ÍNDICEBRASSCOM DECONVERGÊNCIADIGITAL – 6ª Edição 2012                           1
Associação Brasileira das Empresas de Tecnologiada Informação e Comunicação (Brasscom)PRESIDENTE DO CONSELHOLaércio Cosent...
APRESENTAÇÃOO Índice BRASCOM de Convergência Digital - IBCD é uma iniciativa da AssociaçãoBrasileira das Empresas de Tecno...
SUMÁRIO05 ........................... INFORMAÇÕES PRELIMINARES06 ..............................Formação do índice07 .........
INFORMAÇÕES PRELIMINARESOBJETIVOS     • Oferecer às empresas um instrumento                                  • Comparar a ...
FORMAÇÃO DO ÍNDICEO IBCD é constituído pela análise de               convergência digital.uma série de indicadores associa...
CENÁRIO DE TIC NO BRASILO mercado brasileiro de Tecnologia da In-                              destaque de 2011 foi a band...
Outra tendência potencial para 2012, a                                  com queda acentuada da participação dautilização d...
Competitividade e inovação tem uma                                         •	 91,6 milhões (2011) é a baserelação muito gr...
A seguir, estão apresentados alguns gráficos que ilustram as informações apresen-tadas no balanço do cenário de TIC no Bra...
Penetração de Banda Larga Móvel  Ranking Mundial de Acesso a Internet - Brasil e Alguns Países - Domicilios com Internet (...
Importação e Exportação – Alta Tecnologia Ranking Mundial de Acesso a Internet - Brasil e Alguns Países - Domicilios com I...
Índice Global de InovaçãoRanking do Índice Global de InovaçãoDez Países com melhor avaliação e o Brasil (Pontuação de 0 a ...
CONFIGURAÇÃO DO ÍNDICE                  Demonstração do Índice - 6ª Edição                                                ...
REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO IBCD - 2012                                                      Hardware                        ...
ANÁLISE DO ÍNDICEA pontuação do Índice de 7,03 (de                                              milhões para 31,9.uma esca...
Desafios para o pleno                                                 A velocidade média do acesso a Bandadesenvolvimento ...
TIC BRASIL NO CENÁRIO INTERNACIONALAssim como ocorreu nas edições                                           digitais. Como...
Ranking e pontuação E-Readiness 2012 e 2010-2011                                                 Posição (de 142) Nota Pos...
Índice de Competitividade do Setor             constante. A posse de PC cresceu,de TI                                     ...
Índice de Competitividade da Indústria de TI - 2011                                                                       ...
Estudo ICT - Development Index                                            das tarifas de celular em comparação            ...
ICT - Índice de Desenvolvimento das TIC - 201010,00 9,00     8,40      8,23      8,06       7,97        7,87 8,00 7,00 6,0...
Índice de Prontidão da Banda Larga Móvel - IPBLM                                                 Classificação Geral      ...
INDICADORES SOCIOECONÔMICOSO conjunto de indicadores                                               de 2011, caiu para 9,75...
PIB do Brasil e Outros Países      Crescimento Mundial do PIB - 2012 e 2013 - Projeções do FMI                            ...
IPCA / Inflação- Brasil e Outros Países     Taxa de Inflação 2012 - Brasil e Outros Países (%)         Alemanha           ...
Taxa de Juros Reais - Brasil e Outros Países (em %)   As dez maiores taxas de juros descontada a inflação projetada para o...
Carga Tributária - Brasil e Outros Países   Carga tributária - Peso dos Tributos   Brasil e Outros Países45,00%40,00%   38...
A taxa de desemprego do País vem                                          enquanto os informais tiveram reduçãocaindo desd...
Evolução de Taxa de Desocupação - BrasilEvolução da Taxa de Desocupação no Brasil (%)  12,9            12,8          12,1 ...
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Ibcd 2012,  6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ibcd 2012, 6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital

1.614 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.614
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
184
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ibcd 2012, 6ª edição, Índice Brasscom de Convergência Digital

  1. 1. ÍNDICEBRASSCOM DECONVERGÊNCIADIGITAL – 6ª Edição 2012 1
  2. 2. Associação Brasileira das Empresas de Tecnologiada Informação e Comunicação (Brasscom)PRESIDENTE DO CONSELHOLaércio CosentinoPRESIDENTEAntonio GilDIRETORESEdmundo OliveiraNelson WortsmanSergio PessoaSergio SgobbiÍndice Brasscom de Convergência Digital - IBCDREALIZAÇÃOBrasscomELABORAÇÃORCR Consultoria e Gestão EmpresarialEQUIPE TÉCNICA - BRASSCOMCoordenação geral: Nelson WortsmanSupervisão: Luís Senise e Mariana De FeliceEQUIPE TÉCNICA - RCR CONSULTORIAElaboração: Roberto RamosAnalistas:Adriany AiresAndré AbreuDiogo SantosJurandy SantosRodrigo CoutoTiago MeloBrasscomRua Funchal, 263, Conjunto 151CEP: 04551-060 - São Paulo, SP - BrasilTelefone: 11 3053.9100Fax: 11 3053.9115www.brasscom.org.br 2
  3. 3. APRESENTAÇÃOO Índice BRASCOM de Convergência Digital - IBCD é uma iniciativa da AssociaçãoBrasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (BRASSCOM),desenvolvido pela RCR Consultoria e Gestão Empresarial.Este Índice foi idealizado com o objetivo de acompanhar o crescimento do Paísem Tecnologia da Informação (TI), inovação e convergência digital, como estágioseconômicos da sociedade do conhecimento e da informação.Para os gestores públicos, o IBCD é um instrumento de análise que pode auxiliarna tomada de decisões para a formulação de políticas públicas associadas aodesenvolvimento de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).Para empresários e executivos, o Índice contribui como um modelo de apreciação darealidade e uma ferramenta de planejamento e orientação para o mercado.Para pesquisadores de universidades e centros de pesquisas, permite inúmerasoportunidades de análise, contemplando o desenvolvimento de TIC e estabelecendoa correlação entre seus indicadores e o crescimento da convergência digital no País. 3
  4. 4. SUMÁRIO05 ........................... INFORMAÇÕES PRELIMINARES06 ..............................Formação do índice07 ..............................Cenário de TIC no Brasil14 ..............................Configuração do Índice05 ..............................Representação gráfica do IBCD 201216 ..............................Análise do índice18 ........................... TIC BRASIL NO CENÁRIO INTERNACIONAL25 ........................... INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICO37............................ INDICADORES DE ACESSO ÀS TIC PELA POPULAÇÃO40 ........................... ANÁLISE DOS INDICADORES DO ÍNDICE45 ..............................Telecomunicações50 ..............................Mídia, Entretenimento e Redes Sociais56 ..............................Acesso a produtos e serviços por meio digital62...............................Plataforma Tecnológica72 ..............................Software75 ..............................Serviços de TI80 ..............................Inclusão e Formação86 ..............................Formação Superior em TI94 ..............................TI na Educação 4
