SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Literatura brasileira no século 
XXI: a poesia visual 
Jaqueline Salles 
MARECHAL CÂNDIDO RONDON, 
2014
A Literatura Brasileira sofreu uma série de 
mudanças ao longo dos anos. Desde as primeiras 
manifestações contra o modelo de literatura 
“cópia”de Portugal até a independência dos dias 
de hoje. 
“A literatura, como as demais atividades do espírito, impõe-se, de tempos em 
tempos, um balanço. A retrospectiva varia segundo o critério: ora se opera um 
crivo geracional, ora se opta pelo recorte das décadas, ora prefere-se a divisão 
mais tradicional em correntes ou estilos literários.” HOLLANDA, Bernardo.
Dentre de muitas outras novidades trazidas pela 
literatura em meados do século XXI, a Poesia 
concreta é uma delas. 
 A Poesia concreta já seria uma “ramificação” da 
ideia de poesia visual da época.
 A poesia concreta surgiu com o Concretismo, fase literária voltada para a 
valorização e incorporação dos aspectos geométricos à arte (música, poesia, 
artes pláticas). 
Em 1952, a poesia concreta tem seu marco inicial através da publicação da 
revista “Noigrandes”, fundada por três poetas: Décio Pignatari, Haroldo de 
Campos e Augusto de Campos. 
Contudo, é em 1956, com a Exposição Nacional de Arte Concreta em São Paulo, 
que a poesia concreta se consolida como uma nova e inusitada vertente da 
literatura brasileira. 
O poema do Concretismo tem como característica primordial o uso das 
disponibilidades gráficas que as palavras possuem sem preocupações com a 
estética tradicional de começo, meio e fim e, por este motivo, é chamado de 
poema-objeto.
Por exemplo:
Sabendo disso… 
Podemos dizer que a ousadia do experimentalismo poético não estacionou no Concretismo. 
As experiências prosseguiram e continuam até os nossos dias com resultados surpreendentes. A 
partir da década de 70, no Brasil, os poetas visuais surgem timidamente, promovendo as suas 
primeiras exposições e publicações alternativas. 
Com o passar do tempo, inúmeros adeptos se integram ao movimento do poema visual e 
cada um manifesta a sua arte utilizando-se dos recursos mais variados: xerografia, computador, 
holografia, vídeo, cartazes impressos, laser, cartões postais, selos, etc. 
A temática explorada, em sentido universal, é o homem e seu estar-no-mundo. Em caráter 
particular, o Brasil, exploram-se a incompetência da política nacional, a miséria, a dívida externa, 
a ilusão da loteria, o dilema humano da energia atômica, o conflito psicológico do ser e os temas 
eróticos. 
O poema visual caracteriza-se por valorizar a imagem como entidade universal. A palavra, no 
caso, é um apêndice muito bem explorado e colocado, compondo um todo harmônico capaz de 
permitir ao "vleitor" - aquele que lê e vê ou só vê - uma infinidade de leituras, de acordo com o 
nível do seu conhecimento, experiência, cultura e escolaridade.
 Na prática da poesia visual há que se levar em consideração o 
relacionamento interdisciplinar com as outras formas de 
articulação da palavra e da imagem. Melo e Castro refere uma 
“rede intersemiótica [entre a produção verbal e não-verbal], como 
se de uma intrincada rede de traduções e equivalências se 
tratasse.”
Um esquema sintetiza esta ideia: 
ORALIDADE 
Valores: sonoros , 
temporarais e 
rítmicos 
Música 
VISUALIDADE 
Valores: 
Visuais, espaciais 
Artes Plásticas
 A poesia visual “diz” muito por meio das imagens, 
mostrando que é possível “sentir” o que vemos, e como 
não podia deixar se ser, como tudo na literatura, fará 
muito mais sentido se se encaixar em algo que 
vivênciamos, que signifique algo para nós…
Exemplos:
 A poesia visual está na arte de 
transformar as imagens em palavras
Qual a diferença entre poesia visual e poesia 
concreta? 
A diferença é grande. Talvez o caráter imagético da poesia concreta seja 
o mote dessa confusão. A poesia visual é a mensagem passada pela 
imagem, quase sempre sem o recurso da palavra.
ATENÇÃO! 
 A Poesia Concreta é também chamada de “Poesia Visual”, 
segundo Philadelpho Menezes (1998) chega a ser 
discordante, delimitar onde começa e termina uma e outra, 
mas é importante ressaltar que a Poesia Concreta é uma das 
ramificações da Poesia Visual, e nasceu num dado período 
histórico, como visto anteriormente na década de 50 e possui 
características bem definidas. 
 Já o termo “Poesia Visual” se refere a toda espécie de poesia 
ou texto que utilize elementos gráficos para se somar às 
palavras, em qualquer época da história em qualquer lugar. 
Ou seja, a grosso modo, pode se dizer que toda Poesia 
Concreta é poesia visual mas nem toda poesia visual é uma 
Poesia Concreta.
 Tanto em uma quanto em outra, a imagem 
prevalece. O objetivo é transmitir uma 
mensagem por meio de uma imagem, seja 
ela constituída de palavras ou não.
REFERÊNCIAS 
A POESIA CONCRETA. Mundo da Educação; Disponível em: 
<http://www.mundoeducacao.com/literatura/poesia-concreta.htm> 
Acesso em: 18 nov. 2014 
POESIA CONCRETA. Carpe Diem Blog; Disponível em: 
<http://meucarpediem.blogspot.com.br/2014/10/poesia-concreta.html> 
Acesso em: 18 nov. 2014 
PONTES, Hugo. O Poema Visual. Poema visual. Disponível em: 
 <http://www.poemavisual.com.br/html/info.php> 
 Acesso em: 19 nov. 2014
 POESIA VISUAL. Tcc – blogspot; Disponível em: http://tcc-poesiavisual. 
blogspot.com.br/2011/09/poesia-visual.html> 
 Acesso em: 19 nov. 2014 
 MIRANDA, Antonio. Poesia Virtual de Paulo Leminski. Disponível em: 
<http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_visual/paulo_leminski.html> 
 Acesso em 18 nov. 2014 
 BACELAR, Jorge. Poesia Visual. BOCC- UBI. Disponível em: 
<http://www.bocc.ubi.pt/pag/bacelar-jorge-poesia-visual.pdf> 
Acesso em: 19 nov. 2014 
MIRANDA, Antonio. Poesia Visual Brasileira. Ensaios. Disponível em: 
<http://www.antoniomiranda.com.br/ensaios/poesia_visual_brasileira.html> 
Acesso em: 19 nov. 2014
OBRIGADA 
!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (16)

