Didatica

1.335 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.335
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Didatica

  1. 1. DIDATICA DO ENSINO SUPERIOR Simone Helen Drumond de Carvalho simone_drumond@hotmail.com http://simonehelendrumond.blogspot.com (92) 8813-9525 / 8808-23721) Descreva acerca da Docência - perspectivas e debates no Ensino Superior. Por muitos anos o trabalho em sala de aula do professor da Educação Superior temsido grande motivo de debate e questionamento. Em alguns momentos o professor équestionado pela sua prática, em outros, na sua postura teórica ou na sua tendênciaideológica. Vale lembrar que ele é um dos ícones de todo o debate sobre o processo deensino/aprendizagem, e muitas vezes, acusado do insucesso da educação, o domínio doensino ainda está em suas mãos, conservando a tradição da educação brasileira e dopensamento ocidental.Para acrescentar a Lei de Diretrizes e Bases (9394/96), argumenta que apenas cinquenta porcento do corpo docente deve-se ter obrigatoriamente a titulação igual ou acima de mestre, depós-graduação para ministrar aulas no Ensino Superior (BRASIL, 2000).A prática de docência seja do ensino primário, fundamental, médio e do ensino superior épreciso prestar atenção sobre o absolutismo, a autoridade de alguns professores em sala deaula ou em aulas práticas onde apenas despejam os conteúdos da matéria no cérebro deseus educandos, onde os mesmos deveriam aprender (BELO, 2005; FREIRE, 1996;MENEZES, 2005).Esta metodologia arcaica e tecnicista deveria ser exterminada pois os educandos apenas irãoaprender quando o educador criar possibilidades para sua produção e para a sua construçãoe não transferir conhecimentos, sendo assim, um indivíduo somente aprende quando passa a
  2. 2. utilizar os conhecimentos no cotidiano de sua vida e quando há uma estreita relação entreensinar e aprender. Para isto argumenta-se sobre a relação entre aprender e ensinar quandomenciona "quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender (FREIRE,1996 & PEREIRA, 2004).O professor deve tornar-se humilde, aniquilar com o absolutismo e para isto deve-se aceitar eque o conscientizar que o certo pode possuir mais de uma opção e que seu discente tem odireito de indagar mesmo ele estando errado. Para FREIRE (1996), dentro de uma instituiçãoprecisa existir a epistemologia da crítica, ou seja, fazer com que o aprendiz possa criticar,pensar e refletir fazendo com que tenha mais vontade de buscar trazendo-o para o âmbito daepistemologia da crítica.Também é possível relatar sobre a titulação dos professores dentro do âmbito do ensinosuperior, questionando sobre se título tem o significado de caráter.Alguns professores principalmente do ensino superior que possuem determinadas titulaçõesacabam esquecendo da ética de quando jurou em sua formação, utilizando assim de formaignorante ao se dirigir ao corpo discente, agindo assim de forma antipática, outros nãoquerendo ou por não gostarem de ministrar aulas, respondendo displicentemente e isto farácom que no final quem é somente prejudicado é apenas o aluno (TEIXEIRA, 2005).Professores de qualquer nível sendo graduação ou não, é obrigado a respeitar o educando,concomitantemente o aluno deve também respeitar seu educador, mas algunsindiscutivelmente resolvem a banalizar o princípio da ética e assim prejudicando oaprendizado de nossos futuros graduados. No mercado ainda existem excelentesprofissionais, que necessitam criar estratégias para exterminar estes profissionais queresolvem demolir definitivamente esta esplêndida relação (FREIRE, 1996).É interessante mencionar o quão é importante saber escutar seus alunos, faz-se uma fontemuito forte que poderá ser utilizada para trazer seus educandos junto a si e os laços deamizade irão crescendo e penetrando em seus corações e cada vez mais acreditará naspalavras de seus mestres (FREIRE, 1996). E isto nos mostra que o saber escutar é umprincípio da humildade, o que trás também uma afetividade e quando um educador sabeescutar poderá trazer o educando junto a si e poderá orientá-lo, direcioná-lo
