AUDIÊNCIA PÚBLICA    COMISSÃO CONSULTIVA DO IAMSPE               30/11/2012EVENTO DO DEPUTADO MARCOS MARTINS - PT
1AUDIÊNCIA PÚBLICA IAMSPEBK CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA.30/11/2012       O SR. PRESIDENTE MARCOS MARTINS – PT – Cumpriment...
2equipamentos de novo, que já fizeram a conversão, por causa de duas. O que viraria? Ecom isso eu quero pedir para vocês o...
3       O SR. SYLVIO MICELLI – Imagina, Deputado, eu que agradeço.       (Aplausos.)       Primeiro bom dia a todos. Prime...
4       Justificar aqui a ausência dos companheiros do sindicato da APEOESP porqueestão em um evento fora, então nós temos...
5      O SR. SYLVIO MICELLI – Ah! Sim. Um dos projetos. Tem mais, uma vez      O SR. - Ele foi o autor (inaudível).      O...
6bem, remanescente da turma da primeira vereança da turma de 48, lá no ViadutoJacareí, número Cem.       Os colegas da Cap...
7abertura do encontro do nosso encontro do mês passado. Mas se não tivesse salário naCâmara de Vereadores, nós teríamos so...
8       (Risos.)       Campeão do Quarto Centenário. Pode me mandar para o Japão. Estou“doidinho” para ir. Deixa eu passar...
9presente? Não! Mas enfim, então, está aqui o registro, ele vai para a pasta doSINDALESP lá da nossa Comissão.       Receb...
10atendimento lá na região. Antes de passar ao Deputado, só rapidamente fazer umresumo do que nós fizemos, na questão do e...
11       Mais matérias aqui no Portal do Governo do Estado de São Paulo. Também nóstivemos aqui no site do IAMSPE, inclusi...
12que eu pedi teria que ter a presença do Secretario de Gestão da Superintendência doIAMSPE e do Governador. Vamos fazer r...
13nunca me manda nada, acho que ele vende isso lá em Mogi, como programa decomédia.       (Risos.)       Mas brincadeiras ...
14e outros segmentos e obtivemos um resultado muito positivo em termos partidário, naultima eleição.       Nós tivemos a R...
15       Porque foi dado um recado, de que é necessário ter uma política social, énecessário ter uma política de valorizaç...
16       SR. SYLVIO MICELLI – Passar a palavra, hoje estou, na ausência doProfessor Moreno aqui, está o João Elias como se...
17       Esses encontros são muitos importantes para gente trocar informações sobre oque ocorre em cada Casa Legislativa, ...
18       SRA. MARIA DA GUARDA ROCHA – Bom dia a todos!                       Gostaria decumprimentar a Mesa na pessoa do n...
19       O SR. SYLVIO MICELLI – Muito obrigado Rochinha. Professor Guilherme.Jupira vai fazer o uso da palavra, Jupira? Va...
20       O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado, Jupira. Guilherme, em seguida oDanone. Pediria agora na medida do possível, para...
21       A defesa de dois por cento, a defesa do Conselho Administrativo, paritário,fiscal, nos moldes como nós queremos, ...
22       Mas são setenta, 94, 70 são os federais, não é? Então nos ainda precisamos dosdemais. Apesar de conversarmos em c...
23Presidente Prudente, essa situação, é do Estado inteiro. E ao companheiro, DeputadoMarcos Martins.       Sobre a situaçã...
24       Os dois por cento que o Governo não coloca. Acho que desde 2002 tem apromessa de pôr a mão no bolso, mas parece q...
25está acontecendo, e pelo descaso desse Governo, pela política porca exercida no Estadode São Paulo aonde alimenta o crim...
26       O SR. SYLVIO MICELLI – Pessoal. Só um minutinho. Pessoal por gentileza.       A SRA. - Em cima da pessoa dele, a ...
27       O Silvio é um, eu conversava com o meu companheiro de lugar, que ele tornaleve o ambiente e alegre. Então, é muit...
28assistência especializada é mais necessária, os planos de saúde não pagam. E ofuncionário, vai lá para o IAMSPE. Então a...
29sofrem e lutam pelas conquistas e pelas vitórias do funcionalismo público em geral,através de suas entidades.       Espe...
30compromisso verdadeiro, sincero e efetivo da contribuição do Governo nos seu dois porcento. Eu vou tentar me limitar aqu...
31       O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Pio. Só uma observação, não pelaquestão da palavra do Pio, enfim, é que é Meio-Di...
32        Gostaria de agradecer aos dois Deputados, que compareceram aqui. Muitoobrigado, nós estamos muitos felizes pela ...
33       Tem que ser obrigado. Queria agradecer, eu teria muita coisa aqui para falar,mas vamos encampar essa luta, vamos ...
34       Muito obrigado, um feliz Natal e que o ano que vem a gente tenha boas noticias,que comece com o pé direito para q...
35       Eu já sofri na pele, não vou contar agora porque o meu tempo não vai dar, daterceirização do Emilio Ribas, para v...
36      O SR. – (Inaudível.)        O SR. MARCO AURÉLIO - PT – Eu estava aqui, conversando com MarcosMartins, sobre o que ...
37        A SRA. ESMERALDA – Meu bom dia a todos da Mesa. Representada pelossenhores Deputados, estaria mais tranquila e f...
38senhores Deputados, que nos atendam. E eu vou querer, Deputado Marco Aurélio,depois o seu endereço, o endereço do seu Ga...
39               (Risos.)        A SRA. GORETE – Bom dia a todos, a todas, membros da Mesa. Eu pedi apalavra, Sylvio, eu n...
40       Agora o outro motivo, eu vou saber, se o IAMSPE não está pagando. Isto não éjusto, vocês estão me prestando um tr...
41       E o Governador foi para uma inauguração, eu tentei falar com ele e não conseguiporque o Vereador, não tinha acess...
42        O SR. SYLVIO MICELLI – Josué da AFUSE.       O SR. JOSUÉ – Boa tarde a todos e a todas. Primeiro, é um motivo de...
43        Um exame de endoscopia demora mais de três meses para conseguir fazer,quando consegue, porque nunca tem agenda. ...
44        O SR. SYLVIO MICELLI – Com a palavra a Dra. Silvia.       A SRA. SILVIA – Eu vou colocar em bloco só várias resp...
45houveram inscritos. Apesar de todo o trabalho de DECAM, o setor de credenciamentoentrou em contato com alguns locais, ma...
46       O SR. - (Inaudível.)        O SR. SYLVIO MICELLI – De gancho em gancho, vamos cada um aguardara sua fala. Para o ...
47       O SR. SYLVIO MICELLI – Encerrou Dra. Silvia? Encerrou? Então vamos lá,AFPSESP, Edenir, depois o SINDALESP, já se ...
48       O SR. ELÍSIO – É o seguinte, apenas para informar que nossa amiga Célia,durante o encontro da FENALE, falou espec...
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe

811 visualizações

Publicada em

Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe em evento promovido pela Comissão Consultiva Mista do Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (CCM) - Auditório Paulo Kobayashi, Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, 30 de novembro de 2012

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
811
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
170
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transcrição da Audiência Pública da Frente Parlamentar em Defesa do Iamspe

  1. 1. AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO CONSULTIVA DO IAMSPE 30/11/2012EVENTO DO DEPUTADO MARCOS MARTINS - PT
  2. 2. 1AUDIÊNCIA PÚBLICA IAMSPEBK CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA.30/11/2012 O SR. PRESIDENTE MARCOS MARTINS – PT – Cumprimentar a todos e atodas! Todas, sempre firme aí e todos também. Cumprimentar à Mesa aqui, em seunome Silvio, cumprimentar a todos os que estão aqui junto com a gente e dizer que éuma satisfação a gente estar se revendo, mas não é satisfação saber como anda oIAMSPE, não é? Mas de qualquer forma é um desafio e nós estamos aqui para esta lutajunto com a Comissão Mista, a gente poder fazer ações. Nós temos outras lutas, por exemplo, estava aqui comentando com o Silvio,estou com um projeto agora para proibir o uso do mercúrio em aparelhos hospitalares.Uma grande parte dos hospitais, os mais avançados já não usam mais, na Europa já estátudo proibido inclusive, mas aqui a gente ainda usa, não é? Dentistas, amálgamas, entãoum conjunto de coisas e as consequências são dramáticas, atacam o sistema nervosocentral e as pessoas acabam inclusive, perdendo até os dentes. Nós demos o primeiro passo nos aparelhos hospitalares que é para depois dar osseguintes passos, essas lâmpadas aqui também tem, e mais um monte de outrosprodutos. Você sabe que eu sou autor da lei que proíbe o uso do amianto, e nós jáestamos na caminhada, há dezesseis anos, e de vez em quando, a pressão da indústria damorte, da indústria do amianto, para retomar, para voltar. Agora está tendo pressão lá noSupremo, estavam analisando o mérito da Lei de São Paulo e do Rio Grande do Sul,para fazer o julgamento, está empatado. Então uma possibilidade, que eu espero que não ocorra, volta atrás, aqui de 160empresas, que usavam amianto, 158 já param de usar, já fizeram a conversão. Apenasduas insistem a funcionar com liminares. Uma de Hortolândia e outra de Leme. Imagina se o Supremo resolve dizer que a lei de São Paulo é inconstitucional, eque as empresas, essas 158 empresas, tem que voltar a usar amianto? Comprar os
  3. 3. 2equipamentos de novo, que já fizeram a conversão, por causa de duas. O que viraria? Ecom isso eu quero pedir para vocês o apoio, porque o Estado precisa de todas asreformas que for fazendo, trocar as telhas, tudo o que tem de amianto. As escolas, toda a reforma que for feita, e colocar uma placa lá, que a lei dizisso, esta obra não contem amianto por ser nocivo à saúde publica e prejudicial ao meioambiente. Tem que ter a placa lá também. Então, como nós estamos, numa luta que é estadual, têm muitos prédiospúblicos, que ainda tem amianto, nós temos que pensar nessa transição. E depois a luta,aonde depositar porque não pode jogar em qualquer lugar porque pode contaminar osolo, pode contaminar alimentos, pode contaminar as pessoas. Enfim, eu quero passar para o Silvio, apenas uma introdução, pedindo o apoio devocês. Eu passei uma revista para o Silvio, que chama Eternit é o grande julgamento doamianto. Isso aqui foi na Itália, na cidade de Casale Monferrato, mais ou menos, metadeda cidade contaminada. Não os que trabalharam diretamente, mas os que moram noentorno também, não apenas os que trabalharam expostos. Então houve um julgamento em Turin, nós estivemos lá visitando esseProcurador, e foram condenados dois representantes da Eternit, a 16 anos de prisão,indenização de um milhão de Euros ás vitimas que eles provocaram, cidades quedeixaram degradadas. Nós aqui estamos mais atrasados, lá estão a quarenta e poucosanos já nessa luta, estão na frente, e aqui nós estamos 16, 17 anos aproximadamente.Mas levar em conta que não apenas, não uma coisa distante de nós. Três mil tipos deprodutos usam o amianto. Até fios cirúrgicos, chapas divisórias de paredes, chapa lisade divisória de parede, até giz de cera, às vezes talco. Então, vocês vejam aí, e que nós precisamos pelo menos, esses que a genteconhece, e que estão nos prédios aí, ir fazendo a substituição. Cobrar dos órgãospúblicos, que assumam o seu papel. Nada de usar produtos cancerígenos, sendo queexista substituto, produto nocivo à saúde pública. Mas, obrigado Silvio, volto para você, se não, vou tomar seu tempo aqui, e otempo das companheiras e companheiros aqui. Obrigado.
