Introdução à teologia divisão sistemática da teologia - prof sandro valentin

649 visualizações

Publicada em

Introdução a teologia sistematica

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Introdução à teologia divisão sistemática da teologia - prof sandro valentin

  1. 1. Quando estudamos a sistematização, queremos enfatizar basicamente cerca de Doze ramos ou ramificações que saem de um tronco ao qual demos o nome de TEOLOGIA SISTEMÁTICA. Entendemos que a Teologia Sistemática é repleta de detalhes, de minúcias.
  2. 2. Os ramos que vamos citar, saindo do tronco da Teologia Sistemática, são comumente conhecidos como sendo as doutrinas fundamentais da nossa:
  3. 3. Os ramos que compõe a Divisão Sistemática da Teologia são quase unânimes acertos no contexto da:
  4. 4. Entretanto, há com certeza diferenciações quanto à teologia aplicada exegeticamente ou hermeneuticamente ao assunto quando se faz a explicitação em cada comunidade cristã.
  5. 5. É importante observar que quando um assunto na Bíblia tem seu texto e contexto - texto que sucede ou antecede, nós chamamos de doutrina. Também é conhecido o assunto como estudos bíblicos.
  6. 6. Por outro lado, é bom entendermos que o texto sem o seu devido contexto é uma suposta heresia.
  7. 7. Alguns preferem iniciar com Bibliologia e outros com a Teologia propriamente dita que é a Doutrina acerca da Pessoa de Deus. Há também os teólogos que estudam dentro da Doutrina acerca da Pessoa de Deus as disciplinas Cristologia e Paracletologia.
  8. 8. TEOLOGIA PRÓPRIA
  9. 9. Teologia propriamente dita. É um estudo sobre a Pessoa de Deus em relação ao seu universo e suas criaturas.
  10. 10. Ao estudarmos a Teologia própria nós estaremos vendo Deus em relação só ao homem, em relação ao seu universo, em relação aos anjos e outros.
  11. 11. Quando envolvemos nesse estudo, vamos estudar Deus em relação: aos títulos que são conferidos à sua Pessoa, aos seus atributos morais, ativos e sem relação entre si.
  12. 12. Temos ainda os argumentos que tentam provar a existência de Deus, as teorias humanas em relação a Deus.
  13. 13. BIBLIOLOGI A
  14. 14. É a exposição das doutrinas bíblicas tais como se encontram na Palavra de Deus, tomada esta não tanto em sua totalidade quanto em suas diversas partes e livros que a compõem.
  15. 15. Assim, é apropriado falar de uma teologia do Antigo Testamento e de outra do Novo Testamento ;de uma teologia do Pentateuco; de teologias dos diferentes autores bíblicos, como Isaías, Jeremias, Paulo ou João.
  16. 16. O estudo voltado para a Bíblia ou seja, a doutrina acerca das Estruturas Sagradas. É a doutrina sobre a revelação de Deus nas Escrituras do Velho e do Novo Testamento. São considerações dos fatores essenciais relativos à Bíblia.
  17. 17. CRISTOLOGI A
  18. 18. É um estudo que fazemos sobre a Pessoa de Cristo. Esta doutrina nos põe a par da obra objetiva de Deus em Cristo construindo uma ponte sobre o abismo e eliminando a distância.
  19. 19. Percebemos nesta doutrina Deus vindo ao homem para afastar as barreiras entre Deus e o homem pela satisfação das condições da lei em Cristo, e para restabelecer o homem em sua bendita comunhão como seu criador.
  20. 20. Na Cristologia estudamos as duas naturezas de Cristo: A Divina e a humana, sua obra, humilhação e exaltação. Também vamos estudar sobre a sua segunda vinda, e outros.
  21. 21. PNEUMATO HAGIOLOGIA
  22. 22. É o estudo voltado para a Pessoa do Espírito Santo. Quando estudamos esta disciplina nós vamos estudar sobre a personalidade do Espírito Santo, suas obras, sua Divindade,
  23. 23. símbolos, sua ação no Velho Testamento, no Novo Testamento, sua revelação e inspiração, os dons do Espírito Santo.
  24. 24. Outro termo para descrever o estudo sobre a Pessoa do Espírito Santo é Paracletologia. Do grego Parácleto Conf. Jo 14,16,26; 15,26; 16, 7- que é constantemente traduzido por “Consolador”.
  25. 25. ANGELOLOGI A
  26. 26. É um estudo sobre os Anjos. A existência dos anjos e ensinada em pelo menos 34 livros da Bíblia. A palavra Anjo ocorre cerca de 275 vezes na Bíblia. Jesus ensinava sobre os Anjos Mt 18. 10; 26. 53.
  27. 27. Esta doutrina nos mostra sobre a criação dos Anjos a personalidade dos Anjos, a natureza dos Anjos, organização dos Anjos, os ministérios dos Anjos, etc.