  3. 3. A escola ou a universidade é um lugar aonde os princípios éticos devem ser respeitados equalquer ato que façamos fora da ética não há um outro nome a não ser de transgressão(FREIRE, 1996).Segundo BRASIL (2000), o educador deve respeitar a autonomia de seus aprendizes,contudo não deve ocultar ou fazer ficar obscuro seus ensinamentos. Tanto as escolas quantoas universidades são compostas por indivíduos com vários credos, pessoas com famílias quepossuem diferentes rituais, opções sexuais distintas, que devem ser respeitadas. Asinstituições que abordamos acima todas elas sem exceção são multifacetadas, ou seja,nossos educandos possuem pluralidade cultural com diversas orientações sexuais, que estãoa porte de nossos educandos e educadores.As instituições são lugares de decência e pureza e não de decência e boniteza aonde podeacabar se evolvendo e exaltando o caminho perdido do puritanismo. Quando nos referimos aboniteza significa que aonde o educador esbanja sua voz faz dela belas palavras ricas emsabedoria, mas os educandos não conseguem aprender ou similar o que lhes foi passado ouquando não possui o direito de discordar do professor e assim criando e construindo umambiente rico em criticidade.Estudiosos conhecidos como Piaget, Vygotsky, Wallon, entre outros caracterizam o processode desenvolvimento da criança, entre tudo existem as fazes de desenvolvimento motor deGalahue e Ozmun quando as crianças passam por vários estágios de desenvolvimento queincluem a fase reflexiva, fase rudimentar, fase fundamental, fase especializada que podeperdurar por toda a vida e conforme também podemos compreender como é importante cadaetapa de desenvolvimento ser trabalhada pois se for pulada com certeza poderá acarretardeficiências e poderá ser levado com indivíduo por toda a sua vida, no Ensino Superior adestreza é o nível até o qual a pessoa desenvolveu suas capacidades inatas. E muitoseducadores não tem a competência de mediar os saberes necessários aos seus educandos,deixando-os por conta própria neste processo.(http://simonehelendrumond.blogspot.com/pedagogia).A docência do ensino superior deve-se criar expectativas e explorar a matéria ao máximopossível fazendo interdisciplinaridade entre as matérias do curso, para que o graduandoconsiga assimilar seu aprendizado e aonde poderá aplicar na matéria em que está sendoensinada.
  4. 4. Mesmo que a disciplina dos próximos períodos tenha uma matéria importante que pode serincluído em uma matéria que esteja ministrando, não se deve deixar de mencionar mesmoque o professor da disciplina seguinte for abordar, pois talvez ele não tenha a especialização,ou a vivência que o educador tem em sua disciplina, e isso poderá ser fundamental naaprendizagem de seus graduandos no ensino superior.2) De acordo com seus estudos, como pode ser divida as etapas no processo ensino eaprendizagem, segundo a didática no ensino superior.É necessário que o educador prepare sua aula didaticamente para que possa atingir osobjetivos da aula e isto é sem dúvida é de fundamental importância, então a pedagogia doensino fundamental e médio é bem parecida com a pedagogia no ensino superior que podeser divida em três etapas: dimensão conceitual, procedimental e atitudinal (DARIDO &RANGEL, 2005).A dimensão conceitual - é utilizada para conhecer as transformações pela qual a sociedadepassou em ralação aos hábitos de vida, como exemplo podemos mencionar a diminuição dotrabalho corporal em função das novas tecnologias).A dimensão procedimental - é utilizada também em todas as graduações é o chamadosaber fazer, em outras palavras é denominada aula prática, como por exemplo uma aulaargumentativa onde os profissionais podem discutir sobre a ética, entre a razão e a emoção, ecriar através disto uma dinâmica simulando um fórum.A dimensão atitudinal - que tem como objetivo respeitar os colegas e resolver os problemascom atitudes de diálogo e não violência.Contudo que vimos acima é difícil dividir os conteúdos nas dimensões conceitual,procedimental e atitudinal, mas é possível dar ênfase em determinadas dimensões. Asuniversidades quanto as escolas, as propostas são otimistas, mas deve haver umapreparação, uma atualização, uma capacitação e um supervisionamento para os profissionaisnestes âmbitos, sendo que as escolas e as universidades devem proporcionar aos estudantesum âmbito confortável, prazeroso, com harmonia entre os colegas e seus professores, umlugar onde os estudantes estão em busca da sabedoria, um lugar onde tenha um respeitomútuo, sem a utilização da autoridade, pois liderar é mobilizar seus seguidores sem autilização de poderes.
