O diário de minha mãe2s (1)

295 visualizações

Publicada em

O diário de minha mãe...
Talvez fosse a coisa mais difícil e mais gratificante que fiz; É
muita honra para mim, falar de uma guerreira, de uma
“águia”...
Sabe Aquelas pessoas que voam alto, enxergam longe e, Em
meio ao mais devastador cansaço da vida, desafia os anos e
ruma ao sol.
É o elo perdido, a peça que faltava, o valor que sobrepuja o
que achamos ser valoroso. Não daria pra escrever o quanto
aprendi sem palavras, nem o quanto nas palavras eu vi a
inocência vencer o mal.
Obrigado por ser minha mãe!

Publicada em: Imóveis
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
295
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
83
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O diário de minha mãe2s (1)

  1. 1. Nena Lima & Sylvia Seny O diário da minha mãe 1ª edição São Paulo Sylvia Seny 2014
  2. 2. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ ISBN: 978-85-913648-1-7 Seny, Sylvia; Lima, Nena O diário da minha mãe Poá, SP: Ler & gostar Edição do autor, 2014. 40p. 1. Literatura Brasileira. 2. Romance. 3. ficção. Sylvia Seny. III. Título. CDD 869.8.
  3. 3. 3 Sumário Introdução.................................................. 4 Rica de marre............................................. 6 Lembranças............................................... 11 Explosão.................................................... 12 27 de Janeiro............................................ 14 Sinto-me................................................... 16 Uma proposta.......................................... 17 Nuvens que anunciam............................. 18 E preciso sair num tempo........................ 21 Outro encontro: Sebastião....................... 25 Dores ...................................................... 26 Outubro................................................... 27 Uma dor incomparável.......................... 28 Quando tudo mais falhar....................... 29 Fevereiro 2004....................................... 31 Homenagens..........................................
  4. 4. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ O diário de minha mãe... Talvez fosse a coisa mais difícil e mais gratificante que fiz; É muita honra para mim, falar de uma guerreira, de uma “águia”... Sabe Aquelas pessoas que voam alto, enxergam longe e, Em meio ao mais devastador cansaço da vida, desafia os anos e ruma ao sol. É o elo perdido, a peça que faltava, o valor que sobrepuja o que achamos ser valoroso. Não daria pra escrever o quanto aprendi sem palavras, nem o quanto nas palavras eu vi a inocência vencer o mal. Obrigado por ser minha mãe!
  5. 5. 5
  6. 6. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ Rica de marre... Pobre de marre... Meados 1952, voltava do colégio olhando as nuvens, segurando contra a brisa somente por costume meu vestido de lese e algodão, dançavam com meus pés minha sandália de couro, e eu orgulhosa de si mesma, olhava o céu e vinha sonhando pelo caminho empoeirado, criança feliz que era! Já da entrada da casa ouvi a voz do meu pai: -Papai ta em casa! – E danei-me a correr quintal a fora, tão estabanada era que bati a porta quase a derrubá-la e por muito pouco não levei um safanão de minha mãe. - Crie modos de moça! - Deixe a menina! E assim abaixava a cabeça e esperava a zanga da minha mãe passar, então ia conversar com meu pai. Naquele tempo criança não entendia nada da vida, nem da seca, nem do dinheiro, nem da morte. Tão diferente de hoje era o relacionamento e o respeito com os adultos, eu tinha um irmão mais velho somente alguns anos, o Francisco, não havia diálogos, nem questionamentos, porém, Por mais
  7. 7. 7 solitária e temerosa que fosse, sonhava! E como era bom ser criança em meus dias... Um dia vi um grito da cozinha, coisa rara, tão discreta mamãe era, mas quando me aproximei, nem sabia, meu mundo tava acabando ali também, meu pai estirado no sofá não abria os olhos, não acordava. O socorro viria de outra cidade e demorava bastante, não deu tempo de socorrer o doente, nem do socorro chegar. Meu pai tinha uma doença rara no coração, o coração às vezes parava e parecia que ele estava dormindo, mas dessa vez não acordou, nem eu acordei mais daquele pesadelo. Não perdi só meu pai naquele dia, perdi meu amigo, meu defensor, alguém que eu amava sinceramente, e eu sabíamos que em amava também. Eu não tinha idéia de como era difícil pra minha mãe ficar viúva e sozinha, nem de que como a mulher não era instruída ou ajudada a cuidar dos bens que possuía, sem muita leitura que mamãe tinha. Mamãe descendia de italianos, porém nunca descobri seu sobrenome antes de casar-se com meu pai, depois que me entendi de gente o único cartório da cidade pegou fogo e isso não foi nada perto do que veio a seguir.
