SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
História
   do
Paraná
  Profª. Simone P. Baldissera
Significado
a palavra Paraná tem um
  significado Tupi e quer dizer:
pará: mar
anã: semelhante, parecido]
Paraná: semelhante ao mar,
         grande como o mar.
               Profª. Simone P. Baldissera
A história do Estado do Paraná
 remonta há cerca de 9000 anos.
As provas materiais dessa história são
 encontradas em todo o território
 paranaense nos vários sítios
 arqueológicos já pesquisados como:
 os sambaquis no litoral e as pinturas
 rupestres, nos Campos Gerais.

               Profª. Simone P. Baldissera
Nesses locais encontramos vestígios
materiais importantes que revelam como
viviam os habitantes desta terra antes da
   vinda dos primeiros europeus para a
                América.




               Profª. Simone P. Baldissera
• No século XVI, as terras que hoje
  fazem parte do estado do Paraná,
  pertenciam a Capitania de São
  Vicente.
• Nessa época, a região era visitada
  por exploradores europeus em
  busca de madeira de lei.

              Profª. Simone P. Baldissera
• Somente no século XVII, em 1660, foi
  iniciada a colonização, com a
  fundação da Vila de Paranaguá, por
  colonos e jesuítas espanhóis.
• Curitiba, atual capital do estado,
  também foi fundada logo no início da
  colonização das terras paranaenses,
  tendo sido elevada a vila em 1693.

               Profª. Simone P. Baldissera
• no Paraná, a ocupação européia
  aconteceu por duas vias: uma
  espanhola e a outra portuguesa.

• O primeiro europeu a percorrer
  toda a extensão deste território
  foi o bandeirante Aleixo Garcia.

              Profª. Simone P. Baldissera
• No século XVII,
   os bandeirantes descobriram ouro no
   Paraná e para extraí-lo,
   tentaram escravizar e catequizar os
 indígenas locais.
• O Tratado de Madri, assinado em 1750,
   deu à Coroa portuguesa a posse do
   Paraná; que, então, integrava a capitania
   de São Paulo.

                 Profª. Simone P. Baldissera
Profª. Simone P. Baldissera
• No século XVII, descobriu-se na região
  do Paraná uma área aurífera, que
  provocou o povoamento tanto no litoral
  quanto no interior.
• Com o descobrimento das Minas
  Gerais, o ouro de Paranaguá perdeu a
  importância.
• As famílias ricas, que possuíam grandes
  extensões de terra, passaram a se
  dedicar à criação de gado, que logo
  abasteceria a população das Minas
  Gerais.
                Profª. Simone P. Baldissera
Mas apenas no século XIX as terras do
  centro e do sul do Paraná foram
  definitivamente ocupadas pelos
            fazendeiros.




              Profª. Simone P. Baldissera
• Como as grandes criações de gado e de
  eqüinos estavam localizadas ao sul (no
  Rio Grande do Sul, Paraguai e Argentina),
  foi aberto um caminho pelo qual o gado
  e os eqüinos seriam transportados, que
  ligava a Vila de Sorocaba (em São Paulo),
  a Viamão (no Rio Grande do Sul).
• A esse caminho deu-se o nome de
  “Caminho de Viamão”.

                 Profª. Simone P. Baldissera
Profª. Simone P. Baldissera
• O gado e as mulas eram comprados na
  grande feira realizada em Viamão, e
  levados pelos tropeiros até a Vila de
  Sorocaba pelo Caminho de Viamão.
• Com o passar do tempo, as paradas ou os
  locais de pouso dos tropeiros, foram
  sendo povoados, dando inicio a novos
  municípios que atualmente formam um
  roteiro turístico, chamado de Rota dos
  Tropeiros.
               Profª. Simone P. Baldissera
O Paraná e a Independência do Brasil
• terras do Paraná faziam parte da capitania de
  São Paulo, a qual devido a sua extensão, foi
  dividida em duas comarcas. A comarca do sul
  teve sede em Paranaguá até 1812, quando esta
  foi transferida para Curitiba.
• Em 1811, desejando um governo próprio o
  governo de Paranaguá enviou uma representação
  a D. João. O líder desse movimento
  emancipacionista foi Pedro Joaquim Correia de
  Sá. Foram feitas várias tentativas junto à Corte,
  no Rio de Janeiro, mas o movimento fracassou.
                    Profª. Simone P. Baldissera
O Paraná e a Independência do Brasil
• Em 1821, houve uma nova tentativa de
  obter a emancipação da comarca, que
  então se chamava comarca de Curitiba e
  Paranaguá. Os defensores da
  emancipação iniciaram um movimento
  que ficou conhecido como Conjura
  Separatista


                Profª. Simone P. Baldissera
O Paraná e a Independência do Brasil
• Mais uma vez, o movimento não trouxe
  resultado positivo, embora o ideal da
  emancipação não tivesse desaparecido.
• Nessa luta destacaram-se o tropeiro Francisco
  de Paula e Silva Gomes e o Coronel Manuel
  Francisco Correia Júnior.
• Como você pode observar, o sete de setembro
  não alterou a situação política do Paraná.

