Aula 3 página      1

                          TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO I
                                  Prof. Solange ...
Aula 3 página      2

   -   Cooperação, não individualismo;
   -   Rendimento máximo, em lugar de produção reduzida;
   -...
Aula 3 página    3

    4. Desenho de cargos e de tarefas;
Preocupação era o desenho de cargos mais simples e elementares ...
Aula 3 página     4

  10. Supervisão funcional
         o autoridade funcional;
         o recebimento de orientações e o...
Aula 3 página       5

4. Ausência de comprovação científica
Refere-se ao como e não ao porquê. Afirmou-se muita coisa sem...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica

13.864 visualizações

Publicada em

Abordagem Clássica da Administração

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
13.864
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
127
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula De Ta I Aula 3 Abordagem CláSsica

  1. 1. Aula 3 página 1 TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO I Prof. Solange Marques AULA 3 ABORDAGEM CLÁSSICA OU TRADICIONAL DA ADMINISTRAÇÃO Escola de Administração Científica – Frederick Winslow Taylor (norte-americano) Ênfase nas tarefas em busca da eficiência. É uma abordagem de baixo para cima, do operário para o supervisor e gerente, das partes (cargos e tarefas) para o todo (organização empresarial). Teoria Clássica – Henri Fayol (europeu) Ênfase na estrutura em busca de eficiência. Anatomistas (estrutura) e Fisiologistas (funcionamento). É uma abordagem de cima para baixo. ORIGENS DA BORDAGEM CLÁSSICA - Crescimento acelerado e desorganizado das empresas; - Necessidade de aumentar a eficiência e competência das organizações. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA DE TAYLOR - Métodos científicos: observação e mensuração. - Objetivos de tentar eliminar o fantasma dos desperdícios e das perdas sofridas pelas indústrias americanas e elevar o nível de produtividade por meio da aplicação de métodos e técnicas da engenharia industrial. PRIMEIRO PERÍODO DE TAYLOR Shop Management (Administração de Oficinas, 1903) - pagar altos salários e custos unitários baixos; - métodos científicos de pesquisa e experimentação; - empregados cientificamente colocados; - empregados cientificamente adestrados; - atmosfera de cooperação. SEGUNDO PERÍODO DE TAYLOR Princípios da Administração Científica (1911) – sobre administração geral - Vadiagem sistemática o Engano (desemprego); o Sistema defeituoso da Administração; o Métodos empíricos ineficientes. - Desconhecimento, pela gerência, das rotinas de trabalho; - Falta de uniformidade das técnicas ou dos métodos de trabalho. ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA – combinação dos seguintes ingredientes: - ciência, em lugar de empirismo; - Harmonia, em vez de discórdia;
  2. 2. Aula 3 página 2 - Cooperação, não individualismo; - Rendimento máximo, em lugar de produção reduzida; - Desenvolvimento de cada homem, no sentido de alcançar maior eficiência e prosperidade. Para TAYLOR, as bases de aplicação da Administração Científica são: a) Estudo de tempo e padrões de produção; b) Supervisão funcional; c) Padronização de ferramentas e instrumentos; d) Planejamento das tarefas e cargos; e) Princípio da execução; f) Utilização da régua de cálculo e de instrumentos para economizar tempo; g) Fichas de instruções de serviço; h) Prêmios de produção pela execução eficiente das tarefas; i) Definição da rotina de trabalho. Prosperidade mútua – o empregador obtinha baixos custos de produção e o empregado recebia altos salários pela produtividade, de acordo com a aplicação da Teoria de Taylor. ORGANIZAÇÃO RACIONAL DO TRABALHO 1. Análise do trabalho e estudo dos tempos e movimentos; o eliminar movimentos inúteis; o tornar mais racional a seleção e treinamento de pessoal; o aumentar a eficiência do operário; o distribuir uniformemente o trabalho; o ter base para salários eqüitativos e prêmios de aumento de produção. Frank B. Gilbreth nomeou os “movimentos elementares”, também chamados de therbligs. (procurar, escolher, pegar, transportar vazio). 2. Estudo da fadiga humana; Objetivos o eliminar movimentos inúteis; o economizar nos úteis; o dar seqüência apropriada. A Fadiga gera: o diminuição da produtividade; o perda de tempo; o aumento da rotatividade; o doenças e acidentes; o diminuição da capacidade de esforço; 3. Divisão do trabalho e especialização do operário; Estudo dos tempos e movimentos gera a divisão do trabalho, que por sua vez dá origem à linha de montagem.