  4. 4. 3 O SR. SYLVIO MICELLI – Imagina, Deputado, eu que agradeço. (Aplausos.) Primeiro bom dia a todos. Primeiro, fazer um agradecimento, na verdade essaaudiência pública da CCM hoje aqui, no final do ano, foi um pedido do Deputado,espera só um minutinho que você já vai receber o seu assinado, o livro vale algumacoisa, a assinatura com três reais, você pega um ônibus. Então é assim, quando nós viemos mais ou menos em Fevereiro ou Março desseano aqui na Assembleia Legislativa, conversar com o Deputado, no sentido de retomar aFrente Parlamentar em Defesa do IAMSPE, eu vou fazer rapidamente uma restituiçãohistórica. Frente Parlamentar em Defesa do IAMSPE, ela foi criada de formaextraoficial em 2002, Dezembro de 2002, são 10 anos, na gestão da Professora MariaAntonia. Depois nós conseguimos criar a Frente Parlamentar em Defesa do IAMSPE deforma oficial aqui na Casa em Junho de 2007 por meio de seu companheiro DeputadoRoberto Felício, aí, como as legislaturas, elas extinguem as frentes parlamentarestemáticas, tem as frentes permanentes e tem as temáticas. Aí nós conversamos com o Deputado Marcos Martins que já tinha se mostrado afim de continuar essa luta conosco, e aí nós tivemos uma audiência em Abril aqui no, nodia 26 de abril, que infelizmente por questões pessoais eu não pude estar presente, e elejá indicava o desejo de fazer uma audiência no final do ano, e literalmente nós viemospara o final do ano mesmo, 30 de Novembro, no sentido daquela velha história, atéconversava com a jornalista aqui da Casa, da TV Assembleia, no sentido de não só nósfazermos uma avaliação de como foi o ano de 2012, de como foi o nosso trabalho, mastambém aquela velha história de ficar pressionando os parlamentares em busca de maisrecursos para o IAMSPE. Então, essa é a ideia de fazer essa audiência pública já vem delá, por isso que nós trocamos nossa reunião ordinária, pela audiência pública.
  5. 5. 4 Justificar aqui a ausência dos companheiros do sindicato da APEOESP porqueestão em um evento fora, então nós temos aí alguns representantes que estão ausentes, edaqui a pouco eu vou falar a respeito do nosso encontro e da avaliação que nós fizemosa respeito do encontro. Antes disso eu queria fazer um convite, eu só queria confirmar,Professor Decio, é no dia cinco de dezembro? É isso? Às 19 horas? Na CâmaraMunicipal. É um convite que a gente faz, e eu pediria que o Professor Decio selevantasse. O Professor Decio Grisi, foi o primeiro Presidente da CCM, por favor,professor pode se levantar por gentileza, que foi o primeiro Presidente da CCM, um dosrepresentantes mais antigos do funcionalismo, ele vai ser homenageado... (Aplausos.) No alto de seus 94 anos, ele vai ser homenageado, no próximo dia cinco deDezembro, na Câmara Municipal de São Paulo, às 19 horas, em uma seção solene,porque ele é o único, ainda bem, remanescente da primeira turma de Vereadores eleitoem 1948, não é isso, professor? Para quem não sabe o Professor Decio Grisi, foiVereador no Município de São Paulo, viu, Gorete, oxalá você chegue aos 94, também. O Professor Decio Grisi, foi Vereador do Município de São Paulo ao lado deJânio Quadros, e aí Jânio seguiu a carreira que todos conhecem, e o professor está naluta aí há tanto tempo e então, merecidamente, vamos ver se a gente consegue dar umpulo lá para prestigiar o evento e prestigiar a sua história também. Então, fica o convite extensivo a todos. Dia cinco, quarta-feira, às 19 horas aquina Câmara Municipal de São Paulo, Viaduto Jacareí, número cem. Para os colegas aquida capital fica o convite e sinta-se desde já homenageado aqui pela Comissão, professor. (Aplausos.) O SR. - (Inaudível.)
  6. 6. 5 O SR. SYLVIO MICELLI – Ah! Sim. Um dos projetos. Tem mais, uma vez O SR. - Ele foi o autor (inaudível). O SR. SYLVIO MICELLI – Da bandeira. Lá. SR. – Hoje, de fronte a Câmara Municipal. Ou atrás da Câmara Municipal.Dependendo de quem olha. (Risos.) O SR. – Da Câmara Municipal. O SR. SYLVIO MICELLI – Eu vou fazer, pois não, Professor. O SR. DÉCIO GRISI - (Inaudível.) (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Muito obrigado, Professor. Então, para os colegasque chegaram depois, ou não entenderam a manifestação do Professor Decio, a gentereintera o convite. O Professor Decio Grisi vai ser homenageado na próxima Quarta-feira na Câmara Municipal de São Paulo, dia Cinco às 19 horas como único vivo, ainda
  7. 7. 6bem, remanescente da turma da primeira vereança da turma de 48, lá no ViadutoJacareí, número Cem. Os colegas da Capital que puderem prestigiar o evento eu acho importante até oprofessor se manifestou a respeito do trabalho dele, na vereança de São Paulo, mas, atécomo resgate histórico o Professor Decio Grisi, ele é, foi, continua sendo o primeiroPresidente da história da Comissão Consultiva Mista a partir de 98 quando o entãoSuperintendente do IAMSPE, Dr. Nelson Ibãnez, que era, que acumulava o cargo dePresidente da CCM, ele passou por meio do Chefe de Gabinete, o Dr. Walter Basso, aum triunvirato, que era formado pelo professor Decio Grisi, aqui presente, peloProfessor Oswaldo Pio, aqui presente, e pela Professora Juraci Loconte, que não estáentre nós, mas certamente está presente em alma, aqui também nesta Comissão. Então, isso foi em 98, de lá para cá eu sempre gosto de fazer esses resgateshistóricos, que assim, que quando você pega alguém que está no microfone, e paraalguém estar naquele microfone, outros alguém, muitos alguém, passaram, trabalharamno sentido de que alguém pudesse estar segurando o microfone. Então, fica aqui oregistro, e parabéns, Professor, pela homenagem mais que merecida. A SRA. – Só um adendo. Escutando uma conversa paralela, diz que no tempo doprofessor Decio, ele era Vereador por convicção. Porque nesse tempo não existiasalário. Bom se voltasse esse tempo, não é? O SR. PRESIDENTE MARCOS MARTINS – PT – Aproveitando aqui aoportunidade, registrar aqui a presença do assessor do Deputado Itamar Borges, que nãopode estar presente, mas pediu que a sua assessoria acompanhasse aqui, esta reunião, ouesta audiência. O SR. SYLVIO MICELLI – Aliás, diga-se de passagem, que o DeputadoItamar Borges esteve no nosso encontro, representando o Presidente Barros Munhoz, na
  8. 8. 7abertura do encontro do nosso encontro do mês passado. Mas se não tivesse salário naCâmara de Vereadores, nós teríamos sobra de vaga. (Risos.) Vou passar, pois não. O SR. - (Inaudível.) O SR. SYLVIO MICELLI – Ah! Pois não. O SR. PRESIDENTE MARCOS MARTINS – PT – Antonio BeneditoMartins de Guarulhos, assessor do Deputado Alencar Santana. Obrigado também pelapresença. Se chegarem outros, a gente vai registrando. O SR. SYLVIO MICELLI – Passar as mãos do Deputado Marcos Martins queinfelizmente não pode estar conosco no encontro estadual que aconteceu dia 29 e 30 deOutubro, por questões pessoais, a gente já justificou a presença na condição dePresidente da Frente Parlamentar em Defesa do IAMSPE. Isso foi o livro que nóslançamos, está aqui autografado, fica a disposição se quiser mais exemplares. Na verdade é um apanhado genérico da história, inclusive eu cito o Parque doIbirapuera porque na mesma gestão, viu Professor Grisi, quando foi criado, o IAMSPEfoi criado na gestão do Governador Lucas Nogueira Garcez, em 52, e em 54 nóstivemos o quarto centenário de São Paulo, que foi feita a inauguração do Parque doIbirapuera, como patrimônio da Cidade de São Paulo. Poderia falar também em 54 deum time que foi campeão paulista, mas eu não vou falar de futebol hoje.
  9. 9. 8 (Risos.) Campeão do Quarto Centenário. Pode me mandar para o Japão. Estou“doidinho” para ir. Deixa eu passar rapidamente o expediente, O SR. LUIZ DA SILVA FILHO – Vai sair agora, não é? O SR. SYLVIO MICELLI – Eu iria responder para você Danone, mas emrespeito às moças presentes, pois não Professora Anelí? SRA. ANELÍ - (Inaudível.) O SR. SYLVIO MICELLI – Isso, eu já vi que a Professora Anelí, é umapessoa de bom gosto. O SR. – Ninguém é perfeito! O SR. SYLVIO MICELLI – Bem, recebemos aqui um documento daComissão Regional de Presidente Prudente, assinado pelo Agenor e pelo Danone, temcopia para o DECAN e para a Superintendência, eu não vou pelo avançado da hora, até,é mais uma audiência pública só fazer o registro e informar que vai ser feitoencaminhamento devido pela nossa Comissão. Recebemos aqui um oficio do Sindicato dos Servidores Públicos da AssembleiaLegislativa e Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, SINDALESP, por meio desua Presidente em Exercício Márcia Maria De Freitas Tescari, substituindo orepresentante na Comissão, Débora Palbareno por Lorivaldo Jose da Silva, ele está
  10. 10. 9presente? Não! Mas enfim, então, está aqui o registro, ele vai para a pasta doSINDALESP lá da nossa Comissão. Recebemos aqui o informe APAMPESP, neste ano de 2012, que marca a perdade uma grande lutadora, infelizmente, há todos os anos há pontos positivos e pontosnegativos, mas o primeiro jornal da APAMPESP, após o passamento da nossa querida,o segundo, eu não vi o anterior, então. A SRA. - (Inaudível.) O SR. SYLVIO MICELLI – Ah, ok. Mas fica o registro aqui. Recebemos ocartão de boas festas da APAMPESP, por meio de sua nova Presidente, lutadoratambém, a APAMPESP teve a sorte, a APAMPESP trocou seis por meia dúzia, mas noaspecto positivo, trocou uma lutadora por outra lutadora que é a Professora Vali FerreiraLuma de Jesus. Recebemos também da Neide Nascimento da Comissão de Santos, daAPAMPESP de Santos, felicitações pelas festas vindouras, já que estamos em 30 deNovembro, jornal do SINDASP. Então, eram esses os informes. Eu só queria rapidamente aqui, passar informação para vocês a respeito do nossoencontro, nos realizamos O SR. PRESIDENTE MARCOS MARTINS – PT – O Deputado MarcoAurélio. O SR. SYLVIO MICELLI – Deputado Marcos Aurélio, por gentileza deJacareí, bom dia Deputado, já passo a palavra, o Deputado Marco Aurélio, também quetem se envolvido bastante, cadê o pessoal de Jacareí? Vocês foram puxar o homem lá,né? Vocês foram lá puxar a orelha do homem, não é? Não, brincadeira, o DeputadoMarco Aurélio, já vem trabalhando com o pessoal de Jacareí no sentido de restituir o
  11. 11. 10atendimento lá na região. Antes de passar ao Deputado, só rapidamente fazer umresumo do que nós fizemos, na questão do encontro. Nós tivemos um encontro no dia 29 e 30 de Outubro, isso aí nós passamos atodos, se eventualmente alguém não recebeu, a gente sempre pede para passa o e-mail edeixar com a Nilza, atualizado porque na medida do possível a gente sempre tentaminimizar a impressão. Não só pela consciência, mas também pela questão tecnológica. E enfim, nós estivemos um encontro que todos sabem que contou com apresença do Governador do Estado, contou com o Secretário de Gestão, o DeputadoDavi Zaia, Deputado Itamar Borges como eu já falei representando a Presidência daAssembleia Legislativa do Estado de São Paulo. Tivemos também Deputados presenteslá, tivemos dois federais que foi o Arnaldo Jardim e o Arnaldo Faria de Sá, e doisDeputados Estaduais foi o Major Olimpio e o Deputado Carlos Giannazi. E nós tivemos o nosso trabalho realizado, enfim, está aqui todo o relatório feito emais uma vez, fica aqui registrado o meu agradecimento ao Professor Guilherme,porque realmente o relatório deu uma agilidade tremenda, isso foi aprovado pela nossaMesa e deu uma agilidade tremenda, quando o Guilherme veio perguntar assim, vocêviu lá se estava bom? Eu disse, eu já mandei embora para todo mundo. Quando ele veiome perguntar, quando você viu, já foi. Então, realmente dá uma celeridade enorme ao nosso trabalho, e só deixarregistrado aos colegas que o encontro logicamente que com a visita do Governador aMídia acaba se potencializando, mas independente de qualquer coisa, nós tivemos oregistro do encontro aqui no site da Assembleia Legislativa. Tanto do encontro como dacerimônia que foi feita também, fica registrada aqui a cerimônia que foi feita peloDeputado Major Olimpio em homenagem aos 60 anos do IAMSPE. Está aqui o registro também no Diário Oficial do Poder Legislativo, e até com oDeputado Itamar Borges aqui, no púlpito, aqui também no Governo do Estado, no sitedo Governo do Estado de São Paulo, o Governador aqui assinando os convênios queforam lidos lá por ocasião de abertura do nosso encontro, saiu bastante e tem matériatambém nos Jornais das nossas entidades.