  8. 8. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ Meu pai tinha algumas propriedades, e isso naquele tempo fazia dele um homem rico e eu uma menina rica embora não soubesse disso, mas ele também tinha outra família, a qual sustentava e eu tive irmãos e irmãs, e depois crescemos juntos por algum tempo... Minha mãe não sabendo como lidar com uma filha moça, alguém dizia: “ Melhor casar logo essa menina, criar mulher sozinha é difícil nesse tempo”. Estávamos em 1958, nem mídia, TV , tínhamos um radio e pouquíssima informação, embora eu morasse na grande cidade de Recife-PE. Eu tinha apenas 13 anos e gostava muito de ler revistas, fotonovelas e vira e mexe enquanto eu lia no quintal, passava um jovem com a farda do exercito, o Bil, no começo eu apenas olhava tímida, depois passamos a conversar e foi assim que minha mãe casou-me com o Bil (Severino) aos meus 13 anos de idade. Não culpo minha mãezinha, ela mais do que eu sofreu nessa vida e não tinha outro modo de saber viver, mas ela , Dona Cecília muito me auxiliou nessa terra, e eu a honro e agradeço por isso, ela partiu em 2006 aos 91 anos lúcida e deixou saudades.
  9. 9. 9 ♫ Mamãe, mamãe, mamãe, eu te vejo chinelos na mão, avental todo sujo de ovo, se eu pudesse, eu queria outra vez, mamãe, começar tudo, tudo de novo... ♫ Não tinha a mínima ideia de como ser uma esposa, vira e mexe Bil voltava do trabalho e eu estava brincando com "boneca de milho" na roça. Mamãe deu-me uma das casas pra morar, mas o pesadelo começou muito cedo. Bil era alcoólatra e ficava embriagado e violento muitas vezes, logo veio a primeira filha e como era de se esperar, não tinha conhecimento algum de como uma criança vinha ao mundo, tive eclampsia e fiquei cega por alguns dias após o parto. O sofrimento daqueles dias e a desesperança só se deu bem mais pra frente. Eu que andava de sandália, cheguei a não ter o que calçar, várias vezes acordava de noite com os companheiros de jogo do Bil nos expulsando de casa, pois Bil perdia as casas no jogo e naquele tempo a palavra era a única lei! Assim perdi grande parte de herança e dignidade e acabamos por nos mudar para São Paulo. Bil era boa pessoa quando estava são, mas isso era
  10. 10. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ tão raro... Ele fora espancado e maltratado quando criança, e lutava a seu modo, sem conseguir vencer de vez a bebida, entendo que ele não podia dar o que não possuía: amor. Toda força, amparo, resistência e esperança atribuo á Deus, que verdadeiramente nunca me abandonou e foi meu amparo, meu auxilio, meu lugar mais forte! E sempre que por vezes eu desejava morrer, Ele foi a força que me levantou e me deu esperança, louvado seja Deus por hoje poder contar minha história pra você. Quando estava grávida do oitavo filho fiquei viúva e vou transcrever um pouco das páginas do diário: Eu não reclamava de trabalhar em casa de família e embora gostasse de dar aulas para crianças no interior do Recife, a vinda para São Paulo teria trazido mais esperança não fosse pelo mesmo sofrimento, solidão, dor, humilhação, que insistiam em tornar os dias mais difíceis. Por vezes desejei morrer, Deus me perdoe, mas houve momentos em que tudo que eu queria era findar esse sofrimento, essa desesperança, porém, eu olhava para meus filhos tão indefesos; era por eles que eu lutava; por eles a cada manhã que eu abria os olhos... Por eles que não tinham culpa da fome, da violência, nudez... Por eles eu sobrevivia. E já eram oito almas para eu cuidar.
