SafeMed – O Blog de Segurança e Saúde no Trabalho 1
Influência da QAI na Síndrome do Edifício Doente
O nível de poluição d...
SafeMed – O Blog de Segurança e Saúde no Trabalho 2
Influência da QAI na Síndrome do Edifício Doente
Alguns edifícios são ...
SafeMed – O Blog de Segurança e Saúde no Trabalho
Inês Heleno
Inês Heleno Vicente, 25 anos, natural de Loures. Licenciada ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

[Ines Heleno] Influência da QAI na síndrome do edifício doente

248 visualizações

Publicada em

O nível de poluição do ar interior pode ser superior ao detectado no ar exterior. Facto este relevante quando os trabalhadores exercem a sua jornada de trabalho no interior de edifícios.

Publicada em: Saúde e medicina
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

[Ines Heleno] Influência da QAI na síndrome do edifício doente

  1. 1. SafeMed – O Blog de Segurança e Saúde no Trabalho 1 Influência da QAI na Síndrome do Edifício Doente O nível de poluição do ar interior pode ser superior ao detectado no ar exterior. Facto este relevante quando os trabalhadores exercem a sua jornada de trabalho no interior de edifícios. A Qualidade do Ar Interior (QAI) considera-se aceitável quando não são detectados quaisquer contaminantes conhecidos em concentrações acima dos valores admissíveis e onde pelo menos 80% dos ocupantes não expressam qualquer descontentamento ou sintoma. São considerados poluentes do ar interior: • Gases (monóxido de carbono; dióxido de carbono; ozono; formaldeído; compostos orgânicos voláteis (COV); radão); • Partículas; • Microorganismos (bactérias; fungos; toxinas). A QAI é afectada por diferentes fontes de poluição que se encontram relacionados com os ocupantes, as actividades desenvolvidas, mas também com os materiais de construção utilizados, os equipamentos, mobiliários, sistemas de aquecimento, ventilação e ar condicionado.
  2. 2. SafeMed – O Blog de Segurança e Saúde no Trabalho 2 Influência da QAI na Síndrome do Edifício Doente Alguns edifícios são considerados “doentes”, devido à baixa qualidade do ar nos diversos compartimentos, e os seus ocupantes referem um conjunto de sintomas de desconforto nomeadamente: letargia, cefaleias, cansaço, irritação do nariz e garganta e falta de concentração. Estamos, então, perante um dos problemas de QAI mais mediático, a Síndrome dos Edifícios Doentes (SED).[1] Segundo Luis Conceição Silva, em “Manual de Segurança e Saúde do Trabalho”, o Síndrome do Edifício Doente (S.E.D.) é “… a designação dada a um conjunto de sintomas evidenciados por pessoas que trabalham em locais com ar condicionado…”. A ventilação destes locais é inadequada quando estamos perante uma deficiente renovação de ar fresco, quer seja devido à insuficiência do mesmo quer seja pela má qualidade, ou quando a distribuição do ar fresco não é uniforme. Estudos demonstram que uma taxa de ventilação mais elevada diminui os índices de prevalência dos sintomas do S.E.D.[2]
  3. 3. SafeMed – O Blog de Segurança e Saúde no Trabalho Inês Heleno Inês Heleno Vicente, 25 anos, natural de Loures. Licenciada em Saúde Ambiental pela Escola Superior de Tecnologia da Saúde em Lisboa, uma escolha que se deveu à sua ligação como ambiente, uma temática que a cativa. Após 3 anos de estudo, 2 estágios curriculares e um projecto de investigação de onde resultou um artigo científico, iniciou a busca no mercado de trabalho. Actualmente desempenha funções numa empresa prestadora de serviços externos, no âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho, Segurança Alimentar e Segurança em Obra. A sintomatologia verificada está também dependente da susceptibilidade individual década ocupante mas, ainda assim, apresenta-se em 5 grupos: • Manifestações nasais (obstrução); • Manifestações oculares (secura e irritação); • Manifestações da orofaringe (secura e irritação da garganta); • Manifestações cutâneas (secura, irritação e erupção); • Manifestações gerais (dor de cabeça e fadiga). A avaliação da situação depende de diferentes análises, focadas no públi-alvo e nos equipamentos. Devem ser avaliadas disfunções técnicas e efectuadas manutenções periódicas e, paralelamente, avaliar a QAI regularmente, identificando os diferentes poluentes, propondo medidas de acordo com os seus valores limite. Junto dos ocupantes, devem ser aplicados questionados relativamente aos postos de trabalho e sintomatologia, sendo que os trabalhadores devem frequentar as consultas de medicina no trabalho, pra identificação de sintomas associados. A limpeza dos filtros deve ser complementada com a verificação dos pontos de entrada de ar fresco, de modo a garantir que estes se mantenham afastados de fontes poluidoras.É essencial a sensibilização dos ocupantes para a problemática da QAI, visando a alteração do comportamento dos mesmos perante este factor. Referências: [1] Kosa KH, Indoor air quality: sampling methodologies; 2002, Lewis Publishers, CRC Press LLC [2] Fisk WJ, Mirer AG, Mendell MJ, Quantitative relationship of sick building syndrome symptoms with ventilation rates. Indoor Air Journal. 2009, V19. http://blog.safemed.pt/influencia-da-qai-na-sindrome-do-edificio-doente/ Influência da QAI na Síndrome do Edifício Doente

×