SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Alunos:
Daniane Teodoro
Jorge Henrique
Lorrane Rabelo
Michele Rosa
Stefany da Silva
TRANSTORNO BIPOLAR
Centro de Ensino Superior de Catalão
Resumo
 Serão apresentadas algumas reflexões sobre transtorno bipolar, suas características,
seu tratamento e como funciona em crianças, adolescentes e adultos.
 Transtorno bipolar é um disturbio do cérebro que faz com que o indivíduo mude
rapidamente de humor, não conseguindo muitas vezes controlar suas ações, seus
desejos, suas compulsividades e até mesmo sua consciencia e emoção. Quem tem
transtorno bipolar tem muito mais chances de suicidar-se que uma pessoa sem
transtornos. Todos nós temos momentos em que as coisas ficam difíceis de serem
resolvidas e as vezes não conseguimos nem mesmo controlar nossas atitudes,
porém essas situações ficam muito mais complicadas para quem tem o transtorno
bipolar.
 A metodologia usada na elaboração deste trabalho foi realizada atraves de livros e
sites de pesquisas que contem o assunto sobre transtorno bipolar, ou simplesmente,
bipolaridade.
Introdução
 Transtorno bipolar é uma enfermidade na qual ocorrem alterações do humor, caracterizando-
se por períodos de um quadro depressivo, que se alteram com períodos de quadros opostos,
isto é, a pessoa se sente eufórica (mania). Tanto o período de depressão quanto da mania
podem durar semanas, meses ou anos. O termo mania não significa “repetição de hábitos”,
mas sintomas de euforia.
 O Transtorno do Humor pode ocorrer, ao longo da vida, dentro de um curso bipolar ou
unipolar. O curso unipolar refere-se a episódios somente de depressão e, no bipolar, depressão
e mania (euforia). O Transtorno Bipolar do Humor atinge de igual maneira homens e mulheres
em torno de 1% a 2% e, geralmente, em média de 20 a 30 anos de idade.
 O transtorno bipolar também pode atingir as crianças, manifestando-se com sintomas
predominantes de humor ansioso e irritável. O humor da pessoa oscila de muito eufórico para
muito triste.
 Como em outras doenças, o Transtorno Bipolar do Humor afeta não só quem o tem, mas
também o cônjuge, familiares, amigos e pessoas que convivem ao redor da pessoa que tem o
transtorno. Se depressão e a mania forem acompanhadas de alucinações (ouvir, ver, sentir o
que não existe) e delírios (pensamentos irreais à realidade), trata-se do subtipo psicótico.
 As pessoas que sofrem de Transtorno Bipolar levam, em média, 8 anos antes de serem
diagnosticadas ou receberem tratamento adequado, o que pode causar grande sofrimento e
perdas.
Transtorno Bipolar
 Transtorno bipolar até pouco tempo era conhecido como maníaco-depressivo,
porém esse termo foi abandonmado devido estudos que evidenciaram que este
transtorno não apresenta sintomas psicóticos ou seja a perda de contato com a
realidade. Algumas pessoas que possuem transtorno de humor sofrem tanto de
depressão quanto de "mania".
 Mania é um termo usado para ser entendido como uma facilidade a fazer muitas
vezes a mesma coisa. Em psiquiatria significa um estado exaltado de humor, ou
euforia.
 A depressão do transtorno bipolar pode ser reconhecida como a mesma depressão
conhecida na sociedade, porém com tratamentos diferentes.
 O indivíduo que contém os períodos de mania tem um comportamento oposto de
quem tem a depressão.
Sintomas da Mania
 Humor
- Período longo sentindo-se exageradamente feliz;
- Extremamente irritado;
- Sentindo muito Agitado.
 Comportamento
- Fala rapidamente;
- Muda de assunto constantemente, tendo pensamentos rápidos;
- Inicia novos projetos, aumenta as atividades;
- Não se cansa facilmente;
- Distraído por motivos banais;
- É impulsivo se envolve em atividades prazerosas, perigosas de alto risco, como por
exemplo, gasta tudo que tem, sexo impulsivo, investimentos impulsivos nos negócios.
Características
 Esse transtorno geralmente se inicia em média de 20 a 30 anos de idade, porém
quando se tem 70 anos também pode aparecer esse transtorno. O início pode ser
identificado tanto pela fase depressiva quanto pela fase de mania. Inicia - se ao
longo de semanas, meses, ou até mesmo dias.
 Enquanto cerca de 17% das mulheres adultas e 9% dos homens adultos na Europa
sofrem de depressão em algum momento em suas vidas, menos de 2% da
população teve um transtorno bipolar.
Entrevista com o médico e
professor de Psiquiatria na
Universidade de São Paulo,
Valentim Gentil Filho
