Solange P.P. Carvalho – FFLCH/DLM
Curso de literatura galega 2015
 “Assassinatos na rua Morgue” (Allan Poe, 1841) é
considerada a primeira narrativa policial;
 “Mademoiselle de Scudéri” ...
 “Golden Age of Detective Fiction” – Inglaterra: Agatha
Christie; Ngaio Marsh, Dorothy L. Sayers e Margery
Allingham;
 E...
 A partir da década de 1980, predomínio do “whydunit”:
por que alguém comete um crime? Somente encontrar
o culpado já não...
 Anos 90/começo século XXI: romance policial inserido
em uma cultura local;
 Grécia: Pétros Márkaris; Rússia: Boris Akun...
 Vázquez Montalbán (autor catalão; Pepe Carvalho,
detetive galego); Pau Vidal (autor catalão; en Camiller
– detetive amad...
 “Con todo o testemuño dos propios escritores que
exploraron este camiño no anos oitenta apunta máis
ben cara á necesidad...
 López (2014) cita o escritor Ramón Caride, que fez
uma aproximação romance policial/ficção científica,
dois gêneros bast...
 Lausanne, 1976. Jornalista, escritor e roteirista galego,
publicou 9 romances, dos quais “Baixos mínimos” e “O
cidadán d...
 CHAMLIAN, Luci Regina. João Carlos Marinho e
Pepetela: dois escritores em ponto de bala – o gênero
policial em Berenice ...
 MANDEL, Ernest. Delícias do crime: história social do
romance policial. São Paulo: Busca Vida, 1988.
 TODOROV, Tzvetan....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação literatura galega

145 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
145
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação literatura galega

  1. 1. Solange P.P. Carvalho – FFLCH/DLM Curso de literatura galega 2015
  2. 2.  “Assassinatos na rua Morgue” (Allan Poe, 1841) é considerada a primeira narrativa policial;  “Mademoiselle de Scudéri” (E.T.A.Hoffmann, 1819) já apresenta características encontradas na narrativa policial moderna;  “The Woman in White” (Wilkie Collins, 1859): mystery novel ou sensation novel;  Inglaterra – G.K. Chesterton e Arthur Conan Doyle; Doyle dá impulso à ideia do detetive brilhante e do amigo honesto e admirador (Holmes e Watson);
  3. 3.  “Golden Age of Detective Fiction” – Inglaterra: Agatha Christie; Ngaio Marsh, Dorothy L. Sayers e Margery Allingham;  EUA: Dashiel Hammet e Raymond Chandler;  1920 – 1950: “whodunit” (1935?); interesse é solucionar o crime, descobrir o culpado, não a motivação;  Chandler, “Simple Art of Murder” (1944): ensaio sobre o gênero policial;  Georges Simenon (1903 – 1989): começa a mudança nas regras do romance policial – início do “whydunit”;
  4. 4.  A partir da década de 1980, predomínio do “whydunit”: por que alguém comete um crime? Somente encontrar o culpado já não é suficiente;  Mandel (1988): gênero policial como história social, pois mostraria as contradições da sociedade, mesmo que elas estivessem inseridas em “mero entretenimento”;  Todorov – discussão sobre romance policial;
  5. 5.  Anos 90/começo século XXI: romance policial inserido em uma cultura local;  Grécia: Pétros Márkaris; Rússia: Boris Akunin (Fandorin e Sistrá Pielagueia – romances ambientados na Rússia tsarista); UK: Anne Perry (romances ambientados na Era Vitoriana); Itália: Carlo Lucarelli (trilogia do Inspetor De Luca ambientada na República de Salò); Andrea Camilleri (Sicilia); França: Jean- Claude Izzo (trilogia de Marseille – Total Khéops, Chourmo e Solea); Brasil: Garcia Roza (detetive Espinosa);
  6. 6.  Vázquez Montalbán (autor catalão; Pepe Carvalho, detetive galego); Pau Vidal (autor catalão; en Camiller – detetive amador catalão); Diego Ameixeiras (escritor galego; Horacio Dopico, detetive galego);  López (2014) discute a “novela negra” na Galicia e menciona publicação de “Crime en Compostela”, de Carlos Reigosa (1984) como um dos primeiros romances policiais galegos;
  7. 7.  “Con todo o testemuño dos propios escritores que exploraron este camiño no anos oitenta apunta máis ben cara á necesidade dunha transgresión lúdica das esixencias da crítica, que defendia unha suposta responsabilidade dos escritores na construción dun sistema literário nacional normalizado e de prestixio” (LÓPEZ, 2014);  Romance policial como contestação?
  8. 8.  López (2014) cita o escritor Ramón Caride, que fez uma aproximação romance policial/ficção científica, dois gêneros bastante desdenhados pela crítica conservadora: “Coa novela negra pasou como coa ciencia-ficción. Ao princípio, había quen che dicía que o que tiñas que facer era escribir a gran novela sobre a guerra civil ou a emigración... Pero o tempo foinos quitando todo isso de enriba. Os lectores teñen menos prexuízos que os críticos”;
  9. 9.  Lausanne, 1976. Jornalista, escritor e roteirista galego, publicou 9 romances, dos quais “Baixos mínimos” e “O cidadán do mes” são romances policiais protagonizados pelo detetive Horacio Dopico. Neles, o autor usa “dialectalismos correspondentes ás falas de Ourense”; seu romance “Dime algo sucio” (2009) ganhou o Premio Especial da Semana Negra de Xixón; em 2010, “Asasinato no Consello Nacional” venceu o Premio Irmandade do Libro ao Mellor Libro do Ano.
  10. 10.  CHAMLIAN, Luci Regina. João Carlos Marinho e Pepetela: dois escritores em ponto de bala – o gênero policial em Berenice detetive e Jaime Bunda, agente secreto. 207 f. Tese inédita de doutorado apresentada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2013.  LÓPEZ, María Xesús Lama. Novela negra ou hibridación do xénero?: a cara máis íntima do mal en Todo é silencio de Manuel Rivas.  http://gl.wikipedia.org/wiki/Diego_Ameixeiras
  11. 11.  MANDEL, Ernest. Delícias do crime: história social do romance policial. São Paulo: Busca Vida, 1988.  TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, 2004.

×