  12. 12. 11 Mais matérias aqui no Portal do Governo do Estado de São Paulo. Também nóstivemos aqui no site do IAMSPE, inclusive fazer aqui o agradecimento ao vivo e emcolor a Fernanda Bittencourt que está aqui representando a Imprensa do nosso IAMSPE. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Que mais, bastante matéria no site do IAMSPE.Obrigado, Fernanda, por puxar o meu saco, viu! (Risos.) E mais matéria no site da Assembleia. Então, do ponto de vista, cada um podefazer sua avaliação técnica ou política ou, a questão é o seguinte, que o encontro quenós fizemos foi um encontro, todos os encontros que nós fizemos foram relevantes, masé obvio que a presença de figuras do Estado, quem me conhece sabe que eu não souoficialista de dizer, oh! O Governador, não, eu ajo de forma técnica. Vamos tentareliminar aquela coisa do painho. O brasileiro gosta muito do painho etc e tal, mas apresença do Governador é importante independente se ele foi porque o seu partido foiderrotado nas urnas no Domingo anterior ou não, é importante para as nossas demandas. Agora ele não pode alegar desconhecimento daquilo que nós falamos a 30 anoscomeçando lá atrás com o Professor Grisi, com a Rochinha, e chegando até os dias dehoje. Está se tentando uma audiência com o Governador que até ele falou de viva vozque iria nos receber, houve uns problemas de agenda, inclusive houve um problema deagenda meu, pessoal, essa reunião chegou a ser marcada, mas infelizmente houve umproblema meu, pessoal, de ordem pessoal, mas eu acredito que antes do Natal, a genteconsegue se reunir para entregar pessoalmente todas as demandas. Já foi encaminhado por meio de ofício. Mas independente disso, entregar todasas demandas ao Senhor Governador e ao Secretario de Gestão, a reunião, pelo menos ao
  13. 13. 12que eu pedi teria que ter a presença do Secretario de Gestão da Superintendência doIAMSPE e do Governador. Vamos fazer reunião com todos já até para a genteeconomizar saliva. Fala só uma vez, já economiza. Que é a questão da contribuiçãoparitária dos dois por cento como eu falei com a menina aqui da Imprensa da Casa que éa nossa bandeira histórica, questão do Conselho de Administração também. E a realização dessa audiência pública, ela finaliza um ano que nós tivemosalguns avanços importantes, lógico que nós ainda não logramos com êxito a questão daconquista dos dois por cento, mas acena-se aí com a possibilidade grande da reforma dohospital, que é outro caso. Se o IAMSPE se resumisse apenas ao hospital, não é, Dra.Silvia? Ou se o IAMSPE se resumisse apenas ao DECAN, seria muito mais fácil, mascomo tem o DECAN e o hospital, aí o negocio ficou um pouquinho mais complicado. Então, a questão do DECAN que envolve diretamente os recursos para vocêfazer os convênios externos com médicos, Santa Casa, etc. e tal, é um aspecto, e o outroaspecto que nós vamos certamente ter que nos debruçarmos muito nos próximos ter,quatro anos é a respeito da reforma do hospital. Para isso já houve recursos deorçamento destinado a reforma do hospital. É um hospital com 50 anos que completou 50 anos em 61, em 61 foi inaugurado.Em 2011, foi inaugurado em Nove de Julho de 61, então está aí, com 51 anos e precisade reforma, eu que estou com 42 estou precisando de reforma, imagina um hospital O SR. – No seu caso é milagre. (Risos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Bom faz parte, não é? Mas o hospital, ele vaipassar por um processo de reforma agora, importante, que é uma velocidadecomplicada, mas infelizmente você não tem como para o atendimento para reformar ohospital. Eu não posso chegar, por exemplo, para o Mario que vive me filmando, e
  14. 14. 13nunca me manda nada, acho que ele vende isso lá em Mogi, como programa decomédia. (Risos.) Mas brincadeiras a parte, a questão do hospital, não posso falar para o Mario,por exemplo, para ele ficar doente só daqui a quatro anos, porque nós vamos ter queparar o hospital para reformar. Infelizmente é isso. Então acho que esse é o resumo, acho que também já falei demais, até pelotempo, eu vou passar para o Deputado Marco Aurélio, e aí, nós vamos começar a abrir apalavra para os nossos colegas, mas eu pediria para a Dra. Silvia, Dr. Silvia, venha cá. Hoje a Mesa está, hoje a Mesa não tem apenas eu, pobre coitado servidor, asenhora estará cercada por parlamentares. A Dr. Silvia que está representando oDECAN. Uma salva de palmas para a Dra. Silvia que nos acompanha. Ela vai ficarvermelha, mas aí fala que é reflexo da blusa e está tudo certo. (Aplausos.) A Dra. Silvia está representando o DECAN e a Administração. Então vou passarpara o Deputado ex-prefeito de Jacareí, representante de Jacareí para falar na plenária. O SR. MARCO AURÉLIO – PT - Bom dia a todos e todas. Querocumprimentar a toda Mesa na pessoa do Silvio e do nosso companheiro a DeputadoMarcos Martins, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do IAMSPE. Confesso avocês que dia de sexta-feira, é o dia que eu tiro para ficar na região, porque graças aDeus a Região do vale do Paraíba, nós tivemos um trabalho junto com outras lideranças
  15. 15. 14e outros segmentos e obtivemos um resultado muito positivo em termos partidário, naultima eleição. Nós tivemos a Região do Vale do Paraíba, Silvio, tinha Duas Prefeituras do PT,passou para Nove, alem disso mais duas vice-prefeituras, então são 11, e, além disso,Nazaré Paulista que não é Vale do Paraíba, mas está junto conosco, então 12. Eu vouver com que o rio passe, Bragança também é verdade, deu PT, agora, é que tem um , emponto de vista de distância, um pouco mais distante, mas Nazaré, é um pouco maisperto, até porque Nazaré, faria parte na macro de Bragança. A SRA. - (Inaudível.) O SR. MARCO AURÉLIO – PT - E, mas, hoje, apesar de eu tirar esse dia paraa região, eu vi o comunicado da Agência Pública do IAMSPE, e aí, 90% da minhaagenda, já tinha decidido vir para cá, até que recebi um e-mail da dona Ivone, sei quevocê esta sabendo, eu quero você lá! Aí completou o 100% e aí não tem jeito, não é? Esó para pedir para avisar a dona Ivone, que eu não chegaria no horário, não é por causado trânsito, mas porque eu tinha um programa na radio uma vez por mês, na RadioMensagem, e eu faço questão de estar lá, e aí eu aproveitei e falei que viria para cá. E no que eu falei que viria para cá, na audiência pública sobre o IAMSPE, eufalei que nós tínhamos uma luta para convencer o Governador, de que a partir domomento em que o IAMSPE passa a funcionar bem, ele tem que entender que eletambém ajuda o SUS. Porque um grande número de pessoas ao deixar de usar o SUS,para usar o IAMSPE, você também abre mais áreas para o SUS. Portanto, investir noIAMSPE, fazer com que ele funcione bem, é também fazer com que o SUS melhore. Então, falei isso na Radio, e vim para cá. Eu sei que é difícil o Governo ter umpensamento assim quando ele tem uma linha mais, na linha de privatização, e nãovalorização do servidor público. Mas, eu confesso Marcos Martins, que eu acho quedepois desse cenário eleitoral, o quadro melhorou um pouco para nós.
  16. 16. 15 Porque foi dado um recado, de que é necessário ter uma política social, énecessário ter uma política de valorização do servidor público, é necessário parar comesse furor de estado mínimo, dessa, entre aspas, modernização, que querem colocar tudonas mãos do mercado. É necessário ter a intervenção do Estado, é necessário ter umEstado forte, um funcionalismo forte, que tenha condições de fazer interferências nasociedade. O recado foi dado. Aliás, a própria eleição do Haddad aqui em São Paulo,reflete muito positivamente nessa luta. Então, eu estou aqui, pronto para também ouvir para que a gente possa sair daquicom mais bagagem, mais material para a gente usar do mandato, como instrumento deluta para fortalecimento do IAMSPE. Eu queria aproveitar e apresentar para vocês o meu assessor Tiago, você poderiaficar em pé Tiago? O Tiago é nosso assessor parlamentar, ele fica aqui no Gabinete emSão Paulo, ele além de ser assessor parlamentar, é também formado em Direito, e eusempre peço a ele para estar acompanhando as audiências públicas e essa luta doIAMSPE. Então, se alguém for ao Gabinete, ou ligar, e eu não estivermos, pode falarcom o Tiago que ele está acompanhando esta luta nossa. E vamos continuar aqui paraaprofundar a luta. Obrigado. (Aplausos.) O SR. PRESIDENTE MARCOS MARTINS – PT – Aproveitar e apresentartambém o meu assessor, o Gerson, que está ali, senão vai falar, só um Deputado temassessor? O outro não tem? O Gerson e o pessoal do nosso Gabinete que está sempreajudando aí, sempre solidário a todos. O SR. MARCO AURÉLIO - PT – Diga-se de passagem, se não fossem osnossos assessores, a gente estava perdido. Porque é tanta coisa, então quando você tembons assessores como é o nosso caso, eles conseguem dar vazão a aquilo que chega anossa mão. Obrigado.
  17. 17. 16 SR. SYLVIO MICELLI – Passar a palavra, hoje estou, na ausência doProfessor Moreno aqui, está o João Elias como segundo vice, pois a Célia que érepresentante da Casa, abrir rapidamente a palavra a Célia e ao João Elísio e a Célia edepois nós vamos para os coordenadores para a manifestação dos colegas. O senhor égentleman. Dona Célia, o João Elísio permitiu que a senhora tenha a palavra. A SRA. CÉLIA – Obrigada João. Bom dia a todos. Sejam todos bem vindosaqui na Casa do Povo, e que a gente continue na nossa luta, na nossa batalha em proldos nossos companheiros e dos agregados e dos dependentes. Obrigada. O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Célia. João Elísio. O SR. JOÃO ELÍSIO – Bom dia. Bem vindos a todos aqui a nossa Casa, aCasa é uma Casa de todos nós, a Casa do Povo. E ficamos contentes em receber,agradecemos mais uma vez ao Deputado Marcos Martins pela iniciativa de retomar aFrente Parlamentar em Defesa do IAMSPE, porque nós dependemos sim, muito dafigura do parlamentar para muitas das nossas demandas. Nós temos uma relação de amor e ódio com eles, mas é uma relação necessária.Assim como é também a relação de amor e ódio com o Governo. Nós precisamos, assimcomo eles precisam da gente. E eu queria aproveitar para dizer que nós estamos fazendo(ininteligível) a associação dos aposentados, a AFALESP, que é outra entidade da Casae o SINDALESP, estão participando 29º encontro 11º congresso da FENALE,Federação das Associações dos Sindicatos das Assembleias Legislativas do País. E está sendo em São Paulo, nós estamos recepcionando, o evento e a abertura foiaqui. Comunicar que 17 Casas Legislativas estão participando deste evento. É umevento que ocorre duas vezes por ano, uma vez em conjunto com a UNALE, que é aunião das Assembleias Legislativas, que é presidida por um Deputado Estadual, sempre,e outra vez, nós fazemos somente com a federação.
  18. 18. 17 Esses encontros são muitos importantes para gente trocar informações sobre oque ocorre em cada Casa Legislativa, em consequência em cada Estado com relação aoserviço público, ao servidor público, e nesses encontros nós ficamos sabendo que algunsEstados, que tinham seus hospitais estaduais no modelo parecido com o do IAMSPE,fecharam. Passaram para o SUS, passaram para iniciativa privada. Então, é somente parainformar que a nossa luta é muito importante para garantia do IAMSPE como nossohospital. Como nosso Sistema de Saúde em termos. Então, nesses encontros nóstrocamos muitas informações. Nós estamos vendo, a categoria do servidor público éuma categoria em extinção. Infelizmente é. Mas ao mesmo tempo, todo concurso público é concorridíssimo. Qual adiferença? Hoje a questão previdenciária está tirando todos os benefícios que nós aduras penas, conquistamos. E a duras penas nós tentamos reaver alguma coisa, ou tentarsegurar aquilo que nós já tivemos. Porque, em detrimento de alguns Estados ou algumascategorias ou alguns períodos, nós termos sidos muito mal pagos. E sem plano decarreira etc. e tal, nós devemos continuar lutando, nossas entidades devem continuarlutando em defesa da nossa categoria. Nós não vamos entregar os pontos. Se tiver quemorrer, morre esperneando, mas não vamos morrer, vamos sobreviver porque as nossasentidades vão continuar lutando e muito por isso. Lutar pelo servidor público. É isso aí.Vamos ao trabalho. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Vamos lá. Coordenação Capital, Rochinha vaifazer uso da palavra. Pediria que você se dirigisse ao púlpito, ali, que o microfone deveestar ligado, por gentileza. Coordenação da Capital, Grande São Paulo, eu acho que Maria Antonia eRosalina não estão. Litoral, o Professor Guilherme fará o uso da palavra, a Jupira fará ouso da palavra. Cadê a Jupira?
