O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Defasagem das tarifas do frete rodoviário de cargas (2018)

302 visualizações

Publicada em

Apresentação feita durante a 5ª Conferência SETCESP

Publicada em: Economia e finanças
  • Seja o primeiro a comentar

Defasagem das tarifas do frete rodoviário de cargas (2018)

  1. 1. 27/03/2019 O Mercado e os Custos do Transporte Rodoviário de Carga - 2018 Lauro Valdívia Assessor técnico da NTC&Logística
  2. 2. Eng.: Antonio Lauro Valdivia O Mercado e os Custos do Transporte Rodoviário de Carga Ano de 2018 • DECOPE - NTC&Logística
  3. 3. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Fracionada Lotação Óleo diesel S-500 Óleo diesel S-10 Arla 32 Óleo de câmbio Óleo de cárter Salário do Motorista / Ajudante 2,50 2,50 Despesas Admistrativas e de Terminais 3,14 5,40 Cavalo Mecânico/Caminhão (Chassi) 2,10 4,35 Caminhão distribuição urbana 5,56 Semirreboque/Furgão Truque 2,92 2,48 Furgão distribição 2,70 Pneu 295/80 - R 22 (1,33) Pneu 275/80 - R 22 Veículo Toco 4,59 Pneu 215/75 R17,5 - Veículo 3/4 (5,88) Pneu 205/75 R17,5 - Veículo Accelo 6,05 Recapagem pneu 295 5,03 Recapagem pneu 1000 R 20 2,24 Recapagem pneu 750 R 20 5,42 Manutenção SCANIA G 400 LA 4X2 H2 (EURO 5) 3,56 Manutenção MB ATRON 2324 (EURO 5) 3,82 Manutenção MB ACCELO 815 ( EURO 5 ) 3,82 Seguro de veículo SCANIA G 400 LA 4X2 H2 (EURO 5) 4,03 Seguro de veículo MB ATEGO 2426 (EURO 5) 2,17 Seguro de veículo MB ACCELO 815 ( EURO 5 ) 5,26 Lavagem de furgão leve 4,50 4,50 (1,83) 2,19 2,03 (%) variação ano 5,30 4,30
  4. 4. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Mão Obra: 2,5% D: 4,3% V: 3,3% P: -0,1% Diesel Veículo Pneus 4,3% 3,3% -0,1% 8,5% 2,5% 2,5% 9,5% 1,9% 3,1% 3,7% 1,3% 2,2% -0,7% 0,5% 3,8% 0,1% 0,7% 2,7% 1,5% -0,2% 1,8% 5,7% -0,1% 1,1% 2,3% -0,4% 0,0% 1,4% -0,3% -0,2% 1,6% -0,2% 0,0% 1,2% 0,1% -0,2% Acumulado do ano
  5. 5. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Paralização dos Caminhoneiros IPCA IGPM INCT-F INCT-L dez/18 3,75 7,55 4,67 4,38 nov/18 4,05 9,69 5,76 5,97 out/18 4,56 10,81 6,09 6,85 set/18 4,53 10,05 5,50 6,43 ago/18 4,19 8,91 4,74 4,78 jul/18 4,48 8,26 4,79 5,59 jun/18 4,39 6,94 5,32 5,20 mai/18 2,85 4,27 4,20 6,42 abr/18 2,76 1,90 4,54 4,58 mar/18 2,68 0,20 4,03 3,54 fev/18 2,84 -0,42 3,91 3,13 jan/18 2,86 -0,41 3,80 2,82 dez/17 2,947 -0,53 3,81 3,80 F: 4,67% L: 4,38% INCT-fev/19 F: 4,24% L: 4,64%
  6. 6. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Pesquisa sobre o Mercado de Transporte Rodoviário de Carga no Ano de 2018 • NTC&Logística e ANTT
  7. 7. Eng.: Antonio Lauro Valdivia 1. Tabela de Frete Peso  Por faixa de km  Por rota/localidade 2. Taxa de Despacho (carga fracionada) 3. Frete Valor 4. GRIS 5. Generalidades Sistema Tarifário do TRC
  8. 8. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Mercado no Ano de 2018
  9. 9. Eng.: Antonio Lauro Valdivia 1. O desempenho das empresas no Ano de 2018 TRC (Fracionada + Lotação) Melhor Igual Pior 38% 26% 36% Fev/19 Ano todo de 2018 21,5% 26,0% 52,5% Ago/18 Meio do ano Melhor Igual Pior F: 33% L: 41% F: 26% L: 26% F: 41% L: 32% F: 19,0% L: 23,4% F: 25,7% L: 26,2% F: 55,3% L: 50,4%
  10. 10. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Custos&Defasagem do Frete no Ano de 2018
