SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
AUDITORIAS ENERGÉTICAS
PLANOS DE RACIONALIZAÇÃO DE ENERGIA
MICROPRODUÇÃO OU MINIPRODUÇÃO
A preparação dos trabalhos é uma
fase fulcral para o desenvolvimento
e sucesso da Auditoria Energética.
Nesta fase a SGS analisa um conjunto
de documentação fornecido pela
organização responsável pelas
instalações a auditar, para caracterizar
o edifício, os sistemas técnicos e o
histórico do consumo energético, entre
outros elementos importantes.
Nos trabalhos de campo a equipa
auditora realiza medições, observações
e recolhe informações, com vista ao
complemento do diagnóstico em curso.
A análise das medições e dos
fluxos energéticos envolvidos no
funcionamento das instalações permite
contextualizá-los de uma forma
global, identificando oportunidades
de revalorização de excedentes
energéticos.
O relatório da Auditoria Energética
apresentado pela SGS pretende ser
um elemento de trabalho fundamental
para a gestão energética da instalação
auditada. Neste contexto, o relatório da
Auditoria Energética será submetido
para aprovação prévia do cliente.
As medidas de Utilização Racional de
Energia (URE) a aplicar na instalação,
são identificadas com vista à redução
do consumo de energia e aplicação
do Plano de Racionalização Energética
(PRE).
PLANO DE RACIONALIZAÇÃO ENERGÉTICA
No Plano de Racionalização Energética
(PRE), a SGS estabelece um
cronograma para a implementação das
medidas de URE, em colaboração com
a organização. O seu sucesso passa
sobretudo pela adequação das medidas
de URE à realidade técnica da instalação
e à realidade financeira da organização.
O cronograma terá por base não
só critérios técnicos e legais, mas
sobretudo critérios de adequação à
realidade da organização. Pretende-se
assim ajustar a aplicação das medidas
de URE ao plano de investimentos
da organização, criando-se um PRE
realista que, tendo na sua génese o
compromisso da organização, será de
aplicação mais efetiva.
Em função do enquadramento legal
aplicável, o PRE poderá ser de
aplicação obrigatória ou facultativa. No
entanto a equipa auditora apresentará
sempre recomendações com vista à
racionalização dos consumos de energia.
Antes da emissão do documento final, o
PRE e o relatório da Auditoria Energética
são submetidos para aprovação e
discussão com o cliente. Após este
momento, serão incluídas as eventuais
alterações acordadas e emitidos o
relatório final da Auditoria Energética e
o PRE.
O preço dos recursos energéticos não renováveis tem aumentado e tal continuará a
verificar-se, dada a sua escassez e o aumento do consumo energético mundial.
As fontes renováveis de energia e a eficiência energética apresentam-se como as
soluções para os problemas relacionados com a segurança do abastecimento e com
a racionalização dos consumos. Ao mesmo tempo, traduzem-se em oportunidades
para as organizações, na medida em que contribuem para o aumento da sua
competitividade, através da redução da fatura energética.
A SGS apoia todo o tipo de organizações a utilizarem a energia de forma mais
inteligente, o que lhes permitirá minorar os custos energéticos e até gerar novos
proveitos financeiros. Para tal, a SGS consolida a sua ação em três vertentes: a
auditoria, o plano de racionalização e a microprodução.
AUDITORIAS ENERGÉTICAS
As auditorias energéticas têm como objetivos a avaliação das condições de utilização
da energia no edifício/instalações; a determinação da estrutura de consumos e a
