O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
P.I.A. - A2
P.I.A. - A2
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 27 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Mais recentes (20)

Anúncio

P.R. - A2

  1. 1. Fábrica de Vinho Tito Silva e Cia Docente: Tallison Rodrigues e Samuel Valeriano Discentes: Fhillipe Germano Bezerra Lima Disciplina: Patrimônio e Restauro - P7
  2. 2. 3.0 Caracteristicas do Edifício Sumário 2.0 Inserção Urbana 5.0 Mapeamento de Danos e Patologias 6.0 Laudo Técnico 7.0 Proposta Arquitetônica 1.0 Aspectos Históricos 1.1 Levantamento histórico 1.2 Leitura do entorno 1.3 Proposição projetual 3.1 Medidas gerais do lote 2.1 Mapa de situação 2.5 Relação do edifício com o entorno 3.2 Plástica do Edificio 2.3 Mapa de gabarito 2.4 Mapa de cheios e vazios 5.1 Principais patologias presentes na edificação 5.2 Fachada Frontal (norte-nordeste) 5.3 Fachada de fundo (sul -sudeste) 2.2 Mapa de uso e ocupação 3.3 Descrição dos ambientes 6.1 Diagnóstico 6.2Classificação da Edificação 7.1 Decisões projetuais 7.2 Croqui e Zoneamento com setorização 4.0 Conformação dos espaços internos e do entorno 4.2 Relação de uso e funcionamento dos espaços 4.1 Caracterização dos tipos de acessos 8.0 Bibliografia 8.1 Referências Bibliográficas
  3. 3. Após sua fundação, o processo de fabricação do vinho extraído do caju permaneceu como manufatura caseira até o ano de 1917, trabalhando apenas na fabricação os membros da família do proprietário. O produto ficou conhecido internacionalmente, sendo premiado em uma exposição em Bruxelas no ano de 1911. No ano de 1940, o processo de produção deixou de ser artesanal em todas as suas fases, pois, foi realizada aquisição de máquinas importadas dos Estados Unidos e Inglaterra, que contribuíram para elevar o índice da produção. A fábrica de vinho Tito Silva e Cia, objeto de estudo desse trabalho, recebeu este nome devido ao próprio nome do proprietário, natural de João Pessoa, Tito Enrique da Silva, fundou a fábrica no ano de 1892, sendo pioneira e a mais antiga do Nordeste nesse ramo. A fábrica, construída na cidade de João Pessoa, no estado da Paraíba, foi edificada na famosa Rua da Areia, centro. Nesse período, o crescimento da cidade de João pessoa se dava às margens do Rio Sanhauá e a partir de 1960, com a ocupação da orla marítima. 1.0 Aspectos Históricos 1.1 Levantamento histórico
  4. 4. Por causa disto, o débito com a receita Federal dificultou ainda mais a situação da empresa, na medida em que era impedida de negociar linhas de créditos com os estabelecimentos. Em 1984, a fábrica encontrava-se ameaçada de fechar, a edificação e maquinário foram desapropriados pelo governo do estado e tombados pelo IPHAN, com o intuito de se preservar o conhecimento dos processos tradicionais e artesanais da produção do vinho de caju, considerado como “um dos fenômenos da Tecnologia Patrimonial – conjunto de conhecimentos e técnicas populares historicamente determinadas”. Em 1964, devido a nova estruturação da economia brasileira voltada para o fortalecimento das grandes empresas e alto imposto vinícola cobrado sobre o vinho do caju fez a empresa começar a enfrentar vários problemas de ordem financeira em virtude desses fatores. Além disso, o distanciamento das fontes de fornecimento de caju dificultou a aquisição e encareceu o custo do transporte. Tais fatores contribuíram para reduzir a produtividade fazendo a fabricação voltar a ser artesanal. 1.0 Aspectos Históricos
  5. 5. 1.0 Aspectos Históricos 1.2 Leitura do Entorno O varadouro se situa na zona norte da cidade de João Pessoa, se centralizando na parte noroeste da capital, às margens do rio Sanhauá , segundo dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Bairro situa-se na Cidade Baixa e apresenta monumentos importantes do Centro Histórico de João Pessoa. Nessa área encontra-se também o Terminal Rodoviário de João Pessoa, o Terminal de Integração dos bairros da capital e também a Estação João Pessoa do Sistema de Trens Urbanos de João Pessoa, que conecta a capital com a região metropolitana. Fotografias do centro histórico,localizada entre a igreja de São Frei pedro gonçalves e a praça Antenor Navarro
  6. 6. 1.0 Aspectos Históricos 1.3 Proposição projetual A Fábrica de Vinho Tito Silva tem como, principal característica, a fabricação de vinhos de caju, sendo conhecida como a primeira do nordeste a produzir vinho extraído do caju. O produto ficou conhecido internacionalmente, sendo premiado numa exposição em Bruxelas e na Exposição Internacional do Centenário da Independência, no Rio de Janeiro. Sendo um dos principais marcos do Varadouro. Fotografias da Fábrica de Vinho Tito Silva na década de 30.