  19. 19. 18 SRA. MARIA DA GUARDA ROCHA – Bom dia a todos! Gostaria decumprimentar a Mesa na pessoa do nosso Presidente Sylvio Micelli, Deputado MarcoMartins, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa do IAMSPE, o nosso outroDeputado, muito obrigado pela presença. E eu não poderia deixar de falar que hoje para todos vocês, do nosso trabalho daCCM, parabenizar todos os nossos companheiros, parceiros da CCM, que aos trancos ebarrancos, está sempre presente. Eu acho sim uma luta vitoriosa, conseguindo fazer onosso encontro com a presença de muitas autoridades. Eu quero dizer, que não trouxe para nós, capital, mas o crescimento político paranós é muito grande. Eu acho muito importante. E quero aqui dizer que nosso sindicatoestá passando agora pela eleição, vamos trocar de Presidente, mas o nosso companheiroPresidente que vai ser uma pessoa de Assis, muito esforçado, e nosso sindicato continuapresente na CCM, tentando juntos trabalhar para ajudar e fazer com que o Governadordo Estado se sensibilize e contribua com os dois por cento. Gostaria de desejar a todos, um bom final de ano e boas entradas de 2013, edizendo aos nossos Deputados, que continuem nos apoiando no nosso trabalho, pelosidosos, que essa Casa logo mais nós vamos fazer aqui eventos, vamos colocar milidosos aqui, porque a situação dos idosos é muito difícil. O Governador não dá muitaatenção, mas nós estamos nesse trabalho, SINDSAÚDE está regaçando as mangas juntocom todos os sindicatos. E agradecer ao nosso Presidente da CCM pelo apoio aosnossos seminários dos idosos, que tem sido sempre lotado. Parabéns para nós, pela vitória do nosso Prefeito, mas quero dizer o seguinte,estou confiando nos companheiros, porque o Prefeito não vai dar nada de mão beijadapara nós, temos que continuar a luta, e reivindicando o direito de todos, e tentando nosunir para que o Governo do Estado, também se junte ao Governo Municipal e Federal,para que juntos possamos fazer alguma coisa, por essa população tão sofrida de SãoPaulo. Um abraço a todos! Muito obrigada. (Aplausos.)
  20. 20. 19 O SR. SYLVIO MICELLI – Muito obrigado Rochinha. Professor Guilherme.Jupira vai fazer o uso da palavra, Jupira? Vai, então. Então Jupira, hoje todos estãogentleman, aqui, pelo amor de Deus. Final de ano é uma festa. Agora eu vou fazer umabrincadeira com Professor Guilherme, ele é tesoureiro da nossa federação, e aquelecheque de mil, você já assinou ou está difícil? O SR. GUILHERME - Silvio, se eu assinar um checão de mil, não sobra para oresto do ano. O SR. SYLVIO MICELLI – O espírito natalino. Querida Jupira, Coordenadorado Litoral, depois o Professor Guilherme. A SRA. JUPIRA - Litoral Norte viu gente, o Sul é o Guilherme. O Sul é otrabalhador aí. Ele é novinho, vai ter muito para trabalhar ainda. Gente boa tarde, bomdia, ainda para vocês todos. Apesar de estarmos todos esta manhã em um número mais reduzido, sabemosporque a turma da APEOESP também não está, e nós estamos divididos CPP está comuma grande reunião também lá na Central. E agora eu cumprimento o SenhorPresidente, Senhor Deputado de Jacareí, parabéns para vocês pelas vitórias de vocês eesperamos que esta vitória seja uma união para vocês darem forças junto a este e aofuturo Governador que esperamos seja qual for o melhor para que nós possamosconseguir neste trabalho que é contínuo da CCM, os dois por cento. Sem eles, serámuito difícil. E infelizmente não tive ninguém de Caraguatatuba, para querer fazer o convêniocom a IAMSPE. Choro de tristeza. Vou lutar agora com as irmãzinhas do hospital, viuSilvio, parece que elas estão abrandando o coração. Muito obrigado a vocês todos. Umfinal de ano, e que o ano que vem estejamos juntos novamente.
  21. 21. 20 O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado, Jupira. Guilherme, em seguida oDanone. Pediria agora na medida do possível, para que as pessoas irem se posicionandopróximos ao microfone, por favor. Guilherme, depois o Danone, Denilson está ausente,depois nós vamos passar para as entidades. O SR. GUILHERME – Bom dia a todos do plenário, bom dia a todos osparticipantes da Mesa. Eu acho que mais uma audiência pública da Frente Parlamentarem Defesa do IAMSPE, e a gente ainda comenta dos mesmos problemas. A questão dosdois por cento, a questão do Conselho da Administração, participativo, paritário, fiscal ealguns avanços. É verdade alguns avanços, acho que o nosso encontro estadual da CCM apresença de diversas autoridades representa uma vitória nossa, uma vitória destaplenária, da CCM, fruto de um trabalho, isso, eu vou até pedir permissão para o Silvio,vou repetir mais ou menos, a avaliação que eu fiz no encontro da federação, aqui juntoaos colegas, e de outras entidades também. A presença do Governador, a presença do Secretario de Gestão, deParlamentares, ela não aconteceu a toa. Ela não aconteceu simplesmente porque noDomingo o Serra, levou no meio da testa uma bela de uma derrota. Tem mais coisaatrás. E o que está atrás é um trabalho contínuo da CCM. Isso é que tem de serressaltado. É um trabalho que não é de agora, é um trabalho acumulado ao longo dosanos, mas é um trabalho que está sendo desenvolvido com esta plenária com extremosucesso. Eu acho muito importante a gente perceber quando, a gente fazia críticasquando nós erramos, mas agente percebeu, isso aqui esta dando certo, nós estamos nocaminho correto. Então isso é importante para nós termos isso em mente no dia de hoje. A CCMestá trilhando um caminho que eu entendo como correto. Um caminho de firme, dedefensora sem arredar um centímetro da sua pauta de reivindicação, mas sabedora defazer o bom dialogo. Conversa com qualquer segmento interessado no problema doatendimento médico do funcionalismo público, e defende as suas bandeiras históricas.
  22. 22. 21 A defesa de dois por cento, a defesa do Conselho Administrativo, paritário,fiscal, nos moldes como nós queremos, é uma vitória de todos nós. E eu acho que isso éimportante nós termos isso conosco, porque nós devemos continuar com esse tipo detrabalho. Nós devemos continuar e aprofundar esse tipo de trabalho. Aprofundar, porquê? Porque haverá agora, nós entraremos agora na reforma do hospital do servidorpúblico. E nós devemos acompanhar esta reforma de todos os pontos de vista. Não noponto de vista da modernização em si, arquitetônica, de novos espaços. Da aplicação do dinheiro porque esse dinheiro, também é nosso, o hospital énosso. Então, nós temos esse dever de acompanhar todo esse processo. E por isso, éimportante a continuidade do trabalho que nós estamos desenvolvendo ao longo detodos esses tempos, ao longo dos últimos anos. Então, companheiros e companheiras, eu acho que nós estamos avançando,acredito que possamos avançar ainda mais, mas também devemos ter a dose necessáriada paciência histórica para nós alcançarmos os nossos objetivos que nos move notrabalho que nós realizamos aqui dentro dessa plenária. Portanto, companheiros, eu acho que nós avançamos, avançamos como nós nãoavançamos em anos anteriores, o resultado disso é o reconhecimento do Governo doEstado do nosso trabalho, se eles não reconhecessem a importância deste trabalho, seeles não reconhecessem a importância que nós estamos dando e dentro da questão dofuncionalismo público, como nós estamos disseminando a defesa dos dois por cento, elenão estaria naquela segunda-feira pela manhã fazendo assinatura de contrato,prometendo audiência com a CCM. Então não é de graça. É sinal de que ele reconhece o problema, que elereconhece que nós somos os interlocutores em condições de fazer as cobrançasnecessárias, e por isso que é importante, e aí agora na parte final, eu quero ver uma falafalando, uma fala falando é meio redundante. Mas enfim já foi já saiu, já foi. Mas eu queria me dirigir aos parlamentares porque essa nossa luta, ela tem queser amplificada nessa Casa. Hoje nós temos aqui conosco dois Parlamentares, e maisalguns assessores. Ótimo.
  23. 23. 22 Mas são setenta, 94, 70 são os federais, não é? Então nos ainda precisamos dosdemais. Apesar de conversarmos em cada região com os Parlamentares, mas nósprecisamos deles aqui. E aí, eu conto, eu particularmente conto com os dois Deputados,pra que eles ampliem a nossa luta. Que tragam os outros colegas da mesma base partidária para que estejamconosco, e que busquem os seus aliados. Porque essa Frente, ela só vai tomar peso,importância política, se tiver colaboração de outros parlamentares também. Não basta oesforço reconhecido que a gente vê e percebe por aqui, do Deputado Marcos Martins, doDeputado Marco Aurélio, mas também precisamos de outros Deputados outrosParlamentares e nós somos solidários ao trabalho que os dois, eu tenho certeza já secomprometem com essa plenária em buscar novos companheiros, novos colegas paradefender dentro dessa trincheira, do lado do funcionário público, os dois por cento parao IAMSPE, a contra partida do Governo para o IAMSPE, e um ConselhoAdministrativo, fiscal, deliberativo nos moldes que nós estamos discutindo há váriosanos. Muito obrigado. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Danone. Para encerrar as Coordenadorias. O SR. LUIZ DA SILVA FILHO – Bom dia a todos aqui presente, bom diacompanheiros da Mesa, são heróis da resistência, como nós, não é? De 94 Deputados,quantos têm? Dois. Tudo bem, não é? Primeiro, quero agradecer a Deus por esse dia, pelo ar que eu respiro, pela luzque ilumina, pelo espaço que estou dando, e por nos livrar de balas perdidas e balasdirigidas. Porque a situação que nós vivemos, está complicada. Dra. Silvia, a senhora está representando aqui o IAMSPE, eu vou entregar umoficio para a Senhora da Região lá de Presidente Prudente só que não é só da Região de
  24. 24. 23Presidente Prudente, essa situação, é do Estado inteiro. E ao companheiro, DeputadoMarcos Martins. Sobre a situação de Presidente Prudente, e Região, a media de 120 mil usuários ea situação nossa é precária. Por exames de imagem, vários procedimentos. E aqui vemacompanhado, por 16 entidades que lá estavam, assinado, sobre a situação nossa. Nãosó de lá, mas de toda a região e do interiorzão do Estado de São Paulo.Só para vocês entenderem nós temos cidades, na media de 850 km de São Paulo. Anossa situação, é bem complicada. E falta até ambulâncias para transportar nossoscompanheiros, uma situação complicadíssima. Rapidinho Silvio, tenha um pouquinhode paciência. Primeira coisa, O SR. SYLVIO MICELLI – Vou usar do espírito natalino com você. O SR. LUIZ DA SILVA FILHO – Tudo bem, companheiro. Apesar de que nósestamos aguardando a reunião com o nosso Governador, até o natal, espero que sejadesse ano. A publicação urgente do edital de credenciamentos de laboratórios e exames deimagem. Alterações dos contratos de credenciamentos para atendimentos emconsultórios, como dermatologia, cardiologia, neurologia, etc. vou ser bem rápido.Serviço de ambulância que eu falei, é necessário nós estamos muito longe,principalmente naqueles trabalhos feitos de (ininteligível), é necessário lá.Credenciamento em um hospital da região olha outro exemplo, escândalo da políticaexercida neoliberal. Eles pegam dinheiro nosso, compram hospitais, entregam para osfreis, e não dão atendimento a nós. Por isso, nós estamos pedindo credenciamento em outros hospitais da região.Isso é vergonhoso, o que esse Governo faz. Como outro companheiro falou, formaçãoimediata do Conselho Gestor do IAMSPE.