  11. 11. 11 Lembranças... Essa época foi muito dolorida, lembrava-me do carinho com o que eu dava aula no interior de Pernambuco, e como minha vida mudou desde que meu pai se fora. Um dia até andei descalça, fui perdendo tudo: bens, honra, alegria, sonhos, dignidade pela inconsequência de Bil. Estava ficando apagada pelos maus tratos; os anos passando, os filhos chegando, a juventude indo embora, sonhos esmorecendo e já não era sombra da menina que fui. Dura como a vida, sem cor, sem brilho, sem amanhã... Mas, Bil também se foi ( o rapaz índio de olhos claros, sorriso de criança que não sabia amar, ninguém o ensinou, só sabia ser duro, sofreu e fazendo sofrer partiu). “Eu o vi morrer, pintava de laranja ( talvez mostarda, talvez cenoura), uma casa na rua da Odete, Denis lhe ofereceu “Bondosamente” um copo com pinga, uma dose e instantaneamente eu o vi despencar da escada batendo a cabeça na guia da rua, faleceu! Bil se Foi Nininha estava só,
  12. 12. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ Nininha agora era apenas Nena, a sobrevivente... “ ( Sylvia). Explosão Meu corpo anda me traindo, sinto-me cansada ao extremo, por alguns dias não consegui comer, o médico disse que estou com “estafa”, meus genros estão preocupados e eu preocupada em como vou manter a casa deitada aqui numa cama. Eu dormi por horas a fio, não agüento mexer o corpo, é como se tivesse sido sugada por alguma coisa, sinto um peso enorme sobre mim que me impede de levantar, não quero entregar-me, mas parece que luto em vão; estou desvanecendo e nem sei há quantos dias estou acamada. A Selma que ainda é solteira está cuidando da casa, ela põe uma carne para cozinhar na panela de pressão, mas , as crianças sentem fome cedo, não temos o armário farto para café da tarde ou coisa parecida, o Silvio abre o forno em busca de algum pão amanhecido, ouço então um barulho ensurdecedor! Vejo voar os estilhaços da telha brasilit, meu coração dispara e eu grito; vizinhos correm para sanar o vazamento do tambor de gás, a panela que explodiu foi parar á metros de distância no portão da rua, o
  13. 13. 13 fogão transformou-se numa sanfona de ferro. Graças á Deus ninguém se feriu. Mais uma vez escapamos... São Paulo 27 de Janeiro de 1982 14h30. Aqui estou neste escritório, onde fui muito feliz. Um dia, há três anos, especialmente no dia 05 de Fevereiro de 1979 (Fevereiro...), ás 16h00 eu entrei pela primeira vez nesta porta. Mandaram-me procurar o senhor Pérsio e falei com ele timidamente, logo em seguida me apresentaram o dono do escritório, o senhor Fernando Braga, ele explicou-me o serviço e fiquei de voltar na semana seguinte. Era o meu o meu primeiro emprego registrado e eu estava eufórica, até então eu só havia trabalhado como doméstica. No primeiro dia de trabalho atrasei-me em eternos cinco minutos, fiquei muito sem jeito pelo atraso e já não sabia o que fazer quando apareceu um anjo de carne osso, que falava e ria: dona Rute, ela disse-me para não me incomodar pelo atraso, sua voz
  14. 14. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ era tão suave e sincera que eu relaxei para logo depois ouvir um grito ensurdecedor. Dei dois passos para a porta e deparei com um garoto de cabelos encaracolados (o autor do grito) que entrava no escritório como se fosse à corte do rei Arthur, “será louco?”, eu pensei. Mas o que eu nem imaginava é que este garoto, Pedro, seria um amiguinho muito querido e junto com ele, mais dois anjos Miriam e a Tél que eu vim a conhecer mais tarde. Esses três jovens fizeram-me a mulher mais feliz do mundo. Antes de conhecê-los eu passei um período muito difícil em minha vida... Deste período triste restaram oito filhos os quais amo muito e tenho muito orgulho, mas esta é outra história... Voltando ao assunto anterior, quando cheguei aqui eu tinha trinta e sete anos que não vivi e me apeguei muito ás pessoas que trabalham aqui. Dediquei-me totalmente ao trabalho que já não era uma profissão, era um prazer, uma alegria, para mim é como se essas pessoas fossem minha própria família! Foi um mundo novo, maravilhoso, senti-me deslumbrada com o carinho e atenção, com a amizade, tudo foi tão novo, tão diferente da minha vida isolada
