Teatro Grego

15.382 visualizações

Publicada em

2 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.382
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.020
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
422
Comentários
2
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Teatro Grego

  1. 1. Teatro Grego Teatro de Dioniso – Atenas – 2011 Foto: Virginia M. Riccobene
  2. 2. Contexto Histórico-Social – Século VIa.Co Centro Cultural – Ática;o Primórdios da Democracia.
  3. 3. Os Festivais – Caráter Religioso eCivilo 561 a.C. – Pisístrato- Grandes Dionisias (Dionisíacas Urbanas);o Leneias;o Dionisias Rurais.
  4. 4. Duração dos FestivaisSegundo PEREIRA, os festivais duravamaproximadamente 5 dias.1º dia – προςόδιυμ – Procissão(sacrifícios, libações e Competição deDitirambos);2º dia – Competição de Ditirambos;3º dia – 3 Tragédias + 1 Drama Satírico + 1Comédia4º dia – 3 Tragédias + 1 Drama Satírico + 1Comédia5º dia – 3 Tragédias + 1 Drama Satírico + 1Comédia
  5. 5. Espaço para a performance: TeatroSegundo MALHADAS, o espaço para a performancedramática é dividida em:- θέατρον – “Théatron” - Plateia semicircular de madeiraapoiada em uma colina;- ὀρχήςτρα – “Orchestra” – Reservado ao coro para ocanto e dança (pista circular onde se erguia o altar deDioniso);- ςκηνή – “Skene” – Camarim (const. retangular demadeira) – Para outros autores, também é considerado olugar onde há a representação dos personagens;- λογεῖον – Palco onde os atores representavam ;- πάροδοι – “Parodoi” – Entre o theatron e a skene, ondeo coro tinha acesso à orchestra e o público ao theatron.
  6. 6. Espaço para a performance: Teatro
  7. 7. Teatro de Dioniso – Atenas –2011Foto: Virginia M. Riccobene
  8. 8. Teatro de Dioniso – Vista da Acrópole –Atenas – 2011Foto: Virginia M. Riccobene
  9. 9. Teatro de Dioniso – Atenas –2011
  10. 10. Teatro de Dioniso – Atenas –2011
  11. 11. Teatro de Herodes – Atenas– 2011Foto: Virginia M. Riccobene
  12. 12. Teatro de EpidauroFoto: Greice
  13. 13. Medeia – Teatro de EpidauroFoto: Greice Drumond
  14. 14. Teatro de Delfos
  15. 15. Teatro deDelos
  16. 16. TeatroDodoni
  17. 17. Gênero Trágico“É, pois, a tragédia, uma representação [mímesis] deuma ação séria e completa, com uma determinadaextensão e uma linguagem ornamentada, [...] compersonagens que atuam, e não por meio denarrativa, e, através da piedade e do terror, realiza acatarse desses sentimentos.” (Poét., VI, 1449b23-28)
  18. 18. Nascimento do Gênero TrágicoSegundo ROMILLY e JONES, o nascimento dogênero trágico deu-se entre 536 e 533 a.C. comTéspis, mas não possuímos nenhuma obra sua.
  19. 19. Origem da Tragédiao Elemento Religioso: Culto a Dioniso;o Elemento Político: Fundido com a religiosidadeatravés da própria instituição dos festivais, poistinha como plano de fundo uma “questão” política.o τραγωδία = τράγοσ + ῳδή = TRAGÉDIA
  20. 20. Estrutura das Peças Trágicas- Prólogo: “Parte que antecede a peça propriamentedita [...]. Trata-se de uma espécie de “prefácio” dapeça, no qual só se é correto falar ao público de algoque esteja fora da intriga e seja do interesse do poetae da própria peça.” (PAVIS)- Párodo: Entrada do coro;- Episódios: Ação realizada pelos atores separadospor trechos líricos executados pelo coro;- Stasima: Cantos corais que intercalavam com osepisódios
  21. 21. Tema da TragédiaDe acordo com JONES e ROMILLY, o tema datragédia é proveniente do mito da Epopeia, mascom características novas de acordo com onovo contexto social da Atenas do V século.
  22. 22. CoroColetivo;Canta;Dança;Elemento mais importante da tragédia;Une religião e política;Reflexão, conselho, exortação;Segundo ROMILLY: “impotente”.
  23. 23. Personagens – AtorIndividual;Enuncia, declama;Não dança, fica firme;Pode encenar vários personagens;Antes de Ésquilo: Um personagem;Ésquilo: Acrescentou mais um personagem;Sófocles: Acrescentou mais um, totalizandotrês;“Responsáveis” pela ação.
