O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Phippy Goes to the Zoo: A Kubernetes Story

511 visualizações

Publicada em

Apresentado por Rafael Panazzo

Rafael Panazzo é um apaixonado por tecnologia. Atua como gerente de SRE e inovação na área de Cloud da TOTVS, onde é responsável pelo TKS (TOTVS Kubernetes Services), que tem como missão entregar clusters de Kubernetes e ferramentas de apoio para os times de desenvolvimento da TOTVS.

Publicada em: Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Phippy Goes to the Zoo: A Kubernetes Story

  1. 1. 25 E 26 DE JUNHO EXPO CENTER NORTE, SP Phippy Goes to the Zoo: A Kubernetes Story 1
  2. 2. 2 SRE Manager TOTVS Cloud RAFAEL PANAZZO
  3. 3. 3 Phippy Goes to the Zoo A Kubernetes Story Essa é a história de Phippy e sua sobrinha Zee em uma viagem educacional ao mundo do Kubernetes. Phippy é uma aplicação simples em PHP, tentando viver em um mundo “Cloud Native”
  4. 4. 4 - Antigamente Phippy morava em um provedor de hospedagem e compartilhava seu ambiente com outras aplicações assustadoras que ela não conhecia - Ela desejava ter seu próprio ambiente: apenas ela e um servidor que ela poderia chamar de lar
  5. 5. 5 - Uma aplicação tem um ambiente no qual ela depende para ser executada - Para uma aplicação PHP, por exemplo, esse ambiente pode incluir um servidor web, um sistema de arquivos e a própria engine do PHP
  6. 6. 6 - Um contêiner fornece um ambiente isolado no qual uma aplicação, junto com seu ambiente, pode ser executada - Esses ambientes geralmente demandam mais do que somente isolamento, precisam também ser gerenciados e conectados ao mundo externo. Sistemas de arquivos, rede, provisionamento, balanceamento de carga e distribuição são alguns dos desafios
  7. 7. 7 - Um dia, uma gentil baleia apareceu. Ela sugeriu que a pequena Phippy poderia ser mais feliz vivendo em um contêiner - Foi então que seu mundo mudou. O contêiner era bom, mas... Era como ter uma sala de estar flutuando no meio do oceano
  8. 8. 8 - A baleia então desapareceu no oceano, mas antes que Phippy começasse a se desesperar, um capitão apareceu no horizonte, pilotando um navio gigantesco. O navio era feito de dezenas de jangadas amarradas - “Olá, meu nome é Capitão Kube”, disse o sábio e velho capitão
  9. 9. 9 - "Kubernetes" significa capitão de um navio em grego - O projeto se concentra na construção de uma plataforma robusta para a execução de milhares de contêineres em produção
  10. 10. 10 - "Eu sou Phippy", disse a pequena aplicação - "Prazer em conhecê-lo", disse o capitão enquanto colocava um crachá nela
  11. 11. 11 - O Kubernetes usa labels como “crachás” para identificar os recursos e fazer consultas com base nessas labels - As labels são flexíveis: você pode usá-las para indicar qualquer atributo importante para identificação
  12. 12. 12 - O capitão Kube sugeriu que Phippy poderia mover seu contêiner para um pod a bordo do navio - Ela percebeu que outros animais também moravam em outros pods no mesmo navio
  13. 13. 13 - Um pod representa a menor unidade de trabalho no Kubernetes - Normalmente, ela executa um único container, porém, existem cenários onde mais de um container são executados dentro do mesmo pod - O Kubernetes assume o trabalho de conectar o pod à rede e ao resto do ambiente
  14. 14. 14 - Depois viver no navio por muito tempo e de conhecer tudo sobre o mundo do Kubernetes, Phippy voltou para terra firme - "Como é este novo mundo?" Perguntou sua sobrinha Zee - "Por que não vamos ver os animais?" perguntou Phippy - “Vamos ao zoológico e você vai entender!"
  15. 15. 15
