SlideShare uma empresa Scribd logo

IAE Açores

Serviço Regional de Estatística dos Açores(SREA)
Serviço Regional de Estatística dos Açores(SREA)
Serviço Regional de Estatística dos Açores(SREA)Serviço Regional de Estatística dos Açores(SREA)

SPEE (22.5.2015) e GTDEM (17.6.2015)

IAE Açores

1 de 22
1
IAE - Açores
Isabel Cristina Monjardino
isabel.cristina @ine.pt
Lisboa, 17 de Junho de 2015
2
1.Enquadramento
2.Aspectos Metodológicos
3.Resultados
4.Considerações Finais
Lisboa, 17 de Junho de 2015
3
1.Enquadramento
Como surge o IAE- Açores?
Iniciativa do SREA
Contactos com o BdP e o INE
Porquê?
Inexistência de um indicador de síntese de acompanhamento da
economia regional no curto-prazo.
Para quê?
Dotar os potenciais utilizadores regionais de uma nova ferramenta
de análise e planeamento económico.
1.Enquadramento
2.Aspectos Metodológicos
3.Resultados
4.Considerações Finais
4
Questão de base: acompanhamento da evolução da economia no curto
prazo e identificação dos ciclos económicos e dos pontos de viragem
da economia.
Conceito de ciclo económico – flutuações recorrentes da actividade
económica agregada, que se traduzem em movimentos generalizados
de: recessão, contração, recuperação, expansão e, novamente
recessão. A sua duração varia entre 1 a 12 anos.
Métodos de medição e acompanhamento dos ciclos:
● de tipo estatístico (metodologias de decomposição ciclo-tendência,
modelização ex: ARIMA, etc.)
● de tipo estatístico-económico (nos quais se inclui a abordagem dos
indicadores)
1.Enquadramento
2.Aspectos Metodológicos
3.Resultados
4.Considerações Finais
5
Breve historial da abordagem dos indicadores
Arthur Burns e Wesley Mitchel (1938) – primeiro estudo sobre a
utilização de indicadores no seguimento da conjuntura
económica
Geoffrey Moore (1950) e Julius Shiskin (1961)– desenvolvimento
dos primeiros indicadores compósitos
1968 – os EUA publicam, pela 1ª vez, índices compostos de
indicadores cíclicos
1987 – OCDE - Composite Leading Indicator (CLI)
1997 - Comissão Europeia - Economic Sentiment Indicator (ESIN)
2000- Comissão Europeia – Business Climate Indicator (BCI)
1.Enquadramento
2.Aspectos Metodológicos
3.Resultados
4.Considerações Finais
6
1.Enquadramento
2.Aspectos Metodológicos
3.Resultados
4.Considerações Finais
Em Portugal:
BdP
Indicador Coincidente de Actividade Económica (Dias,1993)
Novo Indicador Coincidente de Actividade Económica (Azevedo,
Koopman e Rua, 2003)
INE
Indicador de Actividade Económica
Indicador de Clima Económico

Recomendados

COPOM - Banco Central do Brasil
COPOM - Banco Central do BrasilCOPOM - Banco Central do Brasil
COPOM - Banco Central do BrasilFábio Fumio Wada
 
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueO plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueUniversidade Pedagogica
 
Relatório de Inflação de Março de 2015
Relatório de Inflação de Março de 2015Relatório de Inflação de Março de 2015
Relatório de Inflação de Março de 2015DenizecomZ
 
O plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueO plano de contas e sua utilidade em moçambique
O plano de contas e sua utilidade em moçambiqueUniversidade Pedagogica
 
Relatório de inflação do banco central março de 2013
Relatório de inflação do banco central   março de 2013Relatório de inflação do banco central   março de 2013
Relatório de inflação do banco central março de 2013José Ripardo
 
400 relatório da receita
400 relatório da receita400 relatório da receita
400 relatório da receitaWilliam Jordão
 