 //Filhos de pessoas com transtorno bipolar apresentam possibilidade maior de
desenvolver essa patologia?
 Sabe-se, desde a Antiguidade, que a existência de um caso de transtorno bipolar
numa família aumenta a possibilidade de que a enfermidade se manifeste em
outros membros da mesma família. O desenvolvimento da genética permitiu
analisar grande número de gêmeos nos quais a patologia torna-se mais evidente.
Gêmeos idênticos, ou monozigóticos, possuem genoma absolutamente igual, mas
apenas em 80% dos casos os dois irmãos apresentam quadros de euforia e
depressão. Embora a porcentagem seja elevada, 20% não manifestam o
problema. Cabe perguntar, então, se fatores extragenéticos interferem nesse
resultado. Sim e não. Uma vez que ninguém expressa seu genoma completamente,
pode-se deduzir que, apesar da carga genética idêntica, só num dos gêmeos ela
encontrou as condições necessárias para o desenvolvimento da patologia que
certamente depende da interação de tais fatores com o ambiente. Não se pode
deixar de considerar também que, além da predisposição e vulnerabilidade
geneticamente determinadas, certas situações contribuem para a eclosão ou
precipitação do problema.
 //Existe relação clara entre o uso de cafeína e o transtorno bipolar?
 O uso excessivo de cafeína pode produzir convulsão e algumas pessoas ingerem,
todos os dias, quantidades absurdas dessa substância. Cheguei a conhecer uma
que tomava 14 litros de coca-cola num único dia e era difícil distinguir seu
comportamento do de um indivíduo com transtorno bipolar.
 //E para que as pessoas usam cafeína?
 Para ficarem acordadas, com mais energia e ânimo, mais alerta. Trata-se, então,
de um agente externo, consumido como se fosse alimento, que estimula o humor.
No que se refere às drogas ilícitas (cocaína, crack, anfetaminas), seu uso aumenta
o risco de desenvolver a primeira crise, assim como aumenta a frequência das
recorrências, que tendem a tornar-se autônomas, fenômeno já apontado na
Antiguidade.
IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO
PRECOCE
 //O diagnóstico de transtorno bipolar em crianças e adolescentes, pouco
frequente no passado, cresceu bastante nos últimos tempos. O que justifica essa
mudança?
 Trabalho com transtorno do humor desde que me formei, há 32 anos, e só me dei
conta de que ele pode manifestar-se na infância há cerca de 10 anos. Por
circunstâncias diversas, os psiquiatras de adultos receberam menor treinamento em
psiquiatria infantil, uma área na qual ainda predominam conceitos talvez já
superados. Por isso, os casos de transtorno bipolar ficavam mais evidentes na
adolescência quando, em geral, era feito o diagnóstico. No entanto, se
enfocarmos a história desses adolescentes e ouvirmos seus pais, encontraremos
evidências muito precoces de alteração de humor, irritabilidade, distúrbio do sono
e hiperatividade.
POSSIBILIDADES DE TRATAMENTO
 //Há tratamentos eficazes para o transtorno bipolar atualmente?
 Há tratamentos tão eficazes quanto os existentes em qualquer outra área da
medicina. Sua aplicação possibilita, em poucas semanas, reverter um quadro
grave de euforia. A doença não tem cura, mas as pessoas melhoram, recebem
alta e reassumem suas atividades. Se não se expuseram demais e não ficaram
estigmatizadas pelo comportamento aberrante, serão acolhidas como alguém
que teve um desequilíbrio metabólico qualquer ou uma ausência provocada pela
ingestão de drogas. Isso se consegue com medicamentos (neurolépticos,
antipsicóticos, estabilizadores do humor) e a retirada de certas substâncias
(cafeína, cocaína, anfetaminas) que agravam o quadro. O risco de recaída ou de
evoluir para depressão existe e é preciso estar atento ao uso de medicamentos
antidepressivos que, embora eficazes, podem precipitar uma virada indesejável
para a euforia ou acelerar a frequência das crises.
 //A pessoa precisa sempre estar medicada para levar vida normal?
 Por quanto tempo a pessoa deve tomar lítio para levar vida normal é discussão
constante na literatura. Nos EUA, existe um centro de informações do qual
constam 35.000 artigos que tratam da utilização do lítio nos mais diferentes
campos, entre eles, a prevenção da recorrência dos transtornos bipolares. Além
disso, está provado que a associação do lítio com anticonvulsivantes e
antidepressivos previne recaídas. O lastimável, porém, é que apenas uma parcela
pequena da população tenha acesso a esse tratamento.
TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA
 //Observando o comportamento dos filhos, como os pais podem identificar sinais
de transtorno bipolar?
 Se, desde que nasceu, a criança apresenta um temperamento mais eufórico, é
cheia de energia e criatividade, mas não perturba ninguém nem a si mesma, isso
faz parte de sua personalidade, é normal e não deve ser coibido. Agora, se ela é
instável demais e repentinamente oscila entre a euforia e a depressão, a apatia e
a hiperatividade, se nada justifica seu estado de excitação e euforia, a falta de
sono, a empolgação e há casos de transtorno bipolar ou mesmo de depressões
decorrentes na família, os pais devem procurar ajuda. O problema, porém, é o
risco de encontrar apenas quem dê explicações lógicas para o comportamento
da criança. A lógica pode explicar muita coisa, mas nem tudo o que é lógico é
normal.
POSSIBILIDADES DE TRATAMENTO NA INFÂNCIA
 Tratar crianças com transtorno bipolar não é fácil, mas, atualmente, pelo menos é
possível. O primeiro passo, em geral, é prescrever medicamentos. Depois vem a
psicoterapia individual, a terapia familiar e as mudanças no estilo de vida.
TRANSTORNO BIPOLAR NA ADOLESCÊNCIA
 //Você disse que as crianças têm múltiplos episódios de depressão e excitação
num único dia e que, nos adultos, a doença manifesta-se em ciclos bem mais
longos. E na adolescência, o que acontece?
 Na adolescência, o quadro clínico costuma surgir a partir dos 15 anos e tem
características muito diferentes das que se observam na infância. O pico de
incidência, porém, ocorre entre 18 e 25 anos. É nesse período que, em geral, os
jovens estão sob maior estresse, mais inseguros e indefinidos, violentamente
bombardeados pelos hormônios. É também nesse período da vida que se expõem
mais a comportamentos de risco, a sexualidade explode e as drogas o seduzem. É
nesse período, portanto, que fatores ambientais, constitucionais e genéticos
interagem favorecendo a eclosão do transtorno bipolar.
COMPORTAMENTO FAMILIAR
 //O que deve fazer a família diante de um caso como esses?
 Antes de tudo é preciso combater o medo, porque é ele que aparece primeiro.
Depois, é tentar não agir agressivamente contra a pessoa na fase de euforia. No
começo, ela é até engraçada, de pensamento ágil, criativa. Se os familiares não
estiverem inseguros e temerosos, poderão convencê-la a procurar atendimento
para um diagnóstico diferencial, a fim de eliminar possíveis causas imediatas da
doença. Se a intervenção ocorrer em 48 ou 72 horas, praticamente não haverá
prejuízo. O primeiro remédio que se receita hoje é uma visita a sites da internet
especializados em informar as pessoas sobre a regulação do humor, porque isso é
fundamental na manutenção do tratamento.
RECURSOS TERAPÊUTICOS
 Lítio – O tradicional esteio, atenua os sintomas através da regulação dos
neurotransmissores, mas não funciona para todas as pessoas.
 Medicamentos anticonvulsivantes – Inicialmente usados no tratamento da
epilepsia, esses medicamentos ajudam a controlar as crises de mania.
 Antipsicóticos atípicos – Medicamentos utilizados para ajudar os esquizofrênicos a
vencerem os delírios podem fazer o mesmo pelos bipolares.
 Antidepressivos – Apresentam o risco de aumentar os ciclos do transtorno bipolar,
mas seu uso pode ser necessário como parte da associação de medicamentos.
 Estilo de vida – Rotinas como, por exemplo, a fixação dos horários de dormir e
acordar, são fundamentais; o uso de cafeína deve ser restringido e os
adolescentes devem evitar o uso de drogas e álcool.
 Psicoterapia individual – Crianças precisam de aconselhamento para ajudá-las a
equilibrar o sono, a alimentação, o trabalho e a diversão; precisam também falar
sobre problemas em casa e resolver conflitos que possam desencadear as crises.
 Terapia familiar – Os pais devem aprender quando ceder – isto é crucial no início
do tratamento – e quando devem ser firmes. Contendas ou disputas familiares
devem ser reduzidas ao mínimo. Os irmãos podem servir como olhos e ouvidos
confiáveis para uma criança cujas percepções estão confusas.
Conclusão
Referências bibliográficas
 http://www.portaleducacao.com.br/psicologia/artigos/12407/transtorno-
bipolar?_kt=8494173369&gclid=CJea2oHg-LkCFTFo7AodtmQArg#ixzz2gacnHCVq
 http://drauziovarella.com.br/letras/t/transtorno-bipolar/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
Ligia Coppetti
 
Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?
adglm
 

Mais procurados (20)

Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivosTranstornos depressivos
Transtornos depressivos
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Transtorno Bipolar
Transtorno BipolarTranstorno Bipolar
Transtorno Bipolar
 
Aprwesentação vida adulta (1)
Aprwesentação   vida adulta (1)Aprwesentação   vida adulta (1)
Aprwesentação vida adulta (1)
 
Depressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e AdolescênciaDepressão Infância e Adolescência
Depressão Infância e Adolescência
 
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofreniaTranstornos do pensamento: esquizofrenia
Transtornos do pensamento: esquizofrenia
 
Perturbação Bipolar
Perturbação BipolarPerturbação Bipolar
Perturbação Bipolar
 
Estresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedadeEstresse ou ansiedade
Estresse ou ansiedade
 
Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?Como Manejar a Ansiedade?
Como Manejar a Ansiedade?
 
Transtornos do humor
Transtornos do humorTranstornos do humor
Transtornos do humor
 
Transtornos de personalidade DSM 4 e TCC
Transtornos de personalidade DSM 4 e TCCTranstornos de personalidade DSM 4 e TCC
Transtornos de personalidade DSM 4 e TCC
 
Dependência QuíMica
 Dependência QuíMica Dependência QuíMica
Dependência QuíMica
 
Bipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptxBipolaridade.pptx
Bipolaridade.pptx
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
 
Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Ansiedade
AnsiedadeAnsiedade
Ansiedade
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?Bipolar Apresentação final?
Bipolar Apresentação final?
 

Destaque

Trastorno bipolar
Trastorno bipolarTrastorno bipolar
Trastorno bipolar
sergioman9
 
Transtorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo ITranstorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo I
adglm
 
Bipolaridade
BipolaridadeBipolaridade
Bipolaridade
Taipauli
 
JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)
JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)
JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)
Kei Harada
 
Novas Regras Gramaticais
Novas Regras GramaticaisNovas Regras Gramaticais
Novas Regras Gramaticais
maiazita
 
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1
Tiago Rafael
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
edi
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
Ana Lopes
 

Destaque (20)

Transtorno bipolar
Transtorno bipolarTranstorno bipolar
Transtorno bipolar
 
Trastorno bipolar
Trastorno bipolarTrastorno bipolar
Trastorno bipolar
 
Trastorno Bipolar
Trastorno BipolarTrastorno Bipolar
Trastorno Bipolar
 
Trastorno Bipolar
Trastorno BipolarTrastorno Bipolar
Trastorno Bipolar
 
Transtorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo ITranstorno Bipolar tipo I
Transtorno Bipolar tipo I
 
Diapositivas de trastorno bipolar
Diapositivas de trastorno bipolar Diapositivas de trastorno bipolar
Diapositivas de trastorno bipolar
 
Bipolaridade
BipolaridadeBipolaridade
Bipolaridade
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)
JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)
JSK神奈川主催 パワーポイント実践講座~メインスライド~(2012.05.19)
 
