SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 80
RESUMO DE LÍNGUA
                                 PORTUGUESA




                                 GRAMÁTICA
    www.superprovas.com
                                 BÁSICA
www.facebook.com/superprovas

 www.twitter.com/superprovas

www.slideshare.net/superprovas



    CONFORME NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 2012
Acentuação
gráfica
Acentuação gráfica:
Qual a lógica das regras de acentuação gráfica?. A lógica é evitar a dualidade de
pronúncia de palavras parecidas. Exemplo: mascara (conjugação do verbo mascarar) e
máscara (substantivo).

Outra aplicação consiste em dar a entonação correta às palavras. Exemplo: a palavra
“álbum” (corretamente pronunciada com acento).

Definições:

Palavras monossílabas: são as palavras formadas de uma única sílaba (já, cá).

Palavras oxítonas: a sílaba mais forte é a última (ex: jacaré).

Palavras paroxítonas: a sílaba mais forte é a penúltima (ex: cadáver).

Palavras proparoxítonas: a sílaba mais forte é a antepenúltima (ex: quilômetro).
 Regras de acentuação gráfica:

Primeira regra: acentuam-se todas as monossílabas tônicas terminadas em:

a (s)  cá, pás;
 e (s)  fé, rés;
 o (s)  dó, vós.

Segunda regra: acentuam-se todas as oxítonas terminadas em:

a(s)  cará, Pará;
e(s)  café, cortês;
o (s)  avó, cipós;
em ou ens  também, parabéns.
Terceira regra: acentuam-se as paroxítonas terminadas em: (l,n,r, x, i (s), u(s), ei (s),
um, uns, ditongos, ã(s) e ps:

    Exemplos:
    l  difícil;
    en  hífen;
    r  repórter;
    x  fênix;
    i (s)  táxi, júri;
    a (s)  órfã;
    us  vírus;
    ditongo  órfão;
    on (s)  elétron, electrons;
    us  vírus;
    um, uns álbum;
    ps  bíceps.
Nota 1: se o ditongo for nasal não leva acento: cantem, falam.

Nota 2: paroxítonas terminadas em en recebem acento (ex: hífen, éden). Mas as
terminadas em ens não são acentuadas (ex: hifens, edens).
Quarta regra: acentuam-se todas as proparoxítonas. (ex: médico, tímido).

Quinta regra: acentuam-se as vogais dos ditongos abertos éi(s), éu(s) e ói(s) das
monossílabas tônicas e das oxítonas: céu, papéis, chapéu.

Sexta regra: acentuam-se os hiatos formados por i e u quando tônicos (ex: viúvo).
Exceto se após o “i” ou o “u” vier o dígrafo “nh” (ex: rainha) ou se eles formarem
sílaba com as letras l, m, n, r ou z (ex: caiu, possuiu).

Sétima regra: são acentuados os monossílabos têm e vêm da 3ª pessoa do plural
presente do indicativo dos verbos ter e vir (ex: eles têm, elas vêm). Acentuam-se
ainda pôr e pôde (pretérito perfeito do indicativo do verbo poder).
Classes de
palavras
Classe de palavras: existem dez classes de palavras na Língua Portuguesa:
substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição,
conjunção e interjeição. Todas as palavras pertencem a uma destas classes. Abaixo
uma explanação sobre elas:

Substantivos: servem para dar nome aos seres, pessoas, coisas, animais, sentimentos,
ações etc.

Classificação de substantivos:
Substantivo comum e próprio: o substantivo comum é usado para designar toda a
espécie, como é o caso dos coletivos (exemplo: esquadrilha) e o substantivo próprio
indica um ser de uma mesma espécie (exemplo: Palmeiras).

Substantivo simples e composto: o substantivo simples é formado por uma só palavra
e o substantivo composto é formado por mais de uma palavras (ex: pombo-correio ou
Substantivo concreto e abstrato: substantivos concretos: não dependem de ninguém
para existir (exemplo: terra, ar). Já os substantivos abstratos não existem por si só
(exemplo: ódio, justiça). O sentimento de ódio depende de alguém para existir.
Indicam ação, estado ou qualidade.

Substantivos sobrecomuns: são palavras de um só gênero usadas para pessoas de
mesmo sexo (ex: a criança foi vítima de acidente = criança e vítima são substantivos
sobrecomuns por se referirem a ambos os sexos).

Substantivos comuns de dois gêneros: são palavras de dois gêneros, mas uma só
forma. Ex: a artista, o artista - o estudante, a estudante.

Substantivos epicenos: referem-se a animais e insetos e possuem uma só forma e
gênero da mesma maneira que os sobrecomuns (ex: jacaré macho e jacaré fêmea).
Adjetivos: Servem para qualificar o substantivo. Variam em gênero, número e grau
com o substantivo.

Classificação:

Adjetivos primitivos (ex: amarelo)

Adjetivos derivados: derivam de outra palavra (ex: amarelado)

Adjetivos uniformes: servem para ambos os gêneros (ex: mulher capaz e homem
capaz.

Adjetivos compostos : vermelho-escuro

Adjetivos biformes: mudam conforme o gênero (ex: mulher feia, homem feio).
Plural dos adjetivos compostos:

Adjetivo + adjetivo: só o segundo adjetivo recebe o “s” (ex: camisas verde-escuras).
Exceções:azul-marinho, cor-de-rosa, azul-celeste são invariáveis

Infravermelho x ultravioleta: só o primeiro varia.

Adjetivo + substantivo: se o substantivo exprimir idéia de cor não varia (ex: blusas
verde-limão).

Nota: o substantivo se fizer a função de adjetivo ficará invariável (ex: operários
padrão).
Artigo: antecede o substantivo e servem para indicar gênero e número. Podem ser
definidos (o, a, os, as) ou indefinidos (um, uns).

Não se deve usar o artigo:

Antes de substantivo tomando indefinidamente: não vou à loja, shopping, lugar
nenhum.

Antes de nomes célebres ou personagens de romances (exemplos: o José casará
com a Maria/ O Machado de Assis foi um grande escritor).

Antes de nomes citados por inteiro: o Mário de Andrade de Toledo era homem
severo.

Antes de nomes de cidades (ex: Salvador, Belo-Horizonte). Exceto as seguintes
cidades: o Porto, o Rio de Janeiro, o Cairo, o Recife, o Aracaju. Sendo que os dois
últimos podem dispensar o artigo.
Antes da palavra casa quando esta for residência (fui a casa para buscar dinheiro).

Antes da palavra terra quando significar antônima de bordo (chegamos a terra
depois de um longo cruzeiro).

Antes de datas: o 21 de setembro foi comemorado pelas mães.

Antes de pronomes de tratamento: Vossa excelência procura seus súditos.

Antes de pronomes relativos: cuja, cujo, cujas, cujas.

Antes de expressões dom, frei, dona (ex. o Frei Henrique chegou de longa viagem).

Antes de nomes de parentesco (ex: a sua irmã).
Numeral: palavra que indica quantidade numérica.

Classificação dos numerais:

Ordinais : indicam ordem, posição dos seres.

Exemplo:
1º primeiro;
2º segundo;
3º terceiro.

Cardinais: indicam uma quantidade certa.

Exemplo: um, dois, três.
Observações:

Somente os ordinais um e dois e centenas possuem feminino (ex: duas
senhoras, centenas de senhoras, uma vez).

Não confunda o numeral cardinal “um” com o artigo indefinido “um”. “Um” será
numeral      cardinal    quando     for    possível     acrescentar     as    palavras:
só, somente, unicamente (ex: fui na padaria e comprei um pão somente). Já se for
possível acrescentar “certo” ou “qualquer” será artigo indefinido. Ex: achei um (certo)
livro perdido na sala.

Não se deve iniciar orações com algarismos. Ex: 2012 foi um ano bom. O correto é:
dois mil e doze foi um ano bom.
Pronome: é uma palavra que substitui ou modifica um nome.

Pronomes pessoais: servem para substituir as pessoas. São os retos (eu, tu, ele, vós,
nós, eles, elas); os oblíquos (me, mim, comigo, te, ti, contigo, o, a, lhe, se, si, consigo,
nos, convosco, os, as, lhes) e os de tratamento (vossa santidade, vossa excelência,
vossa alteza, vossa majestade, vossa magnificência, vossa eminência etc.).

Pronomes possessivos: dão idéia de posse (são os pronomes: meu, minha, meus,
minhas, teu, tua, vossa, sua, seu, suas, etc.).

Pronomes demonstrativos: servem para indicação e demonstração (ex: este, isto,
esse, aquilo, tais, semelhante, próprio, mesmo).
Pronomes indefinidos: quando o pronome substitui um nome cuja identidade não é
conhecida (exemplos: alguém, algum, tudo, toda, nenhum, pouco, pouca, quanto,
vários, diversas, um, uma, uns, umas).

Pronomes relativos: é aquele que substitui ou modifica um nome antecedente (ex:
que, quem, onde, como, o qual, os quais, as quais, quanto, cujo, cuja, cujos, cujas).

Pronomes interrogativos: são os pronomes que, quem, qual, quais, quanto, quanta,
quantas em orações interrogativas (ex: que time vai ganhar?, quais os jogadores em
campo?, quantas faltas cometeram?).

Pronomes substantivos e pronomes adjetivos: pronomes substantivos são os que
substituem um adjetivo (ex: nada, todo, poucos). Pronomes adjetivos são os que
modificam um substantivo (ex: Poucas pessoas, suas flores, algum modo).
Observações:

Os pronomes “eu” e “tu” se funcionarem como sujeito ficarão na forma reta (ex:
comprei um livro para tu veres). Já se “eu” e tu” forem predicativos emprega-se a
forma oblíqua “mim” e “ti” (ex: a menina está entre mim e ti).

O pronome pessoal é sujeito quando aparecer em orações comparativas (ex: eu sou
melhor que você em matemática. O artista contracena como tu).

Verbos terminado em m com som nasal  seguidos dos pronomes o, a, os, as se
contraem em –no, -na, -nos, -nas. (ex: abrem-no, põe-nas).

Verbos terminados em r, s ou z  seguidos dos pronomes o, a, os, as se contraem
em –lo, -la, -los, las (ex: comprar + o = comprá-lo, fez + as = fê-las).
Observações:

É facultativo o uso de artigo antes do pronome possessivo (ex: nossa amiga ou a
nossa amiga).

Não se usa “todos dois” e sim “ambos” (ex: encontrei dois amigos, ambos não vistos
há muito tempo).

Não se usa “cada” em substituição a “cada um” (ex: qual o preço do Abacaxi?. São
cinco reais cada um – e não são cinco cada).

o, as, os, as são pronomes demonstrativos quando são equivalentes a “aquilo”,
“aquele”, “aquelas”, “isso” (ex: revirei tudo o que encontrei – revirei tudo aquilo que
encontrei)
Observações:

O pronome indefinido qualquer é invariável em gênero, mas não em número. Ex: vi
qualquer coisa ali. Vi quaisquer coisas ali.

