SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
O que é ser um especialista em enfermagem dermatológica Euzeli da Silva Brandão
Agravos dermatológicos ,[object Object],[object Object]
Novas demandas ,[object Object],[object Object]
Dermatologia Progrediu de forma extraordinária nas últimas décadas. Aprimoramento de recursos diagnósticos e terapêuticos, tornando-se uma especialidade diversificada, com atuação nas áreas clínica, cirúrgica e cosmiátrica. Rotta, 2008
Enfermagem em dermatologia
Enfermagem em dermatologia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Enfermagem em dermatologia ,[object Object],[object Object],[object Object]
Enfermagem em dermatologia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
De forma peculiar e em ritmo diferente da medicina, a enfermagem tem sido desafiada a atender as novas demandas da população Crescente interesse dos enfermeiros por esta especialidade  Aumento da oferta de cursos de pós-graduação em enfermagem dermatológica
Cursos de pós especialização enfermagem em dermatologia   ,[object Object],[object Object],[object Object]
Preocupações ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A formação do Enfermeiro pós graduado em dermatologia  Atender às reais necessidades da população Respeitar as características culturais, regionais e epidemiológicas (demandas regionais)
Especialista: algumas definições
Especialista ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Especialista ,[object Object],[object Object]
Quem são os enfermeiros especialistas?   Questão que intriga pesquisadores de diversos países
Importância da questão ,[object Object],[object Object]
Podemos definir todos os enfermeiros pós-graduados como especialistas, sem conhecermos a experiência, a prática e o aprimoramento de um? Galdeano, Rossi, 2006
Avaliação de especialistas ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O grande consenso: O valor da experiência prática “Know-how”: habilidade em conectar o conhecimento a habilidade apropriada
Questões importantes: ,[object Object],[object Object]
A formação do especialista é processo contínuo, que não se limita a realização de um curso de pós-graduação. O enfermeiro, ao concluir a especialização, é considerado pós-graduado em enfermagem em dermatologia.  Concessão do Titulo de Especialista em enfermagem em dermatologia: Atribuição exclusiva da SOBENDE, conforme resolução do COFEN de 2006 e Estatuto da ABESE.
Academia Brasileira de Especialistas em Enfermagem (ABESE) ,[object Object],[object Object],[object Object]
É essencial definir quais as competências deve possuir o enfermeiro especialista em dermatologia para que os programas formadores estejam capacitados a esta preparação.
Competência
Competência ,[object Object],[object Object]
Enfermeiro especialista em dermatologia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE PROG. SAÚDE COL.  PARA COMBATE DAS DÇAS TRANSMISSÍVEIS  (LEISHMANIOSE, HANSENÍASE, DSTS) PROM. DA SAÚDE, MANUTENÇÃO DA INTEG.  DA PELE,  PREVENÇÃO DE UP ESTÉTICA TRAT. DE FERIDAS:  ÚLCERAS  VASCULOGÊNICAS, PRESSÃO.. RECUPERAÇÃO SAÚDE DA PELE. CUIDADO AS PESSOAS  COM AFECÇÕES  CUTÂNEAS  PARTICIPAÇÃO EM  PROJETOS  (DERMACAMP, GRUPOS DE APOIO) ENFERMEIRO  EM DERMATOLOGIA CUIDADO TÉCNICO, DIALÓGICO  E SOLIDÁRIO
SOBENDE ,[object Object]
Objetivo ,[object Object],[object Object]
Estratégias ,[object Object]
Para se tornar um especialista... ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Importância da titulação ,[object Object],[object Object]
Cursos de especialização em enfermagem em dermatologia ,[object Object]
Enfermeiro Especialista em Dermatologia ,[object Object],[object Object],[object Object]
Enfermeiro Especialista em Dermatologia ,[object Object]
Neste contexto, destaca-se que a presença do enfermeiro junto ao cliente é fundamental.  Somente através do contato direto será possível construir um corpo de conhecimentos próprios, elaborado e recomendado pelos próprios executores do  cuidar, e voltado para as reais necessidades do cliente.
Referências ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Obrigada! ,[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagem49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagemjaquelinefragoso
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemAna Hollanders
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeViviane da Silva
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaAroldo Gavioli
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalFernando Dias
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptxSocorro Carneiro
 