  5. 5. 3) Explique o processo (FORMACÃO, TEORIA E PRÁTICA).As formas de conceber a relação entre a teoria e a prática são certamente muitas, porexemplo, ela pode ser entendia por intermédio da visão dicotômica, de acordo com asautoras: "A visão dicotômica está na separação entre a teoria e a prática. È importantesalientar que não se trata de distinguir entre um polo e outro. A ênfase é posta na totalautonomia de um em relação ao outro. Trata-se de afirmar a separação (CANDAU e LELIS,1995)".A teoria é compreendida separadamente da prática pedagógica, de tal modo, que existe umdistanciamento de uma em relação à outra. A dicotomia, que leva a fragmentação da teoria eda prática, assume uma postura mais radical, quando assume uma visão mais dissociativa,assim observa-se que a teoria e a prática são componentes isolados e mesmo opostos.Frases como na prática a teoria é outra, uma coisa é teoria, outra a prática, expressam bemessa postura.A prática é diferente da teoria, parte-se do pressuposto que a prática deve ser analisada comouma aplicação da teoria e se houver problemas na aplicação da teoria, seria a prática quedeveria ser retificada para melhor preparar os estudantes. Enfatiza-se que a formação devepriorizar o aspecto teórico, tem-se o processo de conceber a aquisição dos conhecimentosacumulados e de estimular o contato com os autores considerados clássicos ou de renome,sem, no entanto, se preocupar diretamente em modificar ou favorecer instrumentos paraintervenção na prática educacional. Porém, quando a formação do professor enfatizar oaspecto da prática pedagógica, afirmam que essa lógica dessa formação é a ideia de que,para formar o educador é necessário inseri-los na prática e está ditando o processoatribuindo-se às agências de formação, a principal responsabilidade para sua inserção naprática real.Assim, para que haja uma articulação na formação do profissional devem ser trabalhadas ateoria e a prática simultaneamente, sendo consideradas como uma unidade em um processode formação. Sobre a separação da teoria e prática, Saviani (2005) ressalta que:"A teoria exprime interesses, exprime objetivos, exprime finalidades, ele se posiciona arespeito de como deve ser, que rumo a educação deve ter, neste sentido, a teoria é nãoapenas relatadora da realidade, não apenas explicitadora, não apenas constatadora darealidade existente, mas é também orientadora de uma ação que permite mudar o existente".
  6. 6. A ação orientada pela teoria será sempre um fator de mudanças, desde que a primeira nãoseja apenas retratadora da realidade, mas se posicione em relação àquilo que a educaçãodeve ser. Assim, acredita-se que se for melhorado o ensino da teoria, consequentementemudar-se-ão as qualidades das práticas. Nesta vertente, baseado em Freire (1998) acredita-se que para que possamos buscar uma prática pedagógica que permita mudar o existente, eque o professor passe a considerar as diferenças individuais dos seus alunos, de modo que aescola cumpra a sua função política que é a de socializar o conhecimento, acredita-se sernecessário que a teoria deixe de ser um conjunto de regras a ser seguido, e torne posição arespeito de como deverá ser a educação para que os formadores, ou seja, os professorespossam encontrar caminhos que, ao serem percorridos, levem aos fins da educação comqualidade.Segundo Pimenta e Ghedin (2002) o saber docente não é formado apenas da prática, sendotambém nutrido pelas teorias da educação. A teoria tem importância fundamental na formaçãodos docentes, pois adota os sujeitos de variados pontos de vista para uma açãocontextualizada, oferecendo perspectivas de analise para que os professores compreendamos contextos históricos, sócias, culturais, organizacionais e de si próprios como profissionais.Dentro desta vertente o processo de aprendizagem e de solução de problemas é compostopor um ciclo de quatro estágios, em que:1) a experiência concreta é seguida por;2) observação e reflexão que levam à;3) formação de conceitos abstratos e generalizações que levam a; e4) hipóteses a serem testadas em ações futuras, as quais por seu turno levarão a novasexperiências.De acordo com Severino (1991) algumas dimensões devem ser observadas durante oprocesso de aprendizagem e prática da teoria:Competência técnica: Impõe algumas condições para que haja ciência: são as condiçõeslógicas, epistemológicas e metodológicas, que são exigências de articulação do lógico com oreal. O que está em jogo aqui é a necessária superação de toda forma de amadorismo, desuperficialidade, de mediocridade. É a exigência de aplicação do método científico, daprecisão técnica e do rigor filosófico.