Cujo, cujas, cujo, cujas sempre exprimem posse e se referem a um antecedente
(possuidor) e a um conseqüente (coisa possuída). Ex: amigos cuja amizade é sincera).

Onde se emprega com verbos estáticos e aonde com verbos dinâmicos. Ex: aonde
você dançou? = verbo dinâmico. Onde você estava? = verbo estático.

Que no final na frase é acentuado porque é tônico (ex: para quê?).
VERBOS
Verbo: é a palavra que exprime um fato situado no tempo (exprime ação, estado ou
fenômeno).

Flexão de número, pessoa, modo ou tempo:
Flexão de número ocorre quando o verbo varia em função do singular ou plural.

Flexão de pessoa ocorre quando o verbo varia conforme as pessoas do verbo (ex: eu,
tu, nós, vós, ele(s), ela(s).

Flexão de tempo ocorre quando o verbo varia conforme o momento ou época em que
se realiza o ato. São três os tempos do verbo: presente, pretérito (que se divide em
perfeito, imperfeito e mais-que-perfeito e futuro (que se divide em futuro do presente
e do pretérito.

Flexão de modo: ocorre quando o verbo varia conforme a maneira, o modo em que o
fato se realiza. São três os modos do verbo: indicativo, subjuntivo e imperativo.
Observações:

No modo indicativo o fato é real positivo, verdadeiro.

No modo subjuntivo o fato é irreal, provável, duvidoso.

No modo imperativo ocorre um pedido, convite, ordem, conselho, súplica.

Formas nominais do verbo:

Gerúndio (quando o verbo termina em –ndo, ex: cantando);

Particípio (ex: falado, cantado);

Infinitivo (ex: falar).
Vozes verbais:

Voz é a maneira como se apresenta a ação expressa pelo verbo em relação ao sujeito.
Quando o sujeito que pratica a ação a voz é ativa e quando a ação é recebida pelo
sujeito voz passiva. Quando a ação é ao mesmo tempo é recebida e praticada pelo
sujeito a voz é passiva.

Exemplo de voz ativa: o homem vendeu a casa.

Exemplo de voz passiva: a casa foi vendida pelo homem.

Exemplo de voz reflexiva: ele se feriu violentamente.
As conjugações:

As conjugações dos verbos são definidas em função da vogal temática dos verbos. Os
verbos forem terminados em –ar, -er e - ir pertencem respectivamente à primeira,
segunda e terceira conjugação.

Radical, vogal temática, tema e desinência.

Veja o exemplo: FALAR  possui radical FAL, vogal temática “a”, tema: FALA e
desinência: AR, ou seja:

-Radical é a parte do verbo que sobra quando retiramos as terminações –ar,-er,-ir;
-Vogal temática é a vogal que vem depois do radical;
-Tema é o radical + vogal;
-Desinência é o elemento final do verbo que se flexiona
Verbo regular: é aquele que mantém o radical inalterado durante a conjugação.

Verbo paradigmal: é aquele que serve de modelo à conjugação. Ex: cantar é verbo
paradigmal da primeira conjugação. Vender da segunda conjugação.

Verbo irregular: aquele que sofre modificação no radical ou o que tem a desinência
diferente do verbo paradigmal.

Diferentes tipos de irregularidades:

        a) irregularidade no radical : sinto (do verbo sentir).

        b) irregularidade na desinência: tenho (do ver ter).

        c) irregularidade tanto no radical quanto na desinência: trouxe (do verbo
        trazer) não segue o radical e varia a desinência.
Verbo anômalo: é o que durante a conjugação apresenta radicais diferentes tais como
os verbos ser e ir. (eu sou, tu és, eu vou, você ia).

Verbo defectivo: é aquele que não possui algum tempo, modo ou pessoa. São verbos
que indicam fenômenos da natureza. Por exemplo, o verbo “chover” não admite
conjugação na primeira pessoa, exceto se for no sentido figurado: lágrimas choveram
no rosto da presidiária.
Observações:

Sobre verbos defectivos:

Os verbos haver e fazer quando sinônimo de existir, acontecer e fazer quando dão
idéia de tempo são defectivos (ex: há muitos torcedores, houve muitas festas, faz frio,
fez frio).

Todos os verbos impessoais que só se conjugam na 3ª pessoa do singular e plural o
somente do singular são defectivos (ex: convém sairmos daqui).

São defectivos alguns verbos da 3ª conjugação: abolir, aturdir, colorir, demolir, emergir,
falir (ex: abolimos, colorimos, demolimos).

Precaver e reaver são defectivos porque no presente do indicativo só se conjugam na
primeira pessoa do plural (ex: nos precavemos, nós reavemos).
Verbos abundantes: possuem duas formas equivalentes (ex: havemos e hemos, haveis e heis,
elegido e eleito, acendido e aceso, pego e pegado).

Verbos auxiliares: trata-se do verbo que auxilia a conjugação de outro, chamado principal. (ex:
ter falado, haver dito, era nascido). Normalmente os verbos auxiliares são os seguintes: ser,
estar, ter e haver.

Imperativo afirmativo e imperativo negativo: formado pela 2ª pessoa do singular e plural do
presente do indicativo sem o s + demais pessoas que são você e nós no presente do subjuntivo.
A 1ª pessoa do singular não existe. Ex: verbo cantar na 2ª pessoa no singular do indicativo =
cantas (tirando o “s” fica canta) + demais pessoas no presente do subjuntivo:

Canta tu derivado do verbo cantar no pres. do indicativo sem o “s” (tu cantas = canta tu ).
Cante você derivado do presente do subjuntivo.
Cantemos nós demais derivados do presente do subjuntivo.
Cantai vós derivado do verbo cantar no pres. do indicativo sem “s” (vós cantais = cantai vós).
Cantem vocês  demais derivados do presente do subjuntivo.

Já o imperativo negativo toma emprestadas todas as formas do presente do subjuntivo, exceto
a primeira, evidentemente, sem qualquer alteração.
Formas rizotônicas e arrizotônicas dos verbos:

Formas rizotônicas são as formas verbais que têm o acento prosódico (de pronúncia)
dentro do radical ex: canto, cantas.

Formas arrizotônicas são as formas verbais que têm o acento prosódico fora do radical.
Ex: cantamos, cantais.

Nos próximos slides destacaremos a conjugação dos verbos paradigmas nas três
conjugações regulares: cantar, vender e partir.
CANTAR      VENDER                     PARTIR
                MODO INDICATIVO
             PRESENTE DO INDICATIVO
CANTO       VENDO                      PARTO
CANTAS      VENDES                     PARTES
CANTA       VENDE                      PARTE
CANTAMOS    VENDEMOS                   PARTIMOS
CANTAIS     VENDEIS                    PARTIS
CANTAM      VENDEM                     PARTEM



CANTAR       VENDER                     PARTIR
                  MODO INDICATIVO
                PRETÉRITO INDICATIVO
CANTEI       VENDI                      PARTI
CANTASTE     VESTESTE                   PARTISTE
CANTOU       VENDEU                     PARTIU
CANTAMOS     VENDEMOS                   PARTIMOS
CANTASTES    VENDESTES                  PARTISTES
CATARAM      VENDERAM                   PARTIRAM
CANTAR       VENDER                        PARTIR
                 MODO INDICATIVO
               PRETÉRITO IMPERFEITO
CANTAVA      VENDIA                        PARTIA
CANTAVAS     VENDIAS                       PARTIAS
CANTAVA      VENDIAM                       PARTIA
CANTÁVAMOS   VENDÍAMOS                     PARTÍAMOS
CANTEIS      VENDÍEIS                      PARTÍEIS
CANTAVAM     VENDIAM                       PARTIAM



CANTAR        VENDER                       PARTIR
                  MODO INDICATIVO
             PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO
CANTARA       VENDERA                      PARTIRA
CANTARAS      VENDERAS                     PARTIRAS
CANTARA       VENDERA                      PARTIRA
CANTÁRAMOS    VENDERAMOS                   PARTÍRAMOS
CANTAREIS     VENDEREIS                    PARTÍREIS
CANTARAM      VENDERAM                     PARTIRAM
CANTAR        VENDER                   PARTIR
                  MODO INDICATIVO
                 FUTURO DO PRESENTE
CANTAREI      VENDEREI                 PARTIREI
CANTARAS      VENDERÁS                 PARTIRÁS
CANTARA       VENDERÁ                  PARTIRÁ
CANTAREMOS    VENDEREMOS               PARTIREMOS
CANTAREIS     VENDEREIS                PARTIREIS
CANTARÃO      VENDERÃO                 PARTIRÃO



CANTAR         VENDER                   PARTIR
                   MODO INDICATIVO
                 FUTURO DO PRETÉRITO
CANTARIA       VENDERIA                 PARTIRIA
CANTARIAS      VENDERIA                 PARTIRIAS
CANTARIA       VENDERIA                 PARTIRIA
CANTARÍAMOS    VENDERÍAMOS              PARTIRÍAMOS
CANTARÍEIS     VENDERÍEIS               PARTIRÍEIS
CATARIAM       VENDERIAM                PARTIRIAM
CANTAR        VENDER                   PARTIR
                 MODO SUBJUNTIVO
                      PRESENTE
CANTE         VENDA                    PARTA
CANTES        VENDAS                   PARTAS
CANTE         VENDA                    PARTA
CANTEMOS      VENDAMOS                 PARTAMOS
CANTEIS       VENDAIS                  PARTAIS
CANTEM        VENDAM                   PARTAM



CANTAR        VENDER                    PARTIR
                 MODO SUBJUNTIVO
                PRETÉRITO IMPERFEITO
CANTASSE      VENDESSE                  PARTISSE
CANTASSES     VENDESSES                 PARTISSES
CANTASSE      VENDESSE                  PARTISSE
CANTÁSSEMOS   VENDÊSSEMOS               PARTÍSSEMOS
CANTASSEIS    VENDESSEIS                PARTISSEIS
CATASSEM      VENDESSEM                 PARTISSEM
CANTAR        VENDER               PARTIR
                 MODO SUBJUNTIVO
                       FUTURO
CANTAR        VENDER               PARTIR
CANTARES      VENDERES             PARTIRES
CANTAR        VENDER               PARTIR
CANTARMOS     VENDERMOS            PARTIRMOS
CANTARDES     VENDERDES            PARTIRDES
CANTAREM      VENDEREM             PARTIREM



CANTAR        VENDER                PARTIR
                 MODO IMPERATIVO
                     AFIRMATIVO

CANTA         VENDE                 PARTE
CANTE         VENDA                 PARTA
CANTÁSSEMOS   VENDAMOS              PARTAMOS
CANTAI        VENDEI                PARTÍ
CANTEM        VENDAM                PARTAM
CANTAR         VENDER                   PARTIR
                  MODO IMPERATIVO
                      NEGATIVO

NÃO CANTES     NÃO VENDAS               NÃO PARTAS
NÃO CANTE      NÃO VENDA                NÃO PARTA
NÃO CANTEMOS   NÃO VENDAMOS             NÃO PARTAMOS
NÃO CANTEIS    NÃO VENDAIS              NÃO PARTAIS
NÃO CANTEM     NÃO VENDAM               NÃO PARTAM



CANTAR         VENDER                   PARTIR
                  FORMAS NOMINAIS
                      GERÚNDIO

CANTANDO       VENDENDO                 PARTINDO



CANTAR         VENDER                   PARTIR
                   FORMAS NOMINAIS
                 INFINITIVO IMPESSOAL

CANTAR         VENDER                   PARTIR
CANTAR      VENDER                   PARTIR
               FORMAS NOMINAIS
               INFINITIVO PESSOAL
CANTAR      VENDER                   PARTIR
CANTARES    VENDERES                 PARTIRES
CANTAR      VENDER                   PARTIR
CANTARMOS   VENDERMOS                PARTIRMOS
CANTARDES   VENDERDES                PARTIRDES
CANTAREM    VENDEREM                 PARTIREM



CANTAR      VENDER                  PARTIR
               FORMAS NOMINAIS
                   PARTICÍPIO

CANTADO     VENDIDO                 PARTIDO
Advérbio: o que é advérbio?. É a palavra que modifica o verbo, adjetivo ou até outro
advérbio.
Exemplos:
-De lugar: aqui, lá, perto, longe.
-De modo: bem, mal, apenas, depressa.
-De intensidade: muito, pouco, bastante, mais, menos.
-De tempo: amanha, depois, tarde, nunca.
-De negação: não, tampouco.
-De dúvida: talvez, provavelmente.

