cristãs dando ênfase não ao de se nvolvim e nto de capacidade s tidas e voltadas para e le próprio, m as à transce ndência, ao outro e a D e us? A partir da ve rdade re ve lada por Cristo te m os O Cam inh o. E re ve lá-lo ao outro é o e xe rcício do m aior m andam e nto: am ar a D e us na sua ple nitude com todas as nossas forças e ao nosso irm ão com o a nós m e sm os. À m e dida que o re ve lam os Ele se re ve la a nós. Je sus é o Cam inh o, a Ve rdade e a vida que pre cisa se r proclam ado. Mas com o ir ao e ncontro da criança? Com o re sgatar e e ncontrar o lugar da infância?A re sposta e stá no re sgate da nossa própria infância. A m aior parte dos traum as afe tivos que inte rfe re m na vida e spiritual, te m sua orige m ou e closão na infância. Sob dive rsas form as e stas m arcas se m antêm ao longo da vida. Mas m e sm o te ndo o e vange lizador e xpe rie nciado a dor de toda e spécie de de sam or, a re m issão, a cura, a libe rtação que o Se nh or da Vida nos de u pe lo se u Filh o nos re sgata e o se u Espírito Santo nos capacita. Portanto, nos tornam os m e lh ore s e vange lizadore s à m e dida que progre dim os na cam inh ada pe ssoale m dire ção à ple nitude anunciada por Je sus e a te ste m unh am os. Se r e vange lizador é te r Maria com o m ode lo. Maria a e stre la da e vange lização. Maria foi e scolh ida para se r a e vange lizadora do Filh o de D e us. Maria m ode lo de Igre ja. D e us cuida de se u povo. Maria cuida de Je sus. A ética do cuidado do nascim e nto à m orte é re sgatada e m Maria. O e vange lizador é o h om e m que conh e ce , vive e ce le bra D e us, m as ate nte m os que é um h om e m , com um a h istória particular, com se qüe las e vitórias, a cam inh o, jam ais ple no, e m busca de se r, e m busca de D e us. O ração, Palavra de D e us, Eucaristia, a Confissão e e xe rcícios de m ortificação form am e ste cam inh ar. Q ue m são os e vange lizadore s de criança? •pais, padrinh os e fam iliare s; •sace rdote s, cate quistas, lide re s da com unidade , coorde nadore s de G. O . infantile adulto; •os e ducadore s infantis (de ce ntros infantis ou e scolas); •as pe ssoas que lidam com a criança no se u dia a dia -babás, age nte s da áre a de saúde , e tc pastorais que dire ta ou indire tam e nte trabalh am com a criança. Não h á te m po a pe rde r porque a alie nação de D e us tam bém que se dá ininte rruptam e nte . O s age nte s alie nante s não param de criar program as, brincade iras, ídolos e ícone s idolatráve is de um m undo que insiste no pe cado, na divisão, na inde pe ndência de D e us. D iante da urgência da e vange lização para apre se ntar a re ve lação divina que é a m aior ne ce ssidade do h om e m , faz-se ne ce ssário o e studo e e laboração de subsídios que conte m ple m : •a criança com o suje ito de todo proce sso e nunca obje to; •a criança vista com o capaz de D e us; •a am pliação da visão da infância com o fase e vitando "que im ar"e tapas; •as ne ce ssidade s e volutivas: físicas, m e ntais, e m ocionais e e spirituais; •o re spe ito à condição da criança -linguage m , e stágio da fé e vivência; •os brinque dos, jogos, dinâm icas com o m e ios de com unicação com a criança, de ntre outros. Conform e o D GC: “156. [ ]a ade são cre nte das pe ssoas é fruto da graça e da libe rdade e , portanto, faz com q ue sua atividade se ja se m pre am parada pe la fé no Espírito Santo e pe la oração”, graça e libe rdade andam juntas, são pre ssupostos na cam inh ada rum o ao Pai. O e vange lizador é instrum e nto de D e us, forne ce m e ios para um fim que o ultrapassa. Sua m issão é: "139 [ ] colocar no ce ntro e faze r própria, a re lação q ue De us te m com a pe ssoa e de ixar-se guiar por Ele ”, faze ndo uso da pe dagogia de Cristo. A pe dagogia de Cristo é a grande re fe rência: “DGC 140. Vinda a ple nitude dos te m pos, De us m andou à h um anidade Se u Filh o, Je sus Cristo. Ele trouxe ao m undo o supre m o dom da salvação, re alizando a sua m issão de re de ntor, no âm bito de um proce sso q ue continuava a 'pe dagogia de De us' com a pe rfe ição e a e ficácia intrínse cas à novidade de sua pe ssoa. Das suas palavras, sinais e obras, ao longo de toda a sua bre ve m as inte nsa vida, os discípulos fize ram e xpe riência dire ta das dire trize s fundam e ntais da 'pe dagogia de Je sus', indicando- as, de pois, nos Evange lh os: o acolh im e nto do outro, e m particular do pobre , da criança, do pe cador, com o pe ssoa am ada e q ue rida por De us;o anúncio ge nuíno do Re ino de De us com o boa nova da ve rdade e da consolação do Pai; um e stilo de am or de licado e forte , q ue livra do m ale prom ove a vida;o convite pre m e nte a um a conduta am parada pe la fé e m D e us, pe la e spe rança no re ino e pe la caridade para com o próxim o;o e m pre go de todos os re cursos da com unicação inte rpe ssoaltais com o a palavra, o silêncio, a m e táfora, a im age m , o e xe m plo e tantos sinais dive rsos, com o o faziam os profe tas bíblicos. Convidando os discípulos a se gui-Lo totalm e nte e se m nostalgias, Cristo e ntre ga-lh e s a sua pe dagogia da fé com o ple na com partilh a da sua causa e do se u de stino." Q ue re m os re ssaltar que a e vange lização é ato de fé, e spe rança e caridade , é e xe rcício das virtude s te ologais que cam inh a e m dire ção da form ação inte gral
  22. 22. 22 e te m sua conclusão na ade são ao plano salvífico de D e us. Só e m D e us e la pode se dar. Ne ste se ntido a oração, a vida com unitária e m suas dim e nsõe s de form ação, corre ção, partilh a e com unh ão, são fatore s anunciados por D e us para a form ação do se u povo. O e vange lizador, portanto, ne ce ssita e star sob e stas condiçõe s, visto que são o te rre no onde e le pode se nutrir, ge rm inar e frutificar, produzindo os frutos advindos da ação de D e us. Citando o D GC: "238. A form ação dos cate q uistas com pre e nde dive rsas dim e nsõe s. A m ais profunda se re fe re ao próprio se r do cate q uista, à sua dim e nsão h um ana e cristã. A form ação, de fato, de ve ajudá-lo a am adure ce r, ante s de m ais nada, com o pe ssoa, com o cre nte e com o apóstolo. De pois, h á o q ue o cate q uista de ve sabe r para cum prir be m a sua tare fa. Esta dim e nsão, pe rm e ada pe la dúplice fide lidade à m e nsage m e ao h om e m , re q ue r q ue o cate q uistas conh e ça ade quadam e nte a m e nsage m que transm ite e , ao m e sm o te m po, o de stinatário q ue a re ce be , além do conte xto sociale m q ue vive . Enfim , h á a dim e nsão do sabe r faze r, já q ue a cate q ue se é um ato de com unicação. A form ação te nde a faze r do cate q uista um 'e ducador do h om e m e da vida do h om e m '". E na sua form ação bíblico-te ológica o D GC aponta para a Cristoce ntricidade , cuja form ação doutrinal para e vange lização passa ne ce ssariam e nte pe lo se guinte conte údo: o m istério ce ntralda fé é Je sus Cristo, a partir d’Ele a e vange lização de ve se guir o se guinte pe rcurso: –as três grande s e tapas da h istória da salvação: Antigo Te stam e nto, vida de Je sus Cristo e h istória da Igre ja; – os grande s núcle os da m e nsage m cristã; sím bolo, liturgia, vida m orale oração. (D GC 240) “O cristoce ntrism o na cate