  5. 5. INFORMAÇÕES PRELIMINARESOBJETIVOS • Oferecer às empresas um instrumento • Comparar a realidade brasileira com as de suporte para a construção de expectativas futuras da convergência estratégias e formulação de políticas digital, estabelecendo referências voltadas ao desenvolvimento da com o grau de desenvolvimento de convergência digital no Brasil. TIC em outros países. • Favorecer a evolução da convergência • Contribuir com a avaliação de digital a partir de análises conjunturais tendências e oportunidades de periódicas, contemplando a sua mercado e na criação de políticas para cadeia produtiva e setores associados. o setor de TIC. • Permitir à sociedade o • Analisar o ambiente da convergência acompanhamento de práticas digital no País por meio de favoráveis à convergência digital indicadores, integrando as suas e à evolução de políticas públicas diversas dimensões. adotadas para o seu desenvolvimento.METODOLOGIAOs indicadores que formam o IBCD fonte e referendada pelo mercado.são elaborados a partir da análise deséries históricas, estudos e publicações Para suprir as lacunas temporais dede referência envolvendo uma extensa alguns indicadores, o IBCD analisa opesquisa. A sexta edição tem como foco comportamento das séries históricas ea análise da evolução de indicadores realiza projeções para os anos seguintes,contemplando o período do segundo com base na taxa média geométrica anualtrimestre 20101, até o primeiro de crescimento do indicador avaliado.semestre de 20122. O escopo do IBCD é constituído pelasA sexta edição do IBCD incorporou seguintes etapas:novos indicadores associados à dinâmicade crescimento de TIC no País, como − Apresentação e análise dos resultadosa utilização de smartphones e tablets; do Brasil em termos de desenvolvimentoo crescimento das redes sociais; de TI e convergência digital.a ampliação de possibilidades de − Análise de publicações internacionaisentretenimento com jogos eletrônicos associadas ao desenvolvimento de TI edigitais e o mercado de e-books; e a convergência digital, que avaliaram odinamização de cloud computing. Brasil em comparação com outros países. − Análise do contexto socioeconômicoNeste estudo, um indicador é do País e suas implicações com oconsiderado válido quando provém de desenvolvimento de TI e convergênciadados de fontes oficiais (PNAD, IBGE, digital.PINTEC, POF, INEP, MDIC, MCTI, MC,ANATEL, entre outras) ou quando a sua − Apresentação e análise das dimensõespublicação é checada por mais de uma e indicadores que formam o IBCD.1 A última edição do IBCD analisou indicadores de TIC até o primeiro trimestre de 2010.2 Primeiro Trimestre de 2012: Apenas para os indicadores que tiveram publicação nesse período. 5
  6. 6. FORMAÇÃO DO ÍNDICEO IBCD é constituído pela análise de convergência digital.uma série de indicadores associadosàs seguintes dimensões que formam a − Formação e Inclusão: Indicadoresestrutura de TI e convergência digital. associados às dimensões de Inclusão Digital, Formação Superior em TI e− Ambiente da Convergência: TI na Educação. Demonstram comoIndicadores associados à Conectividade; as pessoas e as instituições estãoTelecomunicações; Mídia, incorporando TIC nas suas atividadesEntretenimento e Redes Sociais; e pessoais e profissionais, e como vemAcessos a Produtos e Serviços por evoluindo a formação de profissionaisMeio Digital. São os meios pelos quais para o mercado de TI e convergênciaas pessoas e as corporações utilizam e digital.percebem a influência da convergênciadigital nas suas vidas. O Índice é representado por uma pontuação, em uma escala de 1 a 10,− Plataforma Tecnológica: Composta decorrente da média ponderada dospor indicadores associados às indicadores associados a cada uma dasdimensões de Hardware e Cloud três dimensões. Quanto maior for aComputing, Software e Serviços de representação do índice nesta escala,TI. Forma a estrutura de suporte maior será o grau de evolução de TI etecnológico para as atividades de TI e convergência digital.ESTRUTURA DO ÍNDICE O Índice Contempla: Índices das Dimensões X Fator de Ponderação = 10 Dimensões Índice Brasil Para Convergência Digital 39 Indicadores 112 Critérios Índices das Dimensões Indicadores: Séries Históricas de Evolução e Pontuação das Dimensões Tendências X Fator de Ponderação Pontuação dos Indicadores X Fator de Ponderação Pontuação dos Critérios X Fator de Ponderação Critérios: A, B, C... Indicadores: A, B, C... Dimensões: A, B, C... 6
  7. 7. CENÁRIO DE TIC NO BRASILO mercado brasileiro de Tecnologia da In- destaque de 2011 foi a banda largaformação (TI) é o sétimo maior do mundo, móvel que cresceu 91%, projetando ocom faturamento de US$ 112 bilhões em Brasil entre os quatro países do mundo2011 - crescimento de 13% em relação com maior crescimento em milhões dea 2010 - e representação de 4,5% do acessos nesse ano.Produto Interno Bruto (PIB) nacional. So-mado a Comunicações, o setor brasileiro No mercado interno a demanda continuaráde Tecnologia da Informação e Comuni- aquecida nos segmentos empresarialcação (TIC) apresentou crescimento de e residencial nos próximos anos. O10,9%, movimentando US$ 212 bilhões. setor financeiro seguirá liderando osNo mercado de PCs (Notebooks, Desk- investimentos em TI, mas outras atividadestops e Netbooks), a expansão foi de 9%. da economia devem aumentar a demanda nesse campo, como telecomunicações,Para 2012, as projeções indicam cresci- em função da expansão da bandamento de 14% apenas para segmento TI larga de 3G e do início previsto para asbrasileiro, que cresce, em média, o dobro operações com 4G (2013 – 2014), alémda expansão do PIB do País. Ele é forte- de varejo, manufatura, serviços, saúde,mente influenciado pela demanda interna, educação, turismo, energia, infraestruturaque se manteve aquecida nos últimos anos e segurança. Os grandes eventos- as exportações de TI em 2011 alcançar- esportivos que o Brasil irá sediar, comoam U$ 2,65 bilhões, representando 2,3% a Copa do Mundo 2014 e as Olimpíadasdo faturamento total do mercado brasilei- 2016, também devem impulsionar osro de TI. A projeção média de crescimento investimentos em infraestrutura de TIdo mercado mundial no mesmo período é e aplicação de tecnologia em diversosde cerca de 5,0%. setores da economia.Um fator importante para o segmento de As tendências tecnológicas queTI no Brasil em 2011 foi a desoneração da despontarão em 2012 estão associadas aofolha de pagamentos, contemplada no crescimento das redes e dispositivos móveisPlano Brasil Maior, e que alterou a base (que demandarão soluções relacionadas àde cálculo da