SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
INTRODUÇÃO
 Qualquer acidente que ocorra sem
  intervenção directa do Homem e que
  coloque em perigo a existência de Vida
  designa-se de catástrofe natural.
 Tempestades, inundações, secas, sismos, v
  ulcões e incêndios podem constituir um
  factor de desequilíbrio dos
  ecossistemas, pondo em perigo a
  sobrevivência da Humanidade.
O QUE É UM SISMO?
 Um sismo ou terramoto é uma catástrofe
  natural com origem em fenómenos
  geológicos.
 São vibrações de rochas, resultantes da
  libertação de energia no interior da
  Terra, que se propagam a partir do
  hipocentro em todas as direcções sob a
  forma de ondas (ondas sísmicas).
 A ciência que estuda os sismos é a
  sismologia.
 Geralmente os sismos não são fenómenos
  isolados porque posteriormente a um
  grande tremor de terra surgem abalos
  menores que podem repetir-se durante
  dias (réplicas). Também é frequente que os
  sismos sejam precedidos por abalos de
  baixa intensidade (abalos premonitórios).
 A maior parte dos sismos ocorre nas
  fronteiras entre placas tectónicas, ou em
  falhas entre dois blocos rochosos. O
  comprimento de uma falha pode variar de
  alguns centímetros até milhares de
  quilómetros.
   Entre o efeito dos sismos estão a vibração
    do solo, abertura de falhas, deslizamentos
    de terra, tsunamis, mudanças na rotação
    da Terra, além de efeitos deletérios em
    construções feitas pelo Homem, resultando
    em perda de vidas, ferimentos e altos
    prejuízos financeiros e sociais.
HIPOCENTRO E EPICENTRO
 O hipocentro é a zona do interior da terra
  onde se origina o sismo.
 O epicentro é o local da Terra, situado na
  vertical do hipocentro, onde se verifica
  maior intensidade do sismo.
ESQUEMA DE UM SISMO
CAUSAS DE UM SISMO
 Fracturação e
  deslizamento das rochas
  ( fig.1);
                            Fig.1
 Movimento do magma no
                                        Fig.2
  interior da Terra e
  erupções vulcânicas
  explosivas (fig.2);
 Abatimento de terrenos            Fig.3
  (fig.3)
CLASSIFICAÇÃO DE UM SISMO
   Os sismos podem ser classificados de três
    formas:
   Superficiais – Ocorrem entre a superfície
    e os 70 km de profundidade (85%);
   Intermédios – Ocorrem entre os 70 e os
    350 km de profundidade (12%);
   Profundos – Ocorrem entre os 350 e os
    670 km de profundidade (3%)
   Em profundidades superiores a 700 km são
    muito raros.
COMO SE DETECTA E
REGISTA UM SISMO?
 O sismógrafo é o aparelho que detecta e
  regista as vibrações sísmicas.
 Os sismogramas são os registos que são
  efectuados.