q ue se significa tam bém q ue , m e diante e la, se de se ja transm itir, não já cada um a sua própria doutrina ou e ntão a de um m e stre q ualq ue r, m as os e nsinam e ntos de Je sus Cristo, a Ve rdade q ue Ele com unica, ou, m ais e xatam e nte , a Ve rdade q ue Ele é (Jo 14, 6). Te m q ue se dize r, portanto, q ue na cate q ue se é Cristo, Ve rbo Encarnado e Filh o de De us, q ue é e nsinado” (Cate ch e si Trade ndae –6). Finalize m os com a palavra do Papa João Paulo II: "Agora, caríssim os Irm ãos e Filh os, de se jaria q ue as m inh as palavras, e scritas à m ane ira de grave e arde nte e xortação, ditada pe lo m e u m inistério de Pastor da Igre ja unive rsal, inflam asse m os vossos coraçõe s, com o as Cartas de São Paulo inflam aram se us com panh e iros de Evange lh o Tito e Tim óte o;ou e ntão, vos ale ntasse m com o Santo Agostinh o, q uando e scre ve u e sse ve rdade iro tratado e m ponto pe q ue no, sobre a ale gria de cate q uizar (De cate ch izandis rudibus: PL40,310-347), dirigido ao Diácono De ogratias, q ue andava de sale ntado com a sua tare fa de cate q uista. Sim , de se jaria se m e ar abundante m e nte nos coraçõe s de tão num e rosos e dive rsos re sponsáve is pe lo e nsino re ligioso e pe la pre paração para um a vida conform e ao Evange lh o, a corage m , a e spe rança e o e ntusiasm o” (Cate ch e si Trade ndae –62). III - A Criança H istória Um jove m profe ssor ganh ou bolsa de e studo no e xte rior. Morando sozinh o pe rce be u que não sabia cuidar da casa, de sua roupa, de sua alim e ntação e se que stionou: Q ue e scola é e sta que m e de u diplom a se m m e pre parar para a vida? Assim tam bém a e vange lização de ve pre parar a criança para vida. É pre ciso te r claro que a infância, pe ríodo que de corre do conce be r a idade adulta, passa m uito rápida, m as ne la aconte ce um proce sso e norm e de de se nvolvim e nto. A conde nsação de valore s e dim e nsõe s h um anas, a sabe r: do conh e cim e nto, das e m oçõe s, do caráte r, da pe rsonalidade e da e spiritualidade , aconte ce m ne sta fase . Pre cisare m os faze r um parale lo e ntre o D GC e algum as caracte rísticas da infância, para que possam se r com pre e ndidas as dire trize s e pontos-ch ave s propostos ne ste proje to. O D GC apre se nta que a finalidade da cate que se é a profissão de fé e m D e us, e que talatitude im plica que "o cristão re nuncia a se rvir qualque r absoluto h um ano: pode r, praze r, raça, ante passados, Estado, dinh e iro..., libe rtando-se de q ualq ue r ídolo q ue o e scravize . É a proclam ação da sua vontade de se rvir a De us e aos h om e ns, se m ne nh um laço. Proclam ando a fé na Trindade , com unh ão de pe ssoas, o discípulo de Je sus Cristo m anife sta conte m porane am e nte q ue o am or a De us e ao próxim o é o princípio q ue inform a o se u se r e o se u agir" (Cf. CIC 2113). A re núncia se faz fre nte à consciência de D e us, que pode se r te ste m unh ada e ce le brada, onde tudo que Cristo anunciou torna-se a única re fe rência. O ato de re nunciar som e nte pode se dar fre nte à assunção da ve rdade . Se o h om e m não re nuncia totalm e nte aos absolutos h um anos, isto se dá porque a ve rdade que se im põe m a e ste não supe rou os valore s do Re ino, ou se ja, ainda e stá no com bate para se r afirm ada. O se r h um ano, de sde a sua conce pção, e stá de fronte à m issão de cre sce r, de se nvolve r capacidade s de sobre vivência e de e rguim e nto de condiçõe s que lh e pe rm itam ch e gar a um a ple nitude . Talple nitude , à luz da fé cristã, é o traje to pe rcorrido na ince ssante luta e ntre o pe cado e a santidade . A infância apre se nta o e sboço do traje to h um ano. D e sde sua conce pção participa de um proce sso de dife re nciação progre ssiva e m dire ção a um a constituição própria. Para se r o que ch am am os "fruto do am or" do casal, é ne ce ssário que consiga te r condiçõe s
