Síntese de Palestras
Xamãs Conet
1 Congresso de Xamanismo na Internet
Por Tai Santos – Terapeuta e Coaching Holística – Ca...
Síntese de Palestras
• No mês de outubro, participei do Xamãs Conet.
• Não consegui assistir a todas as palestras, sendo
q...
Xamanismo e Carlos Castañeda
por Patrícia Aguirre
Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre
• Patrícia recebeu os conhecimentos de
xamanismo diretamente de Castañe...
Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre
• Ela falou dos Toltecas: povo que há mais de 10
mil anos, receberam em...
Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre
• Ela falou rapidamente de alguns Centros
Energéticos do Corpo, utiliza...
Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre
• Falou também sobre o Ponto de Aglutinação: ponto
de luminosidade inte...
Alma Celta
por Cláudio Quintino Crow
Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow
• Cláudio falou que para os Celtas, a
Espiritualidade está diretamente ligada à
natu...
Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow
• Tempo Sagrado: cíclico, como a rotação do sol e
da lua, como as estações do ano, c...
Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow
• Cláudio falou um pouco dos druidas: eram muito
importantes nesse povo; muito além ...
Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow
• O que é ser indivíduo: eu aprecio no outro o que
eu não tenho.
• Para os celtas ex...
Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow
• Por fim, Cláudio lembrou que o xamanismo celta
hoje, é um diálogo entre todas as c...
Caminho Nativo – Sabedoria
Cheyenne
por Tony Paixão
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Primeiramente, Tony falou sobre conceitos de
xamanismo.
• Explicou ...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Caminho Vermelho: família, respeito,
irmandade, fraternidade
• Obje...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Na cidade, ficamos cheios de estática,
carregados de energias dos c...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Quando temos um intuição e fazemos algo com
isso, estamos nos conec...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• O feminino é muito importante no Caminho
Vermelho.
• Todas as cerim...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Cada ação nossa afeta 7 gerações (anteriores e
posteriores)
• Equil...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• O caminho espiritual é pessoal, tem que estar ligado
com sua vida e...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• O Caminho Espiritual nos traz Poder Pessoal.
• Nunca podemos confun...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Quanto mais aprendemos, mais precisamos lembrar
que nada sabemos e ...
Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão
• Entrar no caminho espiritual é como entrar
numa loja de doces, o at...
As sete flechas – Xamanismo e
Poder Pessoal
por Zezito Duarte (Águia Azul)
As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte
• Princípio básico: O guerreiro, por mais luz que
tenha, po...
As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte
• O Guerreiro atira uma Flecha de Luz para quebrar a
Sombra...
As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte
Flecha Escura Flecha de Luz Flecha Arco-Íris
-Apego
- Depen...
As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte
• Inocente: ino (estar em) cente (centro), inocente
seria n...
Yerê Arapuã – Princípios da roda de
cura xamânica
por Sergio Frug
• Roda de Cura é uma das sete medicinas da
tradição nativa da América do Norte (tribos do
norte)
• As sete medicinas viera...
• Roda da Vida: se divide em posições, e cada
posição é representado por um animal e por um
elemento
LESTE
Fogo
Águia
(vis...
Yerê Arapuã – Princípios da roda de cura xamânica, por Sergio Frug
• Segundo ensinamentos de Don Ruan Ruiz, existem
4 comp...
Plantas e Terapias tradicionais
indígenas
por Adriana Ocelot
Plantas e Terapias tradicionais indígenas, por Adriana Ocelot
• Durante muito tempo a sociedade moderna se
distanciou da s...
Sabedoria Multicultural
por Mama Andrea e Txana Ixã
Sabedoria Multicultural, por Mama Andrea e Txana Ixã
• As mulheres precisam colocar mais inteligência em
seu ciclo lunar
•...
Simbolismo da Roda de Medicina
por Rogério Favilla
Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla
• Xamanismo: categoria antropológica, cuja
principal característica é ...
Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla
• Hoje existe um retorno dessas práticas, mas muitas
vezes como uma si...
Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla
• O xamanismo sempre faz a relação entre os
opostos:
– Luz x Sombra
– ...
Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla
• Reino das 4 Direções: Leste, Sul, Oeste, Norte
– O espírito entra pe...