identificação de oportunidades de melhoria.
PREPARAÇÃO
E RECOLHA DE
INFORMAÇÃO
TRABALHOS DE
CAMPO
ANÁLISE DAS
MEDIÇÕES
RELATÓRIO DA
AUDITORIA
ENERGÉTICAS
MEDIDAS DE URE
PORQUÊ A SGS?
Fundada em 1878, a SGS é líder mundial
nas áreas de Inspeção, Verificação,
Análise e Certificação.
Com experiência efetiva e comprovada
bem como com uma sólida reputação,
a equipa da SGS é constituída por
técnicos altamente qualificados e
apoiada por uma rede mundial de
laboratórios acreditados. Os nossos
técnicos especializados, apoiados
por uma equipa de back-office
fortemente organizada, garantem um
acompanhamento permanente e com
abrangência nacional, incluindo Açores
e Madeira.
Desde o sector da Construção Civil e
Obras Públicas, até ao sector da Energia,
passando pela execução de todo o tipo
de Inspeções Técnicas, a SGS detém as
acreditações e os recursos necessários
para prestar o melhor dos serviços com
rapidez e eficiência. Adicionalmente, a
SGS apoia as empresas a controlar os
impactos associados às suas atividades,
bem como a implementar ações e
medidas que vêm melhorar a sua
eficiência e a sua produtividade.
Trabalhar com a SGS significa:
•• 	Total cobertura nacional (Continente
e Ilhas);
•• 	Know-how internacional;
•• 	Reconhecimento mundial da Marca
SGS;
•• 	Bolsa de técnicos especializados
com disponibilidade total;
•• 	Acompanhamento e apoio técnico
constantes;
•• 	Soluções idealizadas à medida de
cada Organização e de cada projeto;
•• 	Rede mundial de laboratórios
acreditados;
•• 	Procedimentos rápidos e eficientes,
assegurando processos expeditos.
CONTACTOS
www.sgs.pt
www.sgs.com
t.: 707 200 747*
f.: 707 200 329
e.: pt.info@sgs.com
*de seg. a sex. das 9h00 às 18h00
MICROPRODUÇÃO OU MINIPRODUÇÃO
Um dos principais objetivos para
Estratégia Nacional para a Energia 2020
foi reduzir a fatura da energia importada
através da energia produzida a partir de
fontes endógenas. A alteração do regime
jurídico da microprodução e miniprodução
no sentido de alargar e descentralizar
a produção a particulares e pequenos
produtores vem reforçar esta estratégia.
A microprodução e a miniprodução são
atividades de pequena escala de produção
descentralizada de eletricidade por
intermédio de instalações de pequena
potência. Os regimes estão previstos no
Decreto-Lei n.º 363/2007 (republicado
pelo Decreto-Lei n.º 118-A/2010) e no
Decreto-Lei n.º 34/2011, respetivamente.
Qualquer pessoa, singular ou coletiva,
pode ser promotor de uma unidade de
microprodução ou miniprodução, em
regime geral ou bonificado. O primeiro é
aplicável à generalidade das instalações
e o segundo é apenas aplicável às fontes
renováveis de energia. Para se inserirem
no regime bonificado, os produtores
necessitam ainda de:
•• 	no local de consumo, dispor de
coletores solares térmicos, caldeiras
de biomassa;
•• 	nos condomínios de seis ou mais
frações, efetuar uma Auditoria
Energética, com implementação das
medidas propostas com Plano de
Retorno ao Investimento inferior ou
igual a dois anos.
A SGS apoia todos os interessados
na microprodução e na minigeração,
ao realizar Auditorias Energéticas com
técnicos qualificados e experientes
nas diferentes soluções existentes no
mercado.
Este know-how é igualmente importante
para a elaboração do estudo da
viabilidade de instalação do sistema
de produção, com a quantificação do
período de retorno.
ENVIMP0101(2012/05/14)
©2012SGSSociétéGénéraledeSurveillanceSA–Allrightsreserved
WWW.SGS.COM
WWW.SGS.PT

