Qualidade de vida e incidencia de depressão em idosas

239 visualizações

Publicada em

Qualidade de vida e incidência de depressão em idosas que frequentam grupos da terceira idade

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
239
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Qualidade de vida e incidencia de depressão em idosas

  1. 1. QUALIDADE DE VIDA E INCIDENCIA DE DEPRESSÃO EM IDOSAS QUE FREQUENTAM GRUPOS DE 3º IDADE
  2. 2.  OBJETIVO: Avaliar a qualidade de vida e incidências de depressão em idosas dos grupos da 3º idade de Uruguaiana – RS.  Participaram 42 idosas, com idade média de 71,3 anos com tempo médio de participação no grupo de 3,6 anos  Foram submetidas a avaliações da cognição (MEEM Mini Exame do Estado Mental), presença de depressão (EGD-30 – Escala Geriátrica de Depressão) e Qualidade de Vida (SF36) e também entrevistas.  Estima-se que no Brasil até 2025, este estará num ranking do 6º pais com maior número de idosos.
  3. 3. Fatores que influenciarão ao envelhecimento com qualidade de vida:  Genéticos  Habitacionais  Educacionais  Culturais  Hábitos alimentares  Trabalho  Atividade físicas  a construção de uma imagem mais positiva do envelhecimento (Fator crucial)
  4. 4. Outros fatores: O apoio e suporte dos entes queridos auxiliam para uma certa confiança do idoso o que irá promover neste idoso uma nova autoestima influenciando sua qualidade de vida. As políticas públicas também dever exercer seu papel, construindo espaços apropriados com ambientes onde possam desfrutar do lazer e interagir com outras pessoas e trocas de experiências
  5. 5. Instrumentos de avaliação:  MEEM – dividido em 5 sessões (orientação, memória imediata, atenção e cálculo, evocação e linguagem), permite avaliação global da cognição do idoso. Onde o escore máximo permitido é de 30 pontos, sendo o idoso classificado de acordo com sua escolaridade.  EGU-30 – Muito utilizado para o rastreamento da depressão em idoso. Sendo um instrumento simples que permite essa utilização até mesmo com doentes, pois contem 30 itens e as perguntas tem sim e não como opção de resposta. Escores acima de 10 estão relacionados a depressão, sendo de 11 a 19 considerado o idoso como moderadamente deprimido, e escore entre 20 a 30 gravemente deprimido.  SF 36 – questionário que avalia a percepção de uma doença no ponto de vista da própria pessoa. Avalia aspectos de qualidade de vida diretamente relacionados a saúde do indivíduo, composto por 36 perguntas, organizado em 8 dimensões de saúde: capacidade funcional, aspecto físico, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais e saúde mental.  Entrevistas em profundidade: entrevista semiestruturada contendo 6 questões abertas, que foram construídas de acordo com os objetivos do estudo
  6. 6. Resultados  Com base nas entrevistas semiestruturadas, após a leitura e categorização ficou clara, na fala das idosas, a predominância de qualidade de vida relacionado aos hábitos alimentares saudáveis e a prática de atividade física. Muitos relataram além disso, que a participação no grupo de 3ª idade e o lazer são fatores que influenciam em sua qualidade de vida, diminuindo também a incidência de depressão, e a ideia de estar próximo aos familiares e ter fé em deus contribuíram para uma vida saudável.  verificou-se que a incidência de depressão e defict cognitivo entre as idosas foi baixa, o que está relacionado com suas participações nestes grupos.
  7. 7.  O processo de envelhecimento apesar de ser um processo de ordem natural na vida do ser humano, ainda é atribuído a fatores negativos e preconceitos. Porém, esse estudo mostrou ser possível envelhecer com qualidade de vida e autonomia. Os grupos de 3ª idade mostrou ser um espaço de lazer e descontração, onde por meio da música, dança, atividades recreativas proporcionam o convívio social, e o sentimento de autonomia, elevando assim a autoestima das idosas, e que muito contribui para uma baixa incidência de depressão e uma alternativa para a manutenção das funções cognitivas, tendo assim uma grande melhora na qualidade de vida dessas idosas.

×