O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS     FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS                LAURA ARANTES             ...
LAURA ARANTES                   LAURA BASSO             TAMARA FERREIRA BELLEZADMAE BITARTARATO E TALASFERAS DE VITAMINA C...
LAURA ARANTES                                   LAURA BASSO                         TAMARA FERREIRA BELLEZA     DMAE BITAR...
Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, poissem ele, nada seria possível, e nossos sonhos nãoseriam concretizados.Ao...
AGRADECIMENTOS      Às voluntárias que se aceitaram participar e colaborar para a realização destetrabalho.      À profess...
A realização de um sonho depende de dedicação.Há muita gente que espera que o sonho se realizepor mágica, mas toda mágica ...
RESUMOO desenvolvimento de novos cosméticos com propriedade antienvelhecimentocutâneo está em evidência pela indústria cos...
ABSTRACTThe development of new cosmetics with property of antiaging cutaneous are evident[in the cosmetic industry. The “D...
LISTA DE FIGURAS OU GRÁFICOSFigura 1 -   Representação esquemática da estrutura da pele humana.                 14Figura 2...
Figura 17 - Foto de perfil ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 3, utilizando             DMAE bitartaráto.         ...
SUMÁRIO                                                                                                                   ...
INTRODUÇÃO         Com o avanço da idade e as mudanças hormonais, a pele começa a sofreralterações que modificam gradativa...
Com efeito, na hidratação cutânea, atenuação de manchas e açãoantioxidante, a aplicação tópica da vitamina C e seus deriva...
1 DESENVOLVIMENTO TEÓRICO1.1 Pele      A pele é um órgão complexo e heterogêneo que reveste a superfície do corpoe apresen...
1.1.1. Epiderme         A epiderme é um epitélio de revestimento estratificado pavimentoso comvariações estruturais e func...
Quando as células espinhosas seguem em direção à superfície as célulaspassam por um estágio em que se seu citoplasma se ap...
A renovação completa, desde a divisão na camada basal até a eliminação nacamada córnea, faz-se em 52 a 75 dias (AZULAY, 20...
A derme caracteriza-se pela superfície irregular onde se observam saliênciasque acompanham as reentrâncias correspondentes...
pilosos, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas (JUNQUEIRA; CARNEIRO,2004; SAMPAIO; RIVITTI, 1988).1.2 Colágeno      O...
trabalha juntamente com a elastina. Essa combinação é essencial e ocorre emdiferentes partes do corpo, tais como ossos, pu...
 Colágeno tipo IX: função de manter as células unidas e é o principal      componente proteico de órgãos;    Colágeno ti...
ancoramento auxiliam a conexão da lâmina basal do epitélio de múltiplas       camadas ao tecido conjuntivo subjacente e, p...
haja uma energia que gera uma contração da fibra á partir dos grupos não polares(LIMPIANGKANAN, Wikunda; LIMPIANGKANAN, Wi...
perdem parte de suas sequências, onde supõe - se que essa perda seja um fator delimitação para a capacidade replicativa ce...
provocando uma diminuição na espessura da pele assim altera a função de barreira.Os corneócitos se acumulam na superfície ...
irrigação dérmica, reduzindo o fornecimento de sangue á pele contribuindo paraatrofia da pele. O nível de exposição solar ...
1.7 Filtro Solar       O surgimento dos protetores solares ocorreu a partir do momento que seobservou que existiam substân...
Já a radiação UVA, de maior comprimento de onda, são menos energéticas,mas penetram mais profundamente na pele atingindo a...
A produção de radicais a partir de fontes exógenas como radiação ultravioletae poluição podem danificar a pele no nível ce...
radical prevenindo o ataque do alvo biológico, dentre os quais, podemos citarvitamina C hidrossolúvel, vitamina E lipossol...
A vitamina C é hidrossolúvel presente em grande parte dos vegetais e frutos edesempenham papel fundamental nas reações oxi...
Em vista disso estudos demonstram que a vitamina C tenha indicadoeficiência na despigmentação da pele através da inibição ...
glicosferas de Vitamina C (nanosferas contendo ácido ascóbico); éster de vitamina C(nikkol VC-IP); palmitato de asorbila.1...
1.9.2 DMAE (dimetilaminoetanol)         O 2-dimetilaminoetanol (DMAE) também conhecido como deanol é umasubstância natural...
antiidade e promotor do aumento do tônus cutâneo, quando observou de formaacidental em terapia oral com DMAE que seus paci...
linhas de expressão. Esse efeito pode se mantém por algum tempo (GROSSMAN,2005).1.9.2.1 Derivados do DMAE         Os deriv...
2 OBJETIVOS2.1 OBJETIVO GERAL      Avaliar a eficácia do DMAE bitartarato e Talasferas de Vitamina C naatenuação de sinais...
3 MATERIAIS E MÉTODOS3.1 MATERIAISFoi disponibilizado para as voluntárias:    DMAE bitartarato a 5% em base creme não iôn...
As fotos obtidas de cada voluntárias:    Vista frontal;    Vista de perfil direito;    Vista de perfil esquerdo.Os crit...
4 RESULTADOS E DISCUSSÃO      Avaliação comparativa da Talasferas de vitamina C obtiveram os seguintesresultados:- Análise...
- Análise fotográfica Grupo 2 (36 – 45 anos):       A voluntária deste grupo desistiu devida o desenvolvimento de uma reaç...
Os resultados observados nas voluntárias que utilizaram a vitamina C,quando utilizado a 5%, como a melhora na coloração de...
Avaliação comparativa da DMAE bitartarato obtiveram os seguintesresultados:- Análise fotográfica grupo 1 (25 – 35 anos):  ...
- Análise fotográfica grupo 2 (36 – 45 anos):       Figura 15. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratamento, ...
- Análise fotográfica grupo 3 (acima de 46 anos):      Figura 16. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratament...
Figura 17. Vista de perfi esquerdo ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo      3 utilizando DMAE bitartarato. ...
Os resultados observados nas voluntárias que utilizaram o DMAE foramatenuação de linhas obscular dos olhos, na glabelar, h...
- Análise gráfica dos questionários do pré e pós-tratamento:      Figura18. Questionário pré-tratamento. Cosméticos utiliz...
Quando perguntadas quanto à frequência desta utilização, 67% utilizavam ásvezes e 33% das voluntárias relataram utilizar c...
Figura 21. Questionário pós-tratamento. Resultados – DMAE bitartarato pela análise      das voluntárias.      Fonte: Elabo...
Figura 22. Questionário pós-tratamento. Resultados – Talasferas de vitamina C pela      análise das voluntárias.      Font...
6 CONCLUSÃO      Com base nos resultados pode se verificar que o DMAE bitartarato teveresultados visíveis mais relevantes ...
REFERÊNCIASALMEIDA, I. F; GAIO, A. R; BAHIA, M. F. Hedonic and descriptive skinfeel analysisof two oleogels: comparison wi...
CANCELA, Diana Manuela Gomes. O Processo de envelhecimento. Portugal:Trabalho realizado no estágio de complemento ao diplo...
LOURENÇO, V. A. desenvolvimento e avaliação de micropartículas de quitosanapara veiculação de dimetiletanol (DMAE) na pele...
SILVA, G. M; CAMPOS, P. M. B. G. Histopathological, morphometric andsteriological studies of ascorbic acid and magnesuim a...
APÊNDICE I              TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO         Professora responsável: Profª. Esp. Vanessa Mar...
TERMO DE CONSENTIMENTOEu       ______________________________,                     portadora        do       R.Gnº________...
APÊNDICE II                 QUESTIONÁRIO PRÉ – TRATAMENTO1 – Você já fez o uso de produtos cosméticos no rosto?( ) Sim( ) ...
APÊNDICE III                      QUESTIONÁRIO PÓS – TRATAMENTO             DMAE ( )          Vitamina C ( )     Grupo :1-...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelhecimento cutâneo

3.352 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Dmae bitartarato e talasferas de vitamina c na atenuação dos sinais do envelhecimento cutâneo

  1. 1. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FACULDADES INTEGRADAS DE FERNANDÓPOLIS LAURA ARANTES LAURA BASSO TAMARA FERREIRA BELLEZADMAE BITARTARATO E TALASFERAS DE VITAMINA C NAATENUAÇÃO DOS SINAIS DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO FERNANDÓPOLIS 2012
  2. 2. LAURA ARANTES LAURA BASSO TAMARA FERREIRA BELLEZADMAE BITARTARATO E TALASFERAS DE VITAMINA C NAATENUAÇÃO DOS SINAIS DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Trabalho de conclusão de curso apresentado à Banca Examinadora do Curso de Graduação em Farmácia da Fundação Educacional de Fernandópolis como exigência parcial para obtenção do título de bacharel em farmácia. Orientador: Profa. Esp. Vanessa Maria Rizzato Silveira FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE FERNANDÓPOLIS FERNANDÓPOLIS – SP 2012 2 [ D i
  3. 3. LAURA ARANTES LAURA BASSO TAMARA FERREIRA BELLEZA DMAE BITARTARATO E TALASFERAS DE VITAMINA C NA ATENUAÇÃO DOS SINAIS DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO Trabalho de conclusão de curso aprovado como requisito parcial para obtenção do título de bacharel em farmácia. Aprovado em: __ de novembro de 20__. Banca examinadora Assinatura ConceitoProfa. Esp. Vanessa M. R. SilveiraProfa. Esp. Rosana K. MottaProf. Esp. Marcos S. Rodrigues Profa. Esp. Vanessa Maria Rizzato Silveira Presidente da Banca Examinadora 3 [ D i
  4. 4. Dedicamos este trabalho primeiramente a Deus, poissem ele, nada seria possível, e nossos sonhos nãoseriam concretizados.Aos nossos pais, que sempre nos deram apoio, eestiveram presentes acreditando em nossopotencial, nos incentivando na busca de novasrealizações e descobertas. 4[ D i
  5. 5. AGRADECIMENTOS Às voluntárias que se aceitaram participar e colaborar para a realização destetrabalho. À professora Vanessa Rizzato que disponibilizou seu tempo e deu todo apoiopara a realização do mesmo e passou todo seu conhecimento para nos orientar. À harmonia do grupo, que soube dividir as tarefas igualmente, foicompreensivo e companheiro em todos os momentos. 5[ D i
  6. 6. A realização de um sonho depende de dedicação.Há muita gente que espera que o sonho se realizepor mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusãonão tira ninguém de onde está. Em verdade a ilusãoé combustível dos perdedores, pois quem quer fazeralguma coisa, encontra um meio.“Quem não quer fazer nada, encontra umadesculpa.” Roberto Shinyashiki 6 [ D i
