Discipulado no       Contexto UrbanoFranklin Ferreira
1. A urbanização do país1945: um país ruralApós 2000: cerca de 80% da população  grandes  centros urbanosEntre as maiores...
2. As megaigrejas como tentativade resposta à urbanização   1970-1990 presenciaram uma divisão cada vez    mais acentuada...
3. O que é discipulado?   Nas Escrituras a palavra discipulado contém a    ideia de aluno:     do hebraico talmiyd, estu...
“O sofrimento é, pois, a característica dosseguidores de Cristo. O discípulo não está acimade seu mestre. O discipulado é ...
4. O que é catequese?   A catequese deriva da palavra grega katēcheō,    “instruir” (At 18.25; Rm 2.18; 1Co 14.19; Gl 6.6...
Catecismo Menor de Lutero   Entre 22 de outubro de 1528 e 9 de janeiro de    1529, durante uma inspeção pelas igrejas da ...
“A lamentável e mísera necessidadeexperimentada recentemente, quandotambém fui visitador, é que me obrigou eimpulsionou a ...
   A principal finalidade do Catecismo Menor era    ser uma fonte de ajuda no culto familiar.   Em quase todas as seções...
5. Richard Baxter como modelo deministério pastoral   Sua prática consistia em visitar    sistematicamente as famílias, c...
“Primeiramente eu as ouviarecitar as palavras do [Breve]Catecismo [de Westminster], eentão examinava as respostasquanto ao...
“Alguns homens simplescompreenderam comcompetência o corpo dasdoutrinas teológicas... Algunsdeles mostravam-se tão aptosna...
   Escrevendo em 1665, ele disse que, a    despeito da intensa pressão exercida contra    eles por causa de seu testemunh...
“Preciso dar este testemunho fiel quanto àqueles tempos, pois, peloque eu soube, onde antes havia um pregador útil e piedo...
   Baxter tinha em alta conta o ministério pastoral e,    em seu entendimento, as prioridades do pastorado    seriam preg...
Baxter se dedicava ao ministério de duasmaneiras complementares:   sermões regulares (um a cada domingo e    terça-feira,...
Em seu entendimento, “constitui um inquestionável   dever de todos os ministros da Igreja catequizar e   ensinar pessoalme...
Como Baxter realizava essasentrevistas particulares?   Justifique o encontro.   Fale com as pessoas individualmente: em ...
   Escolha um ou dois assuntos importantes e veja quanto eles    entendem a esse respeito. Comece com o que obviamente   ...
   Continue com um pouco mais de ensino    apropriado a suas capacidades.   Se você pensa que eles não são convertidos, ...
   Antes de sair, justifique novamente o tempo gasto    e expresse estima por o terem dado.   Mantenha um bom registro d...
   Por causa do peso do trabalho, e também de    doenças, os cristãos passaram a visitá-lo em    sua casa. E nenhum deles...
Os pastores deveriam ser, paramencionar o título original dolivro de Baxter, “reformados”.Ele queria dizer com isto que os...
O pastor reformado“O ideal para cada igreja era queatravés de clérigos ‘reformados’ cadacongregação na sua totalidade vies...
Conclusão: a necessidade dacatequese regular   As mudanças ocorridas no Metropolitan    Tabernacle e na Westminster Chape...
A necessidade de se enfatizar, como em Richard Baxter, o “cristianismo  puro e simples” nos trabalhos pastorais:“...Aquilo...
O desafio   Os atuais modelos de ministério são centrados    em pregadores e eventos.   O verdadeiro ministério    pasto...
Catequese jmc
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Catequese jmc

626 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
626
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Catequese jmc

  1. 1. Discipulado no Contexto UrbanoFranklin Ferreira
  2. 2. 1. A urbanização do país1945: um país ruralApós 2000: cerca de 80% da população  grandes centros urbanosEntre as maiores cidades da América do Sul estão:1. São Paulo: 19.990.249 (região metropolitana)3. Rio de Janeiro: 11.812.482 (região metropolitana)8. Salvador: 2.948.7339. Belo Horizonte: 2.434.64210. Brasília: 2.609.99711. Fortaleza: 2.476.589
  3. 3. 2. As megaigrejas como tentativade resposta à urbanização 1970-1990 presenciaram uma divisão cada vez mais acentuada entre os evangélicos e o declínio das denominações, e com a urbanização e crescente privatização da fé, cresceram as chamadas megaigrejas independentes, se reunindo em edifícios imponentes, com música contemporânea e centrada em pregadores carismáticos e eventos, mas com ação pastoral reativa. Uma comunidade cristã sentimentalista, emocionalmente imatura, confiando em clichês e impaciente com uma argumentação embasada.
