SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
BARCAÇA
PAG
1
Editorial
PAG
2
Desporto Regional da responsabilidade de
TOPSECRET
PAG
3
Associativismo da responsabilidade de
Olímpio Fernandes
PAG
4
História e Monumentos da responsabilidade de
Mário Silva
PAG
5/6/
7
Poesia da Responsabilidade de:
Mara Kopke – Garça Real – Isabel Capinha
PAG
8
HISTÓRIAS DA NOSSA TERRA
Dília Brandão Fernandes
PAG
9
AGRICULTURA E FORMAÇÃO
Mário Pardal
PAG
10
POLÍTICA REGIONAL
Carolina Aires
Francisco Leal
Nuno Gonçalves
PAG
11
DESPORTO TÉCNICO
Vasco Cavaleiro
O tempo foge-nos a sete pés, as memórias que ainda resistem devemos escrever
porque essa é a forma do preservar e quem atrás venha, fique com um quadro umas
vezes duro outras simplesmente delicioso.
Viajar na BARCAÇA ao sabor da corrente, com a força dos braços e ajuda algumas
vezes da corda que ligava as duas margens, não era pera doce. Ainda o sol não tinha
nascido e na volta já o sol se tinha posto, era assim o dia a dia da faina agrícola.
Lá longe na torre da igreja o sino dava as badaladas que orientavam os capatazes e
ao domingo o toque da sirene avisa do meio-dia.
Foram criadas páginas com
sabores, seja no desporto,
associativismo, poesia,
monumentalidade, histórias
de outros tempos,
agricultura/ formação e
política regional/nacional.
Com estes ingredientes desejamos quinzenalmente fazer chegar aos nossos
seguidores do Concelho, um sabor da terra das gentes da cultura do desporto, ou
seja, as nossas vivências.
"aos filhos dos homens que nunca foram meninos". Soeiro Pereira Gomes. –
Esteiros
"aos filhos dos homens que nunca foram meninos".
Soeiro Pereira Gomes. - Esteiros
TOPSECRET
DESPORTO REGIONAL
Falar Desporto Regional será uma
página forte da nossa BARCAÇA.
Falaremos e entrevistamos um leque de
participantes tanto a nível desportivo
como no associativismo. Ambos se
completam e deveras importante para
nossa sociedade. Se a sua participação
é importante e desejamos mais
envolvimento devemos estar presentes e
sentir o pulsar dos seus corações.
Hoje em dia devido ao grande desgaste
que os dirigentes são sujeitos e como
todos sabemos os críticos de bancada
são mais que muitos, vamos dar voz e
acarinhar estes homens e mulheres que
desenvolvem uma acção muito
importante nas suas colectividades.
Ouvir as suas dificuldades, as suas
lutas e os seus sonhos quem sabem se
com isso lhe damos o alento necessário
para continuarem a sua Obra.
Vamos palmilhar os dois Concelhos
tanto de Montemor-o-Velho como da
Figueira da Foz entrar nas suas sedes e
saber como vão.
Onde se tocam, que diferenças nos
trazem e mais importante quanto
gratificante é o seu trabalho.
Sabemos porque já tivemos essa
experiência das grandes dificuldades e
hoje mais do que antes com as novas
tecnologias que estão presentes em
nossas casas a dificuldade do
recrutamento e para ajudar estamos
em anos atipicos de pandemia.
Sobreviver é a luta desta gente que
merece o nosso apoio e por isso lhe
vamos dar voz.Mas não olvidamos as
autarquias que teem aqui um papel
muito
importante
de fortalçecer
e dar
garantias que
o trabalho
destes
homens e
mulheres não
desapareça porque isso é cidadania é
amor à camisola.
Fazem um trabalho meritório
substituindo o estado.
Fica a pergunta
para que servem os
nossos imposto?
OLÍMPIO FERNANDES
Luiz Pessoa, o nosso diretor da BARCAÇA, "navegando " agora pelas margens de
vidas heroicas no passado e na sua intensa ruralidade, entendeu convidar o casal
Fernandes, como escrevinhadores de unas soltos parágrafos sobre o associativismo
em Montemor-o-Velho e mais adiante sobre as suas freguesias.
A cada um de nós o pulsar das nossas vivências coletivas nesta BARCAÇA, a
transbordar de excelentes colaboradores, levando a bom porto este projeto de
comunicação necessário e urgente num Montemor sem vozes críticas e
independentes. libertadas de qualquer poder político ou religioso. num chão amado
e de serviço público. Porém,
no que me pede o nosso
diretor Luiz Pessoa, sobre as
nobres causas associativas,
resta-me deixar para os
historiadores o seu saber
académico:
De todo e sem mesquinhas
falsidades, o que me resta,
repito, foi ter sido compensado por uma longa aprendizagem com centenas e
centenas de entrevistados nas rádios locais, também pelos extintos jornais em
Montemor, refugiando-me nos jornais da Região Centro, por aí me orgulho de ter
partilhado com associativistas exemplares, a minha escola feita de carolice e apoio
sistemático aos que construíram e continuam a escrever a longevidade do tecido
associativo na Vila Histórica.
Com efeito, foi no seu espaço interventivo, sob a égide das artes, do recreio e do
desporto, que subsiste o meu reconhecimento ainda hoje acrescido na minha
memória. Julgam por fim, os hipotéticos leitores deste curto bitaite na BARCAÇA,
da minha inopinada presunção sobre matéria tão relevante como são os valores
associativos por Terras de Montemor, mas o sentido como o faço no jogo rasgado na
sua solidariedade, limita-me no espaço como se tivesse sido um carregador de piano
e que leve ele foi numa caminhada ao lado dos verdadeiros e nobres cidadãos que
souberam amar as suas coletividades em Montemor e pelas suas freguesias.
De qualquer modo e reduzido no meu conhecimento histórico, quem sabe se na
próxima edição da Barcaça, não trago as memórias dos Panchitas, os Castelhanos,
a juventude Radiosa do Padre João Direito, quem sabe?
“Julgam por fim, os hipotéticos leitores deste curto
bitaite na BARCAÇA, da minha inopinada
presunção sobre matéria tão relevante como são
os valores associativos por Terras de Montemor”
MÁRIO SILVA
Capela do Mártir Santo São Sebastião
A capela do Mártir Santo São Sebastião foi edificada na sequência de
uma terrível epidemia que assolou as terras de Montemor-o-Velho, em meados do
século XVI. Diga-se, contextualizando, que São Sebastião era o santo invocado pelo
