ESCOLA DE THEOLOGIA MINAS GERAIS
PROF: SANDRO VALENTIN
VALENTiN.SANDRO@GMAIL.COM
31- 8353-9579
9581-6544
8584-6494
 O Diácono Sandro Valentin é Pregador, Palestrante e
Conferencista.
 Congrega na Assembléia Deus Min. Belo Horizonte
Reg...
INTRODUÇÃO
UNIDADE I
A BIBLIOLOGIA
Conceito etimológico
Definição
Uso da Expressão
Divisão
UNIDADE II
O OBJETO DA BIBLIOLOGIA
UNIDADE III
1- A BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS
1 - A REVELAÇÃO
1.a) Definição
1.b) A Nece...
UNIDADE IV
2 - A INSPIRAÇÃO
2.a) Definição
2.b) Métodos da Inspiração
2.c) Natureza da Inspiração
2.d) Teorias da Inspiraç...
2.d.2 - Graus de Inspiração
2.d.3 - Iluminação Cristã Universal (inspiração
comum)
2.d.4 - Conceitos ou pensamentos (idéia...
2.d.7 - Ditado Verbal (Inspiração Mecânica)
2.e) A verdadeira Doutrina da Inspiração
Inspiração Verbal e Plenária
2.f) O q...
UNIDADE V
3- A AUTORIDADE
3.a) Definição
3.b) Fontes
UNIDADE VI
4- A CANONICIDADE
4.a) A natureza do cânon
4.b) A necessidade do cânon
4.c) O cânon do AT
4.d) Data de reconhec...
4.e) O cânon do NT
4.f) Critérios para o Estabelecimento do Cânon do
NT
4.g) Data de reconhecimento e fixação do cânon
do ...
UNIDADE VII
5- A LITERATURA APÓCRIFA
5.a) Os apócrifos
5.b) Os 4 acréscimos ou apêndices
5.c) Os livros rejeitados
5.d) Po...
UNIDADE VIII
6- A BÍBLIA COMO LIVRO
1. A IMPORTÂNCIA DA BÍBLIA
2. A ORIGEM DA PALAVRA BÍBLIA
2.a) A palavra Bíblia
2.b) No...
4. COMO MANUSEAR A BÍBLIA
4.a) Aprendendo a ler e a escrever as referências Bíblicas
4.b) Aprendendo a distinguir Texto, C...
UNIDADE IX
7- A PRESERVAÇÃO E A TRADUÇÃO DA BÍBLIA
1. AS LÍNGUAS ORIGINAIS DA BÍBLIA
1.a) O Hebraico
1.b) O Aramaico
1.c) ...
2. OS MANUSCRITOS DA BÍBLIA
2.a) Material gráfico dos MSS Bíblicos
2.a.1) O Papiro
2.a.2) O Pergaminho
2.a.3) Outros mater...
3. A BÍBLIA IMPRESSA
A primeira impressão da Bíblia
4. AS VERSÕES (TRADUÇÕES) DA BÍBLIA
A Bíblia: O livro mais traduzido d...
4.2.c) siríacas
4.2.d) latinas
4.2.e) outras versões orientais
4.3 Versões Modernas
4.3.a) Européias
4.3.b) Versões em Por...
4.3.b.l) A Versão de João Ferreira de Almeida
4.3.b.2) Outras Versões
4.4 O Valor de uma versão
4.5 Razões para as Versões
UNIDADE X
8- O ESTUDO DA BÍBLIA
5.1 Porque Devemos Estudar A Bíblia
5.2 Como Estudar A Bíblia
5.3 Métodos De Estudo Da Bíb...
Identificando os Alvos, bem como os Métodos
Definindo os métodos
Usando os Métodos
5.4 Bíblia de Estudo (Comentadas)
5.5 B...
UNIDADE XI
9- DIFICULDADES DA BÍBLIA
Dificuldades linguísticas
Dificuldades cientificas
Dificuldades Históricas
Pessoas
Lu...
Números
Tempo
Dificuldades doutrinárias
Bibliografia
CONCEITO ETIMOLÓGICO:
Do grego: biblio = livro; logia = estudo ou tratado.
DEFINIÇÃO:
É a disciplina teológica que trata d...
USO DA EXPRESSÃO (BIBLIOLOGIA):
Empregada por alguns como sinônimo da alta
crítica. Era costume antigo prefixar cada escri...
Essa atividade é variadamente intitulada de alta
crítica, crítica literária ou introdução bíblica.
DIVISÃO:
O estudo da Bi...
a) Como a Bíblia veio a existir;
b) Como a Bíblia chegou até nós;
c) Sua inspiração;
d) Sua canonicidade;
e) Suas línguas;...
ESPECÍFICA:
Focaliza os livros separadamente em questões de:
a) Autoria,
b) Data,
c) Local em que foi escrito,
d) Unidade,...
O OBJETO DA BIBLIOLOGIA
É verdade que várias ciências entram no estudo da
Introdução à Bíblia, tais como: Filologia , hist...
Portanto, a Bíblia, e tão somente Ela, deve ser a
nossa preocupação central, durante o estudo
desta matéria, tanto no seu ...
A CRÍTICA DA BÍBLIA
Se divide em Crítica textual ou Baixa Crítica, e,
Crítica literária ou Alta Crítica, que é a que ora
f...
B) CRÍTICA LITERÁRIA:
É a arte-ciência que estuda a formação da tradição
oral classificando-se as formas literárias,
procu...
FILOLOGIA:
É a ciência que estuda a origem e
desenvolvimento das línguas.
ARQUEOLOGIA:
É a ciência que investiga o homem e...
VAMOS APRENDER UM
POUCO DO PROCESSO PELO
QUAL A BÍBLIA QUE ESTÁ
SOBRE SUA MESA AGORA
PASSOU ATÉ QUE SE
FORMASSEM ESTAS FOL...
PAPEL PAPIRO
Há milhares de anos, no Egito,
não havia papel como nós o
conhecemos. Em lugar do
nosso papel, usava-se o pap...
As tiras podiam ser
alinhadas no mesmo
sentido para se fazer uma
folha. Então, outras tiras
eram colocadas por cima,
em ou...
a substância do caule do
papiro fizesse com que
as tiras se colassem
umas nas outras
formando uma peça
única.
Então, a folha podia ser
prensada e batida para
se fazer papel resistente.
Depois da folha de papiro
pronta ela é alisada com
ferramentas e finalmente
um escriba poderá usá-la
para escrever uma car...
E Todo este sacrifÍcio para DARIA
escrever o que seria equivalente hoje À
meia página de uma BÍblia que NÓS
usamos...
Quem destruísse este Livro,
como já tentaram fazer os
inimigos da felicidade
humana, nos deixaria
profundamente
desconhece...
da origem e dos progenitores
da raça, como também do
nosso futuro destino, e
nos subordinaria para sempre
ao domínio do ca...
A destruição deste Livro nos
privaria da religião cristã, com
todos os seus confortos
espirituais, esperanças e
perspectiv...
infidelidade e as monstruosas
sombras do paganismo.
A destruição deste
Livro despovoaria o céu,
fechando para sempre suas
...
enterraria no mesmo túmulo
que recebe os nossos corpos,
todos os que antes de nós
morreram, e deixando a nós
o mesmo trist...
Enfim, a destruição deste Livro
nos roubaria de uma vez tudo
quanto evita que a nossa
existência se torne a maior
das mald...
e degradaria o homem
a ponto de ele ter ciúmes da
posição dos próprios animais.
“Ouvindo alguém a palavra do reino, e não a
entendendo, vem o maligno, e arrebata o que foi
semeado no seu coração; este é...
Nos últimos anos tem havido um crescimento
enorme nas vendas de produtos religiosos. Livros
e revistas têm enchido as livr...
Algumas livrarias nos Shoppings da cidade, que
antigamente eram livrarias técnicas, hoje são
totalmente especializadas em ...
não creio mais na Bíblia, é um livro humano ” – e
citam trechos de reportagens de revistas como
GALILEU e SUPER-INTERESSAN...
Cristo, mostrando por meio da própria Bíblia e por
relatos históricos, o que foi a realidade dos fatos.
Sabemos que desde ...
Esse estudo pretende ajudá-lo muito no
evangelismo, pois teremos argumentos
convincentes para ajudar a própria igreja e
ta...
É a revelação de Deus à humanidade. Seu autor é
Deus mesmo. Seu real intérprete é o Espírito
Santo. Seu assunto central é ...
Ignorar a Bíblia é ignorar essa vontade. Certo
autor anônimo corretamente declarou: “A Bíblia é
Deus falando ao homem; é D...
A Bíblia contém 31.173 versículos e 1189 capítulos
Para sua leitura completa, são necessárias 49
horas, a saber, 38 horas ...
É o Senhor Jesus Cristo. Ele mesmo no-lo declara
em Lucas 24.27,44 e João 5.39. Considerando
Cristo como tema central da B...
PREPARAÇÃO
Todo o Antigo Testamento trata da preparação do
mundo para o advento de Cristo.
MANIFESTAÇÃO
Os Evangelhos tratam da manifestação de Cristo
ao mundo, como Redentor.
PROPAGAÇÃO
Os Atos dos Apóstolos tratam da propagação de
Cristo por meio da Igreja.
EXPLANAÇÃO
As Epístolas tratam da explanação de Cristo. São
os detalhes da doutrina.
CONSUMAÇÃO
O Apocalipse trata de Cristo consumando todas as
coisas - C. I. Scofíeld.
Tendo Cristo como o tema central da Bíblia,
podemos resumir todo o Antigo Testamento numa
frase: JESUS VIRÁ, e o Novo Test...
A Bíblia está dividida em duas partes principais:
ANTIGO TESTAMENTO e NOVO TESTAMENTO.
Os nomes ANTIGO TESTAMENTO e NOVO
T...
A palavra “Testamento” corresponde à palavra
hebraica berith – aliança, pacto, contrato. O
Antigo Testamento é a revelação...
“Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha
voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a
minha propriedade pecul...
Outras alianças registradas
Aliança com Adão:
(Gn 1:27-30; 2:16-17)
Aliança com Noé:
(Gn 9:11-17)
Aliança com Abraão:...
Aliança com Isaque:
(Gn 26:2-5,24)
Aliança com Jacó:
(Gn 28:13-15)
Aliança com Davi:
(2 Sm 7:1-29
Sendo a aliança quebrada pela infidelidade do
povo, Deus prometeu uma nova aliança que
deveria ser ratificada com o sangue...
“Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no
dia em que os tomei pela mão, para os tirar da
terra do Egito; porque el...
O Novo Testamento é a revelação de Deus para o
bem de todos os povos. Jesus Cristo, o MESSIAS e
SALVADOR, veio na PLENITUD...
Os escritores do Novo Testamento passaram a
chamar a primeira aliança de “Antiga aliança”,
porque foi substituída por uma ...
“Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira.
Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece,
perto está de acabar” (Hebreus...
A Bíblia foi escrita por 40 diferentes autores que
representavam 19 diferentes ocupações (pastores,
fazendeiros, pescadore...
São aproximadamente 50 gerações de homens.
Os primeiros 39 livros da Bíblia foram escritos em
hebraico ao longo de um perí...
Esse período teve a duração de aproximadamente
450 anos. Normalmente se faz referência a esse
tempo como uma época em que ...
Todo o cenário em Israel que se mostra nas
páginas do Novo Testamento, foi delineado neste
período, seja religiosamente ou...
“Moisés e os profetas”.
“Lei, profetas e Salmos”.
“A Escritura” ou “As Escrituras”.
“E disse-lhes: São estas as palavras q...
Todo o conteúdo da Bíblia de que dispomos hoje
foi escrito em línguas Orientais. Sendo o Antigo
Testamento em Hebraico e A...
HEBRAICO
Língua em que foi escrito o Antigo Testamento,
exceto alguns poucos trechos que foram escritos
em ARAMAICO.
ARAMAICO
Grupo de dialetos intimamente relacionados com
o HEBRAICO e falados na Terra de Israel e em
outros países do mund...
Esdras
4:8-6,18;
7:12-26;
Daniel
2:4-7,28;
Jeremias
10:11.
Estão escritos em aramaico os seguintes textos
bíblicos:
Língua difundida pelo império de Alexandre, o
Grande, que viveu de 356 até 323 a.C. Ele
conquistou o mundo civilizado desd...
Deus por Sua sabedoria preparou o cenário para
que o NT fosse escrito nessa língua tão
especialmente detalhista. O grego k...
Texto original escrito por um profeta, apóstolo ou
evangelista inspirado pelo Espírito Santo. Hoje não
temos mais os autóg...
Porém, os milhares de cópias espalhadas pelos
cristãos do mundo e preservadas de geração em
geração garantem a sua fidelid...
A palavra grega apócrifo significa oculto, secreto,
algo que está velado. Entre os estudiosos essa
palavra é usada para de...
Os sete livros são: Tobias, Sabedoria de Salomão,
Eclesiástico, Judite, Baruque e I e II Macabeus. São
Livros que a Igreja...