                  Profª. Simone P. Baldissera
História oficial do Paraná
 Em 1853 a Província de São
    Paulo foi desmembrada,
 dando início à história oficial
 do Paraná, embora o Paraná
só tenha se tornado um estado
           em 1859.
           Profª. Simone P. Baldissera
Erva- mate
• No fim do século
  XIX, a erva-
  mate dominou a
  economia e criou
  uma nova fonte de
  riqueza para os
  líderes que
  partilhavam o
  poder.
                 Profª. Simone P. Baldissera
Erva- mate
• A erva-mate é uma planta nativa do
  Paraná. Conhecida e usada pelos índios
  era e, é até hoje, muito apreciada.
  Chegou a ser o principal negócio da
  Província do Paraná através da sua
  exportação para a Argentina e Uruguai, o
  que proporcionou altos lucros para nosso
  estado.
                Profª. Simone P. Baldissera
Erva- mate
• Além disso, a comercialização da erva-
  mate fez com que surgissem novos
  caminhos como a estrada da Graciosa
  (1871) e a estrada de ferro Curitiba –
  Paranaguá (1885).
• O porto de Paranaguá ganhou novo
  impulso com a exportação da erva-mate.

                Profª. Simone P. Baldissera
Profª. Simone P. Baldissera
Ciclo da madeira
• Esse ciclo aconteceu ao mesmo tempo que o
  da erva-mate. Teve inicio no litoral, com a
  exploração do cedro, da peroba e da canela-
  preta.
• Com a construção da estrada da Graciosa e a
  estrada de ferro Curitiba – Paranaguá, o pinho
  do Paraná passou a ser exportado para todo o
  Brasil e até para o exterior.

                   Profª. Simone P. Baldissera
Ciclo da madeira
• O ciclo da madeira trouxe grande
  desenvolvimento ao nosso Estado através do
  aumento do número de estradas,
  desenvolvimento dos rios Paraná e Iguaçu e do
  aparecimento de novos cidades como Palmas,
  Campo Mourão.
• Por outro lado a extração da madeira de forma
  desordenada também provocou um grande
  desmatamento, que modificou o nosso paisagem
  e alterou o equilíbrio ecológico da região.
                  Profª. Simone P. Baldissera
Profª. Simone P. Baldissera
Profª. Simone P. Baldissera
O Ciclo do Café
• Durante muito tempo, o café foi a
  atividade econômica mais importante
  não só para o Paraná como também para
  o Brasil.
• A plantação do café no Paraná teve início
  em 1920, mas só em 1960 é que nosso
  Estado liderou a produção de café no
  país.
                 Profª. Simone P. Baldissera
O Ciclo do Café
• só com a descoberta da Terra-Roxa, no norte
  do Paraná, é que a lavoura cafeeira ganhou
  um grande impulso, principalmente com a
  vida de agricultura paulista e mineiros.
• Essa ocupação ocorreu em três fases. A
  primeira delas durou de 1860 a 1920, foi
  ocupado o chamado "norte velho"
  compreendendo a divisa do nordeste com o
  Estado de São Paulo indo até a cidade de
  Cornélio Procópio.
                  Profª. Simone P. Baldissera
O Ciclo do Café
• Cidades como Jacarezinho, Tomazina, Santo
  Antônio da Platina foram fundados nesta
  época.
• A Segunda fase, conhecida como "norte
  velho" (1920 – 1950) fez a ocupação de
  Cornélio Procópio até o rio Ivaí. Nesse período
  foram fundado as cidades de londrina, Cambé,
  Rolândia, Maringá, Apucarana.

                   Profª. Simone P. Baldissera
O Ciclo do Café
• Na última fase, denominada "norte novíssimo"
  (1950 – 1960) foi povoada a região entre os rios
  Piquerí e Ivaí, com fundação de cidades como
  Umuarama, Xambre, rondo, Cruzeiro do Oeste.
• Com o café surgiram novas indústrias, houve um
  aumento da imigração, com estrangeiros de
  várias nacionalidades vindo trabalhar na lavoura
  além de terem surgido novas estradas, para
  auxiliar, a transporte da produção.