  7. 7. De acordo com o mapa de situação, é proposto as principais pontualidades (estando situadas ao entorno da Fábrica de Vinho Tito Silva (lote a intervir), juntamente com os respectivos nomes das ruas ), sendo organizadas por uma legenda e orientada pelo norte e juntamente com a escala gráfica. 2.0 Inserção urbana 2.1 Mapa de Situação
  8. 8. Segundo o Mapa de uso e ocupação, nota-se um maior percentual de uso comercial e uma percentualidade de lotes sem uso, que se definem por construções que foram demolidas de forma natural ou estão para ser intervindas. 2.0 Inserção urbana 2.2 Mapa de uso e ocupação
  9. 9. No mapa de gabarito, é destacado as seguintes hierarquias de pavimentações, tendo predominância o térreo, aproximadamente ocupando 133 lotes de 190 lotes, ou seja, tem um percentual de 70% de ocupação de acordo com o mapa proposto (sem incluir áreas verdes ou praças). 2.0 Inserção urbana 2.3 Mapa de Gabarito
  10. 10. É proposto, segundo o mapa de gabarito lotes que podem ser cheios ( espaços já ocupados/ com edificações) ou vazios ( espaços que estão sem ocupação de alguma edificação com uso definido, ou são áreas verdes ou praças).Podendo assim, concluir que há predominância de espaços já ocupados, restando apenas 4 lotes vazios sendo os dois superiores, áreas verdes e os dois inferiores, praças. 2.0 Inserção urbana 2.4 Mapa de Cheios e Vazios
  11. 11. A fábrica, construída na cidade de João Pessoa, no estado da Paraíba, foi edificada no Centro da capital. A edificação possui duas fachadas, uma na famosa Rua da Areia e a segunda na Rua Padre Antônio Pereira. Nesse período, o crescimento da cidade de João pessoa se dava às margens do Rio Sanhauá, sendo também a região comercial mais importante da capital, já que nela se situava a porta de entrada do estado, o Porto do Capim ( O Porto do Varadouro, popularmente conhecido como Porto do Capim, era o porto principal da cidade de João Pessoa quando o Porto de Cabedelo ainda não existia, fazendo a conexão do interior com os outros Estados). Era um lugar de encontro de marinheiros, troca de mercadorias e informações e onde se celebravam os eventos sociais da cidade. 2.0 Inserção urbana 2.5 Relação do edifício com o entorno Fotografia do Porto de Capim em 1960, Fotografia do bairro Varadouro ao amanhecer Varadouro Fotografia do bairro Varadouro ao entardecer
  12. 12. 3.0 Características do edifício Sua área total é 1159 m, com os compimentos frontal, lateral direita, lateral esquerda e fundo, podendo variar entre 10 a 76 cm ( como de exemplo as cotas verticais. conluindo que sua topografia se define com aclives com um desnivel, variando entre de 3 a 8%, como também suas principais vias de acesso que podem variar de 3% a 30%. 3.1 Medidas Gerais do lote
  13. 13. 3.0 Características do edifício 3.2 Plátista do edifício A edificação será caracterizada por sua fachadas, se constituindo por três blocos independentes de formato retangular, com janelas quadradas e supostamente em formato de arco na sua parte superior, podendo assim concluir que seu estilo se define a arquitetura eclética.