povo como “depulsor pestilitatis” – intercessor divino e “escudo” da Igreja contra
“fomes, pestes e guerras” –, pela sua resistência às flechas do primeiro martírio
(associadas e interpretadas pelos fiéis como proteção contra o castigo das “flechas
da peste”).
De planta centralizada, apresenta corpo de volumetria quadrangular, coberto de
cúpula hemisférica simples, antecedido de alpendre com telhado de três águas. A
fachada principal, orientada a poente, é rasgada por porta de verga direita, ladeada
por duas janelas retangulares baixas, e protegida por alpendre de oito colunas
dóricas que formam três vãos na frente e dois a cada lado. Nos ângulos do templo
levantam-se quatro pináculos, formando os da frontaria, pelo agrupamento de
outros dois, duas pequenas sineiras.
Na singeleza do seu interior, emerge um espaço unificado e iluminado pelas duas
janelas já aludidas. Por cima do altar, emerge um lindíssimo retábulo de pedra
policromada, datado também, do século XVI, com três nichos. No nicho central,
guarda-se uma imagem do mártir São Sebastião e nos dois laterais as imagens de
São Roque e São Lázaro.
Soneto - Cenário, por Mara Kopke
Perpassas pelas brumas da memória,
E eu tão-pouco ouso imaginar
Como seria se te fosse encontrar
Segurando os fios da nossa história.
Frases avulsas, um porto vazio,
E esta ânsia que foste sem nome.
Este banquete de sabor a fome.
Este choro que não formou um rio…
Das minhas mãos o tempo que não corre
É fonte de mel de lugar nenhum
Sem saudade, alegria ou cor…
De trás da cortina a cena não sobe,
Os dias que trazem um sabor comum,
Não escutarão sussurros nem clamor!
GARÇA REAL
Quem vem de longe e te avista, castelo,
Sente um arrepio de emoção,
sente o verde dos campos,
sente a mensagem de boas vindas.
Percebe que aqui moram os afetos,
que aqui somos mais nós, mais autênticos
neste reencontro de sempre
que acontece ao desfazer a curva,
dessa primeira curva
que ocultava tanto encanto.
Sorrimos deslumbrados.
O nosso rosto ganha vida,
o coração bate mais forte e
enche-se de recordações,
de memórias, de saudades.
Cada pedra desse castelo
conta uma história,
canta uma vida vivida
à sombra de heras viçosas.
Cada recanto é um hino,
cada olhar cúmplice trocado
sabe a alegria, sabe à ternura doce
dos encontros marcados,
tem a marca da saudade, mas
tem a cor viva da alegria.
DÍLIA BRANDÃO FERNANDES
Os medos
As pessoas cultivavam a
superstição, toda a gente
tinha algo para contar de
sobrenatural que, de
algum modo, alguém
tinha visto ou
presenciado. Falavam, ao
serão, em reuniões
familiares. Na luz da
lareira quem duvidaria da
veracidade de tais
narrativas? As crianças
ouviam as histórias
contadas como
verdadeiras e, desta
forma, passavam a fazer
parte das suas memórias,
recordações da infância
fortemente reforçadas
pela imaginação dos
petizes. As crianças
passavam facilmente de
recetores a emissores
destas histórias e, como
quem conta um conto
acrescenta um ponto,
como um novelo, as
histórias dos mais velhos
acrescentavam-se às
vivências dos mais novos,
numa teia entretecida que
constitui a tradição oral.
Estamos em Montemor
em anos bastante
recuados. Na Vila havia
locais especiais onde
"apareciam" os medos, e
ai de quem duvidasse de
tais achamentos e,
principalmente, da
palavra de quem os tinha
observado. Na Rua Dr.
José Galvão pelas dez
horas da noite (hora dos
medos) um caixão a
rastejar atravessava a rua
e, sumia-se num bueiro
grande que existia
encostado à casa do
fidalgo José Fortunato;
hoje tudo desaparecido,
casa, bueiro e fidalgo.
Outro local apontado era
um poço (de água)
empedrado situado numa
terra do mesmo fidalgo,
na estrada que liga a Vila
de Montemor à Barca, já
perto da antiga ponte.
Mas não menos
assustador era a baixeira
do Cano, frente à Quinta
do mesmo nome, a
caminho do Areal e do
Moinho da Mata, é aqui o
local desta história:
- Mariana era costureira e
ia laborar aos dias na
casa das freguesas. Ia a
pé e carregava a máquina
de costura à cabeça,
chamada máquina de
mão, porque isenta de
pedal, tinha uma
manivela que era
acoplada à roda e era
acionada pela mão da
costureira. A jorna
começava na alvorada e
terminava ao entardecer.
Comia qualquer coisa, na
casa da patroa, e só
depois regressava a sua
casa. Uma tarde, no
regresso da casa de uma
família do Areal,
encontrou a comadre
Júlia também de
Montemor e, lado a lado,
animadas pela
companhia recíproca,
continuaram o seu
caminho. Apressadas,
pois, ao longe já eram
visíveis as primeiras
estrelas pontilhando o
céu, e também porque a
baixeira do Cano lhes
causava receios. E,
porque os sentidos iam
alerta, a conversa recaiu
nas aparições estranhas.
"- Eu nunca vi nada, dizia
a Mariana, mas acredito
que alguma coisa há-de
haver, ao tempo que se
fala nisto, isto já vem de
trás... tenho medo!"
“- Pois, pois, dizia a
comadre, eu também
nunca vi nada, mas já a
minha Avó contava
aquela da Galinha preta,
grande grande, maior do
que uma pessoa, batia as
asas e fazia tanto barulho
e vento que levantava o
pó do chão. Eu tenho
muito medo não gosto de
aqui passar assim mais
tarde, mas, às vezes, lá
tem que ser..."
- Como a noite se
aproximava, o filho da
costureira ignorando que
a mãe teria companhia,
resolveu ir ao seu
encontro. Ao vê-la ao
longe, acompanhada,
pensou numa brincadeira.
Escondeu-se atrás duma
árvore e esperou, deixou-
as passar e em passo
ligeiro, mas leve foi atrás
delas, aproximou-se
bastante e quase
encostado fez um valente
assopro que, naquele
silêncio, soou bem
audível. Ambas deram
um grito, a Mariana
deitou a mão á máquina e,
em simultâneo,
agarraram-se uma á
outra, para logo se
soltarem e desatarem a
correr estrada fora sem
olharem para trás. O
rapaz que esperava uma
risada e tal não aconteceu,
já estava arrependido, e
corria enquanto gritava "-
esperem, esperem, sou eu,
esperem..." Não