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a IAE Açores

14 relatorio-gerencial
14 relatorio-gerencial14 relatorio-gerencial
14 relatorio-gerencialredeminastv
 
Manual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoria
Manual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoriaManual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoria
Manual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoriazeramento contabil
 
Manual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoria
Manual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoriaManual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoria
Manual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoriarazonetecontabil
 
Relatórioatividades2012 CJPII
Relatórioatividades2012 CJPIIRelatórioatividades2012 CJPII
Relatórioatividades2012 CJPIIcjpii.fatima
 
Conjuntura comvarejistaset2011
Conjuntura comvarejistaset2011Conjuntura comvarejistaset2011
Conjuntura comvarejistaset2011idesp
 
Relatório Mensal de Economia da AEP -
Relatório Mensal de Economia da AEP - Relatório Mensal de Economia da AEP -
Relatório Mensal de Economia da AEP - Jose Trigo Reto
 
15 relatorio-gerencial
15 relatorio-gerencial15 relatorio-gerencial
15 relatorio-gerencialredeminastv
 
Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013
Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013
Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013Portugalidade, Cascais
 
Indicadores comuns comunitários instruções plano de contigência
Indicadores comuns comunitários instruções plano de contigênciaIndicadores comuns comunitários instruções plano de contigência
Indicadores comuns comunitários instruções plano de contigênciaÂngelo Batista
 
IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...
IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...
IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...Ricardo Rik
 
Importância do teorema fundamental do cálculo na contabilidade
Importância do teorema fundamental do cálculo na contabilidadeImportância do teorema fundamental do cálculo na contabilidade
Importância do teorema fundamental do cálculo na contabilidadeUniversidade Federal Fluminense
 
Organização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfOrganização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfAmélia Martins
 
TÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLAS
TÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLASTÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLAS
TÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLASVincenzo Patruno
 
16 relatorio-gerencial
16 relatorio-gerencial16 relatorio-gerencial
16 relatorio-gerencialredeminastv
 
Monitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal Estrutural
Monitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal EstruturalMonitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal Estrutural
Monitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal EstruturalMinistério da Economia
 
Mercado trabalhomarco2012
Mercado trabalhomarco2012Mercado trabalhomarco2012
Mercado trabalhomarco2012idesp
 
Apostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizaçõesApostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizaçõesArnoldo Schmidt Neto
 

Semelhante a IAE Açores (20)

Auditoria ii
Auditoria iiAuditoria ii
Auditoria ii
 
14 relatorio-gerencial
14 relatorio-gerencial14 relatorio-gerencial
14 relatorio-gerencial
 
Manual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoria
Manual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoriaManual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoria
Manual de contabilidade_e_relatorios_financeiros_e_auditoria
 
Manual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoria
Manual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoriaManual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoria
Manual de contabilidade e relatórios financeiros e auditoria
 
Relatórioatividades2012 CJPII
Relatórioatividades2012 CJPIIRelatórioatividades2012 CJPII
Relatórioatividades2012 CJPII
 
Conjuntura comvarejistaset2011
Conjuntura comvarejistaset2011Conjuntura comvarejistaset2011
Conjuntura comvarejistaset2011
 
Relatório Mensal de Economia da AEP -
Relatório Mensal de Economia da AEP - Relatório Mensal de Economia da AEP -
Relatório Mensal de Economia da AEP -
 
Relatório Mensal de Economia - Julho 2010
Relatório Mensal de Economia - Julho 2010Relatório Mensal de Economia - Julho 2010
Relatório Mensal de Economia - Julho 2010
 
15 relatorio-gerencial
15 relatorio-gerencial15 relatorio-gerencial
15 relatorio-gerencial
 
Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013
Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013
Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2013
 
Relatório Mensal de Economia - Setembro 2010
Relatório Mensal de Economia - Setembro 2010Relatório Mensal de Economia - Setembro 2010
Relatório Mensal de Economia - Setembro 2010
 
Indicadores comuns comunitários instruções plano de contigência
Indicadores comuns comunitários instruções plano de contigênciaIndicadores comuns comunitários instruções plano de contigência
Indicadores comuns comunitários instruções plano de contigência
 
IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...
IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...
IMPACTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS NA GESTÃO DE EMPRESAS: CASO DAS MICRO E...
 
