CASE: GESTÃO DE CUSTOS
AGROINDUSTRIAIS BUNGE
FERNANDO TREVIZANI, ABRIL 2014
1. BUNGE S&B - DIVISÃO, UNIDADES, ESCOPO
2. CENÁRIO ANTERIOR - COMO ÉRAMOS ANTES DO PROJETO
ONEBRAZIL
3. A ESCOLHA TOTVS -...
BUNGE S&B
BUNGE MUNDO
BUNGE S&B
Agronegócio Açúcar & Bioenergia Alimentos & Ingredientes Fertilizantes
• Líder global em processamen...
BUNGE BRASIL
BUNGE S&B • Definição:
Empresa líder de mercado em alimentos e agronegócio, que
atua de forma integrada, do c...
USINAS - AÇÚCAR & BIOENERGIA
BUNGE S&B
Pedro Afonso
Santa Juliana
Frutal
Moema
Guariroba
Ouroeste
Monteverde
Itapagipe
Usi...
CENÁRIO ANTERIOR
COMO ÉRAMOS ANTES DO
PROJETO ONEBRAZIL *
* OneBrazil – nome do projeto de unificação de sistemas de gestã...
CENÁRIO ANTERIOR
CENÁRIO ANTERIOR
• Existência de duas soluções de back-office: uma para 5 usinas e
outra para 3 usinas;
•...
CENÁRIO ANTERIOR
CENÁRIO ANTERIOR
• Pouca atuação do Controle Agroindustrial na esfera Corporativa
(ausência de procedimen...
A ESCOLHA TOTVS
O QUE PAUTOU A DECISÃO PELA ESCOLHA TOTVS
• Sistema de Back Office escolhido não atendia os requisitos de
gestão “agrícola...
SOLUÇÃO ESCOLHIDA
BUSINESS BLUE PRINT
SOLUÇÃO ESCOLHIDA
Realiza Processamento
do custo
Geração de base de rateio
automática com base nos
apo...
BUSINESS BLUE PRINT
SOLUÇÃO ESCOLHIDA
CUSTAG
R$
Contabilidade
MDO Rural
Mecanização
(horas/km)
Consumo de
Insumos/Diesel
P...
BUSINESS BLUE PRINT
SOLUÇÃO ESCOLHIDA
Contabilidade PIMS - CUSTAG
C.Custo: Preparo de Solo
Conta: Insumos Agrícolas
C.Cust...
CENÁRIO ATUAL –
BENEFÍCIOS CAPTURADOS
BENEFÍCIOS CAPTURADOS
CENÁRIO ATUAL
• Padronizado plano de contas e centros de custos;
• Padronizados procedimentos / crit...
BENEFÍCIOS CAPTURADOS
CENÁRIO ATUAL
• Redução de 5 para 1 analista de custos (agrícola);
• Consistências dos números (rela...
AÇÕES IMPLEMENTADAS –
PÓS GO LIVE
AÇÕES IMPLEMENTADAS - PÓS GO-LIVE
• Definição das funções e responsabilidades do Corporativo vs
Unidade;
• Acompanhamento ...
PRÓXIMOS PASSOS –
DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA
PRÓXIMOS PASSOS - DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA
• Finalizar implantação do módulo controle exaustão - ATIVO BIOLÓGICO
(fase fin...
PRÓXIMOS PASSOS - DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA
• Reduzir significativamente os inputs manuais (projeto automação
agrícola);
• ...
DÚVIDAS, PERGUNTAS,
COMENTÁRIOS, ETC.
?
