Arte Rupestre

1.810 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.810
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arte Rupestre

  1. 1. Introdução a Arte.
  2. 2. Arte Capacidade que o Homem possui de produzir objetos ou realizar ações com as quais – cumprindo ou não finalidades úteis – ele possa expressar ideias, sentimentos ou emoções estéticas. Esses objetos ou ações capazes de veicular ideias, sentimentos ou emoções estéticas são obras de arte.
  3. 3. EMISSOR MENSAGEM RECEPTOR(es) Sujeito da comunicação Objeto da comunicação Destinatário(s) da comunicação ARTISTA OBRA DE ARTE PÚBLICO-ALVO - Cria - Transporta - Transforma - Suporte - Veículo - Lê, interpreta - Aprecia - Recria
  4. 4. A OBRA DE ARTE (objecto artístico) Salvador Dali, «A face da guerra».1940. 64 x 79 cm ASPECTOS PARA ANALISAR Materiais e técnicas Formas Cores, Texturas Luminosidade Estrutura e composição Conteúdos e tema Significado: real ou simbólico CRITÉRIOS PARA AVALIAR Criatividade Originalidade Intencionalidade Autenticidade Comunicabilidade Rigor estético Mensagem (ns)
  5. 5. O termo História da Arte costuma designar o conjunto das obras de uma época, país ou escola das artes visuais. A arte é a expressão máxima do momento, seja ele histórico ou pessoal. Os historiadores de arte procuram determinar os períodos que empregam um certo estilo estético por «movimentos». A arte registra as ideias e os ideais das culturas e etnias, sendo, assim, importante para a compreensão da história do Homem e do mundo. História da Arte
  6. 6. Arte Rupestre A "arte rupestre" é a que decora as superfícies rochosas situadas ao ar livre, qualquer que seja a respectiva inclinação.
  7. 7. Pré-História Paleolítico (Idade da Pedra Lascada): Desde o surgimento do ser humano até cerca de 12.000 anos atrás. Neolítico (Idade da Pedra Polida): 12.000 á 6.000 anos atrás. Idade dos Metais: 6.000 atrás até a criação da escrita.
  8. 8. Paleolítico – Idade da Pedra Lascada •Instrumentos de pedra lascadas. •Nômades. •Primeiras manifestações artísticas. •Traços simples nas paredes das cavernas através das mãos em negativo. •Naturalismo – representava o que via.
  9. 9. Utensílios de pedra lascada, seixos talhados da França. Data 700.000- 110.000 anos BP. Bordeaux, Musée d'Aquitaine. UTENSÍLIOS LÍTICOS PALEOLÍTICO Bifaces, Paleolítico inferior. Alfragide.
  10. 10. «Folha de Loureiro» ponta de zagaia, solutrense superior, 18 mil BP, da galeria da cisterna, nascente do Almonda, Torres Novas PALEOLÍTICO SUPERIOR Folha de loureiro proveniência: Vale Almoinha. Torres Vedras. Lisboa cronologia: Paleolítico Superior – Solutrense tipologia: Folha de loureiro em sílex dimensão: comprimento 7 cm largura 3,1 cm espessura 0,8 cm
  11. 11. Machado proveniência: Gruta do Escoural. Montemor-o-Novo. Évora cronologia: Neolítico tipologia: Machado em fibrolite dimensão: comprimento 8,7 cm largura 4 cm espessura 1,8 cm Ponta de seta proveniência: Necrópole de Alcalar. Portimão. Faro cronologia: Neolítico final/Calcolítico tipologia: Ponta de seta em sílex dimensão: comprimento 4,77 cm largura 1,87 cm espessura 0,34 cm
  12. 12. Gruta de Cosquer, França, 27000 a.c.
  13. 13. Gruta de Altamira, Espanha, 18500 – 14000 a.C
  14. 14. GALERIA dos TOUROS - Lascaux, França, 17000 a.C.
  15. 15. A GALERIA PINTADA - Lascaux, França, 17000 a.C.
  16. 16. Produção de algumas esculturas. Predomínio das figuras femininas e ausência de figuras masculinas. Vênus de Willendorf – 11cm. Encontrada em 1908, data aprox. 24 mil anos atrás.
  17. 17. «VÉNUS» de WILLENDORF C. 25000 – 20000 a.c. Calcário colorido com ocre vermelho.