                    Profª. Simone P. Baldissera
Ciclo
                              do Café

Profª. Simone P. Baldissera
O Paraná e a república
   A primeira constituição
 paranaense foi aprovada em
            1891,
        no governo de
Generoso Marques dos Santos.
           Profª. Simone P. Baldissera

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Caça palavras sobre a Idade Média
Caça palavras sobre a Idade MédiaCaça palavras sobre a Idade Média
Caça palavras sobre a Idade MédiaMary Alvarenga
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpPéricles Penuel
 
Ciclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilCiclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilThiago Tavares
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisDouglas Barraqui
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilDouglas Barraqui
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAcrópole - História & Educação
 
História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresIvanilton Junior
 
Historia do parana e regiao oeste
Historia do parana e regiao oesteHistoria do parana e regiao oeste
Historia do parana e regiao oesteamiltonp
 
Geografia do Paraná
Geografia do Paraná Geografia do Paraná
Geografia do Paraná aroudus
 
China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)Nefer19
 
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atualEvolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atualJailson Alves
 

Mais procurados (20)

Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
Caça palavras sobre a Idade Média
Caça palavras sobre a Idade MédiaCaça palavras sobre a Idade Média
Caça palavras sobre a Idade Média
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Ciclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilCiclos economicos brasil
Ciclos economicos brasil
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacinaAvaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
Avaliação 9º ano república velha, guerra de canudos, revolta da vacina
 
Caça palavras brasil pre colonial
Caça palavras brasil pre colonialCaça palavras brasil pre colonial
Caça palavras brasil pre colonial
 
História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
 
Historia do parana e regiao oeste
Historia do parana e regiao oesteHistoria do parana e regiao oeste
Historia do parana e regiao oeste
 
Geografia do Paraná
Geografia do Paraná Geografia do Paraná
Geografia do Paraná
 
Atividades feudalismo na idade média
Atividades   feudalismo na idade médiaAtividades   feudalismo na idade média
Atividades feudalismo na idade média
 
A guerra do paraguai
A guerra do paraguaiA guerra do paraguai
A guerra do paraguai
 
China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)China Antiga - 6º Ano (2018)
China Antiga - 6º Ano (2018)
 
Revolução farroupilha
Revolução farroupilhaRevolução farroupilha
Revolução farroupilha
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Atividades de independencia do brasil 2013
Atividades de independencia do brasil 2013Atividades de independencia do brasil 2013
Atividades de independencia do brasil 2013
 
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atualEvolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
Evolução territorial do brasil em mapas (1534 atual
 
Independência do Brasil
Independência do BrasilIndependência do Brasil
Independência do Brasil
 

Semelhante a História do Paraná (20)

HP
HPHP
HP
 
Conquista do Sertão
Conquista do SertãoConquista do Sertão
Conquista do Sertão
 
Apontamentos para história de sorocaba e região
Apontamentos para história de sorocaba e regiãoApontamentos para história de sorocaba e região
Apontamentos para história de sorocaba e região
 
Paraná
ParanáParaná
Paraná
 
A história sp periodo colonial
A história sp periodo colonialA história sp periodo colonial
A história sp periodo colonial
 
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula AjksjihduihuihjdsaidjAna Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
Ana Paula Ajksjihduihuihjdsaidj
 
História regional povoamento primeiros tempos
História     regional   povoamento primeiros temposHistória     regional   povoamento primeiros tempos
História regional povoamento primeiros tempos
 
Capitulo 7
Capitulo 7Capitulo 7
Capitulo 7
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
Expansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorialExpansão e ocupação territorial
Expansão e ocupação territorial
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Ciclos econômicos
Ciclos econômicosCiclos econômicos
Ciclos econômicos
 
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptxHISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
HISTORIA DE MATO GROSSO - UNEMAT.pptx
 
Econômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.pptEconômia Açucareira.ppt
Econômia Açucareira.ppt
 
Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo Geografia- conteúdo
Geografia- conteúdo
 
O império português
O império portuguêsO império português
O império português
 
Mato Grosso do Sul
Mato Grosso do SulMato Grosso do Sul
Mato Grosso do Sul
 
Historia do-brasil
Historia do-brasilHistoria do-brasil
Historia do-brasil
 
Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império Economia Brasil colonia e Império
Economia Brasil colonia e Império
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 

Último

Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfaulasgege
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfSandra Pratas
 

Último (20)

Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdfAula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
Aula - 1º Ano - Ciência, Pesquisa e Sociologia.pdf
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24RITA CALAIM_2023_24.pdf
 

História do Paraná

  • 1. História do Paraná Profª. Simone P. Baldissera
  • 2. Significado a palavra Paraná tem um significado Tupi e quer dizer: pará: mar anã: semelhante, parecido] Paraná: semelhante ao mar, grande como o mar. Profª. Simone P. Baldissera
  • 3. A história do Estado do Paraná remonta há cerca de 9000 anos. As provas materiais dessa história são encontradas em todo o território paranaense nos vários sítios arqueológicos já pesquisados como: os sambaquis no litoral e as pinturas rupestres, nos Campos Gerais. Profª. Simone P. Baldissera
  • 4. Nesses locais encontramos vestígios materiais importantes que revelam como viviam os habitantes desta terra antes da vinda dos primeiros europeus para a América. Profª. Simone P. Baldissera
  • 5. • No século XVI, as terras que hoje fazem parte do estado do Paraná, pertenciam a Capitania de São Vicente. • Nessa época, a região era visitada por exploradores europeus em busca de madeira de lei. Profª. Simone P. Baldissera
  • 6. • Somente no século XVII, em 1660, foi iniciada a colonização, com a fundação da Vila de Paranaguá, por colonos e jesuítas espanhóis. • Curitiba, atual capital do estado, também foi fundada logo no início da colonização das terras paranaenses, tendo sido elevada a vila em 1693. Profª. Simone P. Baldissera
  • 7. • no Paraná, a ocupação européia aconteceu por duas vias: uma espanhola e a outra portuguesa. • O primeiro europeu a percorrer toda a extensão deste território foi o bandeirante Aleixo Garcia. Profª. Simone P. Baldissera
  • 8. • No século XVII, os bandeirantes descobriram ouro no Paraná e para extraí-lo, tentaram escravizar e catequizar os indígenas locais. • O Tratado de Madri, assinado em 1750, deu à Coroa portuguesa a posse do Paraná; que, então, integrava a capitania de São Paulo. Profª. Simone P. Baldissera
  • 9. Profª. Simone P. Baldissera
  • 10. • No século XVII, descobriu-se na região do Paraná uma área aurífera, que provocou o povoamento tanto no litoral quanto no interior. • Com o descobrimento das Minas Gerais, o ouro de Paranaguá perdeu a importância. • As famílias ricas, que possuíam grandes extensões de terra, passaram a se dedicar à criação de gado, que logo abasteceria a população das Minas Gerais. Profª. Simone P. Baldissera
  • 11. Mas apenas no século XIX as terras do centro e do sul do Paraná foram definitivamente ocupadas pelos fazendeiros. Profª. Simone P. Baldissera
  • 12. • Como as grandes criações de gado e de eqüinos estavam localizadas ao sul (no Rio Grande do Sul, Paraguai e Argentina), foi aberto um caminho pelo qual o gado e os eqüinos seriam transportados, que ligava a Vila de Sorocaba (em São Paulo), a Viamão (no Rio Grande do Sul). • A esse caminho deu-se o nome de “Caminho de Viamão”. Profª. Simone P. Baldissera
  • 13. Profª. Simone P. Baldissera
  • 14. • O gado e as mulas eram comprados na grande feira realizada em Viamão, e levados pelos tropeiros até a Vila de Sorocaba pelo Caminho de Viamão. • Com o passar do tempo, as paradas ou os locais de pouso dos tropeiros, foram sendo povoados, dando inicio a novos municípios que atualmente formam um roteiro turístico, chamado de Rota dos Tropeiros. Profª. Simone P. Baldissera
  • 15. O Paraná e a Independência do Brasil • terras do Paraná faziam parte da capitania de São Paulo, a qual devido a sua extensão, foi dividida em duas comarcas. A comarca do sul teve sede em Paranaguá até 1812, quando esta foi transferida para Curitiba. • Em 1811, desejando um governo próprio o governo de Paranaguá enviou uma representação a D. João. O líder desse movimento emancipacionista foi Pedro Joaquim Correia de Sá. Foram feitas várias tentativas junto à Corte, no Rio de Janeiro, mas o movimento fracassou. Profª. Simone P. Baldissera
  • 16. O Paraná e a Independência do Brasil • Em 1821, houve uma nova tentativa de obter a emancipação da comarca, que então se chamava comarca de Curitiba e Paranaguá. Os defensores da emancipação iniciaram um movimento que ficou conhecido como Conjura Separatista Profª. Simone P. Baldissera