  25. 25. 24 Os dois por cento que o Governo não coloca. Acho que desde 2002 tem apromessa de pôr a mão no bolso, mas parece que dentro do bolso deve ter de tudo,menos dinheiro para injetar na Saúde do trabalhador. Por isso companheiros, a genteestá caminhando para os Deputados, para o DECAN, e está cobrando a situação. Outra situação é o descaso que esse Governo tem com a vida do ser humano.Recentemente, ele foi à Imprensa e falando o que está acontecendo, desculpa genteporque, é difícil, porque quando ele estava lá sendo homenageado, vocês batendopalma, eu estava enterrando um companheiro nosso. Que foi executado. Eu nem acabei de enterrar um, eu tive que subir para SãoPaulo e vi que ele estava sendo homenageado, eu estava enterrando outro companheiro.E ele vai à Imprensa dizer que isso é normal. Isso faz parte da estatística. Só que não éum filho dele, não é a mãe, a esposa ou alguém da vida, do coração dele, que estájorrando sangue. (Aplausos.) Dói no coração isso, gente. Porque essa pessoa, ele é médico, ele foi residente dohospital do servidor, e pouco liga por nós. Agora a situação não está boa. Hoje, vemfalar que se lembra de nós. Tudo bem, vamos ver se lembra de nós mesmo com os doispor cento. Outra coisa, nessa Casa, aqui gente, são 94 Deputados, dá para contar nos dedosos Deputados que vem e apoiam a nós. São poucos partidos, não é porque eu soupetista, não, mas tem que falar a realidade. Quem vota aqui ao lado do trabalhador, é o PT. Um do PDT que é uma ovelhanegra que é o Olimpio vocês sabem disso, alguns Deputados, como um Deputado doPSOL, e o outro o Partido Comunista. O restante está brincando de legislar. A maioria dos Deputados é “borra botas”deste Governo, dessa política porca, nojenta e neoliberal. Desculpa gente, desculpaporque, é duro a gente escutar algumas coisas que estão acontecendo, por tudo o que
  26. 26. 25está acontecendo, e pelo descaso desse Governo, pela política porca exercida no Estadode São Paulo aonde alimenta o crime organizado, com a má gestão, e até os policiais serevoltando acabam se encapuzando e fazendo extermínio. Desculpa, viu gente.Obrigado. O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Danone. (Aplausos.) Vamos passar agora aos representantes. Como a plenária hoje está um poucomais compacta, eu vou perguntar, representantes e entidades que desejam fazer o uso dapalavra para a gente anotar. Representantes de entidades, não de regionais. Qual a sua entidade? A UNSP,SINDASP, pode ir falando, SETESP, EPEESP, CPP, que mais? Mas você, Prudente,APASE, não! Isso daí depois a regional, aí vocês precisam ver quem fala pelaAPAMPESP, quem mais? O (ininteligível) vai falar por Bauru, não é? Então primeiroas entidades. Então vamos lá para facilitar. Vamos tentar estabelecer três minutos demanifestação? Daquele nosso esquema, três falam, a Dra. Silvia responde no que couberdepois mais três falam. Então vamos lá. AEPESP, por gentileza, companheira, depois APASE, estamosfazendo em ordem alfabética, e depois o CPP. Pediria já que as pessoas ficassempróximas ao púlpito. E o segundo bloco, nós teremos o SINDASP, SITESP e a UNSP.Por favor, companheira, três minutos. A SRA. – Bom dia a todos e a todas, quero cumprimentar o Presidente da Mesa,na pessoa do Sr. Silvio
  27. 27. 26 O SR. SYLVIO MICELLI – Pessoal. Só um minutinho. Pessoal por gentileza. A SRA. - Em cima da pessoa dele, a gente cumprimenta a todo o pessoal daMesa, principalmente aos Deputados que aqui estão presentes. Nós como servidorespúblicos a gente tem que pensar um dia a gente vai envelhecer realmente. É muito bom esse hospital que eles estão pretendendo fazer. Com tudo a genteobserva que dentro do Governo do Estado, ele falou, olha, cheguei no hospital doservidor e vi isso, isso e isso, tudo com cadeira arrebentada, mas ele esqueceu o tempoque ele foi Governador e não fez nada. Ele já deveria ter feito há muito tempo. Sabe,que a gente já está sofrendo isso no servidor a muito tempo. E agora eu quero cumprimentar a CCM nesse aspecto que estão realmentelutando para fazer alguma coisa. E principalmente pelo idoso porque é aí, realmente quea gente vê a quantidade de pessoas idosas que são necessária parte médica, porque quemestá bom? Jovem não vai precisar de hospital algum. É nessa hora que a gente vê anossa necessidade. Agora, o Governador disse, me apresenta as propostas, que eu vouver. Vamos aguardar, quanto tempo ele vai demorar a responder as propostas que aspessoas apresentaram para ele nesse outro encontro que houve. Só isso. Muito obrigada.É só para a gente pontuar aqui a presença da AEPESP. O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado. Professor Pio. Desculpe Professor Pio.A Professora Anelí. Não, o Pio também é um gentleman. Além disso, ele é corintiano A SRA. ANELÍ - Bom dia a todos. Nós participamos, eu e a colegacompanheira Conceição, do encontro IAMSPE, e foi muito mobilizador, não é,Conceição? Eu queria hoje cumprimentar a Mesa, os Deputados aqui, vamos levar seusnomes conosco, e dizer da sua presença nesta Frente. Na pessoa do Silvio,cumprimentamos a todos aqui presentes.
  28. 28. 27 O Silvio é um, eu conversava com o meu companheiro de lugar, que ele tornaleve o ambiente e alegre. Então, é muito bom participar desses encontros da Comissãodo IAMSPE por conta do Silvio, porque ele dá essa energia boa no lugar. Parabéns,Silvio, quando na outra encarnação, eu quero ser igual a você. O SR. SYLVIO MICELLI – Eu estou tentando, professora, grato pelaspalavras, mas eu estou tentando entender, como é que eu posso transformar algumacoisa leve com o meu peso? Mas, parece, como diria Zé Simão, parece piada pronta.Mas obrigado peles palavras. A SRA. ANELÍ - Silvio, não é como aquela propagando do Ronaldinho lá, não.É o seguinte, gente, o que eu queria dizer, não é isso. O Silvio torna realmente as açõesda CCM, assim muito mobilizadoras, e com entusiasmo, acho que isso é um mérito quetem que ser dado. Bom, nós pensamos assim, estivemos no mês passado, em Outubro, antes doencontro, com o Secretário de Gestão Pública, a APAMPESP, o CPP, e a APASE, noencontro, falando para tratar das questões do IAMSPE, diretamente com o Secretário deGestão Pública. Sentimos assim, a nossa mobilização, não pode de maneira alguma recuar deforma alguma porque, os caminhos não são seguros nem tranquilos do ponto de vista doPoder Governamental. Nessa perspectiva nosso sindicato, isso que eu queria dizer aqui,é estar assim, numa Frente, a frente nossa lá do sindical, para trazer os nossos colegasde profissão, de cargo, para essa luta. É a mobilização mesmo. É a mobilização da base.Então eu queria dizer aos lideres sindicais aqui presentes, que trazer o nosso colega queaqui nós representamos, para essa frente lá no seu local de trabalho. Por quê? Atécontinuar no IAMSPE hoje está sendo mobilizador, por que muitos querem sair.Querem deixar o IAMSPE. Não imaginam, tem colegas, que tenham um salário melhor, e melhor assim,porque nós todos somos pobres, tem uns que são menos miseráveis, vamos dizer. Então,esses que tem planos de saúde, falam o que? E quando a doença é mais grave, quando a
  29. 29. 28assistência especializada é mais necessária, os planos de saúde não pagam. E ofuncionário, vai lá para o IAMSPE. Então a luta pelo IAMSPE, é a luta de todos, até dequem ganha mais. Que são pouquíssimos os funcionários públicos que tem um saláriomelhor. Mas esses que tem um salário melhor precisam pensar que o plano de saúde nãoé seguro, e que a única trincheira, o único local que temos para cuidar da nossa saúde,porque é nosso patrimônio, é o IAMSPE. Nesse sentido, nosso sindicato, está assim, numa ação sindical mesmo, de trazerà consciência. O pessoal fica lá na base trabalhando, lá no seu local de trabalho, naSaúde, e não pode esquecer, como lá no casamento tem que lembrar, é na saúde e nadoença. Quando a gente casa o Padre não fala? É na saúde e na doença. Como é difícil,mas a gente fica lá, na saúde e na doença. Então, é bem assim, nós somos funcionários,estamos com saúde, mas não podemos esquecer que vamos envelhecer, que poderemos,tomara que não, mas se tivermos que colocar, o melhor local, é o IAMSPE. E nesse sentido, eu peço aos colegas todos de sindicatos, aqui, que vamos nosjuntar quem sabe assim, a gente faça uma frente sindical junto, a CCM já é a nossafrente, mas dar mais força, legitimidade, para que a CCM continue seu trabalhobrilhante, de articulação, de mobilização e de luta pela saúde do Funcionário Público doEstado de São Paulo. Não pela doença, mas pela saúde. Muito obrigada. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Com a palavra o representante do CPP, oProfessor Oswaldo Pio. Por favor. SR. OSWALDO PIO - Palavra do Centro Professorado Paulista, nós estamosaqui apenas e primordialmente para congratular com todos os colegas que enriquecem,
  30. 30. 29sofrem e lutam pelas conquistas e pelas vitórias do funcionalismo público em geral,através de suas entidades. Especialmente eu queria reverenciar uma pessoa que é a nossa colega daAPAMPESP que faleceu este ano, a Zilda. Eu fui colega da Zilda, antes de existir aAPAMPESP, e já conhecia o seu teor, a sua luta, a sua personalidade de luta pelasconquistas não pessoais, e sim, sempre no sentido coletivo. Não vamos falar aqui em coisa política, mas sim como resultado de conquistas ecomo corolário hoje, no mês de Novembro próximo a se comemorar os 28 da Comissãoconstrutiva mista que nasceu em 84 e ao longo deste tempo através de sua luta pelosseus representante, sendo que apenas a partir de 98, é que foi dado, não vamos chamarde privilegio, mas foi dado uma congratulação de nós podermos, o próprio funcionário,lidimamente representar aquele funcionário sofredor, lutando (ininteligível) daComissão construtiva mista, e que até hoje, pela luta de todos esses representantes,alguns aqui presentes, hoje a gente congratula com a Comissão Construtiva Mista. Sempre a partir de que nós aportamos aqui a Assembleia Legislativa, nóspensamos em recorrer aos parlamentares, para nos apoiar, porque até então a luta só temsido pelos nossos esforços. E aqui encontramos paulatinamente alguns esforços deparlamentares de tentar ajudar a nós caminharmos pelas conquistas junto ao IAMSPE. Hoje temos aqui presente, dois parlamentares, por sinal os dois com nome de umevangelista, um dos mais expressivos evangelistas da Bíblia, que são os dois Marcos.Marcos Martins e Marco Aurélio, que estão aqui representando. Não importa que sejam dois apenas, porque uma estrutura, em uma única colunaé instável à construção de um edifício. Mas duas colunas já são suficientes parapropulsar o avanço e a construção de uma grande evolução, uma grande cidade, umagrande conquista. Apenas para lembrar que o trabalho realmente da CCM, só poderá se consolidarquando nós tivermos um conselho deliberativo. Através dessa nossa postulação queseguirá ao Governador nessa primeira audiência que a CCM vai ter com o Governadoratual, nós esperamos levar a ele e sermos atendidos para conquistarmos a constituiçãodeste Conselho Administrativo, Fiscal e juntamente com as nossas postulações que é o
  31. 31. 30compromisso verdadeiro, sincero e efetivo da contribuição do Governo nos seu dois porcento. Eu vou tentar me limitar aqui nas palavras, porque tem um ditado muito sábio,que diz assim, para a gente policiar a língua, para não ser escravo das palavras. E então, a gente agradece aqui a todos os colegas, particularmente a todosaqueles que dirigiram a Comissão Construtiva Mista, e desejar a todos nós um anonovo, um Natal dos melhores possíveis. Vamos lutar porque mesmo com parcos recursos no ano de noventa e oito a doismil, o IAMSPE, que contavam com 300 leitos funcionando, com aquele trabalho quenós começamos de formiguinha, mas conquistando a simpatia dos seus dirigentes, quena época era o Sr. Nelson Ibanez, nós conseguimos que ele pressionasse o Governo aampliar o número de 300 leitos para 980 leitos a partir daquele momento. Se naquela época que o orçamento era ínfimo, não chegava a 200 milhões econseguimos pressionar a Superintendência a conquistarmos esse grande avanço porqueatualmente com o orçamento superando 600 milhões, nós não podemos conquistarcoisas mais avançadas. Particularmente, eu não queria trazer nada, mas queria pedir à Dra. Silvia, queme chegou ao conhecimento, da, uns dos primeiros convênios que foram retomadosdepois de terem zerados em noventa e sete, numa pernada ao Governador, zerou todosos convênios existentes que eram mais de 400, com o interior de São Paulo, e depois em93, 94, 95, retornou-se a se fazer novamente os convênios. E a minha cidade naquelaépoca foi contemplada juntamente com Rio Preto, e juntamente com Bauru, e a cidadede Santa Rita do Passa Quatro. Eu tomei conhecimento pela Imprensa, que está com uma grande dificuldadejunto ao DECAM, e junto ao IAMSPE porque foi cancelado o convênio e eles estão ládesesperados aguardando um pronunciamento tendo em vista um ofício que já foiencaminhado ao DECAM. Muito obrigado aos colegas e desculpe o excesso deentusiasmo, mas que ele seja multiplicado por sete vezes sete como diz no evangelhopara atingir o infinito. (Aplausos.)
