SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Baixar para ler offline
Just In Time (JIT)Just In Time (JIT)
Ferramentas e sistemas daFerramentas e sistemas da
qualidadequalidade
Histórico
Origem: Surgiu no Japão nos meados da década de 70 (Toyota
Motor Company) - Coordenar produção com a demanda
específica de diferentes modelos e cores de veículos com o
mínimo de atraso
O JIT é considerado uma completa filosofia de trabalho
podendo ser considerado como um programa da qualidade
tal qual o 5S. Este aborda os seguintes aspectos:
 Atividades administrativas
 Gestão da Qualidade
 Arranjo físico
 Projeto de lançamento de produto ou de construção
 Organização do trabalho e gestão de recursos humanos
Just In Time (JIT)
Fundamentos do programa
 Produção sem estoques
 Eliminação de desperdícios
 Manufatura de fluxo contínuo
 Esforço contínuo na resolução de problemas
 Melhoria contínua dos processos (PDCA)
 Organização do local de trabalho (5 ”S”)
PROBLEMAS CAUSADOS PELA EXISTÊNCIA DE
ESTOQUES
 Custo financeiro elevada – redução da oportunidade de
investimentos;
 Demora de atendimento e custo de gerenciamento de estoques
 Necessidade de espaço físico maior que o normal
 Omite a real gravidade de problemas relacionados ao produto ou
serviço (qualidade, custo...) – estoques utilizados para evitar a
descontinuidade do processo.
Problemas da Qualidade - Problemas de Quebra de
Máquina, reprocessos e falhas humanas; tempo de setup
elevado.
O objetivo fundamental é a melhoria contínua do processo
produtivo, através de mecanismo de redução dos estoques
os quais tendem a camuflar problemas.
 Leva à melhores índices da qualidade
 Maior confiabilidade de seus equipamentos e fornecedores
 Maior flexibilidade de resposta
 Lotes menores e mais adequados a demanda do mercado
Modo de atuação
Produção “Puxada”, a partir da demanda do mercado. Não se
trabalha com estoques de segurança
 Utilização de Kanban (cartões e setores com coloração e
cartazes) – ordens de produção, divisão de etapas de trabalho e
etiquetas (indústria farmacêutica)
Just In Time (JIT)
Sistema Kanban (Sistema de
cartões)
Sistema de “Puxar” a produção a partir da demanda, produzindo
em cada estágio somente os itens necessários, nas quantidades
necessárias e no momento necessário. Produção é cliente do
almoxarifado e fornecedor do setor de embalagem que atende a
expedição !
PRÉ-REQUISITOS PARA IMPLANTAÇÃO:
Projeto de manufatura
 Layout (arranjo físico celular)
 Gerência da linha de produção
 Qualidade total
 Redução de tempos envolvidos no processo
 Fornecimento de materiais
(qualificação de fornecedores; re-engenharia ??)
 O elemento Humano - treinamento
Layout celular
 Menos estoque de produtos em processo
 Menores lead times de produção
 Controle visual das operações
 As células de produção permitem que mais máquinas sejam
operadas por menos operadores, treinados para serem
polivalentes e flexíveis
Layout celular
Níveis hierárquicos:
 Alta gerência - deve estar preocupada com a melhoria
constante
 Médias gerências – treinadas para o programa
 Supervisão de linha e operários – rotation job
Documentação precisa e bem elaborada (POPs)
IMPLEMENTAÇÃO DO JIT
5 princípios básicos:
 cada funcionário ou posto de trabalho é tanto um cliente como
um fornecedor.
 clientes e fornecedores são uma extensão do processo de
manufatura.
 Procurar continuamente simplificar.
 É mais importante prevenir problemas do que resolvê-los.
 Obter ou produzir algo somente quando for necessário
Just In Time (JIT)
Indústria Farmacêutica
CONTROLE DA PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS
Para coordenar a produção deve-se ter em mãos dados
sobre:
Capacidade de maquinário
Linhas de produção
Metas de vendas e produção
Histórico de desvios de produção
Tempos de set-up de máquinas para cada
medicamento
Paradas essenciais durante a produção - almoço,
banheiros, ginástica ocupacional, revisão final de
produto, Liberação de linhas para produção,
treinamento programado, etc.
Indústria Farmacêutica
Indústria Farmacêutica
FATORES QUE INTERFEREM NO RITMO DE
PRODUÇÃO
Set-up de máquinas
Funcionários
Operações farmacêuticas
Formulação farmacêutica
Paradas obrigatórias
Paradas por quebra de máquinas
Tempo de espera por análise de produto a granel
pelo CQ
Outros
Indústria Farmacêutica
PRODUTIVIDADE
Pf = Qt / Qf
Pf = Produtividade do fator considerado
Qt = Quantidade total produzida
Qf = Quantidade do fator considerado,
utilizado para a obtenção da produção
total

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)douglas
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfPedro Luis Moraes
 
Inventário e acuracidade trabalho completo versão cleber
Inventário e acuracidade trabalho completo versão cleberInventário e acuracidade trabalho completo versão cleber
Inventário e acuracidade trabalho completo versão cleberCLEBER CÂNDIDO
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosRicardo Domingues
 