  3. 3. Aula 3 página 3 4. Desenho de cargos e de tarefas; Preocupação era o desenho de cargos mais simples e elementares de maneira tal que permita o controle e comparação dos resultados. Bem como fosse fácil o treinamento do indivíduo para o cargo. A comunicação restrita. Em caso de ocorrência imprevista o operário era orientado a comunicar somente o superior imediato. VANTAGENS: o Qualificações mínimas e salários menores; o Minimização de custos de treinamento; o Redução de erros na execução, diminuindo os refugos e rejeições; o Facilidade de supervisão; o Aumento da eficiência. 5. Incentivos salariais e prêmios de produção; Pagava-se por peça produzida e havia um nível de eficiência chamado de 100%. Acima de 100% havia um prêmio de produção ou incentivo salarial, ou seja, o pagamento por peça aumentava. 6. Conceito de “homo economicus”; É a visão de que o homem trabalha principalmente por dinheiro. Também afirma que o homem é um indivíduo limitado e mesquinho, preguiçoso e culpado pela vadiagem e desperdício das empresas, e que deveria ser controlado continuamente através do trabalho racionalizado e do tempo padrão. 7. Condições de trabalho o instrumentos, ferramentas e equipamentos de produção; o layout das máquinas e equipamentos; o evitar ruído, falta de ventilação, iluminação e conforto no trabalho; o projetos de instrumentos Não porque as pessoas merecem, mas com o objetivo de aumentar a eficiência. 8. Racionalização do trabalho Henry Lawrence Gantt foi um consultor que aplicava os conceitos de Taylor, mas também dava um certo valor aos fatores psicológicos e humanos. o Implantou sistema de salários; o Criou o gráfico de gantt; o Implantou uma política de instrução e treinamento; o Salientou sobre a responsabilidade industrial. 9. Padronização o métodos e processos; o máquinas, equipamentos, ferramentas e instrumentos; o matéria-prima e componentes.
  4. 4. Aula 3 página 4 10. Supervisão funcional o autoridade funcional; o recebimento de orientações e ordens de vários encarregados diferentes. PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA 1. Princípio da administração científica de Taylor o Princípio de planejamento; o Princípio de preparo; o Princípio de controle; o Princípio de execução. 2. Fordismo (Henry Ford) o Em 1903 fundou a Ford Motor Company; o Linha de montagem móvel; o Carros com peças padronizadas. o Controle acionário aos empregados; o Substituição da mão-de-obra física pela tecnologia; o Reduzir as tarefas e operações. Três aspectos suportam o sistema chamado de Fordismo: 1) A progressão do produto elaborado pelo processo produtivo é planejada, ordenada, contínua e ritmada; 2) Trabalho entregue ao trabalhador, em vez de deixa-lo com iniciativa de ir busca-lo; 3) As operações são analisadas e divididas em seus elementos consituintes. Três princípios básicos que Ford adotou: 1) Princípio de intensificação; 2) Princípio de economicidade; 3) Princípio de produtividade. 3. Princípio da exceção Defende que devemos dar atenção somente às ocorrências fora do padrão, ou seja, às exceções. APRECIAÇÃO CRÍTICA DA TEORIA DA ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA 1. Mecanicismo da administração científica; Homem e máquina. 2. Superespecialização do operário. Filme Tempos Modernos, de Charlie Chaplin 3. Visão microscópica do homem Homem econômico
  5. 5. Aula 3 página 5 4. Ausência de comprovação científica Refere-se ao como e não ao porquê. Afirmou-se muita coisa sem antes buscar experimentação. 5. Abordagem incompleta da organização Considerava somente os aspectos da organização formal e ignorava as influências da organização informal na produção. 6. Limitação do campo de aplicação Somente aplicável a produção, tornando complicado a aplicação a outras setores da organização, bem como às empresas de serviço também tinham essa dificuldade. 7. Abordagem prescritiva e normativa Preocupou-se demasiadamente em prescrever e normatizar tudo. 8. Abordagem de sistema fechado Abordou a empresa como um sistema que não sofre influências externas, ou seja, provindas de fora da organização. 9. Pioneirismo na administração. Como primeiro desenvolvimento científico foi muito válido. Trouxe a racionalização e eficiência na produção através de técnicas e métodos que normatizaram a produção.

×