  23. 23. 23 condiçõe s de cam inh ar por si e se r capaz de dar continuidade à vida num a condição ple na. O s fracassos ne ste transcurso se rão re apre se ntados sob a form a de dive rsos bloque ios no proce sso e volutivo, com o distúrbios, dificuldade s, im pe dim e ntos, vícios, distanciam e ntos, alie naçõe s e lim itaçõe s, que se ram ificam sob dive rsas form as patológicas de posição fre nte à e xistência. Voltando à citação do Santo Padre , na Encíclica Fide s e t Ratio, re lativa ao O ráculo de D e lfos: “Conh e ce - te a ti m e sm o”, traz e m si a grande que stão h um ana, e nglobando outros que stionam e ntos tais com o: que m sou, a que vim , para onde vou, traduzindo alguns dos principais dile m as h um anos, os quais, para nós cristãos, são re spondidas pe lo Pai, através de se u Filh o. A e vange lização te m na sua m issão, a re sponsabilidade de se r a apre se ntação da re alidade inaugurada por Cristo. Isso im plica que se ja libe rtadora, form adora e suste ntadora da cam inh ada. Ela pre cisa fe ch ar um ciclo com ple to de re torno a D e us. A infância foi por séculos de sconside rada, ape sar do ale rta de Je sus de que buscásse m os se r com o as crianças, que e ntre outras coisas, te m a capacidade de re ce be r o Re ino irre stritam e nte , se m obje çõe s ao anúncio, num a e xpre ssão autêntica de fé. "Criança é futuro"dize m aque le s que te m a infância, com o fase caracte rizada pe la de pe ndência e incapacidade . Ve r a criança com o se r se m alm a, adulto e m m iniatura, totalm e nte incapaz, cujos se ntim e ntos não te m significação e as vivências ne ssa fase não traze m se qüe las, são form as de ne gar a vida, a dignidade e a e scolh a de D e us por e la. D e sde a conce pção, vam os se ndo form ados. Nasce r é um e ve nto m arcante , fe ch a um m om e nto e inaugura outro, m as não inte rrom pe a se qüência. D a conce pção à m orte , inde pe nde nte m e nte do quanto dure , te m os a vida, dom de D e us e m se u infinito am or. A infância inicia um a fase que possui um significado im pre scindíve l. É a fase e m que ne ce ssitam os inicialm e nte de cuidados totais, m as que vão, gradativam e nte , se ndo suprim idos pe la autonom ia ne sta subsistência. D a de pe ndência absoluta á inde pe ndência, na re alidade a criança ne ce ssita som e nte de que m as acom panh e ade quadam e nte , de que m dê, á m e dida de sua ne ce ssidade , aquilo que e la pre cisa. Mas aos atos de am or e cuidado, inte rfe re m dive rsas se qüe las das vivências pare ntais. As m ás form açõe s vêm de cuidados lim itados, de form ados, re cusados de ntre outros advindos e re passados pe las ge raçõe s passadas. Se no pre se nte pode m os obse rvar o convívio e ntre ne tos, pais e avós, pode re m os avistar, já ne ste pe que no núcle o dive rsos de svios, quanto m ais pode re m os constatar ao longo dos novos re lacionam e ntos que se rão form ados ao longo da vida. Espe cificam e nte na infância, quando as ne ce ssidade s e o re fe re ncialre alizam um a inte nsa m ovim e ntação e ntre o e u e o outro, quanto m e lh or fore m as condiçõe s que o cuidador pude r ofe re ce r, m ais a criança se be ne ficiará. Com o algum as boas condiçõe s citam os a capacidade de com pre e nsão do que a criança se nte , a dife re nciação e