Obrigado ;)
FERNANDO TREVIZANI
www.bunge.com.br
fernando.trevizani@usmoema.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Agroindustria - + ESSENCIAL: CASE BUNGE (SUCROENERGÉTICO – GESTÃO DE CUSTOS DE PRODUÇÃO)

1.002 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.002
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Agroindustria - + ESSENCIAL: CASE BUNGE (SUCROENERGÉTICO – GESTÃO DE CUSTOS DE PRODUÇÃO)

  1. 1. CASE: GESTÃO DE CUSTOS AGROINDUSTRIAIS BUNGE FERNANDO TREVIZANI, ABRIL 2014
  2. 2. 1. BUNGE S&B - DIVISÃO, UNIDADES, ESCOPO 2. CENÁRIO ANTERIOR - COMO ÉRAMOS ANTES DO PROJETO ONEBRAZIL 3. A ESCOLHA TOTVS - O QUE PAUTOU A DECISÃO 4. SOLUÇÃO ESCOLHIDA - BUSINESS BLUE PRINT 5. CENÁRIO ATUAL - BENEFÍCIOS CAPTURADOS 6. AÇÕES IMPLEMENTADAS - PÓS GO LIVE 7. PRÓXIMOS PASSOS - DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA 8. PERGUNTAS - DÚVIDAS, PERGUNTAS, COMENTÁRIOS ETC. HOJE FALAREMOS SOBRE
  3. 3. BUNGE S&B
  4. 4. BUNGE MUNDO BUNGE S&B Agronegócio Açúcar & Bioenergia Alimentos & Ingredientes Fertilizantes • Líder global em processamento de oleaginosas • Líder mundial na comercialização de grãos e oleaginosas • 21 milhões de toneladas de capacidade de moagem de cana para a produção de açúcar, etanol e bioenergia • Um dos líderes no comércio global e distribuição de açúcar. • Líder na produção de óleos, margarinas e gorduras industriais nas Américas e na Europa • Crescimento na posição de óleo na Ásia • Líder na moagem de trigo e milho nas Américas • Operações de fertilizantes na Argentina e EUA • Joint venture com a OCP em Marrocos Ativos Operacionais * Outros Agronegócio Açúcar & Bioenergia Alimentos & Ingredientes Fertilizantes *Média dos últimos 12 meses
  5. 5. BUNGE BRASIL BUNGE S&B • Definição: Empresa líder de mercado em alimentos e agronegócio, que atua de forma integrada, do campo à mesa do consumidor. • Principais Números - 2012: – Faturamento bruto: US$ 17,2 bilhões; – Com cerca de 150 instalações no país, entre fábricas, portos, centros de distribuição, moinhos e silos, presente em 19 estados e no DF; – Mais de 22 mil colaboradores (11 mil S&B); – Início das atividades no Brasil em 1905, em Santos, SP, por meio de participação acionária na S/A Moinho Santista Indústrias Gerais; – Iniciou em Açúcar e Bioenergia em 2006, com a comercialização de açúcar.
  6. 6. USINAS - AÇÚCAR & BIOENERGIA BUNGE S&B Pedro Afonso Santa Juliana Frutal Moema Guariroba Ouroeste Monteverde Itapagipe Usinas # 8 Transbordos # 2 Ourinhos Guaraí
  7. 7. CENÁRIO ANTERIOR COMO ÉRAMOS ANTES DO PROJETO ONEBRAZIL * * OneBrazil – nome do projeto de unificação de sistemas de gestão.
  8. 8. CENÁRIO ANTERIOR CENÁRIO ANTERIOR • Existência de duas soluções de back-office: uma para 5 usinas e outra para 3 usinas; • Existência de dois planos de contas e centros de custos; • Inexistência de “sistema” de custeio agroindustrial em todas usinas (calculado em Excel e não padronizado); • Subjetividade na aplicação de critérios de rateio custos agrícolas;
  9. 9. CENÁRIO ANTERIOR CENÁRIO ANTERIOR • Pouca atuação do Controle Agroindustrial na esfera Corporativa (ausência de procedimentos/padrões); • 3 usinas com baixíssima maturidade em controles e apontamentos agrícolas; • Falta de agilidade quanto a geração e análises de custeio do negócio; • Inconsistências (números divergentes entre departamentos.); • Fechamento contábil - custeio no 4º dia útil (esforço);
  10. 10. A ESCOLHA TOTVS
  11. 11. O QUE PAUTOU A DECISÃO PELA ESCOLHA TOTVS • Sistema de Back Office escolhido não atendia os requisitos de gestão “agrícola” do business (standard); • Alto grau de customização (tempo, custo, incertezas pós Go Live); • Precisávamos de solução com aplicação imediata e pouca adaptação para o nosso negócio; • Forte utilização da TOTVS pelo mercado agroindustrial. A ESCOLHA TOTVS
  12. 12. SOLUÇÃO ESCOLHIDA
  13. 13. BUSINESS BLUE PRINT SOLUÇÃO ESCOLHIDA Realiza Processamento do custo Geração de base de rateio automática com base nos apontamentos existentes e bases definidas Apropriação dos valores para os centros de custo produtivos finais (ex. CCT Mecanizado, Tratos Culturais Cana Soca, Plantio Mecanizado etc.) Valores dos centros de custos agrícolas são zerados e vão para conta transitória CUSTAG recebe valores nos respectivos centros de custo PIMSPIMSPIMS PIMS PIMS envia o valor dos custos calculados CONTABILIDADE CONTABILIDADE I I I Interfaces CONTABILIDADE  PIMS (ida) e PIMS  CONTABILIDADE (volta).