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICAO PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICACaio Rafael Correa
 
Febre Reumática
Febre ReumáticaFebre Reumática
Febre Reumáticablogped1
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemJuliana Maciel
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelizaçãoGilson Betta Sevilha
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurançaRenatbar
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagemElter Alves
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemMarco Antonio
 

Mais procurados (20)

49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagem49782837 assistencia-enfermagem
49782837 assistencia-enfermagem
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Biossegurança
Biossegurança Biossegurança
Biossegurança
 
Manual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saudeManual feridas ministerio da saude
Manual feridas ministerio da saude
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Lei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissionalLei do exercicio profissional
Lei do exercicio profissional
 
Isolamento
IsolamentoIsolamento
Isolamento
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICAO PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
O PAPEL DO TÉCNICO DE SAÚDE NA UNIDADE DE SAÚDE BÁSICA
 
Febre Reumática
Febre ReumáticaFebre Reumática
Febre Reumática
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Clinica medica em Enfermagem
Clinica medica em EnfermagemClinica medica em Enfermagem
Clinica medica em Enfermagem
 
Biossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagemBiossegurança na enfermagem
Biossegurança na enfermagem
 
Central de Material e esterelização
 Central de Material e esterelização Central de Material e esterelização
Central de Material e esterelização
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem1ª aula introducao de-enfermagem
1ª aula introducao de-enfermagem
 
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em EnfermagemSemiologia e Semiotécnica em Enfermagem
Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem
 

Destaque

Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]
Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]
Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]Blanco, Thiago
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - CompletaSMS - Petrópolis
 
Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)Anais IV CBED
 
Unifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estética
Unifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estéticaUnifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estética
Unifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estéticaDra. Ana Carolin Puga
 
Seminario de farmacodermia veterinária
Seminario de farmacodermia veterináriaSeminario de farmacodermia veterinária
Seminario de farmacodermia veterináriaPatrícia Oliver
 
Código de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticistaCódigo de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticistaDocente Ilen Marzocca
 
4 pé diabético abordagem tópica
4 pé diabético abordagem tópica4 pé diabético abordagem tópica
4 pé diabético abordagem tópicaAntónio Bandarra
 
Atribuições e limites de atuação do Esteticista
Atribuições e limites de atuação do EsteticistaAtribuições e limites de atuação do Esteticista
Atribuições e limites de atuação do EsteticistaDocente Ilen Marzocca
 
Biomedicina Estética, uma nova área de atuação
Biomedicina Estética, uma nova área de atuação Biomedicina Estética, uma nova área de atuação
Biomedicina Estética, uma nova área de atuação Larah Oliveira
 
Introdução à dermatologia
Introdução à dermatologiaIntrodução à dermatologia
Introdução à dermatologiaKaren Von Kossel
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloSilmara Nogueira
 
Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273
Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273
Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273Geraldo Sebastian
 

Destaque (18)

Feridas - FSA
Feridas - FSAFeridas - FSA
Feridas - FSA
 
Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]
Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]
Mercado Estético [UniCesumar - 07.2013]
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)
Apresentação Oral - Trabalho 42 (19/09/2012 - Tarde)
 
EstéTica E SaúDe
EstéTica E SaúDeEstéTica E SaúDe
EstéTica E SaúDe
 
Unifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estética
Unifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estéticaUnifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estética
Unifenas 2010 - Alfenas - MG - O biomédico e sua atuação na estética
 
Seminario de farmacodermia veterinária
Seminario de farmacodermia veterináriaSeminario de farmacodermia veterinária
Seminario de farmacodermia veterinária
 
Código de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticistaCódigo de ética do profissional esteticista
Código de ética do profissional esteticista
 
4 pé diabético abordagem tópica
4 pé diabético abordagem tópica4 pé diabético abordagem tópica
4 pé diabético abordagem tópica
 
Atribuições e limites de atuação do Esteticista
Atribuições e limites de atuação do EsteticistaAtribuições e limites de atuação do Esteticista
Atribuições e limites de atuação do Esteticista
 