ntre o que e la que r e o que pre cisa, a ace itação de la com o é, se us re ais lim ite s e ne ce ssidade s, a ace itação de sua inde pe ndência, a e stim ulação que de se nvolva as capacidade s se m sobre stim ação (cuja não-corre spondência às e xpe ctativas e spe radas da criança, ge re ne la um se nso de incapacidade ), ne m sube stim ação (cuja fraca e xigência não atinja o de se nvolvim e nto ple no da suas capacidade s). D iscorre r um pouco sobre a infância, nos ajudará a com pre e nde r a fundam e ntação do D GC re lativa a alguns pontos significativos, os quais transcre ve m os e com e ntam os a se guir: Com re lação às ne ce ssidade s e spe cíficas para cada fase do proce sso e volutivo "DGC 171. A cate q ue se , se gundo as dife re nte s idade s, é um a e xigência e sse ncialpara a com unidade cristã. Por um lado, de fato, a fé participa do de se nvolvim e nto da pe ssoa;por outro lado, cada fase da vida é e xposta ao de safio da de scristianização e de ve , acim a de tudo, ace itar com o um de safio, as tare fas se m pre novas da vocação cristã. O fe re ce m -se , pois, por dire ito, cate que se s por idade s, dive rsificadas e com ple m e ntare s, provocadas pe las ne ce ssidade s e capacidade s dos de stinatários. Para tanto, é indispe nsáve l pre star ate nção a todos os e le m e ntos e m jogo, antropológico-e volutivos e te ológico-pastorais, vale ndo-se tam bém dos dados atualizados da ciências h um anas e pe dagógicas, re lativos a cada idade . Tratar-se -á tam bém de inte grar sabiam e nte as dive rsas e tapas do cam inh o de fé, pre stando particular ate nção para q ue a cate q ue se dirigida à infância e ncontre h arm onioso cum prim e nto nas fase s poste riore s". Com re lação à condição às principais fase s de form ação h um ana "DGC 177. Esta fase de idade , tradicionalm e nte dividida e m prim e ira infância ou idade pré-e scolar e adole scência, aos olh os da fé e da própria razão, te m com o própria a graça do início da vida. Ne sta idade , '...nasce m pre ciosas possibilidade s para a e dificação da Igre ja e para a h um anização da socie dade ', a se re m assum idas. Filh a de De us graças ao dom do Batism o, a criança é proclam ada por Cristo m e m bro privile giado do Re ino de De us. Por dive rsas razõe s, h oje talve z m ais do q ue onte m , a criança re q ue r ple no re spe ito e ajuda nas suas e xigências de cre scim e nto h um ano e e spiritual, tam bém através da cate q ue se , q ue não pode jam ais faltar às crianças cristãs. Q ue m , de fato, de u-lh e a vida, e nriq ue ce ndo-a com o dom do Batism o, te m o de ve r de alim e ntá-la e m sua continuidade ".
  24. 24. 24 •Com re lação à e vange lização inse rida no conte xto das crianças e dos adole sce nte s Cate ch e se Trade ndae : “A idade e o de se nvolvim e nto inte le ctual dos cristãos, be m com o o se u grau de m aturidade e cle sial e e spiritual e m uitas outras circunstâncias pe ssoais e xige m q ue a cate q ue se adapte m étodos m uito dive rsos, para pode r alcançar a sua finalidade e spe cífica: a e ducação para a fé” (51) e ainda “Em q ualq ue r h ipóte se , im porta q ue o m étodo e scolh ido se ate nh a acim a de tudo a um a le i fundam e ntalpara toda a vida da Igre ja: a le i da fide lidade a De us e da fide lidade ao h om e m , num a única atitude de am or” (52). D GC 178. "A cate q ue se das crianças é ne ce ssariam e nte cone xa com a sua situação e condição de vida, e é obra de dive rsos age nte s e ducativos, com ple m e ntare s e ntre si". Pode m se r indicados alguns fatore s q ue re ve ste m um a particular im portância e