  32. 32. 31 O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Pio. Só uma observação, não pelaquestão da palavra do Pio, enfim, é que é Meio-Dia, e nós temos o compromisso deentregar o plenário até às 13 horas, porque há outro evento, hoje nós não estamos lá nanossa Casa, que na nossa Casa, agente anda de pé no chão, de cueca, camiseta furada,anda ou não anda? Ele ri na hora ele riu! Hoje nós temos que colocar uma gravata.Então eu peço a gentileza dos colegas, só na observação do horário, porque treze horasnós precisamos encerrar os trabalhos. Passo para a Dra. Silvia em seguida, vem opessoal do SINDASP, do SITESP e da UNSP. A SRA. SILVIA – Bom dia a todos, é um prazer estar aqui novamente, emnome da Superintendência da Diretoria do DECAM, eu trago os cumprimentos. Eu vou responder então a fala do professor Pio, em ralação ao contrato de SantaRita do Passa Quatro, ela completou 60, o prazo é improrrogável para o exercício de2012, em 2013, ela vai ser reavaliada. Então, não é que encerrou definitivamente. É quepara o orçamento de 2012 já não tinha mais a possibilidade de contemplar. Eu acho queo questionamento em relação ao DECAM, foi mais ou menos isso. Em resposta ao Danone, que colocou sobre a Rede de Presidente Prudente, issojá foi tomado providências pelo DECAM, tanto a Santa Casa, quanto o prestador Dasa,eles irão ampliar o teto para poder resolver a demanda de exames reprimida na região.Para absorver tudo o que o hospital hoje dos Freis não pode atender mais. O SR. SYLVIO MICELLI – Então, vamos lá. SINDASP, em seguida oSITESP e a UNSP. SINDASP é Sistema Prisional. Os Deputados me perguntam, daonde que é? Eu vou pedir para os colegas, eu sei boa parte, para os colegas semanifestarem, eu sou fulano de tal, sou do sindicato tal. O SR. DANIEL - Eu sou Daniel Grandolfo, Presidente do SINDASP, Sindicatodos Agentes de Segurança Penitenciários do Estado de São Paulo.
  33. 33. 32 Gostaria de agradecer aos dois Deputados, que compareceram aqui. Muitoobrigado, nós estamos muitos felizes pela presença de vocês. Gostaria de agradecer aminha diretoria executiva que também se encontra aqui, o nosso Diretor deComunicação Ismael Manuel dos Santos, e o Diretor de Saúde do SINDASP o Perete.Carlos Perete, também está aqui, também o nosso Diretor Regional da Regional de SãoJose do Rio Preto, o Donizete, também se encontra aqui, muito obrigado Donizete, aDiretoria do Sindicato que veio aqui para este evento tão importante. Bem, eu queria começar, a falar uma coisa que me deixa bastante intrigado. Eeu vou começar falando por Rio Preto, São Jose do Rio Preto, é uma luta que eu achoque a gente fica batendo nessa tecla na questão de dois por cento, de dois por cento, e agente às vezes sabe que não vai vir nunca. Mas eu vou falar, a gente pode pegar coisasque podemos apalpar e conseguir. Por exemplo, existem hospitais que recebem verba doGoverno do Estado de São Paulo, grandes verbas. São mantidos pelo Governo doEstado de São Paulo, entretanto, não atendem o Servidor Público. Acredita? São centenas, é inadmissível isso aí. Eu vou começar pelo Hospital de Base, nóstemos ali o Hospital de Base, em São Jose do Rio Preto mantido basicamente peloGoverno do Estado de São Paulo. E não atende o Servidor Público, mas atende,surpreendam, gente, com um “planinho de saúde”, que os médicos inventaram lá, HBSAÚDE, então esse “planinho” de saúde, esse sim tem vaga. Tem quarenta e cincoleitos para o HB SAÚDE. Sabe quantos leitos para o Servidor? Nenhum. O servidormorre lá na frente. E eles não atendem o Servidor. Mas recebem o nosso dinheiro.Recebem o dinheiro do Governo do Estado de São Paulo. Hospital do Estado em Presidente Prudente. Também é o hospital do Estado,gente. Também os Freis não querem mais atender o Servidor Público. É o hospital doEstado, mantido pelo Estado. Tudo pelo Estado. Tudo é bancado pelo Estado. Mas osServidores, nós, Servidores também não podem ser atendidos lá. Vocês acreditam?Então, vamos brigar? Vamos! Mas tem uma coisa, que dá para a gente pegar. Recebedinheiro do Estado, tem que ser obrigado a atender o Servidor do Estado. (Aplausos.)
  34. 34. 33 Tem que ser obrigado. Queria agradecer, eu teria muita coisa aqui para falar,mas vamos encampar essa luta, vamos encampar esse ponto, recebe dinheiro do Estado,vai ter que atender o Servidor do Estado, senão não pega mais dinheiro do Estado.Muito obrigado. O SR. SYLVIO MICELLI – Muito obrigado Daniel. Só um gancho, Daniel, naverdade esse trabalho, a gente também tem feito historicamente, porque já há projetos,inclusive na Casa, não me lembro agora o parlamentar, mas que era um vínculo, umvínculo era a questão das Santas Casas. Santa Casa é quem mais recebe verba pública. Ehá Santas Casas, Dra. Silvia sabe disso, há Santas Casas que se negam ao atendimento.A gente já tem realizado trabalho nesse sentido, mas obrigado pela sua manifestação.Rose. Em seguida a UNSP. A SRA. ROSE – Boa tarde, já que é meio-dia e cinco. Boa tarde aos DeputadosMarcos Martins, Marco Aurélio, agradeço a presença de vocês, isso é muito importantepara o nosso trabalho. Eu sou Vice-Presidente da Comissão Regional de PresidentePrudente, e sou Delegada Sindical do SITESP, Sindicato dos Técnicos da Secretaria daFazenda, e gostaria de pedir para vocês, o apoio aos amigos parlamentares, para unir asforças e lutar para que saiam as leis em beneficio do IAMSPE. Porque a nossa luta é delonga data, e a Frente Parlamentar sempre está ajudando, e quando precisa de uma leipara ser publicada, quando nós procuramos a Casa para esse serviço. O Silvio tem batalhado muito junto a vocês para nossa conquista. Então eugostaria de agradecer, eu não vou reclamar aqui hoje não, porque vai estragar o espíritoda coisa. A Dra. Miriam já sabe, já falou de Presidente Prudente, que minha lutatambém é por Presidente Prudente e região. E o apoio, principalmente dos Deputadospara reaver esse problema do Hospital Regional, que o Governo assumiu e os Freis sóatendem SUS. Agora encerrou o contrato mesmo. Mas é uma injustiça, porque é um dosmaiores da região, e não atende o Servidor Público. Então eu gostaria que vocês seempenhassem nessa luta para ajudar o Superintendente e nós aqui Servidores Públicos.
  35. 35. 34 Muito obrigado, um feliz Natal e que o ano que vem a gente tenha boas noticias,que comece com o pé direito para que nossa luta seja cada vez menor e uma saúdemelhor. Muito obrigado. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Rose. UNSP. O SR. – Bom dia a todos e a todas! É com satisfação que estamos em audiênciapública hoje. Ora, eu quero falar o seguinte, para começar, e por falar muito emterceirização e privatização, então começar com a raiz da coisa, que é o projetoneoliberal. O projeto neoliberal por se ter uma ideia eles pegam o estado mínimo. O queé o estado mínimo? É o Governo desobrigado a oferecer a população serviços essênciascomo Saúde, Educação, Transporte etc. Agora, vamos dizer os seus frutos, que nós estamos vivendo hoje que éterceirização e a privatização, repito. Como eu sou do Hospital Emilio Ribas, o mês deSetembro, teve até uma manifestação dos trabalhadores do Emilio Ribas, juntamentecom o SINDSAÚDE, iniciaram o processo contra a privatização do Hospital EmílioRibas, um hospital de referência internacional, no tratamento como da doença demeningite, sarampo, AIDS, tuberculose, coqueluche, sífilis, pneumonia e outras doençase privatizar um hospital desse. Isso me deixa angustiado, acho que todo mundo fica angustiado com uma coisadesta. Inclusive há rumores que também até caia, uma hora vai cair para o IAMSPEtambém. Até agora, não foi nada decidido, mas apenas boatos, mas esta caindo rumores.Isso é uma coisa horrorosa para o trabalhador, e o povo brasileiro. Que essesGovernantes que nós temos aí, estão seguindo ao pé da letra, esse miserável projetoneoliberal, com esse estado mínimo, liquidando com o servidor público, porque, comojá falaram, está em extinção, e é isso mesmo.
  36. 36. 35 Eu já sofri na pele, não vou contar agora porque o meu tempo não vai dar, daterceirização do Emilio Ribas, para vocês terem uma ideia, eu entrei com concursopúblico, como milhares entraram com concurso público, eu era eletricista demanutenção, saí como auxiliar de serviços gerais, por quê? Porque 25 profissõespassaram a denominação de auxiliar de serviços gerais. Por que aconteceu isso? Porquenão vai ter mais concursos naquelas áreas. Então, eles rebaixaram-nos, ao que nos rebaixaram. Isso é uma humilhação. Éuma coisa horrorosa, para nós, Servidores Públicos. Eu vou para por aqui, porque euacho que nem dá para falar mais, porque eu acho que falei o que tinha para desabafaraqui. Muito obrigado a todos. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – A Dra. Silvia, tem alguma manifestação emrelação a essas três? Se os Deputados também quiserem se manifestar em relação aalguma manifestação, fiquem a vontade. O SR. MARCOS MARTINS - PT– Eu queria, pela oportunidade, só fazeruma lembrança que eu ouvi anteriormente aí, uma das intervenções dizer da necessidadede se unir os sindicatos. Eu vou dar uma sugestão, se for possível, pensasse na criação,num Conselho Intersindical de Saúde dos Servidores Públicos do Estado. Em Osasco,tem um conselho intersindical, mas ele não é dos Servidores públicos, é geral. Mas euacho que tem 34 sindicatos de centrais diferentes e nessa área, eles atuam juntos,conseguem trabalhar juntos. Então, fica a sugestão, para ver, como aqui já existem vários sindicatos, quemsabe, possa fazer uma frente, nesse Conselho, e terem diretores, que participam,representando e fazer ações em conjunto, e nós estamos aqui, para atuar em conjunto,também.