  15. 15. 15 que me transformei inteiramente. Alegre e feliz, nem de longe eu lembrava a criatura sem vida, sem sonhos, sem entusiasmo que eu tinha sido. Fiz uma promessa para mim, eu iria ter minha adolescência, eu ter minha juventude, tudo que nunca tive antes e que pensei nunca existir. Uma garota que entrou logo depois de mim, Hilda, cativou-me com sua meiguice, porém ficou pouco tempo no escritório e senti muito a sua falta. “Sinto-me como um médico que por mais centrado que tente ser, ao medicar um parente próximo sente-se impotente e só. (S.S.)”. Talvez por isso, eu tenha me apegado tanto aos meus amigos, hoje quase indispensáveis. Conhecer a Miriam foi uma das coisas mais maravilhosas que me aconteceu; com apenas quatorze anos ela tinha pouco de adolescente e muito de adulto, essa menininha é a criatura mais adorável deste mundo. Resolvi que ao lado da Tél, da Miriam, do Pedro e dos demais; eu iria finalmente viver toda minha mocidade perdida. Um ano... Eu queria apenas um ano
  16. 16. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ para viver tudo que eu nunca pude viver, ter toda amizade e afeto que nunca tive, mas o tempo passou e eu não consegui mais afastar-me deles. Continuei a viver aquele sonho, Fui muito criticada por andar no meio dos jovens como se eu fosse uma deles, por me divertir, brincar, passear, sorrir... Porém, isso pouco me importava, eu era feliz! Feliz como nunca fui, e ainda que fosse apenas por algum tempo, ser feliz era importante pra mim. Ao lado dessa gente tão bacana meus problemas eram superados sem muito esforço. Passaram-se três anos e era como se eu fosse de fato, outra pessoa. Uma proposta Conheci um rapaz, pareceu-me boa pessoa, até deu-me um fio de esperança de que minha vida pudesse mudar, ele é estrangeiro, é chileno. Pediu-me em casamento, mas, também me fez uma proposta que foi quase como se fosse vender minha própria alma. Ele quer alugar uma casa para que meus filhos morem sozinhos, com a Liu ( a filha mais velha) tomando
  17. 17. 17 conta. Não posso derramar sob minha filha tamanha responsabilidade, nem irei abandonar meus filhos, eles são tudo que me restou. Eu penso em quantas vezes os vizinhos dizem que é melhor eu interná-los , que qualquer hora dessas um carro pode atropelar algum na avenida; penso neles sozinhos durante o dia, a mercê de tantos perigos, mas, eu também penso que tenho que trabalhar para alimentá-los que só posso confiar em Deus para guardá-los. O que seria deles sem mim? E eu também sei que eu já não seria nada sem eles, e, por fim recusei a proposta, continuo só. Nuvens que anunciam a tempestade São Paulo... Ainda 1982 “Sou o médicomais egoísta e miserável do mundo, pois, não posso sanar a dor daqueles a quem amo (S.S.)”.
  18. 18. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ Este ano no dia 23 fizemos nossa festinha de despedida como de costume, mas havia algo diferente no ar, faltava a alegria costumeira, a felicidade que antes era tão visível no semblante de cada um; principalmente porque eu, o Pedro e a Miriam estávamos sentindo a falta da nossa querida Tel. Ela pediu demissão e nós sabíamos que não a veríamos por um longe tempo. Tentamos fingir uma alegria que não sentíamos. Tudo era muito falso, sem cor, sem brilho... Sabíamos que nada poderia substituir nossa amiga. O Pedro parecia não se importar para o que estava acontecendo, sempre falando alto, brincando, rindo, aquele jeito de quem não sente dor, de quem não se abala de quem se protege com uma grossa camada de impulsividade. Mas no fundo eu sabia que ele sofria tanto quanto os outros, eu conhecia bem aquele garoto. Outro motivo de preocupação em comum era a situação financeira do escritório que não andava bem há algum tempo. Tínhamos esperança de que as coisas mudassem pra melhor, eu não perdia a esperança. Não podia perder! Entretanto o tempo foi passando nada acontecia e minha esperança ia agonizando, porém eu não podia permitir que ela morresse porque eu morreria junto com esse escritório e repentinamente um medo terrível se apoderou de
  19. 19. 19 mim, um medo que nunca pensei sentir, medo de perder meus amigos e voltar a ser o que eu era antes, uma flor sem vida! E sem medir meu egoísmo, comecei a pedir para eles não tomarem a resolução de deixar o escritório, de ir embora. Nem se quer cogitei o quanto os estava sacrificando. Não podia perdê-los, nem a Miriam, nem o Pedro. É bem verdade em que eu tinha outro mundo, onde oito pessoinhas dependiam de mim, mas eram estes dois amigos que me ensinavam a viver para eles e por eles. Estou convicta de que Deus me deu esse emprego para que eu pudesse ter mais força e coragem para ir em frente com a minha luta de cada dia. Sou muito grata á Deus por isso. Não sei se agi corretamente insistindo tanto para que ficassem, só sei que não consigo me acostumar com a ideia de não tê-los mais perto de mim. Sei que um dia isso vai acontecer e todo esse sonho vai acabar, mas teimo em conservá-lo e não despertar para realidade, uma realidade cruel demais sem o Pedruxo, sem Miriam... Nossos passeios, a volta abraçada para casa