Danças e Cerimônias Visionárias de
Joseph Rael
por Felicity McDonald
Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity
McDonald
• “Estamos precisando de mais rituais e cerimônias”....
Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity
McDonald
• Durante as danças não se usa nenhum tipo de
alucin...
Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity
McDonald
• Felicity falou sobre alguns objetos sagrados
– O B...
Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity
McDonald
• Seeds of Peace: canto de paz de J.R.
• Cantar as v...
Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity
McDonald
• Uma outra técnica vocacional (meditação) é
colocar...
Sagrado Feminino
por Mirella Faur
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• Foi um ritual umbandista de fim de ano, na praia,
em reverência a Rainha do Mar, que ...
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• Do Paleolítico ao Neolítico, não se conhecia o papel do
homem na procriação; era a mu...
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• Creta era uma sociedade avançada, produtiva,
abundante e pacífica durante muitos anos...
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• A história bíblica acabou levando ao horror que foi a
época da Inquisição
• Começou-s...
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• Mas como toda cultura tem sua contracultura,
começaram a surgir os Bardos Medievais,
...
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• Hoje está ocorrendo esse retorno, um
Ecofeminismo está trazendo as tradições de volta...
Sagrado Feminino, por Mirella Faur
• Algumas pessoas, principalmente homens, tem
medo de chorar na frente dos outros, por ...
Síntese de Palestras
• Essas foram as palestras que consegui acompanhar.
• Claro que o conteúdo de cada uma foi muito mais...
Síntese de palestras xamãsconet
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Síntese de palestras xamãsconet

288 visualizações

Publicada em

Resumo das palestras que assisti, no Primeiro Congresso de Xamanismo na internet, o XamãsConet, em Outubro de 2015

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síntese de palestras xamãsconet

  1. 1. Síntese de Palestras Xamãs Conet 1 Congresso de Xamanismo na Internet Por Tai Santos – Terapeuta e Coaching Holística – Caxias do Sul: outubro de 2015
  2. 2. Síntese de Palestras • No mês de outubro, participei do Xamãs Conet. • Não consegui assistir a todas as palestras, sendo que eram muitas e em diversos horários, desde manhã, tarde e noite. • Mas as que pude assistir, fiz uma síntese, bem sucinta, mas objetiva dos assuntos ali tratados. • Segue o resumo que fiz. • No site você pode adquirir todas as palestras, segue o link deles:http://www.xamasconet.com.br/
  3. 3. Xamanismo e Carlos Castañeda por Patrícia Aguirre
  4. 4. Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre • Patrícia recebeu os conhecimentos de xamanismo diretamente de Castañeda • Para ele, xamanismo é algo abstrato, natural; é conexão com a natureza; é entender o mundo como energia; não é o normal, é o natural • Castañeda passou ensinamentos sobre Limpeza Energética através de movimentos, que nos dão uma liberdade de expressão e nos permite o Intento* *Intento: conexão com a força maior que permeia tudo
  5. 5. Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre • Ela falou dos Toltecas: povo que há mais de 10 mil anos, receberam em sonho, de Nagual, os movimentos energéticos. • Nagual: mundo invisível, extraordinário; seres energéticos que ajudam os que estão no Tonal. • Tonal: o mundo que percebemos, tudo o que está a nossa volta, percebido por nós, o mundo ordinário.
  6. 6. Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre • Ela falou rapidamente de alguns Centros Energéticos do Corpo, utilizados nesses Movimentos: – Lado esquerdo: sentimento – Lado direito: ação – Útero: percepção – Glândulas Tireóide: expressão – Glândula Timo: decisão – Rins: ação sustentada – Topo da cabeça: espiritual
  7. 7. Xamanismo e Carlos Castañeda, por Patrícia Aguirre • Falou também sobre o Ponto de Aglutinação: ponto de luminosidade intensa; nos seres humanos fica atrás das omoplatas. • Ela disse que o sonho de Carlos Castañeda era mudar o ponto de aglutinação da Terra, ou seja, tornar todos os seres mais iluminados. • Segundo ele, devemos prestar atenção em todos os sinais, o tempo todo. • Depois, Patrícia nos passou alguns movimentos energéticos: um com os braços e outro para o útero.