contribuição previdenciária, segurança de dados, principalmente porque incidia sobre 20% da folha de paga- parte das empresas); Cloud Computing,mento, para uma alíquota de 2% sobre o ancorada nos Data Centers quefaturamento. A medida reduz os custos continuarão se expandindo, assim comodas empresas e aumenta a competitivi- o surgimento de grandes unidades dedade do setor brasileiro no mundo, além Call Center (principalmente em capitaisde reduzir a informalidade, produzindo do Nordeste); Redes Sociais; e aplicativosum ambiente mais ético e saudável para voltados à mobilidade e arquiteturaos negócios e para os profissionais do de informações com foco em soluçõessegmento. empresariais, levando em conta também a consumerização3, isto é, o uso de aparelhosNo tocante às tecnologias, o grande pessoais no ambiente corporativo.3 Termo que define quando os funcionários levam seus dispositivos móveis e aplicativos para o trabalho. Com o crescimento do mercadode aplicativos móveis como os Tablets e os Smartphones e sua utilização em larga escala pelos funcionários, as empresas tendem a seadaptar para atender a novas plataformas, dando suporte a diferentes sistemas operacionais. A fragmentação dos aplicativos móveisremete para as empresas uma maior atenção a questões como: a segurança de dados coorporativos; dificuldades em gerir, administrar erentabilizar os novos ambientes; potencializar a produtividade dos funcionários que passarão a trabalhar de forma mais independente eremota; e, transformar a mobilidade em resultados concretos. 7
  8. 8. Outra tendência potencial para 2012, a com queda acentuada da participação dautilização de Big Data4 pelas empresas, indústria no último trimestre de 2011 e nopermanece como um desafio. Existe primeiro de 2012.tanto a dificuldade em entender a suadefinição, como em aplicar de forma O declínio da indústria brasileira vem seeficiente as suas possibilidades5. Ainda as- acentuando desde a década de oitenta,sim, projeções indicam que mais da meta- gerando um paradoxo. O emprego indus-de das empresas brasileiras de grande trial manteve-se estável, na faixa de 20%,porte poderão investir em soluções de mas houve redução na produtividadeBig Data em 2012. industrial, comprometendo a competitivi- dade do setor. Problemas como a quedaO Brasil enfrenta alguns desafios macro- nos investimentos físicos, redução da taxaeconômicos, como a desaceleração da de inovação, formação profissional insu-economia brasileira em relação à tendên- ficiente, infraestrutura ultrapassada e umcia de crescimento verificada nos últimos arcabouço complexo e defasado de leisdois anos - a previsão do PIB para 2012 trabalhistas e tributárias são recorrentesaponta para um crescimento inferior a no setor industrial e de difícil solução.20116. O fraco desempenho da indústria,o aumento do endividamento das famílias A balança comercial também traz preocu-e as projeções de um menor crescimento pação para a manutenção da estabilidadedo saldo da balança comercial para 2012 e do crescimento econômico no País. Assão fatores que influenciam na redução projeções do saldo para 2012 são meno-do PIB. res do que os resultados de 2011 e estão abaixo da média histórica dos últimos 10No cenário externo, o crescimento da anos. Completa esse quadro de fragili-economia dos Estados Unidos no primei- dades o crescimento do endividamentoro trimestre deste ano foi de apenas 1,9% das famílias que saltou de 18,39% em- inferior aos 2,2% anteriormente estima- 2005 para 43,20% em 2012 (abril) com-dos7. A economia da Índia teve no primei- prometendo, em média, 22,1% da rendaro trimestre de 2012 o seu pior desem- familiar.penho em nove anos8; a China reduziuo ritmo de crescimento; e no continente Entre 2007 e 2010, a participação daeuropeu países como a Itália e Espanha indústria na aquisição de softwares nodevem apresentar crescimento negativo mercado doméstico foi reduzida de 26%do PIB para 2012. para 20%. Por sua vez, a participação dos insumos importados para fabricaçãoO crescimento do PIB brasileiro em 2011 de equipamentos de informática saltoufoi menor do que dos países vizinhos de 49% em 2005 para 76,7% em 2011,da América do Sul, BRICs e México. enquanto que os valores da balança deSegundo estimativas do Fundo Monetário equipamentos de telecomunicaçõesInternacional, esse cenário se repetirá em entre 2006 e 2011 tiveram uma variação2012 e, só em 2013, o PIB do País voltará de 76% nas importações e de -59% nasa crescer na faixa de 4%. Além disso, o exportações. A recente desvalorização docrescimento do PIB ficou ancorado no dólar frente ao real contribuiu em muitoconsumo das famílias e nos investimentos, para esse desequilíbrio.4 Ainda não se tem um consenso sobre o que é Big Data, mas podemos definir como sendo a incorporação, movimentação e cruzamentode múltiplos conjuntos de dados on-line e off-line e, assim, permitindo uma abordagem holística da inteligência de negócios, processos,estratégia, etc.5 No levantamento feito pela empresa Connotate com gestores de agregação de dados nos Estados Unidos, no final de 2010, 21% dosentrevistados não sabiam como definir Big Data e 49% apresentaram entendimentos diferentes quanto a sua utilidade.6 Em 2010 o PIB o crescimento do PIB foi 7,5%, em 2011 2,7% e para 2012 a projeção é de 2,2%.7 Valor Econômico – Emprego e PIB indicam desaceleração nos EUA – 01.06.20128 Valor Econômico – Economia da Índica tem o pior desempenho dos últimos nove anos – 01.06.2012 8
  9. 9. Competitividade e inovação tem uma • 91,6 milhões (2011) é a baserelação muito grande entre si; ao se instalada de computadores (1analisar os países líderes nos resultados computador para cada 2 habitantes);do Índice Global de Inovação9 e Ranking • 15,4 milhões de PCs (Desktop ede Competitividade Global10, vemos que Notebook) foram comercializadosmuitos nomes se repetem, indicando que em 2011, o terceiro maior mercadoa inovação pode ser um fator gerador de do mundo;competitividade, e TIC pode contribuir • 44,1 milhões de acessos de telefoniacom ambos. fixa instalados sendo 30,2 milhões em serviço. Densidade de 22Outros desafios que se impõem para o aparelhos por 100 habitantes (Junhodesenvolvimento das TIC no País são: - 2012); • 256,1 milhões de celulares (Junho a. Capacitação e treinamento de - 2012), sendo 81,7% de pré- profissionais para suprir a demanda pagos e 18% de terceira geração do mercado; – 3G. Densidade de 130 por 100 b. Altos custos da mão de obra no Brasil; habitantes; c. Incentivo à inovação; • 58,7 milhões de acessos de banda d. Os preços elevados das tarifas de TIC; larga móvel (Junho - 2012) – Sendo e. Melhoria da infraestrutura de TIC; 90% 3G. Densidade de 29,8 por 100 habitantes;Mesmo considerando a importância de • 18,7 milhões de acessos de bandasetores como finanças, serviços e governo larga fixa (Junho - 2012). Densidadeeletrônico para o faturamento e o desen- de 8,5 por 100 habitantes;volvimento de TIC no Brasil, é