                         Sismograma
       Sismógrafo
COMO SE AVALIA UM SISMO?
 Um sismo pode ser avaliado usando em
  escala de intensidade (Escala de Mercalli)
  ou uma escala de magnitude (Escala de
  Richter).
 A intensidade de um sismo num certo
  local, avalia-se por entrevista às
  populações e pela verificação por técnicos
  das declarações dos inquiridos.
ESCALA DE MERCALLI
      DANOS QUASE     XII
         TOTAIS
     CATASTRÓFICO     XI
      DESTRUIDOR       X
      DESASTROSO      IX
        RUINOSO       VIII
      MUITO FORTE     VII
     BASTANTE FORTE   VI
         FORTE         V
       MODERADO       IV
         FRACO        III
      MUITO FRACO      II
     IMPERCEPTÍVEL     I
ESCALA DE RICHTER
      DESTRUIÇÃO TOTAL          9
          DESASTRE              8
 DESTRÓI CONSTRUÇÕES E MATA     7
           PESSOAS
ESTRUTURAS BALANÇAM E PAREDES   6
            CAEM
DESTRÓI ALGUMAS CONSTRUÇÕES     5
SENTIDO POR TODAS AS PESSOAS    4
SENTIDO POR ALGUMAS PESSOAS     3
SENTIDO POR ALGUMAS PESSOAS E   2
           ANIMAIS
 SENTIDO SÓ POR INTRUMENTOS     1
         CIENTÍFICOS
COMO ACTUAR…
  …ANTES DE UM               …DURANTE UM            …APÓS UM SISMO
     SISMO                      SISMO               NÃO FAZER LUME E AREJAR
                                                    OS LOCAIS
  FALAR ABERTAMENTE        NÃO USAR OS ELEVADORES
   SOBRE O ASSUNTO           PORQUE PODEM SER       VESTIR ROUPAS QUENTES E
                             DESACTIVADOS PELO      USAR SAPATOS
  OBTER INFORMAÇÕES
                              CORTE DE ENERGIA
   SOBRE OS SISMOS                                  NÃO USAR
                            AFASTAR-SE DE JANELAS   DESNECESSARIAMENTE O
APRENDER A DESLIGAR O
                           OU DE OUTROS OBJECTOS    TELEFONE
 GÁS E A ELETRICIDADE
                              QUE POSSAM CAIR
                                                    AJUDAR A SOCORRER
  ARMAZENAR ALGUMA
                           ABRIGAR-SE DEBAIXO DE    FERIDOS E APAGAR
       COMIDA
                           UMA MESA PESADA OU DE    PEQUENOS INCÊNDIOS OU
ENLATADA/EMPACOTADA E
                                UMA PORTA           AVISAR OS BOMBEIROS
  ÁGUA ENGARRAFADA
                               EVITAR O PÂNICO      AFASTAR-SE DE ZONAS
PREPARAR UM ESTOJO DE
                                                    LITORAIS
 PRIMEIROS SOCORROS            PROCURAR LOCAIS
                             ABERTOS E MANTER-SE    OUVIR AS NOTÍCIAS E
TER UMA LANTERNA E UM
                            AFASTADO DE EDIFÍCIOS   SEGUIR AS INDICAÇÕES
  TRANSITOR A PILHAS
                                                    DADAS
FIXAR ESTANTES E BOTIJAS   NÃO SE PRECIPITAR PARA
    DE GÁS À PAREDE              AS SAÍDAS
MAIORES SISMOS
   DATA               LUGAR            MORTES    MAGNITUDE
  26/01/1700   CAROLINA DO NORTE À                   9
                ILHA DE VANCOUVER
  01/11/1755     LISBOA, PORTUGAL       70.000      8.7
  31/12/1906    COLÔMBIA-EQUADOR        1.000       8.8
  16/12/1920   NINGXIA-KANSU, CHINA    200.000      8.6
  04/11/1952    KAMCHATKA, RÚSSIA                    9
  09/03/1957      ILHA ANDREANOF,                   9.1
                    ALASCA, EUA
  22/05/1960           CHILE            5.700       9.5
  28/03/1964   PRINCE WILLIAM SOUND,     200        9.2
                    ALASCA, EUA
  04/02/1965   ILHA RAT, ALASCA, EUA                8.7
  26/12/2004    SAMATRA, INDONÉSIA     100.000       9
DISTRIBUIÇÃO DOS SISMOS
NO MUNDO

Os sismos
distribuem-se
principalmente por
três regiões da
Terra:
o Oceano Pacífico
(Anel de Fogo do
Pacífico), o Oceano
Atlântico e a Faixa
Mediterrânica.
DISTRIBUIÇÃO DOS SISMOS
 EM PORTUGAL (CONTINENTE)
Os sismos distribuem-se
principalmente em três
regiões da Terra: a Área
Metropolitana de
Lisboa, o Algarve e o
Arquipélago dos Açores.
Terramoto de 1 de
Novembro de 1755
    em Lisboa
Quando o sismo tem origem no fundo do
mar, normalmente desencadeia um dos
fenómenos mais violentos da Natureza, os
maremotos.
O QUE É UM MAREMOTO?
 Um maremoto é também uma catástrofe
  natural com origem em fenómenos
  geológicos.
 São ondas gigantes que resultam da
  actividade sísmica, mas no fundo do mar.
 A palavra tsunami por vezes também
  usada, deriva do japonês e significa “vaga
  do porto”.
FORMAÇÃO DE UM MAREMOTO
MAIORES MAREMOTOS
 DATA           LOCAL          MORTES    MAGNITUDE   ALTURA
02/09/1992     NICARÁGUA         200        7.2       10 m

