Texto:A formação matemática da professorapolivalente: desafios de ensinar o que nemsempre aprendeu.
•Nos últimos 30 anos houve várias reformas curriculares para oensino da matemática no Brasil;•Fim do período da Ditadura e...
Pontos positivos: •O tratamento e análise por meio de gráficos; •A introdução de noções estatísticas e probabilidade •O de...
Pontos negativos•Ênfase no detalhamento dos conteúdos e nos algoritmos em detrimento dosconceitos;•As propostas traziam or...
•Na década de 90 surgem os PCNs:     •Há uma análise do contexto do ensino da disciplina;     •Aponta problemas na formaçã...
A prática docente•O modo como uma professora ensina traz subjacente a ele a concepçãoque ela tem de matemática e crenças q...
O grande desafio é construir um currículo de matemática que atenda àsnecessidades da sociedade contemporânea, que transcen...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação resumo texto a formação matemática do professor polivanlente

2.520 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.520
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
580
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação resumo texto a formação matemática do professor polivanlente

  1. 1. Texto:A formação matemática da professorapolivalente: desafios de ensinar o que nemsempre aprendeu.
  2. 2. •Nos últimos 30 anos houve várias reformas curriculares para oensino da matemática no Brasil;•Fim do período da Ditadura e início da reabertura democrática;•Os novos currículos trazem alguns aspectos em comum: •Alfabetização matemática:A classificação, ordenação, correspondência um a um, noções topológicas, as partes e o todo, leitura e escrita do número, os diversos sistemas de numeração, são conteúdos que dizem respeito à construção do número, e mais amplamente é o que denominamos de alfabetização matemática. •Indícios de não linearidade do currículo; •Aprendizagem com significado; •Valorização da resolução de situações problema; •Linguagem matemática ( A={x € Z / x >2}), etc.
  3. 3. Pontos positivos: •O tratamento e análise por meio de gráficos; •A introdução de noções estatísticas e probabilidade •O desaparecimento da ênfase na teoria dos conjuntos •A percepção de que a matemática é uma linguagem •O reconhecimento da importância do raciocínio combinatório•A percepção de que a função da Matemática escolar é preparar o cidadão para umaatuação na sociedade em que vive.
  4. 4. Pontos negativos•Ênfase no detalhamento dos conteúdos e nos algoritmos em detrimento dosconceitos;•As propostas traziam orientações gerais, que pouco contribuíam para aatuação do professor em sala de aula;•Ausência de referências ao cálculo mental, estimativas e aproximações;•As propostas apresentavam uma intenção construtivista, mas, não traziamorientações aos professores sobre essa nova teoria e sua prática em sala;•Nessa época a maioria das professoras possuíam formação em nível médio;•Nos cursos de formação não haviam especialistas em matemática, o quenfavoreciam uma formação com lacunas conceituais.•Não era diferente nos cursos de formação superior;•Em 1980, no Estado de São Paulo houve preocupação em cursos de formaçãodentro da nova perspectiva teórica, mas, não conseguiram abranger todas asprofessoras;•Na prática, o que se viu foi a continuidade da ênfase na aritmética, edesconsideração com outros campos como a geometria e estatística•Os livros didáticos também não foram eficientes em incorporar os novosconceitos
  5. 5. •Na década de 90 surgem os PCNs: •Há uma análise do contexto do ensino da disciplina; •Aponta problemas na formação do professor; •Dependência do mesmo em relação ao livro didático•O documento traz questões inovadoras: •A matemática colocada como instrumento de compreensão e leitura do mundo; •O reconhecimento dessa área de conhecimento como estimuladora do interesse, da curiosidade, espírito de investigação e desenvolvimento da capacidade de resolver problemas•Ressalta também a importância de estabelecer conexões entre os diferentesconteúdos e a importância de trabalhar tanto conceitos como procedimentos.
  6. 6. A prática docente•O modo como uma professora ensina traz subjacente a ele a concepçãoque ela tem de matemática e crenças quanto à perspectivas do ensino e daaprendizagem.•No texto s maioria dos depoimentos (segundo o autor) centram-se nafigura do professor.•Na formação mostrou-se necessário romper com sistemas de crenças,desconstruir saberes que foram apropriados durante a trajetória estudantilna escola básica.•A tendência é reproduzir modelos que vivenciou como estudante. Se taismodelos não forem problematizados e refletidos, podem permanecer aolongo de toda a trajetória profissional.
  7. 7. O grande desafio é construir um currículo de matemática que atenda àsnecessidades da sociedade contemporânea, que transcenda o ensino dealgoritmos e cálculos mecanizados.•Criar cenários de investigação;•Roteiros de aprendizagem•É o professor que cria as oportunidades para a aprendizagem.•É possibilitar que o aluno tenha voz e seja ouvido; que ele possa comunicarsuas idéias matemáticas e que estas sejam valorizadas ou questionadas; queos problemas propostos em sala de aula rompam com o modelo padrão deproblemas de uma única solução e sejam problemas abertos; que o alunotenha a possibilidade de levantar conjecturas e buscar explicações e ouvalidações para elas.•Que a Matemática seja para todos e não apenas para uma pequena parcelade alunos.

×