  28. 28. SATANALOGI A
  29. 29. Do heb. Satã, “o adversário, o acusador”. Do latim Satans, “o que arma ciladas, inimigo”. Quando estudamos sobre Satanalogia nós por intermédio da Bíblia, vemos sobre Satanás:
  30. 30. sua personalidade, suas designações, sua natureza, suas limitações, seu estado original, sua queda, a punição, os juízos contra ele, a atuação de Satanás no mundo, etc.
  31. 31. É um estudo que poucos se interessam mas é bom conhecermos o adversário e suas armas malignas.
  32. 32. DEMONOLOGI A
  33. 33. É uma doutrina acerca dos demônios. A origem dos demônios segundo a Bíblia. Segundo o ponto de vista pagão grego, são as almas dos homens maus lá mortos.
  34. 34. Mas esta doutrina é uma doutrina pagã e não tem apoio bíblico. Também neste estudo vemos: características dos demônios, sua natureza, atividades, em relação a possessão, destino dos demônios, etc.
  35. 35. É um estudo que poucos se interessam mas é bom conhecermos o adversário e suas armas malignas.
  36. 36. ANTROPOLOGI A
  37. 37. A doutrina acerca do homem. Sua origem, sua queda e seu destino. Sobre a origem do homem nós temos: o criacionismo que são as evidências Bíblicas, e a Teoria
  38. 38. Evolucionista que vê a geração espontânea como a causa original do homem. Nós como Cristãos não aceitamos a teoria evolucionista científica para provar a origem do homem.
  39. 39. Defendermos a origem do homem por intermédio da Bíblia – o criacionismo, pelo fato da Bíblia ser um livro racional – ela, a Bíblia é a verdade.
  40. 40. Quando estudamos este ramo nós podemos vê: a origem do homem, sua parte física e espiritual, sua trajetória na terra, o pecado, sua natureza pecaminosa, sua eleição ou rejeição, seu destino final, etc.
  41. 41. HAMARTIOLOGI A
  42. 42. A doutrina acerca do pecado permeia toda a Bíblia do Gênesis ao Apocalipse. Quando deparamos com o capítulo terceiro do livro de Gênesis nós encontramos a maior tragédia da humanidade – o pecado.
  43. 43. Muitas perguntas são feitas concernentes a queda do homem, e uma das perguntas que mais se fazem é esta: por que homem, e uma das perguntas que mais se fazem é esta:
  44. 44. Porque Deus permite que o homem caísse em pecado? Sabemos que Deus podia ter evitado o pecado, mas não evitou. A origem do pecado é um mistério.
  45. 45. SOTERIOLOGIA
  46. 46. A Soteriologia é o estudo sobre a Salvação - neste caso a salvação da humanidade. Não temos condições de pensar em salvação sem Jesus Cristo.
  47. 47. Sobre o estudo da salvação nós temos duas correntes Teológicas que perduram na história: a Doutrina do Livre-arbitrio e a doutrina da Predestinação.
  48. 48. Na doutrina do Livre-arbítrio nós temos a corrente Teológica que se destacou com Armínius, daí os arminianos e a da Predestinação com Calvino, dai os calvinistas.
  49. 49. A maioria das denominações Pentecostais segue a corrente do Livre-arbítrio.
  50. 50. ECLESIOLOGIA
  51. 51. EKKLESIA - Reunião dos chamados para fora. Quando nos referimos a Igreja estamos dizendo dos salvos em Cristo Jesus. A expressão é usada no Novo Testamento,
  52. 52. tanto num sentido universal (para designar todos os crentes salvos) como num sentido restrito (um grupo particular de crentes salvos reunidos em um lugar).
  53. 53. ESCATOLOGI A
  54. 54. Genericamente designa o estudo das últimas coisas. Quando falamos em Escatologia estamos dizendo: segunda vinda de Cristo, arrebatamento da Igreja, Grande Tribulação, O Reino Milenar o
  55. 55. Grande Trono Branco, Novos Céus e Nova Terra. Dentro do pensamento como: Pré- milenistas, Milenistas, Pós- milenistas. Também os Pré- tribulacionistas, Tribulacionistas e os Pós-tribulacionistas.
  56. 56. A ESCATOLOGIA é uma das disciplinas mais polêmicas no contexto teológica. Contudo, é a disciplina que mais desperta interesse dos estudantes de Teologia.
  57. 57. Escatologia Coletiva: São os eventos escatológicos que envolvem todo o universo ou toda a raça humana.
  58. 58. Escatologia Consistente: É o ponto de vista de Albert Schweitzer, e outros pensadores, segundo o qual as ações e ensinos de Jesus foram completamente escatológicos.
  59. 59. Escatologia Cósmica: O estudo das últimas coisas na medida em que afetam a raça humana como um todo ou toda a criação de forma coletiva.