12/12/1992   ILHA DE FLORES,    1.000       7.5       26 m
                INDONÉSIA
12/07/1993     HOKKAIDO,         200        7.6       30 m
                 JAPÃO
02/06/1994   JAVA, INDONÉSIA     300        7.2       14 m

04/10/1994   ILHAS CURILAS       100        8.1       11 m

14/11/1994      MINDORO          100        7.1       7m

21/02/1996        PERÚ           100        7.5       5m

17/07/1998     NOVA GUINÉ       2.000        7        15 m

23/06/2001        PERÚ           100        8.3       5m

26/12/2004   OCEANO ÍNDICO     220.000       9        50 m
BIBLIOGRAFIA
   www.wikipedia.com
   www.prof2000.pt
   www.google.pt – Imagens
   Manual escolar “Descobrir a Terra 8”
   Manual escolar “Fazer Geografia 7”
   Caderno de actividades “Fazer Geografia 7”
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisIngrid Bispo
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terramargaridabt
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhasmarciotecsoma
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesAna Castro
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasLucilia Fonseca
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosGabriela Bruno
 
Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4
Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4
Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4Kéliton Ferreira
 
7 sismologia
7  sismologia7  sismologia
7 sismologiabgprof
 
Furacões
FuracõesFuracões
FuracõesT8CG3
 
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaA Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaVitor Peixoto
 

Mais procurados (20)

Climas e formações vegetais
Climas e formações vegetaisClimas e formações vegetais
Climas e formações vegetais
 
Sismos
Sismos Sismos
Sismos
 
8 sismologia
8   sismologia8   sismologia
8 sismologia
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
6 métodos estudo interior da terra
6   métodos estudo interior da terra6   métodos estudo interior da terra
6 métodos estudo interior da terra
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhas
 
Ondas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidadesOndas sísmicas e descontinuidades
Ondas sísmicas e descontinuidades
 
Atividade sismica
Atividade sismicaAtividade sismica
Atividade sismica
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Princípios Estratigráficos
Princípios EstratigráficosPrincípios Estratigráficos
Princípios Estratigráficos
 
Skate
SkateSkate
Skate
 
Guião do filme "O cume de Dante"
Guião do filme "O cume de Dante"Guião do filme "O cume de Dante"
Guião do filme "O cume de Dante"
 
Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4
Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4
Agentes erosivos https://youtu.be/2Mi_fQkY-m4
 
Vulcanismo secundário
Vulcanismo secundárioVulcanismo secundário
Vulcanismo secundário
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
7 sismologia
7  sismologia7  sismologia
7 sismologia
 
Furacões
FuracõesFuracões
Furacões
 
Beneficios do vulcanismo
Beneficios do vulcanismoBeneficios do vulcanismo
Beneficios do vulcanismo
 
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - AtmosferaA Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
A Intervenção Do Homem Nos Subsistemas Terrestres - Atmosfera
 
Vi vulcanismo secundario
Vi   vulcanismo secundarioVi   vulcanismo secundario
Vi vulcanismo secundario
 

Destaque

Atividade sísmica
Atividade sísmicaAtividade sísmica
Atividade sísmicaacatarina82
 
Teste Verificação Sismos
Teste Verificação SismosTeste Verificação Sismos
Teste Verificação SismosLucca
 
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos OceânicosTeoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos OceânicosCatir
 
Ciências naturais 7 sismologia
Ciências naturais 7   sismologiaCiências naturais 7   sismologia
Ciências naturais 7 sismologiaNuno Correia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
SismologiaCatir
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasCláudia Moura
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anoDavid Aps
 
Sismos e vulcões
Sismos e vulcõesSismos e vulcões
Sismos e vulcõesFilipe Leal
 
Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011Regina E Franck
 

Destaque (20)

Sismos
 Sismos Sismos
Sismos
 
Atividade sísmica
Atividade sísmicaAtividade sísmica
Atividade sísmica
 
Sismos 1
Sismos 1Sismos 1
Sismos 1
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Maremoto
MaremotoMaremoto
Maremoto
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Teste Verificação Sismos
Teste Verificação SismosTeste Verificação Sismos
Teste Verificação Sismos
 