Importância do teorema fundamental do cálculo na contabilidade
Importância do teorema fundamental do cálculo na contabilidadeImportância do teorema fundamental do cálculo na contabilidade
Importância do teorema fundamental do cálculo na contabilidade
 
Organização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdfOrganização formal do SNC .pdf
Organização formal do SNC .pdf
 
TÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLAS
TÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLASTÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLAS
TÉCNICAS E MÉTODOS APLICADOS AOS INQUÉRITOS AGRÍCOLAS
 
16 relatorio-gerencial
16 relatorio-gerencial16 relatorio-gerencial
16 relatorio-gerencial
 
Monitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal Estrutural
Monitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal EstruturalMonitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal Estrutural
Monitor de Política Fiscal - Resultado Fiscal Estrutural
 
Mercado trabalhomarco2012
Mercado trabalhomarco2012Mercado trabalhomarco2012
Mercado trabalhomarco2012
 
Apostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizaçõesApostila Funcao financeira nas organizações
Apostila Funcao financeira nas organizações
 

Mais de Serviço Regional de Estatística dos Açores(SREA)

Mais de Serviço Regional de Estatística dos Açores(SREA) (18)

Importância do reporte estatístico da atividade do Alojamento Local
Importância do reporte estatístico da atividade do Alojamento LocalImportância do reporte estatístico da atividade do Alojamento Local
Importância do reporte estatístico da atividade do Alojamento Local
 
Macaronésia - Análise/Interpretação de Indicadores Económicos atuais de cada ...
Macaronésia - Análise/Interpretação de Indicadores Económicos atuais de cada ...Macaronésia - Análise/Interpretação de Indicadores Económicos atuais de cada ...
Macaronésia - Análise/Interpretação de Indicadores Económicos atuais de cada ...
 
Os principais resultados dos Censos 2021 na RA Açores
Os principais resultados dos Censos 2021 na RA AçoresOs principais resultados dos Censos 2021 na RA Açores
Os principais resultados dos Censos 2021 na RA Açores
 
Oficina prática: Estatísticas do Turismo
Oficina prática: Estatísticas do TurismoOficina prática: Estatísticas do Turismo
Oficina prática: Estatísticas do Turismo
 
Turismo no Espaço Rural - Açores
Turismo no Espaço Rural - AçoresTurismo no Espaço Rural - Açores
Turismo no Espaço Rural - Açores
 
Indicador Compósito de Desenvolvimento Intra-Regional dos Açores 1980-2010
Indicador Compósito de Desenvolvimento Intra-Regional dos Açores 1980-2010Indicador Compósito de Desenvolvimento Intra-Regional dos Açores 1980-2010
Indicador Compósito de Desenvolvimento Intra-Regional dos Açores 1980-2010
 
Entrada e Saída dos Principais Produtos dos Açores
Entrada e Saída dos Principais Produtos dos AçoresEntrada e Saída dos Principais Produtos dos Açores
Entrada e Saída dos Principais Produtos dos Açores
 
Uma visão geral dos Açores
Uma visão geral dos Açores  Uma visão geral dos Açores
Uma visão geral dos Açores
 
Apresentação DAMARECE
Apresentação DAMARECEApresentação DAMARECE
Apresentação DAMARECE
 
Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...
Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...
Indicadores de sustentabilidade do turismo nos Açores: o papel das opiniões e...
 