  7. 7. Criatividade: A superação do espontaneismo, do tecnicismo, das fórmulas feitas ereceituários; é superação da armazenagem mecânica dos produtos do conhecimento,capacidade de elaboração pessoal, de participação ativa e inteligente na produção dosconhecimentos.Criticidade: É qualidade da postura cognoscitiva que permite entender o conhecimento comosituado num contexto mais amplo e envolvente, que vai além da simples relaçãosujeito/objeto. É a capacidade de entender que para além de sua transparênciaepistemológica, o conhecimento é sempre uma resultante da trama das relaçõessocioculturais. Capacidade de descontar as interferências ideológicas, as impregnações dosenso comum. É a criticidade que nos livra tanto do absolutismo dogmático como doceticismo vulgar. É aqui que se encontram, numa complementaridade exemplar, filosofia eciência.4) O que as práticas educativas devem possibilitar aos indivíduos, sujeitos sociais,históricos e culturais?O ato de conhecer ou reconhecer a aquisição de habilidades para a tomada de decisões nabusca de uma melhor qualidade de vida. É nessas concepções de educação, professores deensino superior devem nortear suas práticas, tendo um papel de defensor-facilitador para osgrupos sociais com os quais interagem e que necessitam de mudanças sociais. É fazer comque indivíduos resgatem a sua cidadania, colocando-a em evidência na promoção da saúde ea tomada de um papel como sujeito histórico de ocorrências para a sociedade a qualpertence..5) Disserte sobre os conceitos de educação.A Educação prepara o individuo para o mundo. Pode ser compreendida como um processodinâmico onde as ações educativas se concebem nas modalidades flexíveis, estruturadas,com uma metodologia de caráter reflexivo e imprescindivelmente os conteúdos devem partirdo contexto social específico, a serviço de determinados grupos sociais e para determinadosfins dentro do trabalho.Um processo ordenado do pensamento deve ter por objetivo que a pessoa consiga primeiroordenar os múltiplos conhecimentos acumulados de maneira tal que possa compreender o
  8. 8. sentido, direção e utilidade, igualmente que possa hierarquizar seu próprio pensamento entrea vida e o que lhe de sentido profundo de sua própria existência no trabalho.A EDUCAÇÃO CONTINUADA - pode ser definida como um conjunto de práticas educativascontínuas, destinadas ao desenvolvimento de potencialidades, para uma mudança de atitudese comportamentos nas áreas cognitivas, afetivas e psicomotoras do ser humano, naperspectiva de transformação de sua postura. No contexto profissional a educação continuadaé um processo dinâmico de ensino aprendizagem, tem o propósito de atualizar oconhecimento e aquisição de novas informações que se somam às experiências adquiridas,com objetivo de aumentar ou melhorar a competência individual e ou da equipe, frente asconstantes evoluções científico-tecnológica, e metas institucionais. Esse conjunto desaberes, habilidades e conhecimentos adquiridos pelo indivíduo no percurso de sua vidaprofissional, quando coloca a opção de compromisso e uso dessas informações por parte dotrabalhador. O acúmulo de conhecimentos após a formação é importante, mas não exige porparte dos trabalhadores um compromisso com o campo de atuação e com a equipe detrabalho. Assim, entende-se que mesmo com a formação continuada o profissional devecontinuar buscando se aprimorar no âmbito do seu trabalho, buscando colocar em pratica oque aprendeu e aprimorando eu relacionamento interpessoal.6) Comente sobre a didática e a formação do professor.O termo didático deriva do grego didaktike, que significa arte de ensinar. Seu uso foi difundidocom o aparecimento da obra de Jan Amos Comenius (1592-1670). Didática Magna ouTratada da arte universal de ensinar tudo a todos, publicada em 1657. Hoje são muitas asdefinições para esse termo, mas quase todas apresentam como ciência, arte ou técnica deensino.A Pedagogia é reconhecida como a arte e a ciência da educação, enquanto a Didática éconhecida como a ciência e a arte de ensino.Didática é o estudo do processo de ensino-aprendizagem em sala de aula e de seusresultados e surge quando há intervenção dos adultos na atividade de aprendizagem dosjovens e crianças através de planejamento e pré-exame do ensino, que difere dasintervenções feitas ao modo espontâneo de antes.No Ensino Superior é onde menos se verifica a diversidade em relação as práticas didáticas.