A utilização destes livros pela Igreja Católica veio
ocorrer por causa da Reforma Protestante, para
sustentar suas diversa...
Obviamente existem critérios pelos quais um livro é
avaliado para ser considerado aceito ou
“inspirado”.
Agora apresentaremos um breve resumo de
algumas das heresias contidas nestes livros, que é o
motivo pelo qual não são acei...
TOBIAS – (200 A.C)
É uma história novelística sobre a bondade de
Tobiel (pai de Tobias) e alguns milagres preparados
pelo ...
Apresenta:
Justificação pelas obras - 4:7-11; 12:8
Mediação dos Santos - 12:12
Superstições - 6:5, 7-9, 19
Um anjo eng...
TOBIAS ensina artes mágicas ou de feitiçaria
como método de exorcismo
Este ensino que o coração de um peixe tem o
poder pa...
Deus jamais iria mandar um anjo seu, ensinar a
um servo seu, como usar os métodos da macumba
e da bruxaria para expulsar d...
TOBIAS ensina que esmolas e boas obras
limpam pecados e salvam a alma
Tobias 12.8, 9 - "É boa a oração acompanhada do
jeju...
TOBIAS traz a idéia de que os anjos de Deus
mentem
Um anjo de Deus não poderia mentir sobre a sua
identidade, sem violar a...
JUDITE – (150 A.C)
É a História de uma heroína viúva e formosa que
salva sua cidade enganando um general inimigo e
decapit...
BARUQUE – (100 A.C)
Apresenta-se como sendo escrito por Baruque, o
cronista do profeta Jeremias, numa exortação aos
judeus...
ECLESIÁSTICO (180 A.C)
É muito semelhante ao livro de Provérbios, não
fossem as tantas heresias.
Apresenta:
Justificação p...
SABEDORIA DE SALOMÃO (40 D.C)
Livro escrito com finalidade exclusiva de lutar
contra a incredulidade e idolatria do epicur...
Obs.: Este livro é usado de forma completamente
deturpada para sustentar as heréticas doutrinas
da “Assunção de Maria” e d...
Versículo 20:
Ou antes, como era bom, eu vim a um corpo
intacto;
1º MACABEUS (100 A.C)
Descreve a história de 3 irmãos da família dos
"Macabeus", que no chamado período ínterbíblico
(400 ...
2º MACABEUS (100 A.C)
Não é a continuação do 1º Macabeus, mas um
relato paralelo, cheio de lendas e prodígios de
Judas Mac...
Culto e missa pelos mortos - 12:43
O próprio autor não se julga inspirado -15:38-40;
2:25-27.
Intercessão pelos Santos ...
Capítulo 13
A história de Suzana - segundo esta lenda Daniel
salva Suzana num julgamento fictício baseado em
falsos testem...
Capítulo 14
Bel e o Dragão - Contém histórias sobre a
necessidade da idolatria.
Capítulo 3:24-90
Cântico dos 3 jovens na f...
A origem dos livros apócrifos
A Bíblia Católica em Português é oriunda da
Vulgata Latina, que é uma tradução da
Septuagint...
Setenta e dois rabinos liberais (não ortodoxos)
trabalharam nela e, segundo a lenda, teriam
completado a tradução em seten...
Resumindo, um escrito ou um livro pode ser
apócrifo, conforme vimos sobre os 7 livros
adicionais da Bíblia Católica, ou po...
A BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS
A Bíblia se distingue de todos os demais livros
pelas seguintes razões: Ela é a revelação di...
A BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS
A Bíblia se distingue de todos os demais livros
pelas seguintes razões: Ela é a revelação di...
-A própria natureza pode servir como canal
através do qual nos chega a revelação. Diz o
salmista:
‘Os céus proclamam a gló...
- A razão e a intuição, são outros meios pelos quais
pode vir à mente humana a verdade acerca de
Deus.
- Sem dúvida, a rev...
Também, a revelação é um conjunto de verdades
apreendidas ou conhecidas, compreendendo a fé
cristã, historicamente registr...
É desta revelação de Deus, como no-la dá a Bíblia,
que vamos aqui estudar:
DEFINIÇÃO
A palavra REVELAR vem de três fontes:...
Todos estes termos significam a mesma coisa,
“desvendar alguma coisa escondida até aquele
momento”
Logo, revelação é a man...
Este modo de definir a revelação acentua que o
que se revela é o próprio Deus e não algumas
coisas a respeito de Deus.
Na ...
Sócrates, o mais sábio dos gregos, afirmou que
sem uma revelação especial da parte de Deus,
homem nada podia descobrir ace...
LEI (Torah), Is 1.10 = instrução, ou direção divina.
PALAVRA (Debbhar), Mq 4.2.
Estes dois termos são usados na Bíblia par...
O corpo de instruções autoritativas que Deus deu
aos homens. A Palavra de Deus é tudo aquilo que
Deus tem a dizer para o h...
A Revelação que a Bíblia nos apresenta de Deus, é
uma revelação sobrenatural. Deus interveio,
segundo ela, no percurso da ...
Assim sendo, REVELAÇÃO é a comunicação das
verdades que não podem ser descobertas de
nenhuma outra maneira, a não ser que ...
A NECESSIDADE DE UMA REVELAÇÃO DIVINA
Para o conhecimento de Deus, a Bíblia é
indispensável por Duas razões:
a) A transcen...
podemos estudar para satisfazer a nossa
curiosidade; se pudéssemos fazer isso, Ele não
seria Deus.
O fato é que Deus está ...
o outro ser humano está pensando, como vai
descobrir algo a respeito daquele que habita nas
alturas? Qual seria a resposta...
A sabedoria deste mundo não ajuda ninguém a
chegar ao conhecimento de Deus. 1 Co 1.18-29,
especialmente o v. 21. É importa...
OS MODOS DA REVELAÇÃO DIVINA
Revelação através da natureza
(geral, natural). Diz a Bíblia: “Os céus proclamam a
glória de ...
Revelação divina através da providência.
Providência, é a execução o Programa Divino
através dos tempos. Deus se revelou a...
O Senhor Jesus, em Mt 23.37-25.46, fala dos
últimos tempos. O Apocalipse, nos leva até a
consumação deste mundo como está....
A doutrina da Providência Divina, tem os seus
problemas, e terá, enquanto o pecado e o
sofrimento existirem. Para discerni...
Revelação divina através dos milagres.
O caráter sobrenatural do milagre manifesta o
poder de Deus, e seu propósito muitas...
Revelação divina através da encarnação de
Cristo.
Através da encarnação de seu Filho Jesus Cristo.
Deus revelou-se a si me...
Revelação divina através das Escrituras.
Deus se revelou de muitas maneiras no passado e
todos os outros modos de revelaçã...
Milagres são uma revelação de Deus para aqueles
que assistiram, porém, o registro deles na Bíblia,
aumenta o seu valor, pa...
Da mesma maneira, a Encarnação, a Vida, a Morte
e Ressurreição de Cristo, têm valor infinito, porém
Deus tem prometido uma...
A revelação divina através das Sagradas Escrituras
ainda se subdivide em cinco aspectos:
1)Teofania,
2)Sonho,
3)Anjos,
4)U...
PROVAS DE QUE A BÍBLIA É A REVELAÇÃO DE
DEUS
a) As grandes diferenças entre a Bíblia e os
escritos dos homens evidenciam q...
c) A unidade maravilhosa da Bíblia confirma-a
como uma revelação divina.
d) A exatidão da Bíblia em matérias científicas
p...
e) A profecia cumprida testemunha ao fato que a
Bíblia veio de Deus.
f) O testemunho de Cristo prova a genuinidade da
Bíbl...
DIFERENÇAS TEOLÓGICAS SOBRE A REVELAÇÃO
DIVINA
ATEÍSTA:
Nega tanto existência de Deus, como Sua
revelação.
DEÍSTA:
Admite a existência de Deus, mas nega a
revelação, argumentando que a natureza e a razão
nos dão luz suficiente pa...
TEÍSTA:
Crê num Deus Criador, preservador, único, eterno,
governador do universo, e que nos deu uma
revelação sobrenatural...
REVELAÇÃO NATURAL OU TEOLOGIA NATURAL:
Ensina que o conhecimento da pessoa, atributos e
obra de Deus, são oriundos exclusi...
É a doutrina segundo a qual as Sagradas Escrituras
não contêm quaisquer erros por serem a
inspirada, infalível e completa ...
Isenta de erros doutrinários, culturais e científicos,
inspira-nos ela confiança plena em seu conteúdo
(Sl 19:7).
O argumento em favor da inerrância da Bíblia
pode ser descrito da seguinte forma lógica : “Deus
não pode errar. A Bíblia é...
Ele é um Deus que, mesmo quando somos infiéis,
“permanece fiel, pois não pode negar-se a si
mesmo” (2 Tm 2:13). Deus é a v...
As evidências podem ser internas e externas,
como veremos abaixo:
Evidências Internas: Entre as diversas evidências
intern...
O testemunho de Jesus - O Senhor Jesus, em sua
vida, reivindicou para a Bíblia: autoridade divina
(Mt 4:4,7,10); Indestrut...
O testemunho dos discípulos - Paulo (Tt 1:2; 2 Tm
2:13); Pedro (2 Pe 1:20,21); Tiago (Tg 1:17).
Cumprimento das profecias ...
Gênesis 3:15
O Messias viria da ”semente da mulher” Lc 2:7; Gl
4:4; Ap 12:5
Miquéias 5:2
O lugar de seu nascimento Mt. 2:1...
Isaías 53:12
Seria crucificado com pecadores Mt 27:38; Mc
15:27,28; Lc 23:33).
Evidência Externas
Entre as Evidências Externas podemos citar:
Evidência de Manuscrito
Há manuscritos do NT disponíveis ho...
Evidência Histórica
A Bíblia tem demonstrado sua inerrância na
exatidão histórica dos acontecimentos,
personagens, civiliz...
Evidência Científica
Nesse ponto, chamamos de evidência científica as
afirmações de maior exatidão científica que, na
époc...
Ex. A terra fundamentar-se sobre o nada (Jó 26:7);
e a mesma possuir uma forma esférica
(Is 40:22).
DEFINIÇÃO
O termo “autoridade”, vem do latim, auctoritas,
derivada de autor, ‘causa’, ‘patrocinador’,
‘promotor’, ‘fiador’...
Mas na medida em que contém provas históricas,
incluindo os milagres que comprovam a
intervenção divina, ela é extremament...
FONTES DA AUTORIDADE
A autoridade das Escrituras do Antigo e Novo
Testamentos, que lhes dá seu destaque canônico,
pode ser...
b) Foram escritas por homens escolhidos que
foram “conduzidos” pelo Espírito Santo.
a
A autoridade da Bíblia está intimame...
No caso do AT, a congregação de Israel sob a
liderança de seus anciões, governantes, profetas e
sacerdotes, deram sanção à...
d) Foram autenticadas pelo Senhor Jesus Cristo,
as segundas pessoas da divindade.
Inúmeras pessoas sabem quem é Jesus; crê...
e) Foram recebidas, transmitidas e confirmadas
pelos profetas.
O profeta recebeu a alta responsabilidade de
receber e tran...
Sem dúvida, a passagem de Dt 18.15,18,19, como
muitas outras, encontra o seu cumprimento final
no ministério profético de ...
Inspiração – Definição
A palavra “inspiração” vem do latim inspiratio.
Inspirar, literalmente significa ‘respirar dentro’....
Teologicamente, o conceito de inspiração refere-se
ao fato de a Escritura Sagrada ser o
pronunciamento do Deus que não pod...
Teoria da Inspiração Genial (natural ou humana)
Ensina que os escritores da Bíblia eram realmente
inspirados, mas, no mesm...
A Bíblia foi escrita por homens de grande talento,
e indivíduos talentosos dotados de excepcional
percepção foram escolhid...
Objeções à Teoria da Inspiração Genial
Esta concepção torna a Bíblia não muito diferente
de outras obras literárias religi...
Rejeita as afirmações da própria Bíblia sobre o
assunto.
 É bom lembrar que a expressão: "ASSIM DIZ O
SENHOR" e similares...
Teoria dos Graus de Inspiração
Ensina que certas partes da Bíblia são mais
inspiradas que outras ou inspiradas de modo
dif...
As doutrinas foram inspiradas, mas não no grau
anterior. E há partes que não possuem inspiração
alguma. Fatos conhecidos t...
Objeções à teoria dos Graus de Inspiração
 Não se encontra no texto nenhuma sugestão de
graus de inspiração, mas sim tota...
 Como identificar que parte é menos inspirada
que a outra?
 Sendo assim, A Bíblia apenas contém a Palavra
de Deus.
Teoria da Iluminação Cristã Universal
Os autores humanos foram capacitados por Deus
a redigirem a Escritura. O Espírito Sa...
Objeções à teoria da Iluminação cristã Universal
 O ensino bíblico indica que a revelação veio por
meio de comunicações d...
 Há visível diferença entre os escritos dos Pais da
Igreja e a Bíblia, e eles não se atrevem a dizer que
Deus os inspirou.
