[ Aula 1 - Introdução ]Nesta página vamos conhecer um pouco melhor o instrumento, sua história, suas peças, esua principal...
ensaios,p e r g u n t e e t i r e d ú v i d a s c o m q u e m j á t o c a , o u s e j a ,corra atrás!!!Aplicação PráticaAg...
E=esquerda).Exercício 1Tempos 1 2 3 4Mãos D E D EExercício 2Tempos 1 2 3 4Mãos E D E DExercício 3Tempos 1 2 34Mãos D D E E...
etc).duração - é o maior ou menor tempo produzido pelo som. Na música a duração dosom érepresentada pelas Figuras de Notas...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

G

219 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

G

  1. 1. [ Aula 1 - Introdução ]Nesta página vamos conhecer um pouco melhor o instrumento, sua história, suas peças, esua principalferramenta. Vamos ela:A BATERIAÉ um instrumento de percussão, constituídos por várias peças (tambores e pratos)de timbres e tamanhosdiferentes, tocados por uma só pessoa.A palavra "bateria" refere -se a um conjunto deinstrumentos de percussão de uma orquestra (ou de uma escola de samba, por exemplo) tocados porvárias pessoas. Combase nisso, foi atribuído o mesmo nome ao conjunto de instrumento tocado por umasópessoa, a BATERIA.HISTÓRIAInspirada nos tambores africanos, a bateria surgiu com a invenção do pedal de bumbo e do tripé desustentaçãoda caixa, pois com isso tornou-se possível agrupar várias peças em um único instrumento. Issofoi nos EstadosU n i d o s , e m m e a d o s d e 1 9 0 0 . N a q u e l a é p o c a , u s a v a - s e b u m b o ,c a i x a , t o n - t o n e p r a t o . O c h i m b a l s ó f o i introduzido a bateria por volta de 1930.Naquelaépoca, a bateria tinha pouca posição de destaque, o máximo que podia fazer era marcar otempo!Essa concepção só foi mudada, graças a um baterista chamado Gene Krupa, queinovou a forma de se tocar bateria.PEÇAS DA BATERIAA bateria é um instrument o modular, podendo conter vários tambores e pratos, além deoutros acessórios(agogô, carrilhão, etc). Recomenda-se ao iniciante, uma bateria somente com aspeças básicas. Abaixo temosuma figura de uma bateria, com o respectivo nome de cada peça. A bateria ébasicamente composta por pratos (ataque, chimbal e condução) e por tambores (caixa, ton 1, ton 2,surdo ebumbo).Existem ainda outros tipos de pratos e tambores, mas geralmente se tratam de acessórios.AS BAQUETASSão aqueles dois "pauzinhos" que utilizam os para tocar bateria. Elas são as principaisferramentas dobaterista. Quando tocamos, as baquetas são como se fosse nossas própriasmãos, ou seja, ela será uma continuação dos braços.Existem vários tipos de baquetas,variando em seu tamanho, peso, espessur a. Cada tipo geralmente éindicado a umdeterminado estilo musical. Mas os tipos de baquetas também podem ser escolhidos,levandoem conta o gosto pessoal.Os dois tipos de baquetas mais utilizados são os modelos 5A e 5B.As baquetas modelo 5A são as mais utilizadas, não são nem pesadas nem leves. São muitos indicadosparainiciantes, e a estilos musicais não muito pesado (pop, rock, country, samba, reggae, etc).Já o modelo5B é um pouco mais pesado. São indicados para práticas de exercícios técnicos e a estilos demúsica umpouco mais pesada (hard-rock, heavy-metal, etc).As baquetas podem ter pontas de nylon ou ponta demadeira. As baquetas com ponta de nylon tem um somm a i s b r i l h a n t e , a g u d o " . J á abaquetas com ponto de madeira tem um som mais "macio,a v e l u d a d o " , principalmente quando tocamos nos pratos. A escolha é uma questão degosto, leva-se em conta também, o fato das baquetas com ponta de nylon durarem mais, além deconservar o instrumento.A propósito, se você ainda não tem um par de baquetas, já váprovidenciando um, mesmo que ainda não tenha bateria.Aula 2 - Manuseio das Baquetas ]Para melhor exemplificar, vamos dividir os dedos da mão em d u a s p a r t e s :uma delas é o que chamamos de “pinça” ( d e d o indicador e polegar), e a outra chamamos de “mola” (dedo médio,anular e mínimo).Veja nas figuras 1 e 2, a forma correta de segurar a baqueta. Noteq u eo p o l e g a r e o i n d i c a d o r ( p i n ç a ) e s t ã o n a m e s m a a l t u r a , pressionandorelaxadamente a baqueta, enquanto os outros dedos(mola) apóiam a baqueta como sefosse um único dedo. Observe também que a baqueta não sai da mão, ela vai somente até a linhad op u l s o , e f i c a a l i n h a d a c o m o a n t e b r a ç o ( c o m o s e f o s s e u m a continuação dele). Issovale para ambas as mãos.Figura 2 - Manuseiocorreto da baquetaSeguindo as instruções acima de “pinça e mola”, vamos incluir e observar agora, o posicionamento dasmãos, dos braços e dos antebraços, na hora deexecutar os toques.Veja as figuras 3 e 4. Repare queas unhas polegares estão uma de frentepara a outra (de la do), os braços estão relaxados epróximos ao corpo (não colados), os antebraços juntamente com as baquetas, formam um “triângulo”emiram o centro da caixa.Além disso, é muito importante manter uma boa postura, e tomar cuidadocomos “maus hábitos”, como apoi ar a mão na perna, movimentar o corpo, etc.Basicamente é issopessoal...D i c a : O b s e r v e o u t r o s b a t e r i s t a s t o c a n d o , v á a s h o w s , a s s i s t a