  37. 37. 36 O SR. – (Inaudível.) O SR. MARCO AURÉLIO - PT – Eu estava aqui, conversando com MarcosMartins, sobre o que o Daniel falou de hospitais que recebem verbas do Governo doEstado, seriam obrigados a fazerem convênio com o IAMSPE, e pensei com ele, seráque era possível fazer um projeto de lei nesse sentido? Fazer um estudo de um projetode lei? E se for possível, estrategicamente, não ser um projeto de lei de nossa autoriaMarco Aurélio e Marcos Martins, mas de autoria de toda a Frente Parlamentar. Porque,daí teria uma força maior. (Aplausos.) A SRA. JUPIRA - (Inaudível.) O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Jupira. Bom, vamos lá. Quem vai semanifestar pela APAMPESP, enquanto a Associação? Então vamos lá Esmeralda, emseguida a Vereadora Gorete, lá de Taubaté. Que outras representações de entidades,querem fazer o uso da palavra? Depois, nós vamos entrar nas Comissões Regionais eMunicipais. Entidade, quem vai se manifestar? Josué- AFUSE. Qual a sua entidade,mesmo? O SR. LOURIVALDO – SINDALESP, Lorivaldo. O SR. SYLVIO MICELLI – Espere um minuto. AFPSESP? Só mais uma vezavisando os companheiros em relação ao horário. Vamos lá, APAMPESP, em seguida aVereadora Gorete, depois o Josué da AFUSE. Continua na observância do tempo de trêsminutos.
  38. 38. 37 A SRA. ESMERALDA – Meu bom dia a todos da Mesa. Representada pelossenhores Deputados, estaria mais tranquila e feliz, se tivessem mais Deputados aqui.Como disse o nosso colega Pio, tudo bem, são dois, mas não é esse momento só, queestamos pedindo apoio para os senhores Deputados, independente de partido que fazemparte. O importante é que a CCM, realmente, ela tem um trabalho de construção doIAMSPE, porque foi através da CCM, que parece que o respeito para o nosso trabalho,começou então a ser realmente sendo considerado. A APAMPESP é uma associação de professores idosos. Nós precisamos doIAMSPE. Eu particularmente preciso do IAMSPE e acredito nessa luta. Estou satisfeita,há três anos a partir do momento que o Dr. Latife, começou e iniciou o trabalho e pediupara que nós déssemos tempo para ele organizar ou reorganizar o IAMSPE, então euacho que como usuária do IAMSPE, o IAMSPE cresceu muito. Não sei se foi só pelotrabalho da CCM. Mas garanto que a nossa associação APAMPESP estará semprepresente, mostrando a nossa camisa que sendo com certeza respeitada por todos. E tenho particularmente, como naquela época que começou com o GovernoQuércia, a deixar que o IAMSPE funcionasse, então, eu fui procurar São Jose do RioPreto. E até hoje procuro São Jose do Rio Preto. Sou representante da APAMPESP, representante municipal da CCM municipal,mas garanto que estamos fazendo um trabalho também com relação à conscientizaçãodos médicos que lá estão. Como de primeiro o IAMSPE, ele deixava de pagar osmédicos para pagar a terceirização que faziam, então há assim, um determinadodesrespeito pelo IAMSPE, mas eu tenho certeza que iremos conseguir alguma coisamais. Então, estou aqui representando a APAMPESP, de Fernandópolis e também acentral, a sede central, dizendo que a APAMPESP estará sempre presente, que nósrepeitamos a CCM porque sabemos que o trabalho é intenso e estamos sempre presentequando nos é chamado estamos sempre presente, e garantimos que se Deus quiser, e nanossa idade nós não pedimos mais nada além da saúde, do respeito que temos, e quedevemos respeitar sempre todos aqueles que entendem que a saúde é o nosso bem, edesejando a todos, feliz Natal, prospero ano novo, e que estaremos se Deus quiser e nosder vida estaremos sempre presente representando a APAMPESP e pedindo aos
  39. 39. 38senhores Deputados, que nos atendam. E eu vou querer, Deputado Marco Aurélio,depois o seu endereço, o endereço do seu Gabinete, que eu tenho um pedido a fazer.Muito obrigado. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado, Esmeralda. Antes da palavra, porfavor, Senhora Gorete, é só lembrando aos colegas, que a nossa primeira reuniãoordinária em 2013, será em Janeiro, no final de Janeiro no dia 31de Janeiro, que é aultima quinta feira, lá no prédio da Administração do IAMSPE. Então, dia 31 deJaneiro, a partir da Oito e Meia da manhã, já no ano novo. E isso se o mundo não acabarem 21 de Dezembro. Se o mundo acabar um 21 de Dezembro, ah!, o fim do mundo éno seu aniversário? Então está explicado. (Risos.) O SR. MARCO AURÉLIO - PT – Já há teses que falam em 12 de Dezembro.Porque é a data da final do mundial. O SR. SYLVIO MICELLI – Seja como for, mas a final do mundial, Deputado,é dia 16, dia 12 é a estreia. O SR. MARCO AURÉLIO - PT – É, mas pode ter uma catástrofe dia Doze. O SR. SYLVIO MICELLI – Se o mundo acabar dia 21 de Dezembro, não seide vocês, mas da minha parte foi um prazer conhecê-los. Vereadora Gorete.
  40. 40. 39 (Risos.) A SRA. GORETE – Bom dia a todos, a todas, membros da Mesa. Eu pedi apalavra, Sylvio, eu nem estava programada, mas fiz questão de pedir a palavra peloseguinte. Como funcionaria pública que sou, eu estou partindo para o terceiro mandatocomo Vereadora. Fiz dois e depois fiquei um como suplente e hoje estou aqui comosuplente, fui a Vereadora mais votada fora da Câmara, novamente, e dia primeiro deJaneiro estarei se Deus quiser como Vereadora. E eu acho importante, nós funcionários públicos, estarmos envolvidos napolítica, eu torci muito que a Valeria fosse eleita, concorreu também na minha cidade,infelizmente não foi possível, mas continua na luta. Mas não é porque eu fui eleitaVereadora que eu teria que deixar de participar, mas, mais um motivo para estar aquicom vocês. (Aplausos.) Obrigada. E como suplente só não estive aqui, porque muitos já sabem a Dra.Silvia já sabe Deus me colocou outro plano, e que é uma missão muito nobre. Eu tiveum marido que ficou doente, ficaram três anos em coma e precisava muito que euestivesse ao lado dele e assim pude cumprir a minha missão. Então, quando se fala, eu acho assim, o IAMSPE precisa de muita coisa?Precisa. Mas tem alguma coisa por parte dos médicos, do hospital, e que, vamos dizerassim, procura distanciar o IAMSPE. Eu sempre falei assim, a gente ganha tão pouco, étão mal reconhecido, e tal. Quando precisei do hospital, eu fiquei três anos precisando. Nove meses, meumarido ficou em coma direto e depois nós fomos para casa, aquelas idas e vindas.Nesses nove meses, eu fui convidada a ir para casa com ele por várias vezes, chamaramna diretoria do hospital, diziam sempre que o IAMSPE não estava pagando. Falei, bomeu vou para casa, desde que o médico dê alta primeiramente.
  41. 41. 40 Agora o outro motivo, eu vou saber, se o IAMSPE não está pagando. Isto não éjusto, vocês estão me prestando um trabalho. Ligava no hospital, sempre o IAMSPEestava com razão. Se não estava mandando o pagamento, ou por uma falha do hospital enão cumpria a documentação. Então, eu falo assim, sou e estarei eternamente grata a esse convênio e esseemprego que, mal remunerado, mas, que foi na hora que eu precisei, foi ali em cima.Que jamais eu teria condições de fornecer ao meu marido o conforto que ele teve dentrodaquele hospital. Nós temos em Taubaté o sexto andar, que é um andar que foi reformado e alifica a maior parte, 80%, são funcionários públicos. E eu pude presenciar inclusive, nãoeram meus colegas, nós ficamos ali, fica tudo amigo, a professora de São Jose dosCampos, o marido teve um problema de infecção, foi para lá, e ali, mesmo não estandoVereadora, eu pude ajudar. E nós tivemos home, que vinha buscar para fazer câmerahiperbálica, ele fez 30 seções e nunca falhou um horário. Pegavam lá e traziam de volta. Quer dizer, eu não sei o que acontece, que para o hospital, não é tão bom. Maseu nunca encontrei resistência, não estou aqui para defender ninguém, mas a gente temque mostrar o lado bom. Eu nunca encontrei resistência por parte da superintendência.Não só esses dois casos, mas muitos outros que eu pude ver ali. Então, o que é justo, agente tem que dizer. Agora, voltando lá atrás, até a Valeria me questionou em campanha, eu usei,sim do trabalho que prestei para o IAMSPE lá no SEAMA, em Taubaté. Acompanhei, oSylvio é testemunha, muitos de vocês, que como Vereadora, sempre participei da CCM.Não é verdade? Aí, o que acontece? Nós não tínhamos entrada em Taubaté. Nóscriamos o SEAMA primeiro mandato em (ininteligível) junto com a Marli, fomos à luta,criamos SEAMA. Inauguração, lindo com coquetel, e tudo mais. E depois era uma portade entrada sem saída. E nós, muito ingenuamente, batemos em alguns hospitais. Naépoca era Irmandade Misericórdia. Então, eles falaram que não podia, mas nãoexplicava o motivo. Quando, o hospital, o Governo tomou e passou para o Bandeirante, nessa época,caiu a ficha, já estava um pouco mais madura e falei, bom, agora é a nossa hora, porquea documentação tem que estar em dia.
  42. 42. 41 E o Governador foi para uma inauguração, eu tentei falar com ele e não conseguiporque o Vereador, não tinha acesso, vão vários Prefeitos, não é verdade, senhorDeputado? Fecham o Governador. E a administradora do hospital, também. Eu pensei bem, e na próxima eu entregar minha documentação, mas eu queriafalar com ele, Governador Geraldo Alckmin e não conseguia. Na outra inauguração, eupedi então ao nosso Deputado da região, Padre Afonso que me abrisse as portas, que eusó precisava falar. Ele me facilitou essa situação, e no momento eu consegui falar com oGovernador. Eu falei, Dr. Geraldo, nós pagamos o nosso convênio, aqui, osfuncionários não conseguem ter acesso? Não acho isso justo. Ele não tinha conhecimento disso. Na hora, ligou para a Superintendência, 15dias depois, nós tínhamos entrada no hospital. O que não agradou a administração. Masnão importa a administração, importava o nosso direito. E passamos a ter o direito,naquele hospital. Agora, sinto alguns obstáculos, lá? Sinto sim. E quando preciso, ligo para aSuperintendência, mas a maioria é por conta do hospital. Valéria é testemunha que elescortaram nosso atendimento ambulatorial, funcionário público não tem. A porta deentrada é a emergência. Então, ali nos conseguimos, quando precisa de um atendimento,de internação. Aí eu acredito que ninguém pode reclamar. É de primeira, o atendimento. Então nós temos que entender, só um minuto, estou somando com vocês,inclusive com essa audiência com o Governador, se conseguirem, não, irão conseguir,eu também vou lutar por lá, se vocês quiserem me chamar estarei junto e depoisposteriormente vendo esta situação. Agora, quero dizer para vocês o seguinte, nós temos que lutar por nosso direito,porque o seguinte, o IAMSPE paga 41 reais a consulta nos consultórios. Nós temosalguns médicos em Taubaté que atende, e a UNIMED, fiquei sabendo, em Taubaté,paga 12 Reais a consulta. Então, nós temos que ver, qual é o motivo da rejeição. Eevidente que nós temos que cobrar sim, do Governador também. Mas, não estou aquipara defender ninguém, mas para somar com vocês. Muito obrigada. (Aplausos.)
  43. 43. 42 O SR. SYLVIO MICELLI – Josué da AFUSE. O SR. JOSUÉ – Boa tarde a todos e a todas. Primeiro, é um motivo de alegriaestar aqui com vocês, para a gente poder estar discutindo novamente o IAMSPE. Digonovamente, porque não é a primeira audiência pública que nós estamos fazendo, e daí,ante de falar sobre isso, primeiro, quero agradecer aqui a presença do Deputado MarcosMartins, do Deputado Marco Aurélio, lá da Região de Jacareí, não é verdade? Dra.Silvia, da Célia, o Sylvio aqui, só que é o seguinte, a gente precisa mais de ação. Porque já não é a primeira ação que a gente faz, e faltam muitos Deputados quese dizem da Frente Parlamentar, aliás, que escreveram que lá, que faz parte da FrenteParlamentar e a gente não vê os colegas aqui, não vê os colegas dos nossos colegas enão vê os nossos Deputados que nós elegemos muitos deles nas nossas regiões. Então, de certa forma eu vou pedir licença e me desculpa para falar o que voufalar agora, eu não vejo tanto interesse assim na saúde do servidor por muitosDeputados. Porque se quisessem fazer, de fato, já tinha implementado alguma coisa naAssembleia Legislativa. E não falo daqueles que estão aqui, que defendem de fato oServidor. Falo daqueles que muitas vezes são apoiados, que apoiam o Governo doEstado de São Paulo que não está nem aí, para a saúde do servidor. Não adianta vir nareunião, no nosso encontro, e não atender as nossas reivindicações. Mas o que mais me aflige, também, é da gente pagar os dois por cento do nossosalário, e o Governo fazer a gerência desse dinheiro sem que gente possa se quertambém, influenciar decisões de como fazer essa gerência. A gente só opina, a gente sósugere, porque, temos a Comissão Consultiva. Queremos muito mais. E é uma dessasatitudes que nós precisamos da ajuda dos nossos Deputados Estaduais, que é justamentepara que nós possamos de fato, opinar, não somente opinar, mas também decidir. E daí,passa por outro processo que a gente sabe, já discutiu muito na questão dos nossosúltimos encontros. Agora, eu queria falar de algo que vem acontecendo, no nosso instituto. Ademora de exames e consultas, principalmente de exames. Vou dar dois exemplos aqui,só para que a gente possa pontuar, para ver como está grave a questão.