  • 17. O Paraná e a Independência do Brasil • Mais uma vez, o movimento não trouxe resultado positivo, embora o ideal da emancipação não tivesse desaparecido. • Nessa luta destacaram-se o tropeiro Francisco de Paula e Silva Gomes e o Coronel Manuel Francisco Correia Júnior. • Como você pode observar, o sete de setembro não alterou a situação política do Paraná. Profª. Simone P. Baldissera
  • 18. História oficial do Paraná Em 1853 a Província de São Paulo foi desmembrada, dando início à história oficial do Paraná, embora o Paraná só tenha se tornado um estado em 1859. Profª. Simone P. Baldissera
  • 19. Erva- mate • No fim do século XIX, a erva- mate dominou a economia e criou uma nova fonte de riqueza para os líderes que partilhavam o poder. Profª. Simone P. Baldissera
  • 20. Erva- mate • A erva-mate é uma planta nativa do Paraná. Conhecida e usada pelos índios era e, é até hoje, muito apreciada. Chegou a ser o principal negócio da Província do Paraná através da sua exportação para a Argentina e Uruguai, o que proporcionou altos lucros para nosso estado. Profª. Simone P. Baldissera
  • 21. Erva- mate • Além disso, a comercialização da erva- mate fez com que surgissem novos caminhos como a estrada da Graciosa (1871) e a estrada de ferro Curitiba – Paranaguá (1885). • O porto de Paranaguá ganhou novo impulso com a exportação da erva-mate. Profª. Simone P. Baldissera
  • 22. Profª. Simone P. Baldissera
  • 23. Ciclo da madeira • Esse ciclo aconteceu ao mesmo tempo que o da erva-mate. Teve inicio no litoral, com a exploração do cedro, da peroba e da canela- preta. • Com a construção da estrada da Graciosa e a estrada de ferro Curitiba – Paranaguá, o pinho do Paraná passou a ser exportado para todo o Brasil e até para o exterior. Profª. Simone P. Baldissera
  • 24. Ciclo da madeira • O ciclo da madeira trouxe grande desenvolvimento ao nosso Estado através do aumento do número de estradas, desenvolvimento dos rios Paraná e Iguaçu e do aparecimento de novos cidades como Palmas, Campo Mourão. • Por outro lado a extração da madeira de forma desordenada também provocou um grande desmatamento, que modificou o nosso paisagem e alterou o equilíbrio ecológico da região. Profª. Simone P. Baldissera
  • 25. Profª. Simone P. Baldissera
  • 26. Profª. Simone P. Baldissera
  • 27. O Ciclo do Café • Durante muito tempo, o café foi a atividade econômica mais importante não só para o Paraná como também para o Brasil. • A plantação do café no Paraná teve início em 1920, mas só em 1960 é que nosso Estado liderou a produção de café no país. Profª. Simone P. Baldissera
  • 28. O Ciclo do Café • só com a descoberta da Terra-Roxa, no norte do Paraná, é que a lavoura cafeeira ganhou um grande impulso, principalmente com a vida de agricultura paulista e mineiros. • Essa ocupação ocorreu em três fases. A primeira delas durou de 1860 a 1920, foi ocupado o chamado "norte velho" compreendendo a divisa do nordeste com o Estado de São Paulo indo até a cidade de Cornélio Procópio. Profª. Simone P. Baldissera
  • 29. O Ciclo do Café • Cidades como Jacarezinho, Tomazina, Santo Antônio da Platina foram fundados nesta época. • A Segunda fase, conhecida como "norte velho" (1920 – 1950) fez a ocupação de Cornélio Procópio até o rio Ivaí. Nesse período foram fundado as cidades de londrina, Cambé, Rolândia, Maringá, Apucarana. Profª. Simone P. Baldissera
  • 30. O Ciclo do Café • Na última fase, denominada "norte novíssimo" (1950 – 1960) foi povoada a região entre os rios Piquerí e Ivaí, com fundação de cidades como Umuarama, Xambre, rondo, Cruzeiro do Oeste. • Com o café surgiram novas indústrias, houve um aumento da imigração, com estrangeiros de várias nacionalidades vindo trabalhar na lavoura além de terem surgido novas estradas, para auxiliar, a transporte da produção. Profª. Simone P. Baldissera
  • 31. Ciclo do Café Profª. Simone P. Baldissera
  • 32. O Paraná e a república A primeira constituição paranaense foi aprovada em 1891, no governo de Generoso Marques dos Santos. Profª. Simone P. Baldissera