Teoria dos Conceitos ou pensamentos (idéias)
inspirados
Essa teoria sustenta que Deus inspirou os
pensamentos dos escritor...
Por isso argumentam que pode haver certos
detalhes escritos que contenham erros. Ainda
assim, acrescentam que o ensino dou...
Ensina que Deus, durante certo período de tempo,
tomou a mente de homens dando-lhes certos
princípios, mais tardes esses h...
Objeções à teoria dos Conceitos ou pensamentos
inspirados
 Não é possível inspirar idéias gerais de modo
infalível sem in...
 Confia a verdade infalível de Deus à vontade do
homem, para ele usá-la como bem entender.
 Admite-se a presença de erro...
Teoria da Inspiração Parcial
A inspiração diz respeito apenas às doutrinas da
Escritura que não podiam ser conhecidas pelo...
“A Bíblia só é inspirada no espiritual e essencial,
não na História, Ciência, etc. e no que achamos
‘secundário’.”
Objeções à teoria da Inspiração Parcial
 Não é possível inspirar idéias gerais de modo
infalível sem inspirar as palavras...
 Nega 2ª Timóteo 3.16
 Coloca o homem em constante incerteza, (com
saber o que é inspirado ou não?)
 Como definir o que...
Teoria da Inspiração Ocasional
Ensina que os escritores da Bíblia foram
ocasionalmente inspirados. Isto é, às vezes
estava...
Objeções à teoria da Inspiração Ocasional
 Contraria 2ª Timóteo 3.16.
 Fora da "ocasião", escreveu coisas de si mesmo.
C...
Teoria do Ditado Verbal (Inspiração Mecânica)
Ensina que Deus ditou cada palavra a qual queria
que fosse escrita. Essa teo...
Objeções à Teoria do Ditado Verbal
A Escritura, na verdade, sugere que algumas vezes
Deus comunicou-se com extrema precisã...
 Ainda assim, o Espírito Santo assegurou o
término da obra, comunicando precisamente a
intenção de Deus. Sendo assim, a t...
Teoria Neo-ortodoxa
A teoria Neo-ortodoxa sustenta que Deus é
totalmente transcendente, ou seja, ele é
absolutamente difer...
Objeções à teoria Neo-ortodoxa
Até aqui parecemos estar de acordo, não é
mesmo? Porque Deus realmente é transcendente
e es...
testemunha à Palavra de Deus, ou, em outros
termos, que a Bíblia contém a Palavra de Deus.
Segundo essa teoria as pessoas ...
Mesmo assim, continua a teoria, a descrição que
fizeram ajudou a outros a entenderem a Deus
melhor. Assim, à medida que ou...
Entretanto a Bíblia é mais do que um mero
testemunho da Palavra de Deus. Segundo 2ª
Timóteo 3.16,17 a Escritura é a Palavr...
A VERDADEIRA DOUTRINA DA INSPIRAÇÃO
INSPIRAÇÃO VERBAL E PLENÁRIA
Todas as partes da Bíblia são igualmente
inspiradas. Os e...
O que as Escrituras falam à Respeito de sua
Inspiração
2ª Timóteo 3.16 "Todo Escritura é inspirada por
Deus".As Escrituras...
para o ensino..., (gr. didaskalia).
para a repreensão..., (gr. elegmos).
para a correção..., (gr. epanorthosts).
para a ed...
Vem a pergunta: Escritura inclui o que? Será que
Paulo pensou no AT quando escreveu estas
palavras? Sem dúvida tinha o AT ...
O apóstolo Paulo liga as duas citações como o
mesmo título "Escrituras“.
Finalmente, o homem jamais escreveria um livro
co...
A Inspiração é verbal
As Escrituras do Antigo Testamento são
continuamente mencionadas como Palavra de
Deus. No célebre se...
Portanto, o que se diz como teoria a respeito da
inspiração das Escrituras, fica bem claro que a
Bíblia reivindica para si...
As Escrituras constantemente afirmam que as suas
palavras foram dadas ou dirigidas pelo Espírito
Santo (Atos 28.25; 1ª Cor...
expiação, salvação, ressurreição, recompensas e
castigo futuros requerem a direção de um Espírito
infalível a fim de se ev...
 Na verdade, os escritores bíblicos escreveram
suas mensagens com palavras de seu próprio
vocabulário, porém, inspirados ...
 A teologia modernista não aceita a doutrina
sobre a inspiração plenária da Bíblia. Eles
concordam em aceitar que as idéi...
 Rejeitamos a crítica modernista, contra a
veracidade da Bíblia porque seria uma ofensa
contra Deus que é perfeito (Mt 5....
 Negar a inspiração plena das Escrituras,
portanto é desprezar o testemunho fundamental
de Jesus Cristo (Mt 5.18; 15.3-6;...
CÂNON
Palavra latina que significa <linha de medir>,
<regra>, <modelo>. O termo latino deriva-se do
grego Kanon, <regra> o...
Antigo e do Novo testamento considerados
inspirados por Deus e aceitos pela Igreja, desde a
era dos pais apostólicos, que ...
O Cânon do Antigo testamento constitui a lista dos
livros do AT que a igreja cristã reconhece como
genuínos e inspirados. ...
“Então “[Josué] Também escreveu ali em pedras
uma cópia da lei de Moisés, que já tinha escrito
diante dos filhos de Israel...
“Então disse o Senhor a Moisés: Sobe a mim ao
monte, e fica lá: e dar-te-ei tábuas de pedra, e a
lei, e os mandamentos que...
Conjunto de 27 livros do NT que a igreja cristã
reconhece como genuínos e inspirados. O cânon
do NT é igual para evangélic...
Paulo alertou sobre falsificações:
“Que não vos movais facilmente do vosso
entendimento, nem vos perturbeis, quer por
espí...
Paulo recomendou a preservação:
“Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições
que vos foram ensinadas, seja por pala...
O Apóstolo Pedro confirma que as cartas de
Paulo são Escrituras:
“[Paulo] Falando disto, como em todas as suas
epístolas, ...
O Apóstolo Pedro confirma que as cartas de
Paulo são Escrituras:
Os concílios (reuniões para debates) efetuados
pela Igrej...
A Bíblia não é um produto da Igreja Romana, é
pois um produto do Espírito Santo.
ANTIGO TESTAMENTO
39 Livros
A Lei (Pentateuco)
5 Livros
Livros
Históricos
12 Livros
Profetas
Maiores
5 Livros
Livros Poéti...
Chamam-se Profetas Maiores devido ao período
de abrangência de seus ministérios proféticos em
números de anos.
Chamam-se...
Por exemplo: O livro de Zacarias é considerado um
Profeta Menor e é maior em volume do que o
Livro de Daniel que está entr...
NOVO TESTAMENTO
(27 Livros)
Evangelhos
4 Livros
Epístolas
Paulinas
13 livros
Epistolas
Gerais
8 Livros
História
1 Livro
Pr...
A DIVISÃO EM CAPÍTULOS E VERSÍCULOS
A Bíblia foi dividida em capítulos pelo bispo
católico Stephen Langhton entre 1234 e 1...
Os Massoretas eram escribas judeus que se
dedicaram a preservar e cuidar das escrituras que
atualmente constituem o Antigo...
MANUSEIO DO VOLUME SAGRADO
Obtenha completo domínio no manuseio da bíblia,
a fim de encontrar com rapidez qualquer
referên...
gráfica, visto que naquele tempo os livros tinham
a forma de rolos. Não era tão fácil achar a
passagem que se queria.
Obs:...
Aprenda a ler e escrever referências bíblicas
O sistema simples e rápido para escrever
referências bíblicas é o adotado pe...
No índice das Bíblias editadas pela SBB (Sociedade
Bíblica do Brasil) pode ver-se a lista de referências
por esse sistema....
Fp 1.29 (Filipenses, capitulo 1, versículo 29).
Fm v.14 (Filemom, versículo 14).
Indicação da parte inicial de um versícul...
O tempo cronológico antes e depois de Cristo
É indicado pelas letras:
A.C.= Antes de Cristo. São as iniciais dessas duas
p...
Obs: O tempo antes de Cristo é contado de trás
para a frente. 500 a. C, 400 a.C, 300 a.C, Por isso,
vemos citações em livr...
Depois do nascimento de Jesus Cristo, iniciou-se
uma nova contagem do tempo, e isso tanto para a
história da Igreja quanto...
O advento da imprensa, trouxe um novo rumo a
transmissão das Escrituras Sagradas.
Johann Gutemberg, natural de Mainz, Alem...
Guttemberg tanto se empenhou na difusão da
Palavra, que o primeiro livro a ser impresso foi a
Bíblia na versão latina. Cha...
A partir da época da imprensa, despontou uma
nova era para o Texto Sagrado como literatura.
No tempo de Wycliff (séc. XIV)...
A PRIMEIRA IMPRESSÃO DA BÍBLIA
Imediatamente ao aparecimento da Imprensa,
como já era de se esperar, a preocupação maior
e...
O AT IMPRESSO EM HEBRAICO
* O primeiro texto impresso em hebraico do AT
foi publicado em 1488, em Soncino, Itália.
Contém ...
Foi impressa em 1514-1517, mas somente
distribuída em 1522. A Poliglota traz além do AT
hebraico, o NT em grego, a Septuag...
O NT IMPRESSO EM GREGO
* O primeiro texto impresso em grego do NT é o
da “Complutensiana Poliglota”.
* O texto de Erasmo (...
* O texto de Robert Stephanus, publicado em
1546, em Paris. É baseado no de Erasmo e na
Poliglota.
* O texto dos irmãos El...
* O texto de Westcott e Hort, dois eminentes
eruditos ingleses. Data 1881-1882. Suplantou o
“Textus Receptus”.
* Há, por f...
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin

439 visualizações

Publicada em

Bibliologia Bacharel Professor Sandro Valentin

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
439
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

introdução às escrituras sagradas-bibliologia BCL prof sandro valentin

  1. 1. ESCOLA DE THEOLOGIA MINAS GERAIS PROF: SANDRO VALENTIN VALENTiN.SANDRO@GMAIL.COM 31- 8353-9579 9581-6544 8584-6494
  2. 2.  O Diácono Sandro Valentin é Pregador, Palestrante e Conferencista.  Congrega na Assembléia Deus Min. Belo Horizonte Região da Pampulha (Sta Mônica),  Bacharel em Theologia pela Faculdade Unida de Vitória ES,  Professor de Theologia na Escola de Theologia Minas Gerais,  Casado com Suliane Camila, exerce seu ministério Denominado Voando Como Águia, onde Ministra a Palavra De Deus em Todo o Brasil.