  44. 44. 43 Um exame de endoscopia demora mais de três meses para conseguir fazer,quando consegue, porque nunca tem agenda. Estou falando de uma coisa mais simples,que pode evitar coisas futuras, pior como câncer e outras coisas mais. Os exames, veja bem, uma coisa bem rapidinha, um exame de contato, que épara ver a questão da, questão alérgica, para ver se a pessoa é alérgica a algumassubstâncias ou o que seja. Você faz o exame fora da Rede, viu Dra. Silvia, e eu gostariaque você pudesse responder sobre isso, você faz o exame fora, exame não, digo, aconsulta fora do hospital do servidor, mas você tem que passar por um médico doservidor para que você possa fazer esse exame. Você tem que passar por uma consulta.Então o IAMSPE paga as duas vezes praticamente? Porque paga para o médico doconvênio, e depois, tudo bem que possa ser funcionário, mas paga o salário dofuncionário também, sendo que outras pessoas poderiam ser consultadas. Então, é um absurdo que isso aconteça, o desperdício de dinheiro que aconteceno nosso instituto, isso só para que a gente tenha ideia da questão de como está sendofeita, do problema que é na demora da questão dos exames. Agora além de tudo isso, já que você não consegue fazer o exame, você não ter aconsulta a contento, você fica doente. Por que você fica doente? Porque você não teveum atendimento de saúde adequado, preventivo o que seja. Você sentiu, procura ummedico, ah! Daqui a três, quatro meses, a doença esta mais grave e aí você tem que seafastar dos seus afazeres do Estado, você tem que se afastar. E o que acontece? O Governo reclama do absenteísmo do funcionário público.Como se a culpa de ficar doente é dele e não de uma má gerência, não digo má gerênciano sentido destes servidores ou destes, dessas pessoas que estão à frente do IAMSPE,porque tem feito um bom trabalho. Mas a má gerência no sentido de que? De nãoinvestimento e também de não procurar meios para que melhore a saúde do funcionário,então ele prefere colocar a culpa de que você ficou doente porque você quis. Então essascoisas, a gente tem que mudar. Eu agradeço e muito obrigado. (Aplausos.)
  45. 45. 44 O SR. SYLVIO MICELLI – Com a palavra a Dra. Silvia. A SRA. SILVIA – Eu vou colocar em bloco só várias respostas.Começando novamente, reforçando novamente Presidente Prudente, em ralação aodescredenciamento ao HR, realmente não houve uma resposta a nossa solicitação dedocumentação. Mas o HR, ele respondia fundamentalmente pela realização de exame.Em termos de hospital, atendimento hospitalar, ele não atendia ao nosso usuário, quepreferia, e prefere o atendimento da Santa Casa. Então para atender essa demanda do HR, já existe uma liberação de teto extrapara a Santa Casa, uma liberação de teto extra para o Hospital São Lucas, e umaliberação para o laboratório DASA. Para resolver a demanda de todos os exames oupelo menos a grande maioria dos exames que estão represados em Presidente Prudente. Em relação à Rede, o que temos que colocar é o seguinte, hoje o IAMSPE, comesta ultima publicação, que foi ontem, nós adicionamos à nossa lista mais duzentos ecinquenta médicos, chegando a cerca de 2500 médicos no Estado. Nessa nova listagem,entraram quatro municípios novos, que não tinham nenhum médico credenciado,Campo Limpo, Caraguá, Teodoro Sampaio, e vamos lá, acho que eu esqueci o último,mas eu me lembro no decorrer da fala. Nesses municípios então uma ou outra especialidade passou a ser contemplada apartir de ontem, pode demorar um pouquinho o atendimento, por cona da parteburocrática que é a assinatura de contrato, a clinica às vezes demora para a abertura deconta corrente, mas acredito que nos próximos 15 dias você já tenham também todosesses médicos atendendo, inclusive, na região da baixada, entrou em atendimentotambém a Policlínica Ipiranga, em São Vicente. Então todas essas clínicas, algumas têmcredenciamento novo em Peruíbe, e Praia Grande. Todas essas clínicas comocredenciados para o atendimento em consultas. Em relação à Taubaté, e chamando a atenção para outros municípios, para tentarresolver a demanda de Taubaté, a Superintendência houve por bem a Diretoria doDECAM abrir credenciamento para a Policlínica. Infelizmente o edital veio e deu comodeserta. Policlínica em Taubaté, Policlínica em Jacareí, Policlínica em Caraguá, e não
  46. 46. 45houveram inscritos. Apesar de todo o trabalho de DECAM, o setor de credenciamentoentrou em contato com alguns locais, mas não houve interesse, por essecredenciamento. Então eu acho que a luta de vocês tem que continuar procurandoatendimento nesses municípios, em relação a Policlínica. Outra coisa em Presidente Prudente, e em alguns outros municípios, comoMarília, que esta com uma demanda reprimida muito grande de exames, é o edital decredenciamento só de exames. Então é um pregão, vai ser um credenciamento porlicitação por pregão, e isso deve estar na rua, deve estar publicado nos próximos dez,quinze dias. Vai atender a grande maioria das regiões atingindo principalmente asregiões administrativas. O SR. - (Inaudível.) A SRA. SILVIA – Célia? Célia tinha um hospital proposto e está aguardando oparecer da Procuradoria Jurídica. Então a documentação já esta lá. O SR. - (Inaudível.) A SRA. SILVIA – Agosto, um mês, dois meses, três meses, é pouco. O que agente brinca é o seguinte. Tem todo um trâmite burocrático. Entra a solicitação, o quetem que entender é assim, são documentos diversos do Estado inteiro. E tem umaequipe para analisar documento. Depois que analisado esses documento, os que se realmente aberto o processo,esse processo vai para a avaliação de orçamento, vai para avaliação da ProcuradoriaJurídica, para depois chegar para a assinatura do superintendente. Então, infelizmente,demora um pouco. Mas ele está na lista de hospitais que já estão contemplados para oorçamento de 2013, então, com certeza ele sai.
  47. 47. 46 O SR. - (Inaudível.) O SR. SYLVIO MICELLI – De gancho em gancho, vamos cada um aguardara sua fala. Para o pessoal de Lins, eles não gostam de mim, eles dizem que eu persigoeles. Você não, mas seu amigo hoje que está quietinho lá, ele vive brigando comigo,mas eu prometo a fala de Lins. Tem alguma novidade, Dra Silvia? O SR. - (Inaudível.) A SRA. SILVIA- De Lins eu deixo mais para o final. Eu vou responder diretoao questionamento da Alergia. Isso é uma reunião que já está agendada com a diretoriado serviço de Alergia do hospital, porque é um questionamento inclusive nosso. Se eutenho um médico habilitado pela Sociedade Brasileira de Alergia e Imunologia que faza solicitação de um exame, eu tenho que entender que este colega ele faz umasolicitação correta. Então se o colega do servidor, ele questiona esse resultado, então nós temos quecomeçar a entrar num acordo, ou nós vamos continuar para o atendimento na Rede eesse exame vai ser aceito pelo colega dentro do HSPE, ou a rede não vai mais poderfazer o atendimento de Alergia. Então, acredito que a primeira alternativa vai ter que ser a tomada pela diretoria.Então para poder privilegiar todos os usuários que passam na rede e que vão ter umaporta aberta para fazer os exames. Na mesma forma para o, aproveitando, as receitasque estão sendo emitidas por médicos da nossa Rede em São Paulo, elas também estãosendo aceitas nas Farmácia Central. Tanto aquelas de alta complexidade quanto as deuso comum. Então, hoje a farmácia, ela esta orientada para atender todos os usuáriosque chegam com receitas dos nossos credenciados.
  48. 48. 47 O SR. SYLVIO MICELLI – Encerrou Dra. Silvia? Encerrou? Então vamos lá,AFPSESP, Edenir, depois o SINDALESP, já se foi? Nós temos um tempo exíguo aqui, nós temos 20 minutos e quem é que vai semanifestar, das Comissões? Das regionais? Deixa-me ver, Gecilene, Valéria, RibeirãoPreto, quem mais? Bauru, daqui, alguém? Se ninguém no meio do caminho resolverfalar vai rápido. AFPSESP, SINDALESP, O SR. – A ordem é : seja breve. O SR. SYLVIO MICELLI – Na fala do Edenir, a gente encerra as inscrições.Vamos lá edenir, três minutos. O SR. EDENIR – A todos uma boa tarde! Bem vindos, ao pessoal do interiorprincipalmente que sacrifica bastante para chegar aqui, e quero falar representando aAssociação dos Funcionários da Policia Civil, e o Sindicato dos Agentes de Telemáticae também do Programa de Assistência do Idoso, mas aí, eu sou voluntário. Quero congratular com o programa de assistência ao idoso, que está fazendoumas reuniões e está sendo muito bem participada com todos os representantes dofuncionalismo e tem sido muito proveitosa, quanto à orientação para as pessoas que lácomparecem. Por enquanto é só, porque fazia uns dois meses que eu não participavaaqui da reunião e quero congratular e agradecer a todos que me ajudaram. Muitoobrigado. (Aplausos.) O SR. SYLVIO MICELLI – Obrigado Edenir. Elísio, um minuto doSINDALESP.
  49. 49. 48 O SR. ELÍSIO – É o seguinte, apenas para informar que nossa amiga Célia,durante o encontro da FENALE, falou especificamente sobre o trabalho e o encontro daCCM. Então isso omitido por e por ela também, mas ela ocupou o seu espaço lá de falapara esclarecer a todos sobre os trabalhos da CCM, sobre as vitórias, conquistas etambém sobre o encontro. E também para dizer que no tempo do Professor Decio Grizi,como professor, o salário dos professores permitia que não se recebesse como Vereador.Hoje fica meio difícil. É só isso. O SR. SYLVIO MICELLI – Eu sempre falo ao professor Guilherme que teveum Governador que falou que o professor ganhava sete mil. Eu fiquei sem entender.Gecilene, Bragança Paulista, Valeria, Taubaté, Ribeirão Preto, depois o Romacho,Bauru, o Danone , Prudente. A Maria Antonia quer fazer o uso da palavra? A SRA. GECILENE – Boa tarde a todos. Embora não tenhamos almoçadoainda, mas é uma boa tarde. Eu queria cumprimentar a Mesa, na pessoa do Sylvio, etambém aos dois Deputados aqui presentes, e lamentar a ausência dos demaisDeputados, que demonstra um descaso com o funcionalismo público, e principalmentecom essa questão do IAMSPE. Deputado Marco Aurélio sempre presente em nossas reuniões, aqui na audiênciapública, o Deputado Marcos Martins que é também um grande guerreiro, e com certezafuturamente o IAMSPE, será um grande convênio, que servirá de exemplo para osdemais. Eu queria agradecer ao DECAM, por todo trabalho realizado durante o ano, foium trabalho intenso, cobrei bastante coisa, o Dr. Wagner já não podia nem me ver nafrente, porque as cobranças eram tantas que muitas vezes a gente chegava até seaborrecer, achando que o departamento não nos dava atenção, e na verdade eu passei aacompanhar o trabalho mais de perto, buscando parcerias com as clínicas, buscandoconscientizar os hospitais, principalmente a Santa Casa de Bragança Paulista, onde nóstivemos um representante do IAMSPE, tentando conscientizá-los, demonstrar também otrabalho do IAMSPE, para que a Santa Casa se sensibilizasse e fizesse a sua inscrição e

×