importante • 14,5 milhões de assinantes deacompanhar o momento de estagnação TV por Assinatura (Junho 2012).do setor industrial e contribuir para sua Densidade de 6,5 por 100reversão. Nos países desenvolvidos, a in- habitantes;dústria tem sido o motor da inovação tec- • 35 milhões de usuários de jogosnológica (estratégica para TIC) em áreas digitais (2011);como mineração, química, construção • 49,9 milhões de usuários decivil, farmacêutica, militar, entre outras. Facebook (2012); • 31,9 milhões de E-consumidores.Indicadores Gerais de TIC no Brasil: Classe C representa 61% do faturamento (2011); • 41% de domicílios com computador • 23,6% das operações bancárias em e 38% com internet (2011); 2011 foram realizadas por Internet • 82,4 milhões de Internautas, dos Banking; quais 50,9 são considerados ativos • 54% das médias e grandes (maio / 2012)11; empresas utilizam recursos de cloud • 69% dos acessos individuais com computing (2011); banda larga são realizados nos domicílios e 28% em Lan Houses12;9 Índice Global de Inovação – INSAED - Índice que envolve 125 Países. O Brasil ficou na 47ª colocação subindovinte e uma posições em relação a 2010.10 Ranking de Competitividade Global – IMD - Ranking que envolve 59 Países. O Brasil ficou na 46ª colocaçãoperdendo duas posições em relação a 2010.11 Usuários que acessam a Internet em casa ou no local de trabalho pelo menos 1 vez no período de 30 dias.12 Pesquisa TIC Domicílios 2011 – NIC / BR 9
  10. 10. A seguir, estão apresentados alguns gráficos que ilustram as informações apresen-tadas no balanço do cenário de TIC no Brasil:Faturamento de TICMercado Total de TIC do Brasil2010 - 2011 Faturamento em US$ Bilhões 212 11,6% 191 2010 2011Fonte: BRASSCOM - IDCElaboração: RCR ConsultoriaFaturamento de TIMercado Total de TIC do Brasil2010 - 2011 Faturamento em US$ Bilhões 112 13,3% 99 2010 2011Fonte: BRASSCOM – IDCElaboração: RCR Consultoria 10
  11. 11. Penetração de Banda Larga Móvel Ranking Mundial de Acesso a Internet - Brasil e Alguns Países - Domicilios com Internet (em %) Primeiros do Ranking 97 94 92 Ranking BRICs Ranking 48 América Latina 38 41 37 31 17 16 8 3Suécia Islândia Dinamarca Rússia Brasil* Índia África do Sul Chile Uruguai Argentina México Peru Fonte: CPS / FGV - a partir do Gallup World Pool Nota 1: Ranking Gallup World Pool de 2010 - Brasil é 63º entre 154 países. Está exatamente acima da média mundial de países com Internet nos domicílios. Nota 2: Brasil* Atualizado - 2011 Elaboração: RCR Consultoria Insumos Importados Coeficiente de Insumos Importados pela Indústria Nacional em % 76,7% 56,0% 49,0% 22,4% 21,4% 17,2% 17,9% 15,4% 2,2% Indústria de Transformação Fabricação de Equipamentos Indústria de Máquinas e Equipamentos de Informática 2005 2008 2011 Fonte: FUNCEX / CNI Elaboração: RCR Consultoria 11
  12. 12. Importação e Exportação – Alta Tecnologia Ranking Mundial de Acesso a Internet - Brasil e Alguns Países - Domicilios com Internet (em %)18.000 15.59416.00014.000 13.145 12.657 Variação12.000 2011/2006 (%)10.000 9.461 9.100 8.873 Importação 8.000 76% 6.000 Exportação 3.579 -59% 4.000 2.862 2.871 2.045 1.750 1.464 2.000 - 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: PROTEC - Monitor de Déficit Tecnológico de 2011 Elaboração: RCR consultoria Ranking de Competitividade Global Ranking de Competitividade do IMD - Brasil e Países Selecionados (Pontuação de 0 a 100) 1º - Hong Kong 100,0 2º - Estados Unidos 97,8 3º - Suiça 96,7 4º - Singapura 95,9 5º - Suécia 91,4 23º - China 75,8 28º - Chile 71,3 35º - Índia 63,6 44º - Peru 58,7 46º - Brasil 56,6 48º - Rússia 55,2 50º - África do Sul 52,2 Fonte: Ranking de Competitividade Global - IMD Nota 1: Ranking que envolve 59 Países Nota 2: Em 2011 o Brasil caiu 2 posições em relação a 2010 Elaboração: RCR Consultoria 12
  13. 13. Índice Global de InovaçãoRanking do Índice Global de InovaçãoDez Países com melhor avaliação e o Brasil (Pontuação de 0 a 100) 1º - Suiça 63,8 2º - Suécia 62,2 3º - ingapura 59,6 4º - Hong Kong 58,8 5º - Finlândia 57,5 6º - Dinamarca 57,0 7º - Estados Unidos 56,6 8º - Canadá 56,3 9º - Holanda 56,3 10º - Reino Unido 56,0 47º - Brasil 37,3Fonte: Índice Global de Inovação - INSAEDNota 1: Índice que envolve 125 PaísesNota 2: Em 2011 o Brasil subiu 21 posições em relação a 2010Elaboração: RCR ConsultoriaReceita e Tributos – Telefonia CelularPercentual de Carga Tributária de Telecomunicações - Brasil e Outros Países Brasil 45,6% França 20,5% Reino Unido 17,5% China 17,0% Portugal 17,0% Espanha 16,0% México 15,0% Estados Unidos 12,0% Japão 5,0%Fonte: Teleco e ACEL - 2010Brasil: Dados de Março 2012Elaboração: RCR Consultoria 13
  14. 14. CONFIGURAÇÃO DO ÍNDICE Demonstração do Índice - 6ª Edição Índices das DIMENSÕES Dimensões 2012 Conectividade 7,81 Telecomunicações 7,83 Ambiente da Mídia, Entretenimento Convergência 6,00 e Redes Sociais Acesso a produtos e 6,80 serviços por meio Digital Hardware e Cloud Computing 7,78 Plataforma Software 7,95 Tecnológica Serviços de TI 8,15 Inclusão Digital 5,90 Inclusão e Formação Superior em TI 6,31 Formação TI na Educação 5,85 Índice BRASSCOM de Convergência Digital 7,04 14
  15. 15. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO IBCD - 2012 Hardware 10 Acesso a produtos e 7,78 Software serviços por meio digital 8 6,80 7,95 6Midia, Entretenimento e 4 8,15 Serviços de TI Redes Sociais 6,00 2 0 7,83 6,31 Telecomunicações Formação Superior em TI 5,85 5,90 7,81 Conectividade TI na Educação Inclusão Digital IBCD 6ª Edição 2012: 7,04 IBCD 5ª Edição 2010: 6,75 15
  16. 16. ANÁLISE DO ÍNDICEA pontuação do Índice de 7,03 (de milhões para 31,9.uma escala até 10) representou um • O país é o quinto no mundo por horascrescimento de 4,33% na comparação de visitas / mês em sites de compras.com o IBCD anterior (2010) que foi de • O Brasil recuperou duas posições no6,75. Ranking Mundial de E-Gov. O país era 61º lugar em 2010 e passou para oNo período entre 2010 e 2011 os 59º em 2011.principais indicadores de TIC no Brasil • Os investimentos do setor bancáriocresceram acima de dois dígitos. Os em TI cresceram 27% entre 2009 emaiores avanços verificados pelo IBCD 2011.foram relacionados aos indicadores • Crescimento na Comercialização dedo Ambiente da Convergência e a (2011 / 2010): PCs 10%; notebooksPlataforma Tecnológica. 21%; tablets 700%; smartphones 100%.Indicadores que contribuem para • A base instalada de computadoreso desenvolvimento de TIC no País: ampliou em 15% (91,6 Milhões em 2011). • Banda larga móvel teve um acréscimo • Faturamento de TIC em 2011 cresceu de 91% no número de acessos em 10,9%; TI 11,3%; Representa 4,3% 2011. do PIB-BR TI In-house13 corresponde • Banda larga fixa cresceu 19,6% (2011 a 23% do mercado de TIC e 44% do / 2010). mercado de TI. • Telefonia celular ampliou em 15% • Pequeno avanço do Brasil no combate (2011 / 2010). a Pirataria de Software, segundo • O Brasil é quarto mercado mundial de Ranking Mundial da BSA (de 54% em telefonia celular. 