  20. 20. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ coma a Miriam, até mesmo o caminho que percorremos todos os dias, o bar onde paramos de vez em quando para comer “coxinha” e até mesmo o “oi” com o qual cumprimentamos as pessoas do bairro... Essas pequeninas coisas tão insignificantes para outros e tão importantes para mim... “ Foi preciso sair de mim, num tempo e espaço para sentir força o bastante para transcrever a lida. (S.S.)”. É muito difícil escrever a história, a qual nos vê nela! Quero conserva-los enquanto puder prorrogar meu sonho. Tenho a nítida impressão de que tudo ainda voltará a ser como antes, quero que voltemos aos nossos almoços na casa de um por vez. Quero que volte as conversas amigas e até mesmo a implicância do Pedro com a Tel. Sempre que acontecia uma coisa boa comigo, eu queria comemorar e convidava-os. Normalmente íamos ao Grupo Sérgio (rodízio), comer pizza.
  21. 21. 21 Numa dessas comemorações o Pedro não pode comparecer, não lembro qual o motivo, mas a Tel ficou numa tristeza terrível pela falta do Pedro e quase não comeu, em compensação a Miriam comeu pra valer e eu também! Eu e Miriam tentamos animar o ambiente chato que aTel criou por causa da ausência do Pedro, não havia motivo aparente para que ela se chateasse tanto. Então, começamos a tirar “um sarro” da cara dela. “- Tel, acho que você está gamada no Pedro. - Que nada! - Está sim. - “E você Miriam, está apaixonada pelo Jojo”. A Miriam ria e não levava a provocação á serio. Mas, o que eu não esperava é que aquela brincadeira com a Tel fosse causar um grande desentendimento porque eu comentei com o Pedro sobre a tristeza dela na ausência dele. O mau humor da Tel não durou muito, nossa amizade não iria se abalar por bobagem. Porém mais tarde quando a Tel me contou que realmente estava apaixonada pelo Pedro eu fiquei preocupada,
  22. 22. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ porque apesar do Pedro adorá-la ele não retribuía o sentimento que ela nutria por ele. Eu até já havia percebido, mas ela negou com tanta veemência que eu acreditei na negativa. Eu e a Miriam pesando em bancar o cupido fomos conversar com Pedro que praticamente nos intimou a dar um “fim” na questão. Algum tempo depois a Tel se esqueceu do Pedro, isso foi apenas um dos vários episódios do nosso relacionamento. Um dia fomos almoçar na casa do “Colega”, bem “colega” foi um apelido que a Vile (outra amiga do escritório) pôs nele, seu nome é Severino. Passamos um dia maravilhoso, outro amigo também estava presente, o Toninho e conhecemos o “Zé”, o Colega fritou bolinhos para aperitivo, ouvimos musica batemos papo, o Toninho me ofereceu um musica muito bonita. O Pedro que chegou mais tarde não perdeu a mania de trazer “ uma lembrancinha” de cada lugar que vai, desta vez ele trouxe um cachimbo que estava na estante. Por causa deste bendito cachimbo, mais tarde eu e o Colega brigamos seriamente, fato que me deixou muito chateada por gostar muito dele, porém, perplexa mesmo eu fiquei quando soube o motivo da implicância do Colega, ele estava com ciúme, eu jamais pensei que ele pudesse sentir algo diferente de
  23. 23. 23 amizade por mim. Fiquei muito sem jeito, desconversei e voltamos ao normal. Aqui pra nós, eu adoro o Colega, mas nunca aceitara a ideia de vê-lo por um ângulo diferente do que o de amigo. Certa feita nós fomos ao cinema com a Miriam, nos divertimos a valer, era assim a minha vida alegre e sempre sorridente ao lado dos meus amigos. E esta Nena ou Nenucha, está aqui em 1984, sentada na mesa escrevendo sua vida num diário. Eu amo esse escritório, minha vida é sonhar aqui, amo estas pessoas que estão me lembrando como é ter amigos. Aqui somos uma grande família, sou respeitada e me sinto querida. E a fase da juventude que nunca tive. Cada um de uma maneira especial; a confiança e o carinho da D. Rute, as confidencias com a Miriam, a alegria do Pedro, o incentivo da Léu, o apostar em minha competência por meus patrões o Pércio e o seu Fernando. Eu gostaria que essa amizade nunca acabasse, porque seria como se eu