  9. 9. As aulas expositivas são as mais frequentes e o professor de modo em geral aprende aensinar com treinamentos pré-estabelecidos, ensaios e simulações.O educador compõe a principal fonte sistemática de informações, e uma das habilidades quemais incentivam os alunos, a de memorização.A pratica mais constante de avaliação de aprendizagem consiste na aplicação de provas,usando como critérios autoritários, em relação ao aluno, a mensuração numérica do que odiscente "aprende", muito das vezes através de notas subjetivas. Aos alunos, entretanto, cabesua colocação na condição de ouvintes e esperar que os professores ministrem corretamente.Os professores criam certo sentimento de culpa se não são eles que estão, em ação, isto é,ocupando espaço com a palavra em sala de aula.7) Explane sobre os métodos didático-pedagogicos utilizado pelo professoruniversitário.Pode-se dizer que a Didática é uma ciência cujo objetivo fundamental é ocupar-se dasestratégias de ensino, das questões práticas relativas à metodologia e das estratégias deaprendizagem. Sua busca de cientificidade se apoia em posturas filosóficas como ofuncionalismo, o positivismo, assim como no formalismo e o idealismo (Reis, 1986).A didática é a junção da teoria e da prática de ensino dentro da sala de aula, sendo que oprofessor é o responsável por conduzir os recursos didáticos que possui no momento certo,levando o aluno ao conhecimento, e buscando aflorar nele o senso critico.Reis (1986) descreve a importância da didática como sendo a renovação do ensino eresponsável pelo sucesso que se espera do processo educativo.Didática é o estudo do conjunto de procedimentos que visa orientar a aprendizagem doeducando mais eficientemente na aquisição de conhecimentos, automatismo, atitudes e ideia.O estudo do processo de ensino-aprendizagem em sala de aula e de seus resultados é umfoco a ser estudado. Neste aspecto cito que o processo didático envolve os elementosbásicos como o aluno, o professor, os conteúdos, os objetivos e os métodos.As práticas de ensino se diferem de uma turma para outra e até mesmo de um aluno para ooutro, pois todos têm o seu próprio tempo de aprendizagem e até mesmo as aptidões devem
  10. 10. ser levadas em consideração. A relação entre alunos e professores deve ser decomprometimento entre as partes, pois assim todos devem interagir e transformar oconhecimento em saberes multidisciplinares, sendo que a sala de aula deve representar umacontinua reconstrução do conhecimento.Métodos de ensino precisam ser vistas como um conjunto de técnicas aplicadas para dirigir aaprendizagem do aluno e os objetivos de ensino expressando as transformações que oprofessor pretende realizar em seus educando.Devemos considerar os métodos de ensino como ações do processo ensino-aprendizagem,sendo estas técnicas fundamentais para se desenvolver o momento do processo de ensino,levando em conta os conteúdos e o grupo de alunos que se pretende trabalhar.Cito que algumas técnicas de ensino que são utilizados pelos professores e conhecidos pelosalunos.Aula Expositiva: Baseia-se na apresentação oral de um tema pelo professor, sendo quepoderão ser utilizados recursos de ensino, como esquemas, gráficos, sinopses, anotadas noquadro-de-giz, em transparências, slides, entre outros. A aprendizagem pelo aluno ocorre demaneira conceitual, com o esclarecimento de duvidas, atualização de informações, anotaçõese atenção na aula.O sucesso da aula expositiva depende do professor, pois desde a preparação até o seudesenvolvimento este deve ter domínio do conteúdo e informações atualizadas, para que oaluno possa assimilar até mesmo os conteúdos mais difíceis.O professor deve comunicar-se com clareza, despertar a atenção dos alunos com os recursosvisuais preparados previamente, respeitando o ritmo da turma em relação a participação eavaliando a disposição dos alunos, atenção e participação e ao final da apresentação, devese enfatizar as ideias essências do estudo.Debate: É um procedimento de ensino que se apoia na leitura e estudo sobre o assunto queserá abordado, para que assim sejam expostas as ideias pelos participantes com a mediaçãodo professor. Deve-se estimular a participação de todos para que possam ser feitasconsiderações e conclusões para o encerramento da atividade.