  7. 7. RESUMOO desenvolvimento de novos cosméticos com propriedade antienvelhecimentocutâneo está em evidência pela indústria cosmética. O DMAE bitartarato e asTalasferas de vitamina C são produtos cosméticos utilizados com a finalidade deatenuar e prevenir os sinais do envelhecimento cutâneo através do combate aosradicais livres e a produção e manutenção das fibras elásticas e colagenosas dapele. Este trabalho teve como objetivo avaliar da eficácia do DMAE bitartarato eTalasferas de Vitamina C no combate de linhas de expressão facial. As voluntáriasforam divididas em 3 grupos de diferentes faixas etárias. Cada grupo foi compostopor 2 pessoas, sendo uma destinada a utilizar o DMAE bitartarato e outra aTalasferas de vitamina C. O método de análise foi através de imagens fotográficaobtidas no inicio e no final do tratamento e questionários pré e pós-tratamento. Nofinal dos 90 dias de tratamento foi possível analisar que as voluntarias que utilizaramo DMAE bitartarato em todos os grupos obtiveram uma resposta mais satisfatóriaque as que utilizaram as Talasferas de vitamina C, podendo ser confirmado atravésdo questionário pós-tratamento. A instabilidade da vitamina C frente a altastemperaturas e a luz pode ter comprometido o resultado. As voluntárias do grupo 3de ambos os produtos apresentaram o resultado mais expressivo.Palavras-chave: Envelhecimento cutâneo; DMAE; Vitamina C. 7
  8. 8. ABSTRACTThe development of new cosmetics with property of antiaging cutaneous are evident[in the cosmetic industry. The “DMAE” bitartrate and the Talasferas of C vitamin areDcosmetics products used with a purpose to attenuate and to avoid antiagingicutaneous signs through combating free radicals, and the production andgmaintenance of collagenous and elastic fiber of the skin. This study has the mainigoal to evaluate the effectiveness of “DMAE” Bitartrate and the Talsferas of C vitaminton combating the face expression lines. The volunteers were divided in 3 groups ofedifferent ages. Each group are composed of 2 people, and one person is destined touse the DMAE Bitartrate and the other is destined to use the Talasferas of C vitamin.uThe methodology of this analysis were through photographic pictures taken at thembeginning and at the end of this processing and also pre and post processingaquestionnaires. At the end of 90 days of processing, it was possible to analyze thatall volunteers that used the DMAE bitartrate in all of the groups were morecsatisfactory than the ones that used the Talasferas of C vitamin, which it wasiconfirmed by the questionnaire post processing. The instability of C vitamin againsttthe high temperatures and illumination can undertake the results. a çKey-Words: Cutaneous aging; DMAE; C vitamin. ã o d o d o c u m e n t o o u o r e s u m o d e u m 8[ D p i
  9. 9. LISTA DE FIGURAS OU GRÁFICOSFigura 1 - Representação esquemática da estrutura da pele humana. 14Figura 2 - Camadas da pele humana em corte histológico em microscopia de luz aumentada em 400x. 16Figura 3 - Camada papilar e reticular da derme no corte histológico da pele humana em microscopia de luz aumentada em 100x. 18Figura 4 - Representação de alguns tipos de colágeno presente na membrana basal. 21Figura 5 - Esquema do envelhecimento cronológico segundo diferentes faixas etárias. 26Figura 6 - Penetração da radiação solar na pele. 28Figura 7 - Estrutura química do ácido ascórbico. 31Figura 8 - Etapas químicas da melanogênese. 32Figura 9 - Demonstração da estrutura de um lipossoma. 34Figura 10 - Comparação da estrutura química do dimentilaminoetanol (DMAE), colina e acetilcolina. 35Figura 11 - Representação esquemática do possível mecanismo de ação do DMAE. 36Figura 12 - Foto frontal ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 1 utilizando Talasferas de vitamina C. 40Figura 13 - Foto frontal ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 3, utilizando Talasferas de vitamina C. 41Figura 14 - Foto frontal ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 1, utilizando DMAE bitartarato. 43Figura 15 - Foto frontal ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 2, utilizando DMAE bitartarato. 44Figura 16 - Foto frontal ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 3, utilizando 45 DMAE bitartarato. 9 [ D i
  10. 10. Figura 17 - Foto de perfil ilustrativa de pré e pós-tratamento, grupo 3, utilizando DMAE bitartaráto. 46Figura 18 - Questionário pré-tratamento. Cosméticos utilizados pelas voluntárias. 48Figura 19 - Questionário pré-tratamento. Utilização de produtos cosméticos faciais. 48Figura 20 - Questionário pré-tratamento. Frequência da utilização do protetor solar. 49Figura 21 - Questionário pós-tratamento. Resultado – DMAE bitartarato pela análise das voluntárias. 50Figura 22 Questionário pós-tratamento. Resultados Talasferas de vitamina C pela análise das voluntárias. 51 10
  11. 11. SUMÁRIO [INTRODUÇÃO .......................................................................................................... 12 D1 DESENVOLVIMENTO TEÓRICO .......................................................................... 14 i g 1.1 PELE................................................................................................................ 14 1.1.1 Epiderme .................................................................................................. 15 i 1.1.2 Derme ....................................................................................................... 17 t 1.2 COLÁGENO .................................................................................................... 19 e 1.2.1 Tipos de colágeno ................................................................................... 20 1.2.2 Envelhecimento do colágeno ................................................................. 22 u 1.3 FIBRAS ELÁSTICAS ....................................................................................... 22 m 1.4 ENVELHECIMENTOS DA PELE ..................................................................... 23 a 1.4.1 Envelhecimento Intrínseco ..................................................................... 23 1.4.2 Envelhecimento Extrínseco ................................................................... 24 c 1.5 CARACTERÍSTICAS DA PELE ENVELHECIDA ............................................. 24 i 1.6 PROTEÇÃO E PREVENÇÃO DO FOTOENVELHECIMENTO DA PELE ....... 26 t 1.7 FILTRO SOLAR ............................................................................................... 27 a 1.8 RADICAIS LIVRES .......................................................................................... 28 ç 1.9 ANTIOXIDANTES ............................................................................................ 29 ã 1.9.1 Vitamina C ................................................................................................ 30 o 1.9.1.1 Derivados da vitamina C ...................................................................... 32 1.9.1.1.1 Talasferas de vitamina C .................................................................. 33 d 1.9.2 DMAE (dimetilaminoetanol) .................................................................... 34 o 1.9.2.1 Derivados do DMAE ............................................................................. 36 1.9.2.1.1 DMAE bitartarato ............................................................................... 36 d oOBJETIVOS .............................................................................................................. 37 2.1 OBJETIVO GERAL .......................................................................................... 37 c 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ............................................................................ 37 u3 MATERIAIS E MÉTODOS ..................................................................................... 38 m 3.1 MATERIAIS ..................................................................................................... 38 e 3.2 MÉTODOS....................................................................................................... 38 n4 RESULTADOS E DISCUSSÃO ............................................................................. 40 t6 CONCLUSÃO ........................................................................................................ 52 oREFERÊNCIAS ......................................................................................................... 53 o u o r e s u m o d e u 11 m [ D p
  12. 12. INTRODUÇÃO Com o avanço da idade e as mudanças hormonais, a pele começa a sofreralterações que modificam gradativamente seu aspecto, aparecendo, então, asmarcas do envelhecimento cutâneo. Em decorrência disso a busca pela beleza éprocurada pela maioria das mulheres (HIRATA; SATO; SANTOS, 2004). Os responsáveis em manter a aparência de uma pele rejuvenescida são asfibras de colágeno e fibras elásticas. As fibras encontram-se dispostas na derme detal maneira a formarem uma rede de sustentação (LIMPIANGKANAN;LIMPIANGKANAN, 2010). Com o envelhecimento, os níveis de colágeno vãodiminuindo (AZULAY, 2008). O envelhecimento cutâneo é resultado das ações de fatores individuais,exposição solar crônica, tabagismo, estresse emocional, repercussões de doençascutâneas e sistêmicas entre outras (KEDE; SABATOVICH, 2009). Os principais causadores desse envelhecimento são os radicais livres, sendoque seu envolvimento nos danos causados pela radiação ultravioleta (UV) já estãobem estabelecidos. Os cuidados com a radiação UV tornaram-se vitais, uma vez quea exposição desprotegida ao sol causa diversos efeitos prejudiciais à saúde,causando danos à pele (RIBEIRO et al.,2004). Para se proteger da radiação UV o organismo possui processos de defesanatural que leva o aumento da pigmentação, ocasionando manchas. O que justificaa necessidade de estudos de princípios ativos com caráter despigmentante, sendoeficaz no tratamento dos danos provocados pela radiação solar (ARAUJO; SOUZA,2008). À medida que a expectativa de vida aumentou, as pessoas começaram a sepreocupar com o retardamento no processo do envelhecimento cutâneo. Com issoum número cada vez maior de pessoas está se conscientizando dos fatoresexternos implicados no envelhecimento precoce. O mercado cosmético estácrescendo em decorrência desta necessidade de se proteger e principalmente pelagrande procura por parte das mulheres na busca de uma pele rejuvenescida. Combase nisso desenvolvem cosméticos que atuam simultaneamente as manchas esinais do envelhecimento cutâneo (BAUMANN, 2004). 12