  24. 24. Tragediógrafoso Ésquilo;o Sófocles;o Eurípides.
  25. 25. SófoclesÁjaxAntígonaAs traquíniasÉdipo ReiElectraFiloctetesÉdipo em Colono
  26. 26. Gênero Cômico“A comédia é, como dissemos, imitação dehomens inferiores; não, todavia, quanto a toda aespécie de vícios, mas só quanto àquela parte dotorpe que é o ridículo. O ridículo é apenas certodefeito, torpeza anódina e inocente; que bem odemonstra, por exemplo, a máscaracômica, que, sendo feia e disforme, não tem[expressão de] dor.” (Poét., V, 1449a34-37)
  27. 27. Gênero CômicoComédia Antiga – V séc. a.C.Comédia Intermediária – IV séc. a. C.Comédia Nova – III séc. a. C.
  28. 28. Nascimento do Gênero CômicoKômos (invectiva pessoal) – elemento jocoso + ode;Fertilidade: aiskhrologia (vocabulárioobsceno), escatologia (elementos finais –fezes, gazes, arrotos);Introduzida aos festivais dramáticos em 486 a.C;Contexto histórico: Hegemonia e democraciaateniense – liberdade de expressão total.
  29. 29. Estrutura das Peças Cômicas- Prólogo: Apresentação da peça; o “herói” fala da ideia genialque ele teve, mas que geralmente não são aceitas;- Párodo: Entrada do coro – função de adjuvante – auxilia ou seopõe ao herói – árbitro;- Agón (seção) – competição – debate de ideias;- Parábase: pausa na ação da peça - os atores e o coro secolocam de lado no sentido físico e estrutural. O CORIFEUcomeça a falar em nome do autor. Fala sobre as questõesurgentes da cidade. – Caráter pedagógico;- Episódios: em muitas peças, consistem em “sketches”. Mostramas consequências e resultados da ação do herói;- Estásimos: fazem a passagem de um episódio para outro;
  30. 30. Temas da ComédiaTem como enredo uma distinção muitogrande com relação a tragédia: a comédia éinovadora, pois não se baseia no mito.Faz referência direta a política e aosindivíduos políticos.Fala do contexto histórico do seu tempo.
  31. 31. PersonagensHeróis - As pessoas do povo, os não aristocratas“inferiores”; “piores” no sentido da origem(aiskhrologia, obscenidade);Nomes dos personagens: vem antes do “éthos”(caráter);Todas as personagens da comédia são de ação;O herói passa do infortúnio para ofortúnio, diferentemente da tragédia, que é ocontrário.
  32. 32. CoroDe acordo BRANDÃO, o corodesempenha, na primeira parte da peça, emque o“herói” propõe uma mudança, o papel de ator.Na segunda parte, o de porta-voz do poetapor meio de um de seus componentes – ocorifeu - durante a parábase.
  33. 33. Coro: Dançarinos com enchimento no abdômen e nas nádegas.Vaso coríntio de figuras negras. Data: Século VII.Copenhagen, Nationalmuseet.
  34. 34. Auleta e coro teatral de cavaleiros. Ânfora ática de figurasnegras. Data: -550/-525. Berlim, Antikensammlung. Foto:Janice Siegel, 2003.
  35. 35. ComediógrafosAristófanes – Comédia Antiga e deTransiçãoMenandro – Comédia Nova
  36. 36. AristófanesAcarnenses (425)Cavaleiros (424)Nuvens (423)Vespas (422)Paz (421)Aves (414)Lisístrata (411)Tesmoforiantes (411)Rãs (405)Assembleia de Mulheres(392)Pluto (388)
  37. 37. BibliografiaARISTÓTELES. Poética. Tradução de Eudoro de Souza. São Paulo: ArsPoetica, 1993.JONES, Peter V. (org.). O mundo de Atenas: uma introdução à culturaclássica ateniense. Tradução Ana Lia de Almeida Prado. São Paulo:Martins Fontes, 1997.LESKY, A. A Tragédia Grega. Tradução de J. Guinsburg; GeraldoGerson de Souza;Alberto Gulzik. São Paulo: Perspectiva, 1992. [Col. Debates]MALHADAS, Daisi. Tragédia Grega: o mito em cena. São Paulo: AteliêEditorial, 2003.PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. Trad.: J. Guinsburg e Maria LúciaPereira. 3 ed. São Paulo:Perspectiva, 2007 [1987].PEREIRA, Maria H. da Rocha. Estudos de História da Cultura Clássica:Cultura Grega. 7ª ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1993.ROMILLY, Jacqueline de. A Tragédia Grega. Tradução de Ivo Martinazzo.Brasília:Universidade de Brasília, 1998. [1970]VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e Tragédia na

×