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência EnergéticaOs Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energéticaslides-mci
 
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...Pedro Santos
 
Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...
Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...
Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...CPFL Energia
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?slides-mci
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestãoslides-mci
 
Ainda a gestão de energia
Ainda a gestão de energiaAinda a gestão de energia
Ainda a gestão de energiaRui Loureiro
 
20150415 isa energy pr spinoff
20150415 isa energy pr spinoff20150415 isa energy pr spinoff
20150415 isa energy pr spinoffISA_Energy
 
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...Advantage Automação
 

Mais procurados (11)

Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência EnergéticaOs Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
Os Impactos da Lei 13.280/2016 no Programa de Eficiência Energética
 
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Eficiência Energética nas empresas"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Eficiência Energética nas empresas"FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Eficiência Energética nas empresas"
FORUM PORTUGAL ENERGY POWER: "Eficiência Energética nas empresas"
 
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
Norma Internacional de Sistemas de Gestão de Energia - ISO 50001, Pedro Fonse...
 
Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...
Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...
Workshop EE 2014 - 08. Luiz Carlos Lopes Júnior - PEE CPFL Energia - Chamada ...
 
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
Lei 13.280/2016. O que muda no Programa de Eficiência Energética?
 
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de GestãoISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
ISO 50.001: Requisitos para Implementação do Sistema de Gestão
 
Ainda a gestão de energia
Ainda a gestão de energiaAinda a gestão de energia
Ainda a gestão de energia
 
Follow Energy na Mídia
Follow Energy na MídiaFollow Energy na Mídia
Follow Energy na Mídia
 
20150415 isa energy pr spinoff
20150415 isa energy pr spinoff20150415 isa energy pr spinoff
20150415 isa energy pr spinoff
 
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
Consultoria eficiência energética | Energia elétrica | Projetos de economia d...
 
REPRESENTANTE COMERCIAL
REPRESENTANTE COMERCIALREPRESENTANTE COMERCIAL
REPRESENTANTE COMERCIAL
 

Destaque (20)

4. historia-1o-a-3o
4. historia-1o-a-3o4. historia-1o-a-3o
4. historia-1o-a-3o
 
Diapositiva geografia 2
Diapositiva geografia 2Diapositiva geografia 2
Diapositiva geografia 2
 
Mi otro YO
Mi otro YOMi otro YO
Mi otro YO
 
Iniciació - gestions en línia
Iniciació - gestions en líniaIniciació - gestions en línia
Iniciació - gestions en línia
 
Paula Fernandes - Pra Você ( Linnnnnda )
Paula Fernandes -  Pra Você ( Linnnnnda )Paula Fernandes -  Pra Você ( Linnnnnda )
Paula Fernandes - Pra Você ( Linnnnnda )
 
History board
History boardHistory board
History board
 
Set Pictures
Set PicturesSet Pictures
Set Pictures
 
Software libre
Software libreSoftware libre
Software libre
 
Referencias bibliográficas
Referencias bibliográficasReferencias bibliográficas
Referencias bibliográficas
 
Kiss - War Machine ( Maquina de Guerra )
Kiss -  War Machine ( Maquina de Guerra )Kiss -  War Machine ( Maquina de Guerra )
Kiss - War Machine ( Maquina de Guerra )
 
Ordenadores
OrdenadoresOrdenadores
Ordenadores
 
Jose_luis_palao_tema1_tic
Jose_luis_palao_tema1_ticJose_luis_palao_tema1_tic
Jose_luis_palao_tema1_tic
 
Agile 2011 Brochure
Agile 2011 BrochureAgile 2011 Brochure
Agile 2011 Brochure
 
La gran ramera
La gran rameraLa gran ramera
La gran ramera
 
Lissette Avila
Lissette AvilaLissette Avila
Lissette Avila
 
Twitter
TwitterTwitter
Twitter
 
Comercio electrónico clasificacion
Comercio electrónico clasificacionComercio electrónico clasificacion
Comercio electrónico clasificacion
 
Planificación familiar
Planificación familiarPlanificación familiar
Planificación familiar
 