Novas Regras Gramaticais
Novas Regras GramaticaisNovas Regras Gramaticais
Novas Regras Gramaticais
 
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 4 - 3º ANO VOL.1
 
Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
 
Demência
DemênciaDemência
Demência
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
 
Hidrocefalia
HidrocefaliaHidrocefalia
Hidrocefalia
 
Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem Transtorno de humor - Enfermagem
Transtorno de humor - Enfermagem
 
Vida adulta intermediária
Vida adulta intermediáriaVida adulta intermediária
Vida adulta intermediária
 
Trastorno bipolar
Trastorno bipolar Trastorno bipolar
Trastorno bipolar
 
Poliomelite
PoliomelitePoliomelite
Poliomelite
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 

Semelhante a Transtorno Bipolar

Desktop
DesktopDesktop
Desktop
edu197
 
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentesTranstorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
gisa_legal
 
slide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptxslide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptx
BLACKNET4
 
Tra. oti
Tra. otiTra. oti
Tra. oti
9589
 
slide TDAH completo sem preconceito e com ciências
slide TDAH completo sem preconceito e com ciênciasslide TDAH completo sem preconceito e com ciências
slide TDAH completo sem preconceito e com ciências
NiltonClara
 

Semelhante a Transtorno Bipolar (20)

Transtorno bibolar
Transtorno bibolarTranstorno bibolar
Transtorno bibolar
 
Desktop
DesktopDesktop
Desktop
 
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentesTranstorno depressivo em crianças e adolescentes
Transtorno depressivo em crianças e adolescentes
 
Esquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridadeEsquizofrenia e bipolaridade
Esquizofrenia e bipolaridade
 
Transtorno bipolar saúde mental
Transtorno bipolar saúde mental  Transtorno bipolar saúde mental
Transtorno bipolar saúde mental
 
slide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptxslide TDAH completo.ppt.pptx
slide TDAH completo.ppt.pptx
 
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
 
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na EpilepsiaUso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
 
Tra. oti
Tra. otiTra. oti
Tra. oti
 
Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos
Esquizofrenia e outros transtornos psicóticosEsquizofrenia e outros transtornos psicóticos
Esquizofrenia e outros transtornos psicóticos
 
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
TRANSTORNO BIPOLAR E DE ANSIEDADE.
 
A esquizofrenia
A esquizofreniaA esquizofrenia
A esquizofrenia
 
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdfTRANSTORNO DELIRANTE.pdf
TRANSTORNO DELIRANTE.pdf
 
slide TDAH completo sem preconceito e com ciências
slide TDAH completo sem preconceito e com ciênciasslide TDAH completo sem preconceito e com ciências
slide TDAH completo sem preconceito e com ciências
 
Transtornos mentais
 Transtornos mentais Transtornos mentais
Transtornos mentais
 
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdfWebpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
Webpalestra_TranstornosMentais Infância_Adolescência.pdf
 
criancaemedicacao
criancaemedicacaocriancaemedicacao
criancaemedicacao
 
H.5 esquizofrenia-portuguese-2016
H.5 esquizofrenia-portuguese-2016H.5 esquizofrenia-portuguese-2016
H.5 esquizofrenia-portuguese-2016
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
 
