O pastor e o discipulado jmc

2.177 visualizações

Publicada em

0 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O pastor e o discipulado jmc

  1. 1. Semana Teológica – JMC 2012 Rev. Gildásio Reis – 2012
  2. 2. Semana Teológica – JMC 2012Objetivos e conteúdo:1. Apresentar o conceito de discipulado, conforme vemos na Escritura.2. Analisar algumas definições de discipulado.3. Qual é a responsabilidade do pastor na prática do discipulado.4. Algumas maneiras práticas e estratégicas para se fazer o discipulado. Rev. Gildásio Reis – 2012
  3. 3. Semana Teológica – JMC 2012Bibliografia Rev. Gildásio Reis – 2012
  4. 4. Semana Teológica – JMC 2012“É dever do ministro não apenas ensinar publicamenteo povo confiado a seu encargo, mas tambémprivadamente admoestar, exortar, reprovar e confortar,em todas as ocasiões oportunas, tanto quanto opermitam seu tempo, energia e segurança pessoal”Diretório de Culto de Westminster Rev. Gildásio Reis – 2012
  5. 5. Semana Teológica – JMC 2012“Não é suficiente que, do púlpito, um pastor ensine todas aspessoas conjuntamente, pois ele não acrescenta instruçãoparticular de acordo com a necessidade e com ascircunstâncias específicas de cada caso”. “O que quer que os outros pensem, não consideramos nosso cargo como algo dentro de limites tão estreitos como se, quando o sermão estiver terminado, pudéssemos descansar como se nossa tarefa tivesse terminada. Aqueles cujo sangue será requerido de nós se os perdermos por causa de nossa preguiça, devem ser cuidados muito mais de perto e de modo mais vigilante” Wallace, Ronald. Calvino, Genebra e a Reforma. Editora Cultura Cristã. São Paulo, SP: 2004. p. 147 Rev. Gildásio Reis – 2012
  6. 6. Semana Teológica – JMC 2012CONSEQUÊNCIAS DA AUSÊNCIA DE DISCIPULADO1. Liderança despreparada2. Crentes imaturos (anemia espiritual e esfriamento na fé)3. Nominalismo cristão evangélico4. Ausência de crescimento da igreja5. Decepção no pastorado Rev. Gildásio Reis – 2012
  7. 7. Semana Teológica – JMC 2012 Pastor Diagram DiscipuladorDiscípulo Discipular Rev. Gildásio Reis – 2012
  8. 8. Semana Teológica – JMC 2012II O QUE É SER DISCÍPULO E O QUE É DISCIPULADO? 1) O que significa ser um discípulo de Cristo? (Mt 28.19,20; Mt 16.24; Lc 9.23; 14.33)Jesus afirmou: “E qualquer que não tomar a sua cruz e vier apósmim não pode ser meu discípulo.” (Lucas 14:27) Rev. Gildásio Reis – 2012
  9. 9. Semana Teológica – JMC 2012Duas expressões:“Após mim”: A vida cristã (discipulado) começa em Cristo. Setirarmos Cristo do cristianismo, não sobrará praticamente nada.Cristo é o centro; tudo o mais gira ao redor dele.“Tome a sua cruz”: (Lc 14.27) Esta expressão descreve aatitude de renúncia – Lc 14.33. O discípulo deve aceitar a mortepara o “eu”. (I Co 15.31; Rm 8.36; Gl 2.19,20) Rev. Gildásio Reis – 2012
  10. 10. Semana Teológica – JMC 2012Definição:Um discípulo é alguém que, arrependido de seuspecados, tomou a decisão de receber a Jesus comoseu Senhor e Salvador, renunciando sua própriavida e em plena submissão a Jesus, assume umcompromisso radical de continuar crescendo emsua vida cristã. Rev. Gildásio Reis – 2012
  11. 11. Semana Teológica – JMC 2012 2. O que é discipulado?O discipulado cristão é uma relação de mestre e aluno, baseadano modelo de Cristo e de seus discípulos, no qual o mestrereproduz no estudante a plenitude de vida que ele tem em Cristo,de tal forma que o discípulo seja então capacitado para ensinara outros. Rev. Gildásio Reis – 2012
  12. 12. Semana Teológica – JMC 2012 OUTRAS DEFINIÇÕES“discipulado é uma relação comprometida e pessoal onde um discípulomais maduro ajuda outros discípulos de Jesus Cristo aproximarem-semais dele e assim reproduzirem”. David Kornfield“O Discipulado Cristão é um relacionamento do Mestre e aluno, baseado nomodelo de Cristo e seus discípulos, no qual o Mestre reproduz muito bem noaluno a plenitude da vida que tem em Cristo, de forma que o aluno se tornecapaz de treinar outros para ensinar, ainda, a outros” Keith PhilipsDiscipular é “reproduzir a si mesmo e sua fé na vida de outros” John Sittema Rev. Gildásio Reis – 2012