Tarea 6
Tarea 6Tarea 6
Tarea 6
 
Miriam sauz lira
Miriam sauz liraMiriam sauz lira
Miriam sauz lira
 

Semelhante a SGS Energia

Lutche Engenharia, Lda - Apresentação
Lutche Engenharia, Lda - Apresentação Lutche Engenharia, Lda - Apresentação
Lutche Engenharia, Lda - Apresentação lutcheeng
 
Eg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTica
Eg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTicaEg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTica
Eg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTicaInformaGroup
 
Manual boas practicas
Manual boas practicasManual boas practicas
Manual boas practicasAna Campos
 
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifeiitgfiles
 
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...CPFL Energia
 
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public AdministrationEnergy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administrationtiaguini
 
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial Conrado Augustus de Melo
 
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...CPFL Energia
 
Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.abihoestepr
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásAmpla Energia S.A.
 
Jania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficienciaJania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficienciaEvandro Calisto
 
Parceria Gabinetes de Contabilidade - Contas Certas
Parceria Gabinetes de Contabilidade - Contas CertasParceria Gabinetes de Contabilidade - Contas Certas
Parceria Gabinetes de Contabilidade - Contas CertasAntonio Monteiro
 
IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13
IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13
IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13CPFL RI
 
Programa de Gestão energética PGE
Programa de Gestão energética PGEPrograma de Gestão energética PGE
Programa de Gestão energética PGEHykaro Aquino
 

Semelhante a SGS Energia (20)

Lutche Engenharia, Lda - Apresentação
Lutche Engenharia, Lda - Apresentação Lutche Engenharia, Lda - Apresentação
Lutche Engenharia, Lda - Apresentação
 
Eg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTica
Eg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTicaEg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTica
Eg0912509#Programa EficiêNcia EnergéTica
 
Manual boas practicas
Manual boas practicasManual boas practicas
Manual boas practicas
 
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
17.ago ruby 14.00_painel m&v_unifei
 
Monitorizacao energética em Hospitais
Monitorizacao energética em HospitaisMonitorizacao energética em Hospitais
Monitorizacao energética em Hospitais
 
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
Workshop EE 2014 - 04. Marcelo Sigoli - A Visão da Abesco Sobre Eficiência ...
 
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public AdministrationEnergy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
Energy Performance Contracts in Portuguese Public Administration
 
Mercado de Geração Distribuída no Brasil
Mercado de Geração Distribuída no BrasilMercado de Geração Distribuída no Brasil
Mercado de Geração Distribuída no Brasil
 
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
Padrões de Eficiência Energética para Equipamentos Elétricos de uso Residencial
 
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
Geração Distribuída de Energia Elétrica e Geração Solar - Seminário franco-br...
 
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
Workshop EE 2014 - 01. Sérgio Valdir Bajay - O Cenário de Eficiência Energe...
 
Salvador Carvalho - YUNIT
Salvador Carvalho - YUNITSalvador Carvalho - YUNIT
Salvador Carvalho - YUNIT
 
Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.Soluções em eficiência energética.
Soluções em eficiência energética.
 
Perspectivas do Setor Elétrico
Perspectivas do Setor ElétricoPerspectivas do Setor Elétrico
Perspectivas do Setor Elétrico
 
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e EletrobrásProcel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) e Eletrobrás
 
Jania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficienciaJania akamatsu eficiencia
Jania akamatsu eficiencia
 
Parceria Gabinetes de Contabilidade - Contas Certas
Parceria Gabinetes de Contabilidade - Contas CertasParceria Gabinetes de Contabilidade - Contas Certas
Parceria Gabinetes de Contabilidade - Contas Certas
 
IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13
IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13
IV Conferência Setor Elétrico Brasil Santander_04abr13
 
Programa de Gestão energética PGE
Programa de Gestão energética PGEPrograma de Gestão energética PGE
Programa de Gestão energética PGE
 
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticasA área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
A área administrativa no enfrentamento das mudanças climáticas
 