Dermatologia
DermatologiaDermatologia
Dermatologia
 
Biomedicina Estética, uma nova área de atuação
Biomedicina Estética, uma nova área de atuação Biomedicina Estética, uma nova área de atuação
Biomedicina Estética, uma nova área de atuação
 
Estética slide
Estética slideEstética slide
Estética slide
 
Introdução à dermatologia
Introdução à dermatologiaIntrodução à dermatologia
Introdução à dermatologia
 
Estética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do BeloEstética - Estudo do Belo
Estética - Estudo do Belo
 
Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273
Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273
Tabela de Códigos de Falhas OBD2 P0001 A P18273
 
Lesoes parte I
Lesoes parte ILesoes parte I
Lesoes parte I
 
7ª aula classes de medicamentos
7ª aula   classes de medicamentos7ª aula   classes de medicamentos
7ª aula classes de medicamentos
 

Semelhante a Euzeli Silva Brandão

Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanPROIDDBahiana
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanPROIDDBahiana
 
Estética e Cosmética FMU
Estética e Cosmética  FMUEstética e Cosmética  FMU
Estética e Cosmética FMUFMU - Oficial
 
Universidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da SaúdeUniversidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da Saúdegfgdias
 
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAHUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAIago Brito
 
Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...
Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...
Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...HELENO FAVACHO
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptZoraide6
 
Comunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoaisComunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoaisCarlos Vaz
 
Estudo de caso chao de estrelas
Estudo de caso   chao de estrelasEstudo de caso   chao de estrelas
Estudo de caso chao de estrelasAngelo Peres
 
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...GNEAUPP.
 
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...GNEAUPP.
 
84212201006[1]
84212201006[1]84212201006[1]
84212201006[1]HUSF
 

Semelhante a Euzeli Silva Brandão (20)

Maria Helena S. Mandelbaum
Maria Helena S. MandelbaumMaria Helena S. Mandelbaum
Maria Helena S. Mandelbaum
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
 
Estética e Cosmética FMU
Estética e Cosmética  FMUEstética e Cosmética  FMU
Estética e Cosmética FMU
 
PDF M1U4 - EPAS.pdf
PDF M1U4 - EPAS.pdfPDF M1U4 - EPAS.pdf
PDF M1U4 - EPAS.pdf
 
Universidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da SaúdeUniversidade Corporativa para Área da Saúde
Universidade Corporativa para Área da Saúde
 
Monica Antar Gamba
Monica Antar GambaMonica Antar Gamba
Monica Antar Gamba
 
3447-7631-1-PB.pdf
3447-7631-1-PB.pdf3447-7631-1-PB.pdf
3447-7631-1-PB.pdf
 
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIAHUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
HUMANIZAÇÃO NO SETOR DE RADIOLOGIA
 
Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...
Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...
Enfermagem - Infecção de ferida cirúrgica por microrganismos resistentes e a ...
 
gestão da clínica.ppt
gestão da clínica.pptgestão da clínica.ppt
gestão da clínica.ppt
 
0200
02000200
0200
 
Maria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher CaliriMaria Helena Larcher Caliri
Maria Helena Larcher Caliri
 
Comunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoaisComunicação R interpessoais
Comunicação R interpessoais
 
Estudo de caso chao de estrelas
Estudo de caso   chao de estrelasEstudo de caso   chao de estrelas
Estudo de caso chao de estrelas
 
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
 
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO GNEAUPP Nº 13 “Enfermeiras Consultoras em Feridas...
 