Seminário Just in Time
Seminário Just in TimeSeminário Just in Time
Seminário Just in TimeRenato Bafi
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoCharles Rebouças
 
Logística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de materialLogística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de materialMarcelo Aparecido Sampaio
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicasCorreios
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacaolourinha321
 
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)Luciano Nicoletti Junior
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoLuiza Mucida
 

Mais procurados (20)

Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
04 aula estocagem
04 aula estocagem04 aula estocagem
04 aula estocagem
 
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdfAula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
Aula 6 e 7 e 8 - Estoque.pdf
 
Inventário e acuracidade trabalho completo versão cleber
Inventário e acuracidade trabalho completo versão cleberInventário e acuracidade trabalho completo versão cleber
Inventário e acuracidade trabalho completo versão cleber
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
 
Competição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentosCompetição entre cadeias de suprimentos
Competição entre cadeias de suprimentos
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
 
Seminário Just in Time
Seminário Just in TimeSeminário Just in Time
Seminário Just in Time
 
Aula10 fluxogramas
Aula10 fluxogramasAula10 fluxogramas
Aula10 fluxogramas
 
Gestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentaçãoGestao estoques apresentação
Gestao estoques apresentação
 
Logística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de materialLogística -Sistemas de armazenagem de material
Logística -Sistemas de armazenagem de material
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
3. npc armaz. movim.entacao e_localizacao
 
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
Logslides Processos de Armazenagem aula 1 de 14 (2015)
 
06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban06 aula just in time e kanban
06 aula just in time e kanban
 
Planejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produçãoPlanejamento e controle da produção
Planejamento e controle da produção
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
 

Destaque (20)

Just in time
Just in timeJust in time
Just in time
 
Just In Time
Just In TimeJust In Time
Just In Time
 
Estudos De Utilização De Medicamentos
Estudos De Utilização De MedicamentosEstudos De Utilização De Medicamentos
Estudos De Utilização De Medicamentos
 
Just in time 1
Just in time 1 Just in time 1
Just in time 1
 
Aplicación de la informática en la medicina
Aplicación de la informática en la medicinaAplicación de la informática en la medicina
Aplicación de la informática en la medicina
 
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
TÉCNICAS DE GESTÃO DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO MANAGEMENT TECHNIQUES OF TOY...
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Slide Kamban
Slide KambanSlide Kamban
Slide Kamban
 
Kanban
KanbanKanban
Kanban
 
Definição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocksDefinição de gestão de stocks
Definição de gestão de stocks
 
Canais de distribuicao
Canais de distribuicaoCanais de distribuicao
Canais de distribuicao
 
Gestão de stocks
Gestão de stocksGestão de stocks
Gestão de stocks
 
Canais de distribuição full
Canais de distribuição   fullCanais de distribuição   full
Canais de distribuição full
 
Just in time
Just in timeJust in time
Just in time
 
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene SeibelManufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
Manufatura Enxuta (Lean) - Slides - Profª Silene Seibel
 
Gestão de Operações II
Gestão de Operações IIGestão de Operações II
Gestão de Operações II
 
Apostila almoxarifado
Apostila almoxarifadoApostila almoxarifado
Apostila almoxarifado
 
Just in time manufacturing ppt
Just in time manufacturing pptJust in time manufacturing ppt
Just in time manufacturing ppt
 
PPT ON Just in time technique (JIT)
PPT ON Just in time technique (JIT)PPT ON Just in time technique (JIT)
PPT ON Just in time technique (JIT)
 

Semelhante a JIT na indústria farmacêutica

Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in timetrainertek
 
Vantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeVantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeDanny Moura
 
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdfAula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdfGiancarloSimes
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestãoDaniel Moura
 
Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...
Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...
Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...Labsoft - myLIMS
 
A produtividade-no-chao-de-fabrica
A produtividade-no-chao-de-fabricaA produtividade-no-chao-de-fabrica
A produtividade-no-chao-de-fabricaFabrício Páris
 
Senai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdfSenai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdfLuanaMaia48
 
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cimUnidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cimluiz0807
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)Elizeu Ferro
 

Semelhante a JIT na indústria farmacêutica (20)

Jit – just in time
Jit – just in timeJit – just in time
Jit – just in time
 
Novas tecnologias
Novas tecnologiasNovas tecnologias
Novas tecnologias
 
Vantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeVantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin time
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
 
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdfAula -5 JIT_KANBAN.pdf
Aula -5 JIT_KANBAN.pdf
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 
Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...
Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...
Palestra ENATEC - Sistemas de controle e gerenciamento de produção para o aum...
 