  4. 4. 3. O que é discipulado? Nas Escrituras a palavra discipulado contém a ideia de aluno:  do hebraico talmiyd, estudante;  no grego bíblico, mathetes, aprendiz, pupilo, aluno, discípulo. Portanto, fazer discípulos significa, prioritariamente, levar outras pessoas a, como nós, seguirem os passos do Mestre, aquele que nos chamou das trevas para sua maravilhosa luz.
  5. 5. “O sofrimento é, pois, a característica dosseguidores de Cristo. O discípulo não está acimade seu mestre. O discipulado é passio passiva, ésofrimento obrigatório. Por isso, Lutero incluiu osofrimento no rol dos sinais da verdadeira igreja.Um anteprojeto da Confessio Augustana definiua Igreja como comunidade dos que são“perseguidos e martirizados por causa doEvangelho”. Quem não quiser tomar sobre si acruz, quem não quiser expor sua vida aosofrimento e à rejeição por parte dos sereshumanos, perde a comunhão com Cristo e não éseu discípulo. Quem, porém, perder a sua vidano discipulado, no carregar da cruz, tornará aencontrá-la no próprio discipulado, na comunhãoda cruz com Cristo. O oposto do discipulado éenvergonhar-se de Cristo, envergonhar-se dacruz, escandalizar-se por causa da cruz.”
  6. 6. 4. O que é catequese? A catequese deriva da palavra grega katēcheō, “instruir” (At 18.25; Rm 2.18; 1Co 14.19; Gl 6.6). Os catecismos eram manuais de instrução popular nas doutrinas cristãs, normalmente na forma de perguntas e repostas. No período patrístico, a catequese foi muito usada para proteger a integridade doutrinária e a disciplina da igreja, e geralmente compunham-se de exposições do Credo dos Apóstolos e da Oração Dominical. Cirilo de Jerusalém, Ambrósio, Crisóstomo, Agostinho e Gregório de Nissa escreveram preleções catequéticas.
  7. 7. Catecismo Menor de Lutero Entre 22 de outubro de 1528 e 9 de janeiro de 1529, durante uma inspeção pelas igrejas da Saxônia e em Meissen, Lutero descobriu que a ignorância religiosa reinava entre os pastores e o povo, e as escolas jaziam em ruínas. Para satisfazer a necessidade de instrução popular, Lutero imediatamente preparou cartazes de parede, contendo explicações dos Dez Mandamentos, da Oração de Senhor e do Credo dos Apóstolos, em linguagem simples. Com o tempo, ele reuniu todas as matérias contidas nos cartazes, e publicou o resultado como uma exposição curta e simples da fé.
  8. 8. “A lamentável e mísera necessidadeexperimentada recentemente, quandotambém fui visitador, é que me obrigou eimpulsionou a preparar este catecismoou doutrina cristã nesta forma breve,simples e singela. Meu Deus, quantamiséria não vi! O homem comumsimplesmente não sabe nada da doutrinacristã, especialmente nas aldeias. Einfelizmente, muitos pastores são detodo incompetentes e incapazes para aobra do ensino. Não obstante, todospretendem o nome de cristãos, estãobatizados e fazem uso dos santossacramentos. Não sabem nem o Pai-Nosso, nem o Credo, nem os DezMandamentos. Vão vivendo como brutose irracionais suínos.”
  9. 9.  A principal finalidade do Catecismo Menor era ser uma fonte de ajuda no culto familiar. Em quase todas as seções, o Catecismo apela para que os pais ensinem as doutrinas com simplicidade à sua casa. O pressuposto pedagógico do catecismo era o trivium, com sua ênfase em gramática, retórica e lógica.
  10. 10. 5. Richard Baxter como modelo deministério pastoral Sua prática consistia em visitar sistematicamente as famílias, com o propósito de tratar espiritualmente com cada uma delas. Baxter visitava sete ou oito famílias por dia, duas vezes por semana, a fim de visitar regularmente todas as oitocentas famílias de sua congregação a cada ano.