Locuções adverbiais: ocorre quando há a junção de duas ou mais palavras que
funcionam como advérbio. Ex: ao vivo, a esmo, a cavalo, à força.

Graus do advérbio: classificam-se em grau comparativo e grau superlativo.
O comparativo pode ser: de igualdade (José é tão forte quanto Pedro); de
superioridade (ela é mais bonita do que sua irmã); de inferioridade (Maria é menos
cuidadosa do que Josefina).
Observações:

Muito, pouco, bastante, mais, menos tanto e quanto quando modificam substantivo
são adjetivos e não advérbio. Ex: bastantes candidatos, muita mulher.

Nada e algo é advérbio quando modifica adjetivo (ex: nada feliz, nada triste). Porém
se estiver junto de verbo é pronome (ex: nada é tão trágico quanto perder um filho).

Frase com vários advérbios terminados em mente só o último recebe este sufixo (ex:
fria, trágica e violentamente morta).

Mais bem e mais mal são usados antes de particípios ao invés de melhor e pior (ex:
nossa firma foi mais bem-gerida).

Meio é advérbio quando vem junto de um adjetivo (ex: meio esquentado).

Primeiro é advérbio quando modifica verbo (ex: cheguei primeiro e saí por último).
Preposição: é a palavra invariável que liga palavras, estabelecendo relação de
posse, lugar, tempo, companhia, modo etc.

Preposições essenciais e acidentais:

Essenciais são:
a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, nem, para, perante, por, sob, sob
re, trás.

Acidentais são:
afora, conforme, consoante, durante, exceto, feito, fora, mediante, salvante, salvo, seg
undo, tirante, etc.

Nota: As preposições essenciais levam os pronomes pessoais para a forma obliquo
(entre mim, contra você). Por este motivo é errado dizer “entre eu e tu”.
Conjunção: é a palavra invariável que liga duas orações ou palavras da mesma função
sintática.

Locução conjuntiva: duas ou mais palavras que têm o valor de uma conjunção (ex:
desde que, para que, a fim de que, se bem que, à medida que, de sorte que). Termina
sempre com conjunção.

Tipos de conjunção: há dois tipos de conjunção: as coordenativas e as subordinativas.
As coordenativas ligam duas orações (ex: Maria foi à escola e depois ao cinema). Já as
subordinativas ao contrário só ligam orações sintaticamente dependentes (ex: José
falou que ninguém foi ao jogo).
Conjunções coordenativas: são cinco as conjunções coordenativas:

Aditivas: e, nem, (não só), mas também, como. Dão idéia de adição.

Alternativas: ou... ou, seja... seja, ora... ora etc. Dão idéia de alternância.

Conclusivas: logo, portanto, por isto, por conseguinte. Dão idéia de conclusão.

Adversativas: mas, porém, todavia, entretanto, contudo, entretanto, no entanto, etc.
Dão idéia de oposição.

Explicativas: que, porque, porquanto, pois (antes do verbo). São conjunções que
antecedem uma explicação.
Conjunções subordinativas: são diversas as classificações:

Integrantes: que, se. Ligam duas frases que se completam sintaticamente .

Finais: para que, a fim de que, que. Apresentam a finalidade dos atos contidos na
oração principal.

Temporais: quando, depois, antes, enquanto, assim que, mal. Indicam o tempo da
ocorrência do fato expresso na oração principal.

Comparativa: que, do que, qual, como, quanto. Antecedem uma comparação.

Condicionais: se, caso, contanto que, sem que, desde que, a menos que, a não ser
que. Expressam frases em que se estabelece uma condição.
Conformativas: conforme, consoante, segundo, como. Expressam conformidade com
relação a algum fato da oração principal.

Consecutivas: que, de modo que, de maneira que, de forma que. Apresentam a
conseqüência do fato exposto.

Causais: porque porquanto, visto que, já que, uma vez que, como (em início da
oração). Expressam uma causa.

Concessivas: embora, ainda que, se bem que, posto que, conquanto, apesar de que,
por mais que. Expressam um fato contrário à ação proposta pela oração principal, mas
incapaz de impedi-la.

Proporcionais: à medida que, ao passo que, à proporção que, quanto mais, quanto
menor. Expressam simultaneidade e proporcionalidade dos fatos contidos na oração
subordinada em relação aos fatos da oração principal.
Interjeição!
Interjeição: é a palavra que serve para exprimir emoção ou sentimento repentino (ex:
psiu!, oh!!, ops!).

Locuções interjetivas: “nossa mãe!”, “nossa senhora!”, “que horror!” São exemplos de
locuções interjetivas (que são formadas por mais de uma palavra).
Significação
das palavras
Sinônimos: são palavras que possuem significado idêntico ou parecido. Ex: abajur e
luminária.

Antônimos: são palavras opostas (ex: ódio e amor, bem e mal).

Homônimos: são palavras que possuem identidade de sons. Classificam-se em:

    Homófonas:        mesmo        som  e     significados       diferentes      (ex:
    conserto, concerto, sessão, seção)
    Homógrafas: mesma escrita, mas significados diferentes. (ex: sábio, sabia, sabiá)
    Homógrafas homófonas: mesmo som e escrita (ex: mato (verbo) e mato
    (substantivo).

Parônimos: são palavras parecidas somente (ex : iminente e eminente).
Figuras de
linguagem
As figuras de palavra são figuras de linguagem que consistem no emprego de um
termo com sentido diferente daquele convencionalmente empregado, a fim de se
conseguir um efeito mais expressivo na comunicação.

As FIGURAS DE LINGUAGEM classificam-se em:
     a) Figuras de palavra;
     b) Figuras de harmonia;
     c) Figuras de pensamento;
     d) Figuras de construção ou sintaxe.

As FIGURAS DE PALAVRA classificam-se em:
     a) Comparação; e) Catacrese;
     b) Metáfora;   f) Sinestesia;
     c) Metonímia;  g) Antonomásia;
     d) Sinédoque;  h) Alegoria;
FIGURAS DE HARMONIA: Chamam-se figuras de som ou de harmonia os efeitos
produzidos na linguagem quando há repetição de sons ou, ainda, quando se procura
"imitar"sons produzidos por coisas ou seres. As figuras de harmonia ou de som são:
a) Aliteração;
b) Onomatopéia;
c) Assonância;
d} Paronomásia.

FIGURAS DE SINTAXE: As figuras de sintaxe ou de construção dizem respeito a desvios
em relação à concordância entre os termos da oração, sua ordem, possíveis repetições
ou omissões. Elas podem ser construídas por:
a) Omissão: assíndeto, elipse e zeugma;
b) Repetição: anáfora, pleonasmo e polissíndeto;
c) Inversão: anástrofe, hipérbato, sínquise e hipálage;
d) Ruptura: anacoluto;
e) Concordância ideológica: silepse.
FIGURAS DE PENSAMENTO: As figuras de pensamento são recursos de linguagem que
se referem ao significado das palavras, ao seu aspecto semântico. São figuras de
linguagem de pensamento:

    a) Antítese;
    b) Eufemismo;
    c) Ironia;
    d) Apóstrofe;
    e) Gradação;
    f) Prosopopéia;
    g) Paradoxo;
    h) Hipérbole;
    i) Perífrase;
Processo de
formação de
Palavras
Introdução ao processo de formação de palavras:

Definições:

Radical: é a parte comum num grupo de palavras: alegre, alegria, alegremente,
alegrável, alegrinho. O radical deste conjunto de palavras é alegr-.

Vogal temática e tema: vogal temática é a vogal que vem após o radical e tema é o
radical com a vogal temática. (ex: palavra correr tem a vogal temática “e” e o tema
“corre”).

Afixos: são elementos que se juntam ao radical (ex: rever, previsão, boiada)

Desinências: elemento que se junta ao tema, para indicar flexões gramaticais de
gênero, modo , tempo e pessoa.
Processos de formação de palavras:
Por derivação: consiste no processo de formar palavras novas a partir de sufixos e
prefixos. Ex: azulado (sufixo ado), esverdeado (sufixo=ado e prefixo ES).

Por composição: formação de palavras compostas (ex: floricultura=palavra flor +
cultura).

Por justaposição: quando a palavra é formada por duas outras de forma inalterada (ex:
cavalo-marinho).

Por hibridismo: quando usamos elementos de língua diferente (ex: sócio (latino) +
logia (grego) formando a palavra sociologia).

Por aglutinação: quando juntamos duas palavras para formar outra, mas uma delas
perde o acento e fonema geralmente (ex: contra-dança = country + dança).

Por onomatopéia: formação de palavras novas originárias de sons de animais, sons da
natureza ou imitativos. (ex: reco-reco, bem-te-vi, uivar, latir).
VÍCIOS DE
LINGUAGEM
Vícios de linguagem:

Barbarismo: emprego de estrangeirismos e também erros de natureza fonética,
morfológica ou semântica. (ex: “drink” ao invés de bebida, cabelereiro ao invés de
cabeleireiro).

Solecismo: é uma transgressão de regras de sintaxe:

De Regência: assistimos uma partida de “vollei” (ao invés de assistimos a uma
partida de “vollei”.

De colocação: chamarei-te pela manhã (ao invés de chamar-te-ei pela manhã).

De concordância: haviam muitos manifestantes no comício (ao invés de havia muitos
manifestantes no comício).
Cacófago: é a produção de som ridículo quando se unem silabas (ex: “por cada”).