2010 para 53% em 2011). • TV por Assinatura teve crescimento • Crescimento de 8% dos usuários de de 30% (2011 / 2010). Internet (2011 / 2010). • Os investimentos com mídia On-line • 69% dos usuários de Internet acessam cresceram 25% (2011 / 2010). dos seus domicílios. • As redes sociais do Brasil registraram • Aumentou em 33% o número de maior crescimento no mundo em escolas de nível fundamental com 2011. acesso à Internet (2011 / 2010). • No ano de 2011 o Brasil se consolidou • Matrículas de educação profissional como um dos maiores utilizadores de de cresceram 60% entre 2007 e 2011. redes sociais no mundo”: é o segundo • Tecnologia foi o curso de educação país do mundo em acessos ao profissional com maior número de Facebook (49,9 milhões de usuários matrículas em 2011. em maio de 2012); o quarto em • 94% dos Professores e 66% dos acessos a rede Google+ (4,19 milhões alunos da educação básica possuem de usuários únicos em dezembro de computador nos domicílios. 2011); e o quarto país do ocidente em usuários de jogos eletrônicos digitais (35 milhões em 2011). • Aumentou em 36% o número de e-consumidores (2011 / 2010), de 23,413 TI in-house: TI desenvolvida pelo governo e por empresas de outros setores da economia. 16
  17. 17. Desafios para o pleno A velocidade média do acesso a Bandadesenvolvimento de TIC no País: Larga teve um crescimento baixo no último ano, chegando a 1,8 Mbps. Isso • A carga tributária de se deve ao crescimento da classe C, que Telecomunicações que corresponde com um poder aquisitivo maior incluiu-se a 45,5% sobre a receita líquida do digitalmente, mas preferindo velocidades setor é a mais alta do mundo. A baixas de conexão – seja pelo preço, seja carga Tributária média geral do país pela necessidade do novo usuário. Além é 33,9%. disso, houve uma explosão do uso de • As tarifas médias dos planos de modems 3G, que mais que dobrou em serviços de Banda Larga Móvel são 18 meses (de 21,5 milhões de acessos em mais altas do que em países vizinhos fins de 2010, para 56,4 em maio de 2012). da América do Sul e também da Por enquanto, o 3G brasileiro oferece Europa. velocidades máximas em planos de, em • O Brasil ainda detém a terceira média, que variam de 256kbps a 1Mbps; maior taxa de juros (real e nominal) apesar de já haver uma tecnologia 3G mais do mundo. avançada (conhecida como 3G+ ou 3,5G, • Cobertura de Banda Larga para oferece velocidades de 3Mbps, em média) municípios de até 50 mil habitantes desde o fim de 2011, ainda está pouco é inferior a 50%. difundida no país. Portanto, a velocidade • 45% dos acessos de Internet são média foi “puxada” para baixo. realizados com velocidades entre 512 Kbps e 2MB (insuficiente para o O desafio para o futuro próximo será o crescimento de TIC do País). de garantir a qualidade do crescimento • 49% das médias empresas de TIC no País, com maior atenção nos desconhecem Leis e incentivos seguintes aspectos: voltados a inovação. • 38% dos Domicílios possuem a. Melhoria da infraestrutura; Internet, mas o crescimento ocorre b. Desenvolvimento tecnológico; em um ritmo menor do que em c. Foco em Inovação Tecnológica e países vizinhos como Chile e Pesquisa e Desenvolvimento; Uruguai. d. Tornar o ambiente de negócios mais • Elevado índice de reclamações saudável; dos serviços de TIC na ANATEL e. Promover avanços na legislação; e PROCONS14, indicando baixa f. Empreendedorismo digital; e, qualidade do serviço. g. Promover a educação de qualidade • A defasagem de profissionais para em todos os níveis com integração a IBSS: Serão necessários 900 mil de TI às plataformas pedagógicas. novos profissionais até 202215 • O número de concluintes em cursos de nível superior direcionados à TIC (45,7 mil 2011) é insuficiente para atender a dinâmica do mercado; • Ensino básico (fundamental e médio): A relação é de 1 computador para uma média de 28 alunos por escola16.14 Ministério da Justiça 2010: Telefonia Fixa e Móvel responderam por 56% do total de reclamações dos PROCONS do País. Segundauma pesquisa da Consultoria CVA Solutions, divulgada para o Valor Econômico (edição de 14.06.2012) 70% dos usuários de serviços detelefonia móvel informaram desejo de mudar de operadora.15 Projeção da BRASSCOM16 Pesquisa TIC Escola 2011: Média de Computador por Escola = 25; Média de Alunos por Escola = 730; Relação de 1 computador paracada grupo de 28 alunos. 17
  18. 18. TIC BRASIL NO CENÁRIO INTERNACIONALAssim como ocorreu nas edições digitais. Como entraves, são apontadosanteriores do IBCD, foram analisados a excessiva burocracia para abrir umos dados de outros quatro estudos negócio, a carga tributária elevada e asinternacionais publicados ao longo de tarifas da telefonia móvel.2010 / 2011, e no primeiro trimestre de2012, que avaliaram o desempenho do Também identificou que os esforços doBrasil em comparação a outros países governo ainda não trouxeram grandesno tocante ao avanço de TIC17. resultados na solução de antigos problemas, como a existência de umAs sínteses dos estudos avaliados estão sistema educacional falho, consideradoapresentadas a seguir. uma das principais barreiras que afetam o desenvolvimento de TIC no Brasil.Networked Readiness Index 2012 Na comparação com os países daO estudo Global Information América Latina, o Brasil foi ultrapassadoTechnology Report 2012, elaborado pelo Chile (39º) e Uruguai (44º). Empelo Fórum Econômico Mundial em relação aos BRICS, supera apenasparceria com o Insead, avalia o uso de a Índia (69º). Nesse grupo a melhornovas tecnologias e seus impactos para colocação é da China (51º), seguidaa economia de 142 países. pela Rússia (56º). A tabela e o gráficoA pontuação indicada para um país a seguir apresentam os resultados dosreflete sua capacidade de aproveitar as cinco países com melhor avaliação, donovas tecnologias associadas à internet. Brasil, dos países mais desenvolvidos daDiversos aspectos são analisados, América Latina e dos demais BRICS.como ambiente regulatório, inovação,proteção à propriedade intelectual,acesso a telefones móveis, serviços deinternet e impacto do uso de TIC nocampo socioeconômico.Na edição veiculada em 2012, oBrasil obteve a pontuação de 3,92,classificado na 65º posição. Napublicação de 2010-2011 do estudo,envolvendo 138 países, o Brasil haviasubido cinco posições e ocupava a 56ªcolocação com a pontuação de 3,9.Entre os aspectos positivos do País, oestudo destaca o largo uso de TIC nasempresas e a capacidade de inovaçãodo mercado, os quais contribuem paraimpulsionar novos modelos de negócio17 A comparação de diferentes estudos deve ser relativizada, considerando que, embora possam apresentar algumas semelhanças nosseus objetivos, os critérios metodológicos e o sistema de classificação são distintos, além de se debruçar sobre contextos e realidadessocioeconômicas também distintas. 18