Mais de SGS Portugal

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016SGS Portugal
 
Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17
Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17
Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17SGS Portugal
 
Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17
Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17
Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17SGS Portugal
 
Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17
Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17
Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17SGS Portugal
 
Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17
Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17
Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17SGS Portugal
 
Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17
Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17
Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17SGS Portugal
 
Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17
Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17
Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17SGS Portugal
 
Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17
Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17
Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17SGS Portugal
 
Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16
Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16
Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16SGS Portugal
 
SGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na Saúde
SGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na SaúdeSGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na Saúde
SGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na SaúdeSGS Portugal
 
API 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PT
API 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PTAPI 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PT
API 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PTSGS Portugal
 
SGS Academy - Qualificação de Gestores da Qualidade
SGS Academy - Qualificação de Gestores da QualidadeSGS Academy - Qualificação de Gestores da Qualidade
SGS Academy - Qualificação de Gestores da QualidadeSGS Portugal
 
SGS Academy PG Gestão da Formação
SGS Academy PG Gestão da Formação SGS Academy PG Gestão da Formação
SGS Academy PG Gestão da Formação SGS Portugal
 
Sgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentar
Sgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentarSgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentar
Sgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentarSGS Portugal
 
SGS Academy Moçambique
SGS Academy MoçambiqueSGS Academy Moçambique
SGS Academy MoçambiqueSGS Portugal
 
Sgs Academy Plano formação Leiria
Sgs Academy Plano formação LeiriaSgs Academy Plano formação Leiria
Sgs Academy Plano formação LeiriaSGS Portugal
 
SGS Academy _ Formação Alto Minho
SGS Academy _ Formação Alto MinhoSGS Academy _ Formação Alto Minho
SGS Academy _ Formação Alto MinhoSGS Portugal
 
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...SGS Portugal
 
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001SGS Portugal
 
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001SGS Portugal
 

Mais de SGS Portugal (20)

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SETOR AUTOMÓVEL IATF 16949:2016
 
Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17
Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17
Sgs ehs-gases-fluorados-a4-pt-17
 
Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17
Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17
Sgs grupo-brochura-industria-alimentar-pt-17
 
Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17
Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17
Sgs afl-residuos-pesticidas-a4-pt-17
 
Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17
Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17
Sgs group-sgs-legis-a4-pt-17
 
Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17
Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17
Sgs cbe-brc-global-a4-pt-17
 
Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17
Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17
Sgs cbe-monofolha-certificacao-pessoas-a4-pt-17
 
Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17
Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17
Sgs crs-monofolha-avaliacao-reclamacoes-a4-pt-17
 
Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16
Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16
Sgs cbe-monofolha-np4538-a4-pt-16
 
SGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na Saúde
SGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na SaúdeSGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na Saúde
SGS Academy - Pós-Graduação Qualidade na Saúde
 
API 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PT
API 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PTAPI 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PT
API 580 RISK-BASED INSPECTOR - Curso SGS Academy PT
 
SGS Academy - Qualificação de Gestores da Qualidade
SGS Academy - Qualificação de Gestores da QualidadeSGS Academy - Qualificação de Gestores da Qualidade
SGS Academy - Qualificação de Gestores da Qualidade
 
SGS Academy PG Gestão da Formação
SGS Academy PG Gestão da Formação SGS Academy PG Gestão da Formação
SGS Academy PG Gestão da Formação
 
Sgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentar
Sgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentarSgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentar
Sgs academy pg sistemas de gestão da segurança alimentar
 
SGS Academy Moçambique
SGS Academy MoçambiqueSGS Academy Moçambique
SGS Academy Moçambique
 
Sgs Academy Plano formação Leiria
Sgs Academy Plano formação LeiriaSgs Academy Plano formação Leiria
Sgs Academy Plano formação Leiria
 
SGS Academy _ Formação Alto Minho
SGS Academy _ Formação Alto MinhoSGS Academy _ Formação Alto Minho
SGS Academy _ Formação Alto Minho
 
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho OHS...
 