  8. 8. Alma Celta por Cláudio Quintino Crow
  9. 9. Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow • Cláudio falou que para os Celtas, a Espiritualidade está diretamente ligada à natureza; é mais próxima do ser humano; é uma relação horizontal entre o humano e o sagrado. • Os celtas nos ensinam que a espiritualidade está no dia-a-dia, sem necessariamente de um templo; tudo pode virar um templo; toda hora pode ser sagrada. • Espaço Sagrado: pagos (campo) X urb (cidade); onde quer que eu esteja, o espaço é sagrado
  10. 10. Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow • Tempo Sagrado: cíclico, como a rotação do sol e da lua, como as estações do ano, como os princípios de nascimento, crescimento, morte, renascimento. • Principal lição: não temer nenhuma das fases do ciclo, todas são importantes. • Natureza/Local: busca incessante da inspiração; trazer algo para dentro, absorver o que a paisagem nos dá; algo que nos faça agir/reagir
  11. 11. Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow • Cláudio falou um pouco dos druidas: eram muito importantes nesse povo; muito além de um sacerdote, eles sabiam o que era melhor para a comunidade; eram sábios e curandeiros. • Também fez comparações entre Religião e Espiritualidade Religiosidade (Greco/Romana ou Judaico/Cristã) Individualismo Egoico Espiritualidade (Celta, Nativa, Oriental) Individualidade Todo
  12. 12. Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow • O que é ser indivíduo: eu aprecio no outro o que eu não tenho. • Para os celtas existia sempre a união: – Indivíduo X Comunidade (o outro) – Indivíduo X Paisagem (o entorno) • Cláudio também falou da ancestralidade e suas diversas vertentes: Ancestralidade Sangue Cultural Espiritual Corpo Mente Espírito
  13. 13. Alma Celta, por Cláudio Quintino Crow • Por fim, Cláudio lembrou que o xamanismo celta hoje, é um diálogo entre todas as correntes espirituais. • E ainda sinalizou: espiritualidade é um meio, não um fim.
  14. 14. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne por Tony Paixão
  15. 15. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Primeiramente, Tony falou sobre conceitos de xamanismo. • Explicou a diferença entre: – Feiticeiro: alguém sozinho – Xamã: alguém com a comunidade • Falou sobre os círculos de cura • O primeiro círculo a ser curado, deve ser o da família, para depois passar a comunidade, cidade, e assim por diante.
  16. 16. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Caminho Vermelho: família, respeito, irmandade, fraternidade • Objetos Sagrados: servem como lembrete do mundo sagrado, dois exemplos: – Tambor: o som do coração; através do som, mudamos a frequência cerebral, elevando-a – Pena: as aves voam muito alto, por isso simbolizam o “estar mais perto do céu”, estar próximo do espiritual
  17. 17. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Na cidade, ficamos cheios de estática, carregados de energias dos celulares, computadores, TVs, poluição, etc. • Na natureza, liberamos e limpamos nosso corpo e nosso campo energético dessa estática. • Por isso é tão importante esse contato com a natureza, e porque alguns rituais xamânicos precisam ser feitos ao ar livre.
  18. 18. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Quando temos um intuição e fazemos algo com isso, estamos nos conectando. Se negamos nossos dons, nossas intuições, nos desconectamos de nossa verdade espiritual. • Espiritualidade: está além de religião e além de cerimônias; é ampliar nossa visão sobre o mundo, sobre a criação. • Quem faz uma cerimônia não está ali porque é mais ou melhor que os outros, é um canal e que também precisa da cura.
  19. 19. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • O feminino é muito importante no Caminho Vermelho. • Todas as cerimônias vieram da energia feminina. • A tenda Tipi é uma representação da mulher: – a madeira dentro da tenda são suas costelas – a lona que reveste é sua saia – a madeira que sai para fora são seus braços em oração ao alto – o fogo dentro da tenda é seu espírito.
  20. 20. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Cada ação nossa afeta 7 gerações (anteriores e posteriores) • Equilíbrio: é ter a mesma vibração entre pensar, sentir e fazer • Quietude: no silêncio você ouve o que precisa; só tem um jeito de se conhecer e conhecer o mundo e é entrando em contato com seu interior, através da quietude. • Introspecção + Ação: precisam estar juntos.