  14. 14. 3.0 Características do edifício A edificação possui um pavimento térreo e um superior dispondo assim de um gabarito baixo e padrão que quase sempre se repetia nesta época. Devido a sua implantação no lote, a fabrica possui acesso de ambos os lados do lote. Na parte do térreo, a edificação é dividida em três partes, na primeira parte temos uma área de convívio para funcionários como refeitório, cantina e área livre. Na parte central, temos uma área operacional para embalagem de produtos, estoque de produtos manufaturados e áreas de tanques para reserva de líquidos. No Segundo acesso a edificação, temos uma diversificação de usos que são: umas área de recepção e degustação de produtos, além de outra área de cantina e uma área operacional destinada a fermentação dos produtos. PLANTA DO TÉRREO 3.3 Descrição dos ambientes
  15. 15. A fabrica de vinho possui apenas um pavimento superior, sendo sua área muito menor que a área do pavimento térreo. O pavimento, possui apenas área para deposito e um laboratório de analise. PLANTA PAVIMENTO SUPERIOR 3.0 Características do edifício
  16. 16. 4.0 Conformação dos espaços internos e do entorno Acima, um zoneamento esquemático de como funcionava a implantação da fabrica de vinho, a mesma dividida em três grandes áreas (administrativa, comum e operacional) mantinha uma distribuição heterogênea dos espaços e acesso de circulação vertical que interliga ao pavimento superior da edificação. Área Administrativa Áreas em comum Área Operacional Circulação Vertical ZONEAMENTO DO PAVIMENTO TÉRREO 4.1 Caracterização dos espaços internos
  17. 17. FLUXOGRAMA DO TÉRREO FLUXOGRAMA DO PAVIMENTO SUPERIOR 4.0 Conformação dos espaços internos e do entorno 4.2 Relação de uso e funcionamento dos espaços
  18. 18. 5.0 Mapeamento de Danos Patologias BOLOR Geralmente ocasionada por fatores naturais e por agentes orgânicos como microrganismos e bactérias. A presença desses agentes está relacionada a poluição do ar, umidade em seu interior, pouca incidência de sol sobre as áreas externas. A mesma foi diagnosticada em algumas áreas das fachadas. Foi diagnosticado a presença de crosta negra, camada escura formada por impurezas trazidas pelo vento, chuvas ou agentes xilófagos. Presente na parte inferior da fachada e na parte superior da mesma. CROSTA NEGRA GRAFITISMO Provocado pela ação humana, trata-se de camada de tinta sobre a superfície da alvenaria podendo ser ocasionado por atos de vandalismo ou alguma intervenção inadequada. 5.1 Principais patologias presentes na edificação Fotografia de Grafitismo ou popularmente conhecido como pichação Fotofrafia do Bolor causada por poluentes havendo pouca incidência de sol Fotografia de Crosta negra presentes na parte inferior da fachada
  19. 19. 5.0 Mapeamento de Danos Patologias TRINCAS EM ALVENARIAS DE FACHADAS Presença de trincas nas alvenarias, que podem ser ocasionada pelo encunhamento prematuro da alvenaria; deficiência do método de encunhamento; deformações por flexões de lajes e vigas que sustentam as paredes. AGENTES XILÓFAGOS Os principais agentes biológicos causadores da maioria dos danos e perdas em estruturas de madeira são os: insetos e fungos. As possíveis causas podem ser o clima e a umidade. Fotografias de Trincas com fungos e mofo Fotografia da esquadria sendo consumida por agentes xilófagos.