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão da Energia ISO 50001
 
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001
SGS - Certificação em Sistemas de Gestão Ambiental ISO 14001
 

Último

Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccssDespertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccssGuilhermeMelo381677
 
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptxDesenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptxCoca Pitzer
 
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - AtualizadoCatálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - AtualizadoWagnerSouza717812
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdfSoluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdfSabrinaPrado11
 
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.JosineiPeres
 

Último (6)

Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccssDespertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
Despertar SEBRAE [PROFESSOR] (1).pdfccss
 
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptxDesenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
Desenvolvendo uma Abordagem Estratégica para a Gestão de Portfólio.pptx
 
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - AtualizadoCatálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
Catálogo de Produtos OceanTech 2024 - Atualizado
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdfSoluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
Soluções MNE - Mês das Mães 2024_sv (1).pdf
 
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
LIDER COACH E SUA IMORTÂNCIA NSS ORGANIZAÇÕES.
 

SGS Energia

  • 1. AUDITORIAS ENERGÉTICAS PLANOS DE RACIONALIZAÇÃO DE ENERGIA MICROPRODUÇÃO OU MINIPRODUÇÃO
  • 2. A preparação dos trabalhos é uma fase fulcral para o desenvolvimento e sucesso da Auditoria Energética. Nesta fase a SGS analisa um conjunto de documentação fornecido pela organização responsável pelas instalações a auditar, para caracterizar o edifício, os sistemas técnicos e o histórico do consumo energético, entre outros elementos importantes. Nos trabalhos de campo a equipa auditora realiza medições, observações e recolhe informações, com vista ao complemento do diagnóstico em curso. A análise das medições e dos fluxos energéticos envolvidos no funcionamento das instalações permite contextualizá-los de uma forma global, identificando oportunidades de revalorização de excedentes energéticos. O relatório da Auditoria Energética apresentado pela SGS pretende ser um elemento de trabalho fundamental para a gestão energética da instalação auditada. Neste contexto, o relatório da Auditoria Energética será submetido para aprovação prévia do cliente. As medidas de Utilização Racional de Energia (URE) a aplicar na instalação, são identificadas com vista à redução do consumo de energia e aplicação do Plano de Racionalização Energética (PRE). PLANO DE RACIONALIZAÇÃO ENERGÉTICA No Plano de Racionalização Energética (PRE), a SGS estabelece um cronograma para a implementação das medidas de URE, em colaboração com a organização. O seu sucesso passa sobretudo pela adequação das medidas de URE à realidade técnica da instalação e à realidade financeira da organização. O cronograma terá por base não só critérios técnicos e legais, mas sobretudo critérios de adequação à realidade da organização. Pretende-se assim ajustar a aplicação das medidas de URE ao plano de investimentos da organização, criando-se um PRE realista que, tendo na sua génese o compromisso da organização, será de aplicação mais efetiva. Em função do enquadramento legal aplicável, o PRE poderá ser de aplicação obrigatória ou facultativa. No entanto a equipa auditora apresentará sempre recomendações com vista à racionalização dos consumos de energia. Antes da emissão do documento final, o PRE e o relatório da Auditoria Energética são submetidos para aprovação e discussão com o cliente. Após este momento, serão incluídas as eventuais alterações acordadas e emitidos o relatório final da Auditoria Energética e o PRE. O preço dos recursos energéticos não renováveis tem aumentado e tal continuará a verificar-se, dada a sua escassez e o aumento do consumo energético mundial. As