  11. 11. “Primeiramente eu as ouviarecitar as palavras do [Breve]Catecismo [de Westminster], eentão examinava as respostasquanto ao seu sentido, e,finalmente, exortava as famílias,com toda a capacidade deraciocínio e veemência, a fim deque tais estudos resultassem emsentimento e prática. Eupassava cerca de uma hora comcada família”.
  12. 12. “Alguns homens simplescompreenderam comcompetência o corpo dasdoutrinas teológicas... Algunsdeles mostravam-se tão aptosnas suas orações que poucosministros os igualavam... Umgrande número deles era capazde orar de forma muito louvável,com seus familiares e comoutras pessoas. Sua atitudemental e a inocência de suasvidas, todavia, ainda assim erammais dignas de louvor do quesuas habilidades. Os mestres depiedade séria geralmente tinhammentes e posturas humildes...”
  13. 13.  Escrevendo em 1665, ele disse que, a despeito da intensa pressão exercida contra eles por causa de seu testemunho evangélico, durante anos, desde que os deixara, “nenhum só deles, até onde tenho ouvido dizer... desviou-se ou esqueceu-se de sua retidão”.
  14. 14. “Preciso dar este testemunho fiel quanto àqueles tempos, pois, peloque eu soube, onde antes havia um pregador útil e piedoso, depoishavia entre seis a dez deles; e considerando várias localidades,conjecturo que havia um aumento proporcional de pessoas deveraspiedosas... onde os ministros tinham excelentes aptidões e vidassantas, buscando o bem das almas, sendo totalmente devotos,dedicando seu tempo, forças e bens a esse fim, não considerandocomo demasiado qualquer preço ou custo; houve muitos convertidos auma piedade séria... Deus abençoou tão maravilhosamente osesforços de seus fiéis e unânimes ministros que, não fora por causa dafacção dos prelatistas... e por causa das facções dos sectárioslevianos e turbulentos... juntamente com alguma preguiça e egoísmode muitos que estão no ministério, não fora por causa dessesimpedimentos, a Inglaterra estaria já bem perto de tornar-se uma terrade santos, um padrão de santidade para o mundo inteiro, o inigualávelparaíso na terra. Nunca tão boas oportunidades para santificar umanação foram perdidas e espezinhadas, como se tem visto ultimamentenesta terra! Ai daqueles que têm sido a causa disso”.
  15. 15.  Baxter tinha em alta conta o ministério pastoral e, em seu entendimento, as prioridades do pastorado seriam pregar o evangelho, ensinar as Escrituras e pastorear as almas. Sua expectativa era que se: “Deus reformar o ministério, estimulando os pastores aos seus deveres de modo zeloso e fiel, o povo certamente será reformado. Todas as igrejas permanecem ou caem conforme o ministério permanece de pé ou cai, não em termos de riquezas ou grandiosidades mundanas, mas em conhecimento [doutrinário e experimental], no zelo e na aptidão para a sua obra.”
  16. 16. Baxter se dedicava ao ministério de duasmaneiras complementares: sermões regulares (um a cada domingo e terça-feira, cada um com uma hora de duração) e encontros pastorais semanais para discussão e oração (onde ele recapitulava o sermão do domingo anterior e distribuía Bíblias e livros evangélicos), além de uma catequese pessoal sistemática de pessoas de todas as faixas etárias.
  17. 17. Em seu entendimento, “constitui um inquestionável dever de todos os ministros da Igreja catequizar e ensinar pessoalmente todos os que são entregues aos seus cuidados”.Isto significava seis coisas:1. as pessoas deveriam ser ensinadas nas doutrinas centrais e essências da fé cristã;2. estas doutrinas deveriam ser ensinadas da maneira mais edificante e benéfica possível;3. neste processo de aprendizagem deveriam ser usadas orientações, exames e instruções pessoais;4. esta instrução pessoal é recomendada pelas Escrituras e pela história da Igreja;5. todos os membros da congregação devem ser catequizados e ensinados;6. esta obra tomará considerável tempo dos ministros.
  18. 18. Como Baxter realizava essasentrevistas particulares? Justifique o encontro. Fale com as pessoas individualmente: em um cômodo separado ou a uma pequena distância do restante da família (mas não fique sozinho em um cômodo com um membro do sexo oposto, para evitar escândalo). Verifique o que eles aprenderam do catecismo.