Envelhecimento e natalidade nos Açores, ventilação espacial por ilha município
Envelhecimento e natalidade nos Açores, ventilação espacial por ilha municípioEnvelhecimento e natalidade nos Açores, ventilação espacial por ilha município
Envelhecimento e natalidade nos Açores, ventilação espacial por ilha município
 
Estatísticas regionais, recolha, tratamento e difusão
Estatísticas regionais, recolha, tratamento e difusãoEstatísticas regionais, recolha, tratamento e difusão
Estatísticas regionais, recolha, tratamento e difusão
 
Pib por ilha
Pib por ilhaPib por ilha
Pib por ilha
 
Açores à descoberta das raízes - Os Açores na actualidade
Açores à descoberta das raízes - Os Açores na actualidadeAçores à descoberta das raízes - Os Açores na actualidade
Açores à descoberta das raízes - Os Açores na actualidade
 
Acessos ao portal do SREA
Acessos ao portal do SREAAcessos ao portal do SREA
Acessos ao portal do SREA
 
Novo portal do Serviço Regional de Estatística dos Açores
Novo portal do Serviço Regional de Estatística dos AçoresNovo portal do Serviço Regional de Estatística dos Açores
Novo portal do Serviço Regional de Estatística dos Açores
 
Projecto CONTRIMAC
Projecto CONTRIMACProjecto CONTRIMAC
Projecto CONTRIMAC
 
Seminário sobre a avaliação dos sobrecustos das regiões ultraperiféricas
Seminário sobre a avaliação dos sobrecustos das regiões ultraperiféricas Seminário sobre a avaliação dos sobrecustos das regiões ultraperiféricas
Seminário sobre a avaliação dos sobrecustos das regiões ultraperiféricas
 