fontes renováveis de energia e a eficiência energética apresentam-se como as soluções para os problemas relacionados com a segurança do abastecimento e com a racionalização dos consumos. Ao mesmo tempo, traduzem-se em oportunidades para as organizações, na medida em que contribuem para o aumento da sua competitividade, através da redução da fatura energética. A SGS apoia todo o tipo de organizações a utilizarem a energia de forma mais inteligente, o que lhes permitirá minorar os custos energéticos e até gerar novos proveitos financeiros. Para tal, a SGS consolida a sua ação em três vertentes: a auditoria, o plano de racionalização e a microprodução. AUDITORIAS ENERGÉTICAS As auditorias energéticas têm como objetivos a avaliação das condições de utilização da energia no edifício/instalações; a determinação da estrutura de consumos e a identificação de oportunidades de melhoria. PREPARAÇÃO E RECOLHA DE INFORMAÇÃO TRABALHOS DE CAMPO ANÁLISE DAS MEDIÇÕES RELATÓRIO DA AUDITORIA ENERGÉTICAS MEDIDAS DE URE
  • 3. PORQUÊ A SGS? Fundada em 1878, a SGS é líder mundial nas áreas de Inspeção, Verificação, Análise e Certificação. Com experiência efetiva e comprovada bem como com uma sólida reputação, a equipa da SGS é constituída por técnicos altamente qualificados e apoiada por uma rede mundial de laboratórios acreditados. Os nossos técnicos especializados, apoiados por uma equipa de back-office fortemente organizada, garantem um acompanhamento permanente e com abrangência nacional, incluindo Açores e Madeira. Desde o sector da Construção Civil e Obras Públicas, até ao sector da Energia, passando pela execução de todo o tipo de Inspeções Técnicas, a SGS detém as acreditações e os recursos necessários para prestar o melhor dos serviços com rapidez e eficiência. Adicionalmente, a SGS apoia as empresas a controlar os impactos associados às suas atividades, bem como a implementar ações e medidas que vêm melhorar a sua eficiência e a sua produtividade. Trabalhar com a SGS significa: •• Total cobertura nacional (Continente e Ilhas); •• Know-how internacional; •• Reconhecimento mundial da Marca SGS; •• Bolsa de técnicos especializados com disponibilidade total; •• Acompanhamento e apoio técnico constantes; •• Soluções idealizadas à medida de cada Organização e de cada projeto; •• Rede mundial de laboratórios acreditados; •• Procedimentos rápidos e eficientes, assegurando processos expeditos. CONTACTOS www.sgs.pt www.sgs.com t.: 707 200 747* f.: 707 200 329 e.: pt.info@sgs.com *de seg. a sex. das 9h00 às 18h00 MICROPRODUÇÃO OU MINIPRODUÇÃO Um dos principais objetivos para Estratégia Nacional para a Energia 2020 foi reduzir a fatura da energia importada através da energia produzida a partir de fontes endógenas. A alteração do regime jurídico da microprodução e miniprodução no sentido de alargar e descentralizar a produção a particulares e pequenos produtores vem reforçar esta estratégia. A microprodução e a miniprodução são atividades de pequena escala de produção descentralizada de eletricidade por intermédio de instalações de pequena potência. Os regimes estão previstos no Decreto-Lei n.º 363/2007 (republicado pelo Decreto-Lei n.º 118-A/2010) e no Decreto-Lei n.º 34/2011, respetivamente. Qualquer pessoa, singular ou coletiva, pode ser promotor de uma unidade de microprodução ou miniprodução, em regime geral ou bonificado. O primeiro é aplicável à generalidade das instalações e o segundo é apenas aplicável às fontes renováveis de energia. Para se inserirem no regime bonificado, os produtores necessitam ainda de: •• no local de consumo, dispor de coletores solares térmicos, caldeiras de biomassa; •• nos condomínios de seis ou mais frações, efetuar uma Auditoria Energética, com implementação das medidas propostas com Plano de Retorno ao Investimento inferior ou igual a dois anos. A SGS apoia todos os interessados na microprodução e na minigeração, ao realizar Auditorias Energéticas com técnicos qualificados e experientes nas diferentes soluções existentes no mercado. Este know-how é igualmente importante para a elaboração do estudo da viabilidade de instalação do sistema de produção, com a quantificação do período de retorno. ENVIMP0101(2012/05/14)