Análise de dois conjuntos residenciais

4.675 visualizações

Publicada em

Analise de dois conjuntos residenciais para a disciplina de Projeto de Arquitetura e Urbanismo II - 2º período

  • Seja o primeiro a comentar

Análise de dois conjuntos residenciais

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORACURSO DE ARQUITETURA E URBANISMODISCIPLINA PROJETO IIPROFª BÁRBARA BOTELHO/MAURO CAMPELLO Alunos: Fabricio Sacramento Juliana Vitral Steves Rocha
  2. 2. apresentação 2003 Joan Villá e Silvia Chile CONDOMÍNIO 1938Flávio de Carvalho CONJUNTO DE CASAS DA ALAMEDA LORENA
  3. 3. Conjunto Residencial Cotia/SP - 2003 Joan Villá e Silvia Chile
  4. 4. 1.ANÁLISE DA FORMA Implantação / contexto / inserção da construção no lote / inserção urbana – PARTIDO:• O conjunto residencial está implantado em um terreno de 3,2 mil m2 na cidade de Cotia-SP. O aclive do terreno determinou a execução de três patamares, assentando três blocos uniformes com casas geminadas, distribuídas de maneira linear, compondo um total de 24 residências unifamiliares.• Essa pequena verticalização resultou em uma área total de 95 m2 para cada unidade (60 m2 de casa mais 35 m2 de terraço coberto)• Se destaca no contexto da arquitetura para habitação popular por se tratar de edificação de qualidade por baixo custo.• O partido adotado foi a própria topografia do terreno desenvolvendo o projeto de forma a permitir boa insolação, ventilação e visibilidade a todas as unidades do condomínio.
  5. 5. 1.ANÁLISE DA FORMA Volumes e massas.• Cada casa geminada compõe um corpo único disposto em dois pavimentos com terraço coberto• Dividido verticalmente para duas residências idênticas.• Os volumes dos pavimentos se diferenciam pelas cores e posições.• Um volume forma o térreo da casa constituído por sala, cozinha e lavanderia e um pequeno quintal ao fundo, o segundo volume é formado pelos quartos e banheiro e a cima dele se localiza o terraço coberto por telhas metálicas.• Os corpos se interligam através de escadas internas e externas.• O formato é compacto de linhas retas, destacando- se no alto as telhas metálicas do tipo borboleta com calha central que conferem leveza a base de cerâmica
  6. 6. 1.ANÁLISE DA FORMA Luz, cores e texturas.• A edificação é constituída por sistema de painéis pré fabricados de tijolos cerâmicos com acabamento em chapisco e pintura texturizada : cor vermelha no térreo e pavimentos superiores nas cores amarela, verde ou azul.• As cores diferenciadas destacam a fachada do entorno, conferem maior identidade às unidades.• Os guarda-corpos, calhas e pilares externos são metálicos e pintados na cor branca, conferindo um contraponto à pintura das fachadas.
  7. 7. 1.ANÁLISE DA FORMA Relações de simetria / equilíbrio / dominância.• A simetria é percebida na planta, pois traçando-se um eixo sobre a estrutura da planta baixa, percebe-se um arranjo equilibrado com elementos semelhantes em ambos os ladosDeterminação de eixos visuais.• O eixo visual é estabelecido através da disposição simétrica das formas e espaços tanto na fachada quanto na planta baixa.
  8. 8. 1.ANÁLISE DA FORMA Organização e Estruturação da Forma e do Espaços e Princípios de ordem:• A organização é linear, com uma seqüência de espaços repetitivos e adjacentes. As relações espaciais entre os desníveis da edificação se dão por meio de escadas internas e externas.• Apesar de constituir um corpo único que se complementa, os espaços se encontram nitidamente separados e setorizados.• Na estruturação do volume, o ritmo está marcado pelos espaços retangulares regulares e pela verticalização Proporção e Traçados Reguladores.• As linhas reguladoras são percebidas conferindo um alinhamento comum à construção, controlando a proporcionalidade e semelhança entre os cômodos da residência, mantendo um ritmo constante no todo