Jorge de lima
Jorge de limaJorge de lima
Jorge de lima
 
Instituto federal de educação, ciência e tecnologia
Instituto federal de educação, ciência e tecnologiaInstituto federal de educação, ciência e tecnologia
Instituto federal de educação, ciência e tecnologia
 
O que é Literatura ?
O que é Literatura ?O que é Literatura ?
O que é Literatura ?
 
Chacal e a poesia marginal
Chacal e a poesia marginalChacal e a poesia marginal
Chacal e a poesia marginal
 
Sophia de mello breyner andresen 1
Sophia de mello breyner andresen 1Sophia de mello breyner andresen 1
Sophia de mello breyner andresen 1
 
Simbolismo e Baudelaire
Simbolismo e BaudelaireSimbolismo e Baudelaire
Simbolismo e Baudelaire
 
Simbolismo em portugal
Simbolismo em portugalSimbolismo em portugal
Simbolismo em portugal
 
Simbolismo Slides
Simbolismo SlidesSimbolismo Slides
Simbolismo Slides
 
O Modernismo e os seus -ismos
O Modernismo e os seus -ismosO Modernismo e os seus -ismos
O Modernismo e os seus -ismos
 
Simbolismo x empirismo
Simbolismo x empirismoSimbolismo x empirismo
Simbolismo x empirismo
 
Murilo mendes: Biografia
Murilo mendes: Biografia Murilo mendes: Biografia
Murilo mendes: Biografia
 