  21. 21. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • O caminho espiritual é pessoal, tem que estar ligado com sua vida em todas as áreas; cada indivíduo tem o seu e mesmo que você ligue seu caminho às áreas dos relacionamentos (trabalho, amizade, amor) você deve respeitar o caminho do outro, sua espiritualidade tem que estar em você todo o tempo, mas não pode afetar a afetividade; por exemplo, não importa se você segue uma linha espiritual e seu (sua) parceiro(a), ou familiar, segue outro, vocês podem conviver juntos, cada qual com sua filosofia, respeitando um ao outro. Se dividir, se houver desavença, então não é espiritual.
  22. 22. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • O Caminho Espiritual nos traz Poder Pessoal. • Nunca podemos confundir Poder Pessoal com Ego. PODER PESSOAL Como você age na vida, com o que aprende; transformar conhecimento em sabedoria EGO Autoafirmação; como você acha que é; máscara que se coloca diante dos outros
  23. 23. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Quanto mais aprendemos, mais precisamos lembrar que nada sabemos e temos ainda a aprender. Isso é ter alma de aprendiz e todo xamã precisa ser assim. • Devemos sempre lembrar do que despertou a vontade de desenvolver o caminho espiritual; esse motivo pode mudar com o tempo, mas foi o ponto inicial que deu origem ao caminho e deve ser reconhecido. • Outro conselho para quem vai despertar espiritualmente: nunca barganhar no caminho espiritual, pois tudo o que vem é porque tinha que vir, “atalhos” mais fáceis não fazem um bom xamã
  24. 24. Caminho Nativo – Sabedoria Cheyenne, por Tony Paixão • Entrar no caminho espiritual é como entrar numa loja de doces, o atendente vai te dar vários tipos para provar e você vai querer todos, mas algum vai despertar mais o seu gosto, você vai escolher aquele para comprar, e esse terá um preço, você deve pagar para levar esse que mais gostou, pagar o preço que ele vale, pois você sabe que é especial. • Ame, erre, sorria, case, tenha filhos, enfim, viva tudo o que a vida te oferecer, valorizando tudo.
  25. 25. As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal por Zezito Duarte (Águia Azul)
  26. 26. As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte • Princípio básico: O guerreiro, por mais luz que tenha, possui sombra e é através da sombra que se vê a luz • A medicina das Sete Flechas veio dos akalotahey* • Cada ação tem uma qualidade, uma cor; essa ação tem que ter um objetivo. • Existem três tipos de flechas: – Escura (ação) – Luz (reação) – Arco-íris (transmutação) (flecha que o Universo devolve) *Akalotahey são seres de luz, por exemplo Buda, Jesus, Krishna
  27. 27. As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte • O Guerreiro atira uma Flecha de Luz para quebrar a Sombra e recebe uma Flecha Arco-Íris do Universo para poder caminhar na Beleza. • Rebater as flechas de sombra com flechas de luz é transformar karma em dharma, desejos em prazer. • Caminhar na Beleza significa trilhar o caminho da vida seguindo a sua missão. • A Medicina das Sete Flechas nos traz as chaves para viver na Beleza. As chaves são: – Experiência de vida – Missão – Realização
  28. 28. As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte Flecha Escura Flecha de Luz Flecha Arco-Íris -Apego - Dependência - Julgamento - Comparação - Expectativa - Síndrome da Criança Carente (vítima) - Autoafirmação (Ego) -Autoconsciência - Autorreconhecimento - Autoaceitação - Autoamor - Autoprazer -Autocura -Luz -Insight - Introspecção - Confiança - Equilíbrio - Missão -Inocência -Abundância
  29. 29. As sete flechas – Xamanismo e Poder Pessoal, por Zezito Duarte • Inocente: ino (estar em) cente (centro), inocente seria no sentido de estar em seu centro • Depois Zezito contou uma lenda indígena muito linda e no final nos deixou a seguinte recomendação: antes de dormir, todos os dias, devemos nos perguntar quem machucamos naquele dia (homem, animal, espírito) e pedir perdão. • Isso é o que faz o índio que caminha na mata para ser tornar um caçador (lenda que ele contou).
