Desenvolvimento da Colaboração

599 visualizações

Publicada em

Trecho do livro “Sinergia Fator de Sucesso nas Realizações Humanas”
Sérgio Lins editado pela Campus-Elsevier em 2005
A aceitação dos desafios, as soluções integradoras e a visão unificada são aspectos estratégicos que dependem de desprendimento, informalidade e senso de realização para orientar a colaboração. Entretanto sem confiança, respeito mútuo e tolerância nem se dá partida num trabalho colaborativo, cuja continuidade dependerá, além do mais, de decisões tomadas por parceiros competentes e eficazes que se orientem para os resultados. Estes parceiros, por sua vez, vão estar a todo instante comunicando suas idéias, e negociando acordos. Isto significa que a eficácia do trabalho colaborativo depende fortemente das habilidades de negociação e comunicação de todos envolvidos no processo de colaboração, sejam eles diretos ou indiretos.

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
599
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolvimento da Colaboração

  1. 1. Sinergia Organizacional Processo de desenvolvimento da colaboração A aceitação dos desafios, as soluções integradoras e a visão unificada são aspectos estratégicos que dependem de desprendimento, informalidade e senso de realização para orientar a colaboração. Entretanto sem confiança, respeito mútuo e tolerância nem se dá partida num trabalho colaborativo, cuja continuidade dependerá, além do mais, de decisões tomadas por parceiros competentes e eficazes que se orientem para os resultados. Estes parceiros, por sua vez, vão estar a todo instante comunicando suas idéias, e negociando acordos. Isto significa que a eficácia do trabalho colaborativo depende fortemente das habilidades de negociação e comunicação de todos envolvidos no processo de colaboração, sejam eles diretos ou indiretos. Habilidades de Negociação A negociação relacionada ao trabalho colaborativo requer coragem para explicitação de pontos de vista, com transparência e consideração, na busca por solução que atenda a todas as expectativas. Sempre que uma mudança for provocada alguma negociação será necessária para buscar consenso nas interações ou alinhamento de interesses inicialmente conflitantes. Para manter a eficácia nas atividades interpessoais e interdepartamentais, onde está em jogo prazos, qualidade, custos e quantidade, precisa-se de negociação. No trabalho colaborativo, a negociação depende de comunicação eficaz que desenvolva confiança para um relacionamento aberto que dê liberdade para que cada envolvido na colaboração exponha os interesses da sua parte. Uma vez os interesses tenham sido expostos, pode-se partir para esclarecer afinidades e criar opções de interesse 1
  2. 2. Colaboração Sinergística comum. Cada opção assim criada precisa ser legitimada pela comprovação da veracidade dos argumentos. Esta legitimidade é fundamental para os acordos sobre prazos, recursos, riscos, idéias, planos, projetos, etc. Em outras palavras poderíamos dizer: Franco antagonismo pode ser transformado em um sentimento altruísta, ou uma simples decisão, dependendo do modelo de comunicação que usarmos, pode virar um pesadelo burocrático. Acordos ocorrem através de relacionamentos cuja intensidade e profundidade dependem do caráter de quem se relaciona. Colaboradores devem, acima de tudo, analisar seus interesses relativos ao objeto da colaboração, enfrentando o desafio e não a pessoa que o representa. Interesses devem ser examinados lado a lado para que se descubram os que são mutuamente vantajosos, ou os que têm maior correlação mútua. Padrões justos, precedentes, ou procedimentos reconhecidos por todos devem ser considerados como critérios objetivos. O sucesso de uma negociação num processo colaborativo depende do poder psicológico para não abrir concessões. Este poder, por sua vez, será função da existência de alternativas para o caso de que nenhum acordo venha ocorrer. Os bons negociadores começam pensando sobre como gostariam de terminar e a partir daí mapeiam um caminho para chegar lá. Desta forma sentem-se sempre preparados para realizar de fato o que for acertado. Transparência e consideração Na prática o compartilhamento de propósitos, que em geral se procura com uma negociação, acontece quando se combinam níveis adequados de consideração e transparência. O resultado que se obtém depende da coragem de cada um em explicitar seu ponto de vista com transparência, expondo os verdadeiros interesses e os ganhos que obterá com um acordo. Para que haja vantagem recíproca, cada um tem que ter consideração com o outro a ponto de procurar entender seus desafios, problemas, oportunidades e interesses. É pelo casamento dos propósitos de ambos os lados, e pela busca de ganhos mútuos que se consegue um acordo que atenda a todas as expectativas.[03] Tudo isto exige coragem e transparência que caracterizam os processos de negociação nos trabalhos colaborativos das organizações na era do conhecimento. 2
  3. 3. Sinergia Organizacional Acordo sem concessões Uma negociação deve ocorrer tendo em sua essência a busca por um acordo sem concessões. Numa negociação, devem-se expor interesses livres de apegos a posições estabelecidas. Isto porque freqüentemente, idéias são apresentadas em termos do “eu quero” e não em termos do “meu interesse é”. Para exemplificar, conta-se o caso de duas crianças que querem uma mesma laranja e depois de muita disputa, aparece alguém que sabiamente a divide ao meio. O menino descasca sua metade e aproveita o suco para uma laranjada e joga as cascas no lixo. A menina descasca a laranja e pega as cascas para fazer um doce, jogando o que interessava ao menino no lixo. Percebe-se que a posição “quero a laranja” assumida por cada uma das crianças era inconciliável, porém seus interesses eram totalmente conciliáveis, desde que expostos e comparados.[05] Nesse caso a perda foi irreparável, pois as duas crianças saíram perdendo, apesar da solução parecer digna do profeta Salomão. Receita universal de negociação O mesmo pode acontecer com uma idéia em que se assume uma posição baseada em determinados paradigmas que se não forem apresentados, a discussão em torno da idéia pode se estender por horas a fio. As verdades de cada um têm que ser conhecidas, e para que isso ocorra há que haver um afastamento da posição tomada e uma busca pelo que está por trás da mesma. Cada um deve se colocar na posição do outro e tentar compreender a essência do que está sendo desenvolvido. Dentro dessa linha de pensamento, o processo de negociação deve usar uma receita universal[05] em que os ingredientes básicos podem ser usados em quatro fases: Fase 1 Usar todos os recursos de comunicação possível para reduzir ou eliminar qualquer desentendimento anterior, criando um relacionamento cordial e aberto. Fase 2 Aproveitar o relacionamento criado para desenvolver um clima de empatia a tal ponto que cada um possa ver através do ponto de vista do outro. Fase 3 Apresentar questões chave, exprimindo interesses, necessidades e preocupações da outra parte, tão bem ou até melhor do que ela poderia fazer. Fase 4 Determinar idéias candidatas à aceitação de todos, descobrindo em seguida algo novo, que não surgiu de ninguém especificamente e sim do grupo como um todo. Trecho do livro “Sinergia Fator de Sucesso nas Realizações Humanas” Sérgio Lins editado pela Campus-Elsevier em 2005 3
  4. 4. Colaboração Sinergística Referências Livros [03] COVEY, Stephen R. Os 7 hábitos das pessoas muito eficazes. São Paulo: Editora Best Seller, 1989. [05] FISHER, Roger & URY, William. Getting to YES: Negotiating Agreement Without Giving ln. New York: Penguin Books, 1981. Acompanhe - http://twitter.com/teamwrk 4

×