Literatura A Arte da Palavra
Literatura   A Arte da PalavraLiteratura   A Arte da Palavra
Literatura A Arte da Palavra
 
Murilo Mendes
Murilo MendesMurilo Mendes
Murilo Mendes
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Murilo Mendes
Murilo MendesMurilo Mendes
Murilo Mendes
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
 

Destaque

Aula de literatura
Aula de literaturaAula de literatura
Aula de literaturaNéia Capitu
 
Aula de literatura brasileira
Aula de literatura brasileiraAula de literatura brasileira
Aula de literatura brasileiraNéia Capitu
 
Plano de aula litertura
Plano de aula literturaPlano de aula litertura
Plano de aula literturaNéia Capitu
 
Análise de literatura de dois gumes
Análise de literatura de dois gumesAnálise de literatura de dois gumes
Análise de literatura de dois gumesma.no.el.ne.ves
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás CubasMemórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás CubasRita Ribeiro
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilAna Karina Silva
 
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeoTrovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeoAna Jéssy Reis
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOIFMA
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASAmelia Barros
 
Planos de aula 2012 - pdf
Planos de aula   2012 - pdfPlanos de aula   2012 - pdf
Planos de aula 2012 - pdfqcavalcante
 

Destaque (17)

Aula de literatura
Aula de literaturaAula de literatura
Aula de literatura
 
Aula de literatura brasileira
Aula de literatura brasileiraAula de literatura brasileira
Aula de literatura brasileira
 
Plano de aula litertura
Plano de aula literturaPlano de aula litertura
Plano de aula litertura
 
Análise de literatura de dois gumes
Análise de literatura de dois gumesAnálise de literatura de dois gumes
Análise de literatura de dois gumes
 
O romantismo na literatura brasileira
O romantismo na literatura brasileiraO romantismo na literatura brasileira
O romantismo na literatura brasileira
 
Modelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aulaModelo de-plano-de-aula
Modelo de-plano-de-aula
 
Memórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás CubasMemórias Póstumas de Brás Cubas
Memórias Póstumas de Brás Cubas
 
Literatura Brasileira Academ X Moder
Literatura Brasileira Academ X ModerLiteratura Brasileira Academ X Moder
Literatura Brasileira Academ X Moder
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Poesia romântica no Brasil
Poesia romântica no BrasilPoesia romântica no Brasil
Poesia romântica no Brasil
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeoTrovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
Trovadorismo - plano de aula - texto, audio e vídeo
 
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRiosCronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
Cronologia E CaracteríSticas Dos Movimentos LiteráRios
 
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIOPLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
PLANO DIDÁTICO ANUAL LITERATURA 1º ANO DO ENSINO MÉDIO
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Planos de aula 2012 - pdf
Planos de aula   2012 - pdfPlanos de aula   2012 - pdf
Planos de aula 2012 - pdf
 

Semelhante a Literatura brasileira no século XXI

introdução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaintrodução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaelenir duarte dias
 
Murilo mendes
Murilo mendes Murilo mendes
Murilo mendes mbl2012
 
Apresentação final poesia
Apresentação final poesiaApresentação final poesia
Apresentação final poesiaAmanda Oliveira
 
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o videoRojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o videoAcervo_DAC
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteFundação Casa
 
Exposição con(s)equência
Exposição con(s)equênciaExposição con(s)equência
Exposição con(s)equênciaClaudio Silva
 
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTELiteratura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTECarolineFrancielle
 
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...Allan Diego Souza
 
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp0112k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01William Silva
 
O ético e o estético no curta metragem 10 centavos
O ético e o estético no curta metragem 10 centavosO ético e o estético no curta metragem 10 centavos
O ético e o estético no curta metragem 10 centavosDouradoalcantara
 
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752Elck Marra
 
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdfMARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdfDiogoRibeiro981045
 
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastArte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastPéricles Penuel
 
Aula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxAula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxNeomare
 
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia ConcretaConsiderações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia ConcretaIcaro Amorim
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismowhybells
 
Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura prontoModulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura prontostuff5678
 