  9. 9. 1.ANÁLISE DA FORMA Análise das fachadas: relação cheio x vazios.• Apresenta uma maior área de elementos sólidos representados pelo térreo e o primeiro pavimento, apresentado vazios no terraço coberto. Fundamentos: Percepção e Equilíbrio; Tamanho, Medida e Escala.• Apresenta uma proporcionalidade com a escala humana nas partes e medidas compactas ajustadas as necessidades básicas humanas.• A área construída é de 95 m 2 (verticalizado) - melhor aproveitamento do terreno.• Cada unidade possui pequeno quintal ao fundo e pequeno jardim a frente comum as casas geminadas.
  10. 10. 1.ANÁLISE DA FORMA Pensamento Arquitetônico: Intenção Compositiva.• A intenção de habitação econômica de qualidade está presente através da utilização do sistema de blocos pré- fabricados de tijolos cerâmicos montados por mão-de-obra não-especializada, treinada no próprio canteiro de obras.
  11. 11. 2.ANÁLISE DA FUNÇÃOSetorização – Distribuição de setores
  12. 12. 2.ANÁLISE DA FUNÇÃOEsquema distributivo: circulações
  13. 13. 2.ANÁLISE DA FUNÇÃOFluxograma: blocos de função LAZERSOCIAL ÍNTIMO SERVIÇOS
  14. 14. 3.ANÁLISE DOS ESPAÇOS Relação espaços cobertos x não cobertos.• O volume é totalmente coberto, exceto a áreas externas de quintal e jardim. Relação espaços abertos x fechados.• Espaços sociais, íntimos e de serviço são fechados e o terraço aberto.
  15. 15. 3.ANÁLISE DOS ESPAÇOS Características, qualidades e defeitos dos espaços no projeto. Pontos positivos:• Casa bem setorizada, mantendo a privacidade dos usuários e autonomia dos setores.• Aproveitamento da laje : utilizada como área para estender roupas e realização de churrascos e festas , além de ser uma área de possível expansão da casa• Bom aproveitamento da topografia do terreno e integração com a casa;• Utilização de sistema de construção econômico (R$ 304 reais o m 2 com custo total de 30 mil reais incluindo urbanização e terreno)• Pequeno quintal e jardim Pontos negativos:• A residência não é acessível;• Poucas janelas no segundo pavimento;• Único banheiro localizado na área íntima da casa ;
  16. 16. 4.ANÁLISE DAS TÉCNICAS• Sistema estrutural : sistema de painéis pré fabricados de tijolos cerâmicos• Detalhes construtivos: cobertura metálica com calha central do tipo borboleta. Acesso ao primeiro pavimento por escada interna de painéis cerâmicos e acesso ao terraço por escada metálica externa. Os guarda-corpos, calhas e pilares externos também são metálicos• Materiais e acabamentos: painéis cerâmicos com acabamento em chapisco e pintura texturizada• Conforto ambiental: A criação de três patamares, cada um com um bloco de casas , melhorou a ventilação, a iluminação e a visibilidade, independentemente do posicionamento de cada unidade.
  17. 17. Casas Alameda Lorena São Paulo - 1938 Flávio de carvalho
  18. 18. 1.ANÁLISE DA FORMA Casas Alameda Lorena Implantação / contexto / inserção da construção no lote / inserção urbana – PARTIDO:•A implantação do conjunto se dá no bairroJardim Paulista, na cidade de São Paulo,próximo à Av. Paulista, e junto com mais trêsbairros forma a nobre região paulistanaconhecida como JARDINS;•Contexto Urbano;•Primeiros momentos da arquitetura modernabrasileira;•O conjunto está implantado em um terrenoplano que não sofreu adaptações profundas parareceber as edificações;•O terreno foi parcelado em 17 lotes e recebeuuma rua interna.
  19. 19. 1.ANÁLISE DA FORMA Casas Alameda Lorena Volumes e massas.•O volume se divide no anexode serviço e na habitaçãocujo bloco de arestasarredondadas e destaquepara a massa que emergedesse volume maior e avançasobre o recuo frontal do lote.•O volume é assentado noterreno com recuos frontais elaterais nas duas primeirastipologias de planta.•Já na terceira tipologia osvolumes possuem apenaslinhas retas.