  19. 19. Ranking e pontuação E-Readiness 2012 e 2010-2011 Posição (de 142) Nota Posição (de 138) Nota País 2012 2012 2010-2011 2010-2011 Suécia 01 5,94 01 5,6 Singapura 02 5,85 02 5,59 Finlândia 03 5,81 03 5,43 Dinamarca 04 5,70 07 5,29 Suíça 05 5,61 04 5,33 Chile 39 4,44 39 4,28 Uruguai 44 4,28 45 4,06 China 51 4,11 36 4,35 Rússia 56 4,02 77 3,69 Brasil 65 3,92 56 3,90 Índia 69 3,89 48 4,03 México 76 3,82 78 3,69 Pontuação E-readiness Ranking - 20127,00 5,94 5,866,00 5,81 5,70 5,615,00 4,44 4,28 4,11 4,02 3,92 3,89 3,824,003,002,001,000,00 Suécia Singapura Finlândia Dinamarca Suíça Chile Uruguai China Rússia Brasil Índia México Fonte: The Global InformationTechnology Report 2012 e 2011-2010 Nota: 1 = “não, nem um pouco”; 7 = “sim, extremamente eficiente” Elaboração: RCR consultoria 19
  20. 20. Índice de Competitividade do Setor constante. A posse de PC cresceu,de TI assim como a penetração da telefonia celular, que ultrapassou 100% daO Índice de Competitividade do Setor população. Já a banda larga crescede TI avalia o ambiente de TI de 66 lentamente, o que retarda a absorçãopaíses, considerando os elementos de serviços de TI.facilitadores de competitividade edeterminando a sua importância Capital Humano:relativa no desempenho do setor. Aescala deste índice abrange valores Apesar do aumento no número deentre 0 (mínimo) e 100 (máximo). A matrículas e de formandos nas áreas deúltima edição foi publicada pelo BSA – ciências e engenharia, há receio de umaBusiness Software Alliance – em 2011, e futura escassez de profissionais de TItraz um comparativo entre 2009 e 2011. qualificados para atender a demanda.O Brasil foi classificado no 39º lugar, Ambiente de P&D:uma posição acima da que haviaalcançado em 2009. Em termos de Os gastos de P&D no setor públicopontuação, saltou de 36,6 para 39,5 e privado aumentaram, porém opontos. O Brasil segue logo atrás da governo realizou um grande corte noChina, mas à frente de outros países da orçamento para a área de ciências.América Latina, com exceção do Chile, Houve incremento também no númerolíder regional. de patentes requeridas.O Brasil foi destacado nos seguintes Ambiente Jurídico:aspectos: progresso alcançado nasáreas do capital humano, infraestrutura A proteção dos direitos autoraisde TI e ambiente jurídico; melhorias melhorou, no entanto o país aindaem ambiente de P&D e de negócios; permanece na Lista de Observaçãoe manutenção do suporte do governo Especial 301 da Representação para opara o desenvolvimento do setor. Comércio dos Estados Unidos.Por outro lado também foram Suporte ao Desenvolvimento do setorapontadas algumas inconsistências: de TI:Ambiente de Negócios: O Brasil subiu quatro degraus na classificação dessa categoria, emboraApesar de o setor ser classificado como isso se deva mais a queda na pontuação“inovador e sofisticado” na forma como dos outros países do que a umautiliza TIC, a pesada tributação do ambiente melhoria interna. A neutralidadede negócios permaneceu praticamente do governo no tocante a políticainalterada desde 2009 até 2011. tecnológica continua bem avaliada.Infraestrutura de TI:O País apresentou avanços eminfraestrutura, mas os gastos com TIcontinuaram a aumentar de forma 20
  21. 21. Índice de Competitividade da Indústria de TI - 2011 Alteração País 2011 Ranking (em relação a 2010) EUA 80,5 1 - Finlândia 72,0 2 - Singapura 69,8 3 +6 Suécia 69,4 4 -1 Reino Unido 68,1 5 +1 Chile 43,2 32 -5 Índia 41,6 34 +10 China 39,8 38 +1 Brasil 39,5 39 +1 México 37,0 44 +4 Argentina 36,2 45 -4 Rússia 35,2 46 -8Índice de Competitividade da Indústria de TI 2011 - Pontuação80,5 72,0 69,8 69,4 68,1 43,2 41,6 39,8 39,5 37,0 36,2 35,2EUA Finlândia Singapura Suécia Reino Chile Índia China Brasil México Argentina Rússia UnidoFonte: BSA - Análise Comparativa da Competitividade no Setor de TI em 2011Elaboração: RCR Consultoria 21
  22. 22. Estudo ICT - Development Index das tarifas de celular em comparação com a média mundial18.O estudo da ICT - InternacionalTelecommunications Union - é Na comparação entre os países dacomposto de 11 indicadores que América do Sul, Uruguai (54º), Chileconsideram o acesso e a utilização de (55º) e Argentina (56º) obtiveramTIC em 152 países e serve como modelo melhores colocações. Entre os BRICS,para obter melhores resultados no a Rússia (47º) foi melhor país avaliado,desenvolvimento do setor. seguido pelo Brasil (64º), China (80º) e Índia (116º). A tabela e o gráfico aDe acordo com a edição de 2011, seguir apresentam os resultados dosque apresenta dados comparativos cinco países com melhor avaliação, doentre os anos 2010 e 2008, o Brasil foi Brasil, dos países mais desenvolvidos daclassificado no 64º lugar. Embora tenha América Latina e dos demais BRICS.obtido uma melhoria na pontuação(3,72 em 2008 e 4,22 em 2010), o Paísperdeu duas posições em função de nãoter acompanhado a redução dos preços ICT - Índice de Desenvolvimento das TIC - 2010 e 2008 Ranking ICT Ranking ICT País 2010 2010 2008 2008 Coreia do Sul 1 8,40 1 7,8 Suécia 2 8,23 2 7,53 Islândia 3 8,06 7 7,12 Dinamarca 4 7,97 3 7,46 Finlândia 5 7,87 12 6,92 Rússia 47 5,38 49 4,42 Uruguai 54 4,93 51 4,21 Chile 55 4,65 54 4,14 Argentina 56 4,64 53 4,16 Brasil 64 4,22 62 3,72 México 7,5 3,75 74 3,26 China 80 3,55 75 3,17 Índia 116 2,01 117 1,7218 Entre 2008 e 2010 a redução das tarifas registradas no Brasil foi em média 7%, enquanto que a média mundial foi de 22%. 22
  23. 23. ICT - Índice de Desenvolvimento das TIC - 201010,00 9,00 8,40 8,23 8,06 7,97 7,87 8,00 7,00 6,00 5,38 4,93 5,00 4,65 4,64 4,22 4,00 3,75 3,55 3,00 2,01 2,00 1,00 0,00 Coréia do Suécia Islândia Dinamarca Finlândia Rússia Uruguai Chile Argentina Brasil México China Índia SulFonte: UIT - Measuring the information society - Fev. 2011Elaboração: RCR consultoriaÍNDICE DE PRONTIDÃO DA BANDA LARGA MÓVEL - IPML(GSMA Mobile Observatory)O IPBLM19, cujos últimos resultados O Brasil era o país líder do ranking nose reportam a 2010 (comparação com índice de 2008, mas cedeu sua posição2008), fornece uma ampla análise da para o Chile em 2010. Isso ocorreu,indústria de comunicações móveis principalmente, devido ao aumentoverificando cenários de vinte países da significativo das velocidades máximasAmérica Latina. É confeccionado pela de acesso no Chile, superiores àsconsultoria A.T. Kearney para a GSM verificadas no Brasil.Association (GSMA), órgão que reúneas principais operadoras de telefonia Dentre os critérios analisados, o Brasilmóvel do mundo. liderou apenas no número de domínios e na competitividade de mercado.O IPBLM é composto por 13 critérios, Apresentou também avanços no acessoque possuem pesos diferentes. A à banda larga móvel. Por outro lado,penetração da banda larga móvel, o perdeu posições em parâmetros comoalcance da cobertura 3G, o aspecto proporção da população coberta pelasregulatório, a presença de smartphones redes 3G e velocidade dos acessos ae o uso de TIC pelo governo são alguns internet pelo celular.desses critérios.19 O IPBLM foi publicado pelo observatório latino americano da mobilidade em 2011, comparando os últimos resultados colhidos em2010 com os dados da pesquisa anterior realizada em 2008. 23
