PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
1
PL 370/2016
2016.10.13
Orçamento do Estado para 2017
Nos termos...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Proposta de Lei n.º
2
j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços...
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Lei 2017
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lei 2017

61 visualizações

Publicada em

O costa a vida costa

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
61
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lei 2017

  1. 1. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 1 PL 370/2016 2016.10.13 Orçamento do Estado para 2017 Nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo apresenta à Assembleia da República a seguinte proposta de lei: CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto 1 -É aprovado pela presente lei o Orçamento do Estado para o ano de 2017, constante dos mapas seguintes: a) Mapas I a IX, com o orçamento da administração central, incluindo os orçamentos dos serviços e fundos autónomos; b) Mapas X a XII, com o orçamento da segurança social; c) Mapas XIII e XIV, com as receitas e as despesas dos subsistemas de ação social, solidariedade e de proteção familiar do Sistema de Proteção Social de Cidadania e do Sistema Previdencial; d) Mapa XV, com as despesas correspondentes a programas; e) Mapa XVI, com a repartição regionalizada dos programas e medidas; f) Mapa XVII, com as responsabilidades contratuais plurianuais dos serviços integrados e dos serviços e fundos autónomos, agrupados por ministérios; g) Mapa XVIII, com as transferências para as regiões autónomas; h) Mapa XIX, com as transferências para os municípios; i) Mapa XX, com as transferências para as freguesias;
  2. 2. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  3. 3. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  4. 4. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  5. 5. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  6. 6. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  7. 7. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  8. 8. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  9. 9. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  10. 10. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  11. 11. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  12. 12. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  13. 13. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  14. 14. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  15. 15. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  16. 16. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  17. 17. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  18. 18. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  19. 19. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  20. 20. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  21. 21. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  22. 22. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  23. 23. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  24. 24. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  25. 25. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  26. 26. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  27. 27. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  28. 28. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  29. 29. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  30. 30. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  31. 31. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  32. 32. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  33. 33. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  34. 34. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  35. 35. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  36. 36. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  37. 37. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  38. 38. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  39. 39. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  40. 40. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  41. 41. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  42. 42. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  43. 43. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  44. 44. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  45. 45. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  46. 46. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  47. 47. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  48. 48. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  49. 49. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  50. 50. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  51. 51. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  52. 52. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  53. 53. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  54. 54. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  55. 55. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  56. 56. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  57. 57. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  58. 58. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  59. 59. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  60. 60. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;
  61. 61. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Proposta de Lei n.º 2 j) Mapa XXI, com as receitas tributárias cessantes dos serviços integrados, dos serviços e fundos autónomos e da segurança social. 2 -O Governo é autorizado a cobrar as contribuições e os impostos constantes dos códigos e demais legislação tributária em vigor e de acordo com as alterações previstas na presente lei. Artigo 2.º Valor reforçado 1 - Todas as entidades previstas no âmbito do artigo 2.º da Lei de Enquadramento Orçamental, aprovada em anexo à Lei n.º 151/2015, de 11 de setembro, independentemente da sua natureza e estatuto jurídico, ficam sujeitas ao cumprimento dos normativos previstos na presente lei e no decreto-lei de execução orçamental. 2 - Sem prejuízo das competências atribuídas pela Constituição e pela lei a órgãos de soberania de caráter eletivo, o disposto no número anterior prevalece sobre normas legais, gerais e especiais que disponham em sentido contrário. Artigo 3.º Orçamento Participativo Portugal 1 - É criado o Orçamento Participativo Portugal (OPP) que constitui uma forma de democracia participativa, facultando aos cidadãos o poder de decisão direta sobre utilização de verbas públicas. 2 - A verba destinada ao OPP para o ano de 2017 é de € 3 000 000,00 inscrita em dotação específica centralizada no Ministério das Finanças. 3 - A verba prevista no número anterior é distribuída por grupos de projetos da seguinte forma: a) € 375 000,00 para grupo de projetos de âmbito nacional; b) € 375 000,00 por cada um dos cinco grupos de projetos de âmbito territorial NUT II;

×