  24. 24. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ perdesse a própria identidade. Aqui, trabalhando tenho descanso provisório dos problemas que me esperam diariamente. Nunca questionei a Deus, nunca perguntei por que minha vida não teve outro rumo, ou por que eu tive minha adolescência e juventude roubadas por tão dura realidade? Por mais que doesse, eu não podia pensar nisso, porque Deus cuidou de mim em cada momento difícil e eu sabia que ele estava comigo e este consolo era suficiente! Outro Encontro: Sebastião Já faz doze anos que estou viúva. Eu costumava às vezes pegar o mesmo ônibus que a Miriam e descer na Vila Guarani e descer a Estrada da barreira grande a pé, neste dia aconteceu exatamente assim, mas ao passar defronte com um ponto de ônibus um homem perguntou se eu era “fulana” uma amiga dele, disse que me confundiu, o estranho seguiu-me conversando e eu fui caminhando para casa sem prestar muita atenção. Por mais algumas vezes eu o vi e aconteceu um namoro. Bem não estou mais na idade de sonhar e ele diz que quer morar comigo, mesmo com muito medo, pois, ele bebe de vez em quando, eu acho que
  25. 25. 25 vou aceitar a proposta. Quem nesta vida iria querer uma mulher com oito filhos? O nome dele é Sebastião, espero que meus filhos me apóiem, estou bastante confusa. 1985 Dores Estou muito triste, já faz seis meses que deixei o escritório, me sinto tão sozinha! Acho que tomei a decisão errada, o Tião saiu e não sei onde ele está. Sinto falta dos meus amigos, não guardo mágoa, mas penso que eles podiam ter evitado que eu saísse. O Pedro vai casar, a Tel também, somente a Miriam aparece vez ou outra, sinto tanta falta deles! Parece que minha vida é só sofrimento, fico pensando que escolha foi essa minha? Há de haver uma saída, uma esperança, algo que se possa esperar. Que e tristeza! Que saudade daqueles dias no escritório onde eu tinha um pouco de sonho. Nota: Aos doze anos conheci uma mãe que nem fazia idéia, a Selma e a Suely sempre foram um pouco mães pra mim, mas quando minha mãe veio ficar em casa eu conheci alguém que pudesse contar algum
  26. 26. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ segredo, ler algumas cartas, ao menos eu sabia que ela estava lá, isso foi crucial pra mim que ela visse e acompanhasse algumas das principais fases da minha adolescência, eu pude até comprar um vestido de festa junina. Sabe ouvir aquelas cantigas antigas:♫ toda garoa quando fura lama seca é sinal que a chuva chega no sertão, toda menina que enjoa da boneca é sinal que o amor já chegou no coração♫ . Ouvir seus ditados, seus conselhos, vê-la rir, cuidar da casa, ter sonhos! Foi uma fase que nunca esqueci, aquela “Nena” era outra pessoa e só quero dizer mais uma vez ,mãe, que te amo! ( Sylvia) Chegando mais alguém... Outubro A família aumentou, hoje temos o Jefferson, e em meio há tantos desafios foi mais um meio de Deus nos provar que ainda temos algo a oferecer. O Tião esta muito feliz com o bebe, a Suely de desdobra em cuidados e eu que há muito tempo não escrevia no diário venho registrar minha vida. As coisas mudaram muito, meus antigos amigos cada vez mais distantes. Estou um pouco mais conformada pela perda dessas amizades tão preciosas. Sinto que estou envelhecendo mais rápido, abrimos um bar no quintal de casa. Ainda me sinto sozinha exceto por meus filhos, eles não sabem o quanto os amo, e o quanto me fazem bem
  27. 27. 27 1990 Uma dor incomparável Eu não sei como expressar isso, depois de tanto tempo venho aqui, infelizmente estou passando pela maior dor da minha vida, nenhuma perda, nenhuma dor é comparada a este sofrimento sem medida. Perdi meu filho Samuel, ele foi assassinado aos 23 anos quando vinha do trabalho para casa. Eu não sei como respirar, não sei como sobreviver, não sei como abrir os olhos, sei que meus outros filhos ainda precisam de mim. Mas o que vou oferecer-lhes? Sou um trapo de mulher, alguém esquecida, não pude salvar a vida de meu filho, não há motivo que me prenda á essa terra! Eu só pergunto: Porque Deus? Por quê? E a resposta é esse buraco enorme em minha alma, essa dor, esse vazio! Jamais esperei passar por tão grande dor! Como continuar vivendo? Eu não sei, eu não sei como olhar pra vida, eu só queria partir também...