  11. 11. Eng.: Antonio Lauro Valdivia DEFASAGEM = Custo Apurado Frete PESO Cobrado Custos Diretos → Planilha Custo do Caminhão Custos Indiretos → Despesas Administrativas Impostos → Federais Aluguéis: imóveis e equipamentos Tarifas de serviços: água, luz, telefône, internet Serviços profissionais: contador, advogado, limpesa Impostos e taxas: IPTU, CPMF, IOF, multas Depreciações: maquinas, equipamentos, móveis e utencílios Outros custos          Material de escritório e limpeza          Viagens, estadias e condução          Contribuições e doações          Uniformes          Despesas com promoções, brindes e propaganda          Despesas com conservação de bens e instalações          Despesas financeiras Taxas bancárias          Refeições e lanches          Fotocópias          Veículos auxiliares OUTROS Propaganda e Promoções PIS - Programa de Integração Social COFINS - Contribuição p/ Financiamento da Seguridade Social CSLL - Contribuição Social sobre o Lucro Líquido IRPJ – Imposto de Renda Pessoa Jurídica
  12. 12. Eng.: Antonio Lauro Valdivia a - COTAÇÕES MENSA(Valores em R$) 01 - Valor do Cavalo Mecânico 284.168,00 02 - Valor do Semi-Reboque 79.000,00 03 - Valor do Rodoar 806,67 04 - Valor do Pneu (Veículo) 1.583,53 07 - Valor da Recapagem (Veículo) 493,00 09 - Preço do Combustível, por Litro 2,5930 9.1 - Preço do ARLA 32, por Litro 4,0590 10 - Preço do Óleo do Cárter, por Litro 16,59 11 - Preço do Óleo de Câmbio/Diferencial, por Litro 20,23 12 - Preço da Lavagem/Lubrificação do Veículo 326,00 13 - Salário de Motorista Rodoviário 2.965,26 - vale transporte 133,22 - vale refeição 188,88 - cesta básica 85,88 - assistência médica 172,66 - seguro saúde 26,29 - outros 90,34 b - OUTRAS COTAÇÕ(Valores em R$) 01 - I.P.V.A. 4.262,52 02 - Taxa de Licenciamento de Veículo 65,86 03 - DPVAT 110,38 04 - Vistoria de Tacógrafo 85,00 c - VALORES REFERENCIAIS E P(Valores em R$) 01 - Importância Segurada (IS) para Seguro do Casco do Veículo (R$) 284.974,67 02 - Importância Segurada (IS) para Seguro da Carroceria (R$) 79.000,00 03 - Importância Segurada (IS) do S.R.C.F. por Danos Materiais (R$) 161.057,31 04 - Importância Segurada (IS) do S.R.C.F. por Danos Pessoais (R$) 373.052,55 05 - Importância Segurada (IS) do S.R.C.F. por Danos Morais (R$) 454.667,48 06 - Prêmio do Casco do Veículo 11.164,23 07 - Prêmio da Carroceria 3.446,45 08 - SRCF - Danos Materiais (R$) 505,84 09 - SRCF - Danos Pessoais (R$) 413,88 10 - Custo de Apólice de Seguro (R$) 60,00 Valores Necessários para a planilha de Custo do Veículo
  13. 13. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Valores Necessários para a planilha de Custo do Veículo d - PARÂMETROS TÉCNICOS E OPERACIONAIS DO VEÍCULO 01 - Vida Útil do Veículo (meses) 60 02 - Vida Útil da Carroceria (meses) 96 03 - Taxa de Reposição do Valor do Veículo 35,98% 04 - Taxa de Reposição do Valor da Carroceria 28,00% 05 - Taxa Anual de Remuneração do Capital (veículo e equip.) 13,20% 06 - Vida Útil do Pneu (km) 293.333 07 - Quantidade de Pneus por Veículo 18 08 - Coeficiente de Perda de Pneu Novo 7,00% 09 - Quantidade de Recapagens 2 10 - Quilometragem Média Mensal Percorrida 10.767 11 - Rendimento do Combustível (km/litro) 2,40 12 - Capacidade de Óleo do Cárter (litro) 28,00 13 - Reposição de Óleo do Cárter antes da Próxima Troca (litro) 9,00 14 - Quilometragem de Troca de Óleo do Cárter 18.000 15 - Capacidade de Óleo do Diferencial (litro) 10,25 16 - Quilometragem de Troca de Óleo do Diferencial 50.081 17 - Quilometragem de Lavagem do Veículo 8.282 e - PARÂMETROS TRIBUTÁRIOS 01 - Encargos Sociais sobre a Folha de Salários 63,00% 02 - I.O.F. sobre Seguros 7,38% 03 - PIS 1,65% 04 - COFINS 7,60% f - OUTROS PARÂMETROS PARA O CÁLCULO DA TARIFA 01 - Horas Trabalhadas 200,00 02 - Tempo de Carga/Espera/Descarga 8,00 03 - Capacidade Média de Carga Efetiva 25,00 05 - Velocidade Média 55,00