esperaram nada, e só
quando pisaram o chão
da Vila e as forças
começavam a traí-las, é
que pararam a tremer de
medo e cansaço e
olharam para trás.
Ali estava a razão de tanto
medo, uma diabrura do
filho da Mariana e
afilhado da Júlia. Agora
incrédulas quanto à
situação que não
esperavam, olhavam o
jovem e não sabiam se
haviam de ralhar, de rir,
ou de chorar, pois o rapaz,
arrependido, tinha
perdido o riso, e um jovem
triste faz pena.
Decidiram-se pelo riso.
Não há como uma
gargalhada alegre para
afastar o medo e ganhar
coragem para enfrentar
os receios enraizados por
séculos de superstição. É
assim o nosso povo e as
nossas gentes.
CAROLINA AIRES
Em pleno século 21, com a sociedade a transformar-se e permear-se cada vez mais para ser
justa, ecológica, educativa, entusiasta, cultural, saudável, acentua-se ainda mais a
necessidade de ultrapassar tantas posições do século passado.
Com as eleições autárquicas à porta, e como é publico a minha envolvência no projeto
apoiado pela CDU, muitos têm sido os contactos que tenho(temos)feito.
E já ouvi:
“Voto em vocês, contem com isso. Mas não pode ser público porque se sabem que estou
convosco, terei represálias”.
“Não posso fazer parte das vossas listas porque tenho um negócio e tenho medo de
perder clientes”
“Não posso apoiar-vos porque temo ser despedido”
Entendo os receios partilhados, porque sei que são reais e têm o seu fundo de verdade.
Porque sei que as pessoas ainda são julgadas pelo seu trabalho, pela sua posição social,
pela sua cor, pela sua orientação sexual, também, pela sua posição política.
Este sentimento de “ser refém” de alguém, uma instituição, uma administração, um
patrão, da própria sociedade em si, diminuía participação democrática e enfraquece
a própria democracia. Fragilizar a democracia aperta-me o coração.
Felizmente eu consigo afirmar-me como Mulher, como Mãe, como Médica, como
heterossexual, como defensora de uma sociedade que projecto e idealizo adequada às
minhas filhas (como crianças), à minha Mãe (como idosa), a mim (como população activa).
Há dias que custam mais.
Há dias que são mais difíceis, porque vejo atropelados os direitos das crianças.
Há dias que me sinto inferiorizada por ser mulher.
Há dias que me olham de lado por ser muito “opinadora”.
Há dia sem que o meu coração fica devastado por ver os idosos a serem maltratados (pela
família, pelos cuidadores), sem resposta do sistema que nos deveria amparar quando tudo
falha).
O resto dos dias sinto-me livre, capaz de assumir as minhas escolhas, o meu caminho, as
minhas lutas. E com força para contrariar posturas e comportamentos
e sentimentos do século passado, inquisição-like.
Caça às bruxas, não obrigada!!
FRANCISCO LEAL
A vacina do Baixo Mondego. Uma realidade ou uma miragem?
Ao longo deste último ano e meio não ouvimos falar de outra coisa que não seja da tão desejada
vacina para que possamos deixar este calvário que todos temos atravessado, onde vamos perdendo
muitos dos nossos hábitos, dos nossos costumes, das nossas relações interpessoais e até mesmo de
amigos e familiares.
No entanto o concelho de Montemor-o-Velho há muito que necessita de uma “vacina” que o faça
despertar para o país e o mundo.
Nos últimos dias, com a saída dos resultados preliminares dos Censos 2021, apercebemo-nos da
urgência de implementação de medidas para inverter a situação em que se encontra o nosso concelho.
Temos uma quebra demográfica superior à média nacional. Temos um concelho envelhecido e nada
atrativo para a fixação de jovens. Montemor é um concelho riquíssimo e um verdadeiro diamante por
lapidar. Desde a agricultura, a cultura, o desporto e a gastronomia que temos uma panóplia de
recursos que deviam ser explorados para tornarmos o nosso concelho atrativo e dinâmico. Montemor
podia ser um verdadeiro oásis da Região Centro. Ou como costumo dizer muitas vezes, podia ser a
“Capital do Baixo Mondego”.
  Como é possível temos o segundo maior castelo do país, inúmeros monumentos
 culturais e menos atrativos turisticamente?
  Como é possível ainda não termos acessos e infraestruturas suficientes que nos liguem
facilmente dentro do concelho e os concelhos limítrofes seja de autocarro, comboio ou carro?
  Como é possível temos um concelho com uma das maiores ofertas gastronómicas do país
e não sabemos explorar essa marca?
  Como é possível temos uma escola como o CITEC e um festival como o CITEMOR e não
explorar essa marca?
  Como é possível não criarmos condições mínimas para fixar jovens e empresários?
 Mas ao invés de isso, temos assistido a um concelho cada vez mais estagnado e esquecido no
tempo.
Um jovem da minha geração ou mais novo, hoje em dia, não tem qualquer atração ou incentivo que
o faça permanecer no concelho. Desde cedo que somos obrigados a sair do concelho seja por questões
de educação, de saúde ou profissionais levando-nos a um afastamento que a médio prazo se torna
permanente.
É preciso inverter este ciclo. De criar condições para que os jovens se fixem no concelho. Não é difícil
conseguirmos isso. Basta querer!!!...
Num ano em que se avizinham eleições autárquicas é importante que os protagonistas apresentem
soluções para estes “velhos problemas”. Os montemorenses estão cansados de ouvir falar em projetos
e soluções que nunca passam do papel. É preciso que sejam pragmáticos e concisos.
Os montemorenses têm de acreditar que é possível ter um concelho jovem, atrativo e dinâmico.
Os montemorenses têm de acreditar que é possível sermos a Capital do Baixo Mondego.
No próximo número dia 29AGO vamos também ter textos de:
Mário Pardal (Agricultura e Formação) Nuno Gonçalves (Política) Vasco Cavaleiro (Desporto)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia
26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia
26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da LusofoniaLucio Borges
 