  13. 13. Com efeito, na hidratação cutânea, atenuação de manchas e açãoantioxidante, a aplicação tópica da vitamina C e seus derivados têm sido observadospor profissionais da área cosmética e dermatológica (CAMPOS; SILVA, 2000). A vitamina C (ácido ascórbico) é um antioxidante que ocorre na naturezaincorporada aos cosmecêuticos com o proposito de prevenir e tratar a peledanificada pelo sol, doa elétrons de modo sequencial, neutraliza os radicais livres eprotege as estruturas intracelulares do estresse oxidativo (DRAELOS, 2009).Quando utilizada topicamente a vitamina C pode diminuir a quebra do colágeno,aumentar a síntese de colágeno tipo I, conferir elasticidade e firmeza à pele e reduzira síntese de melanina (DRAELOS, 2009; KEDE; SABATOVICH, 2009). Pelo fato da vitamina C apresentar-se como um princípio ativo instável, foramsintetizadas derivados desse principio ativo. Esses derivados buscam manter abioatividade da vitamina C, no entanto apresentando maior estabilidade (CAMPOSet al., 2000). Um exemplo desses derivados é a Talasferas de vitamina C. A Talasferas de vitamina C é uma vitamina lipossomada, que é um sistemaindustrial de encapsulamento que visa proteger o princípio ativo, aumentar aabsorção e transportar para o interior da epiderme (DERMAGE, 2008). Outro cosmético produzido pela indústria, com a mesma finalidade davitamina C é o dimetilaminoetanol (DMAE) (BAUMANN, 2004). O DMAE é uma substância naturalmente encontrada em peixes marinhos, taiscomo sardinha e salmão, é também produzido em pequenas quantidades no sistemanervoso central. É um análogo de colina, uma substancia precursora doneutrotransmissor acetilcolina, levando a uma hipertonicidade muscular. Os seusderivados são as formas de utilização pela indústria cosmética. O DMAE bitartaratoé um antioxidante e estabilizador de membrana, fazer com que a membrana se tornemais resistente ao estresse oxidativo e se estabilize (PERRICONE, 2001). 13
  14. 14. 1 DESENVOLVIMENTO TEÓRICO1.1 Pele A pele é um órgão complexo e heterogêneo que reveste a superfície do corpoe apresenta-se constituída por uma porção epitelial de origem ectodérmica, aepiderme, e uma porção conjuntiva de origem mesodérmica, a derme. Abaixo e emcontinuidade com a derme encontra-se a hipoderme, que não faz parte da pele,entretanto a mantém unida a órgãos subjacentes (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004). A pele é o maior órgão do corpo humano, ocupando uma área de mais de 1m²de superfície, e corresponde a 20% do peso corporal, formando uma barreiraprotetora dos tecidos mais profundos contra ação de agentes físicos, químico ebacterianos (MARTINS, 2003). A pele na sua complexidade conta com componentes celulares que lhepermite realizar funções importantes como, excretar água e produtos metabolizadosque participam da regulação da temperatura corporal, contém terminações nervosassensitivas, protege o organismo contra ferimentos e realiza defesa contraorganismos patógenos (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004). A figura 1 representa apele humana esquematicamente. Figura 1. Representação esquemática da estrutura da pele humana. Fonte: Adaptado de MARQUES, 2010. 14
  15. 15. 1.1.1. Epiderme A epiderme é um epitélio de revestimento estratificado pavimentoso comvariações estruturais e funcionais significativas dependendo do seu sítio anatômico(FRANCESCHINI, 1994; AZULAY, 2011). Tem como principal função a produção decamadas de células córneas que nos envolve inteiramente e constitui desta forma anossa proteção contra as agressões do meio exterior (FRANCECCHINI, 1994). Neste tecido são encontrados 4 tipos celulares: queratinócitos, e asdentríticas, melanócitos, células de Langerhans e células de Merkel (RABE et al.,2006). As células dentríticas também estão presentes na epiderme e o melanócito éuma delas, ele é o responsável pela produção do pigmento da pele; a melanina,sendo responsável pela absorção das radiações ultravioleta. Outro tipo de céluladendrítica é a célula de Langerhans, que é um dos principais componentes dosistema imunológico da pele, e a célula de Merkel derivada de uma célula-troncoepidérmica localizada aderida aos desmossomos que funciona comomecanorreceptores de adaptação lenta em locais de alta sensibilidade tátil(AZULAY, 2011). Os queratinócitos são células epiteliais que formam o sistema ceratinocítico,estes por sua vez são responsáveis pelo corpo da epiderme e de seus anexos. Écaracterizado pela disposição lado a lado de suas células e por sua constanterenovação. A renovação da camada mais profunda, chamada camada basal, forneceas células que à partir da camada basal vão se diferenciando e migrando parasuperfície, formando a camada espinhosa, caracterizada pela presença dequeratinócitos com intensa atividade mitótica e presença de células tronco (AZULAY,2011). Na camada espinhosa os queratinócitos sofrem contínuas e importantesmodificações, passando a ser desde células poliédricas a pavimentosas, possuiqueratinócitos em mitose, mas em menor número que na camada anterior(GARTNER; HIATT, 2007). As células passam a ter citoplasma acidófilo e ricos emdesmossomos, tendo função importante na união entre as células da epiderme e naresistência ao atrito, sendo denominadas de células de Malpighi ou célulasespinhosas (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004; AZULAY, 2011). 15
  16. 16. Quando as células espinhosas seguem em direção à superfície as célulaspassam por um estágio em que se seu citoplasma se apresenta mais basofílico egranuloso e morfologia achatada constituindo a camada granulosa (AZULAY, 2011). As células da camada granulosa possuem em seu citoplasma grânulosrevestidos por membranas denominados corpos lamelares que são constituídosprincipalmente por lipídeos. Estes corpos lamelares são semelhantes a lipossomos,e estão dispostos em grande número nesta camada. O conteúdo destes grânulosserá liberado no espaço intercelular durante a transição da camada granulosa para acórnea, quando, sob ação das hidrolases, será remodelado e seus lipídeostransformados em ceramida (45%), colesterol (25%), ácidos graxos (15%),triglicerídeos e outros. Todos estes se depositarão em torno de cada célula,originando a grande barreira lipídica sendo a principal responsável pelaimpermeabilidade e composição do manto lipídico da pele (AZULAY, 2011;GARTNER; HIATT, 2007; JUNQUEIRO; CARNEIRO, 2004). Por fim na camada mais superficial da epiderme as células se transformamem células anucleadas (corneócitos), mortas e achatadas, sem organelas e comcitoplasma repleto de queratina, sendo eliminada para o meio ambiente na camadamais externa da epiderme, a camada córnea (JUNQUEIRO; CARNEIRO, 2004;AZULAY, 2011). Figura 2. Camadas da pele humana em corte histológico em microscopia de luz, aumentada em 400x. Fonte: Adaptado de BRINGEL, 2011. 16
  17. 17. A renovação completa, desde a divisão na camada basal até a eliminação nacamada córnea, faz-se em 52 a 75 dias (AZULAY, 2011). A variação da intensidadede multiplicação dessas células se deve a predisposição genética, ao local, a idadee a estímulos exógenos. Isto permite uma renovação fisiológica do epitélio (figura 2)(JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004).1.1.2 Derme A derme tem uma constituição bastante diferente da epiderme. É compostabasicamente por tecido conjuntivo e um sistema integrado de estruturas fibrosas,filamentosas, redes vasculares e terminações nervosas sensíveis à temperatura,pressão e dor, bem como glândulas e anexos que derivam epiderme (AZULAY,2011; SAMPAIO; RIVITTI, 1988). Estruturalmente, os componentes do tecido conjuntivo podem ser divididosem: células residentes e migratórias, além de matriz extracelular. As célulasresidentes são formadas localmente e permanecem no tecido conjuntivo como,fibroblastos, macrófagos, mastócitos, plasmócitos e células adiposas. Vindo pelosangue por migração (diapedese) através da parede de capilares e vênulas, osleucócitos são constituintes do tecido conjuntivo. Este processo de diapedeseaumenta durante as invasões locais de microorganismos, já que os leucócitos sãoas células especializadas na defesa (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004). A matriz extracelular (MEC), também conhecida como substância intercelularou substância fundamental, é um complexo viscoso composto porglicosaminoglicanos (GAGs), fibras colágenas e elastinas, proteoglicanos (PGs),glicoproteínas adesivas e diversos íons. Sendo viscosa ela preenche os espaçosentre as células e fibras do tecido conjuntivo e atua ao mesmo tempo comolubrificante e barreira à penetração de microorganismos (JUNQUEIRA; CARNEIRO,2004). Os GAGs, fibras colágenas e de elastina são os principais constituintes dotecido conjuntivo dérmico (SAMPAIO; RIVITTI, 1988). As glicoproteínas adesivas seligam a proteínas receptoras (integrinas) presentes na superfície de células, e damatriz, conferindo assim, força tênsil e rigidez a matriz. As redes de fibras elásticas ede colágeno sustentam a derme e a une ao tecido subcutâneo ou hipoderme(JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004). 17
  18. 18. A derme caracteriza-se pela superfície irregular onde se observam saliênciasque acompanham as reentrâncias correspondentes na epiderme conhecidas comopapilas dérmicas. Estas por sua vez aumentam a área de contato da derme com aepiderme reforçando a união das duas camadas (SAMPAIO; RIVITTI, 1988;FRANCESCHINI, 1994). Figura 3. Camada papilar e reticular da derme no corte histológico da pele humana em microscopia de luz, aumento 100X. Fonte: adaptado de BRINGEL, 2011. A derme é constituída por duas camadas de limites pouco distintos: a papilar(superficial,) e a reticular (mais profunda) (Figura 3). A derme papilar é a parte quese encontra junto à membrana basal da epiderme (FRANCESCHINI, 1994). Éconstituída por numerosos fibroblastos e abundante substância fundamental,formando as papilas dérmicas. É rica em vasos sanguíneos e terminações nervosas,com fibras de colágeno tipo III, fibras elásticas e fibrilas de colágeno tipo IV, essasúltimas fazem a adesão da epiderme à derme. A camada papilar corresponde a 10%da espessura da derme (JUNQUEIRA; CARNEIRO, 2004; SAMPAIO; RIVITTI,1988). A camada reticular é mais espessa constituída por tecido conjuntivo densonão-modelado, redes de fibras elásticas entrelaçadas e fibras de colágeno tipo I e III,responsáveis pelo mecanismo de resistência da pele. Contem ainda, vasossanguíneos e linfáticos, nervos e estruturas derivadas da epiderme como, folículos 18