84212201006[1]
84212201006[1]84212201006[1]
84212201006[1]
 
Cursose clinico intensivo
Cursose clinico intensivoCursose clinico intensivo
Cursose clinico intensivo
 
Publication
PublicationPublication
Publication
 

Mais de Associação Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (11)

Anais - I SPEED
Anais - I SPEEDAnais - I SPEED
Anais - I SPEED
 
Fotos - I SPEED
Fotos - I SPEEDFotos - I SPEED
Fotos - I SPEED
 
Nadia Rucisnci
Nadia RucisnciNadia Rucisnci
Nadia Rucisnci
 
Flavia Regina Ferreira
Flavia Regina FerreiraFlavia Regina Ferreira
Flavia Regina Ferreira
 
Momento do Patrocinador - Neve
Momento do Patrocinador - NeveMomento do Patrocinador - Neve
Momento do Patrocinador - Neve
 
Momento do Patrocinador - Systagenix
Momento do Patrocinador - SystagenixMomento do Patrocinador - Systagenix
Momento do Patrocinador - Systagenix
 
Rose Ana Rios David
Rose Ana Rios DavidRose Ana Rios David
Rose Ana Rios David
 
Aparecida Yoshitome
Aparecida YoshitomeAparecida Yoshitome
Aparecida Yoshitome
 
Carla Mye Matuo
Carla Mye MatuoCarla Mye Matuo
Carla Mye Matuo
 
Nadia Poletti
Nadia PolettiNadia Poletti
Nadia Poletti
 
Vania Declair
Vania DeclairVania Declair
Vania Declair
 

Euzeli Silva Brandão

  • 1. O que é ser um especialista em enfermagem dermatológica Euzeli da Silva Brandão
  • 2.
  • 3.
  • 4. Dermatologia Progrediu de forma extraordinária nas últimas décadas. Aprimoramento de recursos diagnósticos e terapêuticos, tornando-se uma especialidade diversificada, com atuação nas áreas clínica, cirúrgica e cosmiátrica. Rotta, 2008
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. De forma peculiar e em ritmo diferente da medicina, a enfermagem tem sido desafiada a atender as novas demandas da população Crescente interesse dos enfermeiros por esta especialidade Aumento da oferta de cursos de pós-graduação em enfermagem dermatológica
  • 10.
  • 11.
  • 12. A formação do Enfermeiro pós graduado em dermatologia Atender às reais necessidades da população Respeitar as características culturais, regionais e epidemiológicas (demandas regionais)
  • 14.
  • 15.
  • 16. Quem são os enfermeiros especialistas? Questão que intriga pesquisadores de diversos países
  • 17.
  • 18. Podemos definir todos os enfermeiros pós-graduados como especialistas, sem conhecermos a experiência, a prática e o aprimoramento de um? Galdeano, Rossi, 2006
  • 19.
  • 20. O grande consenso: O valor da experiência prática “Know-how”: habilidade em conectar o conhecimento a habilidade apropriada
  • 21.
  • 22. A formação do especialista é processo contínuo, que não se limita a realização de um curso de pós-graduação. O enfermeiro, ao concluir a especialização, é considerado pós-graduado em enfermagem em dermatologia. Concessão do Titulo de Especialista em enfermagem em dermatologia: Atribuição exclusiva da SOBENDE, conforme resolução do COFEN de 2006 e Estatuto da ABESE.
  • 23.
  • 24. É essencial definir quais as competências deve possuir o enfermeiro especialista em dermatologia para que os programas formadores estejam capacitados a esta preparação.
  • 26.
  • 27.
  • 28. PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE PROG. SAÚDE COL. PARA COMBATE DAS DÇAS TRANSMISSÍVEIS (LEISHMANIOSE, HANSENÍASE, DSTS) PROM. DA SAÚDE, MANUTENÇÃO DA INTEG. DA PELE, PREVENÇÃO DE UP ESTÉTICA TRAT. DE FERIDAS: ÚLCERAS VASCULOGÊNICAS, PRESSÃO.. RECUPERAÇÃO SAÚDE DA PELE. CUIDADO AS PESSOAS COM AFECÇÕES CUTÂNEAS PARTICIPAÇÃO EM PROJETOS (DERMACAMP, GRUPOS DE APOIO) ENFERMEIRO EM DERMATOLOGIA CUIDADO TÉCNICO, DIALÓGICO E SOLIDÁRIO
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37. Neste contexto, destaca-se que a presença do enfermeiro junto ao cliente é fundamental. Somente através do contato direto será possível construir um corpo de conhecimentos próprios, elaborado e recomendado pelos próprios executores do cuidar, e voltado para as reais necessidades do cliente.
  • 38.
  • 39.