  13. 13. Semana Teológica – JMC 2012QUATRO PRESSUPOSTOS DO DISCIPULADO: A. Discipulado é essencialmente relacional . Jo.10.11-15 Para John Sittema, a prática do discipulado exige muito mais que um curso bíblico: “Esse processo requer o desenvolvimento de um relacionamento de confiança, de exemplo, de revelação do nosso coração e da nossa fé ao discípulo que, por sua vez deve imitar o padrão de fé do seu mestre”. Rev. Gildásio Reis – 2012
  14. 14. Semana Teológica – JMC 2012B. Discipulado é um relacionamento entre mestre e aluno (os).Gl 6.1,2 D. Muller, ao analisar os vocábulos para “mestre” e “discípulo” no Antigo Testamento, afirma que “As palavras descrevem o relacionamento entre um aluno da Torá e o seu professor. O aluno (o Talmid), que escolhe subordinar-se a um rabino segue- o em todo o lugar onde este anda, aprendendo dele, sobretudo, servindo a ele (mathetes). A obrigação do aluno para servir é uma parte essencial da aprendizagem da Lei. O alvo de toda a sua aprendizagem e treinamento é um conhecimento da Torá, e a capacidade de praticá-la em toda e qualquer situação. Sem isso, a verdadeira piedade dificilmente é considerada possível” Rev. Gildásio Reis – 2012
  15. 15. Semana Teológica – JMC 2012C. Discipulado é uma dinâmica de reprodução emultiplicação. 2 Tm 2.1.2; Fl 3.17; I Co 11.1.“O que de minha parte ouviste através de muitas testemunhas,isso mesmo transmite a homens fiéis e também idôneos parainstruir a outros” (2 Tm 2.2) Para John Sittema, discipular é “reproduzir a si mesmo e sua fé na vida de outros” Rev. Gildásio Reis – 2012
  16. 16. Semana Teológica – JMC 2012Lawrence O. Richards,“A educação geralmente se preocupa em fazer com que as pessoassaibam o que seus professores sabem. A educação cristã (discipulado)quer ajudar as pessoas a se tornarem o que seus mestres são. A ênfase navida, que é nosso ponto de partida para a educação cristã, nos ajuda a terisso bem claro na mente. Nós queremos transformação. Nós ensinamos acomunicar e edificar a vida de Deus que é a fé em Cristo implantafirmemente no crente. A educação cristã quer ajudar no processo decrescimento; no crescimento gradual do crente em direção a Cristo e aum exteriorização cada vez mais adequada do Seu caráter. Esta tarefaúnica de edificar homens e mulheres para serem iguais a Cristo é:fazer discípulos”. Rev. Gildásio Reis – 2012
  17. 17. Semana Teológica – JMC 2012A ênfase que a Escritura dá ao modelo, à imitação (Fl 3.17; 4.9; ICo 11.1; Mt 10.24; 2 Tm 3.10, I Co 4.16; 11.1; Ef 5.1), deixa claropara nós que esta é a forma como Deus deseja que nos tornemosmentores e discipuladores. O modelo e a imitação constituem umamaneira natural de aprender. Este é ensino de Paulo para nós: “Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós” (Fl 3:17) “O que também aprendestes, e recebestes e vistes em mim, isso praticai” (Fl 4:9). Rev. Gildásio Reis – 2012
  18. 18. Semana Teológica – JMC 2012D. Discipulado é imitar ou tornar-se à imagem de Cristo. (Lc 6.40).Lawrence O. Richards, “o discipulado envolve a reformulação da vida do cristãoem direção à obediência, a fim de que possa tornar-se como Jesus” . Em Lucas 6.40, lemos que “todo aquele, porém, que for bem instruído serácomo seu mestre”.O alvo do discipulado é mudar o comportamento das pessoas e não somentepassar informações.Cl 1.28; 2.7Rm 12:2: “E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pelarenovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável eperfeita vontade de Deus.” Rev. Gildásio Reis – 2012
