Farmácia clínica interação medicamentosa

1.073 visualizações

Publicada em

Interações medicamentosas entre antipsicóticos e antibióticos

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.073
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
54
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Farmácia clínica interação medicamentosa

  1. 1. FARMÁCIA CLÍNICA  Ácido Valpróico  Anticonvulsivante  Biperideno  Antiparkinsoniano  Haloperidol  Antipsicótico INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS MEDICAMENTO/ MEDICAMENTO
  2. 2. ÁCIDO VALPRÓICO  O Ácido Valpróico é um neuroléptico com ação central que inibe os canais de sódio consequentemente aumenta a neurotransmissão GABAérgica através da intensificação da síntese e liberação do GABA ao atuar inibindo as enzimas de degradação do Gaba, a GABAtransaminase, deprimindo as ações do SNC, ou seja, diminui a excitabilidade neuronal .  Os anticonvulsivantes tem sido utilizado cada vez mais no tratamento do transtorno afetivo bipolar no tratamento da fase aguda como na profilaxia. Sendo eficaz no tratamento das crises de ausência, miclonais, parciais e tônico clônicas.
  3. 3. Em relação as interações medicamentosas o Ácido Valpróico sendo um inibidor enzimático tem sua fração livre aumentada levando a toxicidade, quando co-administrado com outras drogas com alta afinidade com proteínas como: AAS (ácido acetil salicílico), drogas metabolizadas pelo fígado como a Fenitoína, Fenobarbital causando deficiência no do ácido fólico, Seus níveis podem ser diminuídos se coadministrados com drogas que induzem as enzimas como a Carbamazepina. O Ácido Valpróico também inibe a UGT (uridina-difosfato-glicuronosil- transferase, esta diminui o metabolismo da Bilirrubina causando icterícia) inibindo o metabolismo da Lamotrigina e do Lorazepam. Os antibióticos carbapenêmicos (meropenem) reduz as concentrações no sangue do Ácido valpróico a níveis sem efeito.
  4. 4. BIPERIDENO O Biperideno é um anticolinérgico de ação central indicado no tratamento de parkinsonismo e das reações extrapiramidais induzidas por neurolépticos. O Biperideno bloqueia a transmissão dos impulsos colinérgicos central pela reversão da ligação aos receptores de Acetilcolina. As interações medicamentosas ocorre quando há administração simultânea com outras drogas de efeito anticolinérgico como: amantadina, triexifenidil, analgésicos narcóticos (meperidina), antipsicótico (flufenan); Antiarrítmico (procainamida) pode causar efeito aditivo antivagal na condução nodoatrioventricular.
  5. 5. HALOPERIDOL Os antipsicóticos são utilizados em várias síndromes com manifestações psiquiátricas, demência, surtos de agressividade e o Haloperidol é considerado o fármaco de escolha para essas afecções. Haloperidol exerce efeito seletivo sobre o Sistema Nervoso Central por bloqueio competitivo dos receptores dopaminérgicos pós- sinápticos, e um aumento da síntese e liberação e utilização da Dopamina central que traduz efeitos tranquilizantes. O medicamento não cura a patologia e Sim induz comportamento tranquilo e estável.
  6. 6. As interações medicamentosas envolvendo Haloperidol e outros fármacos tem significâncias importantes na farmacoterapêutica. Potencializa os efeitos dos anestésicos em geral (halotano e propofol), analgésicos opióides (codeína e morfina), anti-hipertensivos (metildopa) retardo psicomotor, parkinsonismo reversível; Antibióticos/amtimicrobianos (eritromicina, azitromicina): arritmias ventriculares; Lítio: ↑ efeitos neurotóxicos, encefalopatias, discinesias; Antidepressivos ( Fluoxetina) ↑ os efeitos dos ISRS, (Amitriptilina): convulsões; Anticoagulantes (varfarina): hipertensão; Antiparkinsonianos (bromocriptina, levodopa): inibe o efeito do antiparkinsoniano, náuseas, vômitos, ↑ hormônios prolactina e crescimento; * Pode haver hipoglicemia, monitorar pacientes em uso concomitante dos hipoglicemiantes orais.
  7. 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. As Bases Farmacológicas Terapêuticas, Goodman & Gilman, Rio de Janeiro Mc Graw-Hill 10ª ed. 2. Furp. Fundação para o remédio popular. Governo do estado de São Paulo. 3. Interações Medicamentosas envolvendo os Neuropsicofarmácos no Hospital Universitário Regional do Norte da Paraná. Grenghi C. et al 4. O uso de anticonvulsivantes no transtorno afetivo bipolar. Tamada S.R. et al. Revista Brasileira de Psiquiatria. 5. Abbot Laboratórios do Brasil Ltda. Bula Profissional 6. Guia de Interações Medicamentosas, Hospital das Clinicas da Universidade Federal de Goiás, 2011.
  8. 8. Melhor estar preparado para uma oportunidade e não ter nenhuma, do que ter uma e não estar preparado. INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS Sandra Regina R. Souza Prof.ª: Daniela Farmácia Clínica e Atenção Farmacêutica Universidade Nove de Julho / Agosto - 2014

×