  19. 19. pilosos, glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas (JUNQUEIRA; CARNEIRO,2004; SAMPAIO; RIVITTI, 1988).1.2 Colágeno O colágeno é o componente estrutural primário da derme e a proteína maisabundante encontrada em seres humanos colágeno, são responsáveis por conferirforça e apoio para a pele humana (BAUMANN, 2007). O colágeno é a proteína mais abundante em mamíferos, constituindo a quartaparte do seu peso total. É o principal elemento fibroso da pele, osso, tendão,cartilagem, vasos sanguíneos e dentes, sendo encontrado em quase todos osórgãos do corpo humano (STRYER, 1996). É sintetizado intracelularmente empequenas porções e exportado para fora da célula, onde, através da atuação deenzimas polimerizantes, é definido com a estrutura própria de colágeno, em hélice-tripla (STRYER, 1996). Ao contrário da maioria das proteínas, o colágeno é composto por moléculasde colagenio na maturidade, constituindo uma malha de fibras ricos emaminoácidos, lisina, prolina, hidroxiprolina e hidroxilisina (BAUMANN, 2007). Em quase todas as moléculas de colágeno, um terço é composto peloaminoácido glicina e a sequência glicina-prolina-hidroxiprolina é repetida com muitafrequência. Além disso, o colágeno contém dois aminoácidos que são encontradosem muito poucas outras protéinas: 4-hidroxiprolina e 5-hidroxilisina (ROSS;ROWRELL, 1993). No corpo humano, desempenha muitas funções, por exemplo, unido efortalecendo os tecidos. Com o passar dos anos, o corpo pode sofrer algumasprivações desta substância, principalmente na alimentação atual, muitas vezesdeficiente de vitaminas e proteínas. Durante os primeiros anos até a puberdade,essas carências não são tão visíveis e nem mostram suas evidências. A falta decolágeno vai se tornar mais notável quando passa para fase da maturidade, ondenessa etapa da vida começam aparecer às rugas, pois a pele não possui mais amesma elasticidade de antes (BAUMANN, 2007). O colágeno é produzido normalmente no nosso organismo desde quenascemos, porém a partir dos 30 anos há um declínio na sua produção o que podelevar a diminuição da elasticidade da pele, rugas e maior fragilidade óssea. Ele 19
  20. 20. trabalha juntamente com a elastina. Essa combinação é essencial e ocorre emdiferentes partes do corpo, tais como ossos, pulmões ou vasos sanguíneos(BAUMANN, 2007). A pele humana contém vários tipos de colágeno, sendo o tipo I e III os maisabundantes fornecidos pela nossa pele. Os outros tipos são menos abundante, mastambém apoiar o seu trabalho é importante para o corpo humano (AZULAY;AZULAY, 2008).1.2.1 Tipos de colágeno Em 2007, Baumann classificou os tipos de colágeno em:  Colágeno tipo I: é o mais comum; aparece nos tendões, no tecido conjuntivo frouxo, tecido conjuntivo denso (onde é predominante sobre os outros tipos), sempre formando fibras e feixes, ou seja, está presente nos ossos, tendões e pele;  Colágeno tipo II: é produzido por condrócitos, aparece na cartilagem hialina e na cartilagem elastina. Não produz feixes. Presente nos discos intervertebrais, olhos e cartilagem;  Colágeno tipo III: constituem fibras reticulares, presente em músculo liso, endoneuro e nas trabéculas dos órgãos hematopoiéticos (baço, nódulos linfáticos, medula óssea vermelha); artérias, fígado, útero e camadas musculares do intestino. Abundante no tecido conjuntivo frouxo. Ocorre rapidamente em crescimento de tecidos, por exemplo, no tecido de feridas, nas suas fases iniciais de recuperação, depois é substituído por colágeno de tipo I;  Colágeno tipo IV: presente na lâmina basal, constituintes da membrana basal dos epitélios. Aparecem nas lentes da cápsula ocular, glomérulos;  Colágeno tipo V: aparecem nos ossos, tendões e sangue. Similar ao tipo I;  Colágeno tipo VI: presente no sangue, camada íntima da placenta. Geralmente trabalha junto com o tipo I;  Colágeno tipo VII: forma o epitélio do trato gastrointestinal e do trato urinário. Presente nas membranas corioaminióticas e na placenta;  Colágeno tipo VIII: constituí o endotélio, formando os vasos sanguíneos; 20
  21. 21.  Colágeno tipo IX: função de manter as células unidas e é o principal componente proteico de órgãos;  Colágeno tipo X,XI e XII: estão presente na cartilagem.Alguns tipos de colágeno pode ser verificado na figura 4. Figura 4. Representação de alguns tipos de colágeno presentes na membrana basal. Fonte: BRINGEL, 2011. Além desta classificação Limpiangkanan e Limpiangkanan em 2010 classificou o colágeno em outros três tipos:  Colágeno que formam longas fibrilas: as fibrilas de colágeno são formadas pela agregação de moléculas do tipo I, II, III, IV e V que são visíveis ao microscópio eletrônico. O tipo I é o mais abundante. Ocorre como estrutura classicamente denominada de fibras de colágeno que formam ossos, dentina, tendões, cápsula de órgãos, derme e etc;  Colágeno associados a fibrilas: são estruturas curtas que ligam as fibrilas de colágeno umas ás outras e a outros componentes da matriz extracelular. Pertencem a este grupo os colágenos do tipo IX e XII;  Colágeno que forma rede: tipo IV e VII se associa para formar rede. O tipo IV é um dos principais componentes estruturais das lâminas basais, onde tem o papel de aderência e de filtração. O tipo VII forma dímeros que se reúnem em estruturas especializadas denominadas fibrilas de ancoramento. As fibrilas de 21
  22. 22. ancoramento auxiliam a conexão da lâmina basal do epitélio de múltiplas camadas ao tecido conjuntivo subjacente e, portanto são especialmente abundantes na pele.1.2.2 Envelhecimento do colágeno Com o envelhecimento, os níveis de colágeno vão diminuindo. Nas crianças éabundante a presença de colágeno tipo III, com isso, possui uma aparência de peleflexível e macia. O colágeno do tipo III diminui com o tempo, mas o do tipo I continuaaumentar durante o crescimento e para a cerca de 35 anos, quando atinge seumáximo de força (AZULAY, R; AZULAY, L, 2008). De acordo com o mesmo, os níveis do tipo I começam a declinar. Embora osefeitos do declínio em outros tipos de colágeno não são claras no processo deenvelhecimento, é certo que os níveis de colágeno com sessenta anos diminuíramsignificativamente.1.3 Fibras elásticas São encontradas na periferia dos feixes de colágenos que permitem acaracterística de recuo elástico na pele (LIMPIANGKANAN, Wikunda;LIMPIANGKANAN, Wichuda, 2010). As fibras elásticas maduras consistem basicamente de elastina e microfibrilas,sendo a elastina seu maior componente. As fibras encontram-se dispostas na dermede tal maneira a formarem uma rede, podendo ser divididas em três tipos: as maissuperficiais são as oxitalânicas em formato de taça com a concavidade voltada paraa face inferior da epiderme; fibras elaunínicas com disposição perpendicular áepiderme e por fim, as fibras elásticas verdadeiras (ou maduras), dispostasparalelamente á epiderme localizando-se mais abaixo das fibras elaunínicas(LIMPIANGKANAN, Wikunda; LIMPIANGKANAN, Wichuda, 2010). É considerada insolúvel pelas ligações covalentes complexas dependentes decobre, são chamadas desmosinas, especula-se que no momento da distensão dafibra, os grupos hidrofóbicos da elastina sejam colocados em meio aquoso, para que 22
  23. 23. haja uma energia que gera uma contração da fibra á partir dos grupos não polares(LIMPIANGKANAN, Wikunda; LIMPIANGKANAN, Wichuda, 2010).1.4 Envelhecimentos da pele O envelhecimento da pele é um processo biológico complexo que constitui umconjunto de modificações fisiológicas irreversíveis e inevitáveis, onde o mesmoparticipa das alterações involutivas que ocorrem em diversos setores do organismo(KEDE; SABATOVICH, 2009). À medida que a expectativa de vida aumentou, as pessoas começaram a sepreocupar com o retardamento no processo do envelhecimento cutâneo. Com issoum número cada vez maior de pessoas está se conscientizando dos fatoresexternos implicados no envelhecimento prematuro (BAUMANN, 2004). O envelhecimento cutâneo é resultado das ações de fatores individuais,exposição solar crônica, tabagismo, estresse emocional, repercussões de doençascutâneas e sistêmicas entre outras (KEDE; SABATOVICH, 2009). As consequências da exposição solar crônica são facilmente evidentes quandose compara com pele exposta (face, mãos, ou pescoço) e a pele não exposta(nádegas, parte interna da coxa e do braço), mas o sol não é a única causa doenvelhecimento da pele e sim temos que se lembrar de diversos componentesendógenos e exógenos (BAUMANN, 2004). O envelhecimento da pele pode ser classificado de duas formas:envelhecimento intrínseco e o extrínseco onde pode ser chamado defotoenvelhecimento (DRAELOS, 1999). Segundo Kede e Sabatovich, (2009) o envelhecimento intrínseco pode serclassificado de outras duas formas como verdadeiro ou cronológico.1.4.1 Envelhecimento Intrínseco O envelhecimento intrínseco afeta a pele de maneira a agredirsimultaneamente vários órgãos, devido à deficiência na replicação do DNA, onde 23
  24. 24. perdem parte de suas sequências, onde supõe - se que essa perda seja um fator delimitação para a capacidade replicativa celular (HIRATA; SATO; SANTOS, 2004). A pele intrinsecamente envelhecida é lisa e sem deformidades, com algumaslinhas de expressões bem exageradas, mas dentro dos padrões geométricosnormais da pele, onde suas fibras de colágenos estão aumentadas somente nonúmero e não na espessura (BAUMANN, 2004).1.4.2 Envelhecimento Extrínseco O envelhecimento extrínseco é proporcionado por fatores externos como ouso excessivo de álcool, má nutrição e exposição ao sol, tabagismo que podem seramenizada com um esforço pessoal. É considerado que esse envelhecimento sejade 80% por exposição solar (BAUMANN, 2004). A pele envelhecida extrinsecamente é predonimante nas áreas expostascomo face, tórax e superfícies extensoras dos antebraços. São efeitos da exposiçãoà radição ultravioleta. A predominância da pele fotoenvelhecida é a presença derugas, lesões pigmentadas como sardas e lentigos e áreas de hiperpigmentação, elesões despigmentadas (AZULAY, 2008). Outros sinais de envelhecimento da pele incluem a perda do tônus eelasticidade, fragilidade cutânea aumentada, áreas de púrpura causada por fraquezados vasos sanguíneos e lesões benignas, tais como ceratoses, telangiectasias eplicomas da pele (BAUMANN, 2004).1.5 Características da pele envelhecida Independentemente das causas do envelhecimento facial a muitascaracterísticas importantes que devem ser levadas em conta. Estas alteraçõesocorrem em todas e extensão da pele que resultam em alterações de longo alcançona topografia da pele, como mostra na figura 5 (BAUMANN, 2004). O envelhecimento intrínseco causa mudanças em todas as camadas da pelee é inevitável. Na epiderme há uma diminuição progressiva da renovação dascélulas epidérmicas que, na pele envelhecida aumenta de 28 para até 60 dias, 24
  25. 25. provocando uma diminuição na espessura da pele assim altera a função de barreira.Os corneócitos se acumulam na superfície dando uma textura rugosa e aparênciaescamosa a pele. Com a idade a uma redução no número de melanócitos, deixandoa pele mais desprotegida do sol, já que a melanina estará diminuída e nãoconseguirá absorver toda radiação UV. A disfunção destes melanócitos tambémocorre como pigmentações, sardas e lentigos (BAUMANN, 2007). Figura 5. Esquema do envelhecimento cronológico segundo diferentes faixas etárias Fonte: KEDE; SABOTOVICH, 2009 Na derme, ocorre uma diminuição no número de fibroblasto, bem como decolágeno e elastina, resultando no aparecimento de rugas e perda de elasticidade e 25