  11. 11. Estudo de caso: É um procedimento de ensino, onde se apresentam aos alunos ou situaçãoreal ou simulada, relacionada a certo tema, para que os alunos desenvolvam suas habilidadese apliquem seus conhecimentos teóricos a situações praticas. O papel do professor é orientara análise dos dados da situação apresentada, e na busca de referencial teórico para que aatividade seja desenvolvida.Seminário: Entre varias formas de trabalho o seminário é muito utilizado pelos professores doensino superior. Um seminário é um evento destinado à socialização de conhecimentos ou devariados aspectos de um mesmo tema, semelhante a um congresso. O seminário se constróiatravés de pesquisa e deve ser preparado um debate dos pontos convergentes, divergentesou complementares. Deste modo podemos descrever que o seminário reúne ascaracterísticas do ensino com pesquisa e do debate. O professor deve orientar o aluno naescolha da bibliografia, auxiliar na investigação, apresentação e avaliação.Trabalho em grupos: É um procedimento que dá oportunidade de troca e cooperação entreos indivíduos na realização do trabalho, sendo que a atividade pode ser complementada poruma discussão geral ou debate. O professor deve apreciar o material antes da apresentaçãoà classe, pois caso haja necessidade deve ser modificado pelo grupo.Recursos audiovisuais: Os recursos audiovisuais devem ser utilizados como suporte asaulas expositivas ou atividade em sala de aula. Esses recursos poderão ser cartazes, fotos,slides, gráficos, filmes, vídeos, transparências, CD-ROM, porem todos esses recursosnecessitam de instrumentos próprios e condições para serem utilizados, sendo o assim oprofessor deve preparar a aula de acordo com a sala de aula, verificando se ela terá ascondições necessárias para o desenvolvimento da matéria a ser estudada.Os slides não devem considerar ser utilizados para leituras e escrita de textos longos, comomuitos professores utilizam, mas sim como recurso para exibir o esquema do assunto aserem estudadas, como apenas palavras chaves e assim desenvolvido pelo professor como aaula expositiva.A grande vantagem operacional no uso do PowerPoint, tanto no que diz respeito à construçãode imagens e textos, quanto à apresentação: dinâmica, por partes, com ou sem comentáriosetc.
  12. 12. Aulas práticas ou de laboratório: O uso das aulas práticas ou de laboratório para aaprendizagem é de extrema importância e interessantes para que os alunos possam integraros conhecimentos teóricos com a prática, essa forma integrada com a realidade profissionalmotiva os alunos.Esse resultado demonstra para os alunos a importância em ter aulas praticas ou laboratoriais.É a estratégia essencial para que as metas sejam alcançadas na forma e nos prazosprevistos. Eles sentem-se motivados principalmente quando as aulas são no laboratório. Odesenvolvimento da matéria em aulas pratica ou no laboratório, podem ser uma importanteferramenta para o ensino.
  13. 13. Referência:BELO, Ana Paula Ceccopieri. Relação professor x aluno. 2005.BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física. DP&A. Rio de Janeiro: 2000.BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: introdução. DP&A. Rio de Janeiro: 2000.BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: pluralidade cultural e orientação sexual. DP&A.Rio de Janeiro: 2000.CANDAU, VERA. M.; LELIS, Isabel M. A relação Teoria-Prática na Formação do Educador.Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, v.12, n. 55, p.12-18. Nov/Dez.DARIDO, Suraya Cristina. RANGEL, Irene C. A. Implicações para a prática pedagógica.Guanabara Koogan. Rio de Janeiro: 2005.FREIRE, Paulo Freire. Pedagogia da autonomia. Paz e Terra. São Paulo: 1996.FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Rio dejaneiro: Editora: Paz e Terra. 1998.MENEZES, Augusto César Moraes. O processo de ensino-aprendizagem e o professor: 2006.PEREIRA, Edvaldo de Souza. A didática no ensino superior: 2004.PIMENTA, Selma Garrido e ANASTASIOU, Lea das Graças Camargo. Docência no EnsinoSuperior, 2ª edição, 2002SAVIANI, Demerval. Educação do senso comum à consciência filosófica. São Paulo, Cortez.2005.TEIXEIRA, Tiane. PIMENTEL, Verônica Lima. Influências no processo ensino aprendizagem:2005.

×