Preciosismo: uso de palavras complicadas e exageradas (ex: hemos de ganhar o jogo,
ao invés de iremos ganhar o jogo).
Ortografia
Com o advento do novo acordo ortográfico de 2009 algumas regras referentes a
ortografia mudaram. Serão abordados neste tópico as regras que continuam a valer e
será fornecido um adendo com as novas regras do novo acordo ortográfico.

Ortografia por definição é o nome dado à parte da gramática que trata da escrita
correta das palavras. Em anexo seguem algumas regras práticas:

Emprega-se o Z:

1) No sufixo “IZAR ” formador de verbo (ex: concretizar).
2) Nos sufixos -ez e -eza acrescentados a adjetivos. Franco  franqueza
3) Nas terminações “ZINHO” dos diminutivos: Homem                 Homenzinho. Porém,
acrescenta-se “inho” quando este já ocorre anteriormente (ex: parafuso
parafusinho).
4) Nos verbos em -zer e –zir (ex: trazer  produzir).
5) Nos derivados, mantém-se o z da palavra-base (ex: balizaabalizado).
Emprego do “S”:

1) Nas formas verbais de “PÔR” e “QUERER” e seus derivados.
Ex: quis  quisemos.

2) Nos adjetivos com sufixo “OSO” - “OSA”.
Ex: falta  faltoso.

3) Nas palavras derivadas de verbos que possuem D ou ND no final.
Ex: suspender  suspensão.

4) Nas palavras derivadas de verbos que Possuem terminação TIR ou RT.
Ex1: demitir  demissão.
Ex2: Inverter  inversão.
Emprego do “S” ou “R” com som forte:
S ou R são usados entre vogal e consoante (ex:subseção, Ensaio) .
SS ou RR são usados somente entre duas vogais (assegurar, ocorrência).

Emprega-se o “J”:
Nas formas verbais terminados por jar (ex. viajar).
Nas palavras derivadas de outras terminadas por já (ex. Canja – canjica).

Uso do “G”:
Palavras terminadas em : agem / igem / ugem (ex. Vagem/ vertigem / penugem) .
Palavras terminadas em: ágio, égio, igio, ógio, úgio (ex. Adágio, privilégio, vestígio,
necrológio, subterfúgio).

Emprega-se “X”
Depois de ditongo (ex. Faixa).
Depois de sílaba inicial em (ex: enxame).
EMPREGO
DO PORQUE
REGRA:

PORQUE: é usado quando for possível substituí-lo por “pois”. Ex: não compareceu à
reunião quadrimestral porque estava viajando a serviço. ( = pois)

POR QUE: é usado se não der para trocar por “pois. Exemplo: precisamos saber por
que não foi enviada uma cópia do formulário ao cliente.

POR QUÊ: é usado antes de pontuação. Ex: não foram enviadas as cópias ao cliente.
Por quê?

PORQUÊ: é usado sempre que vier precedido de determinante (o, um). Ex:
descobriram o porquê da não-conformidade?
EMPREGO
DO QUE
Emprego do “que”: são diversas as classificações morfológicas da palavra “que” na
Lingua Portuguesa. Abaixo serão citadas algumas destas classificações:

Pronome adjetivo exclamativo (ex: que genial!).

Pronome adjetivo interrogativo (ex: que lugar é este?).

Pronome substantivo interrogativo (ex: que é que ele fez?).

Pronome adjetivo indefinido (ex: que horas são?).

Pronome relativo (ex: vou fingir que não sei).

Pronome substantivo indefinido (ex: não sei bem o que ele pegou).
Conjunção coordenativa aditiva (ex: ela bate que bate).

Conjunção coordenativa alternativa (ex: que faça frio, que faça sol, que faça chuva,
mesmo assim irei à praia).

Conjunção coordenativa concessiva (ex: quero mamão que esteja maduro).

Conjunção coordenativa explicativa (ex: tenha calma que o cachorro é manso).

Conjunção coordenativa adversativa (ex: prendam o bandido, que não a nós).

Conjunção coordenativa concessiva (ex: quero mamão que esteja maduro).

Conjunção subordinativa condicional (ex: não fui eu quem brigou, mas que fosse e
tivesse brigado?).
Conjunção subordinativa causal (ex: não vou à praia que vai estar cheia).

Conjunção subordinativa integrante (ex: dizem que ele sua beleza é fenomenal).

Conjunção subordinativa consecutiva (ex: tão forte que levei um susto).

Conjunção subordinativa comparativa (ex: sou mais forte que você).

Conjunção subordinativa temporal (ex: já faz tempo que não vou ao cinema).

Conjunção subordinativa Final (ex: fez sinal que todos se aproximassem em silêncio).

Advérbio de intensidade (ex: que fase difícil).
Preposição (ex: ela tem que me falar).

Substantivo (ex: a estudante queria saber o “quê” da questão).

Interjeição (ex: que! Pare com isto!).

Realce (ex: que que é isto meu amigo).
Funções sintáticas do “que”:

Sujeito: (ex: amigo que é amigo não faz isto, ele foi ainda pior que o crucifixou). O
pronome que substitui a palavra amigo.

Objeto direto (ex: ele que escreveu).

Objeto indireto (ex: o filme a que fomos assistir foi maravilhoso).

Predicativo (ex: poucos foram os que voltaram).

Complemento nominal (ele faz tudo que ela manda).
EMPREGO
DO SE
Emprego do “se”.

Funções sintáticas:
Objeto direto: quando acompanha VTD (ex: os inimigos cumprimentaram-se durante
a partida).

Pronome apassivador (ex: alugam-se casas).

Índice de indeterminação do Sujeito (ex: vive-se mal no subúrbio).

Objeto indireto (ex: ele gaba-se de ser o melhor).

Realce (ex: vão-se os anos e só sobram as lembranças).

Substantivo (ex: o se existe para frases condicionais).
Conjunção subordinativa integrante (ex: não sei se é verdade).

Conjunção subordinativa condicional (ex: se for comigo ti pago a entrada no cinema).

Sujeito de infinito (ex: ela deixou-se levar).
Termos da
oração
1) Sujeito – termo que sempre se vincula a um predicado e particularmente a um
verbo, o que gera a regra de concordância verbal; opõe-se estruturalmente ao
predicado e com ele não se mistura. Exemplo: João passou no concurso público e hoje
é auditor.

2) Verbo intransitivo – verbo que não traz complemento. Ex: ele caiu.

3) Verbo transitivo – é complementado por um objeto direto. Ex: a mãe levou a
menina Levou alguém = precisa do complemento.

4) Verbo transitivo indireto – é complementado por um objeto indireto. Ex: ele foi
gostou do elogio.

5) Verbo de ligação – verbo (ser, estar, permanecer, tornar-se...) que se vincula ao
predicativo do sujeito. Ex: a mulher tornou-se violenta.
6) Objeto direto – complemento do verbo transitivo direto; apesar de não ser
sua característica, em certas circunstâncias pode vir preposicionado. Exemplo: ele
bebeu o suco. O convidado bebeu do champanhe.

7) Objeto indireto – complemento do verbo transitivo indireto; sempre
preposicionado. Exemplo: eu gosto de você.

8) Predicativo do objeto – termo que qualifica o núcleo do objeto direto ou indireto.
Exemplo: chamamos-lhes de loucos.

9) Predicativo do sujeito – termo que qualifica o sujeito e é complemento do verbo de
ligação, há frases em que o predicativo do sujeito vem preposicionado. Exemplo: meu
menino é de morte.
10) Agente da passiva – termo que só existe na voz passiva analítica, vem sempre
preposicionado; ao reconstituir a voz ativa, aparecerá como sujeito. Exemplo: o
médico foi chamado pelo coordenador.

11) Adjunto adnominal – são adjetivos, pronomes, numerais e artigos que
acompanham o substantivo; também pode ser formado com preposição mais
substantivo. Exemplo: os primeiros clientes foram embora.

12) Complemento nominal – complementa substantivo, adjetivo e advérbio;
quando complementa substantivo, terá sentido passivo. Termo que sempre vem
preposicionado. Exemplo: tínhamos certeza da vitória.
13) Aposto – termo que se vincula a um substantivo e tem caráter meramente
explicativo. Sempre virá entre vírgulas (ex: Brasil, país generoso, acolhe várias
nacionalidades).

14) Vocativo – é a invocação do interlocutor, é o chamamento da pessoa com que
falamos ou da pessoa para quem escrevemos. Sempre virá entre vírgulas (ex: José, o
incauto, sofreu mais um acidente).

15) Adjunto adverbial – termo que indica circunstâncias (lugar, tempo, modo, etc.).
Exemplo: a fera atacou furiosamente.
www.superprovas.com

www.facebook.com/superprovas




 www.twitter.com/superprovas

www.slideshare.net/superprovas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Morfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes GramaticaisMorfologia - Classes Gramaticais
Morfologia - Classes Gramaticais
 
Classes de palavras
Classes de palavrasClasses de palavras
Classes de palavras
 
Gramática para concursos públicos
Gramática para concursos públicosGramática para concursos públicos
Gramática para concursos públicos
 
Vicios de linguagem
Vicios de linguagemVicios de linguagem
Vicios de linguagem
 
Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Pronomes possessivos
Pronomes possessivosPronomes possessivos
Pronomes possessivos
 
Regência Nominal
Regência NominalRegência Nominal
Regência Nominal
 
Substantivo slide
Substantivo slideSubstantivo slide
Substantivo slide
 
Numerais
NumeraisNumerais
Numerais
 
Aula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominalAula concordância verbal e nominal
Aula concordância verbal e nominal
 
Gramática.Noções Básicas
Gramática.Noções BásicasGramática.Noções Básicas
Gramática.Noções Básicas
 
Homônimos, parônimos, sinônimos e antônimos
Homônimos, parônimos, sinônimos e antônimosHomônimos, parônimos, sinônimos e antônimos
Homônimos, parônimos, sinônimos e antônimos
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavras Estrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgula
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1Formação de palavras (derivações e composições)  aula 1
Formação de palavras (derivações e composições) aula 1
 

Destaque (20)

Gramática Avançada
Gramática AvançadaGramática Avançada
Gramática Avançada
 
Novo Acordo Ortográfico
Novo Acordo OrtográficoNovo Acordo Ortográfico
Novo Acordo Ortográfico
 
Classes palavras
Classes palavrasClasses palavras
Classes palavras
 
Resumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavrasResumo da gramática - classe de palavras
Resumo da gramática - classe de palavras
 
Direito Constitucional
Direito ConstitucionalDireito Constitucional
Direito Constitucional
 
Raciocinio Lógico
Raciocinio LógicoRaciocinio Lógico
Raciocinio Lógico
 
Classe de palavras
Classe de palavrasClasse de palavras
Classe de palavras
 
Rio da anta
Rio da antaRio da anta
Rio da anta
 
Gramatica no ensino_basico
Gramatica no ensino_basicoGramatica no ensino_basico
Gramatica no ensino_basico
 