  3. 3. INTRODUÇÃO UNIDADE I A BIBLIOLOGIA Conceito etimológico Definição Uso da Expressão Divisão
  4. 4. UNIDADE II O OBJETO DA BIBLIOLOGIA UNIDADE III 1- A BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS 1 - A REVELAÇÃO 1.a) Definição 1.b) A Necessidade de uma Revelação Divina 1.c) Os Modos da Revelação Divina 1.d) Provas de que a Bíblia é a Revelação de Deus. 1.e) Diferenças Teológicas sobre a Revelação Divina
  5. 5. UNIDADE IV 2 - A INSPIRAÇÃO 2.a) Definição 2.b) Métodos da Inspiração 2.c) Natureza da Inspiração 2.d) Teorias da Inspiração 2.d.1 - Inspiração Genial (Natural ou Humana)
  6. 6. 2.d.2 - Graus de Inspiração 2.d.3 - Iluminação Cristã Universal (inspiração comum) 2.d.4 - Conceitos ou pensamentos (idéias) inspirados 2.d.5 - Inspiração Parcial 2.d.6.- Inspiração Ocasional
  7. 7. 2.d.7 - Ditado Verbal (Inspiração Mecânica) 2.e) A verdadeira Doutrina da Inspiração Inspiração Verbal e Plenária 2.f) O que as Escrituras falam à respeito de sua inspiração
  8. 8. UNIDADE V 3- A AUTORIDADE 3.a) Definição 3.b) Fontes
  9. 9. UNIDADE VI 4- A CANONICIDADE 4.a) A natureza do cânon 4.b) A necessidade do cânon 4.c) O cânon do AT 4.d) Data de reconhecimento e fixação do cânon do AT
  10. 10. 4.e) O cânon do NT 4.f) Critérios para o Estabelecimento do Cânon do NT 4.g) Data de reconhecimento e fixação do cânon do NT 4.h) Os concílios da igreja primitiva
  11. 11. UNIDADE VII 5- A LITERATURA APÓCRIFA 5.a) Os apócrifos 5.b) Os 4 acréscimos ou apêndices 5.c) Os livros rejeitados 5.d) Porque não foram aceitos no cânon do AT 5.e) O Valor dos livros Apócrifos 5.f) Os Pseudepígrafos
  12. 12. UNIDADE VIII 6- A BÍBLIA COMO LIVRO 1. A IMPORTÂNCIA DA BÍBLIA 2. A ORIGEM DA PALAVRA BÍBLIA 2.a) A palavra Bíblia 2.b) Nomes técnicos 2.c) Nomes figurativos
  13. 13. 4. COMO MANUSEAR A BÍBLIA 4.a) Aprendendo a ler e a escrever as referências Bíblicas 4.b) Aprendendo a distinguir Texto, Contexto, Referência e Inferência 4.c) Observações sobre a Divisão de Capítulos e Versículos 4.d) Particularidades sobre o texto bíblico em geral e a sua impressão
  14. 14. UNIDADE IX 7- A PRESERVAÇÃO E A TRADUÇÃO DA BÍBLIA 1. AS LÍNGUAS ORIGINAIS DA BÍBLIA 1.a) O Hebraico 1.b) O Aramaico 1.c) O grego
  15. 15. 2. OS MANUSCRITOS DA BÍBLIA 2.a) Material gráfico dos MSS Bíblicos 2.a.1) O Papiro 2.a.2) O Pergaminho 2.a.3) Outros materiais 2.b) Formato dos Mss 2.c) Caligrafia dos Mss 2.d) Mss originais da Bíblia (autógrafos)
  16. 16. 3. A BÍBLIA IMPRESSA A primeira impressão da Bíblia 4. AS VERSÕES (TRADUÇÕES) DA BÍBLIA A Bíblia: O livro mais traduzido do mundo 4.1 Definição de Versão 4.2 Versões Antigas 4.2.a) semíticas 4.2.b) gregas
  17. 17. 4.2.c) siríacas 4.2.d) latinas 4.2.e) outras versões orientais 4.3 Versões Modernas 4.3.a) Européias 4.3.b) Versões em Português
  18. 18. 4.3.b.l) A Versão de João Ferreira de Almeida 4.3.b.2) Outras Versões 4.4 O Valor de uma versão 4.5 Razões para as Versões
  19. 19. UNIDADE X 8- O ESTUDO DA BÍBLIA 5.1 Porque Devemos Estudar A Bíblia 5.2 Como Estudar A Bíblia 5.3 Métodos De Estudo Da Bíblia
  20. 20. Identificando os Alvos, bem como os Métodos Definindo os métodos Usando os Métodos 5.4 Bíblia de Estudo (Comentadas) 5.5 Bíblias para Leitura
  21. 21. UNIDADE XI 9- DIFICULDADES DA BÍBLIA Dificuldades linguísticas Dificuldades cientificas Dificuldades Históricas Pessoas Lugares
  22. 22. Números Tempo Dificuldades doutrinárias Bibliografia
  23. 23. CONCEITO ETIMOLÓGICO: Do grego: biblio = livro; logia = estudo ou tratado. DEFINIÇÃO: É a disciplina teológica que trata das questões críticas da Bíblia , tais como: seu texto, língua, inspiração, autoria, canonicidade, autenticidade, autoridade e etc..., cujo conhecimento imediato é indispensável na preparação para se entender o sentido da bíblia.
  24. 24. USO DA EXPRESSÃO (BIBLIOLOGIA): Empregada por alguns como sinônimo da alta crítica. Era costume antigo prefixar cada escrito bíblico com uma breve nota referente ao autor, ao lugar de origem e aos destinatários da obra. Atualmente, informes dessa natureza, embora mais elaborados, são o tema abordado pelos críticos e intérpretes, quando estudam os vários livros da Bíblia.
  25. 25. Essa atividade é variadamente intitulada de alta crítica, crítica literária ou introdução bíblica. DIVISÃO: O estudo da Bibliologia se divide em duas partes: Geral e Específica: GERAL: Focaliza os assuntos que são comuns a todos os livros da bíblia, tais como:
  26. 26. a) Como a Bíblia veio a existir; b) Como a Bíblia chegou até nós; c) Sua inspiração; d) Sua canonicidade; e) Suas línguas; f) Sua genuinidade; g) Sua autoridade; h) Sua autenticidade; i) Suas traduções.
  27. 27. ESPECÍFICA: Focaliza os livros separadamente em questões de: a) Autoria, b) Data, c) Local em que foi escrito, d) Unidade, e) Caráter literário
  28. 28. O OBJETO DA BIBLIOLOGIA É verdade que várias ciências entram no estudo da Introdução à Bíblia, tais como: Filologia , história, arqueologia , e etc. E por isso corremos o perigo de ficarmos envolvidos com estas matérias e perdermos o alvo principal de vista, a Bíblia.
  29. 29. Portanto, a Bíblia, e tão somente Ela, deve ser a nossa preocupação central, durante o estudo desta matéria, tanto no seu todo, como em partes. CRÍTICAS : Expressão usada para designar o estudo que envolve quaisquer coisas fora da bíblia; longe de assumir qualquer sentido negativo que a expressão possa ter.
  30. 30. A CRÍTICA DA BÍBLIA Se divide em Crítica textual ou Baixa Crítica, e, Crítica literária ou Alta Crítica, que é a que ora fazemos uso: A) CRÍTICA TEXTUAL: É a arte-ciência que tenta restaurar o texto original de um documento (autógrafo) tanto quanto possível.
  31. 31. B) CRÍTICA LITERÁRIA: É a arte-ciência que estuda a formação da tradição oral classificando-se as formas literárias, procurando-se determinar a ocasião em que foram os escritos formulados, as possíveis influências desta ocasião e os conceitos que neles se refletem.
  32. 32. FILOLOGIA: É a ciência que estuda a origem e desenvolvimento das línguas. ARQUEOLOGIA: É a ciência que investiga o homem e a sua cultura, desde o tempo em ele apareceu na face da terra.
  33. 33. VAMOS APRENDER UM POUCO DO PROCESSO PELO QUAL A BÍBLIA QUE ESTÁ SOBRE SUA MESA AGORA PASSOU ATÉ QUE SE FORMASSEM ESTAS FOLHAS QUE VOCÊ CUIDADOSAMENTE FOLHEIA COM OS DEDOS...
  34. 34. PAPEL PAPIRO Há milhares de anos, no Egito, não havia papel como nós o conhecemos. Em lugar do nosso papel, usava-se o papiro — um tipo de papel feito de plantas altas chamadas papiro, que cresciam nos pântanos.
  35. 35. As tiras podiam ser alinhadas no mesmo sentido para se fazer uma folha. Então, outras tiras eram colocadas por cima, em outro sentido e depois batidas para que
  36. 36. a substância do caule do papiro fizesse com que as tiras se colassem umas nas outras formando uma peça única.
  37. 37. Então, a folha podia ser prensada e batida para se fazer papel resistente.
  38. 38. Depois da folha de papiro pronta ela é alisada com ferramentas e finalmente um escriba poderá usá-la para escrever uma carta. Assim foi escrito Todo o Antigo Testamento.
  39. 39. E Todo este sacrifÍcio para DARIA escrever o que seria equivalente hoje À meia página de uma BÍblia que NÓS usamos...
  40. 40. Quem destruísse este Livro, como já tentaram fazer os inimigos da felicidade humana, nos deixaria profundamente desconhecedores do nosso Criador, da criação do mundo que habitamos,
  41. 41. da origem e dos progenitores da raça, como também do nosso futuro destino, e nos subordinaria para sempre ao domínio do capricho, das dúvidas e da concepção visionária.
  42. 42. A destruição deste Livro nos privaria da religião cristã, com todos os seus confortos espirituais, esperanças e perspectivas animadoras, e no lugar desses, nada nos deixaria a não ser a penumbra triste da
  43. 43. infidelidade e as monstruosas sombras do paganismo. A destruição deste Livro despovoaria o céu, fechando para sempre suas portas contra a miserável posteridade de Adão, restaurando ao rei dos terrores o seu aguilhão;
  44. 44. enterraria no mesmo túmulo que recebe os nossos corpos, todos os que antes de nós morreram, e deixando a nós o mesmo triste destino.
  45. 45. Enfim, a destruição deste Livro nos roubaria de uma vez tudo quanto evita que a nossa existência se torne a maior das maldições; cobriria o sol; secaria o oceano e removeria a atmosfera do mundo moral,
  46. 46. e degradaria o homem a ponto de ele ter ciúmes da posição dos próprios animais.
  47. 47. “Ouvindo alguém a palavra do reino, e não a entendendo, vem o maligno, e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o que foi semeado ao pé do caminho” (Mateus 13.19).
  48. 48. Nos últimos anos tem havido um crescimento enorme nas vendas de produtos religiosos. Livros e revistas têm enchido as livrarias e bancas de jornal, e até mesmo programas de TV como o Globo Repórter e o Fantástico são ferramentas usadas pelo inimigo para disseminar informações falsas sobre Jesus e a Bíblia.
  49. 49. Algumas livrarias nos Shoppings da cidade, que antigamente eram livrarias técnicas, hoje são totalmente especializadas em literatura esotérica. Hoje, quando vamos pregar o evangelho e tentamos mostrar trechos da Bíblia, somos interrompidos com frases do tipo “eu li que a Bíblia foi totalmente alterada e está cheia de erros
  50. 50. não creio mais na Bíblia, é um livro humano ” – e citam trechos de reportagens de revistas como GALILEU e SUPER-INTERESSANTE. O objetivo deste estudo é fornecer aos irmãos informações importantes sobre a História da Bíblia, a sua formação e preservação baseada nos testemunhos dos profetas, apóstolos e de Jesus
  51. 51. Cristo, mostrando por meio da própria Bíblia e por relatos históricos, o que foi a realidade dos fatos. Sabemos que desde o início da história humana, o inimigo tentará corromper a Palavra de Deus e arrebanhar pessoas que estão “à beira do caminho”, ou seja, pessoas que escutam a Palavra de Deus e como não a entendem vem o inimigo e arrebata o que foi semeado em seus corações (Mt 13.19).
  52. 52. Esse estudo pretende ajudá-lo muito no evangelismo, pois teremos argumentos convincentes para ajudar a própria igreja e também outras pessoas, pois devemos estar preparados para testemunhar em favor da verdade e combater o erro.
  53. 53. É a revelação de Deus à humanidade. Seu autor é Deus mesmo. Seu real intérprete é o Espírito Santo. Seu assunto central é o Senhor Jesus Cristo. Esta atitude para com a bíblia é de capital importância para o êxito no seu estudo. Nossa atitude para com a bíblia mostra nossa atitude para com Deus. Sendo a Bíblia a revelação de Deus, ela expressa a vontade de Deus.
  54. 54. Ignorar a Bíblia é ignorar essa vontade. Certo autor anônimo corretamente declarou: “A Bíblia é Deus falando ao homem; é Deus falando através do homem; é Deus falando como homem; é Deus falando a favor do homem; mas é sempre Deus falando!”
  55. 55. A Bíblia contém 31.173 versículos e 1189 capítulos Para sua leitura completa, são necessárias 49 horas, a saber, 38 horas para o AT e 11 para o NT. Para lê-la audivelmente, em velocidade normal de fala, são necessárias cerca de 71 horas. Se você deseja lê-la em um ano, deve ler apenas 4 capítulos por dia.
  56. 56. É o Senhor Jesus Cristo. Ele mesmo no-lo declara em Lucas 24.27,44 e João 5.39. Considerando Cristo como tema central da Bíblia, os 66 livros poderão ficar resumidos em 5 palavras, todas referentes a Cristo, assim:
  57. 57. PREPARAÇÃO Todo o Antigo Testamento trata da preparação do mundo para o advento de Cristo.
  58. 58. MANIFESTAÇÃO Os Evangelhos tratam da manifestação de Cristo ao mundo, como Redentor.
  59. 59. PROPAGAÇÃO Os Atos dos Apóstolos tratam da propagação de Cristo por meio da Igreja.
  60. 60. EXPLANAÇÃO As Epístolas tratam da explanação de Cristo. São os detalhes da doutrina.
  61. 61. CONSUMAÇÃO O Apocalipse trata de Cristo consumando todas as coisas - C. I. Scofíeld.
  62. 62. Tendo Cristo como o tema central da Bíblia, podemos resumir todo o Antigo Testamento numa frase: JESUS VIRÁ, e o Novo Testamento noutra frase: JESUS JÁ VEIO (é claro, como Redentor). Assim sendo, as Escrituras sem a pessoa de Jesus, seriam como a Física sem a matéria ou a Matemática sem os números...
  63. 63. A Bíblia está dividida em duas partes principais: ANTIGO TESTAMENTO e NOVO TESTAMENTO. Os nomes ANTIGO TESTAMENTO e NOVO TESTAMENTO focalizam as duas grandes alianças feitas por Deus com Seu povo. A Bíblia divide-se comumente em dez seções, sendo cinco do Antigo Testamento e cinco do Novo Testamento.
  64. 64. A palavra “Testamento” corresponde à palavra hebraica berith – aliança, pacto, contrato. O Antigo Testamento é a revelação de Deus para o povo de Israel, apontando para a vinda do MESSIAS, que haveria de ocorrer na PLENITUDE dos tempos.
  65. 65. “Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha” (Êxodo 19:5). “Então tomou Moisés aquele sangue, e espargiu-o sobre o povo, e disse: Eis aqui o sangue da aliança que o SENHOR tem feito convosco sobre todas estas palavras” (Êxodo 24:8).