Semelhante a Literatura brasileira no século XXI (20)

introdução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaintrodução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literatura
 
Murilo mendes
Murilo mendes Murilo mendes
Murilo mendes
 
Apresentação final poesia
Apresentação final poesiaApresentação final poesia
Apresentação final poesia
 
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o videoRojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
 
Celso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arteCelso favaretto o que e arte
Celso favaretto o que e arte
 
Exposição con(s)equência
Exposição con(s)equênciaExposição con(s)equência
Exposição con(s)equência
 
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTELiteratura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
Literatura é arte/O QUE É LITERATURA E ARTE
 
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
O TREM DE FERRO QUE PASSA A ORALIDADE: uma análise que aborda a estética oral...
 
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp0112k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
12k modernismoeosseus-ismos-120103163250-phpapp01
 
O ético e o estético no curta metragem 10 centavos
O ético e o estético no curta metragem 10 centavosO ético e o estético no curta metragem 10 centavos
O ético e o estético no curta metragem 10 centavos
 
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
Literatura Brasileira Contemporaneidade4752
 
Literatura Brasileira Contemporaneidade
Literatura Brasileira ContemporaneidadeLiteratura Brasileira Contemporaneidade
Literatura Brasileira Contemporaneidade
 
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdfMARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
 
Cintia sousa
Cintia sousaCintia sousa
Cintia sousa
 
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mastArte literária 2012 nota de aula 1 mast
Arte literária 2012 nota de aula 1 mast
 
Noções básicas de literatura e música
Noções básicas de literatura e músicaNoções básicas de literatura e música
Noções básicas de literatura e música
 
Aula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptxAula da disciplina de L.pptx
Aula da disciplina de L.pptx
 
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia ConcretaConsiderações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
 
Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura prontoModulo 1 conhecendo a literatura pronto
Modulo 1 conhecendo a literatura pronto
 

Último

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 

Último (20)