  28. 28. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ PS: não sei quantas vezes vou chorar escrevendo este diário, nem quantas vezes meu estomago vai embrulhar e o ar faltar, eu só sei que é o mínimo que posso fazer por alguém que em amou demais. Quando tudo mais falhar, quando tudo se acabar, Deus ainda estará lá. Eu me revoltei, pela primeira vez culpei a vida, e porque não dizer, não fosse tão absurdo eu teria culpado o próprio Deus, e porque seu amor e misericórdia são tão grandes e incomparáveis, Ele não levou em conta, viu minha dor e ainda assim me levantou, Foi assim: Eu já havia mudado de casa, já morava onde moro hoje, Deus me concedeu uma casa confortável como sempre sonhei, e algum tempo já havia passado da morte do meu filho, por volta de dois anos... Eu estava lavando louça na pia, as lágrimas caindo, uma revolta na alma, eu olhava para cima, como se meus olhos pudessem desnudar o teto e tudo mais acima dele, inclusive as nuvens, eu queria ver Deus, queria ouvir uma resposta e eu perguntava quase tão alto quanto podia ouvir as batidas do meu coração: “Por que Deus? Por quê?
  29. 29. 29 Então ouvi claramente uma voz dizer: “Pare tudo. Vá orar!”. Eu larguei a louça, entrei no quarto, estava sozinha, a casa vazia e eu me sentindo tão abandonada e sufocada pela dor, desengano, desprezo, desespero, desesperança, minha fé... Onde estava minha fé? Relutando eu dobrei os joelhos e as primeiras palavras foram: “diga-me, oh Deus, o porquê! Então eu chorei como criança, chorei por horas, não sei dizer quanto tempo enquanto eu ouvia sua voz dizer: Lembra-te de Jó? 11 Mas estende a tua mão e fere tudo o que ele tem, e com certeza ele te amaldiçoará na tua face." ( Jó 1:11). Claramente eu entendi, eu já havia passado fome, nudez, perigo de vida, humilhação, violência, desprezo, enfermidade... Porém, Deus jamais havia permitido a morte. ... A morte de um filho era o que me afastaria de Deus? Romanos 8 35Quem nos separará do amor de Cristo? Será a tribulação, ou ansiedade, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Então entendi, as vezes , Satanás quer provar o quanto somos ingratos, fracos, condicionados pelas circunstâncias. Ainda assim Deus apostou em mim e naquele momento eu pedi perdão e senti sua mão me consolar, como ninguém jamais poderia consolar uma mãe, como ninguém jamais poderia confortar uma alma e levantar do chão, com força tal para continuar vivendo.
  30. 30. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ É claro que eu ainda sinto essa perda, não com revolta, mas com saudade, sempre sinto falta dele chegar, mas também penso no que Deus o livrou, e quantas coisas jamais entenderemos. Se eu pudesse escolher, escolheria que ele estivesse aqui conosco, mas ele, como todos nós, pertencemos ao Senhor, e eu creio que ainda verei: "Porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor" (Js 24.15) Fevereiro 2004 Eu me casei, numa cerimônia simples e linda, da maneira que sempre sonhei, meus filhos foram padrinhos, algumas netinhas dama de honra, a igreja estava lotada; minha linda família estava lá, e foi maravilhoso! Quando você pensar que já envelheceu e que é tarde demais pra um sonho, somente lembre-se que para Deus, o tempo não é nada! Eu sou prova viva disso e do quanto Ele me amou! Natal 2013
  31. 31. 31 Deus nunca desampara seus filhos por mais aflições que temos nesta terra, e Ele sempre nos abençoa. Hoje Natal 2013, eu agradeço a Deus por todo progresso espiritual, material, emocional que Ele permitiu que chegasse a nós, sempre digo que de todos os bens que temos, nossa família é o bem mais precioso. Sinto falta do meu filho Samuel e sempre sentirei, agradeço a Deus por todos os filhos, genros, noras, netos e netas, bisnetos (as) que tem chegado e chegarão como bênçãos em nossa família! Abaixo do Senhor, Vocês são tudo que tenho. Deus é um Pai zeloso e amoroso, porém muitas vezes o vemos distante e indiferente, mas é nosso olhar que está mal direcionado, Ele esta bem perto de você e escrevi parte da minha história para dizer que não há nada que Deus não possa transformar. Tu conheces um milagre? Eu sou um milagre!