  24. 24. Índice de Prontidão da Banda Larga Móvel - IPBLM Classificação Geral Classificação Pontuação País 2010 2008 2010 2008 Chile 1º 2º 78,58 70,33 Argentina 2º 3º 67,4 60,33 Brasil 3º 1º 66,78 71,80 Uruguai 4º 4º 61,5 50,99 Venezuela 5º 5º 59,6 50,69 México 6º 6º 55,22 49,21 Equador 12º 8º 41,59 42,16 Paraguai 18º 13º 30,33 31,33Índice de Prontidão da Banda Larga Móvel IPBLM 2010 - Pontuação 78,58 67,4 66,78 61,5 59,6 55,22 41,59 30,33 Chile Argentina Brasil Uruguai Venezuela México Equador ParaguaiFonte: Observatório Latino-Americano da Mobilidade 2011Elaboração: RCR consultoriaAnalisando os resultados apresentados or um lado o País apresenta umconclui-se que, a exceção do IPBLM, nos mercado competitivo, com empresasoutros três estudos o Brasil melhorou inovadoras, cada vez mais demandantesa sua pontuação. Entretanto, perdeu da utilização de TIC e colhe avanços noposições no ICT e no Networked crescimento do acesso da população àReadiness Index. Isto significa que o banda larga móvel. Por outro não conseguenosso um ritmo de desenvolvimento superar debilidades como o excesso dedas TIC está mais lento do que em burocracia para formação de negócios, ooutros países, principalmente quando preço elevado das tarifas de TIC, associadocomparado com vizinhos da América do a uma carga tributária excessiva e umSul e BRICS. sistema de educação ainda defasado. 24
  25. 25. INDICADORES SOCIOECONÔMICOSO conjunto de indicadores de 2011, caiu para 9,75% em março desocioeconômicos analisados no IBCD tem 2012 e foi novamente reduzida para 9% empor objetivo apresentar as tendências de abril, 8,5% em maio e 8% em julho. Mesmocomportamento da economia brasileira com a redução o Brasil ainda detém ae o cenário social, compreendido pela terceira maior taxa de juros do planetacomposição da população; distribuição (nominal e real).de renda e nível de emprego; além deindicadores gerais associados à educação e O saldo da balança comercial brasileira épesquisa e desenvolvimento. outro indicador econômico cujos resultados causaram preocupação no primeiroIndicadores Econômicos: PIB; IPCA; trimestre de 2012. Apresentou uma quedaTaxa SELIC; Balança Comercial e Carga de 52,7% em relação a março e 55%Tributária. frente a abril de 2011. A desaceleração da economia internacional teve impactoCenário Econômico – 2011 /2012 direto nessa redução. O comércio com a União Europeia apresentou redução deNo ano de 2011, a economia brasileira 8,5%, enquanto que com a China caiusofreu uma retração, após um bom 2,9% e 27,1% nas vendas para a Argentina.desempenho em 2010, quando o PIB As projeções para o final do ano indicamcresceu 7,5%. A expansão do PIB de um superávit de US$ 19 bilhões (US$ 14,82,7% em 2011 foi decorrência do fraco bilhões a menos que 2011).desempenho da indústria no últimotrimestre do ano, fato que se repetiu A carga tributária brasileira é uma das maisnos primeiros cinco meses de 2012. Esse altas do mundo: mantém-se, desde 2004,resultado frustrou as expectativas iniciais acima de 30%. Em maio de 2012 registrouque indicavam para 2012 um crescimento 35,8%. O custo de tributos no Brasil éde 4,5%. Após os resultados divulgados em apontado pela grande maioria dos setoresmaio, a projeção do PIB foi reduzida para empresariais como o principal obstáculo2,2%. A previsão do PIB mundial é de 3,5% para o desenvolvimento do País. Parade crescimento. 2012, excetuando-se situações específicas ou emergenciais, como o recente pacoteA taxa de inflação do Brasil, medida pelo de medidas para promover a indústria eIPCA vem se mantendo estável desde 2008, os setores beneficiados pelo Plano Brasilentre 5% e 6% a.a. A tendência para 2012 é Maior, a exemplo de TI, a carga tributáriade redução desse percentual com projeção deve se manter como nos anos anteriores.para 4,95% ao final do ano. Esse indicador,ao contrário de outros tempos, não causa A esperada reforma tributária temgrande preocupação ao mercado, uma vez dificuldades em avançar na Câmara dosque é objeto de monitoramento constante Deputados e no Senado Federal. Além dae quase uma obsessão do Governo mantê- complexidade do arcabouço de leis e dalo em patamares reduzidos. excessiva burocracia, os interesses regionais dificultam a busca pelo consenso, comoO Brasil deteve durante os últimos anos ocorreu recentemente nas discussões sobreuma das maiores taxas de juros do mundo. a distribuição dos royalties do Petróleo20.Em 2012, gradativamente, vem ocorrendo Outro exemplo é a carga tributária deuma diminuição. Até o mês de junho o telecomunicações praticada no país. Na suaCOPOM já promoveu quatro reduções. A composição cerca de 60% corresponde aotaxa de juros que era de 12,5% em junho ICMS dos estados.20 A discussão sobre a participação de estados produtores e não produtores de petróleo na divisão de futuros royalties que poderão sergerados a partir da prospecção do pré-sal na bacia de Campos - RJ. 25
  26. 26. PIB do Brasil e Outros Países Crescimento Mundial do PIB - 2012 e 2013 - Projeções do FMI 2012 2013 México 3,9 3,6 África do Sul 2,6 3,3 Brasil 2,5 4,6 Índia 6,1 6,5 China 8 8,5 Rússia 4 3,9Economias Emergentes 5,6 5,9 Reino Unido 0,2 1,4 Japão 2,4 1,5 Espanha 1,5 -0,6 Itália -1,9 -0,3 França 0,3 0,8 Alemanha 1 1,4 EUA 2 2,3 Economias Avançadas 1,4 1,9 Mundo 3,5 3,9 Fonte: Panorama Econômico Mundial - FMI Nota: Publicação - Valor Econômico 17.07.2012 - FMI vê expansão global fraca pelo menos até 2013 Elaboração: RCR Consultoria Evolução do PIB Brasileiro A preços de Mercado e Crescimento Real 4.600 4.415 9,0% 4.143 4.233 4.033 4.000 3.762 3.750 8,0% 3.577 7,5% 3.372 7,0% 3.400 3.144 3.244 6,1% 2.974 6,0% 5,2% 2.800 5,7% 4,0% 4,3% 5,0% 2.200 3,2% 4,0% 2,7% 3,0% 1.600 2,2% 1,1% 2,0% 1.000 1,0% 400 -0,3% 0,0% (200) 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* 2013* -1,0% R$ Bilhões PIB Cresc. anual Fonte: IBGE / Banco Central / Mercados Nota: *2012 e 2013* - Projeção Mercados - Maio 2012 Observação (1): Crescimento acumulado nos últimos 4 trimestres em relação aos 4 trimestres anteriores. Observação (2): Não incorpora a revisão do PIB de 2007, realizada pelo IBGE em novembro de 2009 Elaboração: RCR Consultoria 26
  27. 27. IPCA / Inflação- Brasil e Outros Países Taxa de Inflação 2012 - Brasil e Outros Países (%) Alemanha 2,30% Coréia do Sul 2,60% EUA 2,70% China 3,60% Rússia 3,70% México 3,73% Chile 3,80% Brasil 4,95% Fonte: Economy Inteligence Unit (EIU) Nota 1: Brasil - Boletim Focus - Maio 2012 com Projeção para Dezembro Nota 2: Demais Países - 2012 - Março Elaboração: RCR Consultoria Taxa de Juros - Brasil e Outros Países Taxa de Juros Nominais - Brasil e Outros Países12,00% 10,00%10,00% 8,00% 8,00% 8,00% 7,00% 6,00% 6,00% 6,00% 5,00% 4,00% 4,00% 3,00% 2,00% 2,00% 2,00% 2,00% 1,00% 1,00% 0,00% TAIWAN JAPÃO EUA REINO UNIDO ALEMANHA FRANÇA CHINA RUSSIA MÉXICO ESPANHA ITÁLIA BRASIL AFRICA DO SUL ÍNDIA Fonte: The Economist e Standard & Poor´s Nota: 1) BRASIL - Junho de 2012 Nota: 2) Demais Países - Carta Capital - Dezembro 2011 Elaboração: RCR consultoria 27