=== Jornal vigia, corrigido
=== Jornal vigia, corrigido=== Jornal vigia, corrigido
=== Jornal vigia, corrigidoSua Concorrencia
 
7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front
7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front
7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no FrontRojefferson moraes
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoDina Baptista
 
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiroà Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiroFátima Brito
 
Medo, memória e pertença
Medo, memória e pertençaMedo, memória e pertença
Medo, memória e pertençaColetivodadraga
 
Dissertação Regina Barbosa - UFAL - Arquitetura
Dissertação Regina Barbosa - UFAL - ArquiteturaDissertação Regina Barbosa - UFAL - Arquitetura
Dissertação Regina Barbosa - UFAL - ArquiteturaRegina Barbosa
 
Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018
Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018
Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018Maike Loes
 
7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos
7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos
7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do CaosRojefferson moraes
 
Aos Homens Maduros Z E1
Aos Homens Maduros Z E1Aos Homens Maduros Z E1
Aos Homens Maduros Z E1Teresa Almeida
 
7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido
7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido
7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigidoRojefferson moraes
 

Mais procurados (18)

26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia
26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia
26ª edição da Divulga Escritor: Revista Literária da Lusofonia
 
=== Jornal vigia, corrigido
=== Jornal vigia, corrigido=== Jornal vigia, corrigido
=== Jornal vigia, corrigido
 
7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front
7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front
7 Dias Cortando as Pontas dos Dedos - Punhos Cerrados no Front
 
Contos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismoContos do séculoXX | neo-realismo
Contos do séculoXX | neo-realismo
 
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiroà Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
à Flor da terra cemiterio dos pretos novos no rio de janeiro
 
Jornal diario
Jornal diarioJornal diario
Jornal diario
 
Medo, memória e pertença
Medo, memória e pertençaMedo, memória e pertença
Medo, memória e pertença
 
Dissertação Regina Barbosa - UFAL - Arquitetura
Dissertação Regina Barbosa - UFAL - ArquiteturaDissertação Regina Barbosa - UFAL - Arquitetura
Dissertação Regina Barbosa - UFAL - Arquitetura
 
Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018
Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018
Messaggio della Consigliera per le Missioni - 14 febbraio 2018
 
Piratininga
PiratiningaPiratininga
Piratininga
 
Show Viva 2015: "Todas elas em uma"
Show Viva 2015: "Todas elas em uma"Show Viva 2015: "Todas elas em uma"
Show Viva 2015: "Todas elas em uma"
 
Um Dialogo com Corona
Um Dialogo com CoronaUm Dialogo com Corona
Um Dialogo com Corona
 
Homens maduros
Homens madurosHomens maduros
Homens maduros
 
7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos
7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos
7 dias cortando as pontas dos dedos - Edição do Caos
 
Aos Homens Maduros Z E1
Aos Homens Maduros Z E1Aos Homens Maduros Z E1
Aos Homens Maduros Z E1
 
A Clave - Setembro 2013
A Clave - Setembro 2013A Clave - Setembro 2013
A Clave - Setembro 2013
 
7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido
7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido
7 dias cortando as pontas dos dedos final corrigido
 
Diz Jornal Edição 168
Diz Jornal Edição 168Diz Jornal Edição 168
Diz Jornal Edição 168
 

Semelhante a BARCAÇA_01

Edição março 2010
Edição março 2010Edição março 2010
Edição março 2010Lianeuechi
 
Book oficial carnaval 2011 copa lord
Book oficial carnaval 2011  copa lordBook oficial carnaval 2011  copa lord
Book oficial carnaval 2011 copa lordMari Barboza
 
Série Artigos: Otoni Mesquita
Série Artigos: Otoni MesquitaSérie Artigos: Otoni Mesquita
Série Artigos: Otoni MesquitaDurango Duarte
 
Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080
Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080
Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080tonylobo2016
 
Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...
Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...
Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...Sentir Alhos Vedros
 
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017Maike Loes
 
Padre Américo
Padre AméricoPadre Américo
Padre Américokyzo
 
O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243
O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243
O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243Marcos Gimenes Salun
 
"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense
"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense
"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitenseRogério Machado
 
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/32014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3Diocese de Aveiro
 