  60. 60. Escatologia do Antigo Testamento: É o ensino das últimas coisas que tem o Antigo Testamento como seu fundamento.
  61. 61. Escatologia do Novo Testamento: É o ensino das últimas coisas que tem o Novo Testamento como seu fundamento.
  62. 62. Escatologia Idealista: Uma abordagem que considera que a mensagem apocalíptica da Bíblia não está relacionada a eventos específicos da história,
  63. 63. Escatologia Realizada: Do ponto de entendimento de C.H.Dodd e outros teólogos, é de que as passagens escatológicas da Bíblia não se referem ao futuro,
  64. 64. mas a assuntos e questões que ocorrem dentro do contexto do período bíblico e especialmente, na vida e ministério de Jesus.
  65. 65. Escatomania: É o interesse ou preocupação excessiva que uma pessoa tem em relação com as últimas coisas.
  66. 66. EVANGELISMO E MISSÕES NO SÉCULO XXI
  67. 67. O que é “evangelizar”? Este verbo deriva do substantivo “evangelho” que, na língua grega significa “boas novas” (no grego euangelion). Evangelizar é anunciar o Evangelho do Reino de Deus.
  68. 68. É anunciar a possibilidade do ser humano colocar-se debaixo do governo de Deus, através da vida, morte e ressurreição de Jesus.
  69. 69.  TODO HOMEM é pecador e está separado de Deus (Rm 3.23; 6.23).
  70. 70.  A fé em Jesus Cristo é o ÚNICO meio de alcançar perdão (Jo 3.16,36). Jamais uma obra do homem poderá fazê-lo.
  71. 71. SOMENTE através de Jesus o homem é liberto do domínio do diabo (Jo 8.31-32, 36, 42-44).
  72. 72.  SOMENTE pela fé em Jesus o homem é aceito por Deus como filho (Jo 1.12), e tem acesso à Vida Eterna. (Jo 5.24, 6.51; 10.27,28).
  73. 73. Religião é um termo que deriva do latim, religare, e que traduz o vocábulo grego threskeia. Religião significa “religação” - a ligação do homem ao Criador.
  74. 74. No mundo inteiro somente existem duas religiões: a de Deus (JESUS CRISTO, Jo 14.6) e a do diabo. O diabo se dissimula entre os muitos “ismos” pelo mundo afora e só engana os povos.
  75. 75. No mundo inteiro somente existem duas religiões: a de Deus (JESUS CRISTO, Jo 14.6) e a do diabo. O diabo se dissimula entre os muitos “ismos” pelo mundo afora e só engana os povos.
  76. 76. Segundo o professor Rui de Souza Josgrilberg, no livro Nós e a Missão, “A missão é a razão principal da existência da comunidade de fé... Tudo o que se faz na comunidade é feito em função da Missão.”
  77. 77. Neste sentido, toda a ação da Igreja, seus planejamentos e objetivos devem girar em torno da missão. “A missão de Deus no mundo é estabelecer o seu Reino.
  78. 78. “A missão de Deus no mundo é estabelecer o seu Reino. Participar da construção do Reino de Deus em nosso mundo, pelo Espírito Santo, constitui-se na tarefa evangelizante da Igreja”.
  79. 79. A doutrina trinitária professa que o conceito da existência de um só Deus, onipotente, onisciente e onipresente, revelado em três pessoas distintas, pode-se depreender de muitos trechos da Bíblia.
  80. 80. Um dos exemplos mais referidos é o relato sobre o batismo de Jesus, em que as "três pessoas da Trindade" se fazem presentes, com a descida do Espírito Santo sobre Jesus, sob a forma de uma pomba, e com a voz do Pai Celeste dizendo:
  81. 81. "Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo”, (Mateus 3.16,17) e em Mateus 28.19: «Portanto, ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo».
  82. 82. O termo "Trindade" não se encontra na Bíblia, pois é o nome dado pela igreja cristã à Doutrina que define a personalidade de Deus na Bíblia, onde Deus é: o Pai, e o Filho e o Espírito Santo.
  83. 83. Uma frase constante no Novo Testamento: "à quem Deus ressuscitou dos mortos."
  84. 84. O termo é a transliteração do grego "βαπτισμω" (baptismō) para o latim (baptismus), conforme se vê na Vulgata em Colossenses 2:12.
  85. 85. Este substantivo também se apresenta como "βαπτισμα" (baptisma) e "βαπτισμός" (baptismós), sendo derivado do verbo "βαπτίζω" (baptizō),
  86. 86. o qual pode ser traduzido por "batizar", "imergir", "banhar", "lavar", "derramar", "cobrir" ou "tingir", conforme utilizado no Novo Testamento e na Septuaginta.
  87. 87. Os textos em Marcos 10.38 e Lucas 24.49 enfatizam o baptismo como rito de passagem. A transliteração, portanto, se justifica diante do universo semântico apresentado.