  32. 32. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ Durante o relato deixei várias impressões, agora é a vez deles: Mãe, Não tenho palavras para descrever o quanto tenho orgulho de ser seu filho; eu não sei demonstrar. A senhora me deu uma das maiores lições de vida que hoje muitas mães não dão e para seus filhos. Nunca vou esquecer-me disso! Você é uma mãe que milhões de filhos gostariam de te. Eu ti amo muito e nunca vou esquecer-me da senhora e nem as coisas que me ensinou. Silvio
  33. 33. 33 São Paulo, 16 de novembro de 2014 Mãe, O que dizer? Muitas pessoas dizem que somos muito parecidas; que o nosso coração tem o mesmo tamanho, pena que não é verdade, gostaria de ser apenas a metade do que a senhora é. Tenho muito orgulho de ser a sua filha, o amor que transmite a todos que estão a sua volta é imenso, agradeço por tudo que sou hoje. Você me ensinou que o amor e o companheirismo são mais importantes que qualquer outro bem, que a família é o bem mais precioso que temos, e me apresentou desde criança esse Deus maravilhoso que hoje eu sirvo e que relutei tanto para não ter esse encontro. Mãe, agradeço por todas as vezes que dobrou seu joelho e chorando pediu por mim, o Senhor ouviu suas orações, sei que ainda vai te conceder muitas benções, porque a
  34. 34. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ senhora é uma mulher virtuosa,tem coração enorme que sempre cabe mais um. Quando me lembro de tudo que passamos juntas pra chegar até aqui, às vezes o pouco que tínhamos você ainda dividia com quem precisava, isso eu também aprendi,mãe é maravilhoso ter um coração perdoador, pronto a acolher e dividir com quem precisa, chorar realmente com os que choram ,não guardar mágoas e saber que não somos nada sem Cristo, somos todos iguais, isso foi mais uma lição que aprendi. São tantas coisas... Seus conselhos sempre são sábios, sinto falta do seu colo, mais às vezes mesmo estando longe me lembro de suas palavras, ouço o quer você diria se estivesse ali no momento, e sinto o calor do seu abraço, tamanho é seu amor, sei que não sou a filha que talvez você sonhasse mais mãe faço o possível pra você se orgulhar de mim, pra ser um pouquinho da mulher maravilhosa que você é; aprendi com as palavras da avozinha e com os seus atos (a mulher é o pilar que sustenta sua casa, seja sábia e
  35. 35. 35 nunca se esqueça de Deus) nunca vou me esquecer, é assim que procuro conduzir a minha casa. Mãe, não tenho palavras para agradecer, Deus já me amava quando me concedeu a honra de ser sua filha,espero ser pros meus filhos , ao menos um pouco do que você é pra mim,Te amo demais! Você é meu espelho, peço a Deus que nos conceda a graça de estarmos todos juntos por muitos anos ainda, e que a nossa família permaneça unida como você sempre desejou. Eu Te amo, infinitamente. Selma
  36. 36. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ Mãe, Não sou muito boa nas palavras,quero te dizer o quanto te amo,posso tentar fazer tudo para retribuir o que você fez por mim, mas sei que nunca vou consegui nem chegar perto. Então quero deixar registrados toda a minha admiração e orgulho, Mulher que sobe se erguer e sobreviver sozinha e venceu as dificuldades. Só posso dizer de ti: corajosa, guerreira, virtuosa que nos ensinou lutar pela vida de maneira simples e honesta. Te amo Mãe não sei expressar o quanto! Suely
  37. 37. 37 Mãe: Incondicionalmente nós te amamos nós te amamos; Ass: Suelene, Daniel, Jefferson, Davidson
  38. 38. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’ netos, genros, noras , bisnetos... ♫“Minha mãezinha querida, mãezinha do coração, te adorarei toda vida com grande devoção, é tua esta valsinha canto com inspiração, canto oh querida mãezinha a tua canção [...] Oh minha mãe, minha santa mãezinha és o tesouro que eu tenho na vida!”♫
  39. 39. 39
  40. 40. Jr 29:11 “Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais’

×