Carranca - Abril / Junho - 2019
Carranca - Abril / Junho - 2019Carranca - Abril / Junho - 2019
Carranca - Abril / Junho - 2019llobus
 
Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...
Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...
Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...Maike Loes
 
Respeitável público miolo
Respeitável público   mioloRespeitável público   miolo
Respeitável público mioloPedro da Silva
 

Semelhante a BARCAÇA_01 (20)

BARCAÇA
BARCAÇABARCAÇA
BARCAÇA
 
Chicos 16 - Maio 2008
Chicos 16 - Maio 2008Chicos 16 - Maio 2008
Chicos 16 - Maio 2008
 
Edição março 2010
Edição março 2010Edição março 2010
Edição março 2010
 
Espiral 69
Espiral 69Espiral 69
Espiral 69
 
Book oficial carnaval 2011 copa lord
Book oficial carnaval 2011  copa lordBook oficial carnaval 2011  copa lord
Book oficial carnaval 2011 copa lord
 
Série Artigos: Otoni Mesquita
Série Artigos: Otoni MesquitaSérie Artigos: Otoni Mesquita
Série Artigos: Otoni Mesquita
 
Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080
Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080
Jornal Vigia dos Vales, 43 Anos. 21-02-2017 - Edição.1080
 
Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...
Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...
Recordar Sentir Alhos Vedros, viaje pelas gentes da nossa freguesia através d...
 
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
BRJ_Celebração 14 de julho de 2017
 
Padre Américo
Padre AméricoPadre Américo
Padre Américo
 
Gaivota 183 encarte
Gaivota 183 encarteGaivota 183 encarte
Gaivota 183 encarte
 
O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243
O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243
O Bandeirante - Fevereiro de 2013 - nº243
 
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009
 
"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense
"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense
"...daqui d'aldeia!" - a crônica capão-bonitense
 
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/32014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
2014.08.04 ESCUTA - Edição especial ACAREG #57/3
 
Carranca - Abril / Junho - 2019
Carranca - Abril / Junho - 2019Carranca - Abril / Junho - 2019
Carranca - Abril / Junho - 2019
 
Cadernos desafios 5_verfinal_
Cadernos desafios 5_verfinal_Cadernos desafios 5_verfinal_
Cadernos desafios 5_verfinal_
 
Módulo 09 arcadismo
Módulo 09   arcadismoMódulo 09   arcadismo
Módulo 09 arcadismo
 
Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...
Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...
Messaggio della Consigliera per le Missioni - Sr. Alaide Deretti - 14 luglio ...
 
Respeitável público miolo
Respeitável público   mioloRespeitável público   miolo
Respeitável público miolo
 

Mais de Do outro lado da barricada

Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020
Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020
Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020Do outro lado da barricada
 
Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolar
Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolarLimpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolar
Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolarDo outro lado da barricada
 

Mais de Do outro lado da barricada (20)

Barcaça16.pdf
Barcaça16.pdfBarcaça16.pdf
Barcaça16.pdf
 
BARCAÇA_01
BARCAÇA_01BARCAÇA_01
BARCAÇA_01
 
BARCAÇA
BARCAÇABARCAÇA
BARCAÇA
 
Liberdade de imprensa
Liberdade de imprensaLiberdade de imprensa
Liberdade de imprensa
 
A CEE e o PREC
A CEE e o PRECA CEE e o PREC
A CEE e o PREC
 
Roa x2 x5
Roa x2 x5Roa x2 x5
Roa x2 x5
 
PIEPE-ESCOLAS
PIEPE-ESCOLASPIEPE-ESCOLAS
PIEPE-ESCOLAS
 
Manual PIEPE 2020/2021
Manual PIEPE 2020/2021Manual PIEPE 2020/2021
Manual PIEPE 2020/2021
 
Assassinato de delgado
Assassinato de  delgadoAssassinato de  delgado
Assassinato de delgado
 
Sorteio 500 miragem
Sorteio 500 miragemSorteio 500 miragem
Sorteio 500 miragem
 
Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020
Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020
Guia requerimento online subsidio desemprego 19-05-2020
 
Perguntas frequentes matriculas_2020_21
Perguntas frequentes matriculas_2020_21Perguntas frequentes matriculas_2020_21
Perguntas frequentes matriculas_2020_21
 
Despacho n.º 6608-B/2020
Despacho n.º 6608-B/2020Despacho n.º 6608-B/2020
Despacho n.º 6608-B/2020
 
REGRESSO ÀS AULAS COMO?
REGRESSO ÀS AULAS COMO?REGRESSO ÀS AULAS COMO?
REGRESSO ÀS AULAS COMO?
 
Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolar
Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolarLimpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolar
Limpeza e desinfeção de superfícies em ambiente escolar
 
ORIENTAÇÕES
ORIENTAÇÕESORIENTAÇÕES
ORIENTAÇÕES
 
Faltas por falecimento
Faltas por falecimentoFaltas por falecimento
Faltas por falecimento
 
Aviso de-abertura
Aviso de-aberturaAviso de-abertura
Aviso de-abertura
 
20200326 rec outros_codigo_aeena
20200326 rec outros_codigo_aeena20200326 rec outros_codigo_aeena
20200326 rec outros_codigo_aeena
 
20200326 rec out_inst_publicas2prioridade
20200326 rec out_inst_publicas2prioridade20200326 rec out_inst_publicas2prioridade
20200326 rec out_inst_publicas2prioridade
 