  30. 30. Yerê Arapuã – Princípios da roda de cura xamânica por Sergio Frug
  31. 31. • Roda de Cura é uma das sete medicinas da tradição nativa da América do Norte (tribos do norte) • As sete medicinas vieram da Lenda da Mulher Búfalo Branco: – Cachimbo da Paz – Roda de Cura – Ritos de Passagem – Dança do Sol – Busca da Visão – Temazcal – Bastão da Palavra Yerê Arapuã – Princípios da roda de cura xamânica, por Sergio Frug
  32. 32. • Roda da Vida: se divide em posições, e cada posição é representado por um animal e por um elemento LESTE Fogo Águia (visão, espírito) SUL OESTE NORTE Água Coiote (cura) Terra Urso (meditação) Ar Búfalo (sabedoria) Yerê Arapuã – Princípios da roda de cura xamânica, por Sergio Frug
  33. 33. Yerê Arapuã – Princípios da roda de cura xamânica, por Sergio Frug • Segundo ensinamentos de Don Ruan Ruiz, existem 4 compromissos na vida que devemos ter: – Cuidar da palavra – Não levar nada para o pessoal – Não tirar conclusões precipitadas – Dar o melhor de si, não é para ser perfeito, é dar o melhor que se pode • Qualquer problema que se tem é possível de ser resolvido somente corrigindo algum dos itens do compromisso • Finalizando: toda roda é uma roda de cura!
  34. 34. Plantas e Terapias tradicionais indígenas por Adriana Ocelot
  35. 35. Plantas e Terapias tradicionais indígenas, por Adriana Ocelot • Durante muito tempo a sociedade moderna se distanciou da sua essência e são os conhecimentos nativos que estão trazendo a cura de volta • Segundo diversos calendários sagrados, diversas profecias de sábios antigos, estamos fechando um ciclo, portanto vivendo um tempo de recomeço, de volta às origens, às raízes • Por isso esse interesse mundial pelas medicinas nativas. • Para todos os nossos males, existem remédio na natureza Obs.: infelizmentenão consegui terminar de assistir essa palestra, pois estava trabalhandoe chegou cliente.
  36. 36. Sabedoria Multicultural por Mama Andrea e Txana Ixã
  37. 37. Sabedoria Multicultural, por Mama Andrea e Txana Ixã • As mulheres precisam colocar mais inteligência em seu ciclo lunar • Fazer um diário lunar (Mama Andrea mostrou um exemplar de um diário criado por ela junto com as nativas do norte do Brasil) • O sangue das mulheres é que permite a existência na Terra, portanto é sagrado • As mulheres são cíclicas, portanto não são sempre iguais, sempre produtivas, como exige o mundo moderno, todas precisam de um tempo de descanso. • A avó Lua é quem comanda todas as águas da Terra, inclusiva as que tem dentro de nós Obs.: infelizmentenão consegui terminar de assistir essa palestra, pois estava trabalhandoe chegou cliente.
  38. 38. Simbolismo da Roda de Medicina por Rogério Favilla
  39. 39. Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla • Xamanismo: categoria antropológica, cuja principal característica é a relação entre os mundos visível e invisível; a intermediação entre esses mundos é feita pela figura sagrada intitulado xamã • O xamã não incorpora um espírito, ele vai ao mundo espiritual e retorna com orientações, medicinas, respostas • Existe uma diversidade grande de xamanismo, vindas de várias tribos, tradições, culturas nativas
  40. 40. Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla • Hoje existe um retorno dessas práticas, mas muitas vezes como uma simbologia. • Por exemplo: a Dança do Búfalo, é simbólica e não feita exatamente igual aos ancestrais. • Os animais têm grande importância no xamanismo, todos têm um significado específico • Antes da chegada dos espanhóis, os Cheyennes não conheciam o cavalo e assim que o conheceram, integraram esse animal aos seus símbolos místicos, lhe dando grande importância
  41. 41. Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla • O xamanismo sempre faz a relação entre os opostos: – Luz x Sombra – Vida x Morte – Indivíduo x Coletivo – Alto x Baixo • Medicina, no xamanismo é a forma de achar o equilíbrio entre o indivíduo e o mundo, entre as diferenças; busca a harmonia nas impermanências e mudanças cíclicas da vida.