  28. 28. Taxa de Juros Reais - Brasil e Outros Países (em %) As dez maiores taxas de juros descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses5,0% 4,30%4,0% 3,10%3,0% 2,80% 2,10%2,0% 1,80% 1,50% 1,20% 1,20% 1,10% 1,10%1,0%0,0% Rússia China Brasil Austrália Colômbia Chile Humgria Indonésia Malásia México Fonte: Uol / Cruzeiro do Sul Corretora - Jason Vieira/Thiago Davino Nota 1: Juros Reais: Juros Nominais - Inflação Nota 2: Divulgado em 30.05.2012 Elaboração: RCR consultoria BALANÇA COMERCIAL Desempenho da Balança Comercial Evolução do Saldo em US$ Bilhões 46,5 44,7 40,0 33,8 29,7 Média 2000 /2011:25,4 24,8 24,8 25,3 20,3 15,0 13,1 2,7 -0,7 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* Fonte: Secex Nota: Saldo Estimado de Mercado. Para Funcex o saldo da BC será de US$ 15 Bilhões Elaboração: RCR Consultoria 28
  29. 29. Carga Tributária - Brasil e Outros Países Carga tributária - Peso dos Tributos Brasil e Outros Países45,00%40,00% 38,60% 36,90% 35,88%35,00% 32,70% 31,70% 31,00% 30,90%30,00%25,00% 23,00%20,00% 18,00% 15,25%15,00% 10,45%10,00% 5,00% 0,00% Espanha Australia Brasil EUA Argentina Japão Coréia do Sul China Índia Peru México Fonte: CNI com base nas estatísticas da RFB, OCDE, CEPAL e UCB/ABDI Nota: Brasil 2012; México 2008; Demais Países - 2009 Elaboração: RCR Consultoria Indicadores Sociais: Índice de Gini; Em 2011 o Brasil atingiu a sua menor População por Faixa de Renda e Taxa pontuação nessa escala, registrando 0,519. de Desemprego. A mobilidade de pessoas por faixa de renda verificada na última década Cenário Social – 2011 /2012 é provavelmente o resultado mais A divulgação dos resultados do Censo importante para o desenvolvimento Populacional de 2010 reforçou uma socioeconômico recente do País. Nesse tendência que já vinha sendo observada período, ocorreu uma redução de durante a última década: a melhoria cidadãos nas classes D e E e um aumento dos indicadores sociais, principalmente significativo nas classes C e A/B. Nessas daqueles relacionados à distribuição últimas, entre 2003 e 2011 foi verificada de renda, mobilidade social, aumento a mobilidade social para 48,7 milhões de do ganho real dos salários e da brasileiros, sendo 39,5 milhões na C e 9,2 empregabilidade. milhões na A e B. O índice de Gini, que é utilizado como Se a tendência de redução de padrão internacional para medir a desigualdade for mantida, estima-se desigualdade de distribuição da renda, que em 2014 o País terá 118 milhões vem caindo no País de forma constante de pessoas na classe C (acima de R$ desde 2001. Utiliza uma escala de zero 1.750,00/mês) e 29,1 milhões nas classes a um, na qual quanto mais próximo do AB (acima de R$ 7.500/mês). zero, menor é a desigualdade de renda. 29
  30. 30. A taxa de desemprego do País vem enquanto os informais tiveram reduçãocaindo desde 2009, quando atingiu 9%. de 11%. Contudo, mais de 50% dosEntre 2010 e 2011, oscilou entre de 5% empregos do gerados no País ainda sãoa 6%. Para 2012, a projeção é de 6,7%. informais. Durante 2012, a geração deOutro indicador verificado nos últimos empregos formais continuará crescendo,dez anos está relacionado à formalização porém em um ritmo inferior aos anosdo emprego. Nesse período, o percentual anteriores.de empregos formais cresceu 17%,Índice de GINI21Brasil - Índice de Gini 0,610 0,595 0,590 0,573 0,566 0,570 0,559 0,552 0,548 0,550 0,535 0,531 0,531 0,530 0,530 0,519 0,510 0,490 0,470 0,450 2011 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011*Fonte: IBGE / PNADElaboração: RCR ConsultoriaPopulação por Faixa de RendaBrasil - População Por Faixa de Renda - 2003 / 2011 / 2014*Segundo a Classe de Rendimento - Hab. em Milhões 22,5 29,1 13,3 118,0 65,9 105,4 96,2 63,5 48,9 2003 2011 2014* Classe DE Classe C Classe ABFonte: Centro de Políticas Sociais CPF / FGVNota: Marcelo Côrtes Neri – FGV - *2014 - Projeção Elaboração: RCR Consultoria21 O índice ou coeficiente de Gini é uma medida de concentração ou desigualdade. É comumente utilizada para calcular a desigualdadeda distribuição de renda. O índice de Gini aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. Numericamente,varia de “0 a 1”, onde o zero corresponde à completa igualdade de renda, ou seja, todos têm a mesma renda e 1 que corresponde àcompleta desigualdade. Nesse índice, quanto mais próximo de zero, menor o nível de desigualdade. 30
  31. 31. Evolução de Taxa de Desocupação - BrasilEvolução da Taxa de Desocupação no Brasil (%) 12,9 12,8 12,1 10,9 10,4 10,2 9,0 8,6 7,6 6,4 6,7 6,2 6,0 6,2 5,5 5,7 4,7 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2011 2011 2011 2012 2012 2012 2012* MAR MAR MAR MAR MAR MAR MAR MAR MAR FEV JUN SET DEZ JAN FEV MAR DEZ*Fonte: IBGENota: 2012 - Dezembro - Projeção de Rosemberg Associados Elaboração: RCR ConsultoriaIndicadores Gerais associados à Educação e a Pesquisa e DesenvolvimentoO Censo de 2010 demonstrou que houve para as áreas de tecnologia é a carênciauma evolução na população com formação de profissionais em número suficientesuperior, em todas as regiões do país, mas para atender as demandas do mercado.por outro lado, também revelou que mais Com mais de 190 milhões de habitantes,de 50% das pessoas com 10 anos ou mais, o Brasil forma um pouco mais de 37 milnão tem instrução ou não completaram os engenheiros por ano. A Coreia do Sul,estudos em nível fundamental. com 48,3 milhões de habitantes, forma 92 mil, a Rússia, 190 mil, a Índia, 250 mil, e aHouve também melhorias na educação China, 400 mil23.básica. O estudo “Achieving World ClassEducation in Brazil”22 revelou que ocorreram No tocante a Ciência e Tecnologia (C&T)avanços significativos no ensino básico do e Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), osBrasil em anos recentes, basicamente em últimos dados divulgados, comparando atrês áreas: a ampliação do acesso à escola evolução do período 2000 a 2010 indicampor meio do Bolsa Escola e do Bolsa Família; que ocorreram as seguintes melhorias:o uso de testes padronizados para mediro desempenho de escolas em todos os a. Os investimentos, públicos e privados,níveis; e a criação de programas federais em Ciência e Tecnologia tiveram umpara assegurar que os sistemas educacionais acréscimo de 298% (R$ 15,3 bilhõesde regiões mais pobres tivessem fundos em 2000 e R$ 60,9 bilhões em 2010);necessários para melhorar. b. Aumentou em 14% a participação dos dispêndios em P&D no PIB BrasileiroUm aspecto relevante, principalmente (1,02% em 2000 e R$ 1,16% em 2010);22 Estudo publicado em janeiro em inglês. A ser lançado no Brasil em conjunto com o Ministério da Educação, sob o título “Alcançandouma Educação de Nível Mundial no Brasil”.23 Brasil - dados de 2009 - MEC (crescimento de 16% em relação a 2008). Demais países - Dados de 2008 OCDE. 31

×