  2. 2. ensaios,p e r g u n t e e t i r e d ú v i d a s c o m q u e m j á t o c a , o u s e j a ,corra atrás!!!Aplicação PráticaAgora vamos tentar colocar em prática, o que vimos até aqui, executando alguns toques na “caixa dabateria,o u e m u m a b o r r a c h a d e e s t u d o * ” , v i s a n d o d e s e n v o l v e r a c o o r d e n a ç ã oe n t r e a s m ã o s , a q u a l i d a d e , e a desenvoltura dos movimentos.Antes de começar, não esqueçaobservar e de recordar alguns detalhes:•Postura;•Posicionamento de pinça e mola;•Braços relaxados e próximos ao corpo;•Execute os toques movimentando somente o pulso;•Deixe a “caixa” (ou qualquer outro objeto em que for tocar) um pouco abaixo da linha da cintura (veja afig.3);•Comece BEM DEVAGAR, aumentando a velocidade aos poucos, na medida em que fordominando osexercícios.Vamos aos exercíciosPara cada exercício abaixo, temos quatro tempos (1, 2, 3 e 4 ), que servirão comoreferência, e devem ser contados com cadência e em voz alta, REPETIDAMENTE (dica:siga a cadência dos segundos do relógio). Epara cada tempo, devemos executar um toquena caixa*, utilizando a baqueta correspondente ( D=direita ou
  3. 3. E=esquerda).Exercício 1Tempos 1 2 3 4Mãos D E D EExercício 2Tempos 1 2 3 4Mãos E D E DExercício 3Tempos 1 2 34Mãos D D E EExercício 4Tempos 1 2 3 4Mãos E E D D* Caso não possua “caixa”, nem “borracha de estudo”, pratique em qualquer superfície plana (ex.: umacadeiracom uma toalha de rosto em cima).[ Aula 3 - Teoria Básica ]TEORIA MUSICALEm toda prática existe uma teoria com o intuito de facilitar o aprendizado; namúsica nãoé diferente, por isso julgo indispensável, o estudo básico da teoria musical, para que o seudesenvolvimento tenha uma base sólida, pois facilitará aassimilação e a aplicação dos elementostécnicos e práticos que veremos nas próximas aulas.A MÚSICAÉ uma arte universal. É a mais sublime criação humana. É a arte de nos expressarmos atravésd o ssons. Os elementos que compõe a música são: Som, Ritmo,Melodia e Harmonia.SOM- é tudo aquilo que impressiona o ouvido. É o resultado da vibração dosc o r p o s . E a qualidade pela qual distinguimos os sons são: altura, duração, intensidade e timbre.altura -são os sons médios, graves e agudos. São representados pelas notas musicais: dó,ré, mi, fá, sol, lá e si. Nocaso da bateria, não utilizamos notas musicais, e sim, peças da bateria(chimbal, caixa, bumbo, pratos,
  4. 4. etc).duração - é o maior ou menor tempo produzido pelo som. Na música a duração dosom érepresentada pelas Figuras de Notas (veremos abaixo).intensidade - refere-se ao volume dosom. Na música são representados pelos sinais de d i n â m i c a . V e j a a l g u n s d e l e s :pp (muito fraco); p (fraco); mp (meio fraco); f (forte);f f (fortíssimo).timbre - é a característica própria de cada instrumento. É pelo timbre quedistinguimos umsom da mesma altura, duração e intensidade, produzidos porinstrumentos ou vozes diferentes (se uma música está sendo executada por um piano, ou por umviolino, ou por uma flauta, etc).RITMO- conhecido também como CADÊNCIA. O ritmo está presente em todas as coisas(nabatida do coração; nos ponteiros do relógio; numa marcha militar; no sistema solar;etc...),portanto ele é uma lei universal. O ritmo é completamente independente da música, mas amúsicanão dispensa o ritmo. Para ficar mais clara a assimilação sobre o ritmo, observe, por exemplo,o “ponteiro de segundos” de um relógio, nele temos um movimento contínuo e uniforme.A cadasegundo, o ponteiro se desloca precisamente. Agora tente acompanha -lo batendopalmas. Aofazer isso, você estará acompanhando o RITMO do relógio. O ritmo pode serlento, médio ourápido. Denominamos a velocidade do ritmo de “ANDAMENTO”. Porexemplo: o andamento dos “segundos do relógio” tem uma velocidade de 60 batidas porminuto (bpm), essa velocidade é considerada lenta. O andamento pode ter 80, 120, 200 bpm!!! Paramarcarmos esses andamentoscom precisão, utilizamos um aparelho chamado de “metrônomo”.

×