Cartaz De DivulgaçãO 2
Cartaz De DivulgaçãO 2Cartaz De DivulgaçãO 2
Cartaz De DivulgaçãO 2
 
Cartaz sarau multicultural
Cartaz sarau multiculturalCartaz sarau multicultural
Cartaz sarau multicultural
 
Jornal Pief Actuallll
Jornal Pief ActuallllJornal Pief Actuallll
Jornal Pief Actuallll
 
3º Tarefa 2
3º   Tarefa 23º   Tarefa 2
3º Tarefa 2
 
Jornal O Pirilampo2009 1º
Jornal O Pirilampo2009 1ºJornal O Pirilampo2009 1º
Jornal O Pirilampo2009 1º
 
Cartaz Da Semana Da Leitura
Cartaz Da Semana Da LeituraCartaz Da Semana Da Leitura
Cartaz Da Semana Da Leitura
 
Linguagem corporal
Linguagem corporalLinguagem corporal
Linguagem corporal
 
Prof demétrio melo ufrn aula preparatória
Prof demétrio melo   ufrn aula preparatóriaProf demétrio melo   ufrn aula preparatória
Prof demétrio melo ufrn aula preparatória
 
Lição 3
Lição 3Lição 3
Lição 3
 
Técnicas de redação
Técnicas de redaçãoTécnicas de redação
Técnicas de redação
 
Apostila de acentuação gráfica
Apostila de acentuação gráficaApostila de acentuação gráfica
Apostila de acentuação gráfica
 

Semelhante a Gramatica Basica

Semelhante a Gramatica Basica (20)

Substantivo
SubstantivoSubstantivo
Substantivo
 
Classe gramatical
Classe  gramaticalClasse  gramatical
Classe gramatical
 
Classe gramatical
Classe  gramaticalClasse  gramatical
Classe gramatical
 
Substantivo e adjetivo
Substantivo e adjetivoSubstantivo e adjetivo
Substantivo e adjetivo
 
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4   MorfologiaCefet/Coltec Aula 4   Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
 
Revisão português.ppt
Revisão português.pptRevisão português.ppt
Revisão português.ppt
 
Intensivo Aula 4 morfologia
Intensivo  Aula 4   morfologiaIntensivo  Aula 4   morfologia
Intensivo Aula 4 morfologia
 
Plano de aula elizete
Plano de aula elizetePlano de aula elizete
Plano de aula elizete
 
Plano de aula elizete
Plano de aula elizetePlano de aula elizete
Plano de aula elizete
 
Portugues 6.ano
Portugues 6.anoPortugues 6.ano
Portugues 6.ano
 
Letras e fonemas
Letras e fonemasLetras e fonemas
Letras e fonemas
 
Substantivos 120821052556-phpapp01
Substantivos 120821052556-phpapp01Substantivos 120821052556-phpapp01
Substantivos 120821052556-phpapp01
 
Substantivos
SubstantivosSubstantivos
Substantivos
 
Classes gramaticais-completo
Classes gramaticais-completoClasses gramaticais-completo
Classes gramaticais-completo
 
Classes gramaticais-completo
Classes gramaticais-completoClasses gramaticais-completo
Classes gramaticais-completo
 
Pronomes
Pronomes Pronomes
Pronomes
 
Determinantes do substantivos
Determinantes do substantivosDeterminantes do substantivos
Determinantes do substantivos
 
CLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptx
CLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptxCLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptx
CLASSE DE PALAVRAS completo para b .pptx
 
Substantivos Slidesadasdasdsa
Substantivos  SlidesadasdasdsaSubstantivos  Slidesadasdasdsa
Substantivos Slidesadasdasdsa
 

Mais de Superprovas Software (6)

Matematica Financeira
Matematica FinanceiraMatematica Financeira
Matematica Financeira
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Contabilidade Geral
Contabilidade GeralContabilidade Geral
Contabilidade Geral
 
Dicionário de Auditoria
Dicionário de AuditoriaDicionário de Auditoria
Dicionário de Auditoria
 
Direito administrativo
Direito administrativoDireito administrativo
Direito administrativo
 
Direito Tributário
Direito TributárioDireito Tributário
Direito Tributário
 

Último

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 

Último (20)

Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 

Gramatica Basica

  • 1. RESUMO DE LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA www.superprovas.com BÁSICA www.facebook.com/superprovas www.twitter.com/superprovas www.slideshare.net/superprovas CONFORME NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO DE 2012
  • 3. Acentuação gráfica: Qual a lógica das regras de acentuação gráfica?. A lógica é evitar a dualidade de pronúncia de palavras parecidas. Exemplo: mascara (conjugação do verbo mascarar) e máscara (substantivo). Outra aplicação consiste em dar a entonação correta às palavras. Exemplo: a palavra “álbum” (corretamente pronunciada com acento). Definições: Palavras monossílabas: são as palavras formadas de uma única sílaba (já, cá). Palavras oxítonas: a sílaba mais forte é a última (ex: jacaré). Palavras paroxítonas: a sílaba mais forte é a penúltima (ex: cadáver). Palavras proparoxítonas: a sílaba mais forte é a antepenúltima (ex: quilômetro).
  • 4.  Regras de acentuação gráfica: Primeira regra: acentuam-se todas as monossílabas tônicas terminadas em: a (s)  cá, pás;  e (s)  fé, rés;  o (s)  dó, vós. Segunda regra: acentuam-se todas as oxítonas terminadas em: a(s)  cará, Pará; e(s)  café, cortês; o (s)  avó, cipós; em ou ens  também, parabéns.
  • 5. Terceira regra: acentuam-se as paroxítonas terminadas em: (l,n,r, x, i (s), u(s), ei (s), um, uns, ditongos, ã(s) e ps: Exemplos: l  difícil; en  hífen; r  repórter; x  fênix; i (s)  táxi, júri; a (s)  órfã; us  vírus; ditongo  órfão; on (s)  elétron, electrons; us  vírus; um, uns álbum; ps  bíceps.
  • 6. Nota 1: se o ditongo for nasal não leva acento: cantem, falam. Nota 2: paroxítonas terminadas em en recebem acento (ex: hífen, éden). Mas as terminadas em ens não são acentuadas (ex: hifens, edens).
  • 7. Quarta regra: acentuam-se todas as proparoxítonas. (ex: médico, tímido). Quinta regra: acentuam-se as vogais dos ditongos abertos éi(s), éu(s) e ói(s) das monossílabas tônicas e das oxítonas: céu, papéis, chapéu. Sexta regra: acentuam-se os hiatos formados por i e u quando tônicos (ex: viúvo). Exceto se após o “i” ou o “u” vier o dígrafo “nh” (ex: rainha) ou se eles formarem sílaba com as letras l, m, n, r ou z (ex: caiu, possuiu). Sétima regra: são acentuados os monossílabos têm e vêm da 3ª pessoa do plural presente do indicativo dos verbos ter e vir (ex: eles têm, elas vêm). Acentuam-se ainda pôr e pôde (pretérito perfeito do indicativo do verbo poder).
  • 9. Classe de palavras: existem dez classes de palavras na Língua Portuguesa: substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição. Todas as palavras pertencem a uma destas classes. Abaixo uma explanação sobre elas: Substantivos: servem para dar nome aos seres, pessoas, coisas, animais, sentimentos, ações etc. Classificação de substantivos: Substantivo comum e próprio: o substantivo comum é usado para designar toda a espécie, como é o caso dos coletivos (exemplo: esquadrilha) e o substantivo próprio indica um ser de uma mesma espécie (exemplo: Palmeiras). Substantivo simples e composto: o substantivo simples é formado por uma só palavra e o substantivo composto é formado por mais de uma palavras (ex: pombo-correio ou
  • 10. Substantivo concreto e abstrato: substantivos concretos: não dependem de ninguém para existir (exemplo: terra, ar). Já os substantivos abstratos não existem por si só (exemplo: ódio, justiça). O sentimento de ódio depende de alguém para existir. Indicam ação, estado ou qualidade. Substantivos sobrecomuns: são palavras de um só gênero usadas para pessoas de mesmo sexo (ex: a criança foi vítima de acidente = criança e vítima são substantivos sobrecomuns por se referirem a ambos os sexos). Substantivos comuns de dois gêneros: são palavras de dois gêneros, mas uma só forma. Ex: a artista, o artista - o estudante, a estudante. Substantivos epicenos: referem-se a animais e insetos e possuem uma só forma e gênero da mesma maneira que os sobrecomuns (ex: jacaré macho e jacaré fêmea).
  • 11. Adjetivos: Servem para qualificar o substantivo. Variam em gênero, número e grau com o substantivo. Classificação: Adjetivos primitivos (ex: amarelo) Adjetivos derivados: derivam de outra palavra (ex: amarelado) Adjetivos uniformes: servem para ambos os gêneros (ex: mulher capaz e homem capaz. Adjetivos compostos : vermelho-escuro Adjetivos biformes: mudam conforme o gênero (ex: mulher feia, homem feio).
  • 12. Plural dos adjetivos compostos: Adjetivo + adjetivo: só o segundo adjetivo recebe o “s” (ex: camisas verde-escuras). Exceções:azul-marinho, cor-de-rosa, azul-celeste são invariáveis Infravermelho x ultravioleta: só o primeiro varia. Adjetivo + substantivo: se o substantivo exprimir idéia de cor não varia (ex: blusas verde-limão). Nota: o substantivo se fizer a função de adjetivo ficará invariável (ex: operários padrão).
  • 13. Artigo: antecede o substantivo e servem para indicar gênero e número. Podem ser definidos (o, a, os, as) ou indefinidos (um, uns). Não se deve usar o artigo: Antes de substantivo tomando indefinidamente: não vou à loja, shopping, lugar nenhum. Antes de nomes célebres ou personagens de romances (exemplos: o José casará com a Maria/ O Machado de Assis foi um grande escritor). Antes de nomes citados por inteiro: o Mário de Andrade de Toledo era homem severo. Antes de nomes de cidades (ex: Salvador, Belo-Horizonte). Exceto as seguintes cidades: o Porto, o Rio de Janeiro, o Cairo, o Recife, o Aracaju. Sendo que os dois últimos podem dispensar o artigo.
  • 14. Antes da palavra casa quando esta for residência (fui a casa para buscar dinheiro). Antes da palavra terra quando significar antônima de bordo (chegamos a terra depois de um longo cruzeiro). Antes de datas: o 21 de setembro foi comemorado pelas mães. Antes de pronomes de tratamento: Vossa excelência procura seus súditos. Antes de pronomes relativos: cuja, cujo, cujas, cujas. Antes de expressões dom, frei, dona (ex. o Frei Henrique chegou de longa viagem). Antes de nomes de parentesco (ex: a sua irmã).
  • 15. Numeral: palavra que indica quantidade numérica. Classificação dos numerais: Ordinais : indicam ordem, posição dos seres. Exemplo: 1º primeiro; 2º segundo; 3º terceiro. Cardinais: indicam uma quantidade certa. Exemplo: um, dois, três.
  • 16. Observações: Somente os ordinais um e dois e centenas possuem feminino (ex: duas senhoras, centenas de senhoras, uma vez). Não confunda o numeral cardinal “um” com o artigo indefinido “um”. “Um” será numeral cardinal quando for possível acrescentar as palavras: só, somente, unicamente (ex: fui na padaria e comprei um pão somente). Já se for possível acrescentar “certo” ou “qualquer” será artigo indefinido. Ex: achei um (certo) livro perdido na sala. Não se deve iniciar orações com algarismos. Ex: 2012 foi um ano bom. O correto é: dois mil e doze foi um ano bom.
  • 17. Pronome: é uma palavra que substitui ou modifica um nome. Pronomes pessoais: servem para substituir as pessoas. São os retos (eu, tu, ele, vós, nós, eles, elas); os oblíquos (me, mim, comigo, te, ti, contigo, o, a, lhe, se, si, consigo, nos, convosco, os, as, lhes) e os de tratamento (vossa santidade, vossa excelência, vossa alteza, vossa majestade, vossa magnificência, vossa eminência etc.). Pronomes possessivos: dão idéia de posse (são os pronomes: meu, minha, meus, minhas, teu, tua, vossa, sua, seu, suas, etc.). Pronomes demonstrativos: servem para indicação e demonstração (ex: este, isto, esse, aquilo, tais, semelhante, próprio, mesmo).
  • 18. Pronomes indefinidos: quando o pronome substitui um nome cuja identidade não é conhecida (exemplos: alguém, algum, tudo, toda, nenhum, pouco, pouca, quanto, vários, diversas, um, uma, uns, umas). Pronomes relativos: é aquele que substitui ou modifica um nome antecedente (ex: que, quem, onde, como, o qual, os quais, as quais, quanto, cujo, cuja, cujos, cujas). Pronomes interrogativos: são os pronomes que, quem, qual, quais, quanto, quanta, quantas em orações interrogativas (ex: que time vai ganhar?, quais os jogadores em campo?, quantas faltas cometeram?). Pronomes substantivos e pronomes adjetivos: pronomes substantivos são os que substituem um adjetivo (ex: nada, todo, poucos). Pronomes adjetivos são os que modificam um substantivo (ex: Poucas pessoas, suas flores, algum modo).
  • 19. Observações: Os pronomes “eu” e “tu” se funcionarem como sujeito ficarão na forma reta (ex: comprei um livro para tu veres). Já se “eu” e tu” forem predicativos emprega-se a forma oblíqua “mim” e “ti” (ex: a menina está entre mim e ti). O pronome pessoal é sujeito quando aparecer em orações comparativas (ex: eu sou melhor que você em matemática. O artista contracena como tu). Verbos terminado em m com som nasal  seguidos dos pronomes o, a, os, as se contraem em –no, -na, -nos, -nas. (ex: abrem-no, põe-nas). Verbos terminados em r, s ou z  seguidos dos pronomes o, a, os, as se contraem em –lo, -la, -los, las (ex: comprar + o = comprá-lo, fez + as = fê-las).
  • 20. Observações: É facultativo o uso de artigo antes do pronome possessivo (ex: nossa amiga ou a nossa amiga). Não se usa “todos dois” e sim “ambos” (ex: encontrei dois amigos, ambos não vistos há muito tempo). Não se usa “cada” em substituição a “cada um” (ex: qual o preço do Abacaxi?. São cinco reais cada um – e não são cinco cada). o, as, os, as são pronomes demonstrativos quando são equivalentes a “aquilo”, “aquele”, “aquelas”, “isso” (ex: revirei tudo o que encontrei – revirei tudo aquilo que encontrei)
  • 21. Observações: O pronome indefinido qualquer é invariável em gênero, mas não em número. Ex: vi qualquer coisa ali. Vi quaisquer coisas ali. Cujo, cujas, cujo, cujas sempre exprimem posse e se referem a um antecedente (possuidor) e a um conseqüente (coisa possuída). Ex: amigos cuja amizade é sincera). Onde se emprega com verbos estáticos e aonde com verbos dinâmicos. Ex: aonde você dançou? = verbo dinâmico. Onde você estava? = verbo estático. Que no final na frase é acentuado porque é tônico (ex: para quê?).
  • 23. Verbo: é a palavra que exprime um fato situado no tempo (exprime ação, estado ou fenômeno). Flexão de número, pessoa, modo ou tempo: Flexão de número ocorre quando o verbo varia em função do singular ou plural. Flexão de pessoa ocorre quando o verbo varia conforme as pessoas do verbo (ex: eu, tu, nós, vós, ele(s), ela(s). Flexão de tempo ocorre quando o verbo varia conforme o momento ou época em que se realiza o ato. São três os tempos do verbo: presente, pretérito (que se divide em perfeito, imperfeito e mais-que-perfeito e futuro (que se divide em futuro do presente e do pretérito. Flexão de modo: ocorre quando o verbo varia conforme a maneira, o modo em que o fato se realiza. São três os modos do verbo: indicativo, subjuntivo e imperativo.
  • 24. Observações: No modo indicativo o fato é real positivo, verdadeiro. No modo subjuntivo o fato é irreal, provável, duvidoso. No modo imperativo ocorre um pedido, convite, ordem, conselho, súplica. Formas nominais do verbo: Gerúndio (quando o verbo termina em –ndo, ex: cantando); Particípio (ex: falado, cantado); Infinitivo (ex: falar).
  • 25. Vozes verbais: Voz é a maneira como se apresenta a ação expressa pelo verbo em relação ao sujeito. Quando o sujeito que pratica a ação a voz é ativa e quando a ação é recebida pelo sujeito voz passiva. Quando a ação é ao mesmo tempo é recebida e praticada pelo sujeito a voz é passiva. Exemplo de voz ativa: o homem vendeu a casa. Exemplo de voz passiva: a casa foi vendida pelo homem. Exemplo de voz reflexiva: ele se feriu violentamente.