têm e xte nsão unive rsal: A infância e a adole scência, cada q ual com pre e ndida e tratada se gundo a pe culiaridade q ue lh e s é própria, re pre se ntam o te m po da prim e ira socialização e da e ducação h um ana e cristã na fam ília, na e scola e na Igre ja e , portanto, de ve m se r com pre e ndidas com o um m om e nto de cisivo para o futuro suce ssivo da fé. Se gundo um a tradição consolidada, e ste é, h abitualm e nte , o pe ríodo e m q ue se cum pre a iniciação cristã inaugurada pe lo Batism o. Com o re ce bim e nto dos sacram e ntos, se visa a prim e ira form ação orgânica da fé da criança e a sua introdução na vida da Igre ja. No pe ríodo da infância, o proce sso cate q uético se rá, por isso, e m ine nte m e nte e ducativo, ate nto a de se nvolve r aq ue le s re cursos h um anos q ue form am o substrato antropológico da vida de fé, tais com o o se nso da confiança, da gratuidade , do dom de si, da invocação, da ale gre participação... A e ducação à oração e a iniciação à Sagrada Escritura são aspe ctos ce ntrais da form ação cristã das crianças. Enfim , de ve -se e star ate ntos à im portância de dois lugare s e ducativos vitais: a fam ília e a e scola. A cate q ue se fam iliar é, de ce rto m odo, insubstituíve l, ante s de m ais nada, pe lo am bie nte positivo e acolh e dor, pe rsuasivo pe lo e xe m plo dos adultos, e pe la prim e ira e xplícita se nsibilização e prática da fé". D GC 179 . "O ingre sso na e scola significa, para a criança, a e ntrada num a socie dade m ais am pla do q ue a fam ília, com a possibilidade de de se nvolve r m uito m ais as suas capacidade s inte le ctivas, afe tivas e com portam e ntais. Na e scola, fre q üe nte m e nte , é m inistrado um e spe cífico e nsino re ligioso. Tudo isso re q ue r q ue a cate q ue se e os cate q uistas m ante nh am um a colaboração constante com os ge nitore s e tam bém com os profe ssore s da e scola, se gundo as oportunidade s forne cidas pe lo conte xto. O s pastore s de ve m re cordar-se q ue q uando ajudam os ge nitore s e os e ducadore s a be m de se m pe nh ar a m issão q ue lh e s cabe , é a Igre ja q ue e stá se ndo e dificada. Além disso, e ste trabalh o ofe re ce um a ótim a ocasião para a cate q ue se dos adultos". •Com re lação aos re cursos e m étodos utilizados para um a e vange lização fe cunda D GC 15. "Esta parábola (O Se m e ador, Mc 4,3) é fonte inspiradora para a e vange lização. 'A se m e nte é a palavra de De us'(Lc 8,11). O se m e ador é Je sus Cristo. Ele anunciou o Evange lh o na Pale stina h á dois m ilanos e e nviou os se us discípulos a se m e á-lo pe lo m undo. Je sus Cristo h oje , pre se nte na Igre ja por m e io do Se u Espírito, continua a divulgar am plam e nte a palavra do Pai no cam po do m undo. A q ualidade do te rre no é se m pre m uito variada. O Evange lh o cai 'be ira do cam inh o'(Mc 4,4), q uando não é re alm e nte e scutado;cai 'e m solo pe dre goso' (Mc 4,5), se m pe ne trar profundam e nte na te rra; ou 'e ntre os e spinh os' (Mc 4,7), e é im e diatam e nte sufocado no coração dos h om e ns, distraídos por m uitas pre ocupaçõe s. Mas um a parte cai 'e m te rra boa' (Mc 4,8), isto é, e m h om e ns e m ulh e re s abe rtos à re lação pe ssoalcom De us e solidários com o próxim o, e produz frutos abundante s. Je sus, na parábola, com unica a boa notícia de q ue o Re ino de De us ch e ga, não obstante as dificuldade s do te rre no, as te nsõe s, os conflitos e os proble m as do m undo. A se m e nte do Evange lh o fe cunda a h istória dos h om e ns e pre anuncia um a colh e ita abundante . Je sus faz tam bém um a adve rtência: som e nte no coração be m disposto a Palavra de De us ge rm ina (Mate us 13, 23)." Ve m os ne ssas orie ntaçõe s parte do que de ve se r a form ação para e struturar um diálogo ade quado com a criança, caracte rizado por: •Participação Ativa: a criança de ve se r suje ito e não obje to na construção de sua re lação com D e us. •Pluridim e nsionale Inte grado: que conte m ple as dive rsas dim e nsõe s e m form ação na criança e ofe re ça condiçõe s para a que se inte gre m , visando um a saúde com ple ta, re fle xo nítido da im age m e se m e lh ança de D e us. IV- O Mate rialde Apoio à Evange lização de Crianças H istória do de se nh o Ilustrando um dia de e vange lização, um a criança de se nh ou m e ninos e m e ninas se m corpo com m och ilas e norm e s num a sala de aula. O e vange lizador pe rguntou porque as crianças não tinh am corpos e e la e xplicou: Pra que corpo?Aqui a ge nte só pre cisa da cabe ça se o corpo ficasse e m casa se ria m uito m e lh or. Je sus cre scia e m e statura, graça e sabe doria. Je sus ve io para o h om e m todo e todo o h om e m . O m ate rialde apoio proposto para o que rigm a, conve rsão, ade são e form ação, de ve possuir um a aplicabilidade sim ple s, dinâm ica e inse rida nos conte xtos sociais e m que a criança se e ncontra inse rida com o a fam ília, o grupo de oração, a e scola, a cre ch e , le vando a um a e laboração de critérios m ais apurados para a form ulação de program as e ducacionais e
  25. 25. 25 form adore s incluindo os m e ios de com unicação, principalm e nte a TV, que fale m um a linguage m com pre e nsíve là criança e que dêe m subsídios de form ação e e stím ulo das m últiplas capacidade s. A m e nsage m e vangélica o pe rm ite , m as nos falta ainda m uita consciência do que faze r. Um bom m ate rial traz e m si um conte údo inte re ssante à criança, às dim e nsõe s de form ação da consciência pe ssoal, consciência do outro e consciência de D e us, assim o se rá se for um m ate riale laborado a partir da oração e form ação, que inte gram a e scuta de D e us e do h om e m . A Exortação Apostólica “Cate ch e se Trade ndae ” dá algum as re fe rências concre tas quanto ao conte údo e e strutura de livros cate quéticos, os quais de ve m se aplicar aos de m ais m ate riais a se re m utilizados na e vange lização: 49 . “Não basta, pois, q ue se m ultipliq ue m os livros de cate q ue se . Para q ue e ste s corre spondam à sua finalidade são indispe nsáve is condiçõe s, com o por e xe m plo: - q ue se jam adaptados à vida concre ta da ge ração a q ue são de stinados, te ndo be m pre se nte s as suas inq uie tude s e inte rrogaçõe s, be m com o as suas lutas e e spe ranças; - q ue se e sforce m por e ncontrar a linguage m com pre e nsíve la e ssa m e sm a ge ração; - q ue se e sm e re m e m se r a e xpre ssão de toda a m e nsage m de Cristo e da sua Igre ja, se m nada de scurar ou de form ar, procurando e xpô-la inte iram e nte e se gundo um ce ntro de re fe rência e um a e strutura q ue façam re ssaltar o e sse ncial; - q ue inte nte m ve rdade iram e nte provocar m aior conh e cim e nto dos m istérios de Cristo naq ue le s q ue de le s se se rvire m , e m vista de um a autêntica conve rsão e de um a vida m ais conform e à vontade de De us.” O D GC traz a sínte se da e vange lização, nos pilare s através dos quais apre se nta a Boa-Nova. •Q uanto às funçõe s do conjunto prim e iro anúncio - cate que se , no proce sso de e vange lização: "DGC 61. O prim e iro anúncio se dirige aos não cre nte s e àq ue le s q ue , de fato, vive m na indife re nça re ligiosa. Ele te m a função de anunciar o