  66. 66. Outras alianças registradas Aliança com Adão: (Gn 1:27-30; 2:16-17) Aliança com Noé: (Gn 9:11-17) Aliança com Abraão: (Gn 15:18;17:1-21)
  67. 67. Aliança com Isaque: (Gn 26:2-5,24) Aliança com Jacó: (Gn 28:13-15) Aliança com Davi: (2 Sm 7:1-29
  68. 68. Sendo a aliança quebrada pela infidelidade do povo, Deus prometeu uma nova aliança que deveria ser ratificada com o sangue de Cristo. “Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá”. (Jeremias 31:31).
  69. 69. “Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porque eles invalidaram a minha aliança apesar de eu os haver desposado, diz o SENHOR. Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo”. (Jeremias 31:31-33).
  70. 70. O Novo Testamento é a revelação de Deus para o bem de todos os povos. Jesus Cristo, o MESSIAS e SALVADOR, veio na PLENITUDE dos tempos, e com Ele teve início a IGREJA, fundada sobre o alicerce do testemunho dos APÓSTOLOS.
  71. 71. Os escritores do Novo Testamento passaram a chamar a primeira aliança de “Antiga aliança”, porque foi substituída por uma aliança superior feita com o sangue de Jesus Cristo. “Porque isto é o meu sangue; o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados” (Mateus 26:28).
  72. 72. “Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar” (Hebreus 8:13). “O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica” (2ª Coríntios 3:6).
  73. 73. A Bíblia foi escrita por 40 diferentes autores que representavam 19 diferentes ocupações (pastores, fazendeiros, pescadores, cobradores de impostos, médicos, reis, etc) que viveram num período em torno de 1.600 anos.
  74. 74. São aproximadamente 50 gerações de homens. Os primeiros 39 livros da Bíblia foram escritos em hebraico ao longo de um período em torno de 1.000 anos.
  75. 75. Esse período teve a duração de aproximadamente 450 anos. Normalmente se faz referência a esse tempo como uma época em que Deus esteve em silêncio para com o seu povo. Nenhum profeta de Deus se manifestou ou, pelo menos, nenhum deixou escritos que tenham sido considerados canônicos.
  76. 76. Todo o cenário em Israel que se mostra nas páginas do Novo Testamento, foi delineado neste período, seja religiosamente ou politicamente falando. Depois disto, os últimos 27 livros da Bíblia foram escritos em grego durante um período em torno de 50 anos.
  77. 77. “Moisés e os profetas”. “Lei, profetas e Salmos”. “A Escritura” ou “As Escrituras”. “E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas, e nos salmos”. (Lucas 24:44).
  78. 78. Todo o conteúdo da Bíblia de que dispomos hoje foi escrito em línguas Orientais. Sendo o Antigo Testamento em Hebraico e Aramaico e o Novo Testamento em Grego.
  79. 79. HEBRAICO Língua em que foi escrito o Antigo Testamento, exceto alguns poucos trechos que foram escritos em ARAMAICO.
  80. 80. ARAMAICO Grupo de dialetos intimamente relacionados com o HEBRAICO e falados na Terra de Israel e em outros países do mundo bíblico (2Rs 18:26).
  81. 81. Esdras 4:8-6,18; 7:12-26; Daniel 2:4-7,28; Jeremias 10:11. Estão escritos em aramaico os seguintes textos bíblicos:
  82. 82. Língua difundida pelo império de Alexandre, o Grande, que viveu de 356 até 323 a.C. Ele conquistou o mundo civilizado desde a Grécia até a Índia. Alexandre o Grande é também conhecido como Alexandre Magno. O Grego Koiné era uma língua extremamente detalhista, e existem palavras nesta língua cuja tradução resulta numa frase inteira em português.
  83. 83. Deus por Sua sabedoria preparou o cenário para que o NT fosse escrito nessa língua tão especialmente detalhista. O grego koiné era a língua usada por comerciantes, médicos, escritores e políticos dos tempos bíblicos.
  84. 84. Texto original escrito por um profeta, apóstolo ou evangelista inspirado pelo Espírito Santo. Hoje não temos mais os autógrafos, somente cópias. Se os tivéssemos provavelmente teriam se tornado objetos de adoração.
  85. 85. Porém, os milhares de cópias espalhadas pelos cristãos do mundo e preservadas de geração em geração garantem a sua fidelidade, pois Deus prometeu que sua Palavra não seria destruída (Sl 119:89; Is 40:8; Mt 5:18; Mt 24:35).
  86. 86. A palavra grega apócrifo significa oculto, secreto, algo que está velado. Entre os estudiosos essa palavra é usada para designar os livros que não gozam da mesma autoridade dos livros que constam atualmente na nossa Bíblia. Nós evangélicos consideramos apócrifos sete livros e alguns acréscimos aos livros de Daniel e Ester presentes na Bíblia católica.
  87. 87. Os sete livros são: Tobias, Sabedoria de Salomão, Eclesiástico, Judite, Baruque e I e II Macabeus. São Livros que a Igreja Romana, no Concílio de Trento em 1546, declarou inspirados, embora não fizessem parte do CÂNON DO AT estabelecido pelos judeus de Israel.
  88. 88. A utilização destes livros pela Igreja Católica veio ocorrer por causa da Reforma Protestante, para sustentar suas diversas heresias já inseridas nas tradições daquela igreja.
  89. 89. Obviamente existem critérios pelos quais um livro é avaliado para ser considerado aceito ou “inspirado”.
  90. 90. Agora apresentaremos um breve resumo de algumas das heresias contidas nestes livros, que é o motivo pelo qual não são aceitos como inspirados por Deus. Ainda que 1º Macabeus seja tido como registro histórico no Período Interbíblico, o resto, contém erros crassos. Traremos detalhes maiores a respeito do livro de Tobias, cujos exageros e heresias são mais acentuados.
  91. 91. TOBIAS – (200 A.C) É uma história novelística sobre a bondade de Tobiel (pai de Tobias) e alguns milagres preparados pelo anjo Rafael.
  92. 92. Apresenta: Justificação pelas obras - 4:7-11; 12:8 Mediação dos Santos - 12:12 Superstições - 6:5, 7-9, 19 Um anjo engana Tobias e o ensina a mentir 5:16 a 19.
  93. 93. TOBIAS ensina artes mágicas ou de feitiçaria como método de exorcismo Este ensino que o coração de um peixe tem o poder para expulsar toda espécie de demônios contradiz tudo o que a Bíblia diz sobre como enfrentar o demônio.
  94. 94. Deus jamais iria mandar um anjo seu, ensinar a um servo seu, como usar os métodos da macumba e da bruxaria para expulsar demônios. Confira Tobias 6.5-9.
  95. 95. TOBIAS ensina que esmolas e boas obras limpam pecados e salvam a alma Tobias 12.8, 9 - "É boa a oração acompanhada do jejum, dar esmola vale mais do que juntar tesouros de ouro; porque a esmola livra da morte (eterna), e é a que apaga os pecados, e faz encontrar a misericórdia e a vida eterna“.
  96. 96. TOBIAS traz a idéia de que os anjos de Deus mentem Um anjo de Deus não poderia mentir sobre a sua identidade, sem violar a própria lei santa de Deus. Confira Tobias 5.15-19. Todos os anjos de Deus foram verdadeiros quando lhes foi perguntado a sua identidade. Veja Lucas 1.19.
  97. 97. JUDITE – (150 A.C) É a História de uma heroína viúva e formosa que salva sua cidade enganando um general inimigo e decapitando-o. Grande heresia é a própria história onde os fins justificam os meios. Contém erros históricos e geográficos gravíssimos.
  98. 98. BARUQUE – (100 A.C) Apresenta-se como sendo escrito por Baruque, o cronista do profeta Jeremias, numa exortação aos judeus quando da destruição de Jerusalém. Porém, é de data muito posterior, quando da segunda destruição de Jerusalém, no pós-Cristo. Traz entre outras coisas, a intercessão pelos mortos - 3:4.
  99. 99. ECLESIÁSTICO (180 A.C) É muito semelhante ao livro de Provérbios, não fossem as tantas heresias. Apresenta: Justificação pelas obras - 3:33,34 Trato cruel aos escravos - 33:26 e 30; 42:1 e 5. Incentiva o ódio aos Samaritanos - 50:27 e 28.
  100. 100. SABEDORIA DE SALOMÃO (40 D.C) Livro escrito com finalidade exclusiva de lutar contra a incredulidade e idolatria do epicurismo (filosofia grega na era Cristã). Apresenta: O corpo como prisão da alma - 9:15. Doutrina estranha sobre a origem e o destino da alma 8:19 e 20. Salvação pela sabedoria- 9:19.
  101. 101. Obs.: Este livro é usado de forma completamente deturpada para sustentar as heréticas doutrinas da “Assunção de Maria” e de sua “Concepção Virginal”: Versículo 9: Portanto, resolvi tomá-la por companheira de minha vida, cuidando que ela será para mim uma boa conselheira, e minha consolação nos cuidados e na tristeza.
  102. 102. Versículo 20: Ou antes, como era bom, eu vim a um corpo intacto;
  103. 103. 1º MACABEUS (100 A.C) Descreve a história de 3 irmãos da família dos "Macabeus", que no chamado período ínterbíblico (400 a.C. 3 d.C) lutaram contra inimigos dos judeus visando a preservação do seu povo e terra.
  104. 104. 2º MACABEUS (100 A.C) Não é a continuação do 1º Macabeus, mas um relato paralelo, cheio de lendas e prodígios de Judas Macabeu. Apresenta: A oração pelos mortos - 12:44 – 46
  105. 105. Culto e missa pelos mortos - 12:43 O próprio autor não se julga inspirado -15:38-40; 2:25-27. Intercessão pelos Santos - 7:28 e 15:14.
  106. 106. Capítulo 13 A história de Suzana - segundo esta lenda Daniel salva Suzana num julgamento fictício baseado em falsos testemunhos. ADIÇÕES AO LIVRO DE DANIEL
  107. 107. Capítulo 14 Bel e o Dragão - Contém histórias sobre a necessidade da idolatria. Capítulo 3:24-90 Cântico dos 3 jovens na fornalha.
  108. 108. A origem dos livros apócrifos A Bíblia Católica em Português é oriunda da Vulgata Latina, que é uma tradução da Septuaginta. A Septuaginta é uma tradução do Hebráico/Aramáico para o Grego Koiné que ficou conhecida como a Versão dos Setenta (ou Septuaginta, palavra latina que significa setenta, ou ainda LXX).
  109. 109. Setenta e dois rabinos liberais (não ortodoxos) trabalharam nela e, segundo a lenda, teriam completado a tradução em setenta e dois dias. Foi uma tradução feita a pedido de Alexandre o Grande, entre o terceiro e o primeiro século a.C em Alexandria. Trata-se de uma tradução rejeitada pelos Judeus ortodoxos pois continha todos os livros apócrifos.
  110. 110. Resumindo, um escrito ou um livro pode ser apócrifo, conforme vimos sobre os 7 livros adicionais da Bíblia Católica, ou pode ser parte real da Bíblia. No caso do Antigo Testamento, tanto os judeus ortodoxos quanto os evangélicos concordam que a lista de livros inspirados é a mesma.
  111. 111. A BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS A Bíblia se distingue de todos os demais livros pelas seguintes razões: Ela é a revelação divina, possui inspiração e tem autoridade divina. REVELAÇÃO O termo “revelação”, inclui todos os meios através dos quais Deus pode fazer-se conhecido aos seres humanos:
  112. 112. A BÍBLIA COMO PALAVRA DE DEUS A Bíblia se distingue de todos os demais livros pelas seguintes razões: Ela é a revelação divina, possui inspiração e tem autoridade divina. REVELAÇÃO O termo “revelação”, inclui todos os meios através dos quais Deus pode fazer-se conhecido aos seres humanos:
  113. 113. -A própria natureza pode servir como canal através do qual nos chega a revelação. Diz o salmista: ‘Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento as obras de suas mãos’, Sl 19.1.
  114. 114. - A razão e a intuição, são outros meios pelos quais pode vir à mente humana a verdade acerca de Deus. - Sem dúvida, a revelação sumamente perfeita de Deus é concedida no caráter e na personalidade de seu Filho Unigênito, conhecido no prólogo do Evangelho de João como o LOGOS ou VERBO.
  115. 115. Também, a revelação é um conjunto de verdades apreendidas ou conhecidas, compreendendo a fé cristã, historicamente registrada nas páginas da Escritura. Cristo, a Palavra viva, é a perfeita auto- revelação de Deus. A Bíblia, a Palavra escrita, é o registro divinamente inspirado da natureza e da obra redentora de Cristo.
  116. 116. É desta revelação de Deus, como no-la dá a Bíblia, que vamos aqui estudar: DEFINIÇÃO A palavra REVELAR vem de três fontes: - Revelo, lat., - Gala (h), heb., - Apocalipto, grego
  117. 117. Todos estes termos significam a mesma coisa, “desvendar alguma coisa escondida até aquele momento” Logo, revelação é a manifestação que Deus faz de si mesmo e a compreensão, parcial embora, da mesma manifestação por parte dos homens.