  19. 19. Semana Teológica – JMC 2012O discipulado não é um programa. Nem mesmo deveria serconfundido com uma série de lições bíblicas. Não é um curso deiniciação doutrinária que ocorre em encontros semanais. Como tambémnão é um novo sistema de culto nos lares. Embora o discipulado recorraà organização de um programa, o estudo doutrinário, e aconteça emencontros semanais ele é um princípio de formação e de transformação.Cl 1:28 diz: “o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem eensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de queapresentemos todo homem perfeito em Cristo”.Discipular é um princípio de formação, é ensinar um discípulo a viver -pensar, decidir, interpretar, construir, agir, relacionar, produzir, e tudoisso com uma mente cristã. Rev. Gildásio Reis – 2012
  20. 20. Semana Teológica – JMC 2012O discipulado em Paulo: O apóstolo emprega o termoManthano várias vezes como sinônimo ou tendo o mesmosentido de “receber” alguma coisa pelo ensino, pelo exemploou por escrito.Paulo discipulou: Silas (At 15.40); Timóteo (At 16.1,2); Áquilae Priscila (At 18.8); Erasto (At 19.22; Rm 16.33) e outros.O alvo do “aprender” é chegar ao conhecimento da verdade(2Tm 3.7). Rev. Gildásio Reis – 2012
  21. 21. Semana Teológica – JMC 2012IV. A RESPONSABILIDADE DO PASTOR NODISCIPULADO - ANÁLISE DE EFÉSIOS 4.11,12A. UMA DEFINIÇÃO DE TERMOSPaulo faz uso de três termos que são usados intercambialmente emsuas cartas (Epíscopos, presbíteros e pastor). Rev. Gildásio Reis – 2012
  22. 22. Semana Teológica – JMC 2012Epíscopos . Literalmente, “supervisor” ( cf. I Tm 3:2, Tt 1:7, Atos 20:28;Fp1:1) e 1 vez em I Pe 2:25.Presbítero: Aparece nas epístolas pastorais ( ITm 5:17,19 e Tito 1:5,7).Transliterado do grego presbíteros, presbus significa: “velho”; teros, graucomparativo, significa: “mais”. Presbíteros são “os mais velhos, maismaduros”.Pastor: A palavra pastor (poimano), pelo menos em sua formasubstantivada, não é usada para designar um ofício na igreja. Comosubstantivo, designando o ofício, ela aparece apenas uma única vez noNovo Testamento em Ef. 4:11 “E ele mesmo concedeu uns paraapóstolos outros para profetas, outros para evangelistas e outros parapastores (poimenas) e mestres (didaskalos)”. Rev. Gildásio Reis – 2012
  23. 23. Semana Teológica – JMC 2012O pastor John Drescher,“Como muitos ministros, comecei supondo que o trabalho da igrejaera minha responsabilidade. Mas, que desafio e alívio tive quandopercebi que meu chamado era para equipar cada crente a viver avida de Cristo e a fazer o trabalho de Cristo no mundo, exatamenteonde cada um vivia! Hoje eu preferiria ser o pastor de uma dúzia depessoas que estão sendo equipadas e ativas em todos os tipos deserviço do que ser pastor de mil pessoas que enchem os bancos daigreja, mas que têm pouca ideia do que significa funcionar comoCorpo de Cristo”. Rev. Gildásio Reis – 2012
  24. 24. Semana Teológica – JMC 2012V. QUAIS AS MANEIRAS DE SE CUMPRIR A TAREFA DEDISCIPULAR Discipulado Pessoal: (Isaías 41.6, Ec 4.9-12; Paulo com Timóteo) Discipulado em Grupo Rev. Gildásio Reis – 2012
  25. 25. Semana Teológica – JMC 2012Alguns modelos ou estratégias de discipulado em grupo:1. O ensino na classe de Escola Dominical: Cada professor um discipulador (um caso de um presbítero)2. Formar grupos: casais, jovens, líderes, etc.3. Treinamento: oficiais, professores, líderes, pastores, etc.4. Mentoria de seminaristas (Manual da JET)5. Projeto de Pequenos Grupos (Grupos familiares, Koinonia, Células, etc): reuniões semanais. Objetivos: Intercessão, comunhão, evangelismo e edificação. Rev. Gildásio Reis – 2012
  26. 26. Venha você também fazer parte de um Grupo Escolha seu GRUPO.Procure um dos líderese comece a participar.Só está faltando você!
  27. 27. PEQUENO GRUPO DA IPMG• Nos reunimos aos Pequeno Grupo Karisma sábados• Às 17h30 Igreja Presbiteriana Metropolitana de Guarulhos Rua do Saboó, 32—Centro Fone: (11) 2475.2644
  28. 28. Semana Teológica – JMC 2012 Rev. Gildásio Reis – 2012

×