  16. 16. 16 - "Essas suricatas são como os replicasets", disse Phippy - Enquanto eles olhavam, a suricata da direita caiu da pedra. As outras saltaram para preencher o espaço, e então uma suricata idêntica correu para o lado esquerdo - "Toda vez que uma cai, outra pula para cima", explicou Phippy
  17. 17. 17 - Um replicaset garante que um conjunto de pods configurados de maneira idêntica estejam sempre em execução com a quantidade desejada de réplicas. Se um pod cair, o replicaset cria um novo pod como substituto
  18. 18. 18 - Andando mais, Zee apontou para uma toca. Embora houvesse sinais de que era habitada, nem Phippy nem Zee podiam ver o movimento - "Os secrets estão aqui", disse Phippy. "Mas você não pode ver sem os óculos decodificadores" - Zee pegou os óculos e disse. "Agora consigo vê-los!"
  19. 19. 19 - Os secrets são usados para armazenar informações não sensíveis, como tokens, certificados ou senhas. Os secrets podem ser anexados aos Pods em tempo de execução, e os dados confidenciais de configuração possam ser armazenados com segurança no cluster
  20. 20. 20 - Um grupo de iguanas se reuniu perto de um estilingue ao lado de um lago. Uma iguana atirou-se no estilingue em direção à ilha que ficava no centro do lago - "Os deployments controlam o grupo na ilha. Eles estão tentando colocar três por lá", disse Phippy - Phippy disse: "Se eles errarem, eles apenas continuam tentando até conseguirem o tanto que precisam"
  21. 21. 21 - Um deployment é uma abstração que controla a implantação e a manutenção de um conjunto de pods. Nos bastidores, ele usa um replicaset para manter os pods em execução, mas oferece lógica sofisticada para implantar, atualizar e dimensionar um conjunto de pods dentro de um cluster
  22. 22. 22 - Em uma colina haviam vários pilares e no topo de cada um havia um abutre. Zee perguntou: "O que eles estão fazendo?" - "Aqueles são daemonsets", disse Phippy. "Eles se ocupam de todos os pilares, faça chuva ou faça sol" - "Eu aposto que se nós colocarmos um novo pilar, um novo pássaro ir pousar nele mais rápido do que você possa imaginar"
  23. 23. 23 - O daemonset fornecem uma maneira de garantir que uma cópia de um pod esteja em presente em todos os nós do cluster. À medida que um cluster cresce ou diminui, o daemonset espalha esses pods em todos os nós
  24. 24. 24 - Em um enorme recife, uma rocha parecia que impedia que qualquer coisa passasse de um lado para o outro. Zee observou centenas de peixes minúsculos nadando para uma passagem na rocha - Em vez de sair do outro lado por um único buraco, os peixes saiam por pequenas fissuras do outro lado da rocha - "O ingress é lindo", disse Phippy
  25. 25. 25 - O ingress fornece uma maneira de declarar que o tráfego deve ser canalizado do lado de fora do cluster para os diversos pontos de destino dentro do cluster - Um único ponto de entrada externo pode aceitar tráfego destinado a muitos serviços internos diferentes
  26. 26. 26 - Zee viu guaxinins esparramados imóveis no chão. "O que há de errado com eles?" - De repente, um ficou de pé e pulou. Logo em seguida voltou a dormir - "Aqueles são cronjobs. Eles passam a maior parte do tempo dormindo. Mas periodicamente, eles entram em ação para fazer um trabalho específico." disse Phippy
  27. 27. 27 - Os cronjobs fornecem um método para agendar a execução de pods - Eles são excelentes para executar tarefas periódicas, como backups, relatórios e testes automatizados
  28. 28. 28
  29. 29. Tecnologia + Conhecimento são nosso DNA. O sucesso do cliente é o nosso sucesso. Valorizamos gente boa que é boa gente. #SOMOSTOTVERS OBRIGADO Rafael Panazzo & André Leite Cloud (TKS) rafael.roizman@totvs.com.br andre.leite@totvs.com.br totvs.com @totvs store.totvs.com fluig.com /totvs company/totvs

×