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos OceânicosTeoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
Teoria Da Mobilidade Dos Fundos Oceânicos
 
Dobras E Falhas
Dobras E FalhasDobras E Falhas
Dobras E Falhas
 
Ciências naturais 7 sismologia
Ciências naturais 7   sismologiaCiências naturais 7   sismologia
Ciências naturais 7 sismologia
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Deriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placasDeriva continental e tectónica de placas
Deriva continental e tectónica de placas
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Os Sismos
Os Sismos   Os Sismos
Os Sismos
 
Sismos o que podemos fazer
Sismos o que podemos fazerSismos o que podemos fazer
Sismos o que podemos fazer
 
tipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 anotipos de vulcanismo 7 ano
tipos de vulcanismo 7 ano
 
Sismos e vulcões
Sismos e vulcõesSismos e vulcões
Sismos e vulcões
 
Vulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placasVulcões e tectónica de placas
Vulcões e tectónica de placas
 
Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011Terremoto- ciclone e furacão 2011
Terremoto- ciclone e furacão 2011
 

Semelhante a Sismos e Maremotos (20)

ae_mt7_ppt_sismos.pptxgggggggggggggggggggggg
ae_mt7_ppt_sismos.pptxggggggggggggggggggggggae_mt7_ppt_sismos.pptxgggggggggggggggggggggg
ae_mt7_ppt_sismos.pptxgggggggggggggggggggggg
 
Tsunamis beatriz,cristiana e manuel
Tsunamis beatriz,cristiana e manuelTsunamis beatriz,cristiana e manuel
Tsunamis beatriz,cristiana e manuel
 
11 sismologia
11 sismologia 11 sismologia
11 sismologia
 
Catastrofes naturais
Catastrofes naturaisCatastrofes naturais
Catastrofes naturais
 
262
262262
262
 
Terrremoto
TerrremotoTerrremoto
Terrremoto
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Trabalho de geog.
Trabalho de geog.Trabalho de geog.
Trabalho de geog.
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Cincias Naturais7 sismologia
Cincias Naturais7 sismologiaCincias Naturais7 sismologia
Cincias Naturais7 sismologia
 
Tsunami
TsunamiTsunami
Tsunami
 
SISMOS.pptx
SISMOS.pptxSISMOS.pptx
SISMOS.pptx
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
Sismos
SismosSismos
Sismos
 
A Terra Tremeu
A Terra TremeuA Terra Tremeu
A Terra Tremeu
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Slides geografia e economia japão
Slides geografia e economia   japãoSlides geografia e economia   japão
Slides geografia e economia japão
 
Actividade sísmica 7º
Actividade sísmica   7ºActividade sísmica   7º
Actividade sísmica 7º
 

Mais de TCHOKAN

FREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSAFREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSATCHOKAN
 
Sea Shepherd Conservation Society
Sea Shepherd Conservation SocietySea Shepherd Conservation Society
Sea Shepherd Conservation SocietyTCHOKAN
 
Piet Mondrian
Piet MondrianPiet Mondrian
Piet MondrianTCHOKAN
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisTCHOKAN
 
Vulcões
VulcõesVulcões
VulcõesTCHOKAN
 

Mais de TCHOKAN (6)

FREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSAFREI LUÍS DE SOUSA
FREI LUÍS DE SOUSA
 
Sea Shepherd Conservation Society
Sea Shepherd Conservation SocietySea Shepherd Conservation Society
Sea Shepherd Conservation Society
 
Piet Mondrian
Piet MondrianPiet Mondrian
Piet Mondrian
 
Coimbra
CoimbraCoimbra
Coimbra
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente TransmissíveisDoenças Sexualmente Transmissíveis
Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 