  14. 14. BUSINESS BLUE PRINT SOLUÇÃO ESCOLHIDA CUSTAG R$ Contabilidade MDO Rural Mecanização (horas/km) Consumo de Insumos/Diesel Produção Operações Serviços Terceiros Gastos gerais (centro de custo e conta) PIMS/CS: Atividade Oper Local Custo Unitário Apropriação pelas horas/km apontadas em OS’s produtivas. Produção (km/horas): ex. apontamento atividades mecanizadas Local = Fazenda e Talhão. Recepção MP
  15. 15. BUSINESS BLUE PRINT SOLUÇÃO ESCOLHIDA Contabilidade PIMS - CUSTAG C.Custo: Preparo de Solo Conta: Insumos Agrícolas C.Custo: Preparo de Solo Conta: Insumos Agrícolas R$ 500.000,00 R$ 500.000,00 Atividade Operação Local Recurso Nível de abertura Balancete Demonstrativo Resultado – C.Custo Análise Operacional Custo Formação Lavoura Custo Tratos Soca Custo CCT Visão Consolidada do Custo Agrícola CUSTAG = Contábil
  16. 16. CENÁRIO ATUAL – BENEFÍCIOS CAPTURADOS
  17. 17. BENEFÍCIOS CAPTURADOS CENÁRIO ATUAL • Padronizado plano de contas e centros de custos; • Padronizados procedimentos / critérios de alocação de custos (objetividade); • Fechamento contábil no 2º dia útil (antes 4º dia útil);
  18. 18. BENEFÍCIOS CAPTURADOS CENÁRIO ATUAL • Redução de 5 para 1 analista de custos (agrícola); • Consistências dos números (relatórios); • Agilidade e facilidade para abertura dos custos (operação, recurso, conta, fundo agrícola, talhão etc.);
  19. 19. AÇÕES IMPLEMENTADAS – PÓS GO LIVE
  20. 20. AÇÕES IMPLEMENTADAS - PÓS GO-LIVE • Definição das funções e responsabilidades do Corporativo vs Unidade; • Acompanhamento periódico dos apontamentos agrícolas (alocações); • Tratamento de inconsistências durante o mês (painel); • Ajustes técnicos no software para redução do tempo de processamento de custos (não atendia a Bunge – 5º dia útil); • Fechamento prévio de custos (dia 28 e 1º dia útil) – simulação;  Não podemos ter surpresas no dia do fechamento 
  21. 21. PRÓXIMOS PASSOS – DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA
  22. 22. PRÓXIMOS PASSOS - DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA • Finalizar implantação do módulo controle exaustão - ATIVO BIOLÓGICO (fase final); • Implementar módulo orçamentário CUSTAG/PLATIV (Custos e Planejamento Agroindustrial) “em curso”; • Desenvolver módulo BI – Business Inteligence para CUSTAG (Custos Agroindustriais);
  23. 23. PRÓXIMOS PASSOS - DESAFIOS DA SEGUNDA ONDA • Reduzir significativamente os inputs manuais (projeto automação agrícola); • Criar COI Corporativo – Controle Operacional Informações; • Criação grupo CUSTOS para melhoria e desenvolvimento do produto (dividir o conhecimento).
  24. 24. DÚVIDAS, PERGUNTAS, COMENTÁRIOS, ETC. ?
  25. 25. Obrigado ;) FERNANDO TREVIZANI www.bunge.com.br fernando.trevizani@usmoema.com.br

×