  20. 20. 6.0 Laudo técnico PERDAS Ocorre quando há perdas de material, deixando lacunas na alvenaria com a remoção dessa parte, podem ser originadas por choques ou ocorrer naturalmente. RESTAURAÇÃO COM MATERIAIS INADEQUADOS Reparo de restauração mal executado, pois pra se ter um reparo eficaz é necessário um conhecimento dos materiais constituintes da alvenaria, tipo de pedra, argamassa utilizada, sempre tentando ser o mais fiel possível a obra original. Toscano Moura (2019) descreve que a preparação da argamassa de reparo deve levar em consideração fatores como a cor original da peça a se reparar, sua textura, propriedades mecânicas e diz ainda que o principal fator a se levar em consideração é a escolha de materiais que minimizem os efeitos de retração. 6.1 Diagnóstico Fotografia de estrutura em deteriorização, localizada na fachada sul-sudeste Fotografia com a restauração de uma das estruturas incompletas e supostamente com material inadequdado
  21. 21. 6.0 Laudo técnico 6.2 Classificação da edificação A Fábrica de vinho Tito Silva, se classifica em um estado precário, com suas fachadas: frontal (norte- nordeste) e a fachada de Fundo (sul-sudeste), necessitando de uma intervenção para a revitalização das fachadas ( nas regiões , tanto em partes que estão deterioradas quanto nas alvenarias como: grades e a porta de rolo ( por conta das pichações/ gafitismo), janelas de madeira ( sendo deteriorada por agente xilófagos) Fotografia da fachada norte-nordeste Fotografia da fachada sul-sudeste
  22. 22. 7.0 Proposta arquitetônica Será proposto também a reativação e a remodelação interna da Fábrica de Vinho Tito Silva, porém, sem haver intervenção que retire sua originalidade ou características antigas, procurando sempre preservar sua estrutura, materiais utilizados na época do levantamento da sua edificação, sendo constituída também pela sua cor inicial. Já na remodelação, será pretendido criar um restaurante adaptado que se situa ao lado da recepção, obtendo uma área total de 62m² com bufê e um pequeno espaço para a degustação do Vinho extraída pelo caju, como também podendo haver mais opções de vinhos como o destilado, sem alcool, Licoroso, o branco e entre outras opções. Havendo em sua maoria com espaços abertos e adaptados ( sendo proposto um bufê de inox móvel,que irá dividir o espaço das mesas e cadeiras com a copa) ; Apenas havendo um setor intimo, o Lavabo acessivel com paredes de dry wall com fácil aplicação e retirada, para que não afete a estrutura da edificação ou mude sua essência. 7.1 Decisões projetuais Em relação as suas fachadas, pode-se propor uma revitalização. de forma que não altere suas características iniciais (exemplo: a cor de suas fachadas norte-nordeste e sul e sudeste, pretendendo manter a originalidade da cor :pequenos tons de amarelo, laranja e vermelho) como também preservando sua principal alvenaria, as janelas, pela qual apresentam um formato quandrado, procurando rebuscar o estilo barraco, juntamente apartir de suas cores externas.
  23. 23. 7.0 Proposta arquitetônica 7.2 Croqui e Zoneamento com setorização Croqui esquemático, pretendendo ilustrar como base as ideias iniciais de zoneamento
  24. 24. 8.0 Biblografia 1 - https://filipeia.joaopessoa.pb.gov.br 2 -https://www.unisantos.br/pos/revistapatrimonio/artigoscc89.html?cod=77 3- http://www.memoriajoaopessoa.com.br/acervopatrimonial/62.pdf 4-http://www.ipatrimonio.org/joao-pessoa-fabrica-de-vinho-tito- silva/#!/map=38329&loc=-7.113577853165829,-34.88713324069977,17 5- http://www.de.ufpb.br/~ronei/JoaoPessoa/capim.htm 8.1 Referências Bibliográficas

×