  118. 118. Este modo de definir a revelação acentua que o que se revela é o próprio Deus e não algumas coisas a respeito de Deus. Na revelação Deus faz-se conhecido dos homens na sua personalidade e nas suas relações. Revelar é informar, e isto é justamente o que Deus há feito. A revelação não tem por fim simplesmente informar o homem a cerca de Deus, mas também descobrir Deus ao homem.
  119. 119. Sócrates, o mais sábio dos gregos, afirmou que sem uma revelação especial da parte de Deus, homem nada podia descobrir acerca Dele. Cristo é esta Revelação, e a Bíblia é o único livro que fala Dele com autoridade divina absoluta. Temos duas expressões do AT que destacam a natureza da Revelação de Deus:
  120. 120. LEI (Torah), Is 1.10 = instrução, ou direção divina. PALAVRA (Debbhar), Mq 4.2. Estes dois termos são usados na Bíblia para descrever o conteúdo da revelação divina como um todo. A Lei, é a instrução divina para o seu povo.
  121. 121. O corpo de instruções autoritativas que Deus deu aos homens. A Palavra de Deus é tudo aquilo que Deus tem a dizer para o homem. Em teologia, o termo Revelação é restrito ao ato divino, quando Deus comunica algo que o homem não teria descoberto de outro modo. Não existe nada mais certo do que o fato de que Deus já falou com o homem.
  122. 122. A Revelação que a Bíblia nos apresenta de Deus, é uma revelação sobrenatural. Deus interveio, segundo ela, no percurso da história, para salvar os homens, que, se não fosse esta intervenção, estariam irremediavelmente perdidos.
  123. 123. Assim sendo, REVELAÇÃO é a comunicação das verdades que não podem ser descobertas de nenhuma outra maneira, a não ser que sejam transmitidas por Deus.
  124. 124. A NECESSIDADE DE UMA REVELAÇÃO DIVINA Para o conhecimento de Deus, a Bíblia é indispensável por Duas razões: a) A transcendência e soberania de Deus. É impossível conhecer a Deus, se Ele não Se revela a si mesmo a nós. Deus não é um objeto, que
  125. 125. podemos estudar para satisfazer a nossa curiosidade; se pudéssemos fazer isso, Ele não seria Deus. O fato é que Deus está tão longe de nós, em Seu modo de Ser, que o homem não pode vê-lo, nem ler seus pensamentos. Leia Jo 11.7; Is 45.15; Jo 1.18 e 1 Tm 6.6. Se o homem tem tanta dificuldade em descobrir o que
  126. 126. o outro ser humano está pensando, como vai descobrir algo a respeito daquele que habita nas alturas? Qual seria a resposta que você daria a pergunta feita por Zofar em Jó 11.7? A pecaminosidade do homem. O problema principal, é que o pecado cegou o seu entendimento, e ele não compreende as coisas de Deus, 1 Co 2.14.
  127. 127. A sabedoria deste mundo não ajuda ninguém a chegar ao conhecimento de Deus. 1 Co 1.18-29, especialmente o v. 21. É importante notar que é sempre Deus quem toma a iniciativa e revela a Sua vontade para o homem. Esta idéia encontra-se nas palavras de Paulo em Ef 1.16-19. Não podemos subestimar o problema do pecado, que é a raiz de toda a falta de compreensão entre Deus e o homem.
  128. 128. OS MODOS DA REVELAÇÃO DIVINA Revelação através da natureza (geral, natural). Diz a Bíblia: “Os céus proclamam a glória de Deus e o firmamento anuncia as obras de Suas mãos”, Sl 19.6. Da mesma maneira o apostolo Paulo em Rm 1.19-23, fala da revelação através da natureza, mesmo com seu valor limitado.
  129. 129. Revelação divina através da providência. Providência, é a execução o Programa Divino através dos tempos. Deus se revelou através de Seus atos na história do mundo. Dt 30.1-10, Deus fala do Seu plano para o povo de Israel. Dn 2.31-45 e 9.24-27, fala a respeito dos grandes impérios deste mundo e planos e propósitos para os mesmos.
  130. 130. O Senhor Jesus, em Mt 23.37-25.46, fala dos últimos tempos. O Apocalipse, nos leva até a consumação deste mundo como está. O fato é que os propósitos de Deus vão de eternidade a Eternidade, e são perfeitos, e na medida que vemos o desenvolver do mundo, vemos o desenvolvimento do plano divino, com a gradual implantação do reino de Deus entre os homens.
  131. 131. A doutrina da Providência Divina, tem os seus problemas, e terá, enquanto o pecado e o sofrimento existirem. Para discernir a atuação de Deus na História do mundo, é necessário discernimento espiritual, que o regenerado tem.
  132. 132. Revelação divina através dos milagres. O caráter sobrenatural do milagre manifesta o poder de Deus, e seu propósito muitas vezes. É importante observar que Deus manifestou-se através de milagres, particularmente em épocas de crise na história de Israel. Os milagres feitos pelo Senhor Jesus, serviram para provar que Ele é Deus manifesto em carne, Mt 11.2-6.
  133. 133. Revelação divina através da encarnação de Cristo. Através da encarnação de seu Filho Jesus Cristo. Deus revelou-se a si mesmo. Ele é Deus manifesto em carne, 1 Tm 3.16. Quando Pedro falou: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, o Senhor Jesus respondeu: ‘não foi a carne ou o sangue e quem to revelou, mas o Pai que está nos céus’, Mt 16.16,17.
  134. 134. Revelação divina através das Escrituras. Deus se revelou de muitas maneiras no passado e todos os outros modos de revelação, dependem da interpretação divina dentro das Sagradas Escrituras. A natureza e a Providência, só podem ser compreendidas quando colocadas em seu contexto dentro da Palavra de Deus.
  135. 135. Milagres são uma revelação de Deus para aqueles que assistiram, porém, o registro deles na Bíblia, aumenta o seu valor, para todos quanto estudam o seu testemunho nas páginas sagradas. O que Deus disse diretamente aos homens, poderia ter sido esquecido ou pervertido com facilidade, porém, tem sido conservado em todas a sua pureza o registro divino.
  136. 136. Da mesma maneira, a Encarnação, a Vida, a Morte e Ressurreição de Cristo, têm valor infinito, porém Deus tem prometido uma benção para todo aquele que crê no registro que Ele tem concernente ao Seu Filho, 1 Jo 5.9-12.
  137. 137. A revelação divina através das Sagradas Escrituras ainda se subdivide em cinco aspectos: 1)Teofania, 2)Sonho, 3)Anjos, 4)Urim e Tumim, 5)Profecia.
  138. 138. PROVAS DE QUE A BÍBLIA É A REVELAÇÃO DE DEUS a) As grandes diferenças entre a Bíblia e os escritos dos homens evidenciam que ela não é uma simples produção humana. b) A revelação de coisas que homem, deixado a si mesmo, jamais podia ter descoberto dá evidência da origem sobre humana da Bíblia.
  139. 139. c) A unidade maravilhosa da Bíblia confirma-a como uma revelação divina. d) A exatidão da Bíblia em matérias científicas prova que ela não é de origem humana. A Bíblia não foi dada para ensinar ciência natural. Todavia, ela faz referência a matérias científicas, e de forma exatíssima.
  140. 140. e) A profecia cumprida testemunha ao fato que a Bíblia veio de Deus. f) O testemunho de Cristo prova a genuinidade da Bíblia como revelação de Deus.
  141. 141. DIFERENÇAS TEOLÓGICAS SOBRE A REVELAÇÃO DIVINA ATEÍSTA: Nega tanto existência de Deus, como Sua revelação.
  142. 142. DEÍSTA: Admite a existência de Deus, mas nega a revelação, argumentando que a natureza e a razão nos dão luz suficiente para a prática da fé.
  143. 143. TEÍSTA: Crê num Deus Criador, preservador, único, eterno, governador do universo, e que nos deu uma revelação sobrenatural na Bíblia.
  144. 144. REVELAÇÃO NATURAL OU TEOLOGIA NATURAL: Ensina que o conhecimento da pessoa, atributos e obra de Deus, são oriundos exclusivamente da natureza e razão.
  145. 145. É a doutrina segundo a qual as Sagradas Escrituras não contêm quaisquer erros por serem a inspirada, infalível e completa Palavra de Deus (Sl 119:140) A Bíblia é inerrante tanto nas informações que nos transmite como nos propósitos que expõe e nas reivindicações que apresenta. Sua inerrância é plena e absoluta.
  146. 146. Isenta de erros doutrinários, culturais e científicos, inspira-nos ela confiança plena em seu conteúdo (Sl 19:7).
  147. 147. O argumento em favor da inerrância da Bíblia pode ser descrito da seguinte forma lógica : “Deus não pode errar. A Bíblia é a Palavra de Deus. Logo, a Bíblia não pode errar”. As Escrituras testificam isso, declarando enfaticamente que “é impossível que Deus minta” (Hb 6:18). Paulo fala do “Deus que não mente” (Tt 1:2).
  148. 148. Ele é um Deus que, mesmo quando somos infiéis, “permanece fiel, pois não pode negar-se a si mesmo” (2 Tm 2:13). Deus é a verdade (Jo 14:6), e a Sua palavra também. Jesus disse ao Pai: “a tua palavra é a verdade” (Jo 17:17). O Salmista exclamou: “A verdade é a essência de tua palavra” (Sl 119:160).
  149. 149. As evidências podem ser internas e externas, como veremos abaixo: Evidências Internas: Entre as diversas evidências internas podemos enumerar: O testemunho dos Profetas - Os profetas enxergavam a Bíblia como infalível e inerrante (Dt 7:9; Ne 9:33; Sl 19:7; 40:10; 89:1; Lm 3:23).
  150. 150. O testemunho de Jesus - O Senhor Jesus, em sua vida, reivindicou para a Bíblia: autoridade divina (Mt 4:4,7,10); Indestrutibilidade (Mt 5:17,18); Infalibilidade (Jo 10:35); Supremacia Absoluta (Mt 15:3,6); Inerrância factual (Mt. 22:29; Jo 17:17); confiabilidade histórica (Mt 12:40; 24:37,38) e precisão científica (Mt 19:4,5; Jo 3:12).
  151. 151. O testemunho dos discípulos - Paulo (Tt 1:2; 2 Tm 2:13); Pedro (2 Pe 1:20,21); Tiago (Tg 1:17). Cumprimento das profecias - A mente que produziu a Bíblia mostra-se conhecedora dos fatos antes que se realizassem. Profecias do A.T. são citadas no N.T. como tendo se cumprido em seus dias como, por exemplo, os casos a seguir:
  152. 152. Gênesis 3:15 O Messias viria da ”semente da mulher” Lc 2:7; Gl 4:4; Ap 12:5 Miquéias 5:2 O lugar de seu nascimento Mt. 2:1 e Lc 4:4-7 Isaías 7:14 Nasceria de uma virgem Mt 1:18; Lc 1:29-35
  153. 153. Isaías 53:12 Seria crucificado com pecadores Mt 27:38; Mc 15:27,28; Lc 23:33).
  154. 154. Evidência Externas Entre as Evidências Externas podemos citar: Evidência de Manuscrito Há manuscritos do NT disponíveis hoje que são datados dos séculos III e IV, e fragmentos que podem datar até mesmo no final do século I. Desde então, o texto permaneceu substancialmente o mesmo.
  155. 155. Evidência Histórica A Bíblia tem demonstrado sua inerrância na exatidão histórica dos acontecimentos, personagens, civilizações, lugares e até moedas, que tem sido confirmados pela arqueologia, numismática, antropologia e a paleontologia.
  156. 156. Evidência Científica Nesse ponto, chamamos de evidência científica as afirmações de maior exatidão científica que, na época da produção do texto, era de absoluto desconhecimento dos fatos por parte dos escritores, mas que sob a orientação do Espírito Santo puderam afirmar verdades que só o Senhor sabia.
  157. 157. Ex. A terra fundamentar-se sobre o nada (Jó 26:7); e a mesma possuir uma forma esférica (Is 40:22).
  158. 158. DEFINIÇÃO O termo “autoridade”, vem do latim, auctoritas, derivada de autor, ‘causa’, ‘patrocinador’, ‘promotor’, ‘fiador’. A autoridade da Bíblia é reconhecidamente interna, ela autentica-se a si mesma.
  159. 159. Mas na medida em que contém provas históricas, incluindo os milagres que comprovam a intervenção divina, ela é extremamente autenticada. O poder de seus ensinamentos envolve uma autoridade interna.
  160. 160. FONTES DA AUTORIDADE A autoridade das Escrituras do Antigo e Novo Testamentos, que lhes dá seu destaque canônico, pode ser atribuído a pelo menos sete diferentes fontes: a) Foram enunciadas por Deus. A declaração bíblica “Assim diz o Senhor”, concede-lhe a autoridade de Palavra de Deus falada e escrita.