A produtividade-no-chao-de-fabrica
A produtividade-no-chao-de-fabricaA produtividade-no-chao-de-fabrica
A produtividade-no-chao-de-fabrica
 
Senai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdfSenai - Lean Manufacturing.pdf
Senai - Lean Manufacturing.pdf
 
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cimUnidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Just in Time
Just in TimeJust in Time
Just in Time
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Lean
LeanLean
Lean
 
07 administração (controle de produção parte 2)
07   administração (controle de produção parte 2)07   administração (controle de produção parte 2)
07 administração (controle de produção parte 2)
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Cadeiasdefornecimentos2006
Cadeiasdefornecimentos2006Cadeiasdefornecimentos2006
Cadeiasdefornecimentos2006
 
Just in-time-kaizen-shigeo-shingo
Just in-time-kaizen-shigeo-shingoJust in-time-kaizen-shigeo-shingo
Just in-time-kaizen-shigeo-shingo
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Pcp aula1
 

JIT na indústria farmacêutica

  • 1. Just In Time (JIT)Just In Time (JIT) Ferramentas e sistemas daFerramentas e sistemas da qualidadequalidade
  • 2. Histórico Origem: Surgiu no Japão nos meados da década de 70 (Toyota Motor Company) - Coordenar produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o mínimo de atraso O JIT é considerado uma completa filosofia de trabalho podendo ser considerado como um programa da qualidade tal qual o 5S. Este aborda os seguintes aspectos:  Atividades administrativas  Gestão da Qualidade  Arranjo físico  Projeto de lançamento de produto ou de construção  Organização do trabalho e gestão de recursos humanos
  • 3. Just In Time (JIT) Fundamentos do programa  Produção sem estoques  Eliminação de desperdícios  Manufatura de fluxo contínuo  Esforço contínuo na resolução de problemas  Melhoria contínua dos processos (PDCA)  Organização do local de trabalho (5 ”S”)
  • 4. PROBLEMAS CAUSADOS PELA EXISTÊNCIA DE ESTOQUES  Custo financeiro elevada – redução da oportunidade de investimentos;  Demora de atendimento e custo de gerenciamento de estoques  Necessidade de espaço físico maior que o normal  Omite a real gravidade de problemas relacionados ao produto ou serviço (qualidade, custo...) – estoques utilizados para evitar a descontinuidade do processo. Problemas da Qualidade - Problemas de Quebra de Máquina, reprocessos e falhas humanas; tempo de setup elevado.
  • 5. O objetivo fundamental é a melhoria contínua do processo produtivo, através de mecanismo de redução dos estoques os quais tendem a camuflar problemas.  Leva à melhores índices da qualidade  Maior confiabilidade de seus equipamentos e fornecedores  Maior flexibilidade de resposta  Lotes menores e mais adequados a demanda do mercado Modo de atuação
  • 6. Produção “Puxada”, a partir da demanda do mercado. Não se trabalha com estoques de segurança  Utilização de Kanban (cartões e setores com coloração e cartazes) – ordens de produção, divisão de etapas de trabalho e etiquetas (indústria farmacêutica) Just In Time (JIT)
  • 7. Sistema Kanban (Sistema de cartões) Sistema de “Puxar” a produção a partir da demanda, produzindo em cada estágio somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento necessário. Produção é cliente do almoxarifado e fornecedor do setor de embalagem que atende a expedição !
  • 8. PRÉ-REQUISITOS PARA IMPLANTAÇÃO: Projeto de manufatura  Layout (arranjo físico celular)  Gerência da linha de produção  Qualidade total  Redução de tempos envolvidos no processo  Fornecimento de materiais (qualificação de fornecedores; re-engenharia ??)  O elemento Humano - treinamento
  • 9. Layout celular  Menos estoque de produtos em processo  Menores lead times de produção  Controle visual das operações
  • 10.  As células de produção permitem que mais máquinas sejam operadas por menos operadores, treinados para serem polivalentes e flexíveis Layout celular
  • 11. Níveis hierárquicos:  Alta gerência - deve estar preocupada com a melhoria constante  Médias gerências – treinadas para o programa  Supervisão de linha e operários – rotation job Documentação precisa e bem elaborada (POPs) IMPLEMENTAÇÃO DO JIT
  • 12. 5 princípios básicos:  cada funcionário ou posto de trabalho é tanto um cliente como um fornecedor.  clientes e fornecedores são uma extensão do processo de manufatura.  Procurar continuamente simplificar.  É mais importante prevenir problemas do que resolvê-los.  Obter ou produzir algo somente quando for necessário Just In Time (JIT)
  • 13. Indústria Farmacêutica CONTROLE DA PRODUÇÃO DE MEDICAMENTOS Para coordenar a produção deve-se ter em mãos dados sobre: Capacidade de maquinário Linhas de produção Metas de vendas e produção Histórico de desvios de produção Tempos de set-up de máquinas para cada medicamento Paradas essenciais durante a produção - almoço, banheiros, ginástica ocupacional, revisão final de produto, Liberação de linhas para produção, treinamento programado, etc.
  • 15. Indústria Farmacêutica FATORES QUE INTERFEREM NO RITMO DE PRODUÇÃO Set-up de máquinas Funcionários Operações farmacêuticas Formulação farmacêutica Paradas obrigatórias Paradas por quebra de máquinas Tempo de espera por análise de produto a granel pelo CQ Outros
  • 16. Indústria Farmacêutica PRODUTIVIDADE Pf = Qt / Qf Pf = Produtividade do fator considerado Qt = Quantidade total produzida Qf = Quantidade do fator considerado, utilizado para a obtenção da produção total