  26. 26. irrigação dérmica, reduzindo o fornecimento de sangue á pele contribuindo paraatrofia da pele. O nível de exposição solar é proporcional a hiperplasticidade da pele.O envelhecimento extrínseco esta sobreposto ao intrínseco. A exposição solar é oprincipal causador do envelhecimento extrínseco e é o responsável pela maioria dasmudanças relacionadas com os “sinais do tempo” como rugas, hiperpigmentação eperda da tonicidade da pele (BAUMANN, 2007).1.6 Proteção e prevenção do fotoenvelhecimento da pele Embora a ciência da regeneração da pele venha evoluindo rápido a proteçãoé ainda a palavra chave mais importante, pois sem prevenção, qualquer recursopode ser menos eficaz do que quando se tem uma prevenção adequada(LIMPIANGKANAN; LIMPIANGKANAN, 2010). Os principais raios emitidos pelo sol na região ultravioleta são: UVC (200- 290nm), UVB (290-320 nm) e UVA (320-400 nm) (DAVOLOS; CORREA, 2007). O reconhecimento de que a proteção dos raios ultravioletas tanto o UVAquanto o UVB podem diminuir e possivelmente reconhecer os efeitos dofotoenvelhecimento da pele gerando uma conscientização e um aumento do uso defiltros solares no dia a dia das pessoas (DRAELOS, 1999). Para uma proteção mais eficaz é necessária utilizar uma quantidadesuficiente de protetor solar. A maioria das pessoas utiliza menos da metade daquantidade necessária para uma prevenção eficaz, onde a proteção correta podeajudar a reduzir a aparência de rugas, manchas, diminuição de riscos de queratosesactínicas e de células cancerígenas (LIMPIANGKANAN; LIMPIANGKANAN, 2010). Com o reconhecimento de que a proteção ao sol pode vim a diminuir epossivelmente reverter os efeitos do fotoenvelhecimento tem elevado à inclusão defiltros solares no dia a dia das pessoas (DRAELOS, 1999). Atualmente a melhor forma de prevenir danos à pele atrás de raios UV e ouso de filtros solares, onde é a forma mais pratica e viável para a proteção daepiderme e de suas células (BAUMANN, 2007). 26
  27. 27. 1.7 Filtro Solar O surgimento dos protetores solares ocorreu a partir do momento que seobservou que existiam substâncias capazes de prevenir a queimadura da pele pelosraios solares (UVA, UVB e UVC), onde são capazes de absorver a energiaeletromagnética na faixa denominada ultravioleta e emiti-la de outra forma namaioria das vezes na faixa infravermelho, gerando assim sensação de calor(RIBEIRO, et al, 2004). De acordo com Davolos e Correa, (2007) os danos provocados nas fibras decolágeno pela radiação UVA, quando comparados do UVB são maiores. A radiaçãoUVB causa uma resposta inflamatória maior. A região UVC também conhecida como região germicida ou bacterianaapresenta uma energia maior e um tamanho de onda menor, que penetra apenas naepiderme que se torna prejudicial ao homem causando efeitos carcinogênicos emutagênicos (BAGATIN, 2009). A radiação UVB apresenta comprimento de onda intermediário com menorpoder de penetração na pele sendo absorvido pela epiderme (BAGATIN, 2009), quesão responsáveis pelos danos agudos e crônicos à pele como manchas,vermelhidão, descamação e câncer de pele (ARAUJO; SOUZA, 2008). Figura 6. Penetração da radiação solar na pele Fonte: GUILLEN, 2007. 27
  28. 28. Já a radiação UVA, de maior comprimento de onda, são menos energéticas,mas penetram mais profundamente na pele atingindo a derme (BAGATIN, 2009) quegeram radicais livres oxidativos, sendo responsáveis pelo envelhecimento cutâneoprecoce (ARAUJO; SOUZA, 2008). O que pode ser visualizado na figura 6. Os filtros solares podem ser divididos em dois tipos: bloqueadores solaresquímicos e bloqueadores solares físicos. (DRAELOS, 1999) Mas segundo Cabral et al (2011) os filtros solares podem ser classificados daseguinte maneira: filtros solares físicos ou inorgânicos, filtro solares químicos ouorgânicos e filtros solares naturais. A eficácia de cada filtro solar depende de sua capacidade de absorção daenergia radiante, onde é proporcional à sua concentração. A determinação do fatorde proteção solar (FPS) avalia a capacidade dos filtros para a proteção dos raiosultravioletas. A associação de diferentes filtros em formulações também é umrecurso para melhorar a eficácia do mesmo (RIBEIRO et al, 2004).1.8 Radicais livres Os radicais livres são espécies químicas tóxicas constituídas de um átomo ouassociação dos mesmos, possuindo um elétron desemparelhado na sua órbita maisexterna e que por isso procura se ligar a outras moléculas para emparelhar o seuelétron livre, acabando por danificar as células. Nestas células causam sérios danosestruturais cuja consequência será o seu mau funcionamento e a morte (HIRATA;SATO; SANTOS, 2004; CANCELA, 2007). A fonte dos radicais livres pode ser endógena e exógena, onde a endógena éa reação de oxidação da mitocôndria, fagocitose durante o processo de inflamação eativação do metabolismo do acido araquidônico. A fonte exógena é devido aradiação ultravioleta (UVA), que reage com fotossensibilizadores e com macrófagosda pele como a melanina (HIRATA; SATO; SANTOS, 2004) poluição ambiental,hábitos tóxicos (álcool e drogas), má alimentação, exposição a substâncias tóxicas(fertilizantes e pesticidas), o metabolismo de algumas drogas e estresse físico oupsicológico. Alguns desses fatores podem ser controlados, como, hábitosalimentares mas, outros estão além do controle da pessoa, por exemplo, a poluiçãoambiental e exposição contínua à radiação (CANCELA, 2007). 28
  29. 29. A produção de radicais a partir de fontes exógenas como radiação ultravioletae poluição podem danificar a pele no nível celular e tecidual (CHEN; HU; WANG,2012) Embora o corpo possua um sistema de defesa para prevenir os danos dosradicais, este sistema inato pode ser sobrecarregado e levar a um estado deestresse oxidativo ou imunossupressão, e podem mesmo provocar carcinogênese. A suplementação tópica de antioxidantes pode proporcionar uma proteçãoadicional para neutralizar os radicais livres a partir de ambas as fontes endógenas eexógenas.1.9 Antioxidantes Antioxidantes são moléculas capazes de inibir a oxidação de outrasmoléculas. Embora as reações de oxidação sejam essenciais para a vida, podemtambém ser prejudiciais. Antioxidantes são para proteger a células da pele contra osefeitos nocivos dos radicais livres, tais como o oxigénio singleto, superóxido, osradicais peroxil, radicais hidroxila e peroxinitrito. O estresse oxidativo induzidona pele tem sido associado ao câncer, envelhecimento, inflamação efotoenvelhecimento (ORESAIO, 2012). O sistema de defesa pode ser classificado em dois grupos: antioxidantesenzimáticos e os antioxidantes não enzimáticos (VIEIRA, 2007; HIRATA; SATO;SANTOS, 2004). De acordo com os autores citados acima os antioxidantes enzimáticos sãoenzimas regeneradoras de antioxidante (glutation-peroxidase (GP-x),superoxidodismutase (SOD) e catalase), que agem reduzindo substratos utilizadosna neutralização de radicais livres, reciclando, portanto subprodutos dessa reaçãoem substratos reutilizáveis. O acumulo destes subprodutos pode ser toxico paracélula. Os exportadores em geral de enzimas carreadoras participam na proteçãocelular transportando o excesso de subprodutos para o meio extracelular. Antioxidantes não enzimáticos são capazes de prevenir o dano oxidativo porinterações diretas e indiretas com os radicais livres. O mecanismo indireto envolve aquelação de metais de transição. As moléculas que agem diretamente permitemdoar um elétron ao radical oxigênio. Agindo desse modo, eles podem captar o 29
  30. 30. radical prevenindo o ataque do alvo biológico, dentre os quais, podemos citarvitamina C hidrossolúvel, vitamina E lipossolúvel, betacaroteno e cisteína (VIEIRA,2007; HIRATA; SATO; SANTOS, 2004). A atual eficácia de um antioxidante aplicado topicamente é limitada por suapenetração em concentrações relevantes (HIRATA; SATO; SANTOS, 2007).Estudos já comprovaram que os antioxidantes têm grande capacidade de combateros mesmos diminuindo as alterações que os radicais livres causam a pele(BAUMANN, 2004). A epiderme possui uma atividade antioxidante extremamente eficientesuperior a da maioria dos tecidos, e a redução na eficiência nesse sistema tem sidoencarada como um fator importante no envelhecimento cutâneo (VIEIRA, 2007).1.9.1 Vitamina C A vitamina C (ácido ascórbico) é um antioxidante que ocorre na naturezaincorporada aos cosmecêuticos com o proposito de prevenir e tratar a peledanificada pelo sol, onde doa elétrons de modo sequencial, neutraliza os radicaislivres e protege as estruturas intracelulares do estresse oxidativo (figura 7). Emhumanos, a vitamina C não pode ser sintetizada em função da incapacidade deproduzir L-glucono-gama-lactona oxidase, a enzima necessária para sua produção(DRAELOS, 2009) e tem sua maior efetividade no extrato córneo (TSAI, 2012). Figura 7. Estrutura química do ácido ascórbico. Fonte: GUILLEN, 2007. 30
  31. 31. A vitamina C é hidrossolúvel presente em grande parte dos vegetais e frutos edesempenham papel fundamental nas reações oxido-redução nas células, agindocomo um transportador de hidrogênio ou como um captor de moléculas isoladas deoxigênio (ALMEIDA; GAIO; BAHIA, 2008). A vitamina C é conhecida por sua via de biossintese do colágeno. A vitaminaC destaca-se por participar como co-fator da hidroxilação da hidroxiprolina,importante aminoácido do tecido conjuntivo e das fibras de colágeno, assim, elecontribui de forma significativa para formação de novas fibras colágeno, melhorandoa elasticidade e a firmeza cutânea (CAMPOS et al, 2000). Quando utilizada topicamente a vitamina C pode diminuir a quebra docolágeno, aumenta a síntese de colágeno tipo I, conferindo elasticidade e firmeza àpele e reduzindo a síntese de melanina (DRAELOS, 2009; KEDE; SABATOVICH,2009). A melanina é produzida nos melanócitos através do processo chamadomelanogênese, que são encontrados na camada basal da epiderme. Nosmelanossomas a enzima tirosinase é quem controla a melanogênese, convertendo atirosina em eumelanina (preta) ou feomelanina (amarelada ou avermelhada). Osmelanossomas são metabolizados no processo de queratinização. Em indivíduos depele branca, os melanossomas se desintegram a medida que migram parasuperfície, já nos indivíduos de pele negra, a melanina está presente até nacamadas mais superficiais da pele (NICOLETTI, 2002). Figura 8. Etapas químicas da melanogênese. Fonte: adaptado de GUILLEN, 2007. 31