  161. 161. b) Foram escritas por homens escolhidos que foram “conduzidos” pelo Espírito Santo. a A autoridade da Bíblia está intimamente ligada ao fato de que a mensagem que os homens escolhidos receberam foi expirada por Deus. a c) Foram confirmadas por aqueles que as receberam primeiro.
  162. 162. No caso do AT, a congregação de Israel sob a liderança de seus anciões, governantes, profetas e sacerdotes, deram sanção àquelas obras. No caso do NT, a igreja primitiva, inclusive seus oficiais e ministros, deram sanção a esta outra parte do cânon.
  163. 163. d) Foram autenticadas pelo Senhor Jesus Cristo, as segundas pessoas da divindade. Inúmeras pessoas sabem quem é Jesus; crêem que Ele fez milagres; crêem em sua ressurreição e ascensão, mas... não crêem na Bíblia! Essas pessoas desconhecem a atitude e a posição de Jesus quanto a ela. Ele leu-a (Lc 4.16-20); Ensinou- a, Lc 24.27; chamou-a “A palavra de Deus” (Mc 7.13; e cumpriu-a (Lc 24.44).
  164. 164. e) Foram recebidas, transmitidas e confirmadas pelos profetas. O profeta recebeu a alta responsabilidade de receber e transmitir a Palavra de Deus. A obrigação do profeta era falar em nome de Deus e a exigência do povo ouví-lo encontra-se no meio da Lei de Moisés.
  165. 165. Sem dúvida, a passagem de Dt 18.15,18,19, como muitas outras, encontra o seu cumprimento final no ministério profético de Cristo. A Igreja ou aqueles para os quais veio NT, está edificada sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, Ef 2.20. f) Porque a Palavra foi usada por Deus Espírito Santo.
  166. 166. Inspiração – Definição A palavra “inspiração” vem do latim inspiratio. Inspirar, literalmente significa ‘respirar dentro’. Quando Paulo escreveu que ‘toda Escritura é inspirada por Deus’, ele ensinou que o fôlego de Deus estava em cada Escritura como o fôlego dos homens está em suas palavras. Fazendo-as veículo de seus pensamentos.
  167. 167. Teologicamente, o conceito de inspiração refere-se ao fato de a Escritura Sagrada ser o pronunciamento do Deus que não pode mentir, e constituir, portanto, a infalível Palavra de Deus. Veremos agora, algumas Teorias falsas sobre a inspiração das Escrituras bem como a objeção a elas.
  168. 168. Teoria da Inspiração Genial (natural ou humana) Ensina que os escritores da Bíblia eram realmente inspirados, mas, no mesmo sentido em que os gênios da humanidade o foram também. Assim sendo, Davi e Shakespeare estão em um mesmo plano quanto à inspiração, e por dedução concluímos que todos os intelectuais são profetas. Sendo assim, não há qualquer elemento sobrenatural envolvido.
  169. 169. A Bíblia foi escrita por homens de grande talento, e indivíduos talentosos dotados de excepcional percepção foram escolhidos por Deus para escreverem a Bíblia. A inspiração é semelhante a uma habilidade artística ou ao talento natural.
  170. 170. Objeções à Teoria da Inspiração Genial Esta concepção torna a Bíblia não muito diferente de outras obras literárias religiosas ou filosóficas inspiradoras. Além disso, o texto bíblico afirma que a Escritura vem de Deus por meio de homens. (2ª Pedro 1.20-21). Elimina o sobrenatural da Bíblia. Haveria possibilidade de erro no texto. Nega tanto os milagres e quanto a profecia.
  171. 171. Rejeita as afirmações da própria Bíblia sobre o assunto.  É bom lembrar que a expressão: "ASSIM DIZ O SENHOR" e similares, aparecem na Escrituras cerca de 3.800 vezes.
  172. 172. Teoria dos Graus de Inspiração Ensina que certas partes da Bíblia são mais inspiradas que outras ou inspiradas de modo diferente. Essa concepção admite erros de diferentes tipos na Escritura. Distinguem O que foi realmente revelado, de fatos conhecidos, que consideram não inspirados.
  173. 173. As doutrinas foram inspiradas, mas não no grau anterior. E há partes que não possuem inspiração alguma. Fatos conhecidos tais como: usos, costumes e narração histórica.
  174. 174. Objeções à teoria dos Graus de Inspiração  Não se encontra no texto nenhuma sugestão de graus de inspiração, mas sim total (2 Tm 3.16).  Torna a Bíblia passível de muitos erros.  Toda a Escritura é incorruptível e não pode falhar (Jo 10.35; 1 Pe 1.23).
  175. 175.  Como identificar que parte é menos inspirada que a outra?  Sendo assim, A Bíblia apenas contém a Palavra de Deus.
  176. 176. Teoria da Iluminação Cristã Universal Os autores humanos foram capacitados por Deus a redigirem a Escritura. O Espírito Santo intensificou as suas capacidades normais. Ensina que os escritores da Bíblia eram inspirados no mesmo sentido que cada cristão o é também.
  177. 177. Objeções à teoria da Iluminação cristã Universal  O ensino bíblico indica que a revelação veio por meio de comunicações divinas especiais, e não por meio de capacidades humanas intensificadas. Os autores humanos expressam as próprias palavras de Deus, e não simplesmente as suas próprias palavras.  Nenhum crente escreveu outra Bíblia até hoje.  Confunde iluminação com inspiração.
  178. 178.  Há visível diferença entre os escritos dos Pais da Igreja e a Bíblia, e eles não se atrevem a dizer que Deus os inspirou.
  179. 179. Teoria dos Conceitos ou pensamentos (idéias) inspirados Essa teoria sustenta que Deus inspirou os pensamentos dos escritores bíblicos, mas não as palavras que viriam a escolher. De acordo com a teoria, Deus guiou os escritores à medida que escreviam, mas lhes deu liberdade para expressar seus pensamentos do seu próprio jeito.
  180. 180. Por isso argumentam que pode haver certos detalhes escritos que contenham erros. Ainda assim, acrescentam que o ensino doutrinário foi resguardado assim como a mensagem de Deus acerca da salvação.
  181. 181. Ensina que Deus, durante certo período de tempo, tomou a mente de homens dando-lhes certos princípios, mais tardes esses homens reproduziram esses pensamentos com suas próprias palavras na confecção da Bíblia. Isto significa que quando eles registraram os pensamentos não estavam sob inspiração.
  182. 182. Objeções à teoria dos Conceitos ou pensamentos inspirados  Não é possível inspirar idéias gerais de modo infalível sem inspirar as palavras da Escritura. A maneira como as palavras de revelação foram dadas aos profetas e o grau de conformidade às próprias palavras da Escritura por parte de Jesus e dos escritores apostólicos indicam a inspiração de todo o texto bíblico, até mesmo das palavras.
  183. 183.  Confia a verdade infalível de Deus à vontade do homem, para ele usá-la como bem entender.  Admite-se a presença de erros.  Não há como desassociar idéias de palavras.
  184. 184. Teoria da Inspiração Parcial A inspiração diz respeito apenas às doutrinas da Escritura que não podiam ser conhecidas pelos autores humanos. Deus proporcionou as idéias e tendências gerais da revelação, mas deu ao autor humano liberdade na maneira de expressá-la, assim, sendo, ensina que partes da Bíblia foram inspiradas outras não.
  185. 185. “A Bíblia só é inspirada no espiritual e essencial, não na História, Ciência, etc. e no que achamos ‘secundário’.”
  186. 186. Objeções à teoria da Inspiração Parcial  Não é possível inspirar idéias gerais de modo infalível sem inspirar as palavras da Escritura. A maneira como as palavras de revelação foram dadas aos profetas e o grau de conformidade às próprias palavras da Escritura por parte de Jesus e dos escritores apostólicos indicam a inspiração de todo o texto bíblico, até mesmo das palavras.
  187. 187.  Nega 2ª Timóteo 3.16  Coloca o homem em constante incerteza, (com saber o que é inspirado ou não?)  Como definir o que é essencial e pode ter sido inspirado?  Dá margem a muito subjetivismo.  A parte dita inspirada é incompleta para dar ao homem toda luz da parte de Deus que ele precisa.
  188. 188. Teoria da Inspiração Ocasional Ensina que os escritores da Bíblia foram ocasionalmente inspirados. Isto é, às vezes estavam sob a inspiração, e às vezes não.
  189. 189. Objeções à teoria da Inspiração Ocasional  Contraria 2ª Timóteo 3.16.  Fora da "ocasião", escreveu coisas de si mesmo. Como descobrir o exato momento em que ele sai de um estado entra no outro, no ato da escrita?
  190. 190. Teoria do Ditado Verbal (Inspiração Mecânica) Ensina que Deus ditou cada palavra a qual queria que fosse escrita. Essa teoria sugere que Deus simplesmente ditou a Bíblia para os escribas humanos. Segundo a teoria, Deus escolheu certas pessoas para registrar suas palavras e então lhes concedeu as palavras que queria. Afirmam assim que os autores somente escreveram o que Deus lhes ditou.
  191. 191. Objeções à Teoria do Ditado Verbal A Escritura, na verdade, sugere que algumas vezes Deus comunicou-se com extrema precisão, palavra por palavra aos autores (Jr 26.2 e Ap 2.1,8). Em outros lugares ele permitiu que os escritores expressassem suas próprias personalidades (Gl 1.6; 3.1; Fp 1.3,4,8).
  192. 192.  Ainda assim, o Espírito Santo assegurou o término da obra, comunicando precisamente a intenção de Deus. Sendo assim, a teoria do ditado se encaixa em algumas ocorrências e em muitas outras, não.  Faz do escritor uma máquina.  Não leva em contra o estilo de cada um.  É um método muito pobre. Faz de Deus um incapaz.
  193. 193. Teoria Neo-ortodoxa A teoria Neo-ortodoxa sustenta que Deus é totalmente transcendente, ou seja, ele é absolutamente diferente de nós e muito além da nossa compreensão. Só podemos conhecer alguma coisa a seu respeito se Ele se revelar a nós, como fez em Jesus Cristo. Ensina que autores humanos só poderiam produzir um registro falível.
  194. 194. Objeções à teoria Neo-ortodoxa Até aqui parecemos estar de acordo, não é mesmo? Porque Deus realmente é transcendente e está acima de nossa capacidade humana de compreendê-lo totalmente. Mas a diferença entre este ponto de vista e a visão reformada é que esta última sustenta que a Bíblia é a Palavra de Deus; a visão neo-ortodoxa é de que a Bíblia é uma
  195. 195. testemunha à Palavra de Deus, ou, em outros termos, que a Bíblia contém a Palavra de Deus. Segundo essa teoria as pessoas dos tempos bíblicos experimentaram Deus e registraram seus encontros da melhor forma que podiam fazer. Mas, como eram criaturas finitas, encontram-se alguns paradoxos ou até mesmo erros, misturando suas experiências com os mitos religiosos dos tempos em que viveram.
  196. 196. Mesmo assim, continua a teoria, a descrição que fizeram ajudou a outros a entenderem a Deus melhor. Assim, à medida que outros experimentavam Deus através das narrativas, aqueles escritos tornavam-se a Palavra de Deus novamente. Certamente devemos elogiar a neo- ortodoxia por ter uma visão de Deus tão elevada (transcendentemente diferente de nós e além da compreensão).
  197. 197. Entretanto a Bíblia é mais do que um mero testemunho da Palavra de Deus. Segundo 2ª Timóteo 3.16,17 a Escritura é a Palavra de Deus. A Bíblia reivindica que Deus revelou-se e que o Espírito Santo inspirou pessoas para registrá-la (2ª Pedro 1.20,21). E eles puderam fazer isso porque Deus acomodou-se à compreensão limitada deles. Essa teoria, portanto, falha em dar uma explicação adequada para toda a evidência bíblica.
  198. 198. A VERDADEIRA DOUTRINA DA INSPIRAÇÃO INSPIRAÇÃO VERBAL E PLENÁRIA Todas as partes da Bíblia são igualmente inspiradas. Os escritores foram capacitados pela cooperação vital e contínua do Espírito Santo. Escreveram a Bíblia com palavra de seu vocabulário, porém o que escreveram foi realmente a Palavra de Deus.
  199. 199. O que as Escrituras falam à Respeito de sua Inspiração 2ª Timóteo 3.16 "Todo Escritura é inspirada por Deus".As Escrituras são produto da atividade de Deus. Seu conteúdo e caráter foram determinados pela atividade controladora do Espírito, por esta razão: É útil, (gr. ophelimos).
  200. 200. para o ensino..., (gr. didaskalia). para a repreensão..., (gr. elegmos). para a correção..., (gr. epanorthosts). para a educação na justiça, (gr. Paidéia) Serve para todas as coisas, pois seu caráter, qualidade e existência são determinadas por Deus.
  201. 201. Vem a pergunta: Escritura inclui o que? Será que Paulo pensou no AT quando escreveu estas palavras? Sem dúvida tinha o AT em mente, pois o NT ainda estava sendo escrito. Leia 1ª Timóteo 5.8 e compare com Deuteronômio 25.4, e Lucas 10.7.