  • 26. As conjugações: As conjugações dos verbos são definidas em função da vogal temática dos verbos. Os verbos forem terminados em –ar, -er e - ir pertencem respectivamente à primeira, segunda e terceira conjugação. Radical, vogal temática, tema e desinência. Veja o exemplo: FALAR  possui radical FAL, vogal temática “a”, tema: FALA e desinência: AR, ou seja: -Radical é a parte do verbo que sobra quando retiramos as terminações –ar,-er,-ir; -Vogal temática é a vogal que vem depois do radical; -Tema é o radical + vogal; -Desinência é o elemento final do verbo que se flexiona
  • 27. Verbo regular: é aquele que mantém o radical inalterado durante a conjugação. Verbo paradigmal: é aquele que serve de modelo à conjugação. Ex: cantar é verbo paradigmal da primeira conjugação. Vender da segunda conjugação. Verbo irregular: aquele que sofre modificação no radical ou o que tem a desinência diferente do verbo paradigmal. Diferentes tipos de irregularidades: a) irregularidade no radical : sinto (do verbo sentir). b) irregularidade na desinência: tenho (do ver ter). c) irregularidade tanto no radical quanto na desinência: trouxe (do verbo trazer) não segue o radical e varia a desinência.
  • 28. Verbo anômalo: é o que durante a conjugação apresenta radicais diferentes tais como os verbos ser e ir. (eu sou, tu és, eu vou, você ia). Verbo defectivo: é aquele que não possui algum tempo, modo ou pessoa. São verbos que indicam fenômenos da natureza. Por exemplo, o verbo “chover” não admite conjugação na primeira pessoa, exceto se for no sentido figurado: lágrimas choveram no rosto da presidiária.
  • 29. Observações: Sobre verbos defectivos: Os verbos haver e fazer quando sinônimo de existir, acontecer e fazer quando dão idéia de tempo são defectivos (ex: há muitos torcedores, houve muitas festas, faz frio, fez frio). Todos os verbos impessoais que só se conjugam na 3ª pessoa do singular e plural o somente do singular são defectivos (ex: convém sairmos daqui). São defectivos alguns verbos da 3ª conjugação: abolir, aturdir, colorir, demolir, emergir, falir (ex: abolimos, colorimos, demolimos). Precaver e reaver são defectivos porque no presente do indicativo só se conjugam na primeira pessoa do plural (ex: nos precavemos, nós reavemos).
  • 30. Verbos abundantes: possuem duas formas equivalentes (ex: havemos e hemos, haveis e heis, elegido e eleito, acendido e aceso, pego e pegado). Verbos auxiliares: trata-se do verbo que auxilia a conjugação de outro, chamado principal. (ex: ter falado, haver dito, era nascido). Normalmente os verbos auxiliares são os seguintes: ser, estar, ter e haver. Imperativo afirmativo e imperativo negativo: formado pela 2ª pessoa do singular e plural do presente do indicativo sem o s + demais pessoas que são você e nós no presente do subjuntivo. A 1ª pessoa do singular não existe. Ex: verbo cantar na 2ª pessoa no singular do indicativo = cantas (tirando o “s” fica canta) + demais pessoas no presente do subjuntivo: Canta tu derivado do verbo cantar no pres. do indicativo sem o “s” (tu cantas = canta tu ). Cante você derivado do presente do subjuntivo. Cantemos nós demais derivados do presente do subjuntivo. Cantai vós derivado do verbo cantar no pres. do indicativo sem “s” (vós cantais = cantai vós). Cantem vocês  demais derivados do presente do subjuntivo. Já o imperativo negativo toma emprestadas todas as formas do presente do subjuntivo, exceto a primeira, evidentemente, sem qualquer alteração.
  • 31. Formas rizotônicas e arrizotônicas dos verbos: Formas rizotônicas são as formas verbais que têm o acento prosódico (de pronúncia) dentro do radical ex: canto, cantas. Formas arrizotônicas são as formas verbais que têm o acento prosódico fora do radical. Ex: cantamos, cantais. Nos próximos slides destacaremos a conjugação dos verbos paradigmas nas três conjugações regulares: cantar, vender e partir.
  • 32. CANTAR VENDER PARTIR MODO INDICATIVO PRESENTE DO INDICATIVO CANTO VENDO PARTO CANTAS VENDES PARTES CANTA VENDE PARTE CANTAMOS VENDEMOS PARTIMOS CANTAIS VENDEIS PARTIS CANTAM VENDEM PARTEM CANTAR VENDER PARTIR MODO INDICATIVO PRETÉRITO INDICATIVO CANTEI VENDI PARTI CANTASTE VESTESTE PARTISTE CANTOU VENDEU PARTIU CANTAMOS VENDEMOS PARTIMOS CANTASTES VENDESTES PARTISTES CATARAM VENDERAM PARTIRAM
  • 33. CANTAR VENDER PARTIR MODO INDICATIVO PRETÉRITO IMPERFEITO CANTAVA VENDIA PARTIA CANTAVAS VENDIAS PARTIAS CANTAVA VENDIAM PARTIA CANTÁVAMOS VENDÍAMOS PARTÍAMOS CANTEIS VENDÍEIS PARTÍEIS CANTAVAM VENDIAM PARTIAM CANTAR VENDER PARTIR MODO INDICATIVO PRETÉRITO MAIS QUE PERFEITO CANTARA VENDERA PARTIRA CANTARAS VENDERAS PARTIRAS CANTARA VENDERA PARTIRA CANTÁRAMOS VENDERAMOS PARTÍRAMOS CANTAREIS VENDEREIS PARTÍREIS CANTARAM VENDERAM PARTIRAM
  • 34. CANTAR VENDER PARTIR MODO INDICATIVO FUTURO DO PRESENTE CANTAREI VENDEREI PARTIREI CANTARAS VENDERÁS PARTIRÁS CANTARA VENDERÁ PARTIRÁ CANTAREMOS VENDEREMOS PARTIREMOS CANTAREIS VENDEREIS PARTIREIS CANTARÃO VENDERÃO PARTIRÃO CANTAR VENDER PARTIR MODO INDICATIVO FUTURO DO PRETÉRITO CANTARIA VENDERIA PARTIRIA CANTARIAS VENDERIA PARTIRIAS CANTARIA VENDERIA PARTIRIA CANTARÍAMOS VENDERÍAMOS PARTIRÍAMOS CANTARÍEIS VENDERÍEIS PARTIRÍEIS CATARIAM VENDERIAM PARTIRIAM
  • 35. CANTAR VENDER PARTIR MODO SUBJUNTIVO PRESENTE CANTE VENDA PARTA CANTES VENDAS PARTAS CANTE VENDA PARTA CANTEMOS VENDAMOS PARTAMOS CANTEIS VENDAIS PARTAIS CANTEM VENDAM PARTAM CANTAR VENDER PARTIR MODO SUBJUNTIVO PRETÉRITO IMPERFEITO CANTASSE VENDESSE PARTISSE CANTASSES VENDESSES PARTISSES CANTASSE VENDESSE PARTISSE CANTÁSSEMOS VENDÊSSEMOS PARTÍSSEMOS CANTASSEIS VENDESSEIS PARTISSEIS CATASSEM VENDESSEM PARTISSEM
  • 36. CANTAR VENDER PARTIR MODO SUBJUNTIVO FUTURO CANTAR VENDER PARTIR CANTARES VENDERES PARTIRES CANTAR VENDER PARTIR CANTARMOS VENDERMOS PARTIRMOS CANTARDES VENDERDES PARTIRDES CANTAREM VENDEREM PARTIREM CANTAR VENDER PARTIR MODO IMPERATIVO AFIRMATIVO CANTA VENDE PARTE CANTE VENDA PARTA CANTÁSSEMOS VENDAMOS PARTAMOS CANTAI VENDEI PARTÍ CANTEM VENDAM PARTAM
  • 37. CANTAR VENDER PARTIR MODO IMPERATIVO NEGATIVO NÃO CANTES NÃO VENDAS NÃO PARTAS NÃO CANTE NÃO VENDA NÃO PARTA NÃO CANTEMOS NÃO VENDAMOS NÃO PARTAMOS NÃO CANTEIS NÃO VENDAIS NÃO PARTAIS NÃO CANTEM NÃO VENDAM NÃO PARTAM CANTAR VENDER PARTIR FORMAS NOMINAIS GERÚNDIO CANTANDO VENDENDO PARTINDO CANTAR VENDER PARTIR FORMAS NOMINAIS INFINITIVO IMPESSOAL CANTAR VENDER PARTIR
  • 38. CANTAR VENDER PARTIR FORMAS NOMINAIS INFINITIVO PESSOAL CANTAR VENDER PARTIR CANTARES VENDERES PARTIRES CANTAR VENDER PARTIR CANTARMOS VENDERMOS PARTIRMOS CANTARDES VENDERDES PARTIRDES CANTAREM VENDEREM PARTIREM CANTAR VENDER PARTIR FORMAS NOMINAIS PARTICÍPIO CANTADO VENDIDO PARTIDO
  • 39. Advérbio: o que é advérbio?. É a palavra que modifica o verbo, adjetivo ou até outro advérbio. Exemplos: -De lugar: aqui, lá, perto, longe. -De modo: bem, mal, apenas, depressa. -De intensidade: muito, pouco, bastante, mais, menos. -De tempo: amanha, depois, tarde, nunca. -De negação: não, tampouco. -De dúvida: talvez, provavelmente. Locuções adverbiais: ocorre quando há a junção de duas ou mais palavras que funcionam como advérbio. Ex: ao vivo, a esmo, a cavalo, à força. Graus do advérbio: classificam-se em grau comparativo e grau superlativo. O comparativo pode ser: de igualdade (José é tão forte quanto Pedro); de superioridade (ela é mais bonita do que sua irmã); de inferioridade (Maria é menos cuidadosa do que Josefina).
  • 40. Observações: Muito, pouco, bastante, mais, menos tanto e quanto quando modificam substantivo são adjetivos e não advérbio. Ex: bastantes candidatos, muita mulher. Nada e algo é advérbio quando modifica adjetivo (ex: nada feliz, nada triste). Porém se estiver junto de verbo é pronome (ex: nada é tão trágico quanto perder um filho). Frase com vários advérbios terminados em mente só o último recebe este sufixo (ex: fria, trágica e violentamente morta). Mais bem e mais mal são usados antes de particípios ao invés de melhor e pior (ex: nossa firma foi mais bem-gerida). Meio é advérbio quando vem junto de um adjetivo (ex: meio esquentado). Primeiro é advérbio quando modifica verbo (ex: cheguei primeiro e saí por último).
  • 41. Preposição: é a palavra invariável que liga palavras, estabelecendo relação de posse, lugar, tempo, companhia, modo etc. Preposições essenciais e acidentais: Essenciais são: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, nem, para, perante, por, sob, sob re, trás. Acidentais são: afora, conforme, consoante, durante, exceto, feito, fora, mediante, salvante, salvo, seg undo, tirante, etc. Nota: As preposições essenciais levam os pronomes pessoais para a forma obliquo (entre mim, contra você). Por este motivo é errado dizer “entre eu e tu”.
  • 42. Conjunção: é a palavra invariável que liga duas orações ou palavras da mesma função sintática. Locução conjuntiva: duas ou mais palavras que têm o valor de uma conjunção (ex: desde que, para que, a fim de que, se bem que, à medida que, de sorte que). Termina sempre com conjunção. Tipos de conjunção: há dois tipos de conjunção: as coordenativas e as subordinativas. As coordenativas ligam duas orações (ex: Maria foi à escola e depois ao cinema). Já as subordinativas ao contrário só ligam orações sintaticamente dependentes (ex: José falou que ninguém foi ao jogo).
  • 43. Conjunções coordenativas: são cinco as conjunções coordenativas: Aditivas: e, nem, (não só), mas também, como. Dão idéia de adição. Alternativas: ou... ou, seja... seja, ora... ora etc. Dão idéia de alternância. Conclusivas: logo, portanto, por isto, por conseguinte. Dão idéia de conclusão. Adversativas: mas, porém, todavia, entretanto, contudo, entretanto, no entanto, etc. Dão idéia de oposição. Explicativas: que, porque, porquanto, pois (antes do verbo). São conjunções que antecedem uma explicação.
  • 44. Conjunções subordinativas: são diversas as classificações: Integrantes: que, se. Ligam duas frases que se completam sintaticamente . Finais: para que, a fim de que, que. Apresentam a finalidade dos atos contidos na oração principal. Temporais: quando, depois, antes, enquanto, assim que, mal. Indicam o tempo da ocorrência do fato expresso na oração principal. Comparativa: que, do que, qual, como, quanto. Antecedem uma comparação. Condicionais: se, caso, contanto que, sem que, desde que, a menos que, a não ser que. Expressam frases em que se estabelece uma condição.
  • 45. Conformativas: conforme, consoante, segundo, como. Expressam conformidade com relação a algum fato da oração principal. Consecutivas: que, de modo que, de maneira que, de forma que. Apresentam a conseqüência do fato exposto. Causais: porque porquanto, visto que, já que, uma vez que, como (em início da oração). Expressam uma causa. Concessivas: embora, ainda que, se bem que, posto que, conquanto, apesar de que, por mais que. Expressam um fato contrário à ação proposta pela oração principal, mas incapaz de impedi-la. Proporcionais: à medida que, ao passo que, à proporção que, quanto mais, quanto menor. Expressam simultaneidade e proporcionalidade dos fatos contidos na oração subordinada em relação aos fatos da oração principal.
  • 47. Interjeição: é a palavra que serve para exprimir emoção ou sentimento repentino (ex: psiu!, oh!!, ops!). Locuções interjetivas: “nossa mãe!”, “nossa senhora!”, “que horror!” São exemplos de locuções interjetivas (que são formadas por mais de uma palavra).