  32. 32. Em vista disso estudos demonstram que a vitamina C tenha indicadoeficiência na despigmentação da pele através da inibição da tirosinase (figura 8)(DRAELOS, 2009). Também atua na despigmentação pele reversão da reação de oxidação queconverte DOPA em melanina tornando lento o primeiro passo da oxidação(transformação de DOPA em dopaquinona) (NICOLETTI, 2002). Têm efetiva ação na inibição ultravioleta aguda, danos de eritema,queimadura solar e bronzeamento, excelente no fotoenvelhecimento sendo tambemum ótimo agente despigmentante (BURKE, 2007; DRAELOS, 2009). Para ser efetivana fotoproteção a vitamina C deve ser aplicada 60 minutos antes da exposição parapromover o seu efeito protetor (DRAELOS, 2009; MOISON, 2002). A vitamina C também pode influir na biossíntese de elastina quando forformada a partir de fibroblastos, sendo útil na redução do acúmulo de elastina que écaracterístico da pele fotoenvelhecida (DRAELOS, 2009). Para formular cosméticos de formas segura com vitamina C é importante umcontrole rígido de pH, o uso adequado de agentes conservantes para prevenir econtrolar a degradação. O oxigênio deve ser estritamente proibido nesse tipo deformulação. Essas formulações devem ser condicionadas em embalagens livres deoxigênio e luz (THORMAHLEN, 2000). Pelo fato da vitamina C apresentar-se como um princípio ativo instável, foramsintetizados derivados desse principio ativo.1.9.1.1 Derivados da vitamina C Esses derivados buscam manter a bioatividade da vitamina C, no entantoapresentando maior estabilidade (CAMPOS et al, 2000). É valido relatar que élimitada sua estabilidade química a presença de água, luz, elevadas temperaturas,alto pH e oxigênio dissolvidos no meio aceleram a degradação da vitamina C emformulação cosmética (RIBEIRO, 2006). A vitamina C encapsuladas apresenta varias formas, lipossomada, talasfera,nanoesfera e glicoesfera que se diferem pelo tamanho e pela constituição dacapsula. Kede e Sabatovich (2009) classificaram os derivados da vitamina C como:VC-PMG (ascorbil fosfato de magnésio); ascorbosilane C; talasferas de vitamina C; 32
  33. 33. glicosferas de Vitamina C (nanosferas contendo ácido ascóbico); éster de vitamina C(nikkol VC-IP); palmitato de asorbila.1.9.1.1.1 Talasferas de vitamina C A talasfera de vitamina C englobada em microesferas de colágeno marinhorecoberta por glicosaminoglicanas (BATISTUZZO; ITAYA; ETO, 2002). A Talasferas de vitamina C é uma vitamina lipossomada, que é um sistemaindustrial de encapsulamento da vitamina para proteger, ser bem absorvida etransportada para o interior da epiderme (figura 9). A talasfera é a forma maiscompatível da vitamina C, aceita quase todas as associações e possui boasolubilidade em água. As fosfatases cutâneas reagem com a pele para liberarmoléculas de vitamina C, liberando o ácido ascórbico para pele (DERMAGE, 2008). Utilizada em concentração entre 1% a 3% apresentando maior estabilidadeem pH 5 e 6 e são incompatível com ácidos (DERMAGE, 2008). As vantagens de encapsulação são a inibição da interação da vitamina C comoutros ativos; maior estabilidade; proteção contra oxidação; maior estabilidade aocalor e luz; aplicação cosmética ideal com melhor aspecto sensorial, sem apercepção de cristais (DERMAGE, 2008). Figura 9. Demonstração da estrutura de um lipossoma. Fonte: adaptado de POZZOBON; LINS, 2011. 33
  34. 34. 1.9.2 DMAE (dimetilaminoetanol) O 2-dimetilaminoetanol (DMAE) também conhecido como deanol é umasubstância naturalmente encontrada em peixes marinhos, tais como sardinha esalmão além de ser produzido em pequenas quantidades no sistema nervosocentral. É um análogo de colina, uma substancia precursora do neurotransmissoracetilcolina (figura 10) (PERRICONE, 2001) Figura 10. Comparação da estrutura química do dimetilaminoetanol (DMAE), colina e acetilcolina. Fonte: GROSSMAN, 2005. Quando administrado oralmente permite que a colina livre se acomode nosangue e atinja o sistema nervoso central estimulando os receptores colinérgicos(PERRICONE, 2001). Em 1970 o DMAE era utilizado para mal de Alzheimer e autismo, devido amelhora da cognição e memória. A terapia oral melhorava o quadro clínico emcrianças hiperativas com dificuldades de aprendizado e problemas decomportamento, na fala, leitura, coordenação motora (BATISTUZZO; ITAYA; ETO,2002). Em 1996 o interesse sobre o DMAE foi despertado quando NicholasPerricone, dermatologista americano patenteou e divulgou um produto contendoDMAE, éster de vitamina C e outras vitaminas e minerais como um cosmético 34
  35. 35. antiidade e promotor do aumento do tônus cutâneo, quando observou de formaacidental em terapia oral com DMAE que seus pacientes apresentavam queixas depescoço duro e pele repuxada (PERRICONE, 2001). O mecanismo de ação do DMAE se dá pelo aumento da síntese deacetilcolina, que é um neurotransmissão responsável contração muscular, levando apotencialização do seu efeito, já que os níveis de acetilcolinesterase se mantêm emniveis fisiológicos levando a uma hipertonicidade muscular (figura 11) (PERRICONE,2001). Embora os mecanismos de ação na pele não estão completamenteesclarecidos, a evidência sugere que a pele é um sítio ativo da síntese deacetilcolina, devido à presença de receptores de acetilcolina na derme, levando aoaumenta da firmeza da pele, o efeito “lifiting”, principalmente na área dos olhos,pálpebras, contorno facial e pescoço (GROSSMAN, 2005; KEDE; SABATOVICH,2009). DMAE pode agir também diretamente sobre a síntese de colágeno da derme,que também possui receptores colinérgicos, não restringindo sua açãoexclusivamente sobre a placa motora (HENRIFARMA, 2000). Figura 11. Representação esquemática do possível mecanismo de ação do DMAE. Fonte: LOURENÇO, 2006. O DMAE é sintetizado a partir do oxido de etileno e dimetilamina. Os seusderivados são formados a partir de reações do grupo anima do DMAE com ácidosminerais e carboxílicos formando sais, eles vem sendo mundialmente utilizados empreparações tópicas. Quando utilizados em associações promove um “lifting”instantâneo, conferindo firmeza à pele, além de melhorar sua maciez e reduzir as 35
  36. 36. linhas de expressão. Esse efeito pode se mantém por algum tempo (GROSSMAN,2005).1.9.2.1 Derivados do DMAE Os derivados são DMAE benzoato, DMAE citrato, DMAE bitartarato, DMAELactato e DMAE gliclolato (MANSTEN, 2002).1.9.2.1.1 DMAE bitartarato O DMAE bitartarato foi o produto de estudo deste trabalho, é formado a partirda reação do dimetilaminoetanol com o ácido tartárico (MANSTEN, 2002). É o maiscomum e o mais fácil de trabalhar em preparações cosméticas, firma a pele quaseque instantaneamente, em apenas poucos minutos pode-se ver a melhora chamadode efeito “Cinderela” que pode se estender por 24horas e confere resultadosduráveis com seu uso constante (HENRIFARMA, 2000). Os resultados mais perceptíveis são devido ao tratamento por 3 meses oumais e não apresenta irritações nem sensibilização alérgica. Segundo Perricone (2001) o DMAE bitartarato é um antioxidante eestabilizador de membrana, devido a sua estrutura especial ele realmente seespalha tornando-se parte integral da membrana plasmática da célula, pois assim amembrana se torna mais resistente ao estresse oxidativo e se estabiliza. 36
  37. 37. 2 OBJETIVOS2.1 OBJETIVO GERAL Avaliar a eficácia do DMAE bitartarato e Talasferas de Vitamina C naatenuação de sinais de envelhecimento cutâneo2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Avaliar a eficácia do DMAE bitartarato e Talasferas de vitamina C em 3 grupos de mulheres de diferentes faixas etárias;  Analisar através de imagens na atenuação de sinais do envelhecimento cutâneo entre DMAE bitartarato e Talasferas de vitamina C;  Analisar os resultados em forma de relatos através dos questionários pré e pós-tratamento. 37
  38. 38. 3 MATERIAIS E MÉTODOS3.1 MATERIAISFoi disponibilizado para as voluntárias:  DMAE bitartarato a 5% em base creme não iônico  Talasferas de vitamina C a 5% em base creme não iônico  Protetor solar FPS 30 gel creme (manipulado)3.2 MÉTODOS Este trabalho foi realizado com 6 voluntárias organizadas em 3 grupos, sendo 2voluntárias em cada grupo. Em todos os grupos uma voltuntária foi escolhida parafazer aplicação do DMAE bitartarato e outra para Talasferas de Vitamina C:  Grupo 1 – 2 mulheres de 25 a 35 anos  Grupo 2 – 2 mulheres de 36 a 45 anos  Grupo 3 – 2 mulheres acima de 45 anos O teste dos produtos foi iniciado no dia 10 de Julho de 2012 e teve seu términono dia 07 de outubro de 2012. As participantes assinaram um Termo deConsentimento Livre e Esclarecido (apêndice I) dando o consentimento para aobtenção de fotos antes do início da utilização do creme e após 90 dias detratamento. A aplicação do produto teste foi realizada antes de dormir. Foi explicado para asvoluntárias lavar o rosto e pescoço com sabonete neutro antes da aplicação, e aoacordar no dia seguinte depois da aplicação. Antes de sair passar o protetor solardisponibilizado. As fotos foram no período da tarde. 38
  39. 39. As fotos obtidas de cada voluntárias:  Vista frontal;  Vista de perfil direito;  Vista de perfil esquerdo.Os critérios avaliados nas fotos foram:  Manchas na pele;  Linhas de expressão obscular dos olhos;  Edema abaixo dos olhos;  Linhas glabelar;  Linhas nasogenianas;  Linhas da região frontal;  Área do pescoço;  Hidratação. As voluntárias também foram avaliadas segundo 2 questionários, um pré-tratamento e outro pós-tratamento (apêndice II e III). 39
  40. 40. 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO Avaliação comparativa da Talasferas de vitamina C obtiveram os seguintesresultados:- Análise fotográfica Grupo 1 (25 – 35 anos): Figura 12. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo 1. Utilizando Talasferas de vitamina C. Fonte: Elaboração própria. Na figura 12 acima se pode observar a diminuição do edema abaixo dosolhos, e atenuação da coloração da olheira. A voluntária relatou melhora na hidratação da pele. 40
  41. 41. - Análise fotográfica Grupo 2 (36 – 45 anos): A voluntária deste grupo desistiu devida o desenvolvimento de uma reaçãoalérgica apresentada em seu rosto na primeira semana do tratamento. No foisubstituída para evitar interferências.- Análise fotográfica Grupo 3 (acima de 46 anos): Figura 13. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo 3. Utilizando Talasferas de vitamina C. Fonte: Elaboração própria. Na figura 13 acima se pode perceber a atenuação na linha glabelar ehomogeneidade da coloração da pele. A voluntária relatou a melhora na hidrataçãoda pele. 41