  202. 202. O apóstolo Paulo liga as duas citações como o mesmo título "Escrituras“. Finalmente, o homem jamais escreveria um livro como a Bíblia, que põe em relevo as fraquezas e defeitos humanos.
  203. 203. A Inspiração é verbal As Escrituras do Antigo Testamento são continuamente mencionadas como Palavra de Deus. No célebre sermão da montanha, Jesus declarou que não só as palavras, mas até mesmo os pequeninos sinais diacríticos de uma palavra hebraica vieram de Deus.
  204. 204. Portanto, o que se diz como teoria a respeito da inspiração das Escrituras, fica bem claro que a Bíblia reivindica para si mesma toda a autoridade verbal ou escrita. Inspiração verbal significa que, na preparação das Santas Escrituras, a superintendência do Espírito Santo se estende às próprias palavras empregadas.
  205. 205. As Escrituras constantemente afirmam que as suas palavras foram dadas ou dirigidas pelo Espírito Santo (Atos 28.25; 1ª Coríntios 2.13; 2ª Pedro 1.21). A Inspiração é plena A inspiração plena da Bíblia é um fato incontestável porque assuntos vitais como
  206. 206. expiação, salvação, ressurreição, recompensas e castigo futuros requerem a direção de um Espírito infalível a fim de se evitarem informações que levem ao erro. Inspiração plena significa que toda a Bíblia é inspirada em todas as suas partes.
  207. 207.  Na verdade, os escritores bíblicos escreveram suas mensagens com palavras de seu próprio vocabulário, porém, inspirados e influenciados pelo Espírito Santo. Ele guiou os escritores na escolha das palavras de acordo com a personalidade e o contexto cultural de cada um. Apesar de conter palavras humanas, a Bíblia é a Palavra de Deus.
  208. 208.  A teologia modernista não aceita a doutrina sobre a inspiração plenária da Bíblia. Eles concordam em aceitar que as idéias ou pensamentos da Bíblia podem ser inspirados, mas que as palavras usadas, no texto, são um produto de autores, os quais estão sujeitos a erros.  Rejeitamos toda a crítica contra a Bíblia, porque Jesus considerou as Escrituras como “Palavra de Deus” (Mc 7.13).
  209. 209.  Rejeitamos a crítica modernista, contra a veracidade da Bíblia porque seria uma ofensa contra Deus que é perfeito (Mt 5.48), afirmar que a sua Palavra contém erros e mentiras.
  210. 210.  Negar a inspiração plena das Escrituras, portanto é desprezar o testemunho fundamental de Jesus Cristo (Mt 5.18; 15.3-6; Lc 16.17; 24.25- 27,44,45; Jo 10.35), do Espírito Santo (Jo 15.26; 16.13; 1Co 2.12,13, 1Tm 4.1) e dos apóstolos (2Tm 3.16; 2 Pe 1.20,21).
  211. 211. CÂNON Palavra latina que significa <linha de medir>, <regra>, <modelo>. O termo latino deriva-se do grego Kanon, <regra> ou <vara>. Aplicando este conceito aos Escritos Sagrados, podemos definir que Cânon significa o conjunto dos Livros do
  212. 212. Antigo e do Novo testamento considerados inspirados por Deus e aceitos pela Igreja, desde a era dos pais apostólicos, que foram os sucessores dos apóstolos.
  213. 213. O Cânon do Antigo testamento constitui a lista dos livros do AT que a igreja cristã reconhece como genuínos e inspirados. No cânon aceito pelos evangélicos há 39 livros. Como vimos anteriormente, o cânon católico tem a mais 7 livros e algumas porções adicionais. O cânon do AT é o mesmo para os judeus e os evangélicos.
  214. 214. “Então “[Josué] Também escreveu ali em pedras uma cópia da lei de Moisés, que já tinha escrito diante dos filhos de Israel” (Josué 8:32). “A PALAVRA que do Senhor veio a Jeremias, dizendo: Assim fala o Senhor, Deus de Israel, dizendo: Escreve num livro todas as palavras que te tenho dito:” (Jeremias 30:1-2).
  215. 215. “Então disse o Senhor a Moisés: Sobe a mim ao monte, e fica lá: e dar-te-ei tábuas de pedra, e a lei, e os mandamentos que tenho escrito, para os ensinar”. (Êxodo 24:12 ). “E aquelas tábuas eram obra de Deus; também a escritura era a mesma escritura de Deus, esculpida nas tábuas”. (Êxodo 32:16 ).
  216. 216. Conjunto de 27 livros do NT que a igreja cristã reconhece como genuínos e inspirados. O cânon do NT é igual para evangélicos e católicos. Os primeiros cristãos que receberam os escritos originais dos Apóstolos sabiam quais eram os verdadeiros e providenciaram suas cópias para as outras igrejas.
  217. 217. Paulo alertou sobre falsificações: “Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto”. (2ª Tessalonicenses 2:2).
  218. 218. Paulo recomendou a preservação: “Então, irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa”. (2ª Tessalonicenses 2:15). As tradições “por palavra” que Paulo se refere, são as tradições que os Apóstolos ensinaram, e estão registradas nos diversos livros do NT.
  219. 219. O Apóstolo Pedro confirma que as cartas de Paulo são Escrituras: “[Paulo] Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição”. (2ª Pedro 3:16 ).
  220. 220. O Apóstolo Pedro confirma que as cartas de Paulo são Escrituras: Os concílios (reuniões para debates) efetuados pela Igreja de Roma, apenas reconheceram aquilo que já era evidência entre as igrejas fiéis a Cristo. Os concílios expurgaram os escritos falsos por não haver testemunho entre os fiéis e também por conterem informações falsas.
  221. 221. A Bíblia não é um produto da Igreja Romana, é pois um produto do Espírito Santo.
  222. 222. ANTIGO TESTAMENTO 39 Livros A Lei (Pentateuco) 5 Livros Livros Históricos 12 Livros Profetas Maiores 5 Livros Livros Poéticos e Sapienciais 5 Livros Profetas Menores 12 Livros
  223. 223. Chamam-se Profetas Maiores devido ao período de abrangência de seus ministérios proféticos em números de anos. Chamam-se Profetas Menores não devido a uma menor importância ou ao tamanho dos Livros, mas devido ao período de abrangência de seus ministérios proféticos.
  224. 224. Por exemplo: O livro de Zacarias é considerado um Profeta Menor e é maior em volume do que o Livro de Daniel que está entre os Profetas Maiores.
  225. 225. NOVO TESTAMENTO (27 Livros) Evangelhos 4 Livros Epístolas Paulinas 13 livros Epistolas Gerais 8 Livros História 1 Livro Profecia 1 livro
  226. 226. A DIVISÃO EM CAPÍTULOS E VERSÍCULOS A Bíblia foi dividida em capítulos pelo bispo católico Stephen Langhton entre 1234 e 1242. Os Massoretas dividiram o Antigo Testamento em versículos no século IX. O Novo Testamento foi dividido em versículos por Robert Stephanus em 1551 na Reforma Protestante.
  227. 227. Os Massoretas eram escribas judeus que se dedicaram a preservar e cuidar das escrituras que atualmente constituem o Antigo Testamento. Eles substituíram os escribas (Sopherins) por volta do ano 500 d.C. até 1.000 d.C.
  228. 228. MANUSEIO DO VOLUME SAGRADO Obtenha completo domínio no manuseio da bíblia, a fim de encontrar com rapidez qualquer referência bíblica. Jesus tinha essa habilidade. Em Lucas 4.17 diz que Ele “achou o lugar onde estava escrito.” Ora, naquele tempo, isso era muito mais difícil do que hoje, com o progresso da indústria
  229. 229. gráfica, visto que naquele tempo os livros tinham a forma de rolos. Não era tão fácil achar a passagem que se queria. Obs: Ler a Bíblia em voz alta tremendo, gaguejando, engolindo palavras ou pulando frases ou versículos não é sinônimo de humildade, mas de pouca leitura, descaso, desleixo, desinteresse e despreparo no uso da Bíblia e desrespeito para com o Senhor. Cuide disso!
  230. 230. Aprenda a ler e escrever referências bíblicas O sistema simples e rápido para escrever referências bíblicas é o adotado pela Sociedade bíblica do Brasil: duas letras, sem ponto abreviativo, para cada livro da Bíblia. Entre capítulo e versículo põe-se apenas ponto.
  231. 231. No índice das Bíblias editadas pela SBB (Sociedade Bíblica do Brasil) pode ver-se a lista de referências por esse sistema. Exemplos de referências por esse sistema: 1Jo 2.4 (1 João, capítulo 2, versículo 4). Jó 2.4 (Jó, capítulo 2, versículo 4). Jn 2.4 (Jonas, capítulo 2, versículo 4). 1Pe 5.5 (1 Pedro, capítulo 5, versículo 5)
  232. 232. Fp 1.29 (Filipenses, capitulo 1, versículo 29). Fm v.14 (Filemom, versículo 14). Indicação da parte inicial de um versículo: Rm 11.17a. Indicação da parte final de um versículo: Rm 11.17b. Indicação de versículos que se seguem ou não até o fim do capítulo em estudo: Rm 11.17ss.
  233. 233. O tempo cronológico antes e depois de Cristo É indicado pelas letras: A.C.= Antes de Cristo. São as iniciais dessas duas palavras. D.C.=Depois de Cristo. Logo, “d.C.”. corresponde a AD, do latim “Anno Domini”, isto é ano do Senhor, em alusão ao nascimento de Jesus.
  234. 234. Obs: O tempo antes de Cristo é contado de trás para a frente. 500 a. C, 400 a.C, 300 a.C, Por isso, vemos citações em livros dizendo por exemplo que tal acontecimento se deu no ano 3 a.C, antes de cristo, ou seja 3 anos antes de Jesus nascer.
  235. 235. Depois do nascimento de Jesus Cristo, iniciou-se uma nova contagem do tempo, e isso tanto para a história da Igreja quanto para a história secular. Que homem é esse que dividiu o tempo e até a história secular e a ciência que tentam negar sua Divindade se submetem à divisão de tempo estabelecida desde seu nascimento? Uma pergunta para os ateus pensarem...
  236. 236. O advento da imprensa, trouxe um novo rumo a transmissão das Escrituras Sagradas. Johann Gutemberg, natural de Mainz, Alemanha, foi o ‘Pai da Imprensa”. Era um servo do Senhor. Há mais de cinco séculos ele escreveu isto:
  237. 237. Guttemberg tanto se empenhou na difusão da Palavra, que o primeiro livro a ser impresso foi a Bíblia na versão latina. Chamou-se ‘BÍBLIA MAZARIM”, porque suas cópias foram colocadas na livraria do Cardeal Maarim, em Paris. A imprensa se introduziu em Milão e em Veneza em 1469, em 1470 Paris e na Inglaterra em 1476.
  238. 238. A partir da época da imprensa, despontou uma nova era para o Texto Sagrado como literatura. No tempo de Wycliff (séc. XIV), um copista gastava 10 meses para fazer uma só cópia da Bíblia, e o trabalho custava 200 dólares. Com a invenção da imprensa, mil cópias podiam ser feitas rapidamente e distribuídas pelo país sem gastos dispendiosos.
  239. 239. A PRIMEIRA IMPRESSÃO DA BÍBLIA Imediatamente ao aparecimento da Imprensa, como já era de se esperar, a preocupação maior era produzir vários exemplares da Escritura, tanto em hebraico , como em grego e latim.
  240. 240. O AT IMPRESSO EM HEBRAICO * O primeiro texto impresso em hebraico do AT foi publicado em 1488, em Soncino, Itália. Contém os sinais vocálicos. * O segundo texto mais antigo impresso em hebraico do AT é o constante da Bíblia chamada “Complutensiana Poliglota”, preparada pelo cardeal Ximenes, de Cisneros, na Universidade de Alcalá, próximo a Madri, Espanha
  241. 241. Foi impressa em 1514-1517, mas somente distribuída em 1522. A Poliglota traz além do AT hebraico, o NT em grego, a Septuaginta em latim, e a Vulgata, em latim (AT e NT). Abrange seis volumes.
  242. 242. O NT IMPRESSO EM GREGO * O primeiro texto impresso em grego do NT é o da “Complutensiana Poliglota”. * O texto de Erasmo (teólogo holandês), publicado e distribuído em 1516. Este foi o primeiro texto impresso distribuído, do NT. A poliglota do Cardeal Ximenes só veio a público em 1522, mas fora impressa em 1514-1517.
  243. 243. * O texto de Robert Stephanus, publicado em 1546, em Paris. É baseado no de Erasmo e na Poliglota. * O texto dos irmãos Elzevirs, holandeses, de 1624-1678. Base: Stephanus e Beza. É conhecido como o “Textus Receptus” devido a uma expressão que contém no prefácio.
  244. 244. * O texto de Westcott e Hort, dois eminentes eruditos ingleses. Data 1881-1882. Suplantou o “Textus Receptus”. * Há, por fim, os mais recentes textos impressos do NT grego, que são os de Herman Von Soden, Scrivener, e Eberhard Nestle. Este último é mais utilizado no preparo de versões modernas.

×