BARCAÇA_01

  • 2. PAG 3 Associativismo da responsabilidade de Olímpio Fernandes PAG 4 História e Monumentos da responsabilidade de Mário Silva PAG 5/6/ 7 Poesia da Responsabilidade de: Mara Kopke – Garça Real – Isabel Capinha PAG 8 HISTÓRIAS DA NOSSA TERRA Dília Brandão Fernandes PAG 9 AGRICULTURA E FORMAÇÃO Mário Pardal
  • 3. PAG 10 POLÍTICA REGIONAL Carolina Aires Francisco Leal Nuno Gonçalves PAG 11 DESPORTO TÉCNICO Vasco Cavaleiro
  • 4. O tempo foge-nos a sete pés, as memórias que ainda resistem devemos escrever porque essa é a forma do preservar e quem atrás venha, fique com um quadro umas vezes duro outras simplesmente delicioso. Viajar na BARCAÇA ao sabor da corrente, com a força dos braços e ajuda algumas vezes da corda que ligava as duas margens, não era pera doce. Ainda o sol não tinha nascido e na volta já o sol se tinha posto, era assim o dia a dia da faina agrícola. Lá longe na torre da igreja o sino dava as badaladas que orientavam os capatazes e ao domingo o toque da sirene avisa do meio-dia. Foram criadas páginas com sabores, seja no desporto, associativismo, poesia, monumentalidade, histórias de outros tempos, agricultura/ formação e política regional/nacional. Com estes ingredientes desejamos quinzenalmente fazer chegar aos nossos seguidores do Concelho, um sabor da terra das gentes da cultura do desporto, ou seja, as nossas vivências. "aos filhos dos homens que nunca foram meninos". Soeiro Pereira Gomes. – Esteiros "aos filhos dos homens que nunca foram meninos". Soeiro Pereira Gomes. - Esteiros
  • 5. TOPSECRET DESPORTO REGIONAL Falar Desporto Regional será uma página forte da nossa BARCAÇA. Falaremos e entrevistamos um leque de participantes tanto a nível desportivo como no associativismo. Ambos se completam e deveras importante para nossa sociedade. Se a sua participação é importante e desejamos mais envolvimento devemos estar presentes e sentir o pulsar dos seus corações. Hoje em dia devido ao grande desgaste que os dirigentes são sujeitos e como todos sabemos os críticos de bancada são mais que muitos, vamos dar voz e acarinhar estes homens e mulheres que desenvolvem uma acção muito importante nas suas colectividades. Ouvir as suas dificuldades, as suas lutas e os seus sonhos quem sabem se com isso lhe damos o alento necessário para continuarem a sua Obra. Vamos palmilhar os dois Concelhos tanto de Montemor-o-Velho como da Figueira da Foz entrar nas suas sedes e saber como vão. Onde se tocam, que diferenças nos trazem e mais importante quanto gratificante é o seu trabalho. Sabemos porque já tivemos essa experiência das grandes dificuldades e hoje mais do que antes com as novas tecnologias que estão presentes em nossas casas a dificuldade do recrutamento e para ajudar estamos em anos atipicos de pandemia. Sobreviver é a luta desta gente que merece o nosso apoio e por isso lhe vamos dar voz.Mas não olvidamos as autarquias que teem aqui um papel muito importante de fortalçecer e dar garantias que o trabalho destes homens e mulheres não desapareça porque isso é cidadania é amor à camisola. Fazem um trabalho meritório substituindo o estado. Fica a pergunta para que servem os nossos imposto?
  • 6. OLÍMPIO FERNANDES Luiz Pessoa, o nosso diretor da BARCAÇA, "navegando " agora pelas margens de vidas heroicas no passado e na sua intensa ruralidade, entendeu convidar o casal Fernandes, como escrevinhadores de unas soltos parágrafos sobre o associativismo em Montemor-o-Velho e mais adiante sobre as suas freguesias. A cada um de nós o pulsar das nossas vivências coletivas nesta BARCAÇA, a transbordar de excelentes colaboradores, levando a bom porto este projeto de comunicação necessário e urgente num Montemor sem vozes críticas e independentes. libertadas de qualquer poder político ou religioso. num chão amado e de serviço público. Porém, no que me pede o nosso diretor Luiz Pessoa, sobre as nobres causas associativas, resta-me deixar para os historiadores o seu saber académico: De todo e sem mesquinhas falsidades, o que me resta, repito, foi ter sido compensado por uma longa aprendizagem com centenas e centenas de entrevistados nas rádios locais, também pelos extintos jornais em Montemor, refugiando-me nos jornais da Região Centro, por aí me orgulho de ter partilhado com associativistas exemplares, a minha escola feita de carolice e apoio sistemático aos que construíram e continuam a escrever a longevidade do tecido associativo na Vila Histórica. Com efeito, foi no seu espaço interventivo, sob a égide das artes, do recreio e do desporto, que subsiste o meu reconhecimento ainda hoje acrescido na minha memória. Julgam por fim, os hipotéticos leitores deste curto bitaite na BARCAÇA, da minha inopinada presunção sobre matéria tão relevante como são os valores associativos por Terras de Montemor, mas o sentido como o faço no jogo rasgado na sua solidariedade, limita-me no espaço como se tivesse sido um carregador de piano e que leve ele foi numa caminhada ao lado dos verdadeiros e nobres cidadãos que souberam amar as suas coletividades em Montemor e pelas suas freguesias. De qualquer modo e reduzido no meu conhecimento histórico, quem sabe se na próxima edição da Barcaça, não trago as memórias dos Panchitas, os Castelhanos, a juventude Radiosa do Padre João Direito, quem sabe? “Julgam por fim, os hipotéticos leitores deste curto bitaite na BARCAÇA, da minha inopinada presunção sobre matéria tão relevante como são os valores associativos por Terras de Montemor”