  42. 42. Os resultados observados nas voluntárias que utilizaram a vitamina C,quando utilizado a 5%, como a melhora na coloração de olheiras, na hidratação e naatenuação de rugas foram confirmados pela bibliografia (DRAELOS, 2009; BURKE,2007). Os autores confirmam essa ação, mas apenas citam a vitamina C e seusderivados sem especificá-los. Pesquisas indicam que a melhora no fotoenvelhecimento observado com avitamina C tópica é devido a sua capacidade antioxidante, aumentando a proteçãoda pele contra o estresse oxidativo causado pelos radicais livres induzidos pelaexposição solar (BURKE, 2007; MOISON et al, 2002). Segundo Vieira (2007) e Burke (2007) a vitamina C tópica a 5% mostrouaumento de colágeno tipo I e III, além da prevenção de futuros danos. O mecanismopelo qual a vitamina C aumenta a síntese de colágeno é complexo, mas pode serdevido ao aumento do nível de RNAm dos colágenos tipo I e III, suas enzimas deconversão e o inibidor de metaloproteinases (enzimas que degradam colágeno), naderme (AZULAY et al, 2003). O derivado utilizado nesse trabalho apresentou poucos resultados quandocomparados ao derivado de vitamina C fosfato de ascorbil de magnésio (VC-PMG)citado por Vieira (2007), o que não era esperado já que a Talasferas de vitamina C éum derivado mais estável que o vitamina C (CAMPOS et al., 2000). Entretanto, a vitamina C é pouco eficaz quando aplicada topicamente porquetem a estabilidade comprometida quando exposto ao ar e a luz e sua fórmulamolecular não é absorvida e metabolizada eficazmente (BURKE, 2007). Mas aTalasesras de vitamina C diminui esta instabilidade já que protege a vitamina Cdestes fatores, e ainda assim as voluntárias foram instruídas à armazenar emambiente refrigerado e ao abrigo da luz, fato que não pode ser assegurado. Quanto a ação dos produtos nas diferentes faixas etárias, a voluntária dogrupo 3, de maior idade, teve um resultado mais expressivo por ser mais visívelquando comparada a do grupo 1, de menor idade, e resultados menos visíveis. Oque não quer dizer que a eficácia não tenha sido na mesma proporção. A desistência da voluntária do grupo 2 foi devido a uma irritação que a mesmateve no dia posterior ao uso do produto. Ela também relatou ser alérgica amaquiagem, e havia utilizado também anteriormente. 42
  43. 43. Avaliação comparativa da DMAE bitartarato obtiveram os seguintesresultados:- Análise fotográfica grupo 1 (25 – 35 anos): Figura 14. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo 1 utilizando DMAE bitartarato. Fonte: Elaboração própria. Na figura 14 acima se pode perceber a atenuação nas linhas obscular dosolhos; uma pequena atenuação na linha glabelar e frontal. A voluntária relatou melhora na hidratação da pele. 43
  44. 44. - Análise fotográfica grupo 2 (36 – 45 anos): Figura 15. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo 2 utilizando DMAE bitartarato. Fonte: Elaboração própria. Na figura 15 acima foi possível visualizar a diminuição do edema abaixo dosolhos; homogeneidade de pequenas manchas pouco visíveis na foto, mas relatadasatisfatoriamente pela voluntária; atenuação da linha glabelar também relatada pelavoluntária. 44
  45. 45. - Análise fotográfica grupo 3 (acima de 46 anos): Figura 16. Vista frontal ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo 3 utilizando DMAE bitartarato. Fonte: Elaboração própria. Na figura 16 acima se pode perceber uma melhora nas linhas glabelar,obscular dos olho, nasogeniana. Também houve a homogeneidade das manchas deixando a pele maisuniforme, melhor hidratação o que foram confirmados no relato da voluntária. 45
  46. 46. Figura 17. Vista de perfi esquerdo ilustrativa do antes e depois do tratamento, grupo 3 utilizando DMAE bitartarato. Fonte: Elaboração própria. Na figura 17 acima pode-se perceber a homogeneidade de manchasdeixando a pele mais uniforme; atenuação da linha obscular dos olhos. Todas estas observações constatadas foram confirmadas pelo relato davoluntária, além a atenuação da “papada” abaixo do queixo. 46
  47. 47. Os resultados observados nas voluntárias que utilizaram o DMAE foramatenuação de linhas obscular dos olhos, na glabelar, homogeneidade de manchas,atenuação da linha nasogeniana, melhora na hidratação e firmeza da pele. Aumento na firmeza da área dos olhos, lábios e bochechas, bem como nadiminuição de linhas horizontais também observados pelas voluntárias estáconfirmado por Grossman (2005). Resultados como levantamento natural daspálpebras, aumento do tônus da área ao redor dos lábios melhora as linhas deexpressão na testa e apresentando efeito tensor na região das bochechas tambémsão relatados por Uhoda et al. (2002). Quanto ao clareamento de manchas observado pelas voluntárias foi verificadopor Grossman (2005) quando utilizaram concentrações de 1 a 10% sendo eficaz notratamento de manchas na pele. A hidratação observada pelas voluntaria pode ser devido ao aumento daespessura dérmica e das fibras de colágeno (TADINI; CAMPOS, 2009). Dentre os resultados observados pelas voluntárias o aumento na firmeza dapele foi confirmado por Uhoda et al. (2002), quando avaliou o uso tópico do DMAEobservou que o aumento na firmeza da pele de voluntárias pode estar relacionado aum aumento de retenção de água na derme papilar, através de um equipamentoespecializado. Os autores confirmam os resultados, mas apenas citam o DMAE e seusderivados sem especificá-los. Quanto a ação dos produtos nas diferentes faixas etárias, a voluntária dogrupo 3, de maior idade, teve um resultado mais expressivo por ser mais visívelquando comparada a do grupo 2 e 1, já que elas apresentaram resultados namesma proporção, já que a faixa etária é muito próxima. Uhora et al. (2002), ao avaliar as características da pele utilizou umequipamento chamado Reviscometer® que analisa as camadas internas da pelesemelhante a um aparelho de ultra-som. Com esse equipamento pode se ter certezadas mudanças estruturais nas camadas da pele, logo constataria a eficácia dosprodutos testados. 47
  48. 48. - Análise gráfica dos questionários do pré e pós-tratamento: Figura18. Questionário pré-tratamento. Cosméticos utilizados pelas voluntárias. Fonte: Elaboração própria. No questionário antes do início da utilização dos produtos pode-se percebercom a figura 18, que a minoria fazia o uso de cosmético facial com propriedadesantienvelhecimento quando perguntadas se utilizavam algum produto cosméticofacial. Isto pode retratar o hábito das voluntárias em utilizar este tipo de produto eassim fazer adesão ao tratamento deste trabalho. Figura 19. Questionário pré-tratamento. Utilização de produtos cosméticos facial. Fonte: Elaboração própria. 48
  49. 49. Quando perguntadas quanto à frequência desta utilização, 67% utilizavam ásvezes e 33% das voluntárias relataram utilizar com frequência (figura 19). Istotambém pode indicar o hábito das voluntárias em utilizar este tipo de produto egarantir a adesão ao tratamento deste trabalho. Figura 20. Questionário pré-tratamento. Frequência da utilização de protetor solar. Fonte: Elaboração própria. O uso do protetor solar facial é um fator importante para o sucesso destetratamento já que é um fator causador do envelhecimento da pele e foidisponibilizado nesta pesquisa. Os cuidados com a radiação UV tornaram-se vitais,uma vez que a exposição desprotegida ao sol causa diversos efeitos prejudiciais àsaúde, causando danos à pele (RIBEIRO et al.,2004). Quando as voluntárias foram questionadas quanto à utilização do protetorsolar apenas metade relatou utilizar com frequência o protetor solar facial (figura 20). 49
  50. 50. Figura 21. Questionário pós-tratamento. Resultados – DMAE bitartarato pela análise das voluntárias. Fonte: Elaboração própria. Os resultados mais expressivos observados tanto pela análise fotográficaquanto pelo questionário pós-tratamento foi nas voluntarias utilizadoras do DMAEbitartarato. Todas as voluntárias observaram resultados satisfatórios. O clareamento de manchas e a melhora na firmeza da pele foram osresultados mais relatados, além da diminuição de linhas na testa, seguido peladiminuição de linhas nas áreas dos olhos e na hidratação e por último a diminuiçãono “bigode chinês”. Estes resultados estão ilustrados na figura 21. Todas as voluntárias passaram a confiar em cosméticos manipulados econtinuariam o tratamento e até indicariam para outras pessoas. 50
  51. 51. Figura 22. Questionário pós-tratamento. Resultados – Talasferas de vitamina C pela análise das voluntárias. Fonte: Elaboração própria. As voluntárias que utilizaram a Talasferas de vitamina C notaram apenas umresultado, sendo esse melhora na hidratação da pele. Relataram também adificuldade da utilização porque a vitamina C é sensível à temperatura e a luz eprecisa ser armazenada em geladeira, passando a ser um incomodo as voluntárias. A confiança no cosmético contendo a Talasfera de vitamina representou 50%das voluntárias. 51
  52. 52. 6 CONCLUSÃO Com base nos resultados pode se verificar que o DMAE bitartarato teveresultados visíveis mais relevantes que a vitamina C entre as diferentes faixasetárias. Os dois produtos utilizados apresentaram resultados mais visíveis na faixaetária acima de 45 anos (grupo 3). Em contra partida não podemos relatar que a vitamina C não possua nenhumefeito, já que seu armazenamento compromete a estabilidade do produto final. Análise fotográfica ficou comprometida por consequência da falta depadronização ser difícil, já que o horário, a luz, o local a timidez das voluntáriascolaboram para a má qualidade das fotos. Por mais que a análise fotográfica não demonstrou todos os resultados,através dos relatos das voluntarias e do questionário pós-tratamento foi possívelverificar a satisfação do tratamento. O programa Reviscometer® é capaz de avaliar as mudanças estruturais napele mais profudamente, mas não tivemos acesso ao programa que poderiaconfirma as mudanças visíveis nas fotos. 52