  42. 42. Simbolismo da Roda de Medicina, por Rogério Favilla • Reino das 4 Direções: Leste, Sul, Oeste, Norte – O espírito entra pelo Leste: surge a primeira fase da infância – Cresce no Sul: segunda fase, astúcia, expressão, arte, inovação - Adulto no Oeste: terceira fase, responsabilidade, escolha, decisão - Envelhece e morre no Norte: experiência, cultura, regras, leis Cosmologia da Roda de Medicina
  43. 43. Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael por Felicity McDonald
  44. 44. Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity McDonald • “Estamos precisando de mais rituais e cerimônias”. (Joseph Rael) • A dança abraça a todos • J.R. teve visões dessas danças: – Long Dance: do anoitecer até o nascer do sol, em jejum, sem parar – Drum Dance: mais alegre e enérgica, dança-se pela paz, pela cura de 7 gerações (anteriores e posteriores); dura três dias – Sun Moon: muito poderosa, exige muito sacrifício, usa-se um apito, que acaba secando a boca e nesse momento o espírito da pessoa se conecta com o Grande Espírito, pois o espírito da pessoa “sai” do corpo para buscar água; dura quatro dias
  45. 45. Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity McDonald • Durante as danças não se usa nenhum tipo de alucinógeno • As danças servem para expandir a consciência • Existem pessoas que cuidam dos dançarinos: são os Moon Mother e Sun Father • Ao liderar grupos, você percebe o quanto a questão do amor incondicional é difícil, mas é assim que se aprende, pois o xamanismo “abraça” a todos, aceita todos que vierem • “Para ser um bom místico, tem que vivenciar todas as experiências místicas”. (Joseph Rael)
  46. 46. Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity McDonald • Felicity falou sobre alguns objetos sagrados – O Bastão de Fala: cada um fala sobre sua experiência, enquanto está com o bastão, os demais permanecem calados, não podem interferir; o bastão é passado por todos. – Pano vermelho: para embrulhar cada objeto sagrado – Bandana: representam o círculo de proteção, círculo de Medicina – Saias: para as mulheres, representa a feminilidade, mas também representa seu círculo (pode ser usado por homens) • Cada um de nós é importante no mundo, não importa o que se faz
  47. 47. Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity McDonald • Seeds of Peace: canto de paz de J.R. • Cantar as vogais do nome da pessoa enferma ajuda a curar; canta-se o nome, depois cada vogal, em um grupo de pessoas, num círculo, imaginando no centro a pessoa enferma. • Significado de cada vogal: – A: purificação – E: centro, seu lugar no mundo – I: reconciliação, consciência – O: inocência (como a da criança) – U: Deus dando suporte para a pessoa
  48. 48. Danças e Cerimônias Visionárias de Joseph Rael, por Felicity McDonald • Uma outra técnica vocacional (meditação) é colocar o termo “ando” no final do nome e canta- se por 20 minutos, descobre-se muito de si; por exemplo: meu nome é Taize, então ficaria Taizeando • Para finalizar, Felicity fez um convite: não deixe de experimentar as danças por *medo de que não irá conseguir, nós cuidamos de você. Dance! Dance! Dance! *Felicity relatou uma experiência de uma atriz famosa que resolveu participar de uma das cerimônias de dança e quis parar no meio, pois não estava mais conseguindo, então foi incentivada a fazer um pequeno ritual, e acabou voltando para a dança e ficou até o final.