  • 7. MÁRIO SILVA Capela do Mártir Santo São Sebastião A capela do Mártir Santo São Sebastião foi edificada na sequência de uma terrível epidemia que assolou as terras de Montemor-o-Velho, em meados do século XVI. Diga-se, contextualizando, que São Sebastião era o santo invocado pelo povo como “depulsor pestilitatis” – intercessor divino e “escudo” da Igreja contra “fomes, pestes e guerras” –, pela sua resistência às flechas do primeiro martírio (associadas e interpretadas pelos fiéis como proteção contra o castigo das “flechas da peste”). De planta centralizada, apresenta corpo de volumetria quadrangular, coberto de cúpula hemisférica simples, antecedido de alpendre com telhado de três águas. A fachada principal, orientada a poente, é rasgada por porta de verga direita, ladeada por duas janelas retangulares baixas, e protegida por alpendre de oito colunas dóricas que formam três vãos na frente e dois a cada lado. Nos ângulos do templo levantam-se quatro pináculos, formando os da frontaria, pelo agrupamento de outros dois, duas pequenas sineiras. Na singeleza do seu interior, emerge um espaço unificado e iluminado pelas duas janelas já aludidas. Por cima do altar, emerge um lindíssimo retábulo de pedra policromada, datado também, do século XVI, com três nichos. No nicho central, guarda-se uma imagem do mártir São Sebastião e nos dois laterais as imagens de São Roque e São Lázaro.
  • 8. Soneto - Cenário, por Mara Kopke Perpassas pelas brumas da memória, E eu tão-pouco ouso imaginar Como seria se te fosse encontrar Segurando os fios da nossa história. Frases avulsas, um porto vazio, E esta ânsia que foste sem nome. Este banquete de sabor a fome. Este choro que não formou um rio… Das minhas mãos o tempo que não corre É fonte de mel de lugar nenhum Sem saudade, alegria ou cor… De trás da cortina a cena não sobe, Os dias que trazem um sabor comum, Não escutarão sussurros nem clamor!
  • 9.
  • 10. GARÇA REAL Quem vem de longe e te avista, castelo, Sente um arrepio de emoção, sente o verde dos campos, sente a mensagem de boas vindas. Percebe que aqui moram os afetos, que aqui somos mais nós, mais autênticos neste reencontro de sempre que acontece ao desfazer a curva, dessa primeira curva que ocultava tanto encanto. Sorrimos deslumbrados. O nosso rosto ganha vida, o coração bate mais forte e enche-se de recordações, de memórias, de saudades. Cada pedra desse castelo conta uma história, canta uma vida vivida à sombra de heras viçosas. Cada recanto é um hino, cada olhar cúmplice trocado sabe a alegria, sabe à ternura doce dos encontros marcados, tem a marca da saudade, mas tem a cor viva da alegria.
  • 11. DÍLIA BRANDÃO FERNANDES Os medos As pessoas cultivavam a superstição, toda a gente tinha algo para contar de sobrenatural que, de algum modo, alguém tinha visto ou presenciado. Falavam, ao serão, em reuniões familiares. Na luz da lareira quem duvidaria da veracidade de tais narrativas? As crianças ouviam as histórias contadas como verdadeiras e, desta forma, passavam a fazer parte das suas memórias, recordações da infância fortemente reforçadas pela imaginação dos petizes. As crianças passavam facilmente de recetores a emissores destas histórias e, como quem conta um conto acrescenta um ponto, como um novelo, as histórias dos mais velhos acrescentavam-se às vivências dos mais novos, numa teia entretecida que constitui a tradição oral. Estamos em Montemor em anos bastante recuados. Na Vila havia locais especiais onde "apareciam" os medos, e ai de quem duvidasse de tais achamentos e, principalmente, da palavra de quem os tinha observado. Na Rua Dr. José Galvão pelas dez horas da noite (hora dos medos) um caixão a rastejar atravessava a rua e, sumia-se num bueiro grande que existia encostado à casa do fidalgo José Fortunato; hoje tudo desaparecido, casa, bueiro e fidalgo. Outro local apontado era um poço (de água) empedrado situado numa terra do mesmo fidalgo, na estrada que liga a Vila de Montemor à Barca, já perto da antiga ponte. Mas não menos assustador era a baixeira do Cano, frente à Quinta do mesmo nome, a caminho do Areal e do Moinho da Mata, é aqui o local desta história: - Mariana era costureira e ia laborar aos dias na casa das freguesas. Ia a pé e carregava a máquina de costura à cabeça, chamada máquina de mão, porque isenta de pedal, tinha uma manivela que era acoplada à roda e era acionada pela mão da costureira. A jorna começava na alvorada e terminava ao entardecer. Comia qualquer coisa, na casa da patroa, e só depois regressava a sua casa. Uma tarde, no regresso da casa de uma família do Areal, encontrou a comadre Júlia também de Montemor e, lado a lado, animadas pela companhia recíproca, continuaram o seu caminho. Apressadas, pois, ao longe já eram visíveis as primeiras estrelas pontilhando o
  • 12. céu, e também porque a baixeira do Cano lhes causava receios. E, porque os sentidos iam alerta, a conversa recaiu nas aparições estranhas. "- Eu nunca vi nada, dizia a Mariana, mas acredito que alguma coisa há-de haver, ao tempo que se fala nisto, isto já vem de trás... tenho medo!" “- Pois, pois, dizia a comadre, eu também nunca vi nada, mas já a minha Avó contava aquela da Galinha preta, grande grande, maior do que uma pessoa, batia as asas e fazia tanto barulho e vento que levantava o pó do chão. Eu tenho muito medo não gosto de aqui passar assim mais tarde, mas, às vezes, lá tem que ser..." - Como a noite se aproximava, o filho da costureira ignorando que a mãe teria companhia, resolveu ir ao seu encontro. Ao vê-la ao longe, acompanhada, pensou numa brincadeira. Escondeu-se atrás duma árvore e esperou, deixou- as passar e em passo ligeiro, mas leve foi atrás delas, aproximou-se bastante e quase encostado fez um valente assopro que, naquele silêncio, soou bem audível. Ambas deram um grito, a Mariana deitou a mão á máquina e, em simultâneo, agarraram-se uma á outra, para logo se soltarem e desatarem a correr estrada fora sem olharem para trás. O rapaz que esperava uma risada e tal não aconteceu, já estava arrependido, e corria enquanto gritava "- esperem, esperem, sou eu, esperem..." Não esperaram nada, e só quando pisaram o chão da Vila e as forças começavam a traí-las, é que pararam a tremer de medo e cansaço e olharam para trás. Ali estava a razão de tanto medo, uma diabrura do filho da Mariana e afilhado da Júlia. Agora incrédulas quanto à situação que não esperavam, olhavam o jovem e não sabiam se haviam de ralhar, de rir, ou de chorar, pois o rapaz, arrependido, tinha perdido o riso, e um jovem triste faz pena. Decidiram-se pelo riso. Não há como uma gargalhada alegre para afastar o medo e ganhar coragem para enfrentar os receios enraizados por séculos de superstição. É assim o nosso povo e as nossas gentes.