  53. 53. REFERÊNCIASALMEIDA, I. F; GAIO, A. R; BAHIA, M. F. Hedonic and descriptive skinfeel analysisof two oleogels: comparison with othei topical formulations. J. Sensory studies,Connenicut, V.23, p.92 á 113, 2008.ARAUJO. T. S. de; SOUZA, S.O. Protetores solares e os efeitos da radiaçãoultravioleta. São Cristóvão-SE: Scientia Plena, v.4, n º11, 2008.AZULAY, Rubem, AZULAY, Luna. Dermatologia. 5 ed. Rio de Janeiro:Gen/Guanabara, cap 1, p. 10 á 14, 2008.AZULAY, M.M et al. Vitamin C. Rio de janeiro: An bras Dermatol, 2003.AZULAY, Rubem, David; AZULAY, Luna. Dermatologia. 5 ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, cap 1, p. 1 á 7, 2011.BAGATIN, Edileia. Mecanismo do envelhecimento cutâneo e o papel doscosmecêuticos. São Paulo: Revista Bras Med, Moreira JH Editora, v.6, nº5, p.5 á11, 2009.BATISTUZZO, José Antonio de Oliveira; ITAYA, Massayuki; ETO, Yakiko.Formulário médico-farmacêutico. 2 ed. São Paulo: Tecnopress, 2002.BAUMANN, Leslie. Dermatologia cosmética: princípios e prática. São Paulo:Revinter, 2004.BAUMANN, L. O envelhecimento da pele e seu tratamento. Miami Beach: Journal ofPathology, Departamento de Dermatologia da Universidade de Miami, nº211,p.241 á 251, 2007.BRINGEL, F. A. Avaliação morfofuncional de pele humana conservada em glicerol esubmetida à radiação gama: estudos em camundongos atímicos. São Paulo: Tesede Doutorado, 2011.BURKE, K.E. Interação das vitaminas C e E como cosmecêuticos melhores. NewYork: Departamento de Dermatologia da Mount Sinai Medical Center, 20, v5,p.314 á 321, 2007.CABRAL, L. D. S, et. al. Filtro Solares e Fotoprotetores Mais Utilizados NasFormulações no Brasil. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, v.4, n.3, 2011.CAMPOS, P. M et al. Em atividade antioxidadente vitro e eficácia in vivo deformulações tópicas contendo vitamina C e os seus derivados esudada por métodosnão-invasivos. Ribeirão Preto: Faculdade de Ciência Farmacêutica, 2000.CAMPOS; P. M. B. G; SILVA, G. M. Ascorbic acid and its derivates in cosmeticformulations. Cosmetics J& Toiletries International, V.115, p.59 á 62, 2000. 53
  54. 54. CANCELA, Diana Manuela Gomes. O Processo de envelhecimento. Portugal:Trabalho realizado no estágio de complemento ao diploma de licenciatura empsicologia pela Universidade Lusíada do Porto, 2007.CHEN, L; HU, Jy; WANG, Sq. O Papel dos Anioxidantes na Fotoproteção: Umarevisão crítica. New York: Serviço de Dermatologia do Memorial Sloan-KetteringCancer Center, 2012.DAVOLOS, J. F. M. R; CORREA, M. A. Protetores Solares. Araraquara: Faculdadede Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista- Quim Nova, v.30,nº1, p.153 á 158, 2007.DERMAGE. Talasfera de vitamina C, Informações Técnicas. Dermage Importaçõesde Produtos Químicos. São Paulo, 2008.DRAELOS, Zoe Diana. Cosméticos em Dermatologia: Fotoenvelhecimento,Filtro Solares e Cosmecêuticos. 2 ed. São Paulo: Revinter, cap 23, p.245 a 250,1999.DRAELOS, Zoe Diana. Cosmecêuticos. 2 ed. Rio de Janeiro: Elseviea, cap 8, p.65á 71, 2009.FRANCESCHINI, P. A pele e seu desenvolvimento. Lisboa, 1994.GARTNER, L. P; HIATT,J. L. Tratado de Histologia em cores. 3 ed. Rio de Janeiro:Elsevier, cap 14, p 253 á 266, 2007.GUILLEN, J. S. Q. Caracterização e análise dos ascorbato de Monometilselanotriolem formulações cosméticas, São Paulo: Trabalho de conclusão de curso, 2007.GROSSMAN, Rachel. The Role of Dimethylaminoethanol in Cosmetic Dermatology.Am J Clin Dermatol, 6, v1, p.39 á 47,2005.HENRIFARMA. Bitartarato de Dimetilamino Etanol-DMAE. Informações Tecnicas,2000.HIRATA, Lilian; SATO, Mayumi, SANTOS, Cid. Radicais Livres e o EnvelhecimentoCutanêo. Curitiba: Progarama de pós-graduação em ciências farmacêuticas,departamento de farmácia, Acta farmacêutica bonaerense, v.23, p. 418 á 424,2004.JUNQUEIRA, L. C; CARNEIRO, J. Histologia Básica. Rio de Janeiro: GuanabaraKoogan, 2004.KEDE, M. P. V; SABATOVICH, Oleg. Dermatologia Estética. São Paulo: Atheneu,2009.LIMPIANGKANAN, M. D, W.; LIMPIANGKANAN, M. D, W. Foto-envelhecimento:Uma revisão da Literatura. 6 ed. Tailândia: Journal Med Assoc Tailandês Vol.93,Departamento de Medicina de Naresuan, Phitsanulok, v 93, nº 6, 2010. 54
  55. 55. LOURENÇO, V. A. desenvolvimento e avaliação de micropartículas de quitosanapara veiculação de dimetiletanol (DMAE) na pele. Ribeirão Preto: Dissertação,2006.MANSTEN, S. Dimethylethanolamine (DMAE) and selected satts and esters. Reviewof toxicological literature. North Carolina: National Institute of EnvironmentalHealth Sciences, 2002.MARQUES, C. P. Formas Farmacêuticas Tópicas Contendo NanoparticulasLipídicas. Ribeirão Preto: Dissertação, 2010.MARTINS, S. Bioquímica e fisiologia da pele humana aplicado no desenvolvimentode formulações cosméticas. Apostila Racine cosmetologia Express:desenvolvimento de produtos cosméticos. São Paulo, v.4, p.62 á 100, 2003.MOISON, R. M; BENJ, Jersbergen; VAN, Antwerpen, G. M . Topical antioxidantvitamins C and E prevent UVB-induced peroxidation of eicosapentaenoic acid in pigskin. Holanda: Departamento de Medicinal Fotoquímica, Leiden / AmsterdamCenter for Drug Research, Universidade de Leiden, v.4, p.402 á 409, 2002.NICOLETTI, Maria Aparecida et. al. Hipercromias: aspectos gerais e uso dedispegmentante cutanêo. Cosmetics & Oliveria, 2002.ORESAIO, J; et. al. Os radicais Livres têm sido estudada como um contribuinte parao envelhecimento e processos. New Jersey: Pesquisa & Inovação, L`Oreal, 2012.PERRICONE, N. O Fim das Rugas: um metodo natural e definitivo para evitaroenvelhecimento da pele. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, p 82,2001.POZZOBON, A.; LINS, B. P. O papel da vitamina A no tratamento doenvelhecimento cutâneo. São Paulo: Trabalho de conclusão de curso, 2011.RABE, I. H. et al. Photoaging: Mechanisms and repair. I Am acad Dermatol, nº 55,p. 1 á 19, 2006.RIBERIO, R. P. et. al. Avaliação do Fator de Proteção Solar (FPS) in vitro deprodutos comerciais e em fase de desenvolvimento. Rio de janeiro: Laboratório deControle de Qualidade de Fármacos e Medicamentos- Infarma, v 16, nº7-8,2004.RIBEIRO, C. J. Cosmetologia Aplicada a Dermoestética. 1 ed. São Paulo:Pharmabooks, 2006.ROSS, M. H; ROWRELL, L. J. Histologia: texto e atlas. 2 ed. São Paulo:Panamericana, 1993.SAMPAIO, S. P, RIVITTI, E. A. Pele normal: anatomia e fisiolofia. In:Dermatologia. São Paulo: Artes Médicas, p. 4 á 35, 1988. 55
  56. 56. SILVA, G. M; CAMPOS, P. M. B. G. Histopathological, morphometric andsteriological studies of ascorbic acid and magnesuim ascorbyl phosphate in skincare formulation. International Journal of Cosmetic Science. V 22, p.169 á 179,2000.STRYER, L. Bioquímica. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.TADINI, K. A; CAMPOS, P. M. In vivo da pele efeitos de um dimetilaminoetanol(DMAE) formulção baseada. Ribeirão Preto: Departamento de CiênciasFarmacêutivas, nº64, p.818 á 822, 2009.TSAI, F.J, et al. Evaluation of antioxidant capacity of commonly used antioxidants inskin care products for in vivo detection of protein carbonyls in human stratumcorneum. Taiwan: Departamento de Ciência de Beleza, Meiho University, Neipu,PingtungCounty, nº112, p.7 á 15, 2012.THORMAHLEN, S. Vitamins in cosmetic formulations. A new generation of products.In IFSCC Internacional Congress XXI, p.459 á 467, 2000.UHODA, I et al. Split face study on the cutaneous tensile effect of 2-dimethylaminoethanol (deanol) gel. Paris: Skin Research and Technology, nº8,p.164 á 167, 2002.VIERA, Fabiano Nadson Magacho. Mecanimos moleculares do envelhecimentocutanêo – dos cromossomos as rugas. São Paulo: Artes Medicas, cap7, p.53 a59, 2007. 56
  57. 57. APÊNDICE I TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO Professora responsável: Profª. Esp. Vanessa Maria Rizzato Silveira Pesquisadoras: Laura Arantes, Laura Basso e Tamara Belleza Estamos convidando você para participar, como voluntária, em uma pesquisapara o trabalho de conclusão de curso do curso de Farmácia da FundaçãoEducacional de Fernandópolis, que pretende verificar a eficácia de dermocosméticoscontentendo dimetilaminoetanol (DMAE) ou vitamina C glicosilada na pele devoluntárias. As formulações serão fornecidas sem nenhum custo. As informaçõesserão confidenciais e somente serão utilizadas neste trabalho. Após ser esclarecida sobre as informações a seguir, no caso de aceitar fazerparte do estudo, assine ao final deste documento, que está em duas vias.Caso tenha alguma duvida em relação à pesquisa e o procedimento, ou não quisermais fazer parte do mesmo, poderá entrar em contato com as pesquisadoras atravésdos telefones: (17) 3843-1396, (17) 9632-0265.Informações sobre a pesquisa:A pesquisa será realizada em 90 dias, sendo coletadas as informações em forma defotos, antes do inicio da aplicação, 45 dias após o inicio da aplicação e com 90 diasde uso do produto para o rejuvenescimento da pele, na amenização de linhas deexpressão e manchas.Teste de irritabilidade:1 – Passar o produto atrás da orelha antes de se deitar.2 – No outro dia verificar possíveis irritações.Caso não tenha apresentada nenhum sinal de irritação, iniciar as aplicaçõesseguindo as informações abaixo.Procedimento de uso:1 – Lavar o rosto antes da aplicação.2 – Aplicar o produto antes de dormir.3 – Lavar o rosto ao acordar e aplicar o protetor solar disponibilizado. 57
  58. 58. TERMO DE CONSENTIMENTOEu ______________________________, portadora do R.Gnº__________________, abaixo assino, acredito ter sido suficientementeesclarecido (a) sobre a pesquisa e tendo recebido as informações contidas nestetermo de consentimento, e ciente dos meus direitos abaixo relacionados, concordoem participar como voluntário da pesquisa citada.1 – A garantia de receber a resposta a qualquer pergunta ou esclarecimento sobreos procedimentos, riscos, benefícios e outro relacionados com a pesquisa e otratamento a que serei submetido;2 – A liberdade de retirar meu consentimento a qualquer momento, e deixar departicipar do estudo sem eu isso me traga alguma penalidade ou prejuízo àcontinuação do meu cuidado e tratamento;3 – A segurança de que não serei identificado e que será mantido o caráterconfidencial da informação relacionada com a minha privacidade;4 – Que se ocorrerem reações adversas na pele como alergia, irritações e outras,decorrentes da aplicação local das formulações, os voluntários deverão interromperimediatamente o uso destas. ______________________________________ Voluntária__________________________ _______________________Profª Esp. Vanessa Rizzato Laura Arantes__________________________ _______________________Laura Basso Tamara Belleza 58
  59. 59. APÊNDICE II QUESTIONÁRIO PRÉ – TRATAMENTO1 – Você já fez o uso de produtos cosméticos no rosto?( ) Sim( ) Não( ) As vezes2 – Quais são?( ) Produtos para limpeza da pele( ) Produto antienvelhecimento( ) Outros3 – Com que frequência?( ) As vezes( ) Sempre4 – Você faz o uso de protetor solar facial?( ) sim( ) Não( ) As vezes5 – Com que frequência?( ) As vezes( ) Sempre 59
  60. 60. APÊNDICE III QUESTIONÁRIO PÓS – TRATAMENTO DMAE ( ) Vitamina C ( ) Grupo :1- Notaram melhorias?( ) Sim ( ) Não2- Quais as melhorias que notaram?( ) Clareamento de manchas( ) Diminuição de linhas na testa( ) Diminuição de linhas dos olhos( ) Diminuição de linha “ Bigode “( ) Melhor hidratação( ) Melhor firmeza da pele3- Passou a confiar em cosméticos manipulados?( )Sim ( ) Não4- Continuaria a utiliza-lo?( )Sim ( ) Não5- Recomendaria para alguém?( ) Sim ( ) Não6- Alguma reclamação?( ) Sim ( ) Não7- Se sim, quais?8- Como foi a adesão?( ) Nunca ( ) As vezes ( ) Sempre 60

×