  • 49. Sinônimos: são palavras que possuem significado idêntico ou parecido. Ex: abajur e luminária. Antônimos: são palavras opostas (ex: ódio e amor, bem e mal). Homônimos: são palavras que possuem identidade de sons. Classificam-se em: Homófonas: mesmo som e significados diferentes (ex: conserto, concerto, sessão, seção) Homógrafas: mesma escrita, mas significados diferentes. (ex: sábio, sabia, sabiá) Homógrafas homófonas: mesmo som e escrita (ex: mato (verbo) e mato (substantivo). Parônimos: são palavras parecidas somente (ex : iminente e eminente).
  • 51. As figuras de palavra são figuras de linguagem que consistem no emprego de um termo com sentido diferente daquele convencionalmente empregado, a fim de se conseguir um efeito mais expressivo na comunicação. As FIGURAS DE LINGUAGEM classificam-se em: a) Figuras de palavra; b) Figuras de harmonia; c) Figuras de pensamento; d) Figuras de construção ou sintaxe. As FIGURAS DE PALAVRA classificam-se em: a) Comparação; e) Catacrese; b) Metáfora; f) Sinestesia; c) Metonímia; g) Antonomásia; d) Sinédoque; h) Alegoria;
  • 52. FIGURAS DE HARMONIA: Chamam-se figuras de som ou de harmonia os efeitos produzidos na linguagem quando há repetição de sons ou, ainda, quando se procura "imitar"sons produzidos por coisas ou seres. As figuras de harmonia ou de som são: a) Aliteração; b) Onomatopéia; c) Assonância; d} Paronomásia. FIGURAS DE SINTAXE: As figuras de sintaxe ou de construção dizem respeito a desvios em relação à concordância entre os termos da oração, sua ordem, possíveis repetições ou omissões. Elas podem ser construídas por: a) Omissão: assíndeto, elipse e zeugma; b) Repetição: anáfora, pleonasmo e polissíndeto; c) Inversão: anástrofe, hipérbato, sínquise e hipálage; d) Ruptura: anacoluto; e) Concordância ideológica: silepse.
  • 53. FIGURAS DE PENSAMENTO: As figuras de pensamento são recursos de linguagem que se referem ao significado das palavras, ao seu aspecto semântico. São figuras de linguagem de pensamento: a) Antítese; b) Eufemismo; c) Ironia; d) Apóstrofe; e) Gradação; f) Prosopopéia; g) Paradoxo; h) Hipérbole; i) Perífrase;
  • 55. Introdução ao processo de formação de palavras: Definições: Radical: é a parte comum num grupo de palavras: alegre, alegria, alegremente, alegrável, alegrinho. O radical deste conjunto de palavras é alegr-. Vogal temática e tema: vogal temática é a vogal que vem após o radical e tema é o radical com a vogal temática. (ex: palavra correr tem a vogal temática “e” e o tema “corre”). Afixos: são elementos que se juntam ao radical (ex: rever, previsão, boiada) Desinências: elemento que se junta ao tema, para indicar flexões gramaticais de gênero, modo , tempo e pessoa.
  • 56. Processos de formação de palavras: Por derivação: consiste no processo de formar palavras novas a partir de sufixos e prefixos. Ex: azulado (sufixo ado), esverdeado (sufixo=ado e prefixo ES). Por composição: formação de palavras compostas (ex: floricultura=palavra flor + cultura). Por justaposição: quando a palavra é formada por duas outras de forma inalterada (ex: cavalo-marinho). Por hibridismo: quando usamos elementos de língua diferente (ex: sócio (latino) + logia (grego) formando a palavra sociologia). Por aglutinação: quando juntamos duas palavras para formar outra, mas uma delas perde o acento e fonema geralmente (ex: contra-dança = country + dança). Por onomatopéia: formação de palavras novas originárias de sons de animais, sons da natureza ou imitativos. (ex: reco-reco, bem-te-vi, uivar, latir).
  • 58. Vícios de linguagem: Barbarismo: emprego de estrangeirismos e também erros de natureza fonética, morfológica ou semântica. (ex: “drink” ao invés de bebida, cabelereiro ao invés de cabeleireiro). Solecismo: é uma transgressão de regras de sintaxe: De Regência: assistimos uma partida de “vollei” (ao invés de assistimos a uma partida de “vollei”. De colocação: chamarei-te pela manhã (ao invés de chamar-te-ei pela manhã). De concordância: haviam muitos manifestantes no comício (ao invés de havia muitos manifestantes no comício).
  • 59. Cacófago: é a produção de som ridículo quando se unem silabas (ex: “por cada”). Preciosismo: uso de palavras complicadas e exageradas (ex: hemos de ganhar o jogo, ao invés de iremos ganhar o jogo).
  • 61. Com o advento do novo acordo ortográfico de 2009 algumas regras referentes a ortografia mudaram. Serão abordados neste tópico as regras que continuam a valer e será fornecido um adendo com as novas regras do novo acordo ortográfico. Ortografia por definição é o nome dado à parte da gramática que trata da escrita correta das palavras. Em anexo seguem algumas regras práticas: Emprega-se o Z: 1) No sufixo “IZAR ” formador de verbo (ex: concretizar). 2) Nos sufixos -ez e -eza acrescentados a adjetivos. Franco  franqueza 3) Nas terminações “ZINHO” dos diminutivos: Homem Homenzinho. Porém, acrescenta-se “inho” quando este já ocorre anteriormente (ex: parafuso parafusinho). 4) Nos verbos em -zer e –zir (ex: trazer  produzir). 5) Nos derivados, mantém-se o z da palavra-base (ex: balizaabalizado).
  • 62. Emprego do “S”: 1) Nas formas verbais de “PÔR” e “QUERER” e seus derivados. Ex: quis  quisemos. 2) Nos adjetivos com sufixo “OSO” - “OSA”. Ex: falta  faltoso. 3) Nas palavras derivadas de verbos que possuem D ou ND no final. Ex: suspender  suspensão. 4) Nas palavras derivadas de verbos que Possuem terminação TIR ou RT. Ex1: demitir  demissão. Ex2: Inverter  inversão.
  • 63. Emprego do “S” ou “R” com som forte: S ou R são usados entre vogal e consoante (ex:subseção, Ensaio) . SS ou RR são usados somente entre duas vogais (assegurar, ocorrência). Emprega-se o “J”: Nas formas verbais terminados por jar (ex. viajar). Nas palavras derivadas de outras terminadas por já (ex. Canja – canjica). Uso do “G”: Palavras terminadas em : agem / igem / ugem (ex. Vagem/ vertigem / penugem) . Palavras terminadas em: ágio, égio, igio, ógio, úgio (ex. Adágio, privilégio, vestígio, necrológio, subterfúgio). Emprega-se “X” Depois de ditongo (ex. Faixa). Depois de sílaba inicial em (ex: enxame).
  • 65. REGRA: PORQUE: é usado quando for possível substituí-lo por “pois”. Ex: não compareceu à reunião quadrimestral porque estava viajando a serviço. ( = pois) POR QUE: é usado se não der para trocar por “pois. Exemplo: precisamos saber por que não foi enviada uma cópia do formulário ao cliente. POR QUÊ: é usado antes de pontuação. Ex: não foram enviadas as cópias ao cliente. Por quê? PORQUÊ: é usado sempre que vier precedido de determinante (o, um). Ex: descobriram o porquê da não-conformidade?
  • 67. Emprego do “que”: são diversas as classificações morfológicas da palavra “que” na Lingua Portuguesa. Abaixo serão citadas algumas destas classificações: Pronome adjetivo exclamativo (ex: que genial!). Pronome adjetivo interrogativo (ex: que lugar é este?). Pronome substantivo interrogativo (ex: que é que ele fez?). Pronome adjetivo indefinido (ex: que horas são?). Pronome relativo (ex: vou fingir que não sei). Pronome substantivo indefinido (ex: não sei bem o que ele pegou).
  • 68. Conjunção coordenativa aditiva (ex: ela bate que bate). Conjunção coordenativa alternativa (ex: que faça frio, que faça sol, que faça chuva, mesmo assim irei à praia). Conjunção coordenativa concessiva (ex: quero mamão que esteja maduro). Conjunção coordenativa explicativa (ex: tenha calma que o cachorro é manso). Conjunção coordenativa adversativa (ex: prendam o bandido, que não a nós). Conjunção coordenativa concessiva (ex: quero mamão que esteja maduro). Conjunção subordinativa condicional (ex: não fui eu quem brigou, mas que fosse e tivesse brigado?).
  • 69. Conjunção subordinativa causal (ex: não vou à praia que vai estar cheia). Conjunção subordinativa integrante (ex: dizem que ele sua beleza é fenomenal). Conjunção subordinativa consecutiva (ex: tão forte que levei um susto). Conjunção subordinativa comparativa (ex: sou mais forte que você). Conjunção subordinativa temporal (ex: já faz tempo que não vou ao cinema). Conjunção subordinativa Final (ex: fez sinal que todos se aproximassem em silêncio). Advérbio de intensidade (ex: que fase difícil).
  • 70. Preposição (ex: ela tem que me falar). Substantivo (ex: a estudante queria saber o “quê” da questão). Interjeição (ex: que! Pare com isto!). Realce (ex: que que é isto meu amigo).
  • 71. Funções sintáticas do “que”: Sujeito: (ex: amigo que é amigo não faz isto, ele foi ainda pior que o crucifixou). O pronome que substitui a palavra amigo. Objeto direto (ex: ele que escreveu). Objeto indireto (ex: o filme a que fomos assistir foi maravilhoso). Predicativo (ex: poucos foram os que voltaram). Complemento nominal (ele faz tudo que ela manda).
  • 73. Emprego do “se”. Funções sintáticas: Objeto direto: quando acompanha VTD (ex: os inimigos cumprimentaram-se durante a partida). Pronome apassivador (ex: alugam-se casas). Índice de indeterminação do Sujeito (ex: vive-se mal no subúrbio). Objeto indireto (ex: ele gaba-se de ser o melhor). Realce (ex: vão-se os anos e só sobram as lembranças). Substantivo (ex: o se existe para frases condicionais).
  • 74. Conjunção subordinativa integrante (ex: não sei se é verdade). Conjunção subordinativa condicional (ex: se for comigo ti pago a entrada no cinema). Sujeito de infinito (ex: ela deixou-se levar).
  • 76. 1) Sujeito – termo que sempre se vincula a um predicado e particularmente a um verbo, o que gera a regra de concordância verbal; opõe-se estruturalmente ao predicado e com ele não se mistura. Exemplo: João passou no concurso público e hoje é auditor. 2) Verbo intransitivo – verbo que não traz complemento. Ex: ele caiu. 3) Verbo transitivo – é complementado por um objeto direto. Ex: a mãe levou a menina Levou alguém = precisa do complemento. 4) Verbo transitivo indireto – é complementado por um objeto indireto. Ex: ele foi gostou do elogio. 5) Verbo de ligação – verbo (ser, estar, permanecer, tornar-se...) que se vincula ao predicativo do sujeito. Ex: a mulher tornou-se violenta.
  • 77. 6) Objeto direto – complemento do verbo transitivo direto; apesar de não ser sua característica, em certas circunstâncias pode vir preposicionado. Exemplo: ele bebeu o suco. O convidado bebeu do champanhe. 7) Objeto indireto – complemento do verbo transitivo indireto; sempre preposicionado. Exemplo: eu gosto de você. 8) Predicativo do objeto – termo que qualifica o núcleo do objeto direto ou indireto. Exemplo: chamamos-lhes de loucos. 9) Predicativo do sujeito – termo que qualifica o sujeito e é complemento do verbo de ligação, há frases em que o predicativo do sujeito vem preposicionado. Exemplo: meu menino é de morte.
  • 78. 10) Agente da passiva – termo que só existe na voz passiva analítica, vem sempre preposicionado; ao reconstituir a voz ativa, aparecerá como sujeito. Exemplo: o médico foi chamado pelo coordenador. 11) Adjunto adnominal – são adjetivos, pronomes, numerais e artigos que acompanham o substantivo; também pode ser formado com preposição mais substantivo. Exemplo: os primeiros clientes foram embora. 12) Complemento nominal – complementa substantivo, adjetivo e advérbio; quando complementa substantivo, terá sentido passivo. Termo que sempre vem preposicionado. Exemplo: tínhamos certeza da vitória.
  • 79. 13) Aposto – termo que se vincula a um substantivo e tem caráter meramente explicativo. Sempre virá entre vírgulas (ex: Brasil, país generoso, acolhe várias nacionalidades). 14) Vocativo – é a invocação do interlocutor, é o chamamento da pessoa com que falamos ou da pessoa para quem escrevemos. Sempre virá entre vírgulas (ex: José, o incauto, sofreu mais um acidente). 15) Adjunto adverbial – termo que indica circunstâncias (lugar, tempo, modo, etc.). Exemplo: a fera atacou furiosamente.