  14. 14. Eng.: Antonio Lauro Valdivia PLANILHA DE CUSTO OPERACIONAL Custos Diretos TEMPO Dia22 = 553,40 Hora11 = 50,30 CUSTOS FIXOS (MENSAIS ) 12.175,00 Remuneração do Capital 2.187,50 Depreciação do Veículo 1.875,00 Salário de Motorista 6.080,00 Licenciamento, IPV e Seg Obrigatório 470,00 Seguro do Casco e Resp. Civil 1.562,50 CUSTOS VARIÁVEIS POR KM 1,7595 Manutenção (peças e MO) 0,2880 Combustível - Diesel 1,1923 Combustível - ARLA 32 0,0308 Lubrificantes 0,0270 Pneus 0,1964 Lavagem e Lubrificação 0,0250 Cav. Mec. + SR 3 Eixos
  15. 15. Eng.: Antonio Lauro Valdivia
  16. 16. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Custos Diretos → Planilha Custo do Caminhão → BASE do Piso Mínimo Km/mês 5.000 10.000 CUSTOS FIXOS (MENSAIS ) 12.175,00 58% 41% Remuneração do Capital 2.187,50 10,4% 7,3% Depreciação do Veículo 1.875,00 8,9% 6,3% Salário de Motorista 6.080,00 29,0% 20,4% Licenciamento, IPV e Seg Obrigatório 470,00 2,2% 1,6% Seguro do Casco e Resp. Civil 1.562,50 7,5% 5,2% CUSTOS VARIÁVEIS POR KM 1,7595 42% 59% Manutenção (peças e MO) 0,2880 6,9% 9,7% Combustível - Diesel 1,1923 28,4% 40,1% Combustível - ARLA 32 0,0308 0,7% 1,0% Lubrificantes 0,0270 0,6% 0,9% Pneus 0,1964 4,7% 6,6% Lavagem e Lubrificação 0,0250 0,6% 0,8% 20.972,50 29.770,00 3 Cav. Mec. + SR 3 Eixos
  17. 17. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Se o SERVIÇO demora 4 dias e meio e caminhão percorre de 1.200 km Custo Direto da Viagem = Diária = 553,40 Km = 1,7595 TEMPO km Velocidade média Tempo de Carga Tempo de Descarga EXEMPLO KM = 1,7595 x 1.200 = R$ 2.111,40 TEMPO = 553,40 x 4,5 = R$ 2.490,30 + Custo do TEMPO é influenciado por: R$ 4.601,70 Custo por Eixo/km R$ 4.601,70 5 eixos x 1.200 km R$ 0,7670 eixo/km 4,0 dias ( - 0,5 dias) → R$ 2.111,40 → R$ 2.490,30 R$ 4.325,00 R$ 0,7208 eixo/km Dif.: 6,02%
  18. 18. Eng.: Antonio Lauro Valdivia • BRASIL Fracionada Lotação Transporte Rodoviário de Carga 9,6% 15,5% 13,0% DEFASAGEM – FRETE PESO Defasagem Frete
  19. 19. Eng.: Antonio Lauro Valdivia COBRA NÃO COBRA FRETE VALOR 28,5% 71,5% 0,31% F = 36% - L = 23% • BRASIL Defasagem Frete 87,5% Grandes da Fracionada
  20. 20. Eng.: Antonio Lauro Valdivia COBRA NÃO COBRA G R I S 20,9% 79,1% 0,24% F = 23% - L = 19% • BRASIL Defasagem Frete 76,5% Grandes da Fracionada
  21. 21. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Generalidades: EMEX
  22. 22. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Generalidades Sistema Tarifário do TRC Ressarcir custos não previstos nos demais componentes do frete. EMEX - Taxa de Emergência Excepcional para situações de beligerância Valor cobrado para regiões que se encontram em estado de beligerância e enquanto a situação não se normalizar. A sua cobrança se justifica pelo alto custo suportado pelas empresas transportadoras para manter suas operações nestas condições. A cobrança ocorre para todas as cargas que saem ou chegam a estas regiões, sejam elas CIF ou FOB. Regiões onde a cobrança vigora atualmente: região metropolitana do Rio de Janeiro R$ 10,75 por fração de 100 kg mais um percentual do valor da carga que varia de 0,3% a 1,0%. Valor de Cobrança:
  23. 23. Eng.: Antonio Lauro Valdivia COBRA NÃO COBRA Fracionada: EMEX Generalidade: Taxa de Emergência Excepcional 11,6% 15,2% NÃO COBRA DESCONHECE 73,2% 88,4% 13% • BRASIL Defasagem Frete por Estado + 69% = 19% - 22,2% Grandes da Fracionada
  24. 24. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Participação das Generalidades no Faturamento das Empresas TRT 1,80% TDE 2,39% Pedágio 4,72% TAS 1,43% TTC 0,71% EMEX 1,36% GRIS 4,80% 17,21%
  25. 25. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Fretes a receber em atraso 48,7% Percentual do faturamento em atraso 15,1% Prazo médio de recebimento 24,7 dias Outras Informações sobre Frete Como está o recebimento do Frete:
  26. 26. Eng.: Antonio Lauro Valdivia R E S U M O Atual Situação do Frete Prazo médio de recebimento 24,7 dias Frete em atraso 48,7% (comprometendo 15,1% do faturamento) DEFASAGEM (média) 13,0% • BRASIL Defasagem Frete por Estado
  27. 27. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Tributos em atraso 41,0% Outras Informações sobre Frete Consequências: 41,1%
  28. 28. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Situação Atual RESUMO jan/16 ago/16 jan/17 ago/17 jan/18 ago/18 jan/19 - Afirmaram que estão pior que antes 71% 74% 82% 62% 52% 53% 36% - Não aumentaram ou deram desconto no frete 64% 81% 90% 91% 82% 77% 72% - Recebem abaixo do custo (NTC) 67% 71% 72% 79% 67% 61% 44% - Tiveram diminuição no faturamento 76% 77% 84% 71% 62% 58% 42% - Não recebem Frete valor 31% 30% 69% 70% 70% 71% 72% - Não recebem GRIS 45% 67% 79% 80% 79% 78% 79% - Prazo médio de recebimento do frete 34,3 dias 35,4 dias 25,9 dias 26,7 dias 25,9 dias 25,5 dias 24,7 dias - Tem frete a receber em atraso 84,0% 86,3% 44,2% 54,7% 52,4% 50,4% 48,7% - Valor médio do frete em atraso 13,0% 13,3% 14,9% 14,3% 7,7% 13,5% 15,1% jan/16 ago/16 jan/17 ago/17 jan/18 ago/18 jan/19 - Tributos em atraso 48,5% 50,3% 48,3% 47,2% 46,3% 41,1% 41,0%
  29. 29. Eng.: Antonio Lauro Valdivia 11% 41% 48% Ago/2016 5,4% 54% 41% Jan/2016 O Futuro do Valor do Frete 18% 44% 38% Jan/2017 44,5% 42,0% 13,5% 11% 41% 48% Ago/2017 PIORAR MELHORAR ESTÁVEL 19,1% 39,5% 41,4% Jan/2018 36,6% 28,2% 35,2% Ago/2018
  30. 30. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Referências
  31. 31. Eng.: Antonio Lauro Valdivia DECOPE – Departamento de Custos Operacionais, Estudos Técnicos e Econômicos - site NTCTec - INCT – Índice Nacional de Custo de Transporte - Planilhas Referenciais de Custo de 9 segmentos NTCConsult Instituto COMJOVEM de Desenvolvimento Mercadológico - Manual de Boas Práticas - Simuladores para Cálculo e Avaliação de Fretes
  32. 32. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Impressão: fevereiro de 2019 Para: Cargas Fracionadas Carga Lotação SECA LOTAÇÃO (FTL) Alterações & Inserções Inclusão de um valor mínimo para o Frete Valor - Igual ao do GRIS Incorporação de veículos a gasolina na frota de coleta e distribuição
  33. 33. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Simulador para Avaliação de Frete BAIXAR nos sites: ntctec.org.br ou comjovemnacional.com.br Manual de Boas Práticas para o TRC
  34. 34. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Piso Mínimo para o Frete
  35. 35. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Política de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas 53,6% Boa para o TRC 24,7% Indiferente 21,7% Prejudicial para o TRC As empresas acreditam que a tabela de piso mínimo é: Ant.: 69,3% F: 36,1% L: 66,9% 39,4% Frota Própria
  36. 36. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Política de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas 13,8% Continuou contratando os terceiros 56,0% Não foi afetado 30,3% Substituição de terceiros Como se adaptou a realidade com o piso mínimo 39,4% Frota Própria
  37. 37. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Política de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas 12,4% Acima 22,8% Igual ou bem parecido 64,8% Abaixo O frete recebido em relação ao piso mínimo está: 39,4% Frota Própria
  38. 38. Eng.: Antonio Lauro Valdivia Política de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas 10,9% Acima 39,9% Igual ou bem parecido 49,2% Abaixo O frete pago aos terceiros em relação ao piso mínimo está: 39,4% Frota Própria
  39. 39. Eng.: Antonio Lauro Valdivia OBRIGADO PELA ATENÇÃO DISPENSADA FIM

×