PRIMEIRA AULA.pdf
PRIMEIRA AULA.pdfPRIMEIRA AULA.pdf
PRIMEIRA AULA.pdf
 

Transtorno Bipolar

  • 1. Alunos: Daniane Teodoro Jorge Henrique Lorrane Rabelo Michele Rosa Stefany da Silva TRANSTORNO BIPOLAR Centro de Ensino Superior de Catalão
  • 2. Resumo  Serão apresentadas algumas reflexões sobre transtorno bipolar, suas características, seu tratamento e como funciona em crianças, adolescentes e adultos.  Transtorno bipolar é um disturbio do cérebro que faz com que o indivíduo mude rapidamente de humor, não conseguindo muitas vezes controlar suas ações, seus desejos, suas compulsividades e até mesmo sua consciencia e emoção. Quem tem transtorno bipolar tem muito mais chances de suicidar-se que uma pessoa sem transtornos. Todos nós temos momentos em que as coisas ficam difíceis de serem resolvidas e as vezes não conseguimos nem mesmo controlar nossas atitudes, porém essas situações ficam muito mais complicadas para quem tem o transtorno bipolar.  A metodologia usada na elaboração deste trabalho foi realizada atraves de livros e sites de pesquisas que contem o assunto sobre transtorno bipolar, ou simplesmente, bipolaridade.
  • 3. Introdução  Transtorno bipolar é uma enfermidade na qual ocorrem alterações do humor, caracterizando- se por períodos de um quadro depressivo, que se alteram com períodos de quadros opostos, isto é, a pessoa se sente eufórica (mania). Tanto o período de depressão quanto da mania podem durar semanas, meses ou anos. O termo mania não significa “repetição de hábitos”, mas sintomas de euforia.  O Transtorno do Humor pode ocorrer, ao longo da vida, dentro de um curso bipolar ou unipolar. O curso unipolar refere-se a episódios somente de depressão e, no bipolar, depressão e mania (euforia). O Transtorno Bipolar do Humor atinge de igual maneira homens e mulheres em torno de 1% a 2% e, geralmente, em média de 20 a 30 anos de idade.  O transtorno bipolar também pode atingir as crianças, manifestando-se com sintomas predominantes de humor ansioso e irritável. O humor da pessoa oscila de muito eufórico para muito triste.  Como em outras doenças, o Transtorno Bipolar do Humor afeta não só quem o tem, mas também o cônjuge, familiares, amigos e pessoas que convivem ao redor da pessoa que tem o transtorno. Se depressão e a mania forem acompanhadas de alucinações (ouvir, ver, sentir o que não existe) e delírios (pensamentos irreais à realidade), trata-se do subtipo psicótico.  As pessoas que sofrem de Transtorno Bipolar levam, em média, 8 anos antes de serem diagnosticadas ou receberem tratamento adequado, o que pode causar grande sofrimento e perdas.
  • 4. Transtorno Bipolar  Transtorno bipolar até pouco tempo era conhecido como maníaco-depressivo, porém esse termo foi abandonmado devido estudos que evidenciaram que este transtorno não apresenta sintomas psicóticos ou seja a perda de contato com a realidade. Algumas pessoas que possuem transtorno de humor sofrem tanto de depressão quanto de "mania".  Mania é um termo usado para ser entendido como uma facilidade a fazer muitas vezes a mesma coisa. Em psiquiatria significa um estado exaltado de humor, ou euforia.  A depressão do transtorno bipolar pode ser reconhecida como a mesma depressão conhecida na sociedade, porém com tratamentos diferentes.  O indivíduo que contém os períodos de mania tem um comportamento oposto de quem tem a depressão.
  • 5. Sintomas da Mania  Humor - Período longo sentindo-se exageradamente feliz; - Extremamente irritado; - Sentindo muito Agitado.  Comportamento - Fala rapidamente; - Muda de assunto constantemente, tendo pensamentos rápidos; - Inicia novos projetos, aumenta as atividades; - Não se cansa facilmente; - Distraído por motivos banais; - É impulsivo se envolve em atividades prazerosas, perigosas de alto risco, como por exemplo, gasta tudo que tem, sexo impulsivo, investimentos impulsivos nos negócios.
  • 6. Características  Esse transtorno geralmente se inicia em média de 20 a 30 anos de idade, porém quando se tem 70 anos também pode aparecer esse transtorno. O início pode ser identificado tanto pela fase depressiva quanto pela fase de mania. Inicia - se ao longo de semanas, meses, ou até mesmo dias.  Enquanto cerca de 17% das mulheres adultas e 9% dos homens adultos na Europa sofrem de depressão em algum momento em suas vidas, menos de 2% da população teve um transtorno bipolar.