IAE Açores

  • 1. 1 IAE - Açores Isabel Cristina Monjardino isabel.cristina @ine.pt Lisboa, 17 de Junho de 2015
  • 3. 3 1.Enquadramento Como surge o IAE- Açores? Iniciativa do SREA Contactos com o BdP e o INE Porquê? Inexistência de um indicador de síntese de acompanhamento da economia regional no curto-prazo. Para quê? Dotar os potenciais utilizadores regionais de uma nova ferramenta de análise e planeamento económico. 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais
  • 4. 4 Questão de base: acompanhamento da evolução da economia no curto prazo e identificação dos ciclos económicos e dos pontos de viragem da economia. Conceito de ciclo económico – flutuações recorrentes da actividade económica agregada, que se traduzem em movimentos generalizados de: recessão, contração, recuperação, expansão e, novamente recessão. A sua duração varia entre 1 a 12 anos. Métodos de medição e acompanhamento dos ciclos: ● de tipo estatístico (metodologias de decomposição ciclo-tendência, modelização ex: ARIMA, etc.) ● de tipo estatístico-económico (nos quais se inclui a abordagem dos indicadores) 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais
  • 5. 5 Breve historial da abordagem dos indicadores Arthur Burns e Wesley Mitchel (1938) – primeiro estudo sobre a utilização de indicadores no seguimento da conjuntura económica Geoffrey Moore (1950) e Julius Shiskin (1961)– desenvolvimento dos primeiros indicadores compósitos 1968 – os EUA publicam, pela 1ª vez, índices compostos de indicadores cíclicos 1987 – OCDE - Composite Leading Indicator (CLI) 1997 - Comissão Europeia - Economic Sentiment Indicator (ESIN) 2000- Comissão Europeia – Business Climate Indicator (BCI) 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais
  • 6. 6 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais Em Portugal: BdP Indicador Coincidente de Actividade Económica (Dias,1993) Novo Indicador Coincidente de Actividade Económica (Azevedo, Koopman e Rua, 2003) INE Indicador de Actividade Económica Indicador de Clima Económico
  • 7. 7 2. Aspectos Metodológicos  Diferentes tipos de indicadores cíclicos: simples e compósitos  Diferentes tipos de indicadores compósitos: avançados, coincidentes e atrasados.  Principais objectivos da sua utilização: ● Como indicadores sintéticos da evolução geral da actividade económica, no curto prazo; ● Como ferramenta para identificar pontos de viragem do ciclo económico; ● Como mecanismo de previsão a curto prazo do crescimento económico. 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais
  • 8. 8  Metodologias de construção dos indicadores compósitos: ● Stock-Watson (BdP) ● Componentes Principais e Análise Factorial Clássica (INE) ● Metodologia Derivada ● Análise Factorial Dinâmica ● Metodologia tradicional – abordagem pelo VAB (SREA) O IAE– Açores é um indicador compósito, coincidente, construído a partir da metodologia tradicional, que pretende acompanhar, mensalmente, a evolução do “estado geral” da economia da RAA. 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais
  • 9. 9 Principais etapas: 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais Selecção das variáveis/componentes Recolha e Tratamento das séries Esquema de ponderação Cálculo (agregação, alisamento e calibração) Validação Divulgação
  • 10. 10 Estrutura actual de indicadores e ponderadores 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais Ponderadores actuais - a partir de Jan2015 (Base 2011) Ponderadores anteriores (Base 2006) Agricultura, Prod. animal e Pesca 0,119 0,155 Leite entregue nas fábricas 0,052 0,067 Gado abatido - bovinos 0,052 0.067 Pesca descarregada - total s/ tunídeos 0,015 0,022 Indústria e Energia 0,118 0,158 Produção de energia - total 0,048 0,066 Produtos Lácteos 0,039 0,052 Consumo de energia - Industria 0,031 0,041 Construção 0,082 0,095 Vendas de cimento 0,041 0,048 Nº de Empregados na Construção Civil 0,041 0,048 Serviços 0,682 0,591 Transp. Aéreos -Passageiros desemb. 0,075 0,109 Dormidas - Hot. Trad. 0,271 0,293 Empréstimos bancários concedidos 0,051 0,063 Nº de prédios transacionados 0,161 0,063 Levantamentos MB 0,125 0,063
  • 11. 11 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais 0.920 0.940 0.960 0.980 1.000 1.020 1.040 1.060 1.080 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Evolução anual do PIB e do IAE - Açores 1996-2013 Evolução real do PIB IAE - média anual Corr(PIB, IAE)=88%
  • 13. 13 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais 0.92 0.94 0.96 0.98 1.00 1.02 1.04 1.06 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 2013 2014 2015 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 2013 0,971 0,968 0,966 0,976 0,995 1,008 1,012 1,007 1,008 1,015 1,021 1,015 2014 1,011 1,010 1,018 1,023 1,023 1,021 1,012 1,011 1,008 1,011 1,017 1,028 2015 1,038 1,043 1,042
  • 15. 15 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais -6.00 -4.00 -2.00 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 IAE -Açores vs IAE nacionais (incluindo o CLI – PT) Março 2009 - Março 2015 IAE - INE IAE - Açores IC - BdP CLI- OCDE - PT