  88. 88. O batismo com o Espírito Santo é uma “segunda bênção”, uma segunda experiência que o crente precisa ter, vindo, a partir daí, a manifestação dos dons espirituais. É um “revestimento” de poder.
  89. 89. Para os Pentecostais “tradicionais” – Assembléias de Deus, Deus é Amor, os pentecostais em geral e alguns ramos da renovação – as línguas são a evidência do Batismo com o Espírito Santo.
  90. 90. Para os Renovados e/ou Carismáticos – Batistas, Neo- Pentecostais, Presbiterianos etc. – as línguas não são necessariamente sinais desse batismo.
  91. 91. DE ACORDO COM ESTA CORRENTE TEOLÓGICA, TODOS QUE OS SEGUIDORES DE CRISTO SÃO BATIZADOS COM O ESPÍRITO SANTO E QUE O FALAR EM LÍNGUAS É DOM.
  92. 92. Não é exagero afirmar que um dos assuntos onde há maior confusão, hoje, é a questão do batismo com o Espírito Santo e o dom de línguas.
  93. 93. Não porque a Escritura não seja clara no seu ensino com respeito ao assunto, mas sim porque a experiência pessoal, e não a Palavra de Deus, tem ditado a forma de se compreender essa doutrina tão importante.
  94. 94. Primeiro: Todos os crentes são batizados com o Espírito Santo. "Pois em um só Espírito fomos todos nós batizados em um só corpo" - 1 Coríntios 12.13
  95. 95. Segundo: O dom de línguas não é sinal de batismo com o Espírito Santo. "Pois em um só Espírito fomos todos nós batizados em um só corpo" – (1ª Coríntios 12.13)
  96. 96. Terceiro: O dom de línguas é dom de línguas [idiomas], não de expressões extáticas.
  97. 97. É muito fácil para alguém afirmar hoje em dia, no meio pentecostal, que fala em línguas, pois as pessoas perderam a noção do que é o dom de línguas que a Bíblia fala.
  98. 98. O dom de línguas na Bíblia era a capacidade das pessoas falarem em outros idiomas, sem nunca terem aprendido ou estudado os mesmos. Isso é claro a partir do relato de Atos 2.
  99. 99. E todos pasmavam e se admiravam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses que estão falando? Como é, pois, que os ouvimos falar cada um na própria língua em que nascemos? - (Atos 2.7-8)
  100. 100. Isso explica porque Paulo pôde ser um grande missionário, visto que ele aprendera sobrenaturalmente outros idiomas. Ele mesmo disse que falava mais línguas que todos os crentes de Corinto.
  101. 101. Concluindo: Nós crentes, temos que buscar, não o batismo com o Espírito Santo, mas o fruto do Espírito. Sermos cheios do poder de Deus e ter o fruto do Seu Espírito. Os dons virão segundo a bondade de Deus.
  102. 102. Jesus disse: "Fazei isto em memória de mim." (1Co 11.24). A Ceia do Senhor, então, tende a trazer à nossa mente quanto à morte vicária(a morte de Cristo ocorreu em nosso favor) de Cristo.
  103. 103. Jesus também disse: "Todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciais a morte do Senhor até que Ele venha." (1 Co 11.26). De modo que a Ceia é uma ordenança tanto como comemorativa.
  104. 104. Notamos na passagem há pouco citada as palavras: "Proclamais a morte do Senhor até que Ele venha.”
  105. 105. A nossa alimentação de Cristo não é literal. Participamos dEle pela fé e assim somos salvos, o eu está simbolizado na Ceia do Senhor.
  106. 106. A repetição desta ordenança manifesta que a fé, pela qual participamos de Cristo, não é meramente uma coisa momentânea mas contínua, pela qual a alma é sustentada constantemente.
  107. 107. Em 1 Co 10.16-17 lemos: "O cálice de benção que abençoamos, não é uma comunhão de (ou participação em) o sangue de Cristo? O pão (ou fatia) que partimos não é uma
  108. 108. comunhão de (ou participação em) o corpo de Cristo? Vendo que nós, que somos muitos, somos um pão (ou fatia), um corpo: porque todos participamos de um pão (ou fatia)."
  109. 109. Estes versos aventam o fato que a unidade da igreja se manifesta pelos membros participantes de uma fatia. Por essa razão o pão deverá ser trazido à mesa em uma fatia ou pedaço, doutra maneira o tipo não é tão impressivo.
  110. 110. Hoje tivemos uma visão panorâmica da Divisão Sistemática da Teologia. Como podemos observar, os ramos ou ramificações são assuntos observados na Bíblia Sagrada, ou
  111. 111. seja, temos como base as Sagradas Escrituras e delas faremos os nossos estudos de acordo com cada ponto citado.

×