A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 

Literatura brasileira no século XXI

  • 1. Literatura brasileira no século XXI: a poesia visual Jaqueline Salles MARECHAL CÂNDIDO RONDON, 2014
  • 2. A Literatura Brasileira sofreu uma série de mudanças ao longo dos anos. Desde as primeiras manifestações contra o modelo de literatura “cópia”de Portugal até a independência dos dias de hoje. “A literatura, como as demais atividades do espírito, impõe-se, de tempos em tempos, um balanço. A retrospectiva varia segundo o critério: ora se opera um crivo geracional, ora se opta pelo recorte das décadas, ora prefere-se a divisão mais tradicional em correntes ou estilos literários.” HOLLANDA, Bernardo.
  • 3. Dentre de muitas outras novidades trazidas pela literatura em meados do século XXI, a Poesia concreta é uma delas.  A Poesia concreta já seria uma “ramificação” da ideia de poesia visual da época.
  • 4.  A poesia concreta surgiu com o Concretismo, fase literária voltada para a valorização e incorporação dos aspectos geométricos à arte (música, poesia, artes pláticas). Em 1952, a poesia concreta tem seu marco inicial através da publicação da revista “Noigrandes”, fundada por três poetas: Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Augusto de Campos. Contudo, é em 1956, com a Exposição Nacional de Arte Concreta em São Paulo, que a poesia concreta se consolida como uma nova e inusitada vertente da literatura brasileira. O poema do Concretismo tem como característica primordial o uso das disponibilidades gráficas que as palavras possuem sem preocupações com a estética tradicional de começo, meio e fim e, por este motivo, é chamado de poema-objeto.
  • 6. Sabendo disso… Podemos dizer que a ousadia do experimentalismo poético não estacionou no Concretismo. As experiências prosseguiram e continuam até os nossos dias com resultados surpreendentes. A partir da década de 70, no Brasil, os poetas visuais surgem timidamente, promovendo as suas primeiras exposições e publicações alternativas. Com o passar do tempo, inúmeros adeptos se integram ao movimento do poema visual e cada um manifesta a sua arte utilizando-se dos recursos mais variados: xerografia, computador, holografia, vídeo, cartazes impressos, laser, cartões postais, selos, etc. A temática explorada, em sentido universal, é o homem e seu estar-no-mundo. Em caráter particular, o Brasil, exploram-se a incompetência da política nacional, a miséria, a dívida externa, a ilusão da loteria, o dilema humano da energia atômica, o conflito psicológico do ser e os temas eróticos. O poema visual caracteriza-se por valorizar a imagem como entidade universal. A palavra, no caso, é um apêndice muito bem explorado e colocado, compondo um todo harmônico capaz de permitir ao "vleitor" - aquele que lê e vê ou só vê - uma infinidade de leituras, de acordo com o nível do seu conhecimento, experiência, cultura e escolaridade.
  • 7.  Na prática da poesia visual há que se levar em consideração o relacionamento interdisciplinar com as outras formas de articulação da palavra e da imagem. Melo e Castro refere uma “rede intersemiótica [entre a produção verbal e não-verbal], como se de uma intrincada rede de traduções e equivalências se tratasse.”
  • 8. Um esquema sintetiza esta ideia: ORALIDADE Valores: sonoros , temporarais e rítmicos Música VISUALIDADE Valores: Visuais, espaciais Artes Plásticas
  • 9.  A poesia visual “diz” muito por meio das imagens, mostrando que é possível “sentir” o que vemos, e como não podia deixar se ser, como tudo na literatura, fará muito mais sentido se se encaixar em algo que vivênciamos, que signifique algo para nós…
  • 11.
  • 12.
  • 13.  A poesia visual está na arte de transformar as imagens em palavras
  • 14. Qual a diferença entre poesia visual e poesia concreta? A diferença é grande. Talvez o caráter imagético da poesia concreta seja o mote dessa confusão. A poesia visual é a mensagem passada pela imagem, quase sempre sem o recurso da palavra.
  • 15. ATENÇÃO!  A Poesia Concreta é também chamada de “Poesia Visual”, segundo Philadelpho Menezes (1998) chega a ser discordante, delimitar onde começa e termina uma e outra, mas é importante ressaltar que a Poesia Concreta é uma das ramificações da Poesia Visual, e nasceu num dado período histórico, como visto anteriormente na década de 50 e possui características bem definidas.  Já o termo “Poesia Visual” se refere a toda espécie de poesia ou texto que utilize elementos gráficos para se somar às palavras, em qualquer época da história em qualquer lugar. Ou seja, a grosso modo, pode se dizer que toda Poesia Concreta é poesia visual mas nem toda poesia visual é uma Poesia Concreta.
  • 16.  Tanto em uma quanto em outra, a imagem prevalece. O objetivo é transmitir uma mensagem por meio de uma imagem, seja ela constituída de palavras ou não.
  • 17. REFERÊNCIAS A POESIA CONCRETA. Mundo da Educação; Disponível em: <http://www.mundoeducacao.com/literatura/poesia-concreta.htm> Acesso em: 18 nov. 2014 POESIA CONCRETA. Carpe Diem Blog; Disponível em: <http://meucarpediem.blogspot.com.br/2014/10/poesia-concreta.html> Acesso em: 18 nov. 2014 PONTES, Hugo. O Poema Visual. Poema visual. Disponível em:  <http://www.poemavisual.com.br/html/info.php>  Acesso em: 19 nov. 2014
  • 18.  POESIA VISUAL. Tcc – blogspot; Disponível em: http://tcc-poesiavisual. blogspot.com.br/2011/09/poesia-visual.html>  Acesso em: 19 nov. 2014  MIRANDA, Antonio. Poesia Virtual de Paulo Leminski. Disponível em: <http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_visual/paulo_leminski.html>  Acesso em 18 nov. 2014  BACELAR, Jorge. Poesia Visual. BOCC- UBI. Disponível em: <http://www.bocc.ubi.pt/pag/bacelar-jorge-poesia-visual.pdf> Acesso em: 19 nov. 2014 MIRANDA, Antonio. Poesia Visual Brasileira. Ensaios. Disponível em: <http://www.antoniomiranda.com.br/ensaios/poesia_visual_brasileira.html> Acesso em: 19 nov. 2014