  18. 18. Neolítico – Idade da Pedra Polida •Desenvolvimento de técnica para produzir armas e instrumentos com pedras polidas por atrito, mais afiadas. •Revolução Neolítica: início da agricultura e domesticação de animais. •Substituição da vida nômade. (Conhecimento dos ciclos da natureza) • Aumento populacional, surgimento de núcleos familiares, divisão do trabalho nas comunidades. •Criação de técnicas como a tecelagem e cerâmica. •Construção das primeiras moradias, produção do fogo por atrito. •Derreter e trabalhar metais. •Substituição do naturalismo pelo estilo simples e geométrico. •Sinais e figuras que mais sugerem do que reproduzem os seres.
  19. 19. .
  20. 20. Rocha 14 sector inferior – Canada do Inferno, Foz Côa. Solutrense, 20000 a.C.
  21. 21. Megalitismo Monumento megalítico, ou megálito, do grego mega, megalos, grande, e lithos, pedra, designa uma construção monumental com base em grandes blocos de pedras rudes. Em arqueologia, designa o conjunto de construções de grandes blocos de pedras, típicas das sociedades pré-históricas, edificadas essencialmente no período neolítico (por vezes também idade do Cobre e Bronze) com objetivos simbólicos, religiosos e principalmente funerários. As primeiras construções megalíticas, da Europa Ocidental, localizam-se em Portugal, e datam de finais do VI milénio antes da nossa era. Espalharam-se desde a Península Ibérica até aos países nórdicos e norte de África. Na África Central, também se encontram testemunhos destas construções.
  22. 22. Menir de Almendres, Évora. 6000 – 3000 a.C Menir – Pedra em Vertical
  23. 23. Tipos de construções da cultura megalítica Cromoleques Conjunto de diversos menires agrupados em um ou vários círculos, em elipses, em retângulos, em semicírculo ou por vezes sem ordem aparente. Trata-se de monumentos pré-históricos que parecem ter tido uma função religiosa. A grande maioria dos Cromeleques existentes em Portugal, encontram-se em encostas expostas a nascente-sul.
  24. 24. Cromeleque dos Almendres, Évora. 6000 – 3000 a.C
  25. 25. Cromeleque dos Almendres, Évora. 6000 – 3000 a.C.
  26. 26. Dolmen da Cerqueira, Cever do Vouga, Aveiro. IV – III milénio a.C. Dólmens Os Dólmens são monumentos megalíticos tumulares coletivos. São constituídos por uma câmara formada por uma grande laje pousada sobre pedras verticais que a sustentam. .
  27. 27. Dolmén da Cerqueira, Cever do Vouga, Aveiro. IV – III milénio a.C.
  28. 28. Dólmen da Matança, Fornos de Algodres. Neolítico.
  29. 29. Stonehenge - Inglaterra
  30. 30. Idade dos Metais •Domínio completo da produção do fogo. •Produção de esculturas de metal, com formas de barro ou técnica da cera perdida •Representações de •guerreiros e mulheres •Detalhes ricos..
  31. 31. Pote em cerâmica proveniência: Castro da Azougada. Moura cronologia: Finais da 1ª - inícios da 2ª Idade do Ferro tipologia: Pequeno pote pintado dimensão: altura 5,2 cm diâmetro 5,5 cm
  32. 32. Queimador proveniência: Garvão cronologia: 2ª Idade do Ferro. sécs. IV-III a.C. tipologia: Vaso de janelas ou queimador em cerâmica dimensão: altura 14 cm largura 16 cm
  33. 33. Estatueta votiva de touro proveniência: Monte de Pedralva. Vila do Bispo cronologia: Idade do Ferro. tipologia: Estatueta de touro em bronze dimensão: altura 7 cm largura 4 cm comprimento 12 cm
  34. 34. Arrecada proveniência: Tesouro de Baião. Porto cronologia: Idade do Ferro Antigo. Séc (s). VII-VI a.C. tipologia: Arrecada em ouro dimensão: diâmetro 5,8 cm largura 5,2 cm
  35. 35. Arrecada proveniência: Paços de Ferreira. Porto cronologia: Idade do Ferro Antigo. Séc (s). VI-V a.C. tipologia: Arrecada em ouro dimensão: altura 6,1 cm diâmetro 5,7 cm espessura 0,6 cm peso 16,15g
  36. 36. Arrecada proveniência: Odemira. Beja cronologia: Idade do Ferro. Séc (s). VII-VI a.C. tipologia: Arrecada em ouro dimensão: diâmetro 4,6 cm comprimento 6,0 peso 10,52g

×