  49. 49. Sagrado Feminino por Mirella Faur
  50. 50. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • Foi um ritual umbandista de fim de ano, na praia, em reverência a Rainha do Mar, que despertou em Mirella o desejo de estudar espiritualidade feminina • Os livros, “A dança cósmica das feiticeiras” e “Cálice e Espada” foram muito importantes para ela, pois foram os primeiros que ela leu quando começou seus estudos. • Mirella também conheceu os estudos e os livros de *Marija Gimbutas *Foi uma arqueóloga lituana conhecida por suas pesquisas sobre as culturas do Neolítico e da Idade do Bronze da Europa Antiga e pesquisas avançadas sobre a religião da Deusa mãe. (Wikipédia)
  51. 51. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • Do Paleolítico ao Neolítico, não se conhecia o papel do homem na procriação; era a mulher que “transformava” seu sangue em uma nova vida, por isso ela era considerada sagrada • Na época as tribos eram agrárias, pacíficas, adoradores de deusas da natureza • Foi com a chegada dos Kurgos – guerreiros dominadores – que tudo começou a mudar; eles invadiram as tribos, mataram homens e escravizaram mulheres • O panteão das tribos, que era matriarcal, adoradores de deusas da fertilidade (cálice) foi associado ao panteão dos kurgos, patriarcal, adoradores de deuses masculinos da guerra (espada). • Na Grécia antiga, formou-se um panteão de deuses, com a junção desses dois panteões, e o resto da história, já conhecemos
  52. 52. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • Creta era uma sociedade avançada, produtiva, abundante e pacífica durante muitos anos, mas também acabou sendo invadida por diversos exércitos gregos, extinguindo-se assim mais uma cultura matriarcal. • Anos se passaram, e foi a vez do Cristianismo dizimar o culto as deusas, os ritos xamânicos e tribais, e teve muito trabalho para fazer isso. • A primeira coisa foi criar a história de Adão e Eva e transformar a Árvore da Vida em um símbolo do mal • A serpente, outro antigo símbolo do culto ao feminino (energia que flui, kundalini), também foi associada ao pecado, à tentação, ao demônio
  53. 53. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • A história bíblica acabou levando ao horror que foi a época da Inquisição • Começou-se a aniquilar as mulheres anciãs, que detinham os conhecimentos de cura e dos rituais da antiguidade. • Depois começaram a torturar e matar mulheres bonitas e sedutoras, pois simbolizavam a tentação e o pecado, consideradas encarnações de Lilith (primeira esposa de Adão, que não aceitou a imposição divina) • A natureza e a Mãe Terra se rebelaram, enviando doenças, pragas, chuvas, e todo o tipo de escuridão e guerras, pois as pessoas se tornaram bárbaras e sangrentas • Essa época ficou conhecida como Trevas Medievais
  54. 54. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • Mas como toda cultura tem sua contracultura, começaram a surgir os Bardos Medievais, filósofos e poetas que veneravam as donzelas, a Deusa Vênus e as mulheres em geral • Depois as próprias mulheres – ativistas, escritoras, estudiosas – começaram a lutar por seus direitos e a retomar o poder e o culto do sagrado feminino • Sagrado Feminino: não se troca o sexo do Criador, se une os dois sagrados, o Yin e o Yang, o Pai e a Mãe, a dualidade em todos os sentidos, afinal tudo nasce de uma união, da anima e do animus
  55. 55. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • Hoje está ocorrendo esse retorno, um Ecofeminismo está trazendo as tradições de volta. • Ideal da mulher de hoje: preservar sua essência sagrada: a donzela, a mãe e a anciã. • Juntar-se ao positivo do masculino (animus), mas em equilíbrio, sem se masculinizar nem se infantilizar. • Além dos rituais femininos, deve-se valorizar muito os rituais mistos, convidar os homens a participarem, para entrarem em contato com o sagrado, junto com as mulheres, essa é a beleza.
  56. 56. Sagrado Feminino, por Mirella Faur • Algumas pessoas, principalmente homens, tem medo de chorar na frente dos outros, por isso tem medo de participar de rituais, mas saibam que chorar num ritual significa ser tocado pelo divino • Homens têm certa dificuldade em rituais, as mulheres têm mais facilidade de adentrar em outros mundos, portanto a mulher deve ajudar o homem na busca do sagrado, nos ritos mistos • O culto do Sagrado Feminino está trazendo de volta o diálogo em comum, a reverência a tudo o que é sagrado • O Xamanismo ajuda muito nesse sentido
  57. 57. Síntese de Palestras • Essas foram as palestras que consegui acompanhar. • Claro que o conteúdo de cada uma foi muito mais rico, mas enquanto assistia, ia anotando rapidamente num caderno os pontos principais. • No site do XamãsConet tem mais informações. • Espero que no próximo consiga assistir um número maior de palestras, pois é muito interessante, principalmente que é com pessoas muito experientes nesse tema, com vivências a mais de dez anos em suas especialidades, o que faz com que tenham muita confiança no que transmitem. • Gratidão Universo pela possibilidade de ter escutado essas pessoas e recebido esses conhecimentos preciosos!

×