  • 7. Entrevista com o médico e professor de Psiquiatria na Universidade de São Paulo, Valentim Gentil Filho
  • 8.  //Filhos de pessoas com transtorno bipolar apresentam possibilidade maior de desenvolver essa patologia?  Sabe-se, desde a Antiguidade, que a existência de um caso de transtorno bipolar numa família aumenta a possibilidade de que a enfermidade se manifeste em outros membros da mesma família. O desenvolvimento da genética permitiu analisar grande número de gêmeos nos quais a patologia torna-se mais evidente. Gêmeos idênticos, ou monozigóticos, possuem genoma absolutamente igual, mas apenas em 80% dos casos os dois irmãos apresentam quadros de euforia e depressão. Embora a porcentagem seja elevada, 20% não manifestam o problema. Cabe perguntar, então, se fatores extragenéticos interferem nesse resultado. Sim e não. Uma vez que ninguém expressa seu genoma completamente, pode-se deduzir que, apesar da carga genética idêntica, só num dos gêmeos ela encontrou as condições necessárias para o desenvolvimento da patologia que certamente depende da interação de tais fatores com o ambiente. Não se pode deixar de considerar também que, além da predisposição e vulnerabilidade geneticamente determinadas, certas situações contribuem para a eclosão ou precipitação do problema.
  • 9.  //Existe relação clara entre o uso de cafeína e o transtorno bipolar?  O uso excessivo de cafeína pode produzir convulsão e algumas pessoas ingerem, todos os dias, quantidades absurdas dessa substância. Cheguei a conhecer uma que tomava 14 litros de coca-cola num único dia e era difícil distinguir seu comportamento do de um indivíduo com transtorno bipolar.  //E para que as pessoas usam cafeína?  Para ficarem acordadas, com mais energia e ânimo, mais alerta. Trata-se, então, de um agente externo, consumido como se fosse alimento, que estimula o humor. No que se refere às drogas ilícitas (cocaína, crack, anfetaminas), seu uso aumenta o risco de desenvolver a primeira crise, assim como aumenta a frequência das recorrências, que tendem a tornar-se autônomas, fenômeno já apontado na Antiguidade.
  • 10. IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO PRECOCE  //O diagnóstico de transtorno bipolar em crianças e adolescentes, pouco frequente no passado, cresceu bastante nos últimos tempos. O que justifica essa mudança?  Trabalho com transtorno do humor desde que me formei, há 32 anos, e só me dei conta de que ele pode manifestar-se na infância há cerca de 10 anos. Por circunstâncias diversas, os psiquiatras de adultos receberam menor treinamento em psiquiatria infantil, uma área na qual ainda predominam conceitos talvez já superados. Por isso, os casos de transtorno bipolar ficavam mais evidentes na adolescência quando, em geral, era feito o diagnóstico. No entanto, se enfocarmos a história desses adolescentes e ouvirmos seus pais, encontraremos evidências muito precoces de alteração de humor, irritabilidade, distúrbio do sono e hiperatividade.
  • 11. POSSIBILIDADES DE TRATAMENTO  //Há tratamentos eficazes para o transtorno bipolar atualmente?  Há tratamentos tão eficazes quanto os existentes em qualquer outra área da medicina. Sua aplicação possibilita, em poucas semanas, reverter um quadro grave de euforia. A doença não tem cura, mas as pessoas melhoram, recebem alta e reassumem suas atividades. Se não se expuseram demais e não ficaram estigmatizadas pelo comportamento aberrante, serão acolhidas como alguém que teve um desequilíbrio metabólico qualquer ou uma ausência provocada pela ingestão de drogas. Isso se consegue com medicamentos (neurolépticos, antipsicóticos, estabilizadores do humor) e a retirada de certas substâncias (cafeína, cocaína, anfetaminas) que agravam o quadro. O risco de recaída ou de evoluir para depressão existe e é preciso estar atento ao uso de medicamentos antidepressivos que, embora eficazes, podem precipitar uma virada indesejável para a euforia ou acelerar a frequência das crises.
  • 12.  //A pessoa precisa sempre estar medicada para levar vida normal?  Por quanto tempo a pessoa deve tomar lítio para levar vida normal é discussão constante na literatura. Nos EUA, existe um centro de informações do qual constam 35.000 artigos que tratam da utilização do lítio nos mais diferentes campos, entre eles, a prevenção da recorrência dos transtornos bipolares. Além disso, está provado que a associação do lítio com anticonvulsivantes e antidepressivos previne recaídas. O lastimável, porém, é que apenas uma parcela pequena da população tenha acesso a esse tratamento.