  20. 20. 1.ANÁLISE DA FORMA Casas Alameda Lorena Formatos:•O formato é compacto, linhasretas e arestas arredondadas. Luz, cores e texturas:• as cores se resumem nobranco. A textura é lisa.Poucas sombras Relação cheio x vazios:•Prevalência de cheios sobrevazios, com destaque parajanelas predominantementeverticais e outras recortadasnas arestas curvas,
  21. 21. 1.ANÁLISE DA FORMA Casas Alameda Lorena Relações de simetria / equilíbrio / dominância:•A simetria é quebrada pelasmassas salientes, quetambém por serem lançadassobre o recuo dasedificações, provocam umasensação de desequilíbrio.Contudo isso, existe aindauma dominância dosalinhamentos dos blocos deforma bastante cartesiana
  22. 22. 1.ANÁLISE DA FORMA Casas Alameda Lorena Determinação de eixos visuais:•Nas fachadas das tipologiasindependentes, observamosuma proporção dos eixoshorizontais e verticais dafachada.•Já na tipologia geminada, estáclaro a predominância do eixohorizontal sobre o vertical.Fundamentos: Percepção eEquilíbrio; Tamanho, Medida e Escala:•Visualmente, apesar dagrandiosidade do todoobservamos umaproporcionalidade com aescala humana nas partes.
  23. 23. 1.ANÁLISE DA FORMA Casas Alameda Lorena Organização e Estruturação da Forma e do Espaços e Princípios de ordem:•A organização é concentrada, com umasequência de espaços que circundam a escadade acesso aos dois pavimentos das residências.•As relações espaciais entre os dois volumes daedificação se dá com uma interligação nomesmo nível do terreno. São espaçosadjacentes, nos quais, de um lado está aresidência da família e de outro a residência deempregados.•Na estruturação do volume, o ritmo estámarcado pelos pavimentos cujo superior seamplia sobre inferior para abrigar a circulação depedestres e a garagem, no caso das tipologiasindependentes. E o mesmo não ocorre no casodas geminadas, onde os pavimentos possuem amesma projeção.
  24. 24. 1.ANÁLISE DA FORMA Casa das 11 Casas Alameda Lorena mulheres Pensamento Arquitetônico:Intenção Compositiva.O pensar arquitetônicocomo um todo,desenvolvendo desde ainserção do projeto namalha urbana atédetalhes como odesenho dos ladrilhos.Assim também há apreocupação em educaros moradores a partirdas novasconsiderações de vidamoderna.
  25. 25. 2.ANÁLISE DA FUNÇÃO Casas Alameda Lorena CIRCULAÇÃO
  26. 26. 2.ANÁLISE DA FUNÇÃO Casas Alameda Lorena Fluxuograma
  27. 27. 2.ANÁLISE DA FUNÇÃO Casas Alameda Lorena SETORIZAÇÃO
  28. 28. Casas Alameda Lorena3.ANÁLISE DO ESPAÇO Características, qualidades e defeitos dos espaços no projeto. Pontos negativos:Largura reduzida das portas externas;Corredores com 80 cm de largura;Pé direito duplo faz ligação visual da área social com a área íntima ; Pontos positivos:Relação do morador com a rua;Tipologias diversas que criam a individualidade do morador;
  29. 29. Casas Alameda Lorena4.ANÁLISE DAS TÉCNICAS sistemas estruturais: alvenaria auto-portante e laje plana que funciona como terraço Detalhes construtivos: Janelas rasgadas e a cabine frontal são os destaques externos. Materiais e acabamentos: Ladrilho desenhado pelo próprio arquiteto, textura do reboco externo espatulado Conforto ambiental: orientação, insolação, ventilação. Apesar do planfeto divulgar características positivas relativas à conforto ambiental, observamos que todas fachadas orientadas ou não ao sol não possuem nenhum tipo de brise. E nos estudos iniciais de Flávio de Carvalho não constava a orientação solar.
  30. 30. FONTES:1) ROSSETTI, Carolina Pierotti. Vila América – conjunto de casas da alameda Lorena , um modernismo brasileiro – novembro 20042) SULAMITA, Fonseca Lino. O modernismo com sabor local: contatos, trocas e misturas na arquitetura e nas artes brasileiras - UFMG

×