  • 13. CAROLINA AIRES Em pleno século 21, com a sociedade a transformar-se e permear-se cada vez mais para ser justa, ecológica, educativa, entusiasta, cultural, saudável, acentua-se ainda mais a necessidade de ultrapassar tantas posições do século passado. Com as eleições autárquicas à porta, e como é publico a minha envolvência no projeto apoiado pela CDU, muitos têm sido os contactos que tenho(temos)feito. E já ouvi: “Voto em vocês, contem com isso. Mas não pode ser público porque se sabem que estou convosco, terei represálias”. “Não posso fazer parte das vossas listas porque tenho um negócio e tenho medo de perder clientes” “Não posso apoiar-vos porque temo ser despedido” Entendo os receios partilhados, porque sei que são reais e têm o seu fundo de verdade. Porque sei que as pessoas ainda são julgadas pelo seu trabalho, pela sua posição social, pela sua cor, pela sua orientação sexual, também, pela sua posição política. Este sentimento de “ser refém” de alguém, uma instituição, uma administração, um patrão, da própria sociedade em si, diminuía participação democrática e enfraquece a própria democracia. Fragilizar a democracia aperta-me o coração. Felizmente eu consigo afirmar-me como Mulher, como Mãe, como Médica, como heterossexual, como defensora de uma sociedade que projecto e idealizo adequada às minhas filhas (como crianças), à minha Mãe (como idosa), a mim (como população activa). Há dias que custam mais. Há dias que são mais difíceis, porque vejo atropelados os direitos das crianças. Há dias que me sinto inferiorizada por ser mulher. Há dias que me olham de lado por ser muito “opinadora”. Há dia sem que o meu coração fica devastado por ver os idosos a serem maltratados (pela família, pelos cuidadores), sem resposta do sistema que nos deveria amparar quando tudo falha). O resto dos dias sinto-me livre, capaz de assumir as minhas escolhas, o meu caminho, as minhas lutas. E com força para contrariar posturas e comportamentos e sentimentos do século passado, inquisição-like. Caça às bruxas, não obrigada!!
  • 14. FRANCISCO LEAL A vacina do Baixo Mondego. Uma realidade ou uma miragem? Ao longo deste último ano e meio não ouvimos falar de outra coisa que não seja da tão desejada vacina para que possamos deixar este calvário que todos temos atravessado, onde vamos perdendo muitos dos nossos hábitos, dos nossos costumes, das nossas relações interpessoais e até mesmo de amigos e familiares. No entanto o concelho de Montemor-o-Velho há muito que necessita de uma “vacina” que o faça despertar para o país e o mundo. Nos últimos dias, com a saída dos resultados preliminares dos Censos 2021, apercebemo-nos da urgência de implementação de medidas para inverter a situação em que se encontra o nosso concelho. Temos uma quebra demográfica superior à média nacional. Temos um concelho envelhecido e nada atrativo para a fixação de jovens. Montemor é um concelho riquíssimo e um verdadeiro diamante por lapidar. Desde a agricultura, a cultura, o desporto e a gastronomia que temos uma panóplia de recursos que deviam ser explorados para tornarmos o nosso concelho atrativo e dinâmico. Montemor podia ser um verdadeiro oásis da Região Centro. Ou como costumo dizer muitas vezes, podia ser a “Capital do Baixo Mondego”.   Como é possível temos o segundo maior castelo do país, inúmeros monumentos  culturais e menos atrativos turisticamente?   Como é possível ainda não termos acessos e infraestruturas suficientes que nos liguem facilmente dentro do concelho e os concelhos limítrofes seja de autocarro, comboio ou carro?   Como é possível temos um concelho com uma das maiores ofertas gastronómicas do país e não sabemos explorar essa marca?   Como é possível temos uma escola como o CITEC e um festival como o CITEMOR e não explorar essa marca?   Como é possível não criarmos condições mínimas para fixar jovens e empresários?  Mas ao invés de isso, temos assistido a um concelho cada vez mais estagnado e esquecido no tempo. Um jovem da minha geração ou mais novo, hoje em dia, não tem qualquer atração ou incentivo que o faça permanecer no concelho. Desde cedo que somos obrigados a sair do concelho seja por questões de educação, de saúde ou profissionais levando-nos a um afastamento que a médio prazo se torna permanente. É preciso inverter este ciclo. De criar condições para que os jovens se fixem no concelho. Não é difícil conseguirmos isso. Basta querer!!!... Num ano em que se avizinham eleições autárquicas é importante que os protagonistas apresentem soluções para estes “velhos problemas”. Os montemorenses estão cansados de ouvir falar em projetos e soluções que nunca passam do papel. É preciso que sejam pragmáticos e concisos. Os montemorenses têm de acreditar que é possível ter um concelho jovem, atrativo e dinâmico. Os montemorenses têm de acreditar que é possível sermos a Capital do Baixo Mondego.
  • 15. No próximo número dia 29AGO vamos também ter textos de: Mário Pardal (Agricultura e Formação) Nuno Gonçalves (Política) Vasco Cavaleiro (Desporto)