Último

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 

Sismos e Maremotos

  • 1.
  • 2. INTRODUÇÃO  Qualquer acidente que ocorra sem intervenção directa do Homem e que coloque em perigo a existência de Vida designa-se de catástrofe natural.  Tempestades, inundações, secas, sismos, v ulcões e incêndios podem constituir um factor de desequilíbrio dos ecossistemas, pondo em perigo a sobrevivência da Humanidade.
  • 3. O QUE É UM SISMO?  Um sismo ou terramoto é uma catástrofe natural com origem em fenómenos geológicos.  São vibrações de rochas, resultantes da libertação de energia no interior da Terra, que se propagam a partir do hipocentro em todas as direcções sob a forma de ondas (ondas sísmicas).  A ciência que estuda os sismos é a sismologia.
  • 4.  Geralmente os sismos não são fenómenos isolados porque posteriormente a um grande tremor de terra surgem abalos menores que podem repetir-se durante dias (réplicas). Também é frequente que os sismos sejam precedidos por abalos de baixa intensidade (abalos premonitórios).  A maior parte dos sismos ocorre nas fronteiras entre placas tectónicas, ou em falhas entre dois blocos rochosos. O comprimento de uma falha pode variar de alguns centímetros até milhares de quilómetros.
  • 5. Entre o efeito dos sismos estão a vibração do solo, abertura de falhas, deslizamentos de terra, tsunamis, mudanças na rotação da Terra, além de efeitos deletérios em construções feitas pelo Homem, resultando em perda de vidas, ferimentos e altos prejuízos financeiros e sociais.
  • 6. HIPOCENTRO E EPICENTRO  O hipocentro é a zona do interior da terra onde se origina o sismo.  O epicentro é o local da Terra, situado na vertical do hipocentro, onde se verifica maior intensidade do sismo.
  • 8. CAUSAS DE UM SISMO  Fracturação e deslizamento das rochas ( fig.1); Fig.1  Movimento do magma no Fig.2 interior da Terra e erupções vulcânicas explosivas (fig.2);  Abatimento de terrenos Fig.3 (fig.3)
  • 9. CLASSIFICAÇÃO DE UM SISMO  Os sismos podem ser classificados de três formas:  Superficiais – Ocorrem entre a superfície e os 70 km de profundidade (85%);  Intermédios – Ocorrem entre os 70 e os 350 km de profundidade (12%);  Profundos – Ocorrem entre os 350 e os 670 km de profundidade (3%)  Em profundidades superiores a 700 km são muito raros.
  • 10. COMO SE DETECTA E REGISTA UM SISMO?  O sismógrafo é o aparelho que detecta e regista as vibrações sísmicas.  Os sismogramas são os registos que são efectuados. Sismograma Sismógrafo
  • 11. COMO SE AVALIA UM SISMO?  Um sismo pode ser avaliado usando em escala de intensidade (Escala de Mercalli) ou uma escala de magnitude (Escala de Richter).  A intensidade de um sismo num certo local, avalia-se por entrevista às populações e pela verificação por técnicos das declarações dos inquiridos.
  • 12. ESCALA DE MERCALLI DANOS QUASE XII TOTAIS CATASTRÓFICO XI DESTRUIDOR X DESASTROSO IX RUINOSO VIII MUITO FORTE VII BASTANTE FORTE VI FORTE V MODERADO IV FRACO III MUITO FRACO II IMPERCEPTÍVEL I