  19. 19.  Escolha um ou dois assuntos importantes e veja quanto eles entendem a esse respeito. Comece com o que obviamente diz respeito a suas vidas, por exemplo, ‘O que você pensa que acontece com as pessoas quando elas morrem. Sobre o que nosso coração deve estar alicerçado?’ Evite perguntas difíceis ou dúbias; faça-as de tal forma que eles possam entender o que você está dizendo. Não pergunte ‘O que é Deus’, por exemplo, mas ‘O que Deus é – Ele é feito de carne e sangue como nós?’ Se eles não entenderem, ajeite a resposta numa questão ‘facilitante’ subsequente de forma que eles precisem responder apenas sim ou não. Se eles realmente não puderem responder, não force-os: dê você mesmo a resposta.
  20. 20.  Continue com um pouco mais de ensino apropriado a suas capacidades. Se você pensa que eles não são convertidos, explore gentilmente o assunto com eles. Por exemplo: ‘Você sabe como o Espírito Santo faz a fé clara e amacia nossos corações; você já provou isto?’ Se eles parecem não convertidos, traga a seus corações um senso de suas condições. Conclua mostrando nosso dever de crer em Cristo e use os meios da graça.
  21. 21.  Antes de sair, justifique novamente o tempo gasto e expresse estima por o terem dado. Mantenha um bom registro das visitas em um livro. Seja sensível, à sua maneira, às idades e estágios das pessoas, e facilite seu entendimento. Dê comprovações bíblicas ao que você ensina. Prepare e ore com antecedência, faça-o amorosamente; e se eles estiverem em dificuldades, dê dinheiro para aliviar sua pobreza. Baxter conclui: agora vá em frente!
  22. 22.  Por causa do peso do trabalho, e também de doenças, os cristãos passaram a visitá-lo em sua casa. E nenhum deles jamais recusou tal convite. “Encontro mais sinais externos de sucesso com aqueles que vêm do que em toda minha pregação pública. Considero os benefícios e o conforto do trabalho tal que agora eu não o trocaria por todas as riquezas do mundo”.
  23. 23. Os pastores deveriam ser, paramencionar o título original dolivro de Baxter, “reformados”.Ele queria dizer com isto que ospastores seriam pessoas que,através de sua pregação,ensino e exemplo, deveriam teruma rica compreensão deDeus, sólido conhecimentodoutrinário, afeições dirigidas aEle, um contínuo ardor peladevoção, mais amor, alegria efirmeza nos alvos e prioridadescristãos.
  24. 24. O pastor reformado“O ideal para cada igreja era queatravés de clérigos ‘reformados’ cadacongregação na sua totalidade viesse atornar-se ‘reformada’ - trazida, sim, pelagraça de Deus a um estado quechamaríamos de avivamento semdesordem, de forma a tornar-severdadeira e completamente convertida,teologicamente ortodoxa e saudável,espiritualmente alerta e esperançosa,em termos de caráter, sábia e madura,eticamente empreendedora eobediente, e humilde mas alegrementecerta de sua salvação.”
  25. 25. Conclusão: a necessidade dacatequese regular As mudanças ocorridas no Metropolitan Tabernacle e na Westminster Chapel após a morte de C. H. Spurgeon e D. M. Lloyd-Jones e a necessidade do trabalho pastoral catequético.
  26. 26. A necessidade de se enfatizar, como em Richard Baxter, o “cristianismo puro e simples” nos trabalhos pastorais:“...Aquilo que eu lhes expunha e, com toda a insistência, procurava imprimir em suas mentes era o grande princípio fundamental do cristianismo contido na aliança batismal deles, ou seja, um correto conhecimento, fé, sujeição e amor a Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, bem como o amor para com todos os homens e a harmonia na igreja e uns com os outros...É preciso muito tempo para explicar o verdadeiro e proveitoso método do Credo (a doutrina da fé), a oração do Pai Nosso (aquilo que desejamos) e os Dez Mandamentos (a lei da prática); o tratar desses assuntos fornece matéria adicional para o conhecimento da maioria dos que se professam cristãos.E uma vez feito isso, eles precisam ser levados adiante... não ao ponto de se deixar os mais fracos para trás. Mas sempre ensinando o que é subserviente aos grandes pontos da fé, da esperança e do amor, da santidade e da unidade, noções essas que precisam ser constantemente inculcadas, como o começo e o fim de tudo”.
  27. 27. O desafio Os atuais modelos de ministério são centrados em pregadores e eventos. O verdadeiro ministério pastoral é voltar sempre ao que é básico e simples: a Palavra,  os sacramentos e  a catequese.

×