  • 13. TRANSTORNO BIPOLAR NA INFÂNCIA  //Observando o comportamento dos filhos, como os pais podem identificar sinais de transtorno bipolar?  Se, desde que nasceu, a criança apresenta um temperamento mais eufórico, é cheia de energia e criatividade, mas não perturba ninguém nem a si mesma, isso faz parte de sua personalidade, é normal e não deve ser coibido. Agora, se ela é instável demais e repentinamente oscila entre a euforia e a depressão, a apatia e a hiperatividade, se nada justifica seu estado de excitação e euforia, a falta de sono, a empolgação e há casos de transtorno bipolar ou mesmo de depressões decorrentes na família, os pais devem procurar ajuda. O problema, porém, é o risco de encontrar apenas quem dê explicações lógicas para o comportamento da criança. A lógica pode explicar muita coisa, mas nem tudo o que é lógico é normal.
  • 14. POSSIBILIDADES DE TRATAMENTO NA INFÂNCIA  Tratar crianças com transtorno bipolar não é fácil, mas, atualmente, pelo menos é possível. O primeiro passo, em geral, é prescrever medicamentos. Depois vem a psicoterapia individual, a terapia familiar e as mudanças no estilo de vida.
  • 15. TRANSTORNO BIPOLAR NA ADOLESCÊNCIA  //Você disse que as crianças têm múltiplos episódios de depressão e excitação num único dia e que, nos adultos, a doença manifesta-se em ciclos bem mais longos. E na adolescência, o que acontece?  Na adolescência, o quadro clínico costuma surgir a partir dos 15 anos e tem características muito diferentes das que se observam na infância. O pico de incidência, porém, ocorre entre 18 e 25 anos. É nesse período que, em geral, os jovens estão sob maior estresse, mais inseguros e indefinidos, violentamente bombardeados pelos hormônios. É também nesse período da vida que se expõem mais a comportamentos de risco, a sexualidade explode e as drogas o seduzem. É nesse período, portanto, que fatores ambientais, constitucionais e genéticos interagem favorecendo a eclosão do transtorno bipolar.
  • 16. COMPORTAMENTO FAMILIAR  //O que deve fazer a família diante de um caso como esses?  Antes de tudo é preciso combater o medo, porque é ele que aparece primeiro. Depois, é tentar não agir agressivamente contra a pessoa na fase de euforia. No começo, ela é até engraçada, de pensamento ágil, criativa. Se os familiares não estiverem inseguros e temerosos, poderão convencê-la a procurar atendimento para um diagnóstico diferencial, a fim de eliminar possíveis causas imediatas da doença. Se a intervenção ocorrer em 48 ou 72 horas, praticamente não haverá prejuízo. O primeiro remédio que se receita hoje é uma visita a sites da internet especializados em informar as pessoas sobre a regulação do humor, porque isso é fundamental na manutenção do tratamento.
  • 17. RECURSOS TERAPÊUTICOS  Lítio – O tradicional esteio, atenua os sintomas através da regulação dos neurotransmissores, mas não funciona para todas as pessoas.  Medicamentos anticonvulsivantes – Inicialmente usados no tratamento da epilepsia, esses medicamentos ajudam a controlar as crises de mania.  Antipsicóticos atípicos – Medicamentos utilizados para ajudar os esquizofrênicos a vencerem os delírios podem fazer o mesmo pelos bipolares.  Antidepressivos – Apresentam o risco de aumentar os ciclos do transtorno bipolar, mas seu uso pode ser necessário como parte da associação de medicamentos.
  • 18.  Estilo de vida – Rotinas como, por exemplo, a fixação dos horários de dormir e acordar, são fundamentais; o uso de cafeína deve ser restringido e os adolescentes devem evitar o uso de drogas e álcool.  Psicoterapia individual – Crianças precisam de aconselhamento para ajudá-las a equilibrar o sono, a alimentação, o trabalho e a diversão; precisam também falar sobre problemas em casa e resolver conflitos que possam desencadear as crises.  Terapia familiar – Os pais devem aprender quando ceder – isto é crucial no início do tratamento – e quando devem ser firmes. Contendas ou disputas familiares devem ser reduzidas ao mínimo. Os irmãos podem servir como olhos e ouvidos confiáveis para uma criança cujas percepções estão confusas.