  • 13. ESCALA DE RICHTER DESTRUIÇÃO TOTAL 9 DESASTRE 8 DESTRÓI CONSTRUÇÕES E MATA 7 PESSOAS ESTRUTURAS BALANÇAM E PAREDES 6 CAEM DESTRÓI ALGUMAS CONSTRUÇÕES 5 SENTIDO POR TODAS AS PESSOAS 4 SENTIDO POR ALGUMAS PESSOAS 3 SENTIDO POR ALGUMAS PESSOAS E 2 ANIMAIS SENTIDO SÓ POR INTRUMENTOS 1 CIENTÍFICOS
  • 14. COMO ACTUAR… …ANTES DE UM …DURANTE UM …APÓS UM SISMO SISMO SISMO NÃO FAZER LUME E AREJAR OS LOCAIS FALAR ABERTAMENTE NÃO USAR OS ELEVADORES SOBRE O ASSUNTO PORQUE PODEM SER VESTIR ROUPAS QUENTES E DESACTIVADOS PELO USAR SAPATOS OBTER INFORMAÇÕES CORTE DE ENERGIA SOBRE OS SISMOS NÃO USAR AFASTAR-SE DE JANELAS DESNECESSARIAMENTE O APRENDER A DESLIGAR O OU DE OUTROS OBJECTOS TELEFONE GÁS E A ELETRICIDADE QUE POSSAM CAIR AJUDAR A SOCORRER ARMAZENAR ALGUMA ABRIGAR-SE DEBAIXO DE FERIDOS E APAGAR COMIDA UMA MESA PESADA OU DE PEQUENOS INCÊNDIOS OU ENLATADA/EMPACOTADA E UMA PORTA AVISAR OS BOMBEIROS ÁGUA ENGARRAFADA EVITAR O PÂNICO AFASTAR-SE DE ZONAS PREPARAR UM ESTOJO DE LITORAIS PRIMEIROS SOCORROS PROCURAR LOCAIS ABERTOS E MANTER-SE OUVIR AS NOTÍCIAS E TER UMA LANTERNA E UM AFASTADO DE EDIFÍCIOS SEGUIR AS INDICAÇÕES TRANSITOR A PILHAS DADAS FIXAR ESTANTES E BOTIJAS NÃO SE PRECIPITAR PARA DE GÁS À PAREDE AS SAÍDAS
  • 15. MAIORES SISMOS DATA LUGAR MORTES MAGNITUDE 26/01/1700 CAROLINA DO NORTE À 9 ILHA DE VANCOUVER 01/11/1755 LISBOA, PORTUGAL 70.000 8.7 31/12/1906 COLÔMBIA-EQUADOR 1.000 8.8 16/12/1920 NINGXIA-KANSU, CHINA 200.000 8.6 04/11/1952 KAMCHATKA, RÚSSIA 9 09/03/1957 ILHA ANDREANOF, 9.1 ALASCA, EUA 22/05/1960 CHILE 5.700 9.5 28/03/1964 PRINCE WILLIAM SOUND, 200 9.2 ALASCA, EUA 04/02/1965 ILHA RAT, ALASCA, EUA 8.7 26/12/2004 SAMATRA, INDONÉSIA 100.000 9
  • 16. DISTRIBUIÇÃO DOS SISMOS NO MUNDO Os sismos distribuem-se principalmente por três regiões da Terra: o Oceano Pacífico (Anel de Fogo do Pacífico), o Oceano Atlântico e a Faixa Mediterrânica.
  • 17. DISTRIBUIÇÃO DOS SISMOS EM PORTUGAL (CONTINENTE) Os sismos distribuem-se principalmente em três regiões da Terra: a Área Metropolitana de Lisboa, o Algarve e o Arquipélago dos Açores.
  • 18. Terramoto de 1 de Novembro de 1755 em Lisboa
  • 19. Quando o sismo tem origem no fundo do mar, normalmente desencadeia um dos fenómenos mais violentos da Natureza, os maremotos.
  • 20. O QUE É UM MAREMOTO?  Um maremoto é também uma catástrofe natural com origem em fenómenos geológicos.  São ondas gigantes que resultam da actividade sísmica, mas no fundo do mar.  A palavra tsunami por vezes também usada, deriva do japonês e significa “vaga do porto”.
  • 21. FORMAÇÃO DE UM MAREMOTO
  • 22. MAIORES MAREMOTOS DATA LOCAL MORTES MAGNITUDE ALTURA 02/09/1992 NICARÁGUA 200 7.2 10 m 12/12/1992 ILHA DE FLORES, 1.000 7.5 26 m INDONÉSIA 12/07/1993 HOKKAIDO, 200 7.6 30 m JAPÃO 02/06/1994 JAVA, INDONÉSIA 300 7.2 14 m 04/10/1994 ILHAS CURILAS 100 8.1 11 m 14/11/1994 MINDORO 100 7.1 7m 21/02/1996 PERÚ 100 7.5 5m 17/07/1998 NOVA GUINÉ 2.000 7 15 m 23/06/2001 PERÚ 100 8.3 5m 26/12/2004 OCEANO ÍNDICO 220.000 9 50 m
  • 23.
  • 24. BIBLIOGRAFIA  www.wikipedia.com  www.prof2000.pt  www.google.pt – Imagens  Manual escolar “Descobrir a Terra 8”  Manual escolar “Fazer Geografia 7”  Caderno de actividades “Fazer Geografia 7”
  • 25. FIM