  • 16. 16 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais -6.00 -4.00 -2.00 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 mar/09 set/09 mar/10 set/10 mar/11 set/11 mar/12 set/12 mar/13 set/13 mar/14 set/14 mar/15 IAE -Açores vs IAE nacionais e internacionais Março 2009 - Março 2015 IAE - INE IAE - Açores IC - BdP CLI- OCDE - PT CLI- OCDE - Euro area CLI- OCDE - Total OCDE
  • 17. 17 Aspectos positivos  Os indicadores compósitos sintetizam realidades complexas, pelo seu carácter multidimensional, neste caso, o “estado geral da economia”;  São mais fáceis de interpretar, facilitando a análise dos decisores;  Facilitam o benchmarking ;  São uma forma de obter informação sobre o sentido da evolução cíclica da economia, enquanto o PIB não está disponível;  O IAE – Açores, em particular, sendo um projecto pioneiro na RAA, é uma mais-valia : para a informação estatística económica infra-anual produzida pelo SREA para a actividade deste Serviço, enquanto autoridade estatística regional. 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais 4. Considerações finais
  • 18. 18 Fragilidades e limitações  Os indicadores compósitos podem dar lugar a conclusões simplistas;  Podem produzir sinais confusos se forem deficientemente construídos ou mal interpretados;  A selecção das variáveis e a atribuição dos ponderadores podem ser alvo de questionamento;  Um IAE isolado não é suficiente para avaliar devidamente a evolução da conjuntura económica;  A metodologia tradicional, utilizada pelo IAE – Açores, dada a sua simplicidade, pode tornar este indicador demasiado volátil e dependente das flutuações das variáveis que o compõem. 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais
  • 19. 19 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais Desafios Trabalhar ao nível da cobertura, qualidade e disponibilidade das variáveis de base, componentes do IAE; Acompanhar os desenvolvimentos metodológicos e as boas práticas levadas a cabo nesta matéria, ao nível nacional e internacional; Complementar o IAE-Açores com um conjunto sistematizado de indicadores simples e de síntese que, à semelhança do que acontece ao nível nacional, torne possível uma verdadeira análise do comportamento conjuntural da economia da Região Autónoma dos Açores; Exercer uma acção pedagógica e de sensibilização, junto dos potenciais utilizadores desta ferramenta, no sentido da sua correcta e adequada interpretação e utilização.
  • 20. 20 1.Enquadramento 2.Aspectos Metodológicos 3.Resultados 4.Considerações Finais Nota Final Ao dotar as entidades governamentais regionais com mais esta ferramenta de análise macroeconómica, o SREA cumpre um dos desígnios para que foi criado como Serviço Regional de Estatística, fez, precisamente, no passado dia 17 de Maio, 35 anos: estar atento às necessidades de informação estatistica dos utilizadores regionais. Agradecemos aos colegas do INE a preciosa colaboração prestada no início deste projecto, que tornou possível a sua realização.
  • 21. 21 Referências BCE (2001), “ O conteúdo informativo dos indicadores compósitos do ciclo económico da área do euro”, BCE, Boletim Mensal, Novembro de 2001. RUA, António (2002), “Indicadores compósitos para a actividade económica na área do euro”, Banco de Portugal, Boletim económico, Setembro de 2002 Oliveira, Pedro Miguel (2002), “Indicadores de actividade e ciclos económicos: teoria e evidência para Portugal”, tese de Mestrado em Economia, UTL - ISEG DIAS, Francisco C. (2003), “ O indicador coincidente para a economia portuguesa: uma avaliação histórica dos seus 10 anos de existência”, Banco de Portugal, Boletim Económico, Setembro de 2003. RUA, António (2004), “Um novo indicador coincidente para a economia portuguesa”, Banco de Portugal, Boletim Económico, Junho de 2004. MELRO, Francisco (2005), “Um indicador avançado trimestral para o indicador coincidente do PIB”, INE, Gabinete de Estudos OCDE (2008), “OECD system of composite leading indicators”. De la TIGERA, Victor Alfredo Bustos (2009), “Indicadores Sintéticos para seguir la evolucion en el tiempo de fenómenos multidimensionales: una proposta metodológica”, INEGI, Boletin de los Sistemas Nacionales Estadistico y de Informacion Geográfica, Vol.2, Núm3, Septiembre-Deciembre 2009
  • 22. 22 Referências (cont.) CARDOSO, Fátima e RUA, António (2011), “As contas nacionais trimestrais em tempo real: uma análise das revisões da última década”, Banco de Portugal, Boletim económico, Outono de 2011 ESTEVES, P.S. e RUA, António (2012), “Previsões económicas de curto prazo para Portugal: uma síntese metodológica”, Banco de Portugal, Boletim económico, Outono de 2012 HEATH, Jonathan(2012), “Lo que indican los indicadores: como utilizar la informacion estadística para entender la realidad económica de México”, INEGI RUA, António (2015), “Indicadores coincidentes mensais do Banco de Portugal revisitados”, Banco de Portugal, Revista de Estudos Económicos, vol I, nº1