Evange lh o e de ch am ar à conve rsão. A cate q ue se , 'distinta do prim e iro anúncio do Evange lh o' prom ove e faz am adure ce r e sta conve rsão inicial, e ducando à fé o conve rtido e incorporando-o na com unidade cristã. A re lação e ntre e stas duas form as do m inistério da Palavra é, portanto, um a re lação de distinção na com ple m e ntarie dade . O prim e iro anúncio, q ue cada cristão é ch am ado a re alizar, participa do 'ide ' q ue Je sus propôs a se us discípulos: im plica, portanto, o sair, o apre ssar-se , o propor. A cate q ue se , ao invés, parte da condição q ue o próprio Je sus indicou, 'aq ue le q ue cre r', aq ue le q ue se conve rte r, aq ue le q ue se de cidir. As duas açõe s são e sse nciais e se atrae m m utuam e nte : ir e acolh e r, anunciar e e ducar, ch am ar e incorporar". "DGC 62. Na prática pastoral, todavia, as fronte iras e ntre as duas açõe s não são facilm e nte de lim itáve is. Fre q üe nte m e nte , as pe ssoas q ue ace de m à cate q ue se , ne ce ssitam , de fato, de um a ve rdade ira conve rsão. Por isso, a Igre ja de se ja que , ordinariam e nte , um a prim e ira e tapa do proce sso cate quético se ja de dicada a asse gurar a conve rsão. Na 'm issão ad ge nte s', e sta tare fa se re aliza no 'pré-cate cum e nato'. Na situação re q ue rida pe la 'nova e vange lização' e sta tare fa se re aliza por m e io da 'cate que se que rigm ática', q ue alguns ch am am de 'pré-cate q ue se ', porq ue , inspirada no pré- cate cum e nato, é um a proposta da Boa Nova e m orde m a um a sólida opção de fé. Som e nte a partir da conve rsão, isto é, apostando na atitude inte rior 'daq ue le q ue cre r', a cate q ue se propriam e nte dita pode rá de se nvolve r a sua tare fa e spe cífica de e ducação da fé. O fato de q ue a cate q ue se , num prim e iro m om e nto, assum a e stas tare fas m issionárias, não dispe nsa a Igre ja particular de prom ove r um a inte rve nção institucionalizada de prim e iro anúncio, com o atuação m ais dire ta do m andato m issionário de Je sus. A re novação cate q uética de ve base ar-se ne sta e vange lização m issionária prévia". •Q uanto ao que rigm a traça alguns pilare s de sua constituição: "DGC 102. Ne sta e xplicitação do que rigm a e vangélico de Je sus, a cate q ue se sublinh a os se guinte s aspe ctos fundam e ntais: –Je sus, com o adve nto do Re ino, anuncia e re ve la q ue D e us não é um se r distante e inace ssíve l, 'um a potência anônim a e longínq ua', (331) m as sim o Pai, q ue e stá pre se nte e m m e io às suas criaturas, ope rando com o se u am or e o se u pode r. –Je sus e nsina q ue De us, com o se u Re ino, ofe re ce o dom da salvação inte gral, libe rta do pe cado, introduz na com unh ão com o Pai, conce de a filiação divina e prom e te a vida e te rna, ve nce ndo a m orte . –Je sus, ao anunciar o Re ino, anuncia a justiça de D e us: proclam a o juízo divino e a nossa re sponsabilidade . O anúncio do juízo de De us, com o se u pode r de form ação das consciências, é um conte údo ce ntraldo Evange lh o e um a boa nova para o m undo. E q ue é possíve la pe nitência e o pe rdão, já q ue na cruz de Cristo obte m os a re de nção do pe cado. –Je sus de clara q ue o Re ino de D e us se inaugura com Ele , na sua própria pe ssoa. –Je sus e nsina, igualm e nte , q ue a com unidade dos se us discípulos, a sua Igre ja, 'constitui o ge rm e e o início de ste Re ino' – Je sus e nsina, finalm e nte , q ue a h istória da h um anidade não cam inh a rum o ao nada, m as sim q ue , com os se